Arquivo da tag: laticinios

Saiba como aliviar os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável

Presente em até 20% da população, desordem afeta a qualidade de vida e pode ser tratada com ajustes na alimentação

A Síndrome do Intestino Irritável (SII) está presente na vida de até 20% da população adulta brasileira, mas muitas pessoas ainda vivem com o desconforto sem serem diagnosticadas. Com sintomas que incluem dores, inchaço abdominal e episódios intercalados de constipação e diarreia, o distúrbio não é considerado uma doença, mas traz perda na qualidade de vida.

“A síndrome causa uma desordem funcional no intestino, mas não provoca nenhuma alteração ou lesão que possa ser detectada em exames. É mais comum em mulheres e pode estar diretamente relacionada a momentos de estresse emocional. E embora não haja nenhum exame para comprovar a SII, é preciso procurar o médico para excluir a possibilidade de outras doenças”, explica a nutricionista ortomolecular Claudia Luz, da Via Farma.

Após feito o diagnóstico por eliminação, é possível amenizar os sintomas e melhorar a qualidade de vida por meio de algumas mudanças nos hábitos, principalmente na alimentação. “Já que a síndrome também pode ser agravada por gatilhos emocionais, em alguns casos também são indicadas abordagens terapêuticas para aliviar o estresse e a ansiedade, além de acompanhamento psicológico”, pontua a nutricionista.

Cuidados essenciais

As causas da Síndrome do Intestino Irritável ainda não são completamente esclarecidas, mas acredita-se que sua origem seja multifatorial. “Além da alimentação e da questão emocional, a desordem também pode estar ligada a fatores genéticos e desequilíbrios na flora intestinal” explica Claudia. Por isso, o tratamento adequado deve contar com um acompanhamento multidisciplinar, que inclua o médico e também o nutricionista.

A mudança da alimentação é um dos fatores mais importantes, já que algumas escolhas na hora das refeições podem piorar os sintomas. “Estudos têm mostrado que dietas ricas em alimentos altamente fermentáveis, conhecidos no meio científico como FODMAPs, trazem pioras significativas nos quadros de SII. Por isso, uma das estratégias nutricionais indicadas é justamente reduzir o consumo desses alimentos”, diz Claudia.

O grupo dos FODMAPs é grande, e inclui desde alguns tipos de frutas até leite e derivados, leguminosas e carboidratos. De acordo com a especialista, a dieta para reduzir o consumo desses alimentos pode amenizar as crises intestinais, mas não deve ser feita por muito tempo e precisa do acompanhamento de um nutricionista.

Dentro do plano alimentar, é preciso priorizar as opções naturais, dando atenção especial à hidratação ao longo do dia. E na hora de temperar os preparos, também é importante dar preferência aos condimentos naturais, já que as versões industrializadas podem ser prejudiciais para a saúde do intestino e do organismo como um todo. Para potencializar os resultados de uma alimentação balanceada, a suplementação de probióticos também pode ser indicada pelo nutricionista e desenvolvida de forma personalizada em farmácias de manipulação.

“O uso desse tipo de nutracêutico é muito eficaz no reequilíbrio da flora intestinal e no alívio de dores, distensões, constipação e diarreia. A cepa Saccharomyces cerevisiae (Bowell), por exemplo, conta com estudos que apontam a melhora dos sintomas nos primeiros 15 dias de uso”, finaliza Claudia.

Fonte: Via Farma

Alimentos que contribuem com a microbiota intestinal

Alimentação é parte essencial dos cuidados com a saúde do intestino

Sabemos que a alimentação é parte essencial dos cuidados com a saúde do intestino. Portanto, vale uma reflexão importante sobre a maneira como nos alimentamos no nosso dia a dia. Afinal, o que colocamos no prato pode influenciar diretamente na saúde, bem-estar e fazer com que escolhas saudáveis virem parte da nossa rotina, como um passo importante para a prevenção de inúmeras doenças.

Um dos órgãos em que a alimentação afeta o funcionamento e eficácia é o intestino, delgado e o grosso. Dentro dele, um conjunto colonizado de bactérias, vírus e outros conjuntos de microrganismos, chamado de microbiota intestinal (conhecida também como flora intestinal), ajuda o corpo a garantir defesas naturais, fortalecendo a imunidade e evitando que as bactérias patogênicas se proliferem.

Além disso, para manter a saúde da microbiota em dia, alguns alimentos são aliados, por conterem nutrientes e outros componentes que o corpo humano irá absorver. Confira a seguir seis deles:

Iogurtes: os alimentos fermentados, como é o caso do iogurte, são ricos em bactérias que contém o ácido láctico. De acordo com um estudo de revisão publicado no periódico Journal of Translational Medicine, esse alimento possui uma fonte de microrganismos ingeríveis que podem regular, de forma benéfica, a saúde intestinal e até mesmo tratar ou prevenir doenças inflamatórias intestinais.

Laticínios: assim como o iogurte, alimentos como leite, queijos e outros derivados são capazes de ajudar a microbiota intestinal por meio das bactérias do ácido láctico. O leite fermentado, por exemplo, é fonte de Bifidobacterium e de Lactobacillus, fontes de probióticos naturais que podem regular o funcionamento do intestino.

Ervilha: fonte de proteínas de origem vegetal, a ervilha é uma leguminosa bastante usada em saladas, ensopados e sopas. Seu consumo, de acordo com um estudo de revisão publicado pelo Nutrients, também pode estar associado ao aumento de probióticos como Bifidobacterium e de Lactobacillus intestinais, além de diminuir a concentração de bactérias patogênicas.

Getty Images

Soja: alimento produzido em grandes quantidades no Brasil, a soja é um grão que pode ajudar no aumento de micro-organismos importante para a colonização da microbiota intestinal, como Bifidobacterium, Clostridiales e Deferribacteraceae. Para os cientistas, o seu potencial benéfico está em um composto natural presente no próprio alimento, chamado de isoflavona, que contrabalanceia os efeitos prejudiciais de outras fontes alimentares com a da soja.

Maçã: de acordo com uma pesquisa publicada pelo International Journal of Biological Macromolecules, a maçã é uma fruta rica em polissacarídeos com potencial efeito de equilibrar os microrganismos da microbiota intestinal, funcionando como um probiótico natural e aumentando a quantidade de bactérias benéficas para a saúde do intestino.

LuminiIslandWild

Peixes: o atum e outras espécies de peixes mais gordurosos são ricos em ácidos graxos importantes para consumo, como o ômega 3. Esses ácidos não são sintetizados pelo corpo humano e, por isso, precisam ser consumidos em uma dieta equilibrada. Eles podem exercer uma ação positiva na microbiota intestinal, restaurando-a e aumentando a produção de compostos anti-inflamatórios para a prevenção de doenças.

Cultive seu melhor

Com o slogan “Cultive Seu Melhor”, Culturelle Probiótico chega às farmácias de todo o Brasil com um portfólio amplo, atendendo às necessidades de homens e mulheres adultos, gestantes e crianças, com recomendação para uso diário. Essa é a marca de probiótico mais prescrita por pediatras e a mais recomendada por farmacêuticos nos Estados Unidos, sendo a de maior confiança do consumidor no mercado americano.

Para adultos, Culturelle Probiótico Saúde Digestiva tem apresentações de 10 e 30 cápsulas vegetais com 10 bilhões de culturas ativas (UFC) de origem natural, sem glúten e livre de lactose e açúcar, com recomendação de uso de 1 cápsula ao dia. Preço sugerido: R$ 63,99 para 10 cápsulas e R$159,99 para 30 cápsulas

Para crianças a partir de 1 ano de idade, a marca lança inicialmente Culturelle Probiótico Junior em 2 apresentações, sachês e comprimidos mastigáveis. A apresentação recomendada a partir de 1 ano de idade vem com 6 sachês unitários e 5 bilhões de culturas ativas (UFC). Pode ser adicionada em alimentos e bebidas para consumo. Preço Sugerido: R$ 32,29

Já a apresentação em 10 comprimidos mastigáveis é indicada para crianças a partir de 3 anos de idade e também vem com 5 bilhões de culturas ativas (UFC). Preço Sugerido: R$ 50,99

Fonte: Cellera Farma

Conheça a alimentação ideal para quem quer ganhar massa muscular

Além dos exercícios físicos, a dieta é um dos pilares para garantir a manutenção dos músculos

Para grande parte das pessoas que dedicam um tempo à prática de atividade física, visitando a academia e incluindo hábitos saudáveis na rotina, um dos principais objetivos é a obtenção da massa magra, importante não só para o desempenho atlético ou a estética, mas auxilia na manutenção de uma vida saudável a longo prazo. A massa magra consiste em tudo aquilo que não for gordura no corpo, incluindo massa muscular, pele, órgãos, entre outros.

A massa muscular vai além do corpo sarado, sendo fundamental para a saúde a longo prazo. Entre os principais benefícios está o combate a doenças, o fortalecimento dos ossos, a prevenção contra a resistência à insulina, entre outros. Além de uma rotina saudável e voltada para a criação de massa muscular, com uma sequência de treino pensada com este objetivo, a alimentação tem uma grande influência na formação e manutenção dos músculos do corpo.

Antes de definir uma dieta, é essencial visitar um médico especialista, como um nutricionista, para garantir que a alimentação diária irá suprir todas as necessidades energéticas. Além disso, conversando com um profissional, é possível encontrar a necessidade ou receber a recomendação correta do uso de suplementos alimentares, como o Whey Isolado, definindo a dose indicada para consumo e as possíveis causas da necessidade por trás do uso, caso a questão seja relacionada a algum problema de absorção de nutrientes, por exemplo. Confira os alimentos mais indicados para quem quer desenvolver massa muscular.

=Frango, carne e peixes
Esses alimentos são ricos em proteína e ferro, nutrientes que estimulam a hipertrofia, que consiste no crescimento dos músculos. Eles também colaboram para aumentar a quantidade de oxigênio nos músculos, importante para evitar a fadiga muscular. Além disso, peixes como salmão e atum são ricos em ômega 3, que garante o bom funcionamento do cérebro, ajuda na recuperação muscular e previne a inflamação, que pode gerar dores.

=Oleaginosas
Castanhas, nozes, amendoim, semente de linhaça e outras oleaginosas são uma boa fonte de vitaminas do complexo B, grupo importante para fortalecer o sistema imunológico, ajudando também na melhoria das funções cerebrais, redução na degeneração de cartilagens e alívio de dores musculares, que podem aparecer em decorrência do exercício físico.

=Abacate
O abacate é uma fonte de gordura boa que ajuda a reduzir o acúmulo de gordura presente no corpo e facilita o aumento de calorias na dieta para ganhar massa muscular. Ele é rico também em vitaminas do complexo B, K e C, além de potássio e cobre, conjunto que ajuda na perda de peso, no fortalecimento dos ossos e colaborando para a diminuição da pressão arterial.

=Derivados do leite
Inserir na dieta leite, iogurte e queijos é essencial para permitir o crescimento muscular por serem ótimas fontes de proteína, cálcio, fósforo e magnésio, também ajudando a estimular a contração muscular, garantindo um treino com maior rendimento. Além disso, alimentos desse tipo aumentam as calorias na dieta, o que colabora para o aumento dos músculos quando combinados com uma rotina de exercícios apropriada.

Fonte: Growth Supplements

 

Leite pode melhorar a saúde, mas não é bom para todo mundo

O leite é apreciado em todo o mundo há milhares de anos. Por definição, é um fluido rico em nutrientes que as fêmeas mamíferas produzem para alimentar seus filhotes. Os tipos mais consumidos são de vacas, ovelhas e cabras. Os países ocidentais bebem o leite de vaca com mais frequência.

O consumo de leite é um tópico muito debatido no mundo da nutrição, então você pode se perguntar se é saudável ou prejudicial. Abaixo estão cinco benefícios de saúde do leite, apoiados pela ciência, para que você possa decidir se é a escolha certa para você.

1. O leite é embalado com nutrientes

leite

O perfil nutricional do leite é impressionante. Afinal, ele foi projetado para nutrir totalmente os animais recém-nascidos. Apenas uma xícara de leite de vaca contém:

Calorias: 146
Proteína: 8 gramas
Gordura: 8 gramas
Cálcio: 28%
Vitamina D: 24%
Riboflavina (B2): 26%
Vitamina B12: 18%
Potássio: 10% 
Fósforo: 22%
Selênio: 13%

O leite é uma excelente fonte de vitaminas e minerais, incluindo “nutrientes importantes”, que são pouco consumidos por muitas populações. Fornece potássio, vitamina B12, cálcio e vitamina D, que faltam em muitas dietas.

O leite também é uma boa fonte de vitamina A, magnésio, zinco e tiamina (B1). Além disso, é uma excelente fonte de proteína e contém centenas de diferentes ácidos graxos, incluindo ácido linoléico conjugado (CLA) e ômega-3.

O ácido linoléico conjugado e os ácidos graxos ômega-3 estão ligados a muitos benefícios à saúde, incluindo um risco reduzido de diabetes e doenças cardíacas. O conteúdo nutricional do leite varia, dependendo de fatores como o teor de gordura e a dieta e o tratamento da vaca de onde veio.

Por exemplo, o leite de vacas que comem principalmente capim contém quantidades significativamente mais altas de ácido linoléico conjugado e ácidos graxos ômega-3. Além disso, o leite de vaca orgânico e alimentado com capim contém quantidades maiores de antioxidantes benéficos, como vitamina E e betacaroteno, que ajudam a reduzir a inflamação e combater o estresse oxidativo.

2. É uma boa fonte de proteína de qualidade

leite

O leite é uma rica fonte de proteína, com apenas um copo contendo 8 gramas. A proteína é necessária para muitas funções vitais do corpo, incluindo crescimento e desenvolvimento, reparo celular e regulação do sistema imunológico. O leite é considerado uma “proteína completa”, o que significa que contém todos os nove aminoácidos essenciais necessários para o seu corpo funcionar em um nível ideal.

Existem dois tipos principais de proteínas encontradas no leite – caseína e proteína de soro de leite. Ambos são considerados proteínas de alta qualidade. A caseína compõe a maioria das proteínas encontradas no leite de vaca, compreendendo 70%-80% do conteúdo total de proteínas. O soro de leite responde por cerca de 20%.

A proteína de soro de leite contém os aminoácidos de cadeia ramificada leucina, isoleucina e valina, todos ligados a benefícios à saúde. Os aminoácidos de cadeia ramificada podem ser particularmente úteis na construção muscular, prevenindo a perda muscular e fornecendo combustível durante o exercício.

Beber leite está associado a um menor risco de perda muscular relacionada à idade em vários estudos. De fato, o maior consumo de leite e produtos lácteos tem sido associado a maior massa muscular de corpo inteiro e melhor desempenho físico em adultos mais velhos.

O leite também demonstrou aumentar o reparo muscular em atletas. De fato, vários estudos demonstraram que o consumo de leite após um treino pode diminuir os danos musculares, promover o reparo muscular, aumentar a força e até diminuir a dor muscular. Além disso, é uma alternativa natural às bebidas proteicas altamente processadas comercializadas para a recuperação pós-treino.

3. Benefícios do leite para a saúde óssea

mulher tomando leite

Beber leite tem sido associado a ossos saudáveis. Isso ocorre devido à sua poderosa combinação de nutrientes, incluindo cálcio, fósforo, potássio, proteína e vitamina K2 (em laticínios alimentados com capim, com gordura total). Todos esses nutrientes são essenciais para manter ossos fortes e saudáveis.

Aproximadamente 99% do cálcio do seu corpo é armazenado nos ossos e dentes. O leite é uma excelente fonte de nutrientes dos quais seu corpo depende para absorver adequadamente o cálcio, incluindo vitamina D, vitamina K, fósforo e magnésio.

A adição de leite e laticínios à sua dieta pode prevenir doenças ósseas como a osteoporose. Estudos associaram leite e laticínios a um risco menor de osteoporose e fraturas, especialmente em adultos mais velhos. Além disso, o leite é uma boa fonte de proteína, um nutriente essencial para a saúde óssea.

De fato, a proteína representa cerca de 50% do volume ósseo e cerca de um terço da massa óssea.As evidências sugerem que comer mais proteína pode proteger contra a perda óssea, especialmente em mulheres que não consomem cálcio suficiente na dieta.

4. Ajuda a evitar ganho de peso

leite

Vários estudos associaram a ingestão de leite a um menor risco de obesidade. Curiosamente, esse benefício foi associado apenas ao leite integral. Um estudo realizado com 145 crianças latinas de três anos descobriu que o maior consumo de gordura do leite estava associado a um menor risco de obesidade infantil.

Outro estudo, incluindo mais de 18.000 mulheres de meia-idade e idosas, mostrou que ingerir mais laticínios ricos em gordura estava associado a menos ganho de peso e menor risco de obesidade. O leite contém uma variedade de componentes que podem contribuir para a perda de peso e impedir o ganho de peso.

Por exemplo, seu alto teor de proteínas ajuda você a se sentir cheio por um longo período de tempo, o que pode evitar excessos. Além disso, o ácido linoléico conjugado no leite foi estudado por sua capacidade de aumentar a perda de peso, promovendo a quebra de gordura e inibindo a produção de gordura.

Além disso, muitos estudos associaram dietas ricas em cálcio a um menor risco de obesidade. As evidências sugerem que pessoas com maior ingestão de cálcio na dieta apresentam menor risco de estar acima do peso ou obesas. Estudos mostraram que altos níveis de cálcio na dieta promovem a quebra de gordura e inibem a absorção de gordura no corpo.

5. O leite é um ingrediente versátil

O leite é uma bebida nutritiva que oferece vários benefícios à saúde. Além disso, é um ingrediente versátil que pode ser facilmente adicionado à sua dieta. Além de beber leite, tente estas ideias para incorporá-lo à rotina diária:

smoothie verde suco pixabay

=Smoothies: excelente base de alta proteína. Tente combiná-lo com verduras e uma pequena quantidade de frutas para um lanche nutritivo.
=Aveia: fornece uma alternativa saborosa e mais nutritiva à água ao fazer sua aveia matinal ou cereal quente.
=Café: adicioná-lo ao café ou chá da manhã dará à sua bebida um impulso de nutrientes benéficos.
=Sopas: tente adicioná-lo à sua receita de sopa favorita para obter mais sabor e nutrição.

Se você não é fã de leite, existem outros produtos lácteos com perfis nutricionais semelhantes. Por exemplo, iogurte sem açúcar feito de leite contém a mesma quantidade de proteína, cálcio e fósforo. É uma alternativa saudável e versátil para molhos e coberturas processados.

O leite não é para todos

Embora o leite possa ser uma boa escolha para alguns, outros não podem digeri-lo ou optar por não consumi-lo. Muitas pessoas não toleram o leite porque não conseguem digerir a lactose, um açúcar encontrado no leite e nos laticínios. Curiosamente, a intolerância à lactose afeta cerca de 65% da população do mundo.

Outros optam por não consumir leite ou produtos lácteos devido a restrições alimentares, preocupações com a saúde ou razões éticas. Isso levou a uma ampla variedade de alternativas de leite não-lácteo, incluindo:

leite amendoas 2

=Leite de amêndoa: feita a partir de amêndoas, essa alternativa baseada em vegetais tem menos calorias e gordura do que o leite de vaca.
=Leite de coco: esta bebida tropical feita com água e polpa de coco tem uma textura cremosa e sabor suave.
=Leite de caju: caju e água se combinam para fazer esse substituto sutilmente doce e rico.

leite soja
=Leite de soja: contém uma quantidade semelhante de proteína que o leite de vaca e tem um sabor suave.
=Leite de cânhamo: essa alternativa é feita a partir de sementes de cânhamo e fornece uma boa quantidade de proteínas vegetais de alta qualidade.
=Leite de aveia: este substituto tem sabor muito suave e consistência mais espessa, tornando-o um ótimo complemento para o café.

leite-de-arroz.jpg
=Leite de arroz: uma ótima opção para pessoas com sensibilidades ou alergias, pois é o menos alergênico de todos os leites.

Ao escolher um substituto para o leite não saudável, lembre-se de que muitos desses produtos contêm ingredientes adicionados, como adoçantes, sabores artificiais, conservantes e espessantes.

Escolher um produto com ingredientes limitados é uma boa opção ao comparar marcas. Leia os rótulos para determinar qual melhor se adapta às suas necessidades. Se possível, mantenha variedades sem açúcar para limitar a quantidade adicionada em sua dieta.

Conclusão

café da manhã leite frutas.png

O leite é uma bebida rica em nutrientes que pode beneficiar sua saúde de várias maneiras. Está repleto de nutrientes importantes, como cálcio, fósforo, vitaminas do complexo B, potássio e vitamina D. Além disso, é uma excelente fonte de proteína.

Beber leite e produtos lácteos pode prevenir a osteoporose e fraturas ósseas e até ajudar a manter um peso saudável. Muitas pessoas não conseguem digerir o leite ou optam por evitá-lo por motivos pessoais.

Para quem é capaz de tolerá-lo, o consumo de leite e produtos lácteos de alta qualidade tem provado fornecer vários benefícios à saúde.

Fonte: HelathLine

Casa Santa Luzia faz quinzena especial de alimentos orgânicos

Até o dia 13 de outubro a Casa Santa Luzia realiza a 14ª Quinzena de Alimentos Orgânicos, com exposição, oferta de produtos livres de agrotóxicos e degustações. Durante esses 15 dias, os consumidores poderão conhecer e provar azeites, sucos, chás, iogurtes, molhos de tomate, bolos, leite, todos com o selo de certificação.

As degustações são realizadas diariamente, das 11 às 19 horas, no mezanino, no hortifrúti e na adega da loja. Alguns destaques incluem café Latitude 13, as marcas Bio2, Mãe Terra e os camarões Sabores da Costa.

A programação conta ainda com produtos frescos de pequenos produtores, como os morangos e verduras do Rio de Uma, cenouras e brócolis da Ecovida, cogumelos da Yuki e couve manteiga e abobrinhas italianas do Direto da Serra.

Já no dia 13 de outubro, sábado, será montada uma Feirinha Orgânica no mezanino, com degustações e ofertas de frutas, legumes, verduras e laticínios, das 10 às 17 horas.

Além de experimentar e tirar dúvidas sobre os produtos, a quinzena é uma oportunidade para abastecer a despensa com produtos em oferta. Algumas marcas de importação própria incluem: Isolabio, Costa D’Oro e vinhos Domaine Bousque.

legumes frutas organicos

Programação – 14ª Quinzena de Alimentos Orgânicos na Casa Santa Luzia

Degustações (das 11 às 19 horas, no mezanino, adega e no hortifrúti da loja)

2/10 – Fazenda Tamanduá, Four Organic
3/10 – Wax Green, Fazenda da Toca
4/10 – Cia Orgânica, Jatobá, Lapinha, Casa de Bento, Ecovida
5/10 – Amma, Mama Gê, Vitalin, Harts, Stein Haus, Label Rouge
6/10 – Bio2, Monama, Suavipan, Wewi, Vitoria Regia, Yuki
9/10 – Dr. Orgânico, Uva Só, Econut, Legurmê, Sabores da Costa, Capela da Penha
10/10 – Korin, Mãe Terra, Copra, Faz. Timbaúba, Sabores da Costa, Rio de Uma
11/10 – Blessing, Aecia, Native, Latitude 13, Sabores da Costa, Vinho Emiliana, Direto da Serra
13/10 – Latitude 13, Sitio Caipirinha

Sobre o setor de alimentos orgânicos

A Casa Santa Luzia oferece, há 13 anos, um setor especialmente dedicado a alimentos especiais que inclui, além dos orgânicos, produtos integrais e para dietas especiais (sem glúten, sem lactose, diet e light). Entre as categorias disponíveis estão: cereais e conservas, matinais, geleias e doces, bebidas, chás, cafés e massas, entre outros. Também oferece uma seção exclusiva de alimentos orgânicos em sua loja virtual. Vale a pena conferir.

Casa Santa Luzia: Alameda Lorena, 1471 – Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 20h45

Intolerância à lactose: 14 maneiras de continuar a amar laticínios

Se você é como eu e tem intolerância à lactose, estas dicas vão ajudar e bastante na sua rotina diária:

1 – Conheça o seu limite de lactose

getty_rf_photo_of_woman_tracking_lactose_levels_in_journal
Se é intolerante à lactose, você ainda pode comer alimentos com lactose – com moderação. A chave é conhecer o seu limite. Mantenha um diário alimentar, anote quando, o quê e o quanto você comeu e como você se sentiu. Você deve ver um padrão emergir e vai aprender quanto ou pouca lactose pode consumir. Então, fique no seu limite.

2 – Considere leite e outros laticínios sem lactose

getty_rf_photo_woman_selecting_milk

Para os bebedores regulares de leite, a maioria dos supermercados tem leite sem lactose ou com baixo teor de lactose em suas seções de laticínios ou alimentos especiais. Você também pode encontrar queijo sem lactose, iogurte sem lactose e outros produtos lácteos. Pode ser difícil obter cálcio suficiente quando você é intolerante à lactose. O leite sem lactose, no entanto, tem a mesma quantidade de cálcio que o normal.

3 – Tome o controle de sua alimentação

getty_rf_photo_of_woman_taking_control_by_brown_bagging_lunch

Assuma o controle de suas refeições em vez de lutar para encontrar algo que você possa comer em um menu. Ao cozinhar em casa, você pode substituir o leite em receitas com a versão sem lactose. Você também pode comprar um livro de receitas  sem lactose e começar a experimentá-las. Muitas receitas clássicas podem ser adaptadas para se adaptarem a uma dieta intolerante à lactose. Controle os ingredientes que vão na refeição e pode se surpreender com quanta variedade você pode comer.

4 – Considere suplementos de lactase

getty_rm_photo_of_man_holding_capsule_and_milk

Não é uma cura, mas tomar suplementos de enzima lactase pode ajudá-lo a comer alimentos que contenham lactose. Os suplementos são encontrados em muitas formas, incluindo cápsulas e comprimidos mastigáveis. Eles podem ser particularmente úteis se você não souber os ingredientes exatos da sua refeição. Se os suplementos não ajudarem os seus sintomas, certifique-se de consultar o seu médico.

5 – Caça à lactose oculta

getty_rf_photo_of_man_hunting_for_hidden_lactose

A lactose é encontrada na maioria dos produtos lácteos, exceto aqueles marcados com “sem lactose”, como leite ou queijo sem lactose. Também pode ser em alimentos embalados, como misturas secas, refeições congeladas e assados. Leia atentamente os rótulos dos alimentos e atente para ingredientes como “sólidos de leite”, “leite em pó” e “coalhada”. Se você optar por comer esses alimentos, talvez seja necessário tomar um suplemento de lactase para ajudar a prevenir os sintomas.

6 – Pergunte aos especialistas

getty_rm_photo_of_woman_asking_a_nutritionist_about_lactose_intolerance

Aprender uma nova maneira de comer não é fácil, mas você não precisa fazer isso sozinho. Peça ao seu médico para sugerir uma nutricionista para ajudá-lo a gerenciar sua dieta. Ela pode ensiná-lo a ler os rótulos dos alimentos, compartilhar dicas de alimentação saudável, informar a quantidade de laticínios que você pode comer ou beber sem sintomas e indicar alimentos com lactose reduzida ou sem lactose para fornecer uma dieta bem equilibrada.

7 – Porções menores, menos sintomas

getty_rm_photo_of_milk_cookies_smaller_portions

Talvez você não possa desfrutar de um copo grande de leite com biscoitos, mas você pode tentar uma porção menor. Comece com um copo de 120 ml em vez de um total de 240 ml. Aumente gradualmente a quantidade de leite até começar a notar sintomas desagradáveis. Ouça seu corpo. Ele informará quando você atingiu seu limite. Se você quiser evitar completamente a lactose, experimente o leite de vaca sem lactose ou bebidas não lácteas, como o leite de soja.

8 – Desfrute de laticínios, acompanhados

getty_rf_photo_of_woman_enjoying_dairy_with_other_foods

Em vez de comer ou beber produtos lácteos por si só, tente consumi-los com alimentos que não contenham lactose. Para algumas pessoas, a combinação de produtos lácteos com outros alimentos pode reduzir ou mesmo eliminar os sintomas habituais. Portanto, não beba apenas um copo de leite pela manhã. Despeje sobre o cereal ou tenha um pedaço de torrada do lado.

9 – Escolhas os melhores queijos para você

getty_rf_photo_of_closeup_of_swiss_cheese

Com intolerância à lactose, você ainda pode comer queijo, mas escolha com cuidado. Queijos duros e envelhecidos, como suíço, parmesão e cheddar, são mais pobres em lactose. Outras opções de queijo de baixa lactose incluem cottage ou feta, feito de leite de cabra ou ovelha. Certos tipos de queijos – especialmente os macios ou cremosos, como brie, são mais ricos em lactose. Se você quiser evitar laticínios completamente, tente queijos sem lactose.

10 – Aprenda a amar o iogurte

getty_rf_photo_of_yogurt_on_fruit_and_cereal

Procure por iogurte com culturas bacterianas vivas e ativas. Quando você come esse tipo de iogurte, as culturas bacterianas podem ajudar a quebrar a lactose. Além disso, apenas 1 xícara de iogurte natural com baixo teor de gordura fornece 415 mg de cálcio. Mas esqueça o frozen yogurt. Ele não contém culturas vivas suficientes, o que significa que pode causar problemas para pessoas intolerantes à lactose. Para estar seguro, você pode sempre escolher iogurte sem lactose.

11 – Probióticos para intolerância à lactose

getty_rm_photo_of_probiotic_rich_kefir

Para algumas pessoas, os probióticos podem aliviar os sintomas da intolerância à lactose. Probióticos são microrganismos vivos, geralmente bactérias, que restauram o equilíbrio de bactérias “boas” em seu sistema digestivo. Eles podem ser encontrados em alimentos como iogurte ou kefir – leite rico em probióticos – bem como suplementos dietéticos. Fale com o seu médico para ver se os probióticos que podem ajudá-lo.

12 – Comer fora quando se é intolerante à lactose

getty_rm_photo_of_woman_asking_server_for_allergy_guide

Você ainda pode jantar fora seguindo uma dieta sem lactose. Pergunte ao garçom se há um guia para o menu que mostra quais alimentos contêm leite. Ou deixe o seu anfitrião saber quais os alimentos que você está evitando. Tome um suplemento de lactase no caso de escapar algum ingrediente lácteo. Coma com simplicidade. Por exemplo, pule os molhos cremosos e condimentos lácteos como creme azedo.

13 – Cozinha caseira com baixa lactose

getty_rm_photo_of_person_cooking_lactose_free_at_home

Cozinhar com baixa lactose requer uma mudança de pensamento. Quanto mais simples você cozinhar, melhor. Use ervas e temperos para dar sabor à carne, peixe e legumes. Atenha-se a ingredientes frescos e use menos alimentos preparados. Experimente com caldo de galinha ou leites sem lactose para fazer molhos. Use queijos de baixa lactose para assar. Explore as cozinhas – como o mediterrânea ou a asiática – que não dependem muito de produtos lácteos.

14 – Ouça seu corpo

getty_rm_photo_of_woman_listening_to_her_body_make_right_decisions

Conforme você experimenta a ingestão de produtos lácteos, descobre quanto seu sistema digestivo pode suportar. Ouça o seu corpo e escolha sabiamente. Quer uma fatia de pizza de queijo? Lembre-se de como você se sentiu na última vez que comeu isso. Você inchou, sentiu-se desconfortável ou teve cólica? Se assim foi, tome um suplemento de lactase antes ou, em vez disso, troque por um sanduíche ou salada.

Fotos: Getty Images

Fonte: WebMD

Os piores alimentos para quem tem constipação

Pode ser um pesadelo e representar muito tempo no banheiro. Só quem tem constipação sabe o quanto isso pode ser desagradável, inconveniente e até dolorido. Sendo assim, que tal fazer uma lista com o que deve ser evitado? Abaixo alguns itens que você já pode incluir:

Laticínios

getty images laticinios

Se você fica constipado com frequência, faça um favor a si mesmo e dê uma olhada na sua dieta. Entre os alimentos que podem bloqueá-lo estão muito queijo e leite. Mas você pode não ter que desistir dos laticínios – apenas coma menos e mude suas escolhas. Experimente iogurte com probióticos, bactérias vivas que são boas para o seu sistema digestivo. Pode ajudar a aliviar a constipação.

Alimentos preparados e fast foods

getty_cheeseburger_and_fries

Seu estilo de vida ocupado faz com que você coma em movimento? Essas refeições prontas podem ser convenientes, mas podem causar problemas de saúde. A maioria delas tem pouca fibra, o que você precisa para ajudar a comida a passar pelo seu sistema. Tenha tempo para desacelerar, assim você pode acelerar sua digestão.

Comida frita

getty_rf_photo_of_fried_chicken_dinner frango

Frango frito  é quase impossível de ignorar, mas pense em optar por uma entrada com mais fibra se estiver passando por momentos difíceis no banheiro. Alimentos fritos são cheios de gordura e difíceis de digerir. Quando a comida se move lentamente pelo seu cólon, muita água pode ser retirada dela. Isso faz com que as fezes fiquem duras e secas.

Ovos

getty_ovos fritos

Eles são ricos em proteínas, mas pobres em fibras. Você não precisa tirá-los do menu. Basta adicionar alguns alimentos ricos em fibras na mistura. Experimente uma omelete com espinafres e tomates frescos.

Carne tenra

getty__steak

Cheio de proteína e gordura, mas sem fibras, esse bife suculento precisa ser equilibrado com o acompanhamento de brócolis, por exemplo. Isso ajudará a carne a passar confortavelmente pelo seu sistema digestivo.

Cupcake

getty_rf_photo_of-chocolate cupcakes

Acrescentes à possível constipação as muitas razões pelas quais uma sobremesa doce deve ser uma coisa ocasional, não regular. Bolos, biscoitos e outras delícias com açúcar refinado são pobres em fibras e líquidos, e ricos em gordura. Isso não é bom se você estiver com dificuldades para manter as coisas em movimento. Satisfaça sua gula por doce com morangos e iogurte. Sua barriga vai agradecer por isso.

Pão branco

getty_rf_photo pão branco

Muito disso lhe dará fezes duras e secas. Ele é feito com farinha branca de baixa fibra. Prefira torrada de grãos inteiros. Isso pode ajudar a sua próxima ida ao banheiro a ser mais suave.

Cafeína

getty_rf_photo_ café cafeina

Algumas xícaras de café fazem com que algumas pessoas corram para o banheiro, mas também podem provocar o efeito oposto. A cafeína no café e nos refrigerantes pode impedir que o seu corpo mantenha água, e você precisa que a H2O permaneça regular. Se você está constipado, pule a segunda xícara até que as coisas passem.

Álcool

getty_rf_photo_of_glasses_of_wine vinho bco

Assim como o café, bebida alcoólicas podem dificultar que o seu corpo mantenha água. Isso pode significar problemas para as visitas ao banheiro até você ficar hidratado novamente. Se você vai tomar um coquetel, tome um copo de água ao mesmo tempo para manter as coisas fluindo.

Fotos: Getty Images

Fonte: WebMD – Revisado por Melinda Ratini