Arquivo da tag: inverno

Água Doce Sabores do Brasil lança combinações focadas no outono e inverno

Consumidores podem degustar de diferentes opções de combos que são destinados ao delivery

Para entrar no clima de outono e inverno, com os dias mais frios se aproximando, a Água Doce Sabores do Brasil lança opções de combos, pratos, caldos, sobremesas e coquetéis para essa época do ano focado no delivery. A lista para esse ano conta com 15 itens e duas opções de combinações para agradar os paladares de todos os clientes. Com 80 restaurantes em sete estados brasileiros, a marca é referência em gastronomia brasileira e oferece aos consumidores porções e receitas fartas para toda família. O cardápio destinado aos meses mais gelados será implementado em locais que já esperam a chegada do frio. Dessa forma, o cliente deverá entrar em contato com a unidade mais próxima para verificar a disponibilidade dos itens.

Na seção de pratos, o cardápio deste ano conta a receita de Mignon ao Molho de Queijo, com bastante cremosidade e com o sabor acentuado da carne; o tradicional Feijão Tropeiro, prato típico de Minas Gerais e região Sudeste; e com a Parmegiana Água Doce, um prato que leva de frango e queijo. Já os combos são divididos em duas opções: o combo Inverno em Campos do Jordão composto por Iscas de Frango, Salada Refrescante e a Carne de Sol cremosa, com queijo gratinado por cima e o combo Inverno em Monte Verde, que leva Bolinhos de Carne de Sol, Salada Refrescante e o Filé Divino, filé mignon suíno coberto com molho branco e mussarela gratinada.

Tradicionais durante o Inverno, os caldos também fazem parte do Festival de Inverno da Água Doce. Os clientes podem optar pelas versões de Feijão à Mineira, Palmito, Verde, Mandioquinha e Mandioca com Carne de Sol. Para os coquetéis, a marca traz para o cardápio ingredientes que combinam bem com essa época do ano, como o chocolate, o mel e a canela.

O coquetel Canela é composto por conhaque, canela e leite; Petrópolis conta com whisky, gengibre e mel; Monte Verde com whisky, café e creme de leite; o drinque Campos do Jordão é criado com conhaque, chocolate e leite; o coquetel Holambra conta com conhaque, licor de cacau e creme de leite e o Choco-Lamour, formado por whisky, leite e chocolate.

Sem deixar a sobremesa de fora, o cardápio de outono e inverno oferece aos consumidores Minichurros de Doce de Leite.

“As estações do ano e o clima mais frio é a oportunidade perfeita para adaptarmos o cardápio da marca de forma temática. Esse tipo de ação aproxima ainda mais o consumidor e traz opções ideais para manter o conforto, além da praticidade de consumir os pratos e drinques em casa. Além disso, o cardápio permite ao franqueado aumentar o tíquete médio, já que oferece combos, receitas exclusivas, drinques e caldos, que são perfeitos para montar uma refeição saborosa, de qualidade e variedade. Sempre buscamos oferecer ao cliente opções diversificadas e combinadas com as estações do ano ou datas comemorativas. Dessa forma, a Água Doce se faz presente tanto nos restaurantes de forma presencial, como na residência dos clientes, sem perder o sabor característico dos pratos da marca”, finaliza o diretor de franquias da rede, Julio Bertolucci.

Informações: Água Doce

Receita fácil, saudável e gostosa para dias mais frios: Caldo Verde Detox

Mr. Fit ensina a preparar o prato, além de nutritivo e saudável, pode ser congelado por até três meses

Nada melhor do que apostar em alimentação saborosa e saudável neste período de isolamento social. Para ajudar aqueles que gostam de cozinhar a própria comida de vez em quando ou até mesmo aqueles que estão começando a se aventurar na cozinha, a Mr. Fit, maior rede de alimentação saudável do Brasil, revela sua famosa receita de Caldo Verde Detox. Confira abaixo:

Caldo Verde Detox

Ingredientes:
300 g de mandioquinha picada
500 ml de chá verde preparado (preparo do chá utilizar apenas 1 colher de sopa cheia)
1 litro de água
5 g de sal (meia colher de sopa rasa)

Modo de preparo do chá verde:
Em um pote ferva 500ml de água no micro-ondas por seis minutos. Adicione uma colher de sopa cheia da mistura da erva, após a diluição coe e reserve.

Modo de preparo:
Na panela elétrica cozinhe a mandioquinha em um litro de água. No processador, adicione o chá verde junto da mandioquinha até formar a mistura homogênea do caldo.

*Validade: 3 dias na geladeira ou 3 meses no freezer, em porções individuais.

Fonte: Mr. Fit

Inverno: pele e cabelos exigem cuidados redobrados em dias de baixa umidade do ar

Com a queda das temperaturas e a umidade do ar mais baixa, é natural a diminuição da transpiração corporal, que colabora para o ressecamento da pele e cabelo. De acordo com um estudo publicado no British Journal of Dermatology, isso ocorre porque as células encolhem com o frio, prejudicando a proteína filagrina, que age na hidratação. Com a queda das reservas dessa proteína, a pele fica seca e sujeita a doenças como dermatite seborreica, dermatite atópica, psoríase e a ictiose.

Para o dermatologista do Hospital Santa Casa de Mauá, Antônio Lui, outros fatores também colaboram para esse ressecamento, como, por exemplo, os banhos quentes que removem a oleosidade natural e reduzem o manto lipídico, que retém a umidade da pele. “Entre os sintomas da pele ressecada estão a aparência opaca, descamação, sensação de aspereza, coceiras e alergias, além de um aspecto esbranquiçado”, explica.

Pinterest

Alguns hábitos podem amenizar essa aparência como manter uma alimentação saudável, rica em vitaminas, minerais e antioxidantes, que combatem os radicais livres e previnem o envelhecimento; evitar os alimentos mais gordurosos; reforçar a ingestão de líquidos para hidratação do organismo e uma pele macia e elástica; evitar esponjas, usar hidratante após o banho, de preferência com o corpo ainda úmido; evitar a esfoliação nesse período para não piorar o ressecamento; usar hidratante labial para evitar rachaduras e usar filtro solar diariamente.

Vale lembrar que as peles mais oleosas também podem sofrer com o inverno e que oleosidade não é sinônimo de hidratação, já que a condição é uma proteção contra a desidratação. O período é ideal para a realização de tratamentos dermatológicos como peelings, laser, depilação, entre outros.

Depositphotos

O frio também pode atingir o couro cabeludo e os cabelos, promovendo ressecamento, queda e opacidade. Para minimizar essas condições algumas dicas são bastante válidas como não deixar de lavar os fios constantemente, sendo que a água muito quente também não é recomendada, pois abre as cutículas, quebrando os fios, tirando o brilho e aumentando a oleosidade.

O condicionador é um grande amigo dos cabelos nos dias frios, já que sela as cutículas e confere mais brilho e maciez. Também é aconselhável optar por produtos adequados ao tipo de fio; secar bem os cabelos após a lavagem; controlar o uso de toucas e gorros, que podem reter a umidade impedindo a respiração adequada do couro cabeludo; além de ingerir bastante água e fazer uma alimentação saudável.

Pamplona Alimentos ensina receita para os dias frios

Para inspirar as famílias brasileiras no preparo de pratos quentes, a fabricante apresenta uma sugestão para aquecer no inverno

Nos dias mais frios, os alimentos quentes se tornam os escolhidos entre os brasileiros. Isso está relacionado ao fato de que, nesta época do ano, esses pratos promovem aquela sensação reconfortante ao paladar. Pensando nisso, a Pamplona Alimentos separou uma receita de Mungunzá salgado.

O preparo leva a clássica canjica amarela, assim como bacon em cubos, costela suína, carne-seca dessalgada em cubos e linguiça calabresa. Especialmente nesse preparo, o produto da Pamplona faz toda a diferença, pois seu processo de defumação natural proporciona atributos diferenciados no que se refere ao aroma, cor, sabor acentuado e conservação dos alimentos. A sugestão é ideal para aquecer no inverno.

Confira o passo a passo abaixo:

Mungunzá com Costela Suína Temperada Pamplona

Ingredientes
• 2 xícaras (chá) de canjica amarela;
• 4 colheres (sopa) de óleo;
• 200g de bacon em cubos;
• 500g de Costela Suína Temperada Pamplona em pedaços;
• 300g de carne-seca dessalgada em cubos;
• 2 folhas de louro;
• 7 xícaras (chá) de água morna;
• 1 gomo de linguiça calabresa em rodelas;
• 1 pimentão verde picado;
• 2 tomates sem sementes picados;
• 2 colheres (sopa) de coentro picado.

Modo de preparo
Coloque a canjica em uma vasilha, cubra com água e deixe de molho por 4 horas. Escorra e reserve.Em seguida, aqueça uma panela de pressão grande e adicione óleo. Frite o bacon, a Costela Suína Temperada Pamplona e a carne-seca por 5 minutos. Adicione a canjica, o louro e cubra com a água. Tampe e cozinhe por 25 minutos depois de iniciada a pressão.Desligue, deixe sair a pressão e abra a panela. Reserve. Aqueça uma panela com o óleo restante e frite a calabresa até dourar.Acrescente o pimentão, o tomate e o coentro e refogue por mais 2 minutos. Despeje na panela de pressão com a canjica e volte ao fogo baixo. Cozinhe por 10 minutos, mexendo algumas vezes. Sirva em seguida.

Foto: Stela Handa – Produtora Culinária: Maria Olinda Cabral

Rendimento: 8 porções
Tempo de preparo: 60 minutos

Fonte: Pamplona

Quatro motivos para não parar de tomar sorvete no inverno

Alimento completo, o sorvete é fonte de energia para o corpo quando possui mais indulgência e pode ser consumido em qualquer estação do ano

Provavelmente você deve ter crescido com a crença de que consumir sorvete no inverno faz mal para saúde, não? Mas na verdade, isso é um mito e esse alimento pode até ajudar a aumentar nosso sistema imunológico, ou seja, você não precisa se livrar dela mesmo quando as temperaturas estiverem mais baixas. Em países europeus com dias frios mais rigorosos, como a Suíça, o consumo de sorvete por chegar a 15 litros por ano, enquanto no Brasil é de apenas 5 litros em média – com maior consumo no verão.

Patricia Loyola, nutricionista da Sorvetes Rochinha, explica que, no inverno, a tendência é a escolha de produtos mais indulgentes, por conta das temperaturas mais baixas. Isso porque existe a necessidade do organismo em manter o corpo mais aquecido. “Naturalmente precisamos de mais energia e, por isso, preferimos sorvetes mais calóricos. O sorvete é um alimento que pode e deve ser consumido durante qualquer estação do ano como parte da nossa dieta, por ser fonte de várias vitaminas e minerais, além de proteína de alto valor biológico”, ressalta.

Confira alguns motivos para não deixar de tomar sorvete mesmo nos dias mais gelados.

1 – Sorvete não te deixa doente
É um fato que no inverno costumamos ficar mais resfriados ou gripados, mas isso não tem nada a ver com o sorvete. Os principais responsáveis por isso são os vírus e impurezas do ar. No frio costumamos ficar em lugares mais fechados, o que facilita o contágio de doenças entre pessoas. Portanto fique tranquilo e escolha seu sabor favorito para degustar sempre que quiser.

2 – Pode ser uma ótima combinação para sobremesas quentes
Uma boa pedida é combinar o sorvete com um pedaço de bolo, brownie e com o delicioso petit gateau. É possível complementar e abusar das caldas mais quentes que costumam deixar a sobremesa mais gostosa. O contraste do quente com o gelado pode te deixar com água na boca.

3 – Demora mais para derreter
Agora no inverno você pode aproveitar seu sorvete por muito mais tempo. Com as temperaturas mais baixas, ele derreterá lentamente, ou seja, você tem mais tempo para curtir cada sabor na boca.

4 – Sorvete é nutritivo
Os sorvetes feitos com produtos com mais saudabilidade também são nutritivos. Normalmente, no inverno optamos por sabores feitos à base de leite, quando consumidos de acordo com a dieta de cada um, é um alimento completo do proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas A, B1, B2, B6, C, D, E e K, além de cálcio, fósforo e outros minerais.

Uma boa escolha são os produtos à base de leite e que levam em sua receita o Cacau. A Sorvetes Rochinha, marca tradicional do litoral norte paulista – lançou três sabores de Cacau Bean To Bar em parceria com Instituto Auá. Os lançamentos exaltam o Cacau nacional produzido em dois estados: Bahia e Pará, nos sabores de Chocolate 70% da Bahia com nibs de cacau e Chocolate 71% do Pará e Chocolate 71% com Carimbó – sorvete de castanha do Pará com doce de Cupuaçu.

Foto: Diego Correa

Os produtos de massa estão disponíveis nas 23 lojas da marca em São Paulo – capital, litoral e interior – Paraná, Santa Cataria e Angra dos Reis (RJ). O cacau é o principal ingrediente do chocolate, obtido por meio de fermentação de suas sementes, que posteriormente são torradas e se transformam em barra. “É uma fruta riquíssima em polifenóis, que são potentes antioxidantes que ajudam na prevenção de doenças cardiovasculares, ou seja, têm uma função protetora às células devido a neutralização dos radicais livres, com capacidade de baixar a pressão arterial, aumentar o HDL e diminuir o LDL, por exemplo. Lembrando sempre que a alimentação deve ser balanceada”, explica a nutricionista Patrícia Loiola, da Sorvetes Rochinha.

Os sabores seguem a tendência Bean To Bar, ou seja, da colheita do fruto à transformação da amêndoa em chocolate. O processo é conduzido de maneira sustentável. A amêndoa do cacau tem manejo feito de maneira natural (colhidos com as mãos) e passam pelas etapas de colheita, quebra, transporte, fermentação, secagem natural e armazenamento até se tornar a barra na agroindústria.

Os chocolates escolhidos pela Sorvetes Rochinha são de dois microempreendedores parceiros do Instituto AUÁ: o Bahia Cacau – da Cooperativa de Ibicaraí – e Amazônia/Pará, dos Cacau River. “A Sorvetes Rochinha busca reforçar sustentabilidade como base da marca, valorizando a biodiversidade brasileira e fomentando o ecomercado – de quem planta e vende até a indústria, gerando emprego e renda para microprodutores”, explica Lupercio Moraes, CEO da marca.

Informações: Sorvetes Rochinha

Qual a relação do sistema imunológico e o tempo frio?

Quadros de doenças respiratórias são decorrentes das mudanças externas, como baixa umidade e ambientes pouco ventilados

A chegada do frio costuma ser marcada por quadros de espirros, coriza e tosse, decorrentes das mais variadas doenças respiratórias. Para os alérgicos, as mudanças bruscas de temperatura também afetam negativamente o organismo, causando, inclusive, dificuldade para respirar.

De acordo com Alberto Duarte, imunologista do Hcor, há evidências clínicas e laboratoriais indicando que a inalação de ar frio diminui a temperatura corpórea, causando estresse, com aumento dos níveis de mediadores metabólicos e diminuição de mediadores imunológicos, como as citocinas e imunoglobulinas, que pode resultar em vasoconstrição da mucosa respiratória e depressão do sistema imunológico.

“Essas alterações podem ser responsáveis por uma maior suscetibilidade a infecções durante o período de inverno, quando as pessoas são submetidas, às vezes, a baixas temperaturas”, explica.

De acordo com Duarte, a imunidade dos adultos é beneficiada com hábitos saudáveis. Portanto, adotar a prática regular de atividades físicas e uma alimentação balanceada, além de investir em boas noites de sono, costumam ser boas estratégias para se manter longe de determinados diagnósticos.

O frio e nosso sistema respiratório

Segundo o pneumologista do Hcor, Carlos Carvalho, nosso organismo reage de acordo com a temperatura e com o clima. “Quando as vias respiratórias são atingidas por um ar mais seco e frio, há uma piora do sistema respiratório. Isso ocorre porque há redução na produção de muco eliminado pelas glândulas das vias aéreas, na qual existem enzimas e anticorpos protetores. Com o frio, o transporte do muco das vias aéreas inferiores para as superiores fica comprometido e faz com que as doenças respiratórias se proliferem com maior facilidade”, explica.

Para se manter protegido de vírus e bactérias que afetam a respiração, o especialista indica algumas atitudes simples e eficazes para ultrapassarmos as estações frias sem infecções ou problemas respiratórios, tais como:

Pixabay

=Não se expor desprotegido a baixas temperaturas, evitando inclusive choques térmicos;
=Manter os ambientes arejados, a fim de minimizar a concentração de vírus e bactérias;
=Evitar aglomerações ou ambientes fechados com um grande número de pessoas;


=Higienizar bem as mãos com água e sabão ou álcool em gel;
=Evitar o contato com pessoas gripadas;


=Manter-se hidratado, já que o aumento de doenças respiratórias também tem relação com o tempo seco e a alta concentração de poluentes na atmosfera.

Outro ponto para o qual o médico chama atenção é a aplicação da vacina da gripe – estendida recentemente pelo Ministério da Saúde para toda a população.

Fonte: HCor

Nivea oferece produtos para uma hidratação profunda da pele neste inverno

A marca, número 1 em cuidados com a pele, reforça sua linha de hidratantes corporais como fundamentais para se sentir bem, além de garantir hidratação por 48 horas

Sim, já sabemos que o inverno deixa a pele muito mais ressecada que o normal! O corpo, na maioria das vezes, fica coberto com várias peças de roupas e acabamos esquecendo de cuidar do nosso bem mais precioso: a pele.

A Nivea faz um convite para retomar a rotina de hidratação corporal após o banho e traz seus hidratantes corporais best-sellers como protagonistas na estação mais fria do ano.

O dia a dia por si só já provoca muitas alterações na pele. Mudanças de clima, como as caídas bruscas de temperatura e até mesmo o nosso estado emocional, são alterações significativas que acabam impactando na pele. O prazer de, ao fim do dia, tomar um banho relaxante faz parte do que a NIVEA acredita para se sentir bem e renovar as energias para as tarefas que estão por vir.

Aliar o banho à hidratação corporal é uma prática que, além de favorecer o autocuidado, promove também a sensação única de acolhimento e bem estar físico e emocional. Com a pele ressecada, sentimos “repuxar” e nem sempre sabemos o quanto é simples acabar com esse desconforto em poucos minutos.

A linha de hidratantes corporais Nivea oferece imediatamente um toque sedoso, hidratação com maciez prolongada e aconchegante. A fragrância icônica da marca, completa o ritual de cuidado, principalmente nos dias de baixas temperaturas.

Os produtos

A linha de hidratantes corporais possui três versões: a Loção deo-Hidratante Nivea Milk, Soft Milk e Lotion Express. Elas definitivamente não podem faltar na sua casa. Todas possuem hidratação por 48h, mas algumas particularidades que você poderá escolher de acordo com sua pele:

A Loção deo-Hidratante Nivea Milk traz a queridíssima fragrância icônica de Nivea , além de proporcionar uma hidratação intensa ao longo de 48 horas. Sua fórmula age instantaneamente e foi desenvolvida para a pele seca e extrasseca, com óleo de amêndoas e complexo de hidratação Nivea. Esses componentes hidratam, desodorizam e proporcionam um intensivo cuidado diário, deixando a pele visivelmente macia e sedosa.

A Loção deo-Hidratante Soft Milk possui 48 horas de hidratação e ingredientes cuidadosamente selecionados, incluindo manteiga de karité, que protege a pele contra o ressecamento, deixando-a desodorizada e com uma sensação de suavidade. Indicado para peles secas.

A Loção deo-hidratante corporal Lotion Express tem dentre seus muitos benefícios a textura ultraleve, que garante uma absorção imediata, 48 horas de hidratação, uma fórmula enriquecida com minerais do mar e atende a todos os tipos de pele.

Informações: Nivea

Inverno exige atenção com os olhos

Oftalmologista alerta da importância de não se esquecer dos cuidados com a saúde ocular na estação mais fria do ano. Especialmente por conta da diminuição de umidade do ambiente e da exposição ao vento, as conjuntivites alérgicas, virais e a síndrome do olho seco são os problemas que mais se intensificam.

A estação mais fria está apenas começando e junto dela, o ar seco, um já conhecido vilão da saúde. A maioria das pessoas acaba focando e preocupando-se exclusivamente com os problemas respiratórios e com a famosa gripe. Essa tendência é ainda mais forte em tempos de Covid-19. Não que seja errado, mas, por outro lado, faz com que problemas dermatológicos e as doenças oculares fiquem, muitas vezes, em segundo plano.

Segundo Anelise Nomura, oftalmologista e diretora médica da Alpha Diagnose, as complicações oculares no inverno podem ser tão delicadas quanto as de cunho respiratório e precisam ser tratadas. As conjuntivites alérgicas, virais e a síndrome do olho seco são as doenças com mais chances de intensificarem-se na estação mais fria do ano.

Seus maiores vilões são a baixa umidade do ar e, consequentemente, o clima seco. Tanto que as doenças oculares no inverno tem maior incidência em regiões mais frias, como no sul do país. Isso ocorre porque, além de provocar maior concentração de poluentes – agentes que prejudicam sensivelmente a saúde visual -, esses dois fatores também contribuem para a evaporação da camada aquosa da lágrima. O resultado é a diminuição da lubrificação natural de nossos olhos.

A síndrome do olho seco, por exemplo, tem como sintoma o olho vermelho e irritação ocular, exatamente pela falta de lubrificação. No caso da conjuntivite alérgica, ela pode vir simulando ou mesmo mascarando uma conjuntivite viral, que é transmissível, demandando assim um tratamento diferenciado, como o isolamento do paciente. Pacientes que sofrem de rinite alérgica e sinusite crônica ou que coçam muito o nariz, tendem a ter uma alteração mais importante de conjuntivite alérgica, por isso devem redobrar o cuidado.

“Como as demais doenças oculares, se não tratadas no tempo certo essas patologias podem causar consequências, como a evolução para uma conjuntivite mais crônica, de difícil tratamento. Já o olho seco, por exemplo, pode levar à incidência de uma úlcera corneana”, explica a oftalmologista.

O tratamento depende do diagnóstico feito pelo oftalmologista, das causas e da gravidade, sempre olhando individualmente. Porém, no caso da síndrome do olho seco, saber o fato motivador é bem importante. Pois, existem situações em que a causa é reumatológica, em outras por conta de um pós-operatório e, claro, em decorrência do tempo seco. Na maioria das vezes, o tratamento é feito com a aplicação de um colírio lubrificante, prescrito pelo médico conforme a necessidade do paciente.

O mesmo vale para a conjuntivite alérgica, que além do tempo, pode ter como causa, ácaro, pólen, entre outros. O uso do colírio antialérgico é a indicação mais comum, mas em algumas situações é necessário um tratamento sistêmico com o otorrino.

“É bem importante lembrarmos que, como em tudo em nossa saúde, a prevenção é o melhor remédio. Mas, quando elas acontecem, procurar um oftalmologista é a saída mais segura, especialmente, para evitar confusão do diagnóstico, já que os sintomas são os mesmos em variadas situações. Outra dica importante, que ajuda a prevenir não somente as doenças oculares comuns no inverno, mas também outras, como a própria Covid-19, é não colocar as mãos nos olhos e lavá-las sempre antes de qualquer contato com a região ocular”, enfatiza.

Fonte: Alpha Diagnose

Papila Deli incorpora sopas no menu e promove arrecadação de agasalhos e cobertores

Com foco no inverno, em parceria com a Cruz Vermelha São Paulo dark kitchen amplia o cardápio com opções quentes e promete dobrar o valor que for arrecadado até o final da estação

A foodtech Papila Deli ampliou o portfólio do menu Papila Fresh e lançou 3 sopas neste inverno: sopa de cogumelo, sopa de couve-flor e canja de galinha. Feitos com ingredientes premium, as sopas estão disponíveis todos os dias da semana, tanto no almoço quanto no jantar, e custam a partir de R$ 25,90.

O destaque vai para a sopa de cogumelo, uma combinação que inclui funghi, creme de leite, cebola, caldo de legumes, azeite trufado e queijo parmesão. O cliente também pode escolher, por um pequeno custo, adicionais como chips de mandioquinha, nori e massa de guioza frita com páprica.

“Nossa intenção é ter as sopas como produtos sazonais, típicos do inverno, mas dependendo da aceitação do público, podemos até criar novos sabores e estender por mais tempo”, explica o chef Antonio Mendes, que assina todas as culinárias da casa.

Engajamento nas causas sociais também faz do cardápio da Papila Deli

Além das novidades do cardápio, a dark kitchen se juntou à Cruz Vermelha São Paulo para arrecadar doações para a Campanha do Agasalho 2021. Ao fazer qualquer pedido, o consumidor pode doar a partir de R$ 5,00 e, ao final do período de arrecadação, previsto para 31 de Agosto, a Papila Deli irá dobrar o valor, aumentando o impacto positivo junto às pessoas em situação de vulnerabilidade social. O valor será integralmente utilizado para a compra de cobertores e agasalhos.

“Temos uma relação muito próxima com nossos clientes e estamos somando esforços para fazer o bem. Essa ação reforça nosso compromisso social e todas as partes envolvidas se beneficiam. Queremos cada vez mais nos engajar em causas como essa”, completa Alex Lewkowicz, um dos sócios da Papila Deli.

Papila Deli – Todos os dias, das 11h às 22h46

Depressão sazonal de inverno pode afetar o humor

Neuropsicóloga explica que o clima pode provocar alterações nos níveis de serotonina, comprometendo a saúde mental

A Depressão Sazonal de Inverno, ou Transtorno Afetivo Sazonal, é um tipo de depressão maior que aparece no outono e inverno. Embora atinja homens e mulheres, sua prevalência é maior na população feminina. A condição costuma ocorrer com maior frequência em países cuja estação gelada é mais intensa, com clima extremamente frio e úmido, onde há menos luz solar e dias mais curtos.

Segundo explica a neuropsicóloga da Clínica Maia, Katherine M. De Paula Machado, a falta de luz é o fator mais importante para o desenvolvimento desse tipo de depressão, porque interfere no ritmo circadiano (ciclo biológico relacionado ao sono) podendo causar alterações nos níveis de serotonina, um neurotransmissor e neuromodulador essencial, afetando o humor. Também interfere na produção de melatonina, hormônio secretado pelo cérebro durante a noite, que também possui um papel determinante no sistema circadiano.

“Com a diminuição da luz solar no inverno, as pessoas permanecem no padrão noturno, o que causa sonolência, cansaço, irritação, tristeza e fome maior do que o normal. Além disso, a ausência do sol atrapalha a fixação da vitamina D, que atua na produção de hormônios que ajudam a combater a depressão”, destaca.

Contudo, a especialista ressalta que mesmo com as alterações do clima, o nosso relógio biológico está programado para se adaptar às mudanças inerentes às estações do ano. Mas o que acontece é que pessoas que desenvolvem a depressão sazonal são justamente aquelas que têm dificuldade em se ajustar a essas transformações climáticas.

“Diagnosticamos esse padrão sazonal se houver recorrência do episódio depressivo numa altura específica do ano, assim como a sua remissão completa após a estação. Em outras palavras, nesse tipo de depressão, assim que o clima frio vai embora, ela vai junto com ele”, esclarece Katherine.

Então, se houver sintomas que aparecem sempre em um determinado período do ano, como humor depressivo, irritabilidade, ansiedade, diminuição da libido, baixa autoestima, desconcentração, sentimentos de culpa, fadiga, insônia ou sonolência excessiva, alteração no padrão alimentar (principalmente compulsão alimentar), no peso (normalmente aumento de peso), ideias de morte ou de suicídio é um sinal de alerta.

“Esses sintomas surgem no outono/inverno e desaparecem na primavera. E se a doença não for devidamente diagnosticada e controlada, a evolução desses sinais pode trazer uma condição bastante debilitante ao paciente e, nesses casos, a remissão dos sintomas na estação seguinte se torna parcial. Ou seja, em parte, o problema deixa de ser sazonal devido ao agravamento do quadro”, aponta a neuropsicóloga.

Portanto, o tratamento, que é individualizado, é importantíssimo, ele conta com recursos variados que vão desde o uso de medicamentos, até dieta, técnicas de relaxamento e atividade física, usados isoladamente ou em combinação. Outra ferramenta eficaz e bastante utilizada é a fototerapia (tratamento com luz artificial).

Assim como em outros tipos de depressão, a psicoterapia também é um forte recurso terapêutico utilizado no controle da doença, visando o bem-estar e a qualidade de vida do paciente. Ela previne, muitas vezes, a recaída da doença, principalmente quando associada à fototerapia.

“É que a fototerapia contempla as vulnerabilidades fisiológicas do paciente, e a psicoterapia, por sua vez, foca nas questões emocionais, como pensamentos, comportamentos disfuncionais ou reatividade ao clima. E, assim sendo, é importante entender que ter um bom diagnóstico é fundamental, então, se preciso, não hesite, busque ajuda”, completa a profissional.

Fonte: Clínica Maia