Arquivo da tag: inchaço

Pés e mãos tendem a inchar no verão: entenda o motivo

O calor típico do verão brasileiro é sinônimo de pés e mãos inchados para algumas pessoas. O incômodo é resultado de um processo natural do organismo no intuito de controlar a temperatura corporal entre 36ºC e 36,5ºC, a fim de manter o funcionamento padrão dos órgãos.

pe inchado
MedicalNewsToday

Segundo o cirurgião vascular do Hospital Edmundo Vasconcelos, Walter Campos, esse controle de temperatura ocorre por meio da vasodilatação das artérias, que tendem a concentrar o calor nas extremidades e por isso, os pés e mãos são os mais afetados com o inchaço.

“O fluxo sanguíneo dos membros aumenta, dilatando as veias e causando uma maior pressão capilar- sistema responsável pela troca de nutrientes do sangue. Essa pressão tende a liberar líquidos no tecido, ocasionando o inchaço”, acrescenta.

Apesar de não ser uma sensação agradável, o médico esclarece que não há nada com que se preocupar e todos estão sujeitos a esse tipo de edema periférico em dias quentes. A atenção deve ser focada somente quando o inchaço apresentar características atípicas, como uma diferença de retenção de líquido entre os membros associada a vermelhidão.

“É importante que, quando surgir alguma característica diferente da habitual em dias de temperaturas altas, a pessoa procure um médico para investigar a causa e iniciar o tratamento adequado”, explica.

thinkstock pé inchado
Thinkstock

Infelizmente, não há maneiras de evitar esse inchaço natural. Segundo Campos, pode ser controlado com tratamento e uso de meias elásticas. E, diferentemente, do que muitos acreditam, a hidratação não ameniza o incômodo, é apenas essencial na reposição de líquidos perdidos pelo suor.

Fonte: Hospital Edmundo Vasconcelos

Malefícios do álcool para a pele, em especial após procedimento estético

Álcool pode envelhecer a pele e é completamente contraindicado após a realização de um procedimento estético, principalmente no caso dos invasivos

Você já deve ter percebido que, após o consumo excessivo de álcool, sua pele fica naturalmente mais desidratada. Se isso acontece com frequência, há uma piora da qualidade da pele, que acelera o envelhecimento cutâneo.

“Quem ingere álcool em excesso, sente muita sede, principalmente no dia seguinte. Isso acontece porque o organismo precisa de água para metabolizar o álcool. No entanto, se não houver água suficiente, o organismo busca nos tecidos periféricos a água para realizar o seu trabalho. E esse é o grande problema, pois a perda d’água afeta a pele, diminuindo o viço e colaborando para o ressecamento e a descamação”, explica Paolo Rubez, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

mulher bebendo

“Além disso, o álcool é especialmente maléfico após a realização de um procedimento estético, afetando na recuperação e até mesmo nos resultados”, acrescenta. Segundo o médico, quanto mais elevado o teor alcoólico da bebida, mais difícil a recuperação da pele ou mais intenso o dano causado.

“A exceção é o vinho tinto, que contém altos níveis de polifenóis antioxidantes, dentre eles o resveratrol, e pode ser consumido moderadamente, com cerca de meia taça por dia. Ele traz benefícios para a pele”, afirma.

Abaixo, o especialista explica três razões para se afastar do álcool após os procedimentos estéticos:

Aumenta o inchaço – “O álcool dilata os vasos sanguíneos e o resultado disso é o inchaço do corpo. Como a desidratação também é uma consequência do álcool, isso faz com que o corpo retenha o máximo de água possível, piorando a sensação de inchaço. Uma área extremamente susceptível é o nariz, então o paciente deve redobrar atenção após rinoplastias.”

Aumenta o sangramento – “Em procedimentos que demandam tempo de recuperação, como as cirurgias invasivas, o álcool é especialmente maléfico, pois ele afina o sangue e aumenta o risco de pacientes terem sangramento e prolongando a recuperação.”

mulher-bebendo
Foto: Emilysimagery/Morguefile

Resseca a pele – álcool aumenta a perda de água no corpo e causa desidratação da pele (e nem sempre beber água serve como medida para combater isso). “Para resultados otimizados, os cirurgiões podem recomendar a suspensão do consumo duas semanas antes e depois da cirurgia plástica – o tempo pode variar de acordo com o procedimento a ser realizado”, finaliza.

Fonte: Paolo Rubez é cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS) e da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (Isaps), Dr. Paolo Rubez é Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina da Unifesp. O médico é especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University, com Bahman Guyuron (em Cleveland – EUA) e em Rinoplastia Estética e Reparadora, pela mesma Universidade e pela Escola Paulista de Medicina/Unifesp.

O que saber sobre a SIBO e seu tratamento

Uma pessoa com a síndrome do supercrescimento bacteriano do intestino delgado tem muitas bactérias nessa região. Esse desequilíbrio bacteriano no intestino pode causar inchaço, diarreia e dor

Síndrome do supercrescimento bacteriano do intestino delgado, conhecida como SIBO (sigla em inglês para o problema) é mais comum do que os médicos pensavam anteriormente. É mais provável que afete mulheres, adultos mais velhos e pessoas com problemas digestivos, como a síndrome do intestino irritável (SII).

Sinais e sintomas

barriga inchada gezonderleven

Os sinais e sintomas da SIBO são semelhantes aos de outros distúrbios digestivos, como SII e intolerância à lactose. Eles podem variar em gravidade, desde um leve desconforto estomacal até diarreia crônica, perda de peso e uma capacidade reduzida de absorver nutrientes dos alimentos (má absorção).

SIBO afeta diretamente o intestino, causando problemas digestivos desconfortáveis. Os sintomas incluem:

=dor de estômago
=inchaço
=diarreia
=prisão de ventre
=náusea
=perda de peso involuntária

Causas

Esse supercrescimento bacteriano pode acontecer quando bactérias de uma parte do trato digestivo viajam para o intestino delgado ou quando bactérias naturais no intestino delgado se multiplicam demais.

As pessoas podem experimentar a SIBO como resultado dos seguintes fatores:

=movimento anormalmente lento do sistema digestivo
=baixos níveis de ácido estomacal
=anormalidades físicas do intestino delgado
=sistema imunológico enfraquecido

Fatores de risco

Pessoas com certas condições médicas são mais propensas a ter SIBO. Os médicos consideram a SIBO como uma complicação das seguintes condições:

=cirrose
=Doença de Crohn
=doença celíaca
=hipotireoidismo
=HIV
=diabetes
=SII
=esclerodermia
=fibromialgia

Outros fatores de risco para SIBO incluem:

=ser idosa(o)
=ser mulher
=uso a longo prazo de inibidores da bomba de prótons (IBPs), que são medicamentos que reduzem a produção de ácido estomacal
=cirurgia intestinal anterior
=tendo completado recentemente um tratamento com antibióticos
=beber álcool

Diagnóstico

medico-consulta

SIBO causa uma ampla gama de sintomas inespecíficos com vários graus de gravidade, o que pode dificultar o diagnóstico. Para diagnosticá-la, o especialista perguntará sobre os sintomas e o histórico médico de uma pessoa. Ele pode sondar o abdome em busca de sinais de excesso de gás ou inchaço. Se suspeitar de SIBO, provavelmente recomendará um teste de respiração.

Um teste de respiração mede a concentração de hidrogênio e metano na respiração de uma pessoa. Os resultados informam ao médico sobre a gravidade e localização do supercrescimento bacteriano no intestino.

O teste de respiração funciona porque as bactérias produzem hidrogênio e metano quando decompõem os carboidratos no intestino. Essas moléculas de hidrogênio e metano entram na corrente sanguínea, viajam para os pulmões e deixam o corpo pela respiração.

As pessoas devem jejuar por 24 horas antes de passar por um teste de respiração. Durante o teste, o indivíduo vai beber uma bebida de lactulose de açúcar antes de respirar em um balão ou um conjunto de tubos em intervalos regulares. Um médico pode precisar coletar amostras de sangue, urina ou líquido intestinal para análises laboratoriais se os resultados do teste respiratório não forem claros.

Tratamento

Os médicos tratam a SIBO prescrevendo antibioticoterapia e recomendando mudanças na dieta. As pessoas que desenvolvem desnutrição ou ficam desidratadas devido à SIBO também precisarão de nutrientes e fluidos fornecidos por meio de um gotejamento intravenoso (IV).

Antibióticos de amplo espectro podem estabilizar a microbiota intestinal, reduzindo o número de bactérias intestinais. Abordar a condição subjacente é a única maneira de curar a SIBO.

As mudanças dietéticas são úteis para o manejo da SIBO, mas há poucas evidências concretas para confirmar qual é a melhor dieta específica. Os médicos ainda não entendem completamente o papel das mudanças dietéticas no tratamento da SIBO.

As pessoas também se beneficiarão do tratamento de quaisquer condições médicas subjacentes, como doença celíaca ou diabetes, que contribuam para a SIBO.

Dieta SIBO

As bactérias do intestino se alimentam de carboidratos. Em geral, a dieta SIBO limita a ingestão de carboidratos para evitar o crescimento de bactérias. As pessoas também podem se beneficiar de uma dieta pobre em alimentos fermentáveis ​​ou FODMAPs.

Os FODMAPs são carboidratos de cadeia curta que estão comumente presentes em produtos lácteos, grãos e certas frutas e vegetais. Reduzir a ingestão desses alimentos pode aliviar os sintomas da SIBO e ajudar as pessoas a identificar os alimentos que as provocam.

Alimentos FODMAP incluem:

getty images laticinios

=oligossacarídeos: trigo, leguminosas, cebola, espargos
=dissacarídeos (lactose): leite, iogurte, manteiga, queijos macios
=monossacarídeos (frutose e glicose): frutas, mel, alimentos com adição de açúcares
=polióis: frutas que contêm caroços (por exemplo, cerejas e pêssegos), maçãs, cogumelos, vagens

A dieta elementar é outra opção para pessoas com SIBO. É uma dieta baseada em líquidos que os médicos usam para tratar doenças digestivas graves. Essa dieta fornece nutrientes de forma fácil de digerir, possibilitando que o corpo absorva a maioria deles antes que as bactérias possam se alimentar deles.

Embora a dieta elementar pareça promissora, é cara, complicada e não sustentável. As pessoas não podem comer alimentos sólidos ou bebidas que não sejam água durante a dieta. É vital falar com um médico antes de tentar praticá-la.

Diferentes mudanças na dieta funcionam para pessoas diferentes, dependendo de seus sintomas e de como reagem a alimentos específicos. As pessoas que têm SIBO podem trabalhar com um médico ou nutricionista para adaptar sua dieta para gerenciar seus sintomas.

Complicações

SIBO- intestino sepalika
Ilustração: Sepalika

Populações anormalmente grandes de bactérias no intestino delgado podem ter efeitos negativos em todo o corpo. Supercrescimento bacteriano pode dificultar a absorção de gorduras e carboidratos dos alimentos. Também pode levar a deficiências de vitaminas e excesso de gases.

Outras complicações que uma pessoa com SIBO pode experimentar incluem:

=intestino gotejante
=desnutrição
=desidratação
=dor nas articulações
=prisão de ventre
=encefalopatia hepática (declínio da função cerebral devido a doença hepática grave)

Prevenção

Young woman running in wood, training and exercising for trail r
Pexels

Muitas pessoas relatam sintomas de SIBO meses após completarem a antibioticoterapia. A prevenção é um componente vital do gerenciamento da SIBO.

As pessoas geralmente desenvolvem SIBO como resultado de uma condição médica subjacente ou um defeito físico no intestino delgado. Abordar e controlar a causa raiz da SIBO reduzirá o risco de recorrência da pessoa.

Mudanças na dieta e no estilo de vida também podem impedir que a SIBO retorne. Comer muitos alimentos à base de plantas e evitar os excessivamente processados e açucarados permitirá que boas bactérias floresçam e impeçam o crescimento excessivo de bactérias nocivas. O exercício regular também pode ajudar a regular as funções digestivas do corpo.

Panorama

O supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SIBO) é uma condição médica na qual uma pessoa tem uma população incomumente grande de bactérias em seu intestino delgado. É uma complicação de outras condições digestivas, como SII, doença de Crohn e doença celíaca.

Os tratamentos visam corrigir o equilíbrio de bactérias no intestino delgado. Antibióticos de amplo espectro podem tratar a SIBO, e algumas pessoas também precisam fazer mudanças na dieta para lidar com as deficiências nutricionais. Se possível, o tratamento deve abordar a condição médica subjacente que também causou a SIBO.

Os médicos ainda não entendem completamente a SIBO. Estudos atuais e futuros que explorem o microbioma intestinal humano e os resultados de mudanças na dieta no manejo de desordens digestivas terão um efeito profundo nos futuros tratamentos da SIBO.

Fonte: MedicalNewsToday

Nutricionista dá dicas para eliminar inchaço com mudanças na alimentação

Você já teve aquela sensação de inchaço que não vai embora? A origem mais comum desse incômodo é a retenção de líquidos, que pode ser provocada pelo acúmulo de água no organismo. O inchaço pode ocorrer de diversas formas, no corpo inteiro ou apenas em algumas partes como nas pernas e nos pés.

Para a nutricionista Graciela Vargas, do Comitê Umami, com ajustes apropriados no cardápio, é possível combater o desconforto de maneira simples. “Uma alimentação equilibrada, sem o consumo excessivo de sódio, a prática regular de atividade física e a hidratação são fatores cruciais tanto para a redução do inchaço como para a melhoria da qualidade de vida”, explica.

A especialista afirma que alguns alimentos que conferem o gosto umami, como o tomate e a cebola, possuem propriedades diuréticas que ajudam a diminuir o inchaço do corpo, além de micronutrientes importantes para o organismo.

tomate

“O tomate é rico em licopeno, possui também boa quantidade de vitaminas C, A e complexo B, além de sais minerais como ácido fólico, potássio e cálcio. Já a cebola é rica em flavonoides, apresenta as vitaminas C e complexo B, além de possuir sais minerais como ferro, potássio, sódio, fósforo e cálcio. Esses dois ingredientes deixam o prato mais saboroso e a comida ainda mais umami”, explica Graciela, referindo-se a um dos cinco gostos básicos do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda.

freegreatpicture-file-de-frango
Foto: FreeGreatPicture

Outra dica é apostar no consumo de proteínas com menor teor de gordura, como ovos, queijos magros e carnes brancas. Esses alimentos podem agir como um diurético natural, ajudando o corpo a eliminar o excesso de água. “As carnes brancas são fontes de ômega 3 e ômega 6 e possuem ácidos graxos, que são substâncias que melhoram o funcionamento do organismo e contribuem para a boa nutrição, além de serem fontes de proteína de alto valor biológico”, destaca Graciela.

sal

A nutricionista ressalta que o cloreto de sódio, conhecido como sal de cozinha, é muito utilizado na culinária para dar sabor aos alimentos e relaciona o consumo em excesso ao problema do inchaço. “Em quantidade correta, o sal é um grande aliado, por ajudar a evitar problemas de desidratação e o equilíbrio do volume hídrico do corpo humano. Mas, se usado de maneira exagerada, ele faz com que o organismo retenha muitos líquidos”, comenta.

Uma dica para diminuir o consumo exagerado do cloreto de sódio é a utilização de glutamato monossódico para realçar o sabor das refeições. Graciela explica que o glutamato contém 2/3 a menos de sódio em sua composição.

glutamato-d1

“Para funcionar de maneira correta, a porção de glutamato monossódico deve substituir metade da porção de sal. Por exemplo, se a receita pede duas colheres de chá, você utiliza uma colher de glutamato e uma de sal, reduzindo o teor de sódio na preparação, sem perder o sabor”.

#DicaDaNutri

mulher tomando probiotico foto alamy
Foto: Alamy

“Para combater o inchaço, é recomendado o consumo de alimentos ricos em água, que aumentam a produção de urina e reduzem a retenção hídrica, de fibras, que ajudam a diminuir o inchaço, dores abdominais e combatem a prisão de ventre, e de probióticos, que mantêm o bom equilíbrio de bactérias benéficas no intestino”.

Umami

comida boca garfo mulher
Pixabay

É o quinto gosto básico do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda. Foi reconhecido cientificamente no ano 2000, quando pesquisadores da Universidade de Miami constataram a existência de receptores específicos para este gosto nas papilas gustativas. O aminoácido ácido glutâmico e os nucleotídeos inosinato e guanilato são as principais substâncias Umami. As duas principais características do Umami são o aumento da salivação e a continuidade do gosto por alguns minutos após a ingestão do alimento.

Informações: Portal Umami

 

Alimentos que causam inchaço (e como substituí-los)

Inchaço é quando sua barriga parece intumescida ou aumentada depois das refeições.Geralmente isso é causado por gases ou outros problemas digestivos. Inchaço é algo muito comum. Cerca de 16% a 30% das pessoas dizem que o experimentam regularmente.

Embora o inchaço possa ser um sintoma de uma condição médica grave, geralmente é causado por algo presente na dieta. Abaixo estão 13 alimentos que podem causar inchaço, juntamente com sugestões sobre o que comer em vez disso. 

É importante frisar que as pessoas frequentemente confundem “inchaço” com “retenção líquida”, que envolve quantidades aumentadas de fluido no corpo. Preste atenção ao seu problema para encontrar a solução correta.

1. Feijão

Feijão é um tipo de leguminosa. Contém grandes quantidades de proteína e carboidratos saudáveis. Os feijões também são muito ricos em fibras, além de várias vitaminas e minerais. No entanto, a maioria dos grãos contém açúcares chamados alfagalactosídeos, que pertencem a um grupo de carboidratos chamados FODMAPs.
Os FODMAPs (oligo-, di-, mono-sacarídeos e polióis fermentáveis) são carboidratos de cadeia curta que escapam da digestão e são fermentados pelas bactérias intestinais no cólon. O gás é um subproduto desse processo.

Para pessoas saudáveis, os FODMAPs simplesmente fornecem combustível para as bactérias digestivas benéficas e não causam nenhum problema. No entanto, para indivíduos com síndrome do intestino irritável, outro tipo de gás é formado durante o processo de fermentação. Isso pode causar grande desconforto, com sintomas como inchaço, flatulência, cólicas e diarreia. Deixá-lo de molho é uma boa maneira de reduzir os FODMAPs nos beans. Mudar a água da imersão várias vezes também pode ajudar.

O que comer em vez disso: alguns tipos de feijão são mais fáceis no sistema digestivo. Feijão carioca e feijão preto podem ser mais digeríveis, especialmente após ficarem de molho. Você também pode substituir o feijão por grãos, carne ou quinoa.

2. Lentilhas

Lentilhas também são leguminosas. Elas contêm grandes quantidades de proteínas, fibras e carboidratos saudáveis, além de minerais como ferro, cobre e manganês. Por causa de seu alto teor de fibra, podem causar inchaço em indivíduos sensíveis. Isto é especialmente verdadeiro para pessoas que não estão acostumadas a comer muita fibra. Como feijões, também contêm FODMAPs. Estes açúcares podem contribuir para a produção excessiva de gás e inchaço.No entanto, deixando-as de molho ou lavando-as várias vezes antes de comê-las pode torná-las muito mais fáceis de serem digeridas pelo sistema digestivo.

O que comer em vez disso: lentilhas de cor clara são geralmente mais baixas em fibras do que as mais escuras, e podem, portanto, causar menos inchaço, especialmente após o molho

3. Bebidas Carbonatadas, como refrigerantes

Bebidas carbonatadas são outra causa muito comum de inchaço. Essas bebidas contêm quantidades elevadas de um gás, o dióxido de carbono. Quando você bebe uma dessas bebidas, acaba engolindo grandes quantidades desse gás. Alguns gases ficam presos no sistema digestivo, o que pode causar inchaço desconfortável e até cólicas.

O que beber em vez disso: água pura é sempre melhor. Outras alternativas saudáveis incluem café, chá e água com sabor de frutas.

4. Trigo

O trigo tem sido altamente controverso nos últimos anos, principalmente porque contém uma proteína chamada glúten. Apesar da controvérsia, o trigo ainda é amplamente consumido. É ingrediente da maioria dos pães, massas, tortilhas e pizzas, bem como produtos de panificação como bolos, biscoitos, panquecas e waffles. Para pessoas com doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, o trigo causa grandes problemas digestivos. Isso inclui inchaço, gases, diarreia e dor de estômago.O trigo também é uma fonte importante de FODMAPs que podem causar problemas digestivos em muitas pessoas.

O que comer em vez disso: existem muitas alternativas ao trigo, como aveia pura, quinoa, trigo mourisco, farinha de amêndoa e farinha de coco.

5. Brócolis e outros vegetais crucíferos

A família de vegetais crucíferos inclui brócolis, couve-flor, couve, couve de bruxelas e vários outros. Estes são muito saudáveis, contendo muitos nutrientes essenciais como fibra, vitamina C, vitamina K, ferro e potássio. No entanto, eles também contêm FODMAPs, por isso podem causar inchaço em algumas pessoas. Cozinhar vegetais crucíferos pode torná-los mais fáceis de digerir.

O que comer em vez disso: existem muitas alternativas possíveis, incluindo espinafre, pepino, alface, batata doce e abobrinha.

6. Cebola

As cebolas são vegetais de bulbo subterrâneos com um sabor único e poderoso. Raramente são comidas inteiras, mas são populares em refeições cozidas, acompanhamentos e saladas. Apesar de serem consumidas em pequenas quantidades, as cebolas são uma das principais fontes alimentares de frutanos, fibras solúveis que podem causar inchaço. Além disso, algumas pessoas são sensíveis ou intolerantes a outros compostos em cebolas, especialmente nas versões cruas. Portanto, cebolas são uma causa conhecida de inchaço e outros desconfortos digestivos. Cozinhá-las pode reduzir esses efeitos digestivos.

O que comer em vez disso: tente usar ervas frescas ou especiarias como uma alternativa. 

7. Cevada

Cereal comumente consumido, muito nutritivo, pois é rico em fibras e contém grandes quantidades de vitaminas e minerais como molibdênio, manganês e selênio. Por causa de seu alto teor de fibra, a cevada integral pode causar inchaço em pessoas que não estão acostumadas a comer muita fibra. Além disso, contém glúten. Isso pode causar problemas para pessoas que são intolerantes.

O que comer em vez disso: cevada refinada, como cevadinha, que pode ser melhor tolerada. A cevada também pode ser substituída por outros grãos ou pseudocereais como aveia, arroz integral, quinoa ou trigo sarraceno. 

8. Centeio

O centeio é um cereal que está relacionado ao trigo.É muito nutritivo e uma excelente fonte de fibras, manganês, fósforo, cobre e vitaminas B. No entanto, também contém glúten, uma proteína que muitas pessoas são sensíveis ou intolerantes. Por causa de seu alto teor de fibra e glúten, pode ser uma das principais causas de inchaço em indivíduos sensíveis.

O que comer em vez disso: outros grãos ou pseudocereais, incluindo aveia, arroz integral, trigo mourisco ou quinoa. 

9. Produtos Lácteos

Laticínios são altamente nutritivos, bem como excelentes fontes de proteína e cálcio. Há muitos produtos lácteos disponíveis, incluindo leite, queijo, cream cheese, iogurte e manteiga. No entanto, cerca de 75% da população mundial não consegue decompor a lactose, o açúcar encontrado no leite, condição conhecida como intolerância à lactose. Se você é intolerante à lactose, laticínios podem causar grandes problemas digestivos. Os sintomas incluem inchaço, gases, cólicas e diarreia. 

O que comer em vez disso: pessoas que são intolerantes à lactose às vezes podem manipular creme e manteiga, ou laticínios fermentados como iogurte. Produtos lácteos sem lactose também estão disponíveis. Outras alternativas ao leite normal incluem leite de coco, amêndoa, soja ou arroz. 

10. Maçã

As maçãs estão entre as frutas mais populares do mundo. São ricas em fibras, vitamina C e antioxidantes, e têm sido associados a uma série de benefícios para a saúde. Porém, também são conhecidas por causar inchaço e outros problemas digestivos para algumas pessoas. Os culpados são a frutose (que é um FODMAP) e o alto teor de fibras. A frutose e a fibra podem ser ambas fermentadas no intestino grosso e podem causar gases e inchaço. Maçãs cozidas podem ser mais fáceis de digerir do que as frescas.

O que comer em vez disso: outras frutas, como bananas, mirtilos, toranjas, tangerinas, laranjas ou morangos. 

11. Alho

 O alho é incrivelmente popular, tanto para dar sabor quanto como um remédio para a saúde. Como as cebolas, o alho contém frutanos, que são FODMAPs que podem causar inchaço. Alergia ou intolerância a outros compostos encontrados no alho também é bastante comum, com sintomas como inchaço, arrotos e gases. No entanto, cozinhar o alho pode reduzir esses efeitos.

O que comer em vez disso: tente usar outras ervas e especiarias em sua cozinha, como tomilho, salsa, cebolinha ou manjericão.

12. Açúcar de álcool

 Açúcares de álcool são usados para substituir o açúcar em alimentos sem açúcar e gomas de mascar. Tipos comuns incluem xilitol, sorbitol e manitol. Eles também são FODMAPs e tendem a causar problemas digestivos, uma vez que atingem o intestino grosso inalterado, onde as bactérias se alimentam deles. Consumir grandes quantidades de açúcar de álcool pode causar problemas digestivos, como inchaço, gases e diarréia.

O que comer em vez disso: Eritritol é também um álcool de açúcar, mas é mais fácil na digestão do que os mencionados acima. A estévia também é uma alternativa saudável ao açúcar e aos álcoois de açúcar.

13. Cerveja

 
Todo mundo já ouviu falar do termo “barriga de cerveja”. Refere-se não só ao aumento da gordura da barriga, mas também ao inchaço causado pelo consumo de cerveja.

A cerveja é uma bebida carbonatada feita a partir de fontes de carboidratos fermentáveis, como cevada, milho, trigo e arroz, juntamente com algumas leveduras e água. Portanto, contém tanto gás (dióxido de carbono) quanto carboidratos fermentáveis, duas causas bem conhecidas de inchaço. Os grãos usados para preparar a cerveja também contêm glúten.

O que beber em vez disso: a água é sempre a melhor bebida, mas se você está procurando alternativas alcoólicas, em seguida, vinho tinto, vinho branco ou aguardente podem causar menos inchaço.

Outras maneiras de reduzir o inchaço

barriga inchada gezonderleven

O inchaço é um problema muito comum, mas muitas vezes pode ser resolvido com alterações relativamente simples. Existem várias estratégias que podem ajudar a reduzir o inchaço, descritas neste artigo. Se você tem problemas digestivos persistentes, então você pode querer considerar uma dieta de baixo FODMAP. Pode ser incrivelmente eficaz, não apenas por inchaço, mas também por outros problemas digestivos. No entanto, certifique-se de também consultar um médico para descartar uma condição médica potencialmente grave.

Guarde para você

Se tiver problemas com inchaço, então as chances são de que um alimento nesta lista seja o culpado é muito grande. Dito isto, não há razão para evitar todos esses alimentos, apenas os que causam problemas pessoais. Se você achar que um determinado alimento constantemente o deixa inchado, simplesmente evite-o. Nenhum alimento vale tanto sofrimento.

Fonte: Health Line: artigo nutricional baseado em evidências de especialistas da Authority Nutrition (EUA)

 

Compressas e make ajudam a disfarçar olhos inchados e cansados

Chá gelado de camomila e corretivos são aliados poderosos na hora de atenuar o olhar após uma noite maldormida

Os olhos são realmente a “janela da alma”. Quando não estamos bem, eles refletem alguns dos nossos problemas. Uma noite maldormida, uma gripe, aquele choro incontrolável antes de dormir, poucas horas de descanso ou uma alergia podem resultar em olhos inchados ao despertar. Como ninguém gosta de desfilar com olhos cansados, existem algumas maneiras de atenuar esse aspecto.

Além das bolsas térmicas em formato de máscaras que ficam na geladeira, há outras maneiras de reduzir o inchaço dos olhos. Uma delas é fazer um bom chá de camomila, deixá-lo gelar e, pela manhã, aplicá-lo na região dos olhos, molhando chumaços ou rodelas de algodão (tipo de compressa), e deixando-os sobre os olhos por alguns minutos.

chá camomila
Foto: chamomileteaonline

Usar um creme noturno roll-on para a área dos olhos é outra artimanha para disfarçar o cansaço no olhar, pois eles ajudam a diminuir o inchaço no dia seguinte. O melhor é dar preferência a produtos que tenham fórmulas enriquecidas com cafeína, retinol, vitamina C e ácido hialurônico, pois essas substâncias estimulam a circulação sanguínea local, clareiam os pigmentos escuros e diminuem o acúmulo de líquidos que causam inchaço.

A maquiagem, por sua vez, também ajuda a disfarçar olhos cansados e inchados. Por isso, um item indispensável é o corretivo. “Pense num triângulo de cabeça para baixo e passe o produto com ação corretiva dessa forma abaixo dos olhos. Dê leves batidinhas na pele para espalhá-lo de forma homogênea na pele”, recomenda Camilla de Moraes, maquiadora e consultora da Netfarma.

Olhos inchados, em geral, estão menores e mais fechadinhos. “Por isso, recomendo somente o uso de uma máscara de cílios. Também evite os lápis escuros na linha d’água dos olhos, já que o produto neste momento pode reduzir ainda mais o tamanho dos olhos”, complementa.

mulher olhos olheira maquiagem.png

Mais uma dica: iluminar outras áreas do rosto é uma das estratégias para tirar a atenção dos olhos. Uma ideia é usar um iluminador logo abaixo da sobrancelha, uma forma de aumentar o olhar. Depois disso, finalize com o blush para dar uma cor saudável à pele e um batom colorido, com a mesma função.

Fonte: Netfarma 

“Calor de inverno” favorece inchaço nas pernas; veja como evitar a situação

Angiologista e cirurgiã vascular explica o que fazer para evitar pernas cansadas e inchadas nas estações mais quentes do ano

Mesmo no inverno, quando a temperatura aumenta e o tempo fica seco como nestes últimos dias, algumas pessoas ainda sentem as pernas inchadas – e isso tem a ver com o calor que provoca alteração na circulação sanguínea. “Ocorre uma vasodilatação dos vasos para favorecer a transpiração e equilibrar a temperatura do organismo estável”, afirma a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Segundo a médica, muitas ações colaboram para esse processo, como a exposição ao sol por tempo prolongado em praias, clubes e piscinas ou até mesmo a ausência de atividade física e a pouca ingestão de água. Por esse motivo, segundo a especialista, é necessário seguir algumas recomendações de ações práticas que favorecem o retorno venoso e evitam o inchaço e cansaço das pernas:

pernas veias

– Tire pausas e repouse com as pernas elevadas;

shutterstock mulher corrida inverno
Shutterstock

– Pratique atividade física: “Uma caminhada diária na praia em 30 minutos é suficiente, faz bem para a circulação e para a alma”, explica;

aspargos

– Evite alimentos muito condimentados ou ricos em sódio. “O ideal é investir em alimentos diuréticos naturais (kiwi, melancia, pepino, mirtilo, cenoura, berinjelas, alcachofra, salsão, uva e aspargos)”;

mulher bebendo água ibbl

– Beba muita água

mulher-bebendo-vinho
Foto:edmontonfetalalcoholnetworkorg

– Evite bebidas alcoólicas

compressa

– Compressas frias nas pernas podem aliviar o cansaço. “Elas ajudam o retorno venoso”, conta;

cama mulher relaxar
Pixabay

– Relaxe! “Uma pressão arterial controlada é essencial para uma boa circulação”, sugere.

Por fim, a médica esclarece que, mesmo seguindo essas recomendações, é ideal consultar um médico vascular para receitas mais específicas de venotônicos, antioxidantes ou meias de compressão.

Fonte: Cirurgiã vascular e angiologista, Aline Lamaita é formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e do American College of Phlebology. A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.