Arquivo da tag: espumante

Inspirado no mundo do vinho, pingente de strass recria tampa de espumante

Acessório vem envolvido no aramado do espumante Amitié Nature Tradicional

A enóloga Juciane Casagrande Doro e a sommelière Andreia Gentilini Milan elevaram a outro nível o conceito de sofisticação quando o assunto é espumante brasileiro.

As gaúchas são as criadoras da marca de espumantes Amitié – ‘amizade’, em francês -, única no Brasil a trazer um pingente com strass na tampa do aramado da garrafa do Espumante Nature Tradicional (ambas usam a peça na foto).

pingente2

A peça luxuosa nasceu do desejo das empreendedoras de levarem além a experiência com suas borbulhas e atribuírem novos usos a materiais que seriam descartados, transformando-os em algo novo e icônico.

O charmoso acessório em cor bronze rosé vem acompanhado por um cordão e a peça é revelada somente após a abertura do espumante. O design é inspirado nos lacres tradicionais da bebida, e o símbolo do infinito, logo da Amitié, está inscrito no pingente, evocando o eterno, o duradouro. Andreia e Juciane destacam que o espumante com a peça é um presente especial, que vai ecoar após os brindes com a bebida, tornado única a lembrança do momento.

Os espumantes Amitié são elaborados na Serra Gaúcha (RS) e, além do Amitié Nature, vêm nas versões Amitié Moscatel, Amitié Brut, Amité Rosé, Amitié Cuvée Brut e Amitié Brut Rosé.

pingente

O pingente é exclusivo da Edição Limitada do Amitié Nature elaborado pelo método Tradicional, 100% Chardonnay, com maturação de um ano e meio na garrafa. Preço médio: R$ 120,00.

Informações: Espumante Amitié

 

Vinícola Aurora lança promoção “Se Joga em Curaçao”

Na compra de dois espumantes Aurora, é possível concorrer a 5 viagens para essa ilha deslumbrante no Caribe

Até o dia 30 de janeiro é possível participar da promoção “Se Joga Em Curaçao”, que a Vinícola Aurora colocou no ar no dia 3 de novembro em parceria com a Curaçao Tourism Board (CTB). Consumidores de todas as partes do Brasil poderão participar. Basta comprar duas ou mais garrafas dos espumantes Aurora (Chardonnay Brut, Demi-Sec, Prosecco, Moscatel Branco ou Moscatel Rosé) para poder se cadastrar no hotsite.

Aurora-Espumantes-Nova-ambalagem-Copia-2-1030x759.jpg

A partir desse cadastro, passará a concorrer a cinco viagens, com acompanhante, para Curaçao, um dos destinos mais cobiçados do Caribe.

Curaçao é uma ilha que pertence à Holanda, com praias paradisíacas escondidas em enseadas, extensos recifes de corais e vários pontos ideais para a prática de mergulho. A arquitetura colonial na capital, Willemstad, a flutuante Ponte da Rainha Emma e a sinagoga Mikvé Israel-Emanuel, do século XVII, com piso de areia são algumas das atrações sempre muito procuradas pelos turistas.

Desde 2017, a Vinícola Aurora exporta suco de uva, vinhos, espumantes e frisantes para Curaçao. Em 2019 já embarcou 18.876 garrafas para a ilha, volume muito superior ao dos anos anteriores: 5.074 garrafas em 2018 e 2.580 garrafas em 2017.

Os espumantes Aurora podem ser encontrados em restaurantes e grandes redes de Curaçao e em todo o território brasileiro, lojas de grandes redes de varejo ou em empórios especializados.

promo-aurora11

Informações: Cooperativa Vinícola Aurora – SAC: 0800 701-1455

 

Receita de coxinha de camarão com banana-da-terra + vinho para harmonizar

Além de tornar a massa ainda mais gostosa, a banana-da-terra, cultivada em várias regiões do Brasil, deixa as coxinhas mais nutritivas, já que traz, na composição, grande quantidade de vitaminas A e C, além de potássio. E a combinação com camarão fica realmente especial.

Coxinha de camarão com banana-da-terra

Ingredientes

Massa
• 3 bananas-da-terra
• 1 ovo para empanar
• Farinha de trigo suficiente para empanar
• Farinha de rosca suficiente para empanar
• Sal a gosto
• Óleo para fritar

Recheio
• 300 g de camarões pequenos
• 1 cebola pequena picada
• 1 colher (sopa) de manteiga
• 1 colher (sopa) de farinha de trigo
• 2 colheres (sopa) de extrato de tomate
• Sal e pimenta-do-reino a gosto

Finalização
• 1 tablete (200 g) de manteiga
• Salsa picada
• Queijo parmesão a gosto, ralado
• Sal e pimenta-do-reino moída a gosto

CgLxnipg-682x1024.jpeg
Foto: Bruno Geraldi

Rendimento: cerca de 15 coxinhas
Tempo de preparo: 2 horas
Dificuldade: moderada

Vinhos para harmonizar

Maison Fortant Grenache Gris Rosé 2017 – Languedoc- -Roussillon, França
O sabor delicado do camarão encontra a delicadeza deste rosé, que destaca notas frutadas e harmoniza com a banana-da-terra, intensa e aromática.

espumante laborie.png

Espumante Laborie Le Traditionnel Brut – Western Cape, África do Sul Versátil
Este exemplar é um curinga. De paladar cremoso, com aportes de brioche, convida a mais um gole e, claro, mais uma mordida

Fonte: Wine.com.br

Santo Grão brinda 16 anos oferecendo espumante aos clientes

Desde 2003 na Rua Oscar Freire, o Santo Grão comemora 16 anos de sucesso neste 21 de agosto. E quem ganha o presente é a clientela. Na data, a marca vai oferecer, em todas as unidades, uma taça de espumante para brindar sua jornada.

História

Em 2003, quando as pessoas começavam a pensar no café não só como coadjuvante e ter um grande interesse pela bebida, desde sua matéria-prima até formas diferentes de extração e preparo, o Santo Grão iniciava sua história com a abertura da matriz, na Oscar Freire, nos Jardins.

A marca criada por Marco Kerkmeester se tornou uma rede com oito unidades, sete em São Paulo e uma em Curitiba. Ele era executivo da IBM quando conheceu sua esposa Renata. No final de 2001 resolveram viver no Brasil e tiveram a ideia de montar o café. Fez cursos de degustação e torrefação, mas, ao definir melhor o negócio, considerou que deveria também investir na comida e em uma filosofia diferenciada.

Muito do sucesso e crescimento da marca diante de seus frequentadores se dá pela combinação de elementos, que viraram marca registrada da rede: ambiente aconchegante – que remeta a sala de estar dos seus clientes e que ao mesmo tempo seja um ponto de qualquer tipo de encontro de amigos, negócios, romances -, cardápio diversificado que atenda todos os momentos e paladares, e serviço atencioso e eficaz, que transmite a filosofia da empresa de trabalhar com amor.

santo grao.JPG

Santo Grão: Rua Oscar Freire, 413 – Cerqueira César – São Paulo – Horário de funcionamento: segunda a quinta: das 7h30 às 24h. Sexta: das 7h30 à 1h. Sábado: das 8h à 1h. Domingo: das 8h às 23h

Bons rótulos de presente para pais de diferentes estilos

Tintos de bom corpo, espumante com Indicação de Procedência e destilados finos
estão entre as sugestões da Vinícola Aurora para os diferentes perfis

Um bom vinho ou um destilado fino são dicas infalíveis de presente no Dia dos Pais. Para acertar o estilo, a Vinícola Aurora sugere vários de seus rótulos premiados, como dicas para agradar aos diferentes perfis de pais.

cabernet

Já é apreciador de vinhos e cultua uma pequena coleção em casa? Vai gostar do icônico Aurora Millésime Cabernet Sauvignon 2015, elaborado com as melhores uvas exclusivamente de uma safra excepcional. Indispensável na adega e nas taças dos grandes apreciadores, esse vinho apresenta bom corpo e boa estrutura e grande potencial de guarda. Este rótulo de 2015 é o nono Millésime da história da Aurora (as anteriores foram em 1991, 1999, 2004, 2005, 2008, 2009, 2011 e 2012). Vem em estojo de madeira exclusivo contendo 6 garrafas.

Outros tintos de bom corpo da Vinícola Aurora podem presentear à altura os pais que apreciam pratos mais opulentos, ou mesmo os que adoram pilotar a churrasqueira em eventos familiares. Os rótulos da linha Aurora Reserva – em especial o Tannat e o Cabernet Sauvignon – vão agradar em cheio.

malbec

Da mesma forma, os Aurora Pequenas Partilhas Notáveis da América podem compor um cenário de viagem à América do Sul, com seus quatro tintos elaborados com as uvas representativas de países produtores do continente: Tannat do Uruguai, Malbec da Argentina, Carmenère do Chile e o Cabernet Franc do Brasil, todos elaborados sob a supervisão dos enólogos da Vinícola Aurora em suas origens.

espumante

Se apreciador, ou antenado, vai gostar de receber um bom espumante. O Aurora Pinto Bandeira Extra Brut Método Tradicional, com Indicação de Procedência Pinto Bandeira (o melhor terroir do Brasil para espumantes) vai impressioná-lo. Já os espumantes Aurora Procedências (elaborados pelo método Charmat Longo com as melhores uvas de diferentes distritos da Serra Gaúcha) mostrarão diferentes matizes dessa bebida encantadora, em três estilos de espumante brut: um Rosé (Pinot Noir com corte de Riesling Itálico), Chardonnay ou Pinot Noir em branco.

brandy.jpg

Aos pais que apreciam charuto ou que cultivam o hábito de degustar destilados finos, a boa dica à altura da data é presenteá-lo com o Aurora Brandy, um VSOP com envelhecimento médio de 12 anos que tem se destacado, entre os apreciadores, como um exemplar nobre de destilado, sem similar nacional.

grappa-aurora-moscato-500ml

Outra boa dica de presente é o destilado típico da Itália, a grappa, que a Vinícola Aurora elabora com grandeza: Aurora Grappa Moscato. O pai chocólatra também vai gostar desses presentes, pois um bom chocolate de origem fica melhor na companhia de um bom brandy ou grappa.

Estes e os demais rótulos da Vinícola Aurora estão à venda em lojas especializadas, empórios e grandes redes de todo o Brasil.

Informações: Cooperativa Vinícola Aurora –  SAC: 0800 701-1455

Miolo é Campeã da Grande Prova Vinhos do Brasil 2019

Vinícola segue sendo a mais premiada da competição nacional, liderando as categorias Espumante Brut Rosé, Touriga Nacional, Rosé e Bag in Box, além de alcançar 92 pontos com três rótulos

Única campeã em quatro categorias, a Vinícola Miolo continua sendo a marca de vinhos e espumantes brasileiros mais premiada na Grande Prova Vinhos do Brasil (GPVB). A empresa saltou de 11 para 26 rótulos bem avaliados pela competição que reuniu, de 3 a 6 de junho, 25 especialistas no Hotel Vila Galé, no Rio de Janeiro. Os grandes vitoriosos foram o Terranova Brut Rosé, Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2018, Miolo Seleção Rosé 2019 e o Bag in Box Miolo Seleção Cabernet Sauvignon/Merlot 2017, campeões nas categorias Espumante Brut Rosé, Touriga Nacional, Rosé e Bag in Box.

A marca que possui o maior portfólio de rótulos nacionais – hoje com mais de 100 – mostrou não apenas a diversidade de sua produção como também a capacidade que o Brasil tem de elaborar vinhos e espumantes de alto nível, aproveitando o que cada região tem de melhor. Única a cultivar vinhedos e produzir em quatro diferentes terrois brasileiros – Vale dos Vinhedos (Serra Gaúcha), Seival/ Candiota (Campanha Meridional), Almadém / Santana do Livramento (Campanha Central) e Terranova / Casa Nova (Vale do São Francisco) -, a Miolo é a expressão mais autêntica da riqueza de solo e clima que o Brasil oferece.

“Apostamos nesse projeto de terroirs porque acreditamos no potencial de cada um deles. Respeitamos a natureza, entendendo suas potencialidades. Assim, criamos rótulos únicos que hoje são admirados pelo mundo inteiro. Receber mais esta distinção nos enche de orgulho e nos dá a energia de que precisamos para seguir adiante, conquistando novos paladares, gerando ainda mais prazer”, comemora Adriano Miolo, diretor superintendente da Miolo.

Além de ser campeã nas quatro categorias, a Miolo também se destacou na GPVB por alcançar 92 pontos com três rótulos, sendo eles: Terranova Brut Rosé, Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2018 e Miolo Lote 43 Safra 2012, mais um resultado que demonstra a qualidade da marca tanto em espumantes quanto em vinhos tranquilos. Os 26 rótulos com mais de 86 pontos contemplaram produtos de todas as regiões de atuação da Miolo.

A Campanha Meridional lidera com 11 destaques, seguida pelo Vale do São Francisco com nove, Vale dos Vinhedos com cinco e Campanha Central com um. Dos quatro Campeões, três são provenientes da Campanha Meridional, região que vem se destacando no cultivo de uvas propícias para a elaboração de vinhos diferenciados.

A GPVB reuniu 1.072 amostras inscritas por 122 vinícolas de oito estados brasileiros. A competição é uma realização do Grupo Baco Multimídia dirigido pelo jornalista Marcelo Copello, também presidente do júri. O resultado completo será publicado no Anuário Vinhos do Brasil 2019/2020, que será lançado no Rio Wine and Food Festival, em agosto. A cerimônia de entrega da premiação será durante a Wine South America, em setembro, em Bento Gonçalves (RS).

Bag in Box premiado

Atenta as mudanças no comportamento do consumidor de vinho, a Miolo é exemplo de inovação. Há mais de 10 anos, a empresa aposta no Bag in Box como alternativa para quem aprecia degustar apenas uma taça de vinho nas refeições, por exemplo, ou até mesmo levando em consideração a crescente consciência sobre o consumo moderado. O conceito vem ganhando espaço no mercado e a preocupação com a qualidade do produto é permanente.

“Todos nossos vinhos Bag in Box são os mesmos dos que são embalados em garrafa. A alternativa e a inovação do Bag in Box é apenas mais uma opção de atendimento das várias oportunidades e demandas do mercado. Ser Campeão na categoria Bag in Box da maior competição às cegas do Brasil é quebrar o paradigma de que vinho bom é somente aquele envasado em garrafa”, ressalta Adriano Miolo.

Campeões Miolo Grande Prova Vinhos do Brasil 2019

Categoria: Espumante Brut Rosé Charmat

Terranova Brut Rosé
Terranova Brut Rosé (Miolo Terranova – Vale do São Francisco, BA)

Categoria: Tinto Touriga Nacional

Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2018b
Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2018 (Seival/Candiota – Campanha Meridional, RS)

Categoria: Rosé

Miolo Seleção Rosé
Miolo Seleção Rosé 2019 (Seival/Candiota – Campanha Meridional, RS)

Categoria: Bag in Box

Miolo Seleção Bag in Box
Miolo Seleção Cabernet Sauvignon / Merlot 2017 (Seival/Candiota – Campanha Meridional, RS)

Jurados
Presidente do Júri: Marcelo Copello, Grupo Baco Multimídia
Sérgio Queiroz – Grupo BACO Multimídia
Alexsander de Oliveira – sommerlier chefe do Grupo Claude Troisgros
Beto Duarte – jornalista e diretor de documentários
Bruno Vianna – presidente SBSomm e Dip WSET
Danio Braga – chef e sommelier, fundador da ABS Brasil
Deise Novakoski – jornalista e consultora em vinhos
Ed Arruda – sommelier chefe do Copacabana Palace
Fernando Lim -, blogueiro e diretor da ABS-Rio
Gilvan Passos – WSET, consultor e autor de livros e DVDs sobre vinho
Homero Sodré – consultor de vinhos
Jéssica Marinzeck – sommelier, Dip WSET
João Pedro Lamonica – sommelier campeão do RWFF 2013
Jocelyn Sodré – professora de vinhos da Universidade Estácio de Sá
Joseph Morgan Jr. – presidente da ABS-Rio
Luiz Nunes – diretor e ex-presidente da ABS-Rio
Marcelo Copello – Grupo Baco Multimídia
Marcelo dos Santos – sommelier do Mr Lam
Marcelo Rebouças – proprietário da Cave Nacional
Maria Helena Tahuata – diretora da ABS-Rio
Rafael Puyau – WSET, embaixador Enocultura RJ
Raphael Zanon – sommelier chefe do restaurante Satyricon
Ricardo Farias – diretor e ex-presidente da ABS-Rio
Rodrigo Machado – Wset e colunista de vinhos na Band News FM/RS
Rodrigo Moura – sommelier e diretor de profissionais da ABS Rio
Wandyr Hagge – WSET, enólogo e produtor

Desemprenho dos produtos Miolo

CATEGORIA PRODUTO/SAFRA ORIGEM PONTOS CLASSIFICAÇÃO
Espumante Brut Rosé Charmat Terranova Brut Rosé Vale do São Francisco (BA) 92 Duplo Ouro

Campeão

Tinto Touriga Nacional Miolo Single Vineyard Touriga Nacional 2018 Campanha Meridional (RS) 92 Duplo Ouro

Campeão

Tinto Super Premium Miolo Lote 43 2012 Vale dos Vinhedos (RS) 92 Duplo Ouro
Rosé Miolo Seleção Rosé 2019 Campanha Meridional (RS) 90 Ouro

Campeão

Tinto Tannat Miolo Reserva Tannat 2017 Campanha Meridional (RS) 90 Ouro
Branco Gewurztraminer Almadén Gewrztraminer 2018 Campanha Central (RS) 89  
Espumante Brut Rosé Charmat Almadém Brut Rosé Vale do São Francisco (BA) 89  
Tinto Merlot Miolo Merlot Terroir 2015 Vale dos Vinhedos (RS) 89  
Espumante Brut Branco Charmat Terranova Brut Vale do São Francisco (BA) 89  
Tinto Cabernet Sauvignon Quinta do Seival Cabernet Sauvignon 2015 Campanha Meridional (RS) 89  
Doces e Fortificados Miolo Late Harvest 2012 Campanha Meridional (RS) 89  
Espumante Brut Branco Champenoise Miolo Millesime Brut 2015 Vale dos Vinhedos (RS) 89  
Branco Sauvignon Blanc Seival by Miolo Sauvignon Blanc 2018 Campanha Meridional (RS) 89  
Tinto Pinot Noir Miolo Single Vineyard Pinot Noir 2017 Campanha Meridional (RS) 89  
Bag in Box Tinto Miolo Seleção Cabernet Sauvignon/Merlot 2017 Campanha Meridional (RS) 89 Campeão
Espumante Moscatel Branco Terranova Moscatel Vale do São Francisco (BA) 88  
Branco de Outras Castas e Cortes Terranova Reserve Verdejo 2019 Vale do São Francisco (BA) 88  
Branco Sauvignon Blanc Seival by Miolo Sauvignon Blanc 2019 Campanha Meridional (BA) 88  
Espumante Brut Branco Charmat Almadém Brut Vale do São Francisco (BA) 88  
Branco Chardonnay Miolo Reserva Chardonnay 2017 Campanha Meridional (BA) 87  
Tinto Syrah Testardi Syrah 2017 Vale do São Francisco (BA) 87  
Tinto Tempranillo Miolo Reserva Tempranillo 2017 Campanha Meridional (BA) 87  
Espumante Demi-Sec Branco Charmat Terranova Demi Sec Vale do São Francisco (BA) 87  
Branco Chardonnay Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2017 Vale dos Vinhedos (RS) 87  
Espumante Demi-Sec Branco Charmat Almadém Demi Sec Vale do São Francisco (BA) 86  
Tinto Cortes Miolo Cuvée Giuseppe Merlot/Cabernet Sauvignon 2017 Vale dos Vinhedos (RS) 86

 

O que encarece ou barateia um vinho?

É preciso entender quais características fazem de um rótulo mais econômico para acabar com o preconceito de que somente vinho caro tem qualidade

você sabe como acertar em cheio na escolha dos produtos? A Evino vem explica quais características fazem um vinho ser mais caro ou barato. Antes de tudo é preciso pontuar que vinho barato não é vinho ruim. De acordo com Stephani Vaz, sommelière da Evino, é preciso acabar com o preconceito de que somente vinho caro tem qualidade.

“Muitas vezes pagamos a mais em uma garrafa sem entender por que: seja por marketing, embalagem e/ou fama do produto. Rótulos econômicos ajudam a aumentar o consumo da categoria, tornam a bebida acessível a todos os públicos e estimulam o comércio e a produção”, pontua.

Confira abaixo nove características que encarecem ou barateiam um vinho:

1. Cultura

vinhas_vinhos-verdes
Na Europa o vinho é tido como um alimento e, por isso, possui taxas menores. Já no Brasil ele entra na categoria de bebidas alcoólicas. Com isso as taxas por aqui acabam sendo bem diferentes.

2. Intermediários

Vinhos de Portugal_divulgação_inf02
Podem ser negociantes ou importadoras. Tanto faz! A questão é que, quanto mais intermediários, maior o preço final do produto. Por isso, a Evino atua em um sistema de compra e venda sem intermediários e consegue oferecer ao seu público produtos de qualidade por valores mais acessíveis.

3. Garrafa

Garrafas - Vinho Madeira - Credito Turismo da Madeira
Garrafas – Vinho Madeira – Foto: Turismo da Madeira

Quanto mais espesso o vidro mais caro o vinho é. E por quê? Fundo côncavo serve somente para evitar que a garrafa quebre. Não tem nada a ver com a qualidade do líquido. Então aquele papo de “vinho bom tem aquela bundinha” é balela. O mesmo pode-se dizer em relação ao peso, à cor e à espessura: garrafa pesada só beneficia vinho de guarda. Vinhos para serem consumidos jovens não precisam disso. Não à toa a garrafa de brancos geralmente são transparentes.

4. Espumante

espumantes
É importante pontuar que espumantes geralmente são mais caros por uma questão de segurança: pressão interna, gaiola, rolha diferenciada.

5. Fechamento

vinho rosca rolha nhpr
Foto: NHPR

Uma simples rolha de cortiça é bem mais cara que screwcap, por exemplo. Vinhos de consumo imediato são produzidos com tampas de roscas, já que não necessitam de envelhecimento. A rolha ajuda na micro-oxigenação para o vinho envelhecer com qualidade durante anos. Mas serve somente para vinho de guarda, que geralmente tem preços a partir de 150 reais. Todo vinho tem a sua proposta. Um vinho de 30 a 40 reais não precisa de todo esse preparo. Economize e seja feliz.

6. Trabalho manual versus trabalho automatizado

Vindimas na Herdade da Malhadinha Nova, Alentejo_Crédito - Divulgação Turismo do Alentejo
Esse tópico faz de fato muita diferença nos valores dos rótulos. O trabalho foi manual ou automatizado? Quantas pessoas demandaram o serviço? Essas são informações que encarecem um rótulo. Mas, no fim, o quanto disso é percebido na taça?

7. Tempo do vinho em barrica

Caves - Vinho Madeira - Turismo da Madeira
Caves – Vinho Madeira – Foto: Turismo da Madeira

Por que o tempo do vinho em barrica encarece o produto? Simples: o tempo do vinho em barrica é o tempo que a vinícola não está gerando dinheiro com a comercialização do produto.

8. Produção

vinho verde
Vale pontuar que um dos pontos que mais encarece um rótulo é a baixa quantidade de garrafas produzidas a cada safra. Um vinho com produção feita em grande escala, consequentemente, é comercializado por valores mais baixos.

9. Know-how do produtor

champanhe rothschild
Produtores de renome, com prêmios ou boas avaliações da crítica, tendem a cobrar mais simplesmente pela garantia da qualidade do produto produzido.

Fonte: Evino

Dia Internacional da Mulher: celebre com vinhos e espumantes

8 de março é o Dia Internacional da Mulher, oficializado pela ONU em 1975. A data faz referência às conquistas, porém, o propósito da celebração é reforçar o muito que ainda falta a ser alcançado nos âmbitos sociais e políticos, buscando a igualdade de gênero, independente da etnia, cultura, idioma ou poder econômico.

No mundo do vinho não é diferente, essa busca por equidade vem se mostrando de forma mais efetiva, onde cresce exponencialmente o número de mulheres envolvidas em todas as fases da elaboração do vinho, desde o cultivo da matéria-prima até seu posicionamento no mercado. Segundo a famosa crítica e escritora inglesa, Jancis Robinson, esta é a década da “feminilidade do vinho”.

Na Itália, por exemplo, as mulheres são representadas pela Associação Nacional “Le Donne del Vino”, fundada em 1988, que atualmente conta com 750 integrantes, no país que mais produz vinhos no mundo. O objetivo é divulgar a cultura e o conhecimento do vinho com a formação e a valorização do papel da mulher no setor vitivinícola. Outro dado que reforça a importância das mulheres em relação aos vinhos é o significativo consumo nos Estados Unidos e na Inglaterra, ultrapassando 50% do público.

Se ainda restam dúvidas sobre a sinergia entre o público feminino e os vinhos, saiba que atualmente nas escolas de Enologia do Brasil a parte mais expressiva dos alunos são mulheres. E para complementar a OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho) é presidida por uma mulher brasileira, a Regina Vanderlinde.

Pensando nisso, a Casa Valduga selecionou alguns de seus melhores rótulos para celebrar os triunfos femininos e inspirar os próximos avanços. Confira:

Casa Valduga Maria Valduga Brut Vintage

maria valduga.jpg

Esse clássico espumante é uma homenagem à matriarca da Famiglia Valduga e idealizadora do sonho de elaborar espumantes no Brasil apenas pelo método tradicional. De excelente cremosidade, com perlage fino e persistente, resulta não apenas da seleção das melhores uvas Chardonnay e Pinot Noir cultivadas no Vale dos Vinhedos, como também da evolução no silêncio e na penumbra das caves subterrâneas da vinícola por longos 48 meses. É límpido e brilhante, de coloração amarelo palha, como laivos dourados. As notas aromáticas revelam nuances de brioche, pão delicadamente tostado e frutas secas, enaltecendo a complexidade adquirida durante a lenta maturação deste espumante.

Casa Valduga 130 Brut Rosé

Casa Valduga_130 Brut Rosé

Para as mulheres que gostam de complexidade e elegância, essa é a indicação da marca. Elaborado com uvas Chardonnay e Pinot Noir de safras especiais, por meio do método tradicional, o espumante é mantido durante 36 meses em autólise de leveduras. Luminoso, possui coloração salmão e bouquet expressivo, denotando frutas confitadas e licor de cereja. Ao longo da degustação as notas de sua maturação revelam amêndoas e brioche. Sua cremosidade e elegância são destacados no paladar, com a acidez suculenta, combinada com o retrogosto evidenciado pelos toques amanteigados.

Casa Valduga Storia Merlot

storia merlot valduga.jpg

Segundo a Amavi (Associação dos amantes da cultura do vinho), realizada através da pesquisa de hábitos diários das espanholas, mulheres preferem vinho tinto. Por isso, que tal um Merlot encorpado e de personalidade marcante? Ele possui coloração intensa e profunda. No aroma, notas de frutas vermelhas e compota de figo estão evidentes com grande nitidez. A passagem por 18 meses em barricas novas de carvalho francês proporciona a este tinto notas de chocolate e café de forma muito sutil e elegante. Na boca, apresenta-se denso e volumoso, feito para que aprecia grandes vinhos.

Casa Valduga Naturelle Branco Suave

naturelle bco valduga.jpg

Se você, no entanto, prefere vinhos brancos delicados, o Naturelle Branco Suave pode ser uma ótima opção. Elaborado com as variedades Malvasia e Moscato, apresenta coloração amarelo palha, límpido e brilhante. Com predominância de aromas frutados e florais, possui notas de melão, pêssego e limão, complementados com flores brancas. Caracteriza-se pela sua leveza, reflexo do equilíbrio entre acidez e doçura. Além de tudo, é muito refrescante!

Casa Valduga Terroir Merlot Rosé

terroir merlot rose.jpg

Esse rosé seco é produzido 100% com a casta Merlot e tem coloração rosa pêssego, límpido e vivaz. Sua intensidade aromática merece destaque, sendo nítidas as notas de frutas vermelhas maduras, como framboesa, morango e cereja. No paladar, tem um ataque inicial que demonstra todo seu frescor e versatilidade, perfeito para embalar conversas animadas.

Informações: Casa Valduga

Espumantes para quem está curtindo o carnaval em casa

Com muitas borbulhas e frescor, o espumante é a cara do carnaval. Dá para preparar deliciosos drinques e tem ainda a vantagem de ser uma das bebidas consideradas menos calóricas. Então, para quem gosta de curtir a folia de carnaval sem sair de casa e aproveitar o feriadão, a dica da Costazzurra são os espumantes importados da Espanha Cava Cristalino Demi SEC e Cava Cristalino BRUT que harmonizam perfeitamente com canapés, saladas e aperitivos em geral.

O Demi SEC tem aroma apetitoso, sugere notas florais de frutas brancas, pêssego e maçã verde. No paladar, apresenta balanço perfeito entre suavidade e vivacidade, com excelente acidez. Já o Brut tem coloração amarelo brilhante, levemente dourada. Intenso bouquet de frutas brancas como melão e maçã verde. No paladar é fresco, com excelente perlage e final persistente.

Preços sugeridos: Cava Cristalino Demi SEC ou Brut 750 ml R$ 50,00 cada.

Os produtos podem ser encontrados nas melhores delicatessen, empórios e lojas especializadas em vinho do Brasil.

Informações: Costazzurra – SAC (11) 3018-2300

As tendências no mundo dos vinhos em 2019*

O ano de 2018 foi desafiador para o mercado de vinhos no Brasil, pois foi afetado por duas forças que deram aquele baque no bolso dos winelovers. Primeiramente, as geadas do inverno dos anos de 2016 e 2017 na Europa destruíram muitas vinhas.

Regiões principais como a Bordeaux, Borgonha, Vale do Loire, Toscana, Rioja e outras passaram a oferecer volumes muito menores e isso refletiu diretamente em um aumento drástico nos valores de alguns dos vinhos mais queridos dos brasileiros. O valor de Chablis, por exemplo, subiu 30% de um ano para o outro.

O segundo fator foi a queda do real frente a crise sociopolítica brasileira, que aconteceu em meados de 2018 e dificultou ainda mais as condições de mercado. Aquele vinho que você comprava a R$ 59,90 em janeiro? Em agosto já estava a R$ 79,90.

Acredito que 2019 será promissor para o nicho, que contará, sim, com algumas tendências. Eis as apostas no mundo dos vinhos para este ano:

Portugal em foco

Vinhos de Portugal_divulgação_inf04_vinho Flor de São José - produtor João Brito e Cunha

Queridinhos dos brasileiros, os vinhos lusitanos surpreenderam a todos com sua conquista em 2018: pela primeira vez, Portugal entrou nos Top 2 países com maior número de vinhos importados, ficando atrás somente do Chile – campeão graças à força de vinhedos grandes, como a Santa Helena e a Concha y Toro, que traz por importação própria as marcas populares do rótulo Casillero del Diablo.

Porém, é interessante observar que a gigante chilena não conseguiu manter o crescimento dos anos anteriores, ao passo que Portugal só evolui sua aderência ao público. Não duvido que ao menos ganhe mais espaço no nosso mercado e aposto minhas fichas nisso, pois os vinhos portugueses oferecem a melhor relação custo-benefício da Europa. Os vinhos verdes, por exemplo, são divertidos e gostosos, além de leves, ideais para nosso clima. As regiões de Alentejo e Douro entregam potência, músculo e complexidade nos seus tintos, enquanto Dão oferece elegância e, Lisboa, tons de frutas frescas. Realmente, há vinhos portugueses para todos os gostos.

Saúde, senhores!

Você sabia que hoje entre 10% a 20% de todos as vinhas do mundo são orgânicas ou estão em vias de adaptar seus processos? A “tendência mundial” não é mais tendência e, sim, preferência – tanto do consumidor quanto do produtor.

Quem aqui quer consumir pesticidas e agrotóxicos? Eu não! E estou disposto a pagar um pouco a mais para saber que minha comida e meu vinho são livres dessas substâncias. Claro, podem dizer que sou da Califórnia e, assim, um pouco suspeito, já que há algum tempo somos considerados “hippies” demais quando tocamos neste assunto. Mas muitos produtores também acham que o melhor vinho é produzido de forma orgânica.

Empolgados pela mudança de hábito dos consumidores, estão optando por tirar químicas das vinhas, diminuir o uso de sulfitos e interferir menos na produção – tudo isso para oferecer a melhor expressão possível do seu terroir. E isso inclui grandes produtores de regiões tradicionalíssimas: Os Bordeaux de Domaine Chevalier, que estão entre os mais longevos do mundo, são orgânicos, assim como os Brunello di Montalcino de Pertimali e os Chianti Classico da Il Molino di Grace, entre outros.

mulher bebendo vinho

Já no Brasil, demorou bastante para essa onda pegar. Mas hoje a procura por vinho orgânico, biodinâmico e natural está começando a esquentar e, por isso, podemos esperar um boom no ano que vem, acompanhando a tendência da indústria alimentícia. Mas se quiser aderir já, aí vai uma dica de insider: Liderado em São Paulo por restaurantes como a Enoteca Saint Vin Saint e bares como o Clube Beverino, já é possível encontrar esses vinhos em vários sites e lojas de importadoras de todos os portes.

Descobertas exóticas

vinho.png

O Brasil já não é mais criança no consumo de vinho, está entrando na sua adolescência. O consumo anual per capita na cidades de São Paulo e Rio de Janeiro já está por volta dos 10 litros, que rivaliza com os EUA. No Rio Grande do Sul, este consumo é maior ainda.

Um dos maiores prazeres da vida é a descoberta de um achado e os enófilos do país estão entendendo que isso também se encaixa no mundo dos vinhos. Por isso, procuram cada vez mais sair da mesmice e provar versões exóticas, de regiões diferentes e pouco divulgadas. Pela lei da oferta e da demanda, minha aposta é que vamos passar a encontrar muitos novos vinhos desse perfil no nosso mercado em 2019.

Não seria surpreendente, por exemplo, vermos por aqui mais vinhos da Europa Central (Hungria, Alemanha e Áustria), os excelentes brancos de Nova York e Virgínia, os cativantes Riesling e Gewurztraminer da Alsácia, os grandes Godellos de Bierzo ou raridades como os espumantes da Inglaterra, que hoje estão dando muito o que falar.

Valorização do nacional

Espumante

Ainda novidade para muitos consumidores, há dezenas de microprodutores nacionais em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul que produzem vinhos excelentes. Os tintos são bons, alguns realmente fantásticos (um exemplo é o Miolo Single Vineyard Touriga Nacional, com excepcional relação custo-benefício). Por sua vez, em São Paulo, os tintos à base de Syrah da Guaspari são cada vez mais procurados.

No entanto, a força do Brasil está sem dúvida nos seus espumantes, tendo como líderes Pizzato, Cave Geisse, Campos de Cima e vários outros pequenos produtores de peso. Hoje, essa categoria tem reconhecimento internacional – tanto é que, pela primeira vez, são exportados para Inglaterra e EUA – e, finalmente, estão começando a receber o mérito devido dentro do próprio país: só em 2018, a venda dos espumantes nacionais subiu mais que 50% com relação ao ano anterior.

Se a tributação interestadual for resolvida ou simplificada no próximo ano, o consumo do espumante nacional poderia explodir. (Hoje há um imposto de ICMS/ST de 40% arrecadado de um vinho do Sul que entra em SP, MG ou RJ, muito oneroso para produtores artesanais).

Vamos torcer para que aconteça. Também vamos tomar uma taça ou outra a mais para comemorar o início de um novo ano com tantas previsões de novidades para os winelovers. Tim-Tim!

*Alykhan Karim é CEO do e-commerce de vinhos premium Sonoma e expert em curadoria de vinhos