Arquivo da tag: internet

A importância de estimular a beleza natural e de saber dosar procedimentos estéticos

Aplicativos que mudam a aparência podem ocasionar insatisfação com a imagem e a busca por aparência perfeita irreal

De um lado, uma avalanche de filtros “embelezadores” no Instagram; de outro, alguém descontente com sua aparência real. Pronto! A situação perfeita para riscos tanto físicos como psicológicos que podem, ainda, dar origem a vários problemas, entre os quais está o transtorno disfórmico corporal, ou seja, vê defeitos onde não existem ou se incomoda demais com certas características na frente do espelho.

Como explica a diretora clínica da rede Meu Dermato, Daniella Cury, a busca de uma beleza ideal, irretocável, seguindo padrões impostos pela mídia do corpo e rosto perfeitos é ilusória, irreal. “Buscar melhorar algumas áreas com a proposta de sentir-se bem, é ótimo. O problema é maximizar o que é belo o tempo todo e atrelar que somente com uma boca carnuda, uma pele totalmente lisa sem rugas, olhos amendoados, e uma série de procedimentos estéticos será, de fato, feliz e ‘de acordo com os padrões atuais’”.

Entre os procedimentos mais procurados atualmente está a harmonização facial com ácido hialurônico e Botox. “Muitas pessoas acabam abusando das aplicações e perdem suas características originais, ficando irreconhecíveis, sem expressão ou plastificadas, o que não é nem bonito, tampouco saudável”, explica Daniella.

Por essa razão, contar com um médico dermatologista capacitado e de confiança é fundamental. Ele é capaz de avaliar com exatidão a real necessidade do paciente, evitando assim problemas futuros e possibilitando até mesmo um maior acesso – vide uma redução no montante investido pelo paciente, muitas vezes não necessário.

Meu Dermato

Um novo conceito em medicina dermatológica, a rede de clínicas Meu Dermato tem como objetivo democratizar o acesso a estética, realçando a beleza natural dos pacientes, por meio de procedimentos acessíveis, seguros e modernos, realizados por uma equipe de médicos dermatologistas especialistas. Hoje já conta com quatro unidades em funcionamento (Paulista, Vila Olímpia, Itaim e Moema).

Terapeuta dá três dicas para que você não seja um “cancelador”

Rejeição a Karol Conká acende discussão sobre linchamento virtual que pode causar transtornos psicológicos como ansiedade e depressão

Cancelar é o termo utilizado por usuários da web para definir o ato coletivo de reprovar e boicotar personalidades famosas (e até mesmo desconhecidas) que tenham atitudes consideradas moralmente erradas. Em outras palavras, é a nova forma de se referir ao linchamento virtual, prática que não só prejudica a carreira e reputação, como também afeta seriamente a saúde mental do cancelado e pode levar a transtornos psicológicos como ansiedade e depressão.

O caso mais recente é da cantora e apresentadora Karol Conká, participante do Big Brother Brasil 21, que saiu na terca-feira (23) do programa com rejeição de recorde de 99,17% por suas falas e comportamento de “canceladora” com outros participantes, o mesmo que ocorre aqui fora com ela. Mesmo antes de sua saída, Karol já tinha perdido mais de 200 mil seguidores e impacto negativo financeiro avaliado em cerca de R$ 5 milhões, somando shows, aparições em programas e posts patrocinados suspensos ou cancelados.

Para o terapeuta do Zenklub, Diego Prade, o julgamento moral sempre existiu, mas com o virtual as pessoas expressam mais aquilo que de fato pensam, sentem e rejeitam, sem filtro e em seu modo mais bruto. “O ser humano não é totalmente bom ou totalmente ruim, por isso, cancelar é uma forma de desumanização, você pega uma parte de algo que ela fez e passa a julgar somente com base naquele recorte de uma atitude ou de um período”, analisa.

Para não endossar a prática, tão prejudicial para as relações humanas, o especialista cita três dicas simples:

Não siga a manada

O posicionamento de uma figura de liderança e o consenso coletivo sobre determinado assunto ou pessoa certamente pauta a nossa opinião. No entanto, não é porque muita gente ache aceitável que você, indivíduo, tenha que achar e repetir o comportamento sem questionar. Por isso, antes de comentar sobre um tema que você não tenha conhecimento aprofundado, pesquise. Além disso, respeite o espaço e as redes sociais do outro.

Saia da sua bolha

Em um momento de polarização como o que vivemos, fica cada vez mais difícil se permitir conhecer e se surpreender com outras pessoas, até porque saber lidar com as diferenças é parte fundamental para a construção do respeito. Para isso, um bom exercício prático é conversar, ao menos uma vez por semana, com uma pessoa nova. A menos que o motivo de discordância implique em questões fundamentais, como o direito do outro de existir, vale a pena sair da chamada “câmara de eco”, expressão usada para se referir a diálogos em que só é possível ouvir a si mesmo.

Pratique a escuta empática

No processo do diálogo com o outro, ter a capacidade de escutar é imprescindível para entender que há outras formas de ver o mundo. Pequenas mudanças de atitude numa conversa, como ouvir sem interromper, não falar sobre si, perguntar mais do que interpretar e procurar não aconselhar, podem facilitar o entendimento do próximo e contribuem para deixar sempre o diálogo em aberto. Afinal, se colocar no lugar do outro, por mais difícil que seja em algumas situações, é o caminho para uma sociedade com mais respeito e com relações humanas mais saudáveis.

Sobre o Zenklub
O Zenklub é a maior plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal do Brasil. Criado em 2016 pelo médico Rui Brandão e pelo Doutor em Computação e telecomunicações José Simões, atualmente atende empresas em mais de 980 cidades e brasileiros em 124 países. A plataforma oferece sessões online com mais de mil psicólogos, psicanalistas, coaches e terapeutas, além de conteúdos em texto, áudio, vídeo e diversas outras ferramentas em seu aplicativo. Hoje, o Zenklub impacta 1,5 milhão de pessoas por mês e mais de 200 empresas, entre elas Votorantim Energia, Natura, Qualicorp, Tecnisa e Loggi.

Positividade tóxica: efeitos colaterais da felicidade exposta nas redes sociais

Especialistas explicam que, além do bloqueio das emoções negativas, é comum que a ansiedade, depressão, baixa autoestima e transtornos mentais e comportamentais sejam desenvolvidos

Em meio a um bilhão de usuários ativos por mês, é difícil encontrar uma pessoa que não tenha perfil no Instagram. A plataforma possui 500 milhões de acessos diários e se tornou, além de uma rede social, uma rede comercial. Com a popularização dos influencers, basicamente tudo passa a ser monetizado, inclusive a felicidade. Através da tela do celular, a vida do outro aparenta ser perfeita: o corpo dos sonhos, bens materiais, viagens e felicidade em tempo integral. Mas não é bem assim.

Há materiais que circulam em blogs e portais que alegam que não é possível ser feliz sempre. Isso pode ser verdade ou não, depende do que está sendo chamado de felicidade. No âmbito da Psicologia Positiva, é usual se adotar o conceito construído pela professora Sonja Lyubormisrky: “Felicidade é a experiência de contentamento e bem-estar combinada à sensação de que a própria vida possui sentido e vale a pena”.

Em outras palavras, felicidade é um estado no qual se vivencia um pouco mais de emoções positivas que negativas em uma vida que, apesar das circunstâncias, vale a pena ser vivida. E sim, pode ser uma experiência de longa duração.

A problemática surge com a busca incessante por essa felicidade, que gera efeitos colaterais em quem consome diariamente essa “vida “perfeita” do outro. Nesse cenário, se populariza o conceito de positividade tóxica. A expressão tem sido usada para abordar uma espécie de pressão pela adoção de um discurso positivo aliada a uma vida editada para as redes sociais.

Carla Furtado

“É aqui que mora um elemento pouco mencionado acerca da felicidade legítima: ela é uma experiência intrínseca, dispensa o reconhecimento de terceiros. Sorrisos pasteurizados em fotos sob filtros, vozes cuidadosamente moduladas e falas que se assemelham a pregações são apenas artifícios, esses sim, tóxicos, daquilo que surgiu bem antes da internet: a vida de fachada e a venda de receitas mágicas”, alerta Carla Furtado, mestre em psicologia e fundadora do Instituto Feliciência.

Bloqueio de emoções negativas

Como consequência dessa busca pela felicidade, as emoções negativas são bloqueadas. Nessa realidade mascarada pelas redes sociais, não é permitido se sentir triste ou ter dias ruins. “É importante observar que a psicologia positiva não orienta que se bloqueie ou evite emoções negativas. Do ponto de vista humano isso sequer é possível e não seria recomendável”, aponta Carla.

“Emoções são comportamentos autônomos em resposta a estímulos. Tome-se o medo, por exemplo: diante de um risco real essa emoção é primordial para a preservação da vida e, embora seja de valência negativa seu desfecho pode ser bastante positivo. É sempre importante ressaltar que felicidade não é uma emoção, mas costuma ser confundida com a alegria”, complementa a especialista.

Renata Nayara Figueiredo

É justamente assim que surgem problemas como ansiedade, depressão, transtorno de imagem, anorexia, bulimia, entre outros. “No Instagram as pessoas conseguem praticar atividade física, ser a mãe perfeita, o pai perfeito, trabalhar, ser bem-sucedido, ter hora para tudo, então as pessoas acham que são obrigadas a fazer isso o tempo inteiro e acabam frustradas porque não conseguem ou se sentem cansadas”, explica a médica psiquiatra Renata Nayara Figueiredo, presidente da Associação Psiquiátrica de Brasília, a APBr.

Ela explica que com a sensação de não ter todo esse tempo a pessoa fica frustrada, acha que a produtividade está baixa, que alguma coisa está errada. “É aquilo do eu não consigo ser a mãe perfeita, não consigo ser uma profissional maravilhosa, enquanto o outro consegue tudo isso. Então começa o sentimento de ansiedade, de menos valia, de baixa autoestima, e isso pode gerar depressão, e outros transtornos psiquiátricos”, acrescenta.

Para a especialista é importante que o usuário entenda que o conteúdo das redes sociais é um recorte e não expressa a realidade, ou como é a vida da pessoa por completo. “Um exemplo é a foto de comida, as pessoas não postam a refeição do dia a dia. E é preciso compreender que aquilo ali é um cenário, é um palco, as pessoas fazem aquela foto, aquilo ali não é uma foto espontânea. Ela está naquela rede social para chamar a atenção”, pontua.

Outro lado

Segundo a psiquiatra, os influenciadores também sofrem. “Eles buscam mais seguidores, mais curtidas, e os que seguem querem ter uma vida daquelas, sendo que às vezes a pessoa só vive disso, de postar coisas, enquanto as outras vão postar coisas, vão seguir, vão trabalhar e vão fazer outras coisas também”, afirma. “Então isso tudo é um cenário. Cada um vai postando o que acha mais interessante e as pessoas têm que entender que aquilo ali não é a vida real”, complementa.

Outro ponto abordado por ela são pessoas que já têm algum distúrbio ou tendência a transtornos psiquiátricos. “Uma pessoa com esse tipo de problema, principalmente em relação ao corpo, vê essas fotos e se sente mal. Elas vomitam, param de comer ou deixam de sair de casa para não furar a dieta”, explica. “Então esse tipo de ‘influência’ pode ser um gatilho para pacientes com transtornos alimentares, pela questão de estar sempre postando o corpo perfeito, a dieta perfeita, a refeição dos sonhos, e entre outros pontos”, conclui.

Reflexões sobre a tentação que temos em comparar nossa vida com a dos outros continuamente*

No momento em que retomamos discussões e reflexões sobre a prevenção do suicídio neste Setembro Amarelo, temos importantes apontamentos a serem observados. Lembrando que um dos principais deles é não se esquecer de que pensar na prevenção do suicídio – e em ajudar a impedir potenciais candidatos de tirar sua vida – deve ser feito ao longo dos 365 dias do ano. A cada minuto alguém pode estar entrando em estado de total desespero, desamparo e depressão, a ponto de enxergar apenas o suicídio como uma solução definitiva e cruel para aninhar sua angústia.

Uma situação dramática como essa aponta um fator que, com o advento tecnológico e as inovações de redes sociais, fica muito mais evidente: a necessidade que o ser humano possui em estar sempre comparando sua vida com a dos outros, diante das exposições jogadas e expostas nas mídias. Comparar-se é natural, pois estamos em constante busca de critérios para julgar o certo e o errado.

Buscamos referências a todo custo. E as redes sociais nos proporcionam isso com muita facilidade, já que se apresenta como um território bem fértil para adventos comparativos. Mas a maior questão é que devemos nos conscientizar de que existe o lado bom e o lado ruim de tudo. Lembra da história de que a grama do vizinho é sempre mais verde que a nossa? Não. Ela não é. O que ocorre é que o é demonstrado nas redes é o que o outro deseja mostrar. A parte que lhe importa. Nem sempre aquela pessoa da foto, com o sorriso mais lindo em um dia ensolarado, está mesmo tão feliz como está aparentando. O que se passa dentro de cada um não pode ser genuinamente evidenciado de forma real.

Cada um possui uma individualidade e vive um determinado contexto particular. Portanto, o maior cuidado que devemos tomar é buscar entender que a internet é uma vitrine irreal. Se a comparação for desigual, certamente o indivíduo que já se encontra fragilizado ou depressivo por qualquer que seja o motivo poderá ter sua autoestima afetada, a partir da criação de falsas expectativas e falsas ilusões – correndo o risco de entrar em um processo de negação de sua própria realidade, recusa de sua trajetória individual e estará sujeito a deixar de trabalhar os mecanismos de ponderação de sua essência.

Na prática, quando ficamos limitados a ver a vida do outro por um único ponto de vista, somos tentados a entrar em armadilhas ilusórias que alimentam apenas o que nos convém. Fortalece os desejos fantasmagóricos que temos em mente, contribuindo para que possamos nos sentir mais inferiorizados, sem ter o discernimento de enxergar que todos temos bons e maus momentos. Situações alegres, positivas, mas também difíceis e angustiantes. E está tudo bem. Isso é perfeitamente normal.

E aqui entra a necessidade, em muitos casos, de se tirar a própria vida, movido por uma tentativa frustrada de evidenciar uma tristeza instalada e mal compreendida. Tristeza que dói. E o ato de suicídio é exatamente uma infeliz decisão de se eliminar essa dor. Portanto, ao perceber que as conquistas do outro estão criando empecilhos para que você consiga criar e valorizar seus próprios passos, ligue seu botão de alerta. Conscientize-se de que cada ser humano é único e tem emoções e sentimentos muito peculiares.

Desejos, metas e conquistas são inerentes a todos. E se o outro consegue, você também pode conseguir. É importante avaliar e refletir o que possa estar lhe impedindo de ter um olhar mais crítico para perceber o que o afasta de sua felicidade. Só quando nos organizamos por dentro é que as coisas começam a tomar forma e a caminhar de vez em todos os sentidos de nossa vida.

Enfim, como mudar essa energia? Como alterar esses pensamentos limitantes? Saiba que uma situação não pode ser mudada apenas se enchendo de certezas negativas. Ao se comparar com os outros, ninguém está te julgando mais do que você mesmo. Fato é que estamos comprometidos com situações que podem nos impedir de seguir em uma busca por uma mente mais saudável. Buscamos respostas e nem sempre as encontramos de imediato. Portanto, encare sua própria mudança interna.

Não se compare a ninguém. Somos seres divergentes. Lições, experiências, necessidades e trajetórias diferentes. O outro não é tão grande e especial assim como lhe parece. Não se sinta insignificante ou menor com aquilo que está sendo exposto em uma rede social. Aprenda a lidar com seus defeitos, pois estes temos todos, até mesmo o carinha mais feliz da internet.

Aquele que parece perfeito e esbanja felicidade a todo minuto, mas que lá no mais profundo do íntimo pode estar tão destruído emocionalmente que não demonstra, não verbaliza ou mesmo não busca ajuda profissional. Veste apenas uma máscara irreal e fica preso a seus sabotadores. Lidamos com dificuldades diariamente e disso ninguém escapa. Fuja da tentação de entrar na desilusão imposta por um feed perfeito, que retrata apenas melhores momentos com filtros aplicados.

Pexels

Portanto, valorize sua vida. Valorize cada dor, cada dúvida e cada conquista. Aprenda que é permitido crescer tanto com as coisas boas quanto com as ruins que acontecem conosco. Tirar a vida por se sentir inferiorizado não o tornará vencedor. Será vitorioso ao conseguir reconhecer suas falhas, suas forças e dentro desse cenário poder promover um autoconhecimento que lhe permita ressaltar suas qualidades e evidenciar o que tem de melhor.

Não meça sua vida pela régua dos outros. Lamentar aquilo que não se tem é uma forma de desperdiçar o que já possui de melhor. Sua vida importa – e muito. Pense nisso e vida cada mais feliz e realizado, perseguindo seus objetivos e conquistando seus espaços merecidos.

Foto: Pedro Costa

*Andréa Ladislau é psicanalista, Doutora em Psicanálise, palestrante, colunista da Academia Fluminense de Letras, Gestora em saúde, Representante Internacional (USA) da University Miesperanza

Sodiê Doces presenteia clientes com lata de Nescafé Origens

Promoção é válida na compra de um bolo inteiro a partir de 500 gramas

A Sodiê Doces expande seu leque de promoções e até o dia 22 de julho, os clientes que comprarem um bolo inteiro a partir de 500 gramas ganham uma lata de Nescafé Origens 250 gramas.

A ação une o sabor dos bolos da franquia e a estreia da Nestlé no segmento de cafés para coar, Origens do Brasil.

No cardápio da Sodiê o cliente encontra mais de 100 variedades de sabores de bolos de massa branca ou chocolate com recheios diversos que incluem morango, limão, coco, nozes, abacaxi, damasco, chocolate branco, chocolate ao leite, leite em pó, brigadeiro, doce de leite, leite condensado, entre outros e que agradam todos os paladares.

Bolo-e-Cafe

A promoção é válida para todas as unidades da marca no Brasil, acontece até o dia 22 de julho ou enquanto durar o estoque. Os preços podem sofrer variação de acordo com a região.

Os contatos de cada unidade podem ser obtidos no site oficial da marca.

GPA e Instituto Avon criam espaço virtual para apoiar vítimas de violência doméstica

Sites e apps do Pão de Açúcar, Extra, Assaí e Compre Bem terão informações sobre violência contra mulher, além de acesso a uma assistente virtual, via WhatsApp, que apoiará mulheres que podem estar sofrendo violência doméstica

avon e gpa

O isolamento social, necessário para lutarmos contra o Covid-19, tem revelado um aumento dos casos e da intensidade de violência contra as mulheres. Só em abril deste ano, houve um crescimento de mais de 37% das denúncias no Ligue 180, segundo o estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Ao mesmo tempo, os dados desse estudo indicam uma diminuição dos registros de boletins de ocorrência e a dificuldade de conseguir sair de casa ou falar ao telefone para pedir ajuda, ou ainda, o medo de denunciar o agressor como algumas das causas desse fenômeno.

Segundo a ONU, dentre as medidas para enfrentar e prevenir a violência doméstica durante a pandemia com maior eficácia no mundo destacam-se os investimentos em serviços de atendimento online, o estabelecimento de serviços de alerta de emergência em farmácias e supermercados e a criação de abrigos temporários para vítimas de violência de gênero. Pensando nisso, as redes de hipermercado e supermercado Extra, Pão de Açúcar, Assaí e Compre Bem, do GPA, se uniram à iniciativa do Instituto Avon no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Os aplicativos Pão de Açúcar Mais, Clube Extra e Assaí e o site do Compre Bem passam a contar, a partir desta segunda-feira (22), com um banner que direciona as mulheres que estão sofrendo violência para uma página online onde poderão entrar em contato com uma assistente virtual via WhatsApp, que as ajudará a entender se estão passando por violência, informará sobre os serviços públicos disponíveis na rede de proteção e indicará quais recursos ela pode acessar.

A partir das perguntas, baseadas nos protocolos internacionais de avaliação de risco, a assistente consegue identificar a vulnerabilidade pela qual a mulher está submetida. Com o resultado desta análise, ela é direcionada para os diferentes recursos disponíveis. Se a mulher que entrou em contato sinalizar que o caso é urgente, e ela não acionou o 190, ou se a assistente virtual identificar, pelas respostas que ela está em situação de risco alto, o contato é feito em poucos minutos por uma psicóloga, de forma sigilosa e confidencial.

cartazes_download

Esta nova funcionalidade dos aplicativos de fidelidade do GPA faz parte do Programa Você Não Está Sozinha, lançado pelo Instituto Avon em abril desse ano, como uma resposta ao aumento dos índices de violência doméstica durante a quarentena.

“No contexto de pandemia, é preciso criar soluções inovadoras para enfrentar os desafios que temos em relação à violência doméstica. A dificuldade de conseguir sair de casa para pedir ajuda ou o medo de denunciar o parceiro são alguns dos obstáculos adicionais da vítima de violência no contexto do isolamento social. Nesse sentido, criar ambientes online para chegar a mais mulheres e facilitar o pedido de ajuda é fundamental para a contenção do agravamento da violência sobre a vida delas”, afirma Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon.

O momento requer soluções conjuntas para o fortalecimento de estratégias para a causa. Nesse sentido, o Programa Você Não Está Sozinha é uma proposta intersetorial direcionada para o esforço coletivo por meio de uma rede de apoio para a assistência de mulheres e meninas, incluindo assistência material, serviços jurídicos e psicológicos, além de transporte de emergência.

“Infelizmente, a violência contra a mulher tem aumentado neste momento de isolamento social, e a desinformação e o medo são alguns dos fatores que levam as vítimas a não denunciarem o seu opressor. Por isso, entendemos que nossa contribuição é a de potencializar a informação e conscientização para todos e todas e, especialmente, dessas mulheres. Por meio dos aplicativos das marcas do grupo e de nossos canais de comunicação, que são acessados por milhares de clientes em todo o Brasil, queremos aumentar a conscientização, entendimento e acolhimento ao pedido de ajuda dessas mulheres”, afirma Susy Yoshimura, diretora de Sustentabilidade e Compliance do GPA.

Outra iniciativa do Programa Você Não Está Sozinha busca apoiar mulheres que estão enfrentando dificuldades para suprir as necessidades básicas alimentares de suas famílias. Por meio da ação, o Instituto GPA e o Instituto Avon estão doando duas mil cestas básicas às mulheres de alta vulnerabilidade e com necessidades básicas alimentares.

pessoas-ilustracao

A solicitação do apoio pode ser feita por meio do site do Programa, clicando aqui.

Para saber mais, acesse: Pão de Açúcar / Clube Extra / Assai

Procon alerta: compras pela internet podem esconder golpes

Em tempos de quarentena e com o comércio de rua temporariamente fechado, as compras online se tornaram uma opção fundamental para que a população possa manter a compra de itens necessários. E, junto com essa necessidade, surgem mais pessoas se aproveitando do momento para aplicar golpes. O @proconsp alerta que o consumidor deve redobrar os cuidados e sempre desconfiar de ofertas vantajosas demais.

Em 2011, com o objetivo de prevenir os consumidores contra empresas de comércio eletrônico que infringem a lei, o @proconsp criou a lista “Evite esses sites”. A lista é composta por fornecedores que tiveram reclamações de seus clientes registradas no Procon, foram notificados e não responderam ou não foram encontrados, impossibilitando qualquer tentativa de intermediação entre as partes ou abertura de processo administrativo. Também compõem essa lista, sites criados exclusivamente para enganar o consumidor.

As principais queixas contra esses sites são a não entrega do produto, não entrega dentro do prazo, dificuldade em conseguir contato ou desaparecimento da empresa, etc. Problemas que em qualquer época, principalmente agora, podem criar grandes aborrecimentos. Por isso, antes de fazer compras pela internet, é importante consultar essa lista.

Lembrando que 12 de junho está se aproximando, data em que se comemora o Dia dos Namorados e, diante da pandemia do coronavírus, ainda não está claro como estará funcionando o comércio de rua assim como os shoppings. Desta forma, a atenção e o cuidado devem ser redobrados para quem vai comprar o presente de forma online, por telefone, catálogo ou redes sociais.

A lista, que é atualizada periodicamente, atualmente tem 184 fornecedores registrados. Ela está disponível no site do @proconsp

Além de consultar a lista, o consumidor deve também:

cartao-de-credito-compras-gde

– Procurar no site a identificação da loja (razão social, CNPJ, telefone e outras formas de contato, além do e-mail). Checar se essas informações estão corretas;
– Preferir fornecedores renomados ou recomendados por amigos ou familiares;
– Não comprar em sites em que as únicas formas de pagamento aceitas são o boleto bancário e/ou depósito em conta;
– Ler a política de privacidade da loja virtual para saber quais compromissos ela assume quanto ao armazenamento e manipulação de seus dados;
– Imprimir ou salvar todos os documentos que demonstrem a compra e a confirmação do pedido (comprovante de pagamento, contrato, anúncios etc.);

compra_on_line cartao
– Instale programas de antivírus e o firewall (sistema que impede a transmissão e/ou recepção de acessos nocivos ou não autorizados) e os mantenha atualizados em seu
computador.

Confira mais orientações no Guia do Comércio Eletrônico disponibilizado pelo @proconsp.

Reclamações

O @proconsp registrou 55.134 atendimentos relacionados a problemas com compras pela internet no primeiro quadrimestre de 2020, 64% a mais em relação a todo o primeiro semestre de 2019 (33.628 atendimentos). As questões mais reclamadas pelos consumidores são demora ou não entrega do produto, seguidas por problemas com cobrança e produtos com defeitos.

Fonte: Procon-SP

 

Buddha Spa oferece duas mil massagens gratuitas

Companha tem cota destinada aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus

buddha spa 3

O Buddha Spa, a maior rede de spas urbanos do país, vai disponibilizar 2 mil massagens gratuitas. Com lançamento hoje, 22 de abril, a campanha será veiculada nas redes sociais do Buddha Spa e permitirá aos clientes resgatar uma massagem “Indian Head” gratuitamente. O resgate será feito no site do Buddha Spa, limitado a um voucher por CPF, e a massagem poderá ser agendada assim que as unidades da rede forem reabertas.

gustavo albanesi

“Estamos dando este presente agora, período em que boa parte da população está em isolamento social, para amenizar o estresse que as pessoas estão passando, e ele poderá ser utilizado tão logo a gente reabra as nossas unidades”, explica Gustavo Albanesi, sócio-fundador do Buddha Spa. “É o momento de cuidar de nossos clientes, pensar na saúde de todos nós”, completa.

A “Indian Head” é uma das massagens mais novas no portfólio do Buddha Spa. É uma técnica mestra de relaxamento e fortalecimento de sistema imunológico, tudo o que as pessoas precisam neste momento. A massagem é feita nos ombros, pescoço e cabeça, reativando a semente do bem-estar que já foi plantada e está dentro de cada um.

Entre as 2 mil massagens oferecidas gratuitamente, uma porcentagem delas será destinada aos profissionais da saúde que estão combatendo o coronavírus na linha de frente. “É nosso forma de agradecer a esses profissionais”, comenta Albanesi.

 

Massagem: aliada da imunidade

buddha spa

Já se sabe que boa alimentação, descanso adequado e prática regular de exercícios melhoram a imunidade do corpo humano. A massagem, aliada a esses três hábitos, pode proporcionar uma resistência ainda maior a doenças oportunistas.

Isso porque a massagem promove relaxamento e melhora a circulação. Ela também desencadeia mudanças nos sistemas imunológico e endócrino do corpo. Um estudo de 2010 feito nos Estados Unidos e publicado no Journal of Alternative and Complementary Medicine concluiu que uma única sessão de massagem pode aumentar

Significativamente a produção de glóbulos brancos, que são vitais para a capacidade do organismo de combater doenças. Um outro estudo, este de 2012, deu um passo além e mostrou que havia benefícios cumulativos para a saúde com a massagem feita repetidas vezes.  Além de melhorar a imunidade e a circulação, a massagem ajuda a eliminar toxinas, melhora a flexibilidade e o sono, reduz a fadiga e é uma potente aliada no alívio da depressão e ansiedade.

Para acessar a promoção, clique aqui

Café Le Manjue, abre unidade no Itaim Bibi

Conceituado por oferecer uma gastronomia saudável com uso de ingredientes orgânicos, o restaurante Le Manjue conta com uma redes de cafés, que abre a sua quarta unidade na região do Itaim Bibi.

O Le Manjue Café Brascan Open Mall segue o projeto sustentável dos outros cafés, criado pela arquiteta Flávia Machado, que resgata a qualidade de vida através do contato com elementos naturais. Com conhecimentos baseados em neurociência e design biofílico, o espaço provoca sentimentos de acolhimento e bem estar.

Entre os materiais utilizados estão madeira de reflorestamento certificada, couro vegetal cor caramelo, plantas, palha, tinta orgânica à base de terra e iluminação com tons quentes. A cozinha está localizada logo na frente da loja e é toda aberta, atendendo à curiosidade dos clientes que, podem apreciar o preparo dos produtos.

O menu, assinado pelo chef Renato Caleffi, oferece diversidade para agradar todos os paladares, servindo bebidas e alimentos com alto valor nutritivo, privilegiando no seu preparo o uso de ingredientes locais e orgânicos com versões de receitas mais saudáveis. Entre os quitutes, que fazem sucesso está a Coxinha Fit, preparada com mandioca, cúrcuma e amaranto nas opções de sabores frango orgânico (R$ 10) ou jaca desfiada (R$ 12); ou ainda o Kibe de Cereais Ancestrais (R$ 28).

O Prato do Dia, é boa pedida para a hora do almoço, que traz uma opção diferenciada para cada dia da semana e oferece uma proteína e um carboidrato, acompanhados de uma salada (R$ 38). Já na parte doce, vale apostar na Torta Tropical com massa de amêndoa e tâmara, recheio de abacaxi com coco e cobertura de AMU chocolate saudável (R$ 14).

“Queremos democratizar e espalhar a gastronomia orgânica, saudável e funcional. O nosso café é pensado para agradar todos gostos e para quem tem restrições alimentares, proporcionando uma refeição saudável e prazerosa”, afirma o chef Renato Caleffi.

Com uma unidade localizada na academia Les Cinq Gym, nos Jardins, no Shopping JK Iguatemi, e agora no Itaim Bibi, os sócios Bruno Amaro, Renato Caleffi e Rafael Miranda buscam expandir e franquiar a rede de cafés e oferecer o melhor da culinária orgânica, saudável e funcional.

cafe le manjue

Le Manjue Café Brascan Open Mall: R. Joaquim Floriano, 462 – Loja 7 – Itaim Bibi, São Paulo – SP. Horário de funcionamento: de segunda a domingo das 10h às 22h.

Meu filho não sai do celular, o que fazer? Especialista responde

Em 2018, o canal da Galinha Pintadinha ultrapassou em visualizações até mesmo grandes nomes da música mundial como Rihanna e Justin Bieber, ficando no ranking entre os mais populares do YouTube, e isto não foi à toa.

Uma pesquisa divulgada em setembro de 2018 pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil mostrou que 85% das crianças e adolescentes com idades entre 9 e 17 anos são usuárias de internet, o equivalente a 24,7 milhões que estão nesta faixa etária em todo o País. Se em 2012, 21% das crianças acessaram a rede por meio do celular, em 2018 são 93%. O aumento impressionante do acesso tem preocupado cada vez mais os pais e profissionais que lidam com os pequenos e coloca em questão o possível vício infantil em celulares. O que fazer?

criancas celulares

A neuropsicóloga Roselene Espírito Santo Wagner é uma das especialistas que tem estudado esta guinada no comportamento infantojuvenil: “Precisamos considerar que a tecnologia já está incorporada à vida. O celular hoje é mais que uma ferramenta, tornou-se uma dimensão humana muito frequentada. O smartphone hoje é mais que televisão, é biblioteca, jornal, cinema, playlist, dicionário. Estamos reféns dele. No entanto, embora seja inevitável a presença e o uso do celular no cotidiano, é necessário explicar e fazer a criança entender que a tecnologia é um meio para um fim, e não o contrário”.

Transações bancárias, notícias, imagens, e até consultas médicas. Tudo está ali na palma da mão. Basta um toque. Não temos mais como desconectar. Mas até onde isto é saudável para a criança e o adolescente? Roselene responde: “Todos nós devemos aprender a usar a tecnologia com parcimônia. Isto é, encarar como uma ferramenta de resolução de problemas de ordem prática, rápida e superficial. Esta ferramenta tecnológica pode ser usada inclusive com fins recreativos, porém, nós não devemos usá-la abusivamente, para não virarmos dependentes. A dependência é uma ‘doença comportamental’ em todos os seus aspectos, logo retirando o comportamento, retiramos também a doença. Mas a facilidade de se adquirir o hábito e transforma-lo em vício não condiz com a dificuldade de sair desta armadilha”.

Roselene traz algumas dicas para retirar as crianças do celular e evitar o vício dos pequenos. Confira:

Ensinar a criança a lidar com o tédio

idoso e criança

É necessário, em primeiro lugar, ensinar a criança a lidar com o tédio, para que comece a entender e trabalhar algo que acontecerá na vida, que é a frustração. Aprender a lidar com frustrações é pedagógico e terapêutico. Nosso cérebro se desenvolve de trás para frente. Portanto, não tenha medo de conversar e explicar as formas de lidar com a rotina e disciplina dentro dos sistemas familiares.

A área de Wernicke responsável pela compreensão, interpretação da fala, fica pronta antes da área de Broca, responsável pela emissão da fala. As crianças mesmo não falando tudo corretamente, compreendem o que lhes é explicado (de forma simples). Explique, converse e estabeleça limites.

Dar limites é dar amor

menino criança

Crianças precisam compreender o funcionamento do mundo. Cabe aos adultos, pais, cuidadores, explicar. Observar a natureza de seu filho, as inclinações naturais, os gostos, as habilidades, a estrutura do corpo para perceber onde ele “caberia melhor”. No âmbito de uma atividade física, isso significa dizer que o corpo já vem “talhado” com características que facilitariam uma atividade. Identificar no seu filho para quais atividades ele tem predisposição, gosto ou aptidão pode ajudar muito a produzir uma rotina na qual ele possa se adequar. E ter prazer nessa atividade.

Ensinar que um bom dia começa com a organização do seu espaço, o quarto em que dorme, produzir uma convivência de união familiar, onde todos os sistemas (conjugal, parental etc.) devem ser vistos como uma “equipe”. E nela, cada um pode colaborar com uma tarefa, como colocar a mesa, retirar as louças, levar o lixo. Tudo isto tem a ver com limites e educação.

Dê atividades para o seu filho

menina com gato e cachorro

Crianças gostam de ar livre. Leve seu filho para praticar atividades como pedalar, passear, caminhar. Vá à praia, à piscina. Ter lazer, atividades intelectuais, responsabilidades e até mesmo bom sono.

Crianças gostam de estar com outras crianças, em acampamentos, noite do pijama, sessão de cinema, piquenique.

Crianças amam animais. Visitar o zoológico, dar de presente um animal de estimação que ele possa “cuidar”, dentro de suas possibilidades iniciais. Conforme vai crescendo, vai se apropriando e tomando mais responsabilidades sobre este “ser vivo” que exige cuidados e carinho.

Todas essas atividades irão retirando o “tempo de uso” do smartphone. Claro que a retirada total é quase que impossível, pois há uma “necessidade ” do uso da tecnologia, inclusive por ser uma forma rápida, prática de “estudar”, fazer trabalho de aula e afins.

Qual a melhor forma de prevenção do vício em celular?

menina criança pintura rosto ben kerckx pixabay
Foto: Ben Kerckx / Pixabay

A Dependência Digital é de difícil tratamento, mas a melhor prevenção é a psicoeducação, no sentido de desenvolver uma rotina saudável desde crianças, pois os “nativos digitais”, nascidos na era “virtual” são mais propensos a tornarem-se “adictos virtuais”.

Então ainda que as crianças não sejam capazes de emitir e falar todas as palavras de forma correta, estão aptas a compreender quase tudo. Por isso, é preciso acompanhá-las em todas as fases de desenvolvimento. Ensinando, preparando, guiando e amando.

dra roselene espirito santo

Fonte: Roselene Espírito Santo Wagner é psicóloga clínica, psicanalista, neuropsicóloga, psicóloga bariátrica, terapeuta de casal e família com especialização em Psicologia na Dimensão do Envelhecimento.