Arquivo da tag: José Antônio Veiga Sanhudo

Obesidade pode levar à incapacidade funcional dos pés e tornozelos

ABTPé lista principais problemas que excesso de peso pode causar aos membros inferiores

Uma análise dos dados de mortalidade da Covid-19 feita pela Federação Mundial de Obesidade divulgada neste mês (marcado pelo Dia Mundial da Obesidade, celebrado em 4 de março), apontou que as taxas de mortalidade foram dez vezes maiores em países onde mais de 50% da população está acima do peso.

A obesidade é uma doença crônica que aumenta o risco para o desenvolvimento de diversos problemas sistêmicos, incluindo nos membros inferiores. “A obesidade pode levar a incapacidade funcional dos pés e tornozelos, pois pela sua posição anatômica, eles sustentam praticamente todo o peso do corpo e, no caso de obesidade, a sobrecarga é muito maior”, pontua o presidente da Associação Brasileira de Cirurgia e Medicina do Tornozelo e Pé (ABTPé), José Antônio Veiga Sanhudo.

O especialista fala que não é raro as pessoas obesas apresentarem problemas nos pés por lesões decorrentes da sobrecarga. As queixas mais comuns são dores e limitações das atividades esportivas ou mesmo cotidianas, o que leva ao sedentarismo e dificulta a perda de peso. “A obesidade e os problemas ortopédicos acabam criando um ciclo vicioso”, salienta.

O excesso de peso é uma das principais causas de fascite plantar, um processo inflamatório ou degenerativo que afeta uma membrana de tecido conjuntivo fibroso na planta do pé. “Dor intensa no calcanhar é o principal sinal da fascite plantar e tipicamente ela é mais intensa nos primeiros passos pela manhã, ou após ficar algum tempo em repouso. Pela sua posição anatômica e pela alta demanda desta estrutura durante a marcha, a recuperação desta lesão costuma ser lenta”, explica Sanhudo.

O excesso de peso está associado também à degeneração acelerada da cartilagem articular, a chamada artrose, que é nos obesos habitualmente mais comum nos membros inferiores que sustentam o peso do corpo, explica o médico. Doenças inflamatórias ou degenerativas dos tendões dos membros inferiores também são mais comuns em pacientes com sobrepeso, pois o esforço destas estruturas é muito maior.

“Por isso, é importante tentar equilibrar a balança, seja para facilitar o tratamento quando o problema já se instalou, seja para prevenção”, aconselha o médico.

Fonte: ABTPé

Uso excessivo de chinelos e rasteirinha pode causar lesões

Calçados não oferecem proteção e estabilidade adequadas, explica especialista da ABTPé

Chinelos e rasteirinhas são os protagonistas na composição de muitos looks de verão, mas o uso desses calçados requer moderação, uma vez que eles pecam no quesito absorção de impacto e aumentam o risco de algumas lesões, explica o presidente da ABTPé (Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé), José Antonio Veiga Sanhudo.

Os chinelos, por exemplo, são compostos por apenas uma sola fina, plana, habitualmente rígida e sem suporte do arco longitudinal medial, e a fixação ao pé se dá por meio de uma tira somente, ou seja, amortecimento e estabilidade precários para uma estrutura composta por 28 ossos, 32 articulações e aproximadamente 100 músculos, tendões e ligamentos.

“O risco de torções com estes calçados também é maior, já que o chinelo não oferece nenhuma estabilidade para a região do calcanhar e tornozelo. Outro ponto importante para se observar é que a falta de proteção ao redor do pé aumenta o risco de traumas diretos, como arranhões e dedos quebrados”, salienta o presidente da ABTPé.

O uso prolongado de calçados baixos, como chinelos e rasteirinhas, é especialmente arriscado para mulheres que têm o hábito de andar de salto alto. A mudança de posição dos pés, descendo do salto, aumenta a tensão nas estruturas posteriores, especialmente o tendão de Aquiles e a fáscia plantar, e pode levar ao aparecimento de lesões nestas estruturas. “Por isso, caminhadas na praia ou na orla devem ser precedidas e seguidas de alongamento, e o melhor é sempre usar tênis para diminuir a transmissão do impacto”, ressalta o médico.

Queridinha das mulheres no verão, o uso prolongado de rasteirinha está associado ao desenvolvimento da fascite plantar, um processo inflamatório ou degenerativo que afeta uma membrana de tecido conjuntivo fibroso, que recobre a musculatura da sola do pé, desde o osso calcâneo até a base dos dedos dos pés, a fáscia plantar. Esta estrutura auxilia na manutenção da curvatura do pé, graças à sua posição anatômica.

“Com a rasteirinha, ocorre um aumento na tensão da fascia plantar, o peso do corpo fica concentrado no calcanhar, e associado a baixa proteção de impacto o aparecimento de lesões por sobrecarga se torna mais frequente”, fala o especialista.

Dor intensa debaixo do pé, perto do calcanhar, é o principal sinal da fascite plantar e tipicamente ela é mais intensa nos primeiros passos pela manhã, ou após ficar algum tempo na posição sentada. A recuperação desta lesão costuma ser lenta. O tratamento é realizado por meio de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos, uso de palmilhas, fisioterapia e alongamento, que pode ser realizado em casa, desde que haja orientação médica.

Fonte: ABTPé

Isolamento social aumenta índice de acidentes domésticos

Tarefas rotineiras e até brincadeiras do Tik Tok podem causar lesões; ABTPé ressalta cuidados

mulher dor pe acidente casa sofá

Com o isolamento social em decorrência da pandemia da Covid-19, o registro de acidentes domésticos tem aumentado – estatísticas demonstram que houve um crescimento de cerca de 30% dos casos. Durante esse período, é natural que as pessoas procurem atividades dentro de casa para ocupar o tempo, como realizar pequenas mudanças ou reformas, arrumar objetos em móveis, praticar atividades físicas e aderir a brincadeiras da internet para se distrair, mas é preciso cuidado para não se machucar.

Na Inglaterra, por exemplo, em abril, uma jovem de 27 anos machucou seriamente os dois pés participando de um desafio de dança viral do Tik Tok. Nele, as pessoas devem ficar frente a frente e precisam bater com os pés juntos em diferentes combinações enquanto dançam ao som de uma música. Além de gesso em um pé e uma bota imobilizadora no outro, ela ainda corre o risco de precisar passar por uma cirurgia para reparar as lesões.

O presidente da ABTPé (Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé),  José Antônio Veiga Sanhudo, alerta que é preciso cautela com os virais da internet. “É preciso tomar muito cuidado ao tentar imitar os desafios e brincadeiras lançados na internet, pois o que era para ser diversão pode acabar em lesões que, dependendo da situação, podem deixar sequelas”.

muler perna quebrada enfaixada

Com relação aos acidentes em atividades rotineiras, o Diretor da Regional São Paulo da ABTPé, Danilo Ryuko Cândido Nishikawa, ressalta que queda de altura (escada, cadeiras, cama) e acidentes por instrumentos perfurocortantes (vidro, faca, serra, prego) acabam se tornando mais frequentes. “É preciso ficar atento, pois as quedas de altura podem causar lesões simples, como leves entorses do tornozelo, ou fraturas graves da tíbia, fíbula, calcâneo e metatarsos, que necessitem de tratamento cirúrgico”, explica.

“A maior frequência do manuseio de instrumentos de cozinha ou de construção pode causar lesões nos tendões, nervos e vasos sanguíneos da mão, levando a consequências graves”, completa.

Crianças e idosos

idoso e criança

As crianças e os idosos exigem atenção e cuidados redobrados dentro de casa, onde situações corriqueiras se transformam em grandes armadilhas. No caso do público infantil, com o confinamento, as crianças ficam mais agitadas e passam a explorar novos lugares na casa, colocando-se em risco.

“A casa se torna o playground, o parque e a quadra de esportes. Com isso, podem ocorrer desde lesões menores, como imprensar o dedo nas portas e pequenas contusões, até fraturas do fêmur, tornozelo, cotovelo, mão e punho. Ficar de olho é a principal medida para protegê-las”, destaca Sanhudo.

No fim de março deste ano, uma criança do Rio Grande do Sul rasgou o pé, depois de bater em um copo de vidro que estava no criado mudo. A garotinha de quatro anos estava tentando plantar bananeira, seguida de uma cambalhota em cima da cama dos pais.

Cuidados importantes com esse público incluem:

stocksy united criancas pulando na cama
Stocksy United

-colocação de protetores de quina nos móveis,
-grades ou telas nos berços,
-brincadeiras que envolvam corrida e pulos em móveis, camas e sofás, principalmente quando próximas às janelas, devem ser evitadas.

Já os idosos, pelo avanço da idade, apresentam fraqueza muscular, piora do equilíbrio e fragilidade óssea, sendo mais suscetíveis a quedas dentro de casa, que podem ocasionar em fraturas do fêmur, punho e ombro.

idoso alzheimer cuidadora pixabay

“É importante evitar tapetes e objetos pelo chão da casa, isolar pisos escorregadios, manter os ambientes iluminados e não subir em bancos, cadeiras ou escadas”, salienta Nishikawa. “Em caso de acidente, não hesite em procurar o pronto-socorro ortopédico”, conclui.

Fonte: ABTPé

Torção de tornozelo pode causar danos para a vida toda

Pelo menos 10% das lesões evoluem com sequelas; ABTPé fala sobre a importância do tratamento

Quem nunca sofreu uma torção no tornozelo? É estimado que a cada 25 anos de vida, uma pessoa percorra o equivalente a uma volta ao mundo a pé. Sendo assim, a chance de pisar em falso em uma caminhada não é pequena. Na prática esportiva, então, a entorse, como também é chamado, é muito comum e considerada o motivo mais frequente para atendimentos emergenciais.

A maioria das pessoas considera a torção um problema sem consequências e logo volta às atividades normais, mas o fato é que a entorse do tornozelo pode ser uma lesão grave e deixar sintomas para o resto da vida, como explica o presidente da ABTPé (Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé), José Antônio Veiga Sanhudo. “Estima-se que pelo menos 10% dessas lesões evoluam com sequelas, especialmente quando o tratamento é negligenciado”, ressalta.

O tornozelo é a base do corpo e, ao torcê-lo, o ideal é passar por consulta com um especialista para uma avaliação correta da gravidade da lesão. “O médico vai avaliar a necessidade de exames complementares, como radiografias, para descartar fraturas e, eventualmente, ressonância nuclear magnética para quantificar a extensão da lesão ligamentar, a possibilidade de lesão tendinosa e/ou de cartilagem associadas”, explica Sanhudo.

Graus da torção

-stock-photo TORCER TORNOZELO
Stock Photo

Quando uma entorse de tornozelo acontece, um ou mais ligamentos no lado interno ou externo (mais comumente) sofreram estiramento, ruptura parcial ou ruptura total.

A gravidade da lesão varia de acordo com o grau de ruptura das estruturas ligamentares e é classificado de I a III.

Grau I – leve (distensão): ligeiro estiramento dos ligamentos, com formação de edema e presença de dor.

Grau II – moderado: ruptura parcial dos ligamentos e instabilidade da articulação, com presença de edema e rigidez na movimentação. Dor de intensidade moderada.

Grau III – grave: ruptura total dos ligamentos e muita instabilidade no pé, com grande dificuldade para manter-se em pé e dor intensa.

“A entorse do tornozelo compreende graus variados de lesão ligamentar, que via de regra cicatrizam bem, mas que se não imobilizadas e supervisionadas por um especialista, muitas vezes cicatrizam alongadas, sem a tensão adequada, o que, na maioria das vezes, provoca instabilidade articular, com perda da segurança, falseios e entorses de repetição”, fala o presidente da ABTPé.

Dependendo do grau de instabilidade e sintomas residuais, uma cirurgia para reparo ligamentar pode ser necessária. A causa mais comum desse desfecho é o tratamento inadequado. “Muitas entorses são tratadas sem orientação médica adequada e o indivíduo acha que ficou curado até notar que o seu tornozelo não é mais o mesmo”, salienta o especialista.

“O tratamento da lesão, que outrora envolvia longos períodos com bota gessada, hoje é, na maioria das vezes, realizado de forma funcional com imobilizações elásticas que bloqueiam alguns movimentos, mas permitem a deambulação com uso de calçados regulares”, conclui Sanhudo. A duração do tratamento é de 6 a 12 semanas, habitualmente e, quase sempre, envolve uma fase inicial de imobilização funcional – como explicado pelo especialista, seguida de reabilitação.

Entorse-do-tornozelo

Fonte: ABTPé