Arquivo da tag: harmonização

Aprenda a receita do Bacalhau Alla Tia Lina

Chef Carol Góes, da Cantina Tia Lina, revela o segredo de um dos pratos mais pedidos do tradicional restaurante italiano de São Roque

Amanhã é a Páscoa e está na hora de começar a pensar em quais pratos preparar para a Semana Santa. O bacalhau é presença garantida na mesa de muitos brasileiros, pelo menos nesta ocasião. Uma boa bebida para combinar e deixar sua refeição com sabor inigualável também não pode faltar.

Por isso, a Chef Carol Góes, da Cantina Tia Lina, localizada no km 10 da Estrada do Vinho em São Roque (SP), ensina a fazer a receita do Bacalhau Alla Tia Lina de um jeito prático, que deixa o prato bem colorido e, claro, com uma apresentação de dar água na boca. O prato com lombo de bacalhau e legumes ganhou um toque especial característico da casa, a alcachofra, flor rica em nutrientes.

A combinação com o vinho Felino garante um sabor surpreendente, pois este é um vinho certeiro para harmonizar com peixes. Quem garante é o sommelier da Cantina, Celso Andrade, responsável pelo empório Grand Gru de São Roque.

O Felino é um vinho argentino, feito com uvas chardonnay, que tem a cor amarela com tonalidade esverdeada, notas de frutas tropicais, como abacaxi e maracujá, e notas florais com flores brancas. Vai agradar quem prefere um paladar equilibrado, de final longo e fresco e deve ser servido de 8°C a 10°C.

Este rótulo e muitos outros podem ser adquiridos no empório da Cantina Tia Lina, que tem parceria com a Grand Cru, maior importadora e distribuidora de vinhos da América Latina. Já o Bacalhau Alla Tia Lina faz parte do cardápio fixo da casa e pode ser saboreado no restaurante o ano todo. Para fazer em casa, anote a receita:

Bacalhau Alla Tia Lina

Ingredientes
700g de lombo de bacalhau;
3 colheres (sopa) de óleo;
6 batatas pequenas cozidas;
6 azeitonas azapa;
6 tomates cereja;
2 fundos de alcachofra;
2 colheres (sopa) azeite extravirgem;
1 cebola média fatiada;
1 pimentão vermelho fatiado;
1 pitada de manjericão;
1 pitada de orégano;
1 pitada de sal;
Salsinha a gosto picada;
Alho-poró a gosto picado;
1 ovo cozido;
*brócolis no alho e óleo para decorar.

Modo de preparo
Aqueça uma frigideira antiaderente para grelhar o bacalhau dos dois lados.Em outra frigideira, aqueça o óleo para saltear as batatas com as azeitonas e os tomates. Finalize com alho-poró e sal. Reserve. Numa outra panela ou frigideira, aqueça o azeite para saltear a cebola e o pimentão. Tempere a gosto com manjericão, orégano, salsinha e sal. Reserve. Coloque o bacalhau em uma travessa, e ao lado coloque os legumes salteados e por cima a cebola com pimentão, finalize com os brócolis e ovo cozido.

Rendimento: 2 porções.
Tempo de preparo: 30 minutos.

Cantina Tia Lina: Estrada do Vinho, km 10 – Canguera, São Roque/SP

Conheça os vinhos indicados para harmonizar com chocolates na Páscoa

Sommelier Silvia Mascella Rosa, da Vinícola Góes, traz as dicas de combinações para todos os gostos

A Páscoa está chegando e, seja nas prateleiras dos supermercados, pela internet ou optando pelos ovos artesanais, está na hora de escolher seu chocolate preferido para apreciar com a família.

Seja qual for sua preferência de marca ou de sabor – meio amargo, branco ou ao leite – combinar o chocolate com o vinho certo proporciona um toque ainda mais especial para um momento tão gostoso como a Páscoa.

Por isso, a sommelier Silvia Mascella Rosa, da Vinícola Góes, de São Roque (SP), preparou dicas de harmonização que são perfeitas para agradar o paladar dos apreciadores das duas iguarias da gastronomia.

Vinho Tinto Tempos de Góes Reservado Cabernet Sauvignon Demi-Sec

O tradicional chocolate ao leite combina muito bem com o Cabernet Sauvignon Demi-Sec, da linha Tempos de Góes. O vinho tinto, levemente adocicado, consegue fazer um bom equilíbrio com a gordura e o dulçor do chocolate ao leite. Seus aromas frutados e o tanino leve trarão mais intensidade ao chocolate. A dica de degustação é deixar o chocolate derreter ligeiramente na boca e tomar um pequeno gole de vinho junto.

Espumante Moscatel Saint Tropez

Para quem prefere o chocolate branco, a dica é o Espumante Moscatel Saint Tropez, elaborado com uvas da variedade Moscato, cultivadas na região da Serra Gaúcha (RS). As leves borbulhas e a boa acidez fazem bom contraponto com a intensidade do chocolate branco. Deliciosamente aromático e delicadamente doce, vai combinar muito bem com os chocolates recheados e também com a colomba pascal.

Vinho Tinto Casa Venturini Tannat 2017

Para os fãs do chocolate meio amargo, a harmonização “radical” é com o Tannat Casa Venturini. A uva Tannat é cultivada na região da Campanha Gaúcha, na divisa com o Uruguai (RS). Os aromas de frutas negras e vermelhas, além de especiarias, do vinho faz um equilíbrio muito interessante com a intensidade dos aromas do chocolate meio amargo. No paladar a combinação final será surpreendente!

Pode ficar tranquilo, porque você não precisa sair de casa para comprar seus vinhos preferidos. A Vinícola Góes comercializa todos os rótulos na loja virtual.

Vinhos para harmonizar com os pratos típicos da Páscoa

Vinícola Góes preparou dicas de vinhos para combinar com pratos tradicionais desta época

Faltam poucos dias para a Páscoa e já é o momento de pensar nas receitas que podem ser preparadas em casa para as celebrações da Semana Santa.

Nesta data, o bacalhau aparece com frequência na mesa das famílias brasileiras, então, que tal combinar um bom vinho e deixar a Páscoa com sabores ainda mais apetitosos?

A sommelier Silvia Mascella Rosa, da Vinícola Góes de São Roque (SP), preparou dicas de harmonização de vinho com este peixe reconhecido pelo sabor marcante.

Vinho Tinto Simis Carménère Reserva 2018

O bacalhau ao forno, com pimentão, tomate, batata, azeite e, em algumas preparações, com azeitonas e couve, é uma das receitas mais tradicionais aqui no Brasil. Os sabores intensos dos legumes, do azeite e dos temperos pedem, como acompanhamento, um vinho tinto com boa acidez, como o Carménère Simis.

Vinho fino tinto seco, da uva Carménère, tem origem na Viña Santa Irene, região do Vale do Curicó, a 200 km ao sul de Santiago no Chile, local considerado um dos melhores terroirs para essa uva. Em 2018, a Vinícola Góes e a Viña Santa Irene se uniram para produzir este vinho de corpo médio, taninos macios e de fácil consumo.

Vinho Branco Tempos de Góes Trópicos Lorena Seco

Uma iguaria que faz sucesso não só na Páscoa, em bares e restaurantes ou em casa, é o bolinho de bacalhau. Servido como aperitivo ou no começo da refeição, seu acompanhamento é, também, um vinho indicado para os aperitivos e até para uma torta de bacalhau como prato principal (ou até mesmo uma torta vegetariana): o vinho branco Trópicos Lorena Tempos de Góes. A uva Lorena é produzida nos vinhedos próprios da Vinícola Góes em São Roque (SP). Leve, aromático, muito refrescante, é um vinho bastante versátil e com menor teor alcoólico.

Vinho Branco Tempos de Góes Sauvignon Blanc Reserva 2019

Pra fechar com chave de ouro, que tal preparar uma receita com lombo de porco para o domingo de Páscoa? Se esta for a sua escolha, principalmente se o prato for preparado ao forno com ervas, a combinação sugerida é o Sauvignon Blanc Tempos de Góes. Seus aromas que lembram ervas e ligeiro frutado, vão harmonizar perfeitamente com a carne de porco branca. Com bom frescor e acidez, o paladar encontrará um delicioso equilíbrio entre a carne e a intensidade do vinho. Uma dica preciosa para temperar a carne de porco é utilizar um vinho branco seco. Evite os vinhos suaves, pois eles vão interferir no sabor final da carne.

Nem é preciso sair de casa para procurar o vinho, pois todos os rótulos da Vinícola Góes são encontrados na loja virtual. Basta clicar aqui.

Dicas para aplicar Feng Shui em casa

Consultora holística de organização e interiores do GetNinjas explica como renovar a energia do lar

A pandemia fez com que os brasileiros passassem mais tempo em casa por conta do trabalho e estudo remoto, bem como por causa da reclusão. Sem a correria, as pessoas perceberam como seus lares interferem no seu bem-estar e para tornar os ambientes mais confortáveis e agradáveis, uma solução é investir em uma repaginada na decoração e se aprofundar no Feng Shui, técnica chinesa milenar de harmonização dos espaços.

Para ajudar aqueles que querem equilibrar a energia da casa, a Karis Brito, consultora holística de organização e interiores em São Paulo cadastrada no GetNinjas, selecionou quatro dicas sobre a aplicação do Feng Shui.

O que é

Primeiramente, Karis esclarece que Feng Shui não tem nenhuma ligação com religião. Trata-se de uma técnica chinesa milenar de harmonização dos espaços. Com o Feng Shui é possível identificar padrões vibratórios de energia de um determinado local — por meio da leitura da planta baixa e da observação – e harmonizar seus espaços garantindo bem-estar e equilíbrio mental e espiritual para os moradores do imóvel.

Benefícios

“A nossa casa é como a nossa alma, reflete nossa essência e nosso estado de espírito!”, explica a consultora. Sendo assim, ao harmonizar a energia do lar com o Feng Shui, os moradores podem ter inúmeros benefícios, tais como: ter mais saúde, melhorar a carreira, obter prosperidade, ter mais criatividade e concentração, solucionar problemas de relacionamento, conquistar realização pessoal, aumentar o foco e cultivar o otimismo. Entretanto, o primeiro passo para conquistar tais benefícios é depositar intenção e confiança ao seguir o Feng Shui.

Home Office

“No home office é importante que a mesa esteja posicionada de uma forma em que a pessoa sentada veja quem está entrando no local; é o que chamamos de posição de comando. Precisamos estar na posição de comando para que nossa vida flua e a gente consiga tomar as rédeas da vida. Porém é preciso evitar que o móvel fique de costas para a janela, pois essa é uma posição desfavorável para o sucesso. Outra posição que deve ser evitada é a de manter a mesa de frente para a porta de entrada, pois dessa forma, há muito desgaste de energia e a pessoa pode se sentir cansada e ter falta de foco e ânimo para trabalhar”, aconselha Karis.O que evitar

Há algumas arrumações e organizações de móveis que devem ser evitadas e que são fáceis de reproduzir na casa, tais como: posicionar o sofá de costas para a porta de entrada ou posicionar sofá, cama, mesa de costas para a janela. Segundo o Feng Shui, a cozinha e o fogão simbolizam prosperidade, e por isso, é preferível manter o espaço sempre limpo e evitar usar apenas uma das bocas do eletrodoméstico.

Fonte: GetNinjas

Grand Cru apresenta promoção especial para a Páscoa

A partir do dia 24, ao comprar 3 rótulos dos vinhos selecionados para a promoção, a quarta garrafa sai de graça

A Grand Cru, umas das principais importadoras e distribuidoras de vinhos do país, celebra as tradições da Páscoa com uma ação para os amantes dos melhores vinhos. Na campanha especial para a data, que começa no próximo dia 24, ao escolher quatro rótulos, o cliente paga apenas 3 e recebe o quarto de graça. O desconto é aplicado no vinho de menor valor.

A ativação é válida nas mais de 90 lojas da marca espalhadas pelo Brasil e também no seu e-commerce, que conta com 1600 rótulos do mundo todo. Os clientes também poderão aproveitar a promoção no Grand Cru ao Vivo, o primeiro live commerce de vinhos do país em que um sommelier te ajuda na escolha do melhor rótulo para harmonizar com as receitas da Páscoa.

Confira abaixo quatro rótulos, todos de vinícolas portuguesas, indicados pelos nossos sommelier e que fazem parte da promoção. Ao todo são mais de 34 rótulos para escolher.

Churchills Estate Douro Tinto 2017 750ml (R$ 179,90) – um vinho jovem, com aromas frescos de amora, picante no paladar com uma acidez natural no final. Vai muito bem com receitas como rabada com agrião e ravióli de cordeiro.

Quinta Do Vesuvio Pombal Do Vesuvio 2017 750ml (R$ 317,90) – encorpado, mas ao mesmo tempo redondo com sabores de fruto maduro, apresenta frutas vermelhas e notas minerais com recorte de xisto bem definido. Uma ótima pedida para quem vai preparar um Bacalhau à brás para a data.

Vinha Do Mouro 2015 750ml (R$ 115,90) – vindo do Alentejo, apresenta aroma de frutas negras e toques vegetais com taninos mais rigorosos e persistentes. Harmoniza perfeitamente com tapas espanholas, espaguete caccio peppe e chouriço.

Niepoort Dry White 750ml (R$147,90) – vinho do Porto com paladar doce equilíbrio entre o fresco e frutado. Ideal com aperitivos ou sobremesas feitas com nozes e amêndoas.

Informações: Grand Cru

Tirolez ensina como harmonizar queijos e cervejas

Entenda sobre o amargor de cada opção para identificar o queijo mais adequado

Na gastronomia, a harmonização de ingredientes realça os sabores de uma degustação, tornando o momento em uma experiência única. Com os queijos, as possibilidades de harmonizações são infinitas, desde frutas a bebidas alcoólicas. Mas quais combinações fazem a diferença no paladar? A Tirolez, uma das mais tradicionais marcas de laticínios do país, ensina como harmonizar adequadamente queijos com cervejas.

Para acertcar na harmonização de queijos e cervejas, é necessário entender sobre o amargor da bebida, que é medida em IBU (International Bitterness Units). Quanto maior o número, mais amarga a cerveja será: de 10 a 15 IBU terá amargor leve; com aproximadamente 35 IBU, aparecerá um agradável realce lúpulo; e até 60 IBU, será uma cerveja bem amarga.

Os queijos mais suaves combinam com cervejas mais leves, enquanto os intensos harmonizam com cervejas mais fortes, com teor alcoólico elevado e mais amargor. O ideal da degustação  é contar com mais de um tipo de queijo, por isso, sirva água a vontade, pois ajuda a limpar o paladar e ameniza os efeitos do álcool.

Agora, aprenda um pouco mais sobre as harmonizações de queijos e cervejas:

Cervejas Pale Ale e Brown Ale: essas cervejas artesanais são fortes em teor alcoólico, porém, ligeiramente adocicadas, maltadas e de sabor mais intenso. Combine as bebidas com Queijo Emmental e Queijo Gouda, de textura semidura, com tempo menor de maturação, sabor pronunciado e quase sempre levemente adocicado.

Cervejas Pilsen e Lager: ambas as cervejas são suaves e refrescantes. Então, combine-as com queijos leves, como o Queijo Mussarela e os Queijos frescos como a Ricota. Já a Rauchbier, a cerveja defumada mais conhecida no mundo, também é Lager e combina bem com Queijo Provolone.

Cervejas Witbier e a Saison: cervejas frutadas e suaves casam com os Queijos Brie e Camembert, com sabores um pouco mais intensos.

Cervejas IPAS e Cervejas Escuras: cervejas escuras, como Belgian Strong Ale, Porter, Stout e Tripel, têm o malte torrado como principal matéria-prima, responsável por dar aroma e sabor variado à bebida, que chama a atenção por ser doce e amarga ao mesmo tempo. São potentes e têm um sabor marcante, então, a harmonização fica perfeita com queijos intensos e salgados, como o Queijo Parmesão, o Queijo Gorgonzola e o Queijo Provolone defumado. A Cerveja IPA também harmoniza com os mesmos queijos.

Para saber mais sobre como harmonizar perfeitamente queijos e cervejas, confira videoaula gratuita sobre o assunto na Escola do Queijo, um projeto da Tirolez no Youtube, que visa tornar consumidores em especialistas em queijos.

Descubra como harmonizar pratos típicos da estação com diferentes tipos de cachaça

João Almeida, sócio proprietário da Middas Cachaça, explica como harmonizar essa bebida clássica com diferentes tipos de pratos consumidos durante esse período

Assim como todas as estações, o verão também possui suas particularidades. Algumas bebidas e pratos são mais indicados para serem apreciados durante esse período, sejam por serem mais leves ou pela refrescância que proporcionam. Quando falamos em porções, muitos já associam com praia e uma cerveja gelada como o combo perfeito. Porém, existe uma outra bebida tipicamente brasileira que vai muito bem durante esse período e que pode ser uma ótima opção de harmonização: a cachaça, que pode ser apreciada pura ou na forma de drinques.

Nem todo mundo sabe, mas há diferentes tipos de cachaça. Pensando nisso, João Almeida, sócio proprietário da Middas Cachaça, explica como harmonizar essa bebida clássica com diferentes tipos de pratos consumidos durante o verão, confira

Frutos do mar

iStock

Quando falamos em pratos típicos do verão, muita gente costuma lembrar do camarão, principalmente das porções que são vendidas na praia. Uma boa pedida para harmonizar com frutos do mar é a cachaça pura. Como ela não passa pelo processo de envelhecimento em barris, a cachaça não ganha o sabor da madeira, ressaltando o aroma e o gosto apenas da cana-de-açúcar. Ela deve ser servida bem gelada.

Frango à passarinho

Outro clássico que não pode faltar, o frango à passarinho, combina com cachaças envelhecidas, ou seja, que passam pelo processo de envelhecimento em barris ou dornas. Por ser uma cachaça de sabor marcante, ela é indicada para ser consumida junto com pratos mais fortes, já que não é ofuscada pelo sabor do prato. A cachaça envelhecida pode ser saboreada em temperatura ambiente.

Sorvete

iStock

Sim, parece uma situação inusitada harmonizar cachaça com sobremesa, mas isso é possível. Para se refrescar, nada melhor que saborear um sorvete durante o verão. As cachaças envelhecidas em amburana possuem notas de canela e um aroma doce, ideal para serem consumidas acompanhadas de uma sobremesa gelada.

Salada de Frutas

Depositphotos

Outra sobremesa que a gente sempre lembra quando o assunto é a estação mais quente do ano, a salada de frutas feita com maçã, morango e banana combina com uma cachaça produzida com canela Sassafrás. Essa canela inclusive é famosa por suas propriedades medicinais, já que ajuda na redução da pressão arterial, ameniza problemas de pele e resfriados.

Salada

iStock

Seja como entrada ou até mesmo como prato principal, a salada é uma ótima opção para ser saboreada durante o verão. Na hora de brindar, escolha as cachaças brancas, que são conhecidas por terem sabores mais intensos e ardentes. Como ela não sofre nenhum tipo de envelhecimento durante o processo de produção, não possui qualquer alteração em sua cor.

Sobre a Middas

A fórmula Middas resulta em um sabor único e especial da bebida, de baixa acidez e de intensa sensação olfativa. Tal como a arte, a Middas possui um toque especial. A inovadora proposta traz uma cachaça acompanhada de um frasco com ouro comestível de 23 quilates, importado da Alemanha e que possui certificado de qualidade da União Europeia. A mistura do ouro ao produto dá a ele o máximo da sofisticação e do requinte que uma bebida com padrões internacionais de excelência pode proporcionar aos mais exigentes paladares.

Descubra como harmonizar cerveja com pratos típicos de Natal

A beer sommelier da cervejaria Berggren, Camila Nassar, lista os principais pratos que costumam ter na ceia e como harmonizar com a cerveja ideal

Natal. Neste dia, familiares se unem para celebrar, trocar presentes e apreciar uma ceia saborosa repleta de pratos típicos. Na hora do brinde, o cardápio é variado e vai desde um espumante, vinho ou até mesmo uma cerveja. Hoje em dia é possível encontrar cervejas de diferentes estilos nas gôndolas, por isso muitos costumam ter dúvidas sobre qual rótulo é o mais indicado para harmonizar com um prato natalino.

Pensando nisso, a beer sommelier da cervejaria Berggren, Camila Nassar, lista os principais pratos que costumam ter na ceia e como harmonizar com a cerveja ideal, confira:

Carnes brancas, aves e suínos

Considerados os pratos principais, o ideal é harmonizar carnes brancas e aves com uma cerveja Pale Ale. No aroma, o lúpulo surge em primeiro plano trazendo notas cítricas e, no sabor, o amargor é equilibrado pelo dulçor do malte. De corpo médio e final levemente seco, é uma cerveja com alta drinkability. A ideia é que o sabor da cerveja não se sobreponha ao sabor da carne, por esse motivo é a mais indicada.

Nozes, castanhas e amêndoas

Foto: Jacqueline Dodd

Seja para decorar a mesa ou para consumo antes do prato principal, os petiscos sempre marcam presença na ceia natalina. Por ser uma refeição mais leve, a cerveja mais indicada é a Lager, que possui uma mistura especial de maltes de cevada e uma seleção única de lúpulos norte-americanos de características cítricas. O resultado é uma cerveja leve e com baixo amargor.

Frutos do mar e peixes

Cameron’s Seafood

Pratos leves combinam com cervejas tradicionais, como a Weiss, uma cerveja de trigo bastante popular na Alemanha. Uma clássica Weissbier não passa pelo processo de filtração, o que mantém parte das leveduras na garrafa conferindo aspecto turvo à cerveja. No aroma, apresenta notas delicadas de cravo e banana, típicas do estilo, e, no sabor, um perfeito equilíbrio entre os ingredientes. A Weiss combina com frutos do mar, peixes, pato assado e comidas alemãs.

Sobremesas

Até no momento de saborear uma sobremesa a cerveja pode ser uma ótima opção de harmonização. Nesse caso, a cerveja mais indicada é a Porter, que apresenta ampla variação de aromas torrados, permeando entre café, chocolate até o biscoito e o toffee, com sabor e amargor equilibrado entre os lúpulos e maltes torrados presentes na receita.

Fonte: Berggren

Especialista dá dicas de vinhos para Ceia de Fim de Ano

Combinação da bebida com diferentes pratos exige atenção. Se bem selecionados, os vinhos podem fazer com que receitas tradicionais de Natal e Ano Novo fiquem ainda mais saborosas

A harmonização está em alta e, entre bebida e comida, sempre foi um assunto importante, principalmente em ocasiões especiais. E com a proximidade das comemorações de fim de ano, Natal e Ano Novo, o banquete deve ser regado a vinho. Desta forma, os pratos tradicionais servidos nas célebres ceias desta época podem ganhar um novo paladar se acompanhados por rótulos bem escolhidos para essa experiência. 

Como harmonizar?

Freepik

As dicas para harmonização são do especialista em vinhos, Marcelo Copello, que observa cada ingrediente das receitas tradicionais para sugerir as combinações. “A harmonização pode ser uma experiência incrível quando bem executada e um desastre, caso alguns elementos não sejam observados”.

Neste caso, Copello, que também é curador da Talk Wine (primeira startup dedicada à degustação virtual de vinhos), faz algumas recomendações, porém com ressalvas. “Carne bovina quase sempre combina com vinho tinto. As aves vão bem com branco, mas dependendo dos ingredientes do molho, a harmonização pode levar para o tinto. O mesmo vale para peixes, que combinam com vinho branco, mas podem ser servidos com tintos, como é o caso do salmão, atum e bacalhau. Em todos esses casos deve-se observar a composição das receitas e itens mais fortes como azeitona, tomate etc”, explica. 

Itens a observar na harmonização

Existem regras básicas que são muito úteis para a harmonização. Porém, elas sozinhas não são o suficiente. É preciso analisar cada item, dissecar as receitas. De modo geral as harmonizações seguem alguns conceitos como contraste ou semelhança.

No contraste, há elementos que se contrapõem, como acidez e gordura. Na semelhança podem ser observadas características similares, o que é ideal para sobremesas, onde há dulçor e corpo em complemento.

Indicação de Vinhos

Para o chester de Natal com molho de laranja, a indicação é um Chardonnay barricado do novo mundo, um vinho branco, com características cítricas, que acompanha o molho de laranja.

A bacalhoada portuguesa pede um clássico português: Marques de Borba Vinhas Velhas. O tinto, equilibrado e com taninos arredondados, vai bem com pratos intensos. 

O Peru de Natal com marinado de ervas vai bem com o Terre Natuzzi Chianti DOCG Reserva, tinto com paladar macio e frutado.

Se sua opção for um lombo defumado com bacon, vale investir no italiano Costa Arènte Ripasso della Valpolicella DOC. 

Para o agridoce Tender Califórnia (com abacaxi), Copello recomenda um Riesling alemão, vinho branco, elegante, pouco alcoólico e aromático.

Um salmão assado com alcaparras combina com o Cool Coast Sauvignon Blanc, vinho branco chileno com acidez firme e equilibrada, que apresenta forte presença mineral e final longo.

A clássica receita de carne assada, lagarto ao molho madeira, pede um tinto intenso como chileno Quinta Generación Tinto.

Para os veganos, um antepasto de berinjela, que harmoniza com o português Duorum Colheita Douro DOC, tinto que tem taninos firmes e aromas intensos, trazendo potência à refeição. 

Na hora de degustar um panetone, a dica é um espumante Moscatel brasileiro

E o tradicional pavê vai bem com um encorpado Vinho do Porto tipo LBV

Todos esses rótulos indicados por Copello podem conferir uma combinação perfeita para as receitas mais tradicionais das festas de fim de ano. E a boa notícia é que alguns dos vinhos estão disponíveis para compra no site, que além de degustações virtuais, comercializa os produtos de forma individual.

Por que café harmoniza tão bem com queijo?

Já parou para pensar por que é tão gostoso fazer um intervalo no meio da tarde e tomar uma xícara de café com um pão de queijo recém-saído do forno? Protagonistas entre os ingredientes queridinhos dos brasileiros, o café e o queijo possuem sabores peculiares, que, quando misturados, oferecem uma inusitada e deliciosa harmonização gastronômica. A combinação faz parte do cotidiano de muitas culturas ao redor do mundo, inclusive dos brasileiros.

“Em Minas Gerais, por exemplo, existe o costume de se comer queijos meia-cura ou curados com café em alguns momentos do dia, principalmente no café da manhã e no meio da tarde”, pontua Hellen Maluly, doutora em Ciência de Alimentos e consultora do Comitê Umami, organização responsável pela divulgação do quinto gosto do paladar humano no Brasil.

De acordo com a especialista, o motivo para tanto sucesso pode estar diretamente relacionado ao queijo, sendo um dos ingredientes em que o gosto umami – quinto gosto do paladar humano – está presente. “O umami é evidente em muitos alimentos do cotidiano, como tomates, carnes, cogumelos e, principalmente, queijos, tendo um papel fundamental para que a harmonização aconteça”, explica Hellen.

“Quando misturado ao café, o quinto gosto ameniza sensações de alguns tipos de café de torra mais intensa, como o amargor, ou a acidez de cafés que passam por processos de fermentação mais longos. Outros compostos presentes naturalmente nos grãos, como polifenóis, também podem provocar certa adstringência, mas isto irá depender das suas concentrações. No entanto, o fato mais interessante está relacionado ao aumento da salivação provocado pelo gosto umami. A saliva faz com que os aromas, tanto do queijo como do café, possam se diluir com mais facilidade, oferecendo continuidade ao sabor na boca e uma harmonização perfeita entre o café e o queijo”, complementa.

Para ter uma experiência mais acentuada, vale escolher cafés e queijos de boa qualidade para melhorar ainda mais essa combinação. Hellen ainda dá algumas dicas: “Alguns blends, feitos com Coffea arabica e Coffea robusta, podem ser mais amargos pelo aumento do teor de cafeína e são excelentes escolhas para queijos mais fortes. Já queijos mais leves, como brie, camembert ou mesmo queijos frescos, combinam bem com cafés da variedade arábica, pois são mais leves e realçam o dulçor, principalmente se forem servidos com geleias aromáticas, feitas com cascas de laranja e especiarias, por exemplo.

Umami

É o quinto gosto básico do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda. Foi reconhecido cientificamente no ano 2000, quando pesquisadores da Universidade de Miami constataram a existência de receptores específicos para este gosto nas papilas gustativas. O aminoácido ácido glutâmico e os nucleotídeos inosinato e guanilato são as principais substâncias umami. As duas principais características do umami são o aumento da salivação e a continuidade do gosto por alguns minutos após a ingestão do alimento.

Informações: Portal Umami