Arquivo da tag: Hospital Oswaldo Cruz

Alimentação saudável, baseada em vegetais, ganha cada vez mais adeptos no Brasil

Preocupações com a saúde, com o meio ambiente, e o bem-estar animal mudam hábitos alimentares

Há alguns anos o mundo assiste ao despertar de uma nova geração de pessoas que opta por um estilo de vida mais sustentável, essa turma vem mudando conceitos e, em especial, o da alimentação.

A mais recente pesquisa realizada no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), data de 2018 e aponta que 14% da população brasileira se declarou vegetariana, isso significa que pelo menos de 30 milhões de pessoas não comem carne em nosso país e estima-se que desse total, cerca de 7 milhões sejam veganos, ou seja, não utilizam nenhum tipo de produto ou insumo de origem animal e nada que tenha sido testado em animais.

Hoje, esse número pode ser bem maior e essas pessoas têm optado por uma dieta mais saudável, com menor ingestão de carne e de produtos industrializados e maior consumo de vegetais.

Tipos de dietas

O primeiro passo é entender as diferenças entre os diversos tipos de vegetarianismo, separados pela ingestão de certos tipos de alimentos:

  1. Ovolactovegetariano: é o vegetariano que não consome carnes, mas come ovos, leite e derivados.
  2. Ovovegetariano: não comem carnes, leite e derivados. Só comem ovos;
  3. Lactovegetariano: não ingerem carnes e ovos, mas consomem leite e derivados;
  4. Vegetariano estrito: não come nenhum alimento de origem animal, como carnes, ovos, leite e derivados;
  5. Vegano: igual ao vegetariano estrito, mas também não usa nenhum produto que tenha origem ou que foi testado em animais, como lã, couro, seda ou produtos de cosmética.

Para conhecer um pouco mais sobre o vegetarianismo e suas versões e esclarecer as dúvidas sobre a eficácia e a segurança dessas dietas, procuramos a ajuda de Thamara Spada, especialista em nutrição clínica do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Antes de tudo, uma dica que vale para todo e qualquer tipo de dieta. “Uma alimentação diversificada, com pratos coloridos, inclui diariamente a ingestão de frutas, verduras, legumes, carboidrato, proteínas e lipídios (gorduras saudáveis) e é importante para todos, tanto para onívoros (que se alimentam de carne e vegetais), quanto — e de maneira particular — para os vegetarianos ou veganos, que buscam com a ingestão de vegetais a absorção de todos os nutrientes que o organismo necessita”.

Para quem já é adepto de uma alimentação vegetariana ou vegana, a especialista reforça conceitos fundamentais. “Para vegetarianos e veganos é importante, em todas as refeições, consumir carboidratos (encontrados em batatas, mandioca, mandioquinha, cará, inhame, arroz integral), proteínas (encontradas em leguminosas como o feijão e oleaginosas — como castanhas e linhaça), lipídios (presentes também nas oleaginosas), fibras (encontradas nas frutas e hortaliças em geral) – que possuem as vitaminas e os sais minerais que o organismo necessita para funcionar bem”, aconselha a nutricionista.

Turbine a dieta com as escolhas certas

Pixabay

Alguns cuidados devem ser tomados na escolha dos alimentos para potencializar seus efeitos. “Verduras verde-escuras (brócolis, espinafre, catalonha, escarola) são excelentes fontes de ferro, que para ser melhor absorvido deve ser ingerido com um alimento fonte de vitamina C, como laranja, tangerina, limão e acerola”, esclarece a especialista.

Outra precaução importante diz respeito ao consumo de alimentos que contém cálcio (leite e derivados), que não devem ser ingeridos com as verduras verde-escuras, porque diminuem a absorção do ferro. “O cálcio para quem é vegetariano pode ser encontrado no leite e seus derivados, já para o vegano, em leites vegetais, que são enriquecidos com cálcio. Além de ser encontrado também no gergelim (tahini, pasta de gergelim ou a semente)”, exemplifica.

Sobre o ômega 3, considerada uma gordura saudável, a nutricionista afirma que a experiência de deficiência desse ácido graxo não é uma exclusividade só do vegano e do vegetariano, mas sim da população em geral, porque não consome em sua rotina alimentos fontes de ômega 3. “Para os vegetarianos a ingestão de ômega 3 vem das oleaginosas e sementes. Em geral não precisa de suplementação encapsulada, basta consumir do próprio alimento.”, orienta.

A deficiência de Vitamina B12, que é essencial para a produção dos glóbulos vermelhos e atua diretamente no sistema nervoso, pode causar vários prejuízos à saúde, com sintomas como sensação de fraqueza, tontura, fraqueza muscular. “As fontes alimentares de vitamina B12 para os vegetarianos são as algas, produtos fermentados, ovos e leite”, sugere a especialista.

Porém, quando a deficiência já está instalada, somente a alimentação não é suficiente para correção, e neste caso, é necessária a suplementação.

Cuidados importantes na aquisição de alimentos

Alguns cuidados devem ser tomados na hora de armazenar os alimentos e “Se você vai guardar frutas, verduras e legumes em geladeira, aproveite para limpá-los antes, lembrando que tudo o que for consumido cru deve ser higienizado com hipoclorito ou água sanitária, mas é importante ler o rótulo e seguir a diluição adequada indicada pelo fabricante do produto”, orienta.

Outra dica da nutricionista é não deixar frutas abertas na geladeira por mais de dois dias. “Depois desse prazo os produtos começam a sofrer alterações nutricionais e microbiológicas (proliferação de fungos e bactérias), que podem transformar um alimento sadio em algo nocivo ao organismo”, adverte.

Quando for comprar produtos como palmito, é importante prestar atenção ao local onde estão armazenados, depois averiguar a procedência e a validade e ainda observar se a água de salmoura está translúcida. “Quando a água estiver turva, significa que o produto não está tão bom. Mas se houver dúvida quanto à qualidade do palmito, por exemplo, o ideal é ferver por 15 minutos antes de ingerir porque microrganismos, como os responsáveis pelo botulismo, não sobrevivem em altas temperaturas”, elucida a nutricionista.

Antes de mudar a dieta, procure um especialista

Por se tratar de uma alimentação que pode ter redução na ingestão de alguns nutrientes encontrados mais facilmente em alimentos de origem animal, como vitamina B12 e cálcio, é importante que quem quer fazer a transição para a alimentação vegetariana ou vegana seja acompanhado por um médico e, de preferência, por um nutricionista. Assim, pode ser prescrita uma dieta individualizada e balanceada, e ser feito um rastreamento sobre alguma deficiência nutricional pré-existente e se há necessidade de suplementação. “É muito comum deficiências nutricionais em onívoros e esta deve ser corrigida/suplementada concomitante a transição para o veganismo. Então é importante avaliar nos exames de sangue os níveis de vitamina B12, ácido fólico, ferritina, transferrina, cálcio e vitamina D e avaliar a necessidade de suplementação”, esclarece a especialista.

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Consumo de carne diminui durante a pandemia; saiba como substitui-la sem prejuízo nutricional

Nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz dá dicas de como manter uma dieta saudável sem carne

Segundo pesquisa realizada pelo Ibope e coordenada pelo Good Food Institute Brasil, metade dos brasileiros reduziu o consumo de carne bovina, suína, aves e peixes em 2020. De acordo com Thaís Sarian, nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, adotar uma rotina alimentar com menor consumo de carne promove vários benefícios para a saúde a longo prazo. “Podemos destacar, entre diversos benefícios, a melhora da saúde intestinal e a redução da ingestão de gorduras saturadas”, explica a especialista.

O hábito de reduzir o consumo de produtos de origem animal sem interrompê-lo completamente é chamado de flexitarianismo. Ainda de acordo com a pesquisa, das pessoas que diminuíram o consumo de carne, ao menos 47% substituíram a proteína animal por vegetais como legumes, verduras e grãos. Na análise da nutricionista, este é outro ponto positivo da substituição. “Quando ocorre o aumento da ingestão de alimentos vegetais, também aumenta a densidade nutricional dos alimentos e sua consequente ingestão de vitaminas, minerais, fibras e compostos bioativos”, explica Thaís.

O que não pode faltar no meu prato?

Para montar a refeição ideal sem carne, a especialista recomenda a seguinte proporção para um prato vegetariano saudável: 50% de legumes e verduras, 25% de fontes de proteínas vegetais (especialmente presentes no grupo do feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja) e 25% de carboidratos (como o arroz integral, milho, batata, mandioca, entre outros). Para quem segue uma dieta ovolactovegetariana, a inclusão de ovos também é bem-vinda. Ter isso em mente é importante para não correr o risco de substituir a proteína animal por carboidratos mais pobres em nutrientes, uma tendência quando a transição de dieta é feita sem o devido acompanhamento profissional.

Outro risco na substituição da carne é optar por receitas e pratos que contenham grande quantidade de laticínios e derivados do leite, já que o consumo excessivo desses produtos eleva substancialmente a ingestão de gorduras saturadas. “Acontece com frequência da pessoa simplesmente excluir a carne e não mudar o restante da alimentação. Por isso é tão importante um bom planejamento alimentar. Já sabemos que dietas vegetarianas, quando bem planejadas, são saudáveis e nutricionalmente adequadas”, completa a especialista.

Miroro/Pixabay

Segundo pesquisa do Ibope Inteligência conduzida em abril de 2018, 14% da população brasileira se declara vegetariana. Uma opção de proteína tanto para vegetarianos, quanto flexitarianos dispostos a fazer a transição de dieta é a carne vegetal. O alerta da nutricionista é com relação à frequência de consumo do produto, já que a carne vegetal também é um alimento processado. “Na hora de comprar, uma dica é dar atenção à lista de ingredientes do produto e optar por aqueles que tenham menor quantidade de aditivos químicos, mas o ideal é que as refeições sejam preparadas em casa e com ingredientes naturais.”

Reposição de B12

Foto: Jeltovski

Quem pensa em adotar uma alimentação vegetariana estrita (onde não há consumo de alimentos de origem animal), não pode esquecer da vitamina B12, única vitamina que não se pode obter a partir de plantas. Além de ser importante para a formação das células vermelhas do sangue, ela também é necessária para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. “Para repor esse nutriente, é necessário fazer a suplementação sempre com acompanhamento profissional, onde também é avaliado o estado de saúde geral do indivíduo”, finaliza a nutricionista.

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Diabéticos e pré-diabéticos devem manter vigilância no réveillon

Controlar o avanço da doença depende de bons hábitos alimentares, inclusive no período de festas de final de Ano

O período de festas de final de ano pode trazer graves consequências milhões de brasileiros diabéticos e pré-diabéticos que se descuidarem de uma alimentação controlada, alerta Ricardo Cohen, coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Para o médico, quanto mais os índices estiverem descompensados, mais difícil será estabilizar os índices glicêmicos do paciente diabético, dificultando que ele tenha um bom estado geral de saúde.

São considerados pré-diabéticos indivíduos com níveis elevados de açúcar no sangue, obesidade e com histórico familiar de diabetes. Uma pessoa é considerada de alto risco para progressão ao diabetes quando apresenta alterações no metabolismo da glicose, isto é, níveis elevados de glicose em jejum ou hemoglobina glicada, além da tolerância diminuída à glicose.

A evolução para o diabetes depende da mudança de hábitos alimentares e de conduta de vida. Por isso, o Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz alerta para a necessidade de uma alimentação rica em peixes, carnes magras, azeite de oliva, leites e derivados. Além disso, recomenda-se produtos integrais, associados à prática regular de atividade física e acompanhamento médico são fundamentais para inibir a evolução do quadro.

“Nesta época do ano, é comum as pessoas exagerarem na ingestão de comidas gordurosas, doces e no consumo de álcool, mas quem tem a doença ou apresenta risco aumentado para o desenvolvimento do diabetes tipo 2 não pode se descuidar da saúde”, afirma Cohen.

O diabetes acomete cerca de 390 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Diabetes estima que a doença atinja 13 milhões de brasileiros. Mais da metade deles desconhece ser portador da enfermidade. O desconhecimento sobre o pré-diabetes também é grande. Considerando que para cada paciente diabético, existam pelos menos três pacientes em risco, a estimativa é de cerca de 40 milhões de brasileiros sejam pré-diabéticos. Aproximadamente 25% dessa população se tornará diabética nos próximos cinco.

diabetes 33

Segundo a American Diabetes Association, o risco de progressão para diabetes aumenta significativamente para quem possui valores de glicemia de jejum entre 100 e 125 mg/dL ou de glicemia medida duas horas após a ingestão de 75 gramas de glicose anidra entre 140 e 199 mg/dL. Pessoas que possuem hemoglobina glicada entre 5,7 e 6,4% também possuem risco de desenvolver a doença.

Ricardo Cohen: Graduado em Medicina em 1984 e doutor em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (1996). Atualmente, é coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (2011-2012).

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Hoje é o Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas

Onco-hematologista chama atenção para doença e seu diagnóstico precoce

A campanha do Dia Mundial de Conscientização de Linfomas, que acontece simultaneamente em mais de 20 países no mês de setembro, tem o objetivo de alertar a população sobre a importância do diagnóstico, sintomas e tratamento da doença.

“O linfoma é um câncer silencioso do sistema linfático, desconhecido por muitos e por isso a campanha de conscientização é de suma importância para um diagnóstico precoce, pois somente assim é possível salvar muitas vidas”, alerta o onco-hematologista Celso Massumoto, do Hospital Oswaldo Cruz (São Paulo), doutor em medicina pela USP e membro do Comitê Científico da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE).

Há mais de 40 subtipos de linfomas sob a mesma denominação, de acordo com a classificação da Organização Mundial da Saúde, porém são classificados em dois grandes grupos: linfoma de Hodgkin (LH) e linfoma não-Hodgkin (LNH).

O linfoma de Hodgkin corresponde a 30% de todos os linfomas, com maior pico de incidência na faixa etária de 20-30 anos e um menor pico após os 50 anos. Já o linfoma de não Hodgkin acomete pessoas com mais de 60 anos. Os linfomas atingem homens e mulheres e ainda não se conhece a causa exata. “Os sintomas são aumento dos linfonodos, febre, sudorese noturna, perda de peso, emagrecimento, anemia e queda de cabelos. Os linfomas podem ser fatais e quem apresenta esses sintomas deve procurar um clinico geral o quanto antes” alerta Massumoto.

O tratamento é feito com quimioterapia, radioterapia e transplante de medula óssea. Além disso, um novo remédio tem se mostrado eficaz no tratamento do linfoma de Hodgkin: a droga brentuximabe. “O remédio está sendo muito promissor, principalmente quando associado à quimioterapia e se mostra eficaz em 75% dos pacientes que não puderam recorrer ao transplante de medula óssea”, afirma Massumoto.

Leia mais sobre o assunto: Nutricionistas ressaltam a importância dos alimentos funcionais na prevenção do câncer