Arquivo da tag: infertilidade

Disfunção leve da tireoide afeta uma em cada cinco mulheres com histórico de aborto

Anormalidades leves da tireoide afetam uma em cada cinco mulheres com histórico de aborto ou subfertilidade, que é um período prolongado de tentativa de engravidar, de acordo com um novo estudo publicado no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism da Sociedade Endócrina dos Estados Unidos.

Os distúrbios da tireoide são comuns em mulheres em idade reprodutiva. Embora a prevalência de distúrbios da tireoide na gravidez seja bem compreendida, pouco se sabe sobre o quão comum são esses distúrbios antes da gravidez. A detecção de distúrbios da tireoide antes de uma mulher engravidar é essencial. Isto porque as anormalidades da tireoide podem ter efeitos negativos, como fertilidade reduzida, aborto espontâneo e parto prematuro.

mulher garganta pescoço tireoide
Segundo pesquisadores, este estudo descobriu que anormalidades leves da tireoide afetam uma em cada cinco mulheres que têm histórico de aborto ou subfertilidade e estão tentando engravidar. Para eles, é importante estabelecer se o tratamento de anormalidades leves da tireoide pode melhorar os resultados da gravidez, dada a alta proporção de mulheres que podem ser potencialmente afetadas.

Este estudo foi realizado em 49 hospitais no Reino Unido por cinco anos. Os pesquisadores estudaram mais de 19.000 mulheres com histórico de aborto espontâneo ou subfertilidade que foram testadas para a função da tireoide. Eles descobriram que uma em cada cinco mulheres apresentava disfunção tireoidiana leve, especialmente aquelas com IMC elevado e de etnia asiática, mas a doença evidente da tireoide era rara. Mulheres que sofreram abortos múltiplos não tiveram mais probabilidade de apresentar anormalidades da tireoide em comparação a mulheres que conceberam naturalmente com histórico de um aborto espontâneo.

“Este estudo vem confirmar o que já pensávamos sobre o tema. Calcula-se que de 4% a 8,5% da população tenham problemas de tireoide sem sintomas aparentes. Nas pacientes inférteis, essa prevalência pode ser ainda maior. Para aquelas em idade reprodutiva, as perturbações menstruais, a infertilidade e o aborto espontâneo podem ser o primeiro sinal de que algo está errado”, afirma o especialista em ginecologia e obstetrícia Arnaldo Cambiaghi, com certificado de atuação na área de reprodução assistida, e responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

“Entre as várias ameaças que os distúrbios da tireoide provocam, a infertilidade é, indiscutivelmente, a mais fácil de identificar e tratar. Com um pouco de atenção por parte do médico, as mulheres com funcionamento deficiente ou excessivo dessa glândula, podem ter seus problemas corrigidos, evitando a infertilidade e as falhas dos tratamentos de fertilização, obtendo gestações normais e bebês saudáveis”, completa o médico.

Cambiaghi lembra que, dependendo da gravidade do desequilíbrio, os sintomas podem ser tão leves que a condição não é reconhecida por muitos anos. Os anticorpos antitireoidianos, como o antitireoperoxidase (ou anti-TPO) e o antitireoglobulina (ou anti-TG), encontram-se aumentados em de 5% a 18% das mulheres em fase reprodutiva e podem aumentar os riscos de abortos e complicações obstétricas.

Diagnóstico

tireoide ipgo
Ilustração IPGO

Distúrbios da tireoide são facilmente detectados por exames de sangue simples, que medem os níveis dos hormônios da tireoide T4 (tiroxina) e TSH (hormônio estimulador da tireoide). O TSH funciona como um termostato e é produzido pela glândula hipófise para regular a função da tireoide. “Os níveis desse hormônio podem se tornar muito altos, de acordo com a resposta da hipófise em compensar a redução dos hormônios da tireoide. Juntos, esses resultados definem se a glândula está funcionando normalmente ou não”, diz o médico. Outros exames de sangue verificam a presença de anticorpos antitireoides. Altos níveis desses anticorpos são típicos de uma doença chamada Tireoidite de Hashimoto, que pode resultar em hipotireoidismo. A Tireoidite de Hashimoto é classificada como uma doença autoimune, porque o corpo se volta contra si, formando anticorpos que atacam as células da tireoide e diminuem a produção de hormônio da mesma. A glândula em si pode compensar, tornando-se aumentada.

Tratamento

O tratamento do hipotireoidismo consiste na reposição oral do hormônio tiroxina (T4), uma vez ao dia, preferencialmente pela manhã e em jejum. A dosagem deve ser individualizada, sendo importante o controle periódico para que seja ajustada sempre que necessário.

Hipertireoidismo

miolo_tireoide
Ilustração: SBEM

No hipertireoidismo a glândula tireoide torna-se hiperativa e o metabolismo do corpo funciona muito rápido. Sinais de hipertireoidismo incluem evacuações mais frequentes, perda de peso, ciclos irregulares, aumento do apetite, insônia, nervosismo, intolerância ao calor, tremores nas mãos e palpitações cardíacas. Uma causa comum de hipertireoidismo é a Doença de Graves, uma doença autoimune, que tende a ser adquirida de forma familiar e afeta a glândula tireoide inteira.

Outra causa de uma tireoide hiperativa são os chamados “nódulos quentes”, que podem se formar sobre a glândula. Nesse caso, a maior parte da glândula continua a funcionar normalmente, mas o nódulo contém células que produzem muito do hormônio T4.

“Seja qual for a causa do hipertireoidismo, o resultado é que a condição pode, por vezes, impedir a ovulação e causar infertilidade. Mas o maior problema é que uma mulher com hipertireoidismo não pode conceber, pois seu metabolismo pode estar tão fora de equilíbrio que pode causar o óbito fetal intraútero ou aborto espontâneo”, afirma Cambiaghi. Além dos exames de sangue, um ultrassom de tireoide pode ser necessário para se fechar o diagnóstico.

Tratamento

Tratamentos são projetados para diminuir a secreção de hormônios da tireoide. Isso pode ser feito com drogas antitireoidianas ou com iodo radioativo, que, essencialmente, mata parte da glândula para diminuir sua produção hormonal. Iodo radioativo não pode ser usado em mulheres que já estão grávidas e deve haver um período de pelo menos seis meses de espera após o tratamento antes de tentar engravidar.

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista obstetra com certificado em reprodução assistida. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. É autor de diversos livros na área médica.

Mioma é segunda maior causa de cirurgia em mulheres

Febrasgo alerta que, ao menos, 50% das mulheres em idade fértil apresentam a doença

Desafio para mulheres, em todo o mundo, mioma é um tumor uterino benigno que atinge, ao menos, 50% delas ao longo da fase reprodutiva. Assintomático em metade dos casos, o mioma tende a se manifestar por meio de fortes dores abdominais, sangramentos (que podem ser confundidos com aumento do fluxo menstrual) e aumento do volume abdominal. Por trás desses sintomas aparentemente comuns está uma doença que, somente no Brasil, resulta em cerca de 300 mil cirurgias anuais para remoção do útero, segundo o Ministério da Saúde.

Especialistas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) apontam que, comumente, o mioma se manifesta em mulheres de 35 a 50 anos. Em mulheres de ascendência negra, há uma tendência de a doença surgir mais precocemente – a partir de 25 anos. De acordo com sua localização, o mioma pode se relacionar a quadros de infertilidade e aborto, maior sangramento e menor resposta a tratamentos medicamentosos.

O ginecologista Mariano Tamura, vice-presidente da Comissão Nacional Especializada em Endoscopia Ginecológica da Febrasgo, comenta que parte do impacto da doença advém do comprometimento da mulher ser mãe. “O mioma é encontrado em 10% a 15% dos casais com infertilidade. Dentre eles, é a causa fundamental da infertilidade em 5% dos casos”.

Diagnóstico e tratamento

A formação dos miomas está associada aos hormônios progesterona e estrogênio. Deste modo, seu desenvolvimento ocorre gradualmente a partir da adolescência e vida adulta. Pesquisas apontam, contudo, que anticoncepcionais hormonais não influem no surgimento da doença. Fatores genéticos estão comumente associados ao problema – sendo mais recorrentes em mulheres com mães e irmãs que tiveram. Dentre as causas ambientais, nota-se maior predisposição à doença em meio a mulheres com sobrepeso e obesidade.

Tamura explica que os miomas são diagnosticados por meio de avaliação da história clinica da paciente, exames clínicos e exames de imagem – como ultrassonografia e ressonância magnética. O tratamento é individualizado, variando de acordo com cada caso. Como ainda não há um método preventivo ou que identifique previamente os quadros que apresentarão manifestação mais agressiva, o tratamento tende a buscar o controle dos sintomas, como forma de preservar o útero e possibilitar a gestação. Segundo ele, cerca de 20% das mulheres que fazem tratamento apresentam recidiva da doença, em até cinco anos.

mioma febrasgo
O tratamento também pode ocorrer por meio cirúrgico. Neste caso, há a miomectomia (retirada só do mioma) e a histerectomia, a remoção parcial ou total do útero. “A histerectomia não prejudica a vida sexual, hormonal, nem impacta a saúde da bexiga e intestino. Contudo, fecha um ciclo na vida da mulher ao não possibilitar que ela desenvolva uma gravidez. Por isso, esse método é indicado quando a paciente está de acordo e deseja essa solução definitiva. Hoje a histerectomia é a segunda cirurgia de médio e grande porte mais realizada em mulheres, em todo o mundo. É importante que se discuta alternativas quando há essa possibilidade clínica”.

Fonte: Febrasgo

Confira 20 livros em formato digital, gratuitos, sobre saúde e fertilidade

Obras abordam infertilidade feminina e masculina, endometriose, alimentação, fertilização in vitro, congelamento e doação de óvulos, entre outros temas

Muita gente está aproveitando o período de quarentena para ler mais. Se o livro for gratuito, melhor ainda. Pois o IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia) está relançando, em versão e-book e gratuita, todos os livros escritos pelo médico Arnaldo Schizzi Cambiaghi, especialista em ginecologia e obstetrícia, com certificado de atuação na área de reprodução assistida, e responsável técnico do instituto.

capa livro fertilidade

Há também os livros criados apenas em versão digital. São obras que têm somente o especialista como autor, ou foram escritas em parceria com outros médicos e profissionais ligados à área da saúde, como nutricionistas e psicólogos.

Os livros são voltados a casais, ou a mulheres e homens, que estão tendo dificuldades para engravidar, e também para ginecologistas e médicos que querem entender mais ou enveredar pela área da reprodução humana.

A maioria dos títulos fala sobre infertilidade, porém, há outros temas como endometriose, adenomiose, obesidade e alimentação. Além destes, há um voltado a crianças, explicando o processo de fertilização in vitro. O livro foi feito em formato de revista em quadrinhos.

Abaixo, todos os 20 títulos disponíveis atualmente, lembrando que novas obras podem ser acrescentadas à lista.

guia-endometriose-2

– Guia da Endometriose
– Guia da Adenomiose
– Doação e Recepção de Óvulos
– Fertilidade e Alimentação
– Gravidez na Sexualidade
– A Fertilidade do Homem
– Obesidade e Fertilidade

capa 2
– Os Tratamentos de Fertilização e as Religiões
– Inflamações Crônicas “Silenciosas” que Perturbam a Fertilidade
– Como Aumentar as Chances de Sucesso nos Tratamentos de Fertilização
– Abortos Podem ser evitados
– Congelamento de Óvulos
– Fertilização in vitro, um Ato de Amor
– Coito Programado e Inseminação Intrauterina
– Biópsia Embrionária na FIV
– Os Tratamentos de Fertilização em Casais Homoafetivos
– Os Tratamentos de Fertilização Para Mulheres Maduras
– Os Tratamentos de Fertilização Para Mulheres Más Respondedoras
– Miomas Uterinos e a Infertilidade
– Um Bebê e Duas Cegonhas (infantil e em formato de HQ)

CAPA CEGONHAS OFICIAL

Para ler ou baixar os livros, clique aqui.

Sobre o autor

Arnaldo Schizzi Cambiaghi é responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista obstetra com certificado em reprodução assistida. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros na área médica como Fertilidade Natural (Ed. LaVida Press), Grávida Feliz, Obstetra Feliz (LaVida Press), Fertilização um ato de amor (LaVida Press), Manual da Gestante (Ed. Madras) e Os Tratamentos de Fertilização e As Religiões (Ed. LaVida Press).

 

Mês Mundial de Conscientização sobre Endometriose

O que é, sintomas, tratamentos, alimentação e novidades

Março é o Mês Mundial de Conscientização Sobre a Endometriose e é quando é realizada a campanha Março Amarelo. São ações para alertar para uma doença de saúde reprodutiva comum. Estimativas da World Endometriosis Research Foundation sugeriam, em 2018, que a endometriose afetaria cerca de 176 milhões de mulheres em todo o mundo. No Brasil, ela atinge uma em cada dez mulheres.

Ela ocorre quando o tecido semelhante ao revestimento uterino (o endométrio) cresce fora do útero. Vale lembrar que ela esta fortemente associada à infertilidade e que até 50% das mulheres que necessitam de tratamento para engravidar têm este problema.

Arnaldo Cambiaghi, especialista em ginecologia e obstetrícia, com certificado de atuação na área de reprodução assistida, e responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, explica o que é endometriose, os sintomas, tratamentos, cirurgias, medicamentos, novos estudos, dá dicas de alimentação e elucida dúvidas por meio de 18 mitos e verdades.

Sintomas

Os sintomas mais comuns da endometriose são cólica, menstruação irregular, dor pélvica e infertilidade. O tratamento da endometriose profunda é sempre cirúrgico, feito por videolaparoscopia, é algo extremamente complexo e exige médicos qualificados e experientes neste tipo de intervenção. “Diversas teorias relacionam o efeito positivo da alimentação sobre a progressão e a agressividade da endometriose. Essa relação ocorre porque a endometriose é uma doença estrogênio-dependente, o que significa que os níveis deste hormônio no organismo podem interferir na progressão da doença”, admite Cambiaghi.

Medicação

mulher tomando remedio probiotico suplemento

“Muitas pesquisas têm sido feitas no desenvolvimento de medicamentos que podem ser usados para aliviar os sintomas associados à endometriose. Além dos medicamentos já estabelecidos, o principal deles no momento, e que foi lançado na Europa em 2018, é o Elagolix, que promete ser a nova sensação nos tratamentos do distúrbio”, diz Cambiaghi, que acrescenta: “O diferencial deste fármaco em comparação aos outros da mesma categoria é que se trata de um antagonista da GnRH que pode ser administrado por via oral, diferente de outros como Zoladex (acetato de gosserrelina), Lectrum (acetato de leuprorrelina), Lupron (acetato de leuprorrelina) que são injetáveis”.

Melatonina ajuda a combater endometriose, além de melhorar a fertilidade

A melatonina é um hormônio produzido no sistema nervoso central pela glândula pineal, uma pequena glândula situada no cérebro que ajuda a controlar o ciclo natural de horas de sono e de vigília e, por isso, é conhecida como “o hormônio do sono”, regulando os ciclos circadianos (dormir-acordar). Sua produção é estimulada pela escuridão e inibida pela luz. Tem papel benéfico e recuperador na qualidade do sono.

Quantidades muito pequenas são encontradas em alimentos como carnes, grãos, frutas, legumes e até no vinho tinto. Uma vez sintetizada, a melatonina não é armazenada na glândula pineal, mas é logo liberada para a corrente sanguínea e outros fluidos corpóreos como bile, saliva, liquor, sêmen, líquido amniótico e fluido folicular. “Já é documentado que a melatonina é um excelente antioxidante natural. A partir dos 30, 40 anos poderá prevenir – ou pelo menos retardar – doenças relacionadas com o envelhecimento, os radicais livres e os processos inflamatórios”, afirma o médico.

Fertilidade

gravidez veggiegretz
Foto: Veggiegretz/Morguefile

Nos eventos reprodutivos como a formação dos folículos ovulatórios (foliculogênese), atrofia dos folículos (atresia folicular), ovulação, maturação dos óvulos e formação do corpo lúteo, há envolvimento de radicais livres. Estudos têm demonstrado que a qualidade dos óvulos e dos embriões depende não só da formação genética e cromossômica, mas também do ambiente onde os óvulos se desenvolvem (fluido folicular que envolve os oócitos antes da ovulação). Assim, a melatonina, com sua ação antioxidante é essencial e tem papel benéfico no processo reprodutivo.

Grandes quantidades de melatonina são encontradas no fluido folicular periovulatório (líquido que envolve o óvulo dentro do folículo), com concentrações maiores do que no sangue periférico. O próprio ovário parece produzir melatonina (pelas células da granulosa), mas a maior parte é absorvida da circulação sanguínea. Quanto maior o folículo, maior a concentração de melatonina.

Além de sua ação antioxidante, a melatonina também regula a função ovariana através da regulação da liberação de gonadotrofinas no eixo hipotálamo hipofisário. Os hormônios sexuais têm um importante papel no crescimento e diferenciação de células ovarianas. A melatonina influencia na produção desses hormônios – progesterona, estradiol e androstenediona – em diferentes estágios da maturação folicular, podendo diminuir ou aumentar suas concentrações.

Durante o processo de ovulação, grande quantidade de radicais livres é produzida. Esse excesso induz à apoptose (morte celular programada), resultando na atresia folicular (atrofia dos folículos). Níveis aumentados de melatonina diminuem a quantidade de radicais livres prevenindo essa atresia.

O folículo é resgatado pela melatonina e continua seu desenvolvimento até se tornar um folículo dominante. O balanço entre radicais livres e antioxidantes tem papel importante na maturação do óvulo (oócito) e na fertilização. A ação antioxidante da melatonina melhora a qualidade do oócito. A melatonina estimula diretamente a liberação de progesterona pelo corpo lúteo e o protege da ação de radicais livres conferindo manutenção da função lútea.

A falta de melatonina está relacionada ainda com endometriose e com a Falência Ovariana Prematura (FOP). Em pacientes com SOP há diminuição de melatonina no fluido folicular. Em pacientes com infertilidade, o tratamento com melatonina melhora a qualidade do oócito além de melhorar as taxas de fertilização e reduzir os danos oxidativos no fluido folicular. Entretanto, o uso de melatonina para pacientes com SOP, FOP e endometriose é limitado.

Cirurgia

low-fodmap-diet- endometriose

Estudo feito por médicos franceses do CHU (Centre Hospitalier Universitaire) Clemont Ferrand, em 2018, mostrou que a cirurgia de endometriose reduz não só a dor pélvica, como aquela sentida durante a relação sexual, além de melhorar a qualidade de vida das pacientes. Os pesquisadores avaliaram a dor sentida por mulheres com endometriose antes e depois da cirurgia laparoscópica. Além disso, analisaram as respostas que as pacientes deram em um questionário sobre qualidade de vida.

O resultado médio para dor caiu de 5,3, antes da cirurgia, para 2,6, seis meses após a intervenção, e para 2,3, três anos após a operação. A dor pélvica crônica caiu de 2,6 antes da intervenção para 1,4 após seis meses da cirurgia, e para 1,3 três anos após a operação. Já a dor durante a relação sexual caiu de 2,7 para apenas 1,1, seis meses após o procedimento.

Número que permaneceu praticamente o mesmo três anos após a cirurgia: 1,2. Os resultados foram animadores também para a qualidade de vida das mulheres no aspecto dor corporal. A melhora foi de 54,6 para 74,4, seis meses após a cirurgia. Já a melhora nas limitações físicas que a endometriose causava saltou de 63,3 para 81,9, seis meses após a cirurgia.

O mesmo ocorreu no quesito qualidade de vida, que aumentou de 66 para 75,6 seis meses após o procedimento. A melhoria nas limitações, devido a problemas emocionais, aumentou de 65,7 para 77,4 após o procedimento. E o mais importante: os resultados não mudaram ao longo dos anos.

“A cirurgia exige do médico consultante um conhecimento abrangente do problema, pois pode atingir vários órgãos. Conhecida por alguns como uma ‘doença sem cura’, pois mesmo tratada pode reaparecer, a endometriose tem esta fama por receber de alguns profissionais um acompanhamento inadequado e insuficiente, principalmente nos casos de endometriose ovariana e endometriose infiltrativa profunda. Nesses casos é fundamental o acompanhamento de profissionais especializados em infertilidade e que tenham experiência em cirurgia pélvica para uma resolução satisfatória”, frisa  Cambiaghi.

Estudo

endometriose - heblo-pixabat peq

Um estudo colaborativo entre pesquisadores da Universidade de Southampton e do Centro de Fertilidade Completa do Hospital Princesa Anne, publicado no Scientific Reports*, em 2016, verificou que a qualidade do óvulo fica severamente comprometida em mulheres que têm endometriose. A descoberta foi que o fluído dos folículos de pacientes com endometriose bloqueia a maturação do óvulo gerando radicais livres chamados de Reactive Oxygen Species – ROS (espécies reativas de oxigênio. em tradução livre) e danificam o DNA.

Este dano faz com que o óvulo não amadureça e, assim, não possa ser fertilizado. Porém, mais pesquisas são necessárias para investigar se o problema é tratável ou evitável. O estudo utilizou óvulos imaturos de fêmeas de ratos que foram incubados em fluído folicular de mulheres com endometriose, in vitro. Os pesquisadores examinaram as quantidades de ROS que foram geradas e a capacidade do óvulo de amadurecer. Descobriram que o fluído folicular de mulheres com endometriose resultou em maiores quantidades de ROS.

Para os cientistas é encorajador ver a possibilidade de os danos serem prevenidos por antioxidantes, mas mais pesquisas são necessárias antes que possam por em pratica os resultados. Cambiaghi afirma que a pesquisa apenas corrobora o que já se desconfiava há anos: “Esse estudo reforça a interferência da endometriose na fertilidade feminina e confirma que os radicais livres também têm importância comprovada na infertilidade. Entretanto, não podemos esquecer que tratamos a endometriose utilizando a videolaparoscopia e temos conseguido resultados excelentes. Por isso, ela é considerada uma ótima estratégia para o tratamento”.

Tratamento não hormonal

macrofago ´ilustracao giemsa stain
Ilustracao Giemsa Stain

Cientistas descobriram que certo tipo de célula imunológica pode ser uma das principais causas de dor pélvica em mulheres com endometriose. Os crescimentos anormais, ou lesões, da endometriose podem causar inflamação persistente, dor e infertilidade. Outros sintomas incluem menstruação dolorosa, fadiga, sangramento intenso e dor durante a relação sexual. Até agora não há cura para a endometriose. A cirurgia pode remover algumas lesões e tecido cicatricial.

Tratamentos hormonais podem oferecer alívio dos sintomas, mas, muitas vezes, trazem efeitos colaterais após o uso prolongado. Desse modo, há necessidade de drogas não hormonais. Nesse estudo, de 2019, pesquisadores das Universidades de Warwick e Edimburgo, ambas no Reino Unido, descobriram que a causa da dor da endometriose é um tipo de glóbulo branco, chamado macrófago, que sofreu mudanças como resultado da doença. A equipe relata as descobertas em um artigo do Faseb Journal**.

“Os macrófagos podem ser considerados células de limpeza do corpo, e são muito importantes para o sistema imunológico. Eles alertam sobre a presença de agentes estranhos”, afirma Cambiaghi. Ele explica que os tratamentos convencionais que usam hormônios “não são ideais” porque têm como alvo a função ovariana, e podem desencadear efeitos colaterais, como a supressão da fertilidade.

Um conjunto final de testes revelou que impedir a atividade do hormônio, bloqueando o receptor da célula para o IGF-1, “reverte o comportamento da dor observado em camundongos com endometriose”. O fato de sinais no ambiente tecidual local poderem alterar a função dos macrófagos não é novo. No entanto, essas descobertas lançam uma nova luz sobre o que acontece com os macrófagos no caso específico da endometriose. “Este novo estudo traz luz a uma doença complexa, como é a endometriose. E toda novidade positiva tem de ser comemorada. Esta descoberta pode mostrar novas formas de aliviar os sintomas das que vivem com a doença”, enfatiza Cambiaghi.

Alimentação correta pode diminuir os sintomas

Muito se tem insistido na importância de uma alimentação correta para praticamente tudo na vida. Com a fertilidade não é diferente. Mesmo pessoas que tenham alguma doença também podem contribuir para a diminuição dos sintomas seguindo uma dieta saudável.

É o caso de um dos males que mais afeta a fertilidade feminina: a endometriose, doença enigmática que vem crescendo pelo mundo. Estima-se que de 10% a 14% das mulheres em sua fase reprodutiva (19 a 44 anos) e de 25% a 50% das inférteis sejam acometidas por este mal. Muitas mulheres chegam a sentir tanta dor que se veem impossibilitadas de viver uma vida normal e até mesmo a faltar no trabalho.

Diversas teorias relacionam o efeito positivo da alimentação sobre a progressão e a agressividade da endometriose. Essa relação ocorre porque a endometriose é uma doença estrogênio-dependente, o que significa que os níveis deste hormônio no organismo podem interferir na progressão da doença. Assim, estudos diversos relacionam a melhora das dores com algumas intervenções nutricionais pontuais, como aumento do consumo de fibras, substituição de gorduras de animais por óleos de boa qualidade e consumo adequado de vitaminas antioxidantes como A, C, E e complexo B.

pessego2

São boas fontes de vitamina A: damascos, pêssegos, melão cantalupo e vegetais verde-escuros e amarelo-escuros.

manga

Das vitaminas A e C: abóbora, tomate, manga, mamão papaia e couve.

pimenta

Da vitamina E: frutas cítricas, morangos, pimentas, repolho, batata-doce e brócolis.

leguminosas

Já as vitaminas do complexo B são encontradas em ovos e laticínios (prefira orgânicos), leguminosas e alimentos integrais.

Há também aqueles alimentos que podem agravar a dor como os industrializados, produzidos com excesso de gordura hidrogenada, farinha e açúcar refinado. Os de origem animal são a maior fonte de substancias hormonalmente ativas, pois o tecido gorduroso e produtos à base de gordura animal são grandes retentores de xenoestrogênio, bem como antibióticos, drogas veterinárias e hormônios para estimulo do crescimento. Assim, o ideal é evitar embutidos, carnes vermelhas, leite e derivados não-orgânicos, além de gorduras saturadas.

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista obstetra com certificado em reprodução assistida. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

Pesquisa mostra que tratamentos para engravidar aumentarão quase 10% até 2026

Um dos motivos do crescimento é o adiamento da maternidade pelos casais

De acordo com um relatório publicado este ano pela consultoria norte-americana Allied Market Research, intitulado “Mercado de serviços de fertilização in vitro, por tipo de ciclo e usuário final: análise de oportunidades globais e previsão do setor, 2019-2026 (IVF Services Market, by Cycle Type and End User: Global Opportunity Analysis and Industry Forecast, 2019–2026)”, o mercado global de serviços de FIV gerou US$ 12.505 milhões em 2018 e a projeção é que atinja US$ 26.376 milhões até 2026, crescendo cerca de 9,8% de 2019 a 2026. De 1978 até hoje, cerca de sete milhões de bebês nasceram por meio desse procedimento no mundo todo.

E por que a expectativa é de mais crescimento? Segundo pesquisas da Sociedade Médica de Fertilidade Europeia (ESHRE), um em cada seis casais tem ou terá problemas de fertilidade. Além disso, há outro motivo bem mais conhecido: as pessoas estão deixando para ter filhos mais tarde e, em muitos casos, elas precisarão de tratamento para alcançar o objetivo. Como a maioria dos países não disponibiliza esse tipo de atendimento gratuito, elas acabarão pagando do próprio bolso. E, em alguns casos, haverá mais de uma tentativa.

“Dependendo do caso, e da idade da mulher – a maioria das pacientes das clínicas de reprodução está na faixa dos 40 anos -, será preciso usar o óvulo de uma doadora. Isso não seria necessário se, por exemplo, o médico ginecologista, que acompanha a paciente abordasse a queda da fertilidade depois dos 30 anos durante as consultas. Assim, se aquela mulher estivesse pensando em adiar a gravidez por um longo período, ela poderia ser informada que existe a opção de congelar seus próprios óvulos para utilizá-los no futuro”, afirma Arnaldo Cambiaghi, especialista em ginecologia e obstetrícia, com certificado de atuação na área de reprodução assistida, e responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

Felizmente, a medicina está sempre se renovando e novas técnicas, estudos e medicamentos surgem todos os dias. Na reprodução humana não é diferente. Confira duas técnicas voltadas a mulheres maduras:

Estimulação ovariana

fertilização

“Não é novidade que mulheres acima dos 40 anos têm uma redução do potencial da fertilidade quando comparadas a mulheres mais jovens e, consequentemente, têm também uma chance menor de sucesso nos tratamentos de fertilização. Mas, o ponto obscuro é: qual o limite de idade da mulher para o tratamento de FIV com os próprios óvulos? A partir de qual idade é recomendável utilizar óvulos de doadoras?”, comenta o médico.

A grande maioria dos insucessos nos tratamentos em mulheres acima dos 40 anos vem da qualidade dos óvulos que elas produzem, por formarem embriões de má qualidade, que podem ser chamados de embriões incompetentes. Em outras palavras e com mais objetividade: os óvulos destas mulheres tendem a formar embriões com alterações cromossômicas inadequados para a implantação.

“Se isso ocorrer, a paciente poderá sofrer abortos ou, em alguns casos, se a gestação se desenvolver, o bebê poderá ter alterações, como, por exemplo, Síndrome de Down. Entretanto, se conseguirmos um número maior de óvulos, poderemos ter uma chance maior de obter embriões de ótima qualidade (embriões competentes) e, consequentemente, um tratamento bem sucedido e filhos saudáveis. Porém, em muitos casos de baixa reserva ovariana, a paciente produz poucos óvulos e, na maioria das vezes, precisamos de um maior número de estimulações – de duas a três”, diz Cambiaghi.

O médico lembra que, para se definir o melhor protocolo para a estimulação ovariana, é importante a compreensão do significado “Individualização e Customização” dos protocolos para a estimulação do ovário. Customizar significa alterar algo para que melhor se adeque os requisitos de alguém; personalizar. Assim, o protocolo de estimulação ovariana deve der individualizado para cada paciente e customizado de acordo com o seu histórico e situação que ela se encontre.

Protocolo com uso prolongado do hormônio de crescimento

fertilização

O hormônio de crescimento (GH) atua por meio da estimulação da somatomedina C, ou IGF-1 (fator de crescimento de insulina I). É encontrado em vários tecidos e também nos folículos ovarianos, porém, de acordo com estudos, a quantidade desse hormônio é menor em mulheres que apresentam baixa reserva ovariana. Logo, conclui-se que a redução do IGF-1 altera as funções celulares de mulheres com idade avançada ou acometidas pela Insuficiência Ovariana Prematura.

Partindo desse princípio, pesquisas demonstraram que mulheres com baixa contagem de óvulos, que tiveram o hormônio GH adicionado ao protocolo de estimulação ovariana, tiveram uma melhor resposta folicular. O uso do hormônio GH pode, ainda, aprimorar a qualidade dos óvulos, proporcionando embriões de melhor qualidade e, consequentemente, aumentando as taxas de gravidez. Entretanto, interfere pouco na quantidade de óvulos gerados na indução da ovulação.

“Portanto, se pudermos chegar a um tratamento que ajude as más respondedoras a produzir mais óvulos e de melhor qualidade, ou ambos, seremos capazes de melhorar positivamente a chance de se ter um bebê. Vários tipos de protocolos de suplementação têm sido usados ​​para tentar melhorar os resultados para essas pacientes, e a maioria deles éestimulador das mitocôndrias”, explica o médico.

Para finalizar, Cambiaghi reforça uma mensagem: “Enfatizo que as mulheres devem ser informadas, seja por seus médicos ou pela mídia, que é preferível engravidar antes dos 35 anos, pois é mais seguro, e a probabilidade de se ter um bebê saudável é bem maior se comparada a gestações em idades mais avançadas. Se mesmo assim elas quiserem adiar, congelar os óvulos é a opção mais segura”.

tabela22

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista obstetra com certificado em reprodução assistida. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

Pesticidas estão prejudicando a saúde reprodutiva de homens e mulheres pelo mundo

O Brasil está entre os 50 países que mais usam agrotóxicos no mundo, o que pode ser justificado pela sua característica de ser um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do planeta. Há os que os defendem dizendo que são imprescindíveis, e os que os defenestram afirmando que são prejudiciais à saúde. A verdade é que, por aqui, muitos químicos banidos no exterior continuam a ser usados.

Cientistas de todos os lugares vêm relatando tendências preocupantes sobre o efeito desses produtos na saúde em geral e, em especial, sobre o aspecto reprodutivo da população em todo o mundo. Pesquisas mostram que os pesticidas são, pelo menos em parte, culpados por muitas alterações físicas. Estudos apontam para uma crescente evidência científica ligando produtos químicos a muitos danos à saúde reprodutiva, como a redução na contagem e qualidade de espermatozoides, puberdade precoce em meninas, defeitos congênitos, aborto espontâneo e natimortos, entre outros.

“Há poucos anos, o site National Survey of Family Growth fez um levantamento sobre casais com dificuldade em engravidar e, surpreendentemente, observou um aumento maior desse problema em pessoas com menos de 25 anos (42%). Isso, segundo a publicação, sugere que as alterações ambientais nos últimos anos prejudicaram mais os casais jovens, por terem sido expostos a substâncias tóxicas presentes no meio ambiente num período de vida mais precoce”, afirma Arnaldo Cambiaghi, especialista em Medicina Reprodutiva e diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

Hormônios interrompidos

celulas tronco

Um grupo de produtos químicos – disruptores endócrinos – são particularmente propensos a interferir na saúde reprodutiva, mesmo quando os níveis de exposição são extremamente baixos. Alguns desses produtos químicos imitam os hormônios humanos ou interferem de alguma forma nos sistemas controlados por hormônios que podem bloquear (ou sobrecarregar) uma série de processos biológicos.

Ao longo da vida, os produtos químicos desreguladores endócrinos podem danificar o sistema reprodutivo de várias maneiras. Alguns matam ou danificam células; se forem espermatozoides ou oócitos, o resultado pode ser a infertilidade. Outros alteram a estrutura do DNA, causando mutações genéticas que podem resultar em defeitos congênitos ou incapacidade de conceber.

Alguns produtos químicos podem até causar efeitos “epigenéticos”, ou seja, eles mudam a forma como os genes são expressos – não apenas para os expostos, mas também para as gerações futuras. Um bebê no útero é particularmente vulnerável a substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, pois os hormônios estão ocupados regulando a diferenciação das células e o desenvolvimento dos órgãos.

Bebês expostos ao produto químico errado, justamente quando os órgãos reprodutivos estão se formando, podem sofrer danos que vão se desenrolar ao longo da vida. Cientistas da Sociedade Nacional de Endocrinologia norte-americana explicam por que o momento da exposição é tão importante: nos casos em que a ruptura é direcionada para a programação de uma função, por exemplo, saúde reprodutiva, isto pode interferir com a organização inicial da vida, seguida por um período latente, após o qual a função é ativada e a disfunção pode tornar-se óbvia.

Em outras palavras, a exposição a substâncias químicas, quando o sistema reprodutivo de um bebê está se desenvolvendo, pode descarrilar completamente o processo. Mas só se saberá ao certo o que ocorreu anos depois, quando surgem problemas durante a puberdade ou quando se tenta engravidar.

Pesticidas: um dos principais culpados

pexels-photo-209230
Pexels

Os cientistas entendem que a exposição a pesticidas pode causar uma ampla gama de danos reprodutivos que afetam homens, mulheres e crianças. Alguns estudos sugerem que:

=No primeiro estudo desse tipo, cientistas de Harvard descobriram que os homens que comiam alimentos com mais resíduos de pesticidas tinham menor contagem de espermatozoides que também eram menos normais que os de outros homens.
=A exposição ao herbicida atrazina tem sido associada a distúrbios menstruais, bebês com baixo peso ao nascer e defeitos congênitos.
=Um estudo de 2013 ligou pesticidas liberados, incluindo o lindano organoclorado, ao aumento do risco de endometriose em mulheres.

Os pesticidas também foram implicados em aborto espontâneo, parto prematuro, fertilidade reduzida em homens e mulheres e na proporção sexual alterada (menos meninos nascendo).

Estudo feito em 2018 nos Estados Unidos e publicado no National Center for Biotechnology Information – “Produtos Químicos Antiandrogênicos Mistos em Baixas Doses Individuais Produz Malformações do Trato Reprodutivo no Rato Masculino”- confirma que a situação vem piorando:

“Os esforços de biomonitoramento mostraram claramente que todos os seres humanos estão expostos a misturas químicas. É preocupante se a exposição a misturas durante a gravidez contribui ou não para anomalias congênitas em crianças, mesmo quando uma dose individual de cada produto químico não afetaria o feto. Pensando hipoteticamente que a exposição in utero a uma mistura de substâncias químicas cobrindo múltiplos mecanismos de ação ‘antiandrogênica’ em doses que, individualmente não têm efeito adverso, resultariam em alterações permanentes no trato reprodutivo no rato macho após o nascimento”.

As mães grávidas foram expostas a uma série de diluições (100%, 50%, 25%, 12,5%, 6,25% ou controle veicular) de uma mistura contendo pesticidas, ftalatos e drogas (p, p’-DDE, linuron, procloraz), procimidona, pirifluquinazona, vinclozolina, finasterida, flutamida, sinvastatina e 9 ftalatos [dipentila, diciclohexila, di-2-etilhexila, dibutila, benzilbutila, diisobutila, diisoheptila, dihexila e diheptil].

A dose máxima continha 20% de cada substância química de nível de efeito adverso mais baixo observado para a alteração reprodutiva masculina mais sensível após à exposição in utero. Foi descoberto que os filhotes de ratos machos apresentavam uma variedade de efeitos neonatais, puberais e adultos permanentes em todos os níveis de dose. Mesmo na mais baixa (cada substância química aproximadamente 80 vezes abaixo do nível de efeito adverso mais baixo observado) houve reduções permanentes em vários pesos de tecido do trato reprodutivo.

No grupo de dose máxima, 100% dos descendentes do sexo masculino apresentaram defeitos congênitos graves permanentes, incluindo malformações genitais. Apesar de atuar por meio de cinco diferentes eventos de iniciação molecular, 18 substâncias químicas puderam se combinar para produzir efeitos aditivos mesmo quando cada composto estava em uma dose relativamente baixa.

O efeito da presença de produtos tóxicos na saúde dos bebês

baby-child-cute-895515
Pexels

No parto, estudos comprovam que, nos poucos segundos em que o bebê passa pelo ambiente vaginal, o contato com a flora influenciará de forma benéfica o seu sistema imunológico. Após o nascimento, sem dúvida alguma, o leite materno será o alimento mais saudável para o bebê. “Porém, ele também é um meio de excreção de toxinas e, por isso, infelizmente pode estar repleto de substâncias químicas como agrotóxicos. Portanto, quanto mais precoce for iniciado um processo de limpeza e desintoxicação na mãe, melhor será a qualidade do leite materno, assim como do ambiente intrauterino”, afirma Cambiaghi.

Em 2010, um artigo publicado na revista Pediatrics, a mais importante e tradicional revista científica de pediatria do mundo, estudou a relação de pesticidas e distúrbios de comportamento. Foi comprovada uma ligação entre a exposição a pesticidas e a presença de sintomas de transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Foram avaliados os níveis de pesticidas da urina de 1.139 crianças, e os autores concluíram que a exposição a pesticidas organofosforados, mesmo em níveis considerados “normais”, pode contribuir para o aparecimento do TDAH.

“Fica aqui mais um alerta: nenhuma doença genética tem caráter endêmico, ou seja, sua incidência não aumenta. Portanto, em todas as doenças, desde as mais simples como alergias, estresse e hiperatividade até infertilidade, aquelas autoimunes, autismo e câncer, quando existe um aumento da incidência delas, existe um ou provavelmente vários fatores ambientais envolvidos”, enfatiza o especialista.

“A multicausabilidade dessas doenças dificulta determinar os agentes. Mas existe uma clara relação entre as expansões das fronteiras agrícolas com o aumento da incidência de determinadas doenças em trabalhadores do campo, como leucemia em crianças que viveram em plantações de soja”, finaliza Cambiaghi.

O que pode ser feito para reduzir a exposição a produtos químicos e tóxicos

pexels-photo-545013
Pexels

. Não fume e evite tornar-se um fumante passivo;
· Procure saber o que compõe a água que você bebe;
· Se necessário, filtre a água, ferva-a;
· Reduza o consumo de espécie de peixes que contenham altos níveis de mercúrio, dioxina e PCBS, como o atum, mas não pare de comer essa carne. Se for utilizar pílulas de óleo de peixe, use as de marcas conhecidas. O ômega 3 contido nesses suplementos é importante antioxidante;
· Se possível, compre alimentos orgânicos. Se não for possível, lave e descasque os itens antes de comê-los para remover os produtos químicos agrícolas que eles possuem;
· Reduza ou evite o uso de pesticidas em casa, no jardim e nos seus animais quando possível. Tente alternativas não-tóxicas;
· Evite ambientes que foram dedetizados com pesticidas ou herbicidas. Dependendo do produto e condições do local, a duração do efeito pode ser de um dia a até um ano;
· Seja cauteloso com alguns alimentos coloridos. Em maquiagem, medicamentos ayurvedicos da Índia, algumas ervas chinesas, alguns brinquedos ou adornos de chiclete preparados nos Estados Unidos, pois, nesses produtos foram encontrados altos teores de chumbo;
· Evite mamadeiras e outros produtos de policarbonato que possam entrar em contato com a comida porque podem ter entre os componentes da fabricação o bisfenol (composto químico presente em garrafas de PVC);
· Procure saber se o material plástico contém phthalates (pergunte ao fabricante). Nunca cozinhe no micro-ondas alimentos em tigelas plásticas porque podem expelir componentes nocivos;
· Compre produtos pessoais (xampu, maquiagens, loções etc.) sem phthalates e outros tóxicos;
· Use produtos de limpeza não-tóxicos e biodegradáveis;
· Mantenha sua casa bem ventilada quando for pintá-la, limpá-la ou quando estiver fazendo qualquer trabalho usando cola, tinta, resinas etc;
· Evite o uso de florais e fragrâncias que perfumem o ambiente;
· Se julgar necessário, consulte um especialista em Medicina Ocupacional e Ambiental, caso esteja muito preocupado com o ambiente de trabalho ou de casa e queira uma avaliação da exposição pessoal;
· Procure não comer frutas e vegetais com casca, pois podem estar contaminados com pesticidas.

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista-obstetra especialista em medicina reprodutiva. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

Infertilidade e depressão: quais as ligações, os sintomas e como enfrentá-los

A infertilidade pode ser angustiante e muitas pessoas experimentam crises de estresse, tristeza ou sentimentos de desesperança. Algumas, porém, chegam a ficar deprimidas. Uma pesquisa feita nos Estados Unidos, em 2015, encontrou uma alta prevalência de transtorno depressivo maior em pessoas que estavam recebendo tratamento para infertilidade.

Se você está passando por isso ou conhece alguém próximo que esteja, leia com atenção este texto.

Como a infertilidade está ligada à depressão?

mulher depressao cansaço cama pixabay p

Enquanto os médicos há muito entendem que a infertilidade é um problema de saúde, a vergonha e o sigilo continuam prevalentes entre as pessoas com infertilidade. Isso pode dificultar a busca de ajuda de amigos e familiares. Não engravidar depois de tentar por um período prolongado pode ser profundamente decepcionante e frustrante, especialmente sem o apoio dos entes queridos. Uma pesquisa de 2010 descobriu que a depressão pode impedir as pessoas de procurar tratamento para a infertilidade.

Embora muitas pessoas com problemas de fertilidade possam ter um filho após o tratamento, como a fertilização in vitro (FIV), a ansiedade sobre se o tratamento irá funcionar também pode prejudicar a saúde mental de uma pessoa.

“A infertilidade, do ponto de vista emocional, é vivida como uma perda, e toda perda pressupõe um luto. Esta perda pode ser vivida em diferentes momentos: quando se descobre que a gravidez muito provavelmente não acontecerá sem tratamento; quando há insucessos nos tratamentos e quando a gravidez é seguida pelo aborto”, afirma o médico Arnaldo Schizzi Cambiaghi, diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

“Os sentimentos depressivos indicam o fim da fase de raiva e revolta, comuns do primeiro momento, e o início de uma nova fase na qual há a possibilidade de suportar as frustrações sem ressentimentos e com menos hostilidade, e as projeções da raiva no mundo externo diminuem”, completa o médico.

Cambiaghi lembra que, apesar de ser uma fase necessária ao processo de elaboração emocional, é extremamente importante que o médico esteja atento para a intensidade e a permanência da paciente neste quadro. Caso os sintomas depressivos se intensifiquem, um aspecto mais severo de depressão pode se configurar. A indicação fármica e psicoterápica é extremamente benéfica e se faz necessária em tais situações.

Algumas das razões pelas quais as pessoas com infertilidade lutam contra a depressão incluem:

=Estresse: a infertilidade pode ser uma experiência estressante, particularmente quando há muita pressão sobre alguém para engravidar.
=Condições médicas: vários problemas médicos podem causar infertilidade, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP) e também podem aumentar o risco de depressão. Um estudo de 2010 encontrou taxas mais altas de depressão e ansiedade em mulheres com SOP.
=Os desafios emocionais e físicos do tratamento: um pequeno estudo de 2014 com mulheres que procuraram tratamento de infertilidade ou serviços de preservação de fertilidade descobriu que a ansiedade e a depressão pioravam à medida que o tratamento progredia.
=Efeitos colaterais do tratamento: muitos medicamentos para fertilidade envolvem o uso de hormônios. Às vezes, esses podem afetar o humor de uma pessoa, aumentando o risco de depressão.

Qualquer um pode experimentar depressão por causa da infertilidade.

Sintomas

Não é incomum sentir-se triste ou deprimido ocasionalmente. No entanto, quando esses sentimentos persistem com o tempo e afetam a qualidade de vida de uma pessoa, ela pode estar sofrendo de depressão. Uma pessoa pode receber um diagnóstico de depressão quando tiver cinco ou mais dos seguintes sintomas:

=humor deprimido durante a maior parte do dia na maioria dos dias;
=perda de interesse na maioria das atividades, mesmo aquelas que aprecia;
=perda de peso ou ganho, não devido à dieta deliberada ou condição de saúde;
=dormindo muito ou pouco;
=sentindo-se fisicamente agitado ou lento na maioria dos dias;
=tendo baixa energia na maioria dos dias;
=sentindo-se sem valor, culpado ou envergonhado;
=dificuldade para pensar claramente ou se concentrar;
=pensamentos frequentes de morte ou suicídio.

Para um médico diagnosticar a depressão, os sintomas de uma pessoa não devem ser causados ​​por medicação ou abuso de substâncias. Ele também deve pedir avaliação para outras condições de saúde mental. Se outra condição explicar com mais precisão os sintomas, o médico pode diagnosticá-la com essa condição e não com a depressão.

Quando procurar ajuda

terapia-serena-wong-pixabay
Ilustração: Serena Wong/Pixabay

Pessoas com infertilidade que sofrem de depressão devem procurar tratamento para ambas as condições. Embora a infertilidade possa ser a causa da depressão, é essencial tratar também os problemas de saúde mental.

Casais incapazes de engravidar depois de tentar por 12 meses ou mais devem considerar conversar com um médico sobre a infertilidade. No entanto, mulheres com mais de 35 anos devem consultar um médico caso não tenham conseguido engravidar após 6 meses de tentativas. Casais com história de infertilidade, mulheres com períodos irregulares e pessoas com problemas médicos crônicos, como diabetes, devem procurar um médico antes de tentar engravidar.

Um médico de família pode encaminhar homens a um urologista e mulheres a um ginecologista. Se os sintomas da depressão dificultarem a atuação de uma pessoa em casa, no trabalho ou na escola, elas devem procurar ajuda.

O desespero da depressão pode fazer as pessoas pensarem que o tratamento não funcionará. No entanto, isso também pode ser um sintoma de depressão. O tratamento pode, e muitas vezes alivia, os sintomas da depressão e melhora a qualidade de vida de uma pessoa.

Tratamento

Existem muitos medicamentos disponíveis que podem tratar a depressão. Os antidepressivos vêm em muitas formas, incluindo os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), os antidepressivos tricíclicos, os moduladores da serotonina e os inibidores da monoamina oxidase.

Algumas pessoas podem precisar experimentar vários medicamentos antes de encontrar um que funcione bem para elas. Ser honesto com um médico sobre quaisquer efeitos colaterais é essencial, pois o profissional pode alterar a dose ou o tipo de medicação.

A terapia também é uma maneira eficaz de tratar a depressão. Quando uma pessoa está em terapia, ela pode discutir seus sentimentos sobre a infertilidade, estabelecer metas e identificar estratégias para melhorar seu relacionamento. Alguns casais acham que a infertilidade prejudica seu relacionamento, portanto, participar de um aconselhamento em conjunto também pode ajudar.

Para a maioria das pessoas, a medicação e a terapia juntas oferecem os melhores resultados de tratamento. Um estilo de vida saudável, como manter uma dieta nutritiva e fazer exercícios regularmente, também é importante.

Alguns casais acham que um novo hobby ou atividade compartilhada pode ajudar. Ao lidar com problemas de fertilidade, é fácil se concentrar apenas em engravidar e negligenciar outros aspectos do relacionamento. Experimentar novas atividades, ter novas coisas para esperar e construir interesses compartilhados pode ajudar a reequilibrar a vida de um casal.

“A resistência em procurar um psicólogo ainda é muito grande pelos casais. Colocar o sofrimento em palavras, reviver sentimentos dolorosos é visto como algo muito penoso em um primeiro momento. É comum subestimar o impacto emocional ao longo do tratamento, principalmente quando há causas orgânicas absolutamente esclarecidas. Muitas pacientes ficam meses, às vezes anos com o número de telefone do psicólogo guardado em algum lugar até tomarem coragem para ligar”, explica Cambiaghi, que atende casais nesta situação há mais de 30 anos .

Ele enfatiza que a forma com que os profissionais da equipe de saúde encaminham os pacientes ao psicólogo pode facilitar ou dificultar essa procura. Quando os pacientes sentem que estão sendo encaminhados por estarem “problemáticos”, “dando trabalho”, isso só aumenta o estigma e o preconceito em relação às dificuldades mentais e a resistência na busca de apoio psicológico especializado. Sentem-se mais uma vez “incompetentes”, até para lidarem com suas emoções, e essa procura é dificultada.

“Porém, se o médico encaminha o paciente ao psicólogo de forma acolhedora, acreditando de fato que esse tratamento emocional terá eficácia em aliviar as angústias e ansiedades, aumentando o bem-estar e a qualidade de vida das pacientes, o caminho para a aceitação e procura de apoio psicológico especializado fica extremamente facilitado”, ensina o especialista.

Apoio

depressao terapia ajuda apoio pixabay p

Embora a infertilidade seja comum, ela pode fazer com que uma pessoa se isole. Segundo pesquisa norte-americana, cerca de 6% das mulheres entre 15 e 44 anos não engravidam depois de um ano de tentativas. No entanto, a infertilidade não precisa durar para sempre, e o tratamento permite que muitas pessoas tenham bebês saudáveis.

Encontrar apoio de outras pessoas com experiências semelhantes pode ser útil. Elas podem oferecer recursos para controlar o estresse, manter um bom relacionamento e mostrar que ninguém está sozinho. Grupos on-line, como alguns privados do Facebook e fóruns de mensagens de fertilidade, também podem oferecer suporte.

“Não queremos que as pacientes deixem aspectos psicológicos implícitos na infertilidade tomarem conta da vida delas ou tirarem a energia e a esperança não só de continuar tentando a gravidez, mas, também, de viverem a vida em toda a sua plenitude”, afirma Cambiaghi, completando: “É preciso lembrar que não há apenas sofrimento e dor nos obstáculos que a vida impõe, mas também a possibilidade de encontrar força, saúde e resistência para enfrentar com coragem os novos desafios. Quanto maior o bem-estar, quanto maior a compreensão dos conflitos emocionais íntimos e profundos que a infertilidade provoca, menor a angústia e a ansiedade e maiores são as chances de o corpo encontrar um caminho ‘livre’ para a realização do desejo”.

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é diretor do Centro de reprodução humana do IPGO, ginecologista-obstetra especialista em medicina reprodutiva. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

Dez situações que podem prejudicar a fertilidade

Muitas causas de infertilidade não podem ser totalmente controladas, como genética e condições médicas, como síndrome dos ovários policísticos e endometriose e, claro, ter mais de 35 anos. Mas quando há dificuldades para engravidar, a causa pode estar no estilo de vida – algumas maiores, outras menores – e você pode aumentar suas chances ou, pelo menos, evitar que seus problemas de fertilidade se agravem.

Um dos maiores: reconsidere sua profissão. Um novo estudo publicado na revista Occupational and Environmental Medicine descobriu que as mulheres que levantam cargas pesadas no trabalho podem ter mais dificuldade em engravidar. Pesquisadores da Escola de Saúde Pública Harvard T.H. Chan estudaram quase 500 mulheres que procuraram tratamento de fertilidade e descobriram que aquelas com trabalhos fisicamente exigentes tiveram 8,8% menos ovos totais e 14,1% menos ovos maduros em comparação com mulheres que relataram nunca mover objetos pesados ​​no trabalho..

mulher trabalho

Trabalhar fora de oito horas diárias também afeta a fertilidade, o que os pesquisadores especulam ter a ver com a interrupção do ritmo circadiano. Se você trabalha em turnos ou exige trabalho pesado, agora é a hora de priorizar o sono, boa nutrição e exercícios, aconselham os médicos. Uma médica que fez parte do estudo comentou que ela própria trabalha com muitas enfermeiras que fazem o turno da noite e trabalham por longas horas, bem como as médicas. “Eu mesma tive parto prematuro como residente ginecologista. É possível descansar e permanecer saudável, mas isso deve ser uma prioridade”, afirmou.

Aqui estão mais nove fatores de estilo de vida que podem dificultar a gravidez:

Seu IMC (íncide de massa corportal) está na faixa de obesidade – e o mesmo acontece com o parceiro

obesidade obesa gorda pixabay
Pixabay

A ligação entre excesso de peso e problemas para engravidar é conhecida há muito tempo, mas uma nova pesquisa do National Institutes of Health mostrou que o peso de um homem é tão importante quanto o de uma mulher. O estudo, publicado na revista Human Reproduction, descobriu casais em que ambos os parceiros são obesos levam até 59% mais tempo para engravidar em comparação com os casais na faixa de peso saudável. Mesmo se você perder apenas cinco quilos, isso aumentará suas chances de engravidar nos próximos seis meses, dizem os médicos.

Você está estressada demais

FreeGreatPicture MULHER ESTRESSADA

Todo mundo diz às mulheres grávidas para relaxarem porque “o estresse não é bom para o bebê”, mas também não é bom quando você está tentando engravidar. Um estudo de 2014 publicado na Human Reproduction analisou cerca de 400 casais em um período de 12 meses e descobriu que as mulheres que tinham os níveis mais altos de alfa-amilase, um biomarcador de estresse, tinham o dobro do risco de serem inférteis comparadas àquelas com níveis mais baixos . Os pesquisadores observam que não conseguiam determinar exatamente por que o estresse diminui a fertilidade, mas sugerem que, se você está tentando engravidar, praticar yoga, meditação ou mindfulness pode ajudar a equilibrar os sentimentos desgastados. E se você está estressada em tentar engravidar, saiba que isso é totalmente normal. O estresse é um dado. O problema é como você lida com isso. Então, aceite que este é um momento estressante, e tente fazer o melhor que puder.

Você está exagerando na academia

esteira-exercicio-academia-1400x1000-0517

Exercício é sem dúvida bom para você. No entanto, você pode preferir treinos de intensidade moderada se estiver tentando engravidar. Um estudo de 2012 descobriu que, mulheres com peso normal que realizavam cinco horas ou mais de exercícios vigorosos por semana, levavam mais tempo para engravidar. O exercício moderado, por outro lado, aumentou a fertilidade. Pesquisadores dizem que o exercício ultrarrígido pode ter um impacto sobre a ovulação ou na implantação. Se você está tendo problemas para engravidar, pode fazer sentido diminuir o nível dos exercícios. Você também deve verificar seu peso, pois, assim como o excesso de gordura corporal pode afetar a fertilidade, sua ausência também pode atrapalhar.

 Você está assistindo a muita TV

homem televisão ilustracao andre santana ms pixabay
Ilustração: André Santana-MS-Pixabay

Para os rapazes, muito pouco exercício – marcado por sentar na frente da tela da televisão ou do computador – pode reduzir a qualidade do sêmen. Em um estudo publicado no British Journal of Sports Medicine, homens que assistiram a mais de 20 horas de TV por semana tiveram uma concentração de espermatozoides 44% menor em comparação com aqueles que não assistiram. Troque parte desse tempo pela academia: homens que se exercitavam mais de 15 horas por semana tinham uma concentração de espermatozoides 73% maior.

Você come muita carne processada

carne vermelha embutidos salame linguiça
Pixabay

Quanto mais carne vermelha processada (cachorro-quente, hambúrguer, bacon, salame) um homem ingere tanto menor sua contagem de espermatozoides e mais lentos eles “nadam”, revelou pesquisa na revista Epidemiology em 2014. Os pesquisadores não podem dizer com certeza o que está por trás dos nadadores lentos e esparsos, mas pode ser a gordura saturada dessas carnes. Talvez seja uma boa ideia trocá-las por um frango assado: os homens que comeram mais aves produziram espermatozoides que tiveram mais sucesso na fertilização de um óvulo, segundo pesquisas adicionais.

O smartphone está no seu bolso

celular no bolso

Uma meta-análise de 2014 descobriu que a exposição ao celular estava ligada a espermatozoides mais fracos. Pode ser a radiação eletromagnética de radiofrequência emitida que danifica o DNA e prejudica a capacidade do espermatozoide de fertilizar um óvulo. Os dispositivos móveis também podem aquecer os testículos quando estão escondidos no bolso, o que pode prejudicar a produção de esperma.

Você está fazendo muito sexo

casal na cama iStock
iStock

Faça sexo todos os dias da ovulação. Fazer sexo em excesso pode diminuir muito a contagem de esperma. Você pode usar um aplicativo de sincronização no seu telefone ou um kit de ovulação encontrado em drogarias, mas existem alguns sinais físicos que as mulheres podem notar também: o desejo sexual pode aumentar, as veias dos seios podem parecer mais azuis e elas podem ter mais secreção vaginal.

Você não está fazendo sexo suficiente

casal cama separado

Você precisa fazer sexo para engravidar (obviamente), mas é importante fazê-lo durante todo o ciclo, e não apenas quando é mais provável que você engravide. Fazer sexo envia um sinal para o corpo de uma mulher que, basicamente, é hora de ir. O sistema imunológico, em seguida, muda de um estado focado em lutar contra uma possível doença preparada para a reprodução, sugere um estudo de 2015 publicado na Fertility and Sterility. Apenas uma pequena coisa para ter em mente: não importa em que dia do mês seja.

Você fuma

mulher fumando pixabay

O fumo é responsável por cerca de 13% de todos os casos de infertilidade, de acordo com a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva. Fumar envelhece os ovários e diminui o suprimento de óvulos nas mulheres, e está ligado à baixa contagem de espermatozoides nos homens.

Fonte: Health.com

Estudos mostram que transferir um embrião pode ter mais resultado que dois

Novo exame imunológico na reprodução assistida pode melhorar as chances de sucesso nos tratamentos, diminuir as chances de abortos, evitar a restrição de crescimento do bebê durante a gestação e até a pré-eclâmpsia. Esse exame demonstra que, para alguns casos, transferir um único embrião para o útero pode ser melhor do que dois. Menos é mais.

A pior frustração para aqueles que se submetem a um tratamento de fertilização assistida é quando o procedimento não dá certo. Isso porque muitos passam por uma verdadeira via sacra. No início havia um otimismo, e até o medo de uma gestação múltipla como consequência dos tratamentos, mas, de repente o receio passa a ser algo de menor importância. E ele é trocado pela ousadia de acreditar que, quanto maior o número de embriões transferidos para o útero, maior será a chance de um resultado positivo.

Já não importa mais o risco: 1, 2, 3 e até mais. Isto passa a não ter mais relevância. O que importa é estar grávida, seja lá de quantos bebês for. Aí pode estar o engano: acreditar que quanto maior o número de embriões transferidos, maior será a chance de engravidar. “Agora, com esse novo exame, o conceito de quanto mais embriões transferidos, maior chance de engravidar, poderá se inverter. Em algumas situações específicas, quando houver mais do que um embrião dentro do útero, poderá ser iniciada uma reação imunológica de rejeição”, explica o médico Arnaldo Cambiaghi, diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

KIR e HLA-C

pesquisa estudo microscopio testes ciencia pixabay
Pixabay

Este novo exame de sangue, que tem o nome de KIR – HLA-C (KIR = Killer Immunoglobulin-like Receptors e HLA-C = Human Leucocyte Antigen – Antígenos Leucocitários Humanos), pode ajudar a melhorar os resultados nos tratamentos de fertilização assistida. Ao definir que a transferência de um único embrião para o útero oferece melhores chances de um resultado positivo e de uma gravidez com menos riscos do que quando transferimos dois embriões, por exemplo.

Isso se baseia no fato de que todas as mulheres têm, no útero, células imunológicas (chamadas NK) com receptores capazes de reconhecer o embrião quando este chega ao útero materno. Esses receptores, KIR, se dividem em três grandes grupos genéticos (KIR AA, KIR AB e KIR BB) e têm função inibitória ou estimulatória sobre as células NK e importância fundamental na implantação dos embriões, na formação da placenta e, consequentemente, no próprio desenvolvimento da gestação.

“No passado, acreditava-se que todas as células NK (natural killer = células assassinas), tinham capacidade extremamente citotóxica, ou seja, de matar células estranhas ao organismo, como, por exemplo, as tumorais ou infectadas por vírus. Nos últimos anos, observou-se que existe outro tipo de célula NK no útero com outra função: liberar substâncias imunomoduladoras que estimulam a invasão das células trofoblásticas (do embrião) no endométrio de forma adequada, sendo importante para garantir a implantação e formação adequada da placenta”, esclarece Cambiaghi.

A ausência das células NK pode causar falhas de implantação e, por uma formação deficiente da placenta, abortos, restrição de crescimento do bebê e pré-eclâmpsia. A ação dessas células, tão importantes para uma gestação normal, depende de uma perfeita interação imunológica entre uma molécula da superfície das células do embrião (chamada HLA-C) e os receptores KIR das células NK uterinas.

Todo ser humano dispõe de antígenos nas células denominados HLA que distinguem os antígenos do próprio organismo dos estranhos. As células HLA representam a “marca registrada” de cada indivíduo, a “impressão digital” única, que pode ter uma similaridade maior ou menor com duas pessoas.

O antígeno HLA é uma denominação genética que, nos casos de transplantes de órgãos, tem o objetivo de avaliar o doador ideal para determinado paciente. Os antígenos são divididos em tipos: classe I (A, B e C), classe II (DR, DP, DQ) e outras. Os antígenos HLA estão presentes em todas as células do corpo humano e coordenam a resposta imunológica do nosso organismo não só nos transplantes, mas também em diversas doenças e reações a medicamentos, estimulando a formação de células de defesa, os leucócitos. O antígeno do embrião é o HLA-C.

“Como o embrião é composto de 50% de material genético paterno e 50% de material genético materno, ele tem as moléculas HLA-C materna e paterna. As células NK reconhecem o HLA-C estranho ao seu organismo, ou seja, o HLA de origem paterna. Entretanto, quando a célula NK reconhece este HLA compatível, ela não induz à rejeição, como nos transplantes, mas libera citocinas importantes para gestação”, explica o ginecologista Rogério Leão, membro da equipe médica do IPGO.

O HLA-C do embrião pode ser de dois tipos: C1 e C2. A molécula C1 interfere pouco na atividade da célula NK, então pouco afeta a gestação. Já a C2 tem uma ação muito maior sobre os receptores KIR, sendo, então, mais importante para a gestação. Entretanto, sua ação vai depender do tipo de receptor KIR. Este é determinado por um grupo de genes (haplotipo) que pode ser definido como grupo A, quando gera receptores somente com atividade de inibição; ou grupo B, quando gera algum receptor com atividade estimulatória. Assim, a mãe pode ser AA, AB ou BB (pois tem um haplotipo herdado do pai e um da mãe).

Novos estudos

embrião3 - pixabay.png
Pixabay

Cambiaghi acrescenta: “Novos estudos, realizados na Espanha pela equipe liderada pela médica Diana Alecsandru, imunologista da clínica IVI Madri, revelaram, entre outras coisas, que a união dos receptores KIR AA com antígeno HLA-C2 paterno é uma combinação de risco para o ser humano. Isso porque o HLA-C2 possui uma forte ação sobre os receptores KIR AA, que têm função inibitória sobre as células NK protetoras que se tornam inativas”.

Isso, portanto, dificulta a implantação e formação da placenta de forma adequada, levando às complicações já descritas. Quando dois embriões são transferidos, a situação se agrava, pois há estímulo HLA-C2 paterno de mais de um embrião, bloqueando, no caso de KIR AA, ainda mais essa ação protetora.

Para evitar essas complicações, pode-se avaliar o KIR da mulher e o HLA-C paterno do marido, por meio de exames de sangue. No exame do KIR, avalia-se se a mulher é KIR AA, AB ou BB. No caso do HLA, considerando que herdamos um HLA-C do pai e um da mãe, o marido poderá ser C1C1, C1C2 ou C2C2. Se for C1C1, o embrião gerado terá sempre HLA paterno C1. Se C2C2, sempre o embrião terá C2. E se o marido for C1C2, os embriões formados têm 50% de chances de terem HLA paterno C1 e 50% de chances de terem C2.

Quando a mulher é AB ou BB, não há risco, podendo-se transferir quantos embriões forem indicados. O mesmo ocorre quando o homem é C1C1. Já nos casos da mulher KIR AA e o marido C2C2, há um risco aumentado de complicações se dois embriões forem transferidos, sendo indicado transferir somente um por vez”, explica Leão. E complementa: “No caso da mulher KIR AA com marido C1C2, como há uma chance de 50% de cada embrião ter C2 paterno, aconselha-se também transferir somente um embrião”.

Fontes:

Arnaldo Schizzi Cambiaghi é diretor do Centro de reprodução humana do IPGO, ginecologista-obstetra especialista em medicina reprodutiva. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

Rogério Leão é membro da equipe do IPGO e Médico Assistente na área de Ginecologia do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM/ UNICAMP). Graduado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Residente em Ginecologia e Obstetrícia, no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM/ UNICAMP). Especializado em Endoscopia Ginecológica , pelo Hospital Pérola Byington (São Paulo –SP) e em Infertilidade Conjugal , pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (São Paulo –SP). Mestre em Ciências Médicas pelo Departamento de Tocoginecologia da FCM / Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

 

Medicamentos para tratar alergia comum podem prejudicar a função testicular

Autores de um novo artigo argumentam que são necessários mais estudos que confirmem esta possibilidade e sugerem que as pessoas sejam avisadas sobre o excesso no uso dessas medicações.

A co-autora do estudo, Carolina Mondillo (e equipe), relatou os resultados na revista Reproduction.  A histamina é uma molécula que o corpo produz quando o sistema imunológico é ativado por uma ameaça percebida.

Os histamínicos tentam remover as alergias do corpo induzindo espirros e demais secreções já conhecidas. Isso faz parte do sistema padrão de defesa do corpo – mas, em algumas pessoas, o sistema imunológico reage excessivamente a desencadeadores, como pólen, caspa ou poeira, e leva as histaminas a criar espirros. Os anti-histamínicos são os medicamentos mais utilizados para reduzir esses sintomas. No entanto, além de atuar sobre a histamina, também se descobriu que anti-histamínicos afetam outras áreas da saúde, criando efeitos colaterais indesejáveis ​​ligados ao comportamento da função sexual e fertilidade.

Como as alergias estão se tornando cada vez mais comuns nos países industrializados, o uso de anti-histamínicos também está aumentando, por isso é importante que cientistas e médicos compreendam melhor os efeitos colaterais ligados a esses medicamentos sem receita médica.

“Infelizmente, na maioria das vezes, a investigação no homem só é iniciada quando as dificuldades para engravidar são percebidas pelo casal, que acaba procurando o médico ginecologista para exames de rotina. Entretanto, como muitos casais estão adiando a gravidez, levando à diminuição das chances de gestação quando a mulher completa 35 anos, recomenda-se que este homem faça uma investigação de sua fertilidade antes mesmo de decidir programar um filho”, alerta o ginecologista e especialista em reprodução humana Arnaldo Cambiaghi, diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

Anti-histamínicos reduzem a qualidade do esperma

homem remédios pexels
Pexels

Pesquisadores do Instituto de Biologia e Medicina Experimental em Buenos Aires, Argentina, realizaram uma revisão sistemática de estudos em animais que investigavam associações entre histaminas e fertilidade. Eles analisaram os estudos de pequena e grande escala que ocorreram nas últimas quatro décadas.

A revisão descobriu que vários dos estudos relataram uma associação entre o uso de anti-histamínicos em animais machos e a função prejudicada dos testículos.

Os autores do estudo sugerem, então, que os anti-histamínicos parecem interferir na produção de hormônios sexuais nos testículos, levando a deformação e a baixa contagem de espermatozoides.

É importante ter em mente que todos os estudos feitos pela médica Carolina Mondillo e colegas analisaram foram conduzidos em animais. Estudos em seres humanos que analisam a associação entre o uso de anti-histamínicos e a fertilidade masculina são limitados, por isso é difícil generalizar esses achados para humanos.

Serão necessários mais estudos

Outras pesquisas também serão necessárias para entendermos quais os prejuízos causados para a fertilidade masculina. Segundo a médica, mais testes serão necessários para avaliar os possíveis efeitos negativos do anti-histamínico na saúde reprodutiva e sexual. Isso pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos para aliviar os sintomas de alergia sem comprometer a fertilidade.

Os pesquisadores dizem que agora começarão a avaliar como as histaminas causam impacto nos tumores testiculares. Em estudos anteriores, outros medicamentos comuns também foram associados à infertilidade masculina, como bloqueadores dos canais de cálcio, antidepressivos tricíclicos e esteroides anabolizantes.

Em 2017 foi publicado uma característica sobre como a infertilidade pode afetar os homens. Nessa postagem foi analisado como algumas dicas de estilo de vida simples podem ajudar a reduzir o risco de infertilidade masculina. Elas incluíam itens como: alimentação saudável, manter o peso certo, reduzir o estresse e ser fisicamente ativo. Também recomenda–se cortar o tabagismo, reduzir a ingestão de álcool e evitar roupas íntimas apertadas.

“Tanto para o homem quanto para a mulher, os exercícios moderados são úteis e ajudam a aumentar a chance de concepção do casal. Aqueles que não estão habituados a esta prática devem iniciar lentamente, supervisionados por profissionais especializados, aumentando progressivamente a carga e as atividades, e de acordo como o permitido pelo organismo; exageros não são bem-vindos”, afirma Cambiaghi.

Segundo o médico, as atividades mais aconselháveis para as iniciantes são: caminhadas, natação, yoga, e ciclismo. São de baixo impacto tanto para a musculatura como para as articulações e devem com o tempo alcançar na mulher uma freqüência de 3 a 4 vezes por semana durante 30 minutos por vez. “Correr mais do que 16 quilômetros por semana é exagero nestes casos e podem ser prejudiciais. No homem podem ser acrescentados exercícios mais vigorosos que não ultrapassem de 20 minutos, 3 vezes por semana”, finaliza o médico.

Mais sobre o assunto em: www.fertilidadedohomem.com.br