Arquivo da tag: leite

Starbucks Brasil convida todos a desfrutarem Halloween com retorno do icônico Pumpkin Spice

Bebida que é sucesso entre clientes no mundo todo estará disponível em lojas* da marca no país a partir do dia 19 de outubro e por tempo limitado

O Halloween, época mais assustadora e divertida do ano, está chegando. Ao redor do mundo, essa comemoração tem sido celebrada por diferentes culturas, entrando no calendário de comemorações anuais e, no Brasil, não tem sido diferente. Para marcar a data, a Starbucks® traz ao país a linha icônica de bebidas Pumpkin Spice, por tempo limitado.

“Essa é uma bebida icônica e um dos sabores mais aguardados entre os lançamentos anuais da Starbucks. No Brasil, escolhemos trazer o Pumpkin Spice de volta para o nosso menu sazonal, especialmente quando celebramos nosso aniversário de 15 anos no país. Neste ano tão marcante para nós, quisemos proporcionar aos nossos clientes esse sabor que é tão tradicional da Experiência Starbucks no mundo todo”, disse Sedenir Junior, gerente de marketing da Starbucks no Brasil.

A bebida é inspirada no produto mais típico das festividades de Halloween, a abóbora, e com toques de especiarias. Por tempo limitado no mês de outubro, poderá ser preparada pelos baristas apaixonados da Starbucks em diferentes versões e ser apreciada do jeito preferido de cada um, incluindo as versões:

Pumpkin Spice Latte – a famosa combinação de espresso, leite vaporizado, calda de abóbora com especiarias, finalizada com chantilly de baunilha e especiarias em pó.

Iced Pumpkin Spice Latte – versão da bebida gelada com café espresso, leite frio, uma calda de especiarias com toque de abóbora, gelo, coberto com chantilly de baunilha e especiarias em pó.

Pumpkin Spice Cold Brew Cold Foam – Disponível em lojas selecionadas – Cold Brew (bebida extraída da infusão fria de café com água por 20 horas) com gelo, coberto com Cold Foam (espuma de leite, creme de baunilha e calda de especiarias com toque de abóbora, batida em alta velocidade), coberto com especiarias em pó.

Pumpkin Spice Frappuccino – o delicioso sabor de abóbora com as tradicionais especiarias, batido com café, leite, gelo e coberto de chantilly de baunilha e especiarias em pó.

O Pumpkin Spice já se tornou uma tradição que marca o menu da Starbucks em diversos países nesta época do ano, por isso a marca aposta nessa linha para proporcionar experiências deliciosas e únicas para seus clientes, seja em suas lojas físicas, seja em suas casas. O produto poderá ser encontrado por tempo limitado nas lojas da marca, no app Starbucks Brasil ou por delivery no aplicativo Rappi (a depender da disponibilidade do serviço na região).

*Em Florianópolis (SC), o produto ficará disponível a partir de 21 de outubro de 2021.

Delícia de Leite II é destaque da promoção Bolos do Mês da Sodiê Doces

Bolo Alpino também ganha preço especial em setembro

Duas estrelas do cardápio das lojas Sodiê Doces estão com desconto na promoção Bolo do Mês de setembro. Delícia de Leite II e Alpino tem preços especiais nas mais de 330 lojas da marca.

O Delícia de Leite II, um dos queridinhos da Sodiê, é feito com massa branca, recheios de mousse branca com leite em pó, e cobertura de mousse branca, raspas de chocolate branco, leite em pó e cerejas decorativas.

Já o bolo Alpino é um bolo de chocolate, com recheios de Alpino trufado e mousse de chocolate, e cobertura de trufado meio amargo, lascas de chocolate ao leite, e pedaços da barra de chocolate Alpino.

Além dos dois sabores da promoção Bolo do Mês, a maior franquia de bolos do país tem mais de 100 variedades de sabores de bolos de massa branca ou de chocolate, com recheios diversos que incluem morango, limão, coco, nozes, abacaxi, damasco, chocolate branco, chocolate ao leite, leite em pó, brigadeiro, doce de leite, leite condensado, entre outros.

Nas lojas Sodiê Doces há um cardápio com cerca de 50 sabores de salgados, da marca Sodiê Salgados, feitos com receitas próprias e exclusivas, com diversos recheios para consumo imediato no formato tradicional e na versão mini, que o cliente pode comprar congelado ou levar quente para casa.

Todos os preços podem sofrer variação de acordo com a região. Os contatos de cada unidade podem ser obtidos no site oficial da marca.

Os pedidos também podem ser feitos diretamente no aplicativo Sodiê Doces Oficial, disponível nos dispositivos IOS e Android, nas lojas e retirados ou entregues via delivery e/ou iFood.

Fonte: Sodiê Doces

Desafio de leites vegetais: ONG incentiva pessoas a adotarem dieta mais saudável e sustentável

Projeto ajuda intolerantes e novos adeptos do vegetarianismo a substituir o leite

A ONG internacional Sinergia Animal lançou o Desafio dos Leites Vegetais, uma ferramenta gratuita pensada para as pessoas que querem ou precisam parar de consumir laticínios de origem animal. Durante sete dias, os inscritos recebem comunicações diárias com dicas, receitas com substituições e informações sobre os impactos na saúde e no meio ambiente causados pelo consumo de leite animal.

“O projeto visa ajudar vegetarianos, que de acordo com pesquisa Ibope já são 14% da população brasileira, a fazerem a transição para o veganismo, estilo de vida que exclui o consumo de todos os tipos de produtos de origem animal. Além disso, também contempla pessoas que sentem desconforto digestivo após a ingestão de lactose, que segundo levantamento do Instituto Datafolha representam 35% dos brasileiros acima de 16 anos, e aqueles que desejam simplesmente explorar novas receitas”, explica Mirelle Coppi, coordenadora de ativismo e comunicações da Sinergia Animal.

Ela destaca que retirar o leite de origem animal da alimentação faz muitas pessoas descobrirem novos ingredientes e sabores. “Uma das vantagens dos leites vegetais é a diversidade: você pode fazê-lo com diversos insumos, desde soja, aveia, passando por todos os tipos de castanhas e sementes. Essa variedade pode tornar nossa alimentação muito mais nutritiva e também mostra que as alternativas podem muitas vezes ser baratas e acessíveis”, lembra Coppi, destacando que no desafio os inscritos aprendem não apenas a fazer o próprio leite vegetal, mas também diversas receitas como molhos, tortas e patês. 

Os hábitos de consumo dos brasileiros estão mudando

Foto: Steve Buissinne/Pixabay

Uma pesquisa realizada pela Euromonitor revelou que preocupações com a saúde, meio ambiente e bem-estar animal estão mudando os hábitos de consumo de produtos animais no Brasil. Entre 2013 e 2018, por exemplo, o consumo de bebidas vegetais como leite de coco, arroz, amêndoas e de outras castanhas registrou um crescimento de 35% ao ano no Brasil.

Não são poucos os motivos que explicam essa transformação. Segundo estudo realizado pela Universidade de Oxford, as emissões de gases de efeito estufa causados pela produção de leite de origem animal são até três vezes maiores do que as de alternativas vegetais. Ao mesmo tempo, estudos têm relacionado o consumo de leite de vaca com desenvolvimento de cânceres de próstata e de mama e de diabetes. Além disso, a produção de leite animal levanta preocupações a respeito da forma como as vacas são tratadas na pecuária industrial.

Conheça os benefícios de algumas das principais alternativas:

Leite de amêndoas

O leite de amêndoa é um dos mais utilizados e tem um sabor especial de nozes! É baixo em calorias, menos gordura saturada e mais gordura insaturada do que o leite de vaca. Quando feito em casa, é um dos leites vegetais que mais agrada as pessoas. Além de ter benefícios para a saúde, como gorduras saudáveis e alto índice de vitamina E. 

Leite de soja

É uma das alternativas com maior teor de proteína e menor impacto na pegada de carbono (muito menor que o leite de vaca!). As pessoas também consomem leite de soja por conter isoflavonas, que, de acordo com pesquisadores, têm efeitos anticâncer. Rico em cálcio e fósforo, pode ajudar a prevenir doenças cardíacas e osteoartrose. Também possui alto teor de ferro e vitaminas do grupo B, como folato e B6.

Leite de aveia

Foto: Antonis Achilleos – Food Stylist: Rishon Hanners

Você verá que a aveia produz um leite cremoso com sabor suave, perfeito tanto para bebidas quentes quanto para ser utilizado em várias receitas! Pode ser feito facilmente em casa e, portanto, é uma alternativa barata. Fornece mais vitamina B2 do que o leite de vaca e é rico em fibras e carboidratos de absorção lenta.

“Ainda é comum encontrar pessoas com receios sobre dietas vegetais, especialmente quando se trata de sabor — o que é absolutamente normal, já que a maioria de nós cresceu mergulhado em uma cultura alimentar muito dependente do consumo de animais. Mas o universo da alimentação vegetal é imenso e possui opções para todos os gostos. E é tendo em mente essa enorme variedade de sabores e das diferentes preferências das pessoas que propomos o desafio”, conta Coppi. 

Informações: Desafio dos Leites Vegetais da Sinergia Animal

Confira cinco alimentos que ajudam a parar de fumar

No Dia Mundial sem Tabaco, a Bio Mundo separou algumas opções saudáveis que podem ajudar na luta contra o vício

Para de fumar certamente é um ato difícil para muitas pessoas. Isso ocorre porque o vício já está relacionado à rotina, por exemplo, no consumo de café, ansiedade e ao humor. E, em tempos de pandemia, isso pode aumentar. Porém, a prática não traz à saúde nenhum benefício e pode ser responsável por diversos tipos de cânceres e doenças cardíacas e pulmonares.

No processo de parar de fumar, o primeiro passo é reconhecer os estímulos que levam à prática. A cafeína, por exemplo, faz com que a pessoa se sinta mais ansiosa, pois é um ingrediente estimulante, e as substâncias viciantes da nicotina do cigarro liberam no corpo uma sensação incrível de prazer. Para controlar a vontade e a ansiedade, a inserção de atividades físicas e o consumo de uma alimentação equilibrada são grandes aliados nessa batalha.

Para contribuir com a data que visa o controle do tabagismo, a partir da conscientização dos malefícios, a Bio Mundo, franquia de alimentos naturais e saudáveis, separou opções de alimentos e bebidas para quem deseja largar a dependência de forma mais tranquila e natural.

Chá de ervas

Foto: Rickyy Sanne/Morguefile

Além de ser uma bebida natural à base de água, os chás são calmantes e uma boa opção para substituir o café. A grande dica é realmente tirar da dieta bebidas que contenham cafeína, substância que aumenta o desejo pelo cigarro, diminuindo a ansiedade. Fatores que estão diretamente ligados à vontade de fumar.

Laranja: um dos principais alimentos para largar o cigarro

O cigarro causa uma grande perda de nutrientes, entre eles a vitamina C, e o fazer a reposição dessa vitamina por meio da ingestão da fruta, o fumante sente menos vontade do cigarro. Isso ocorre pois, ao perder os nutrientes e as vitaminas, o corpo costuma buscá-los em elementos da nicotina, o que causa severa dependência. Com o consumo de laranja, a vitamina C retorna ao organismo, que passa a sentir menos falta do fumo.

Óleo de linhaça

Rico em ômega 3, o óleo de linhaça estimula a liberação da serotonina, hormônio responsável por equilibrar o humor, fator importante para quem quer parar de fumar. Além da substância estar relacionada a perda de peso, já que ao parar de fumar algumas pessoas notam o ganho de calorias.

Castanha-do-pará

Pixabay

A castanha-do-pará é rica em selênio, mineral com alto poder antioxidante que auxilia na prevenção de doenças e no fortalecimento do sistema imunológico, além de estar ligado a melhora do humor. Com o consumo de poucas unidades ao dia já é possível atingir a recomendação diária de nutrientes, que contribuem também na melhora do cansaço, tristeza e ansiedade.

Leite

Um copo de leite também pode ser um grande aliado nessa luta. Pesquisas confirmam que tanto o leite quanto os seus derivados, como queijo ou iogurte,ajudam a eliminar a nicotina do organismo do fumante, e também alteram o sabor do cigarro,

Fonte: Bio Mundo

Quem tem deficiência de ferro e falta de cálcio não deve ingerir café junto das principais refeições

Os fanáticos por café se deliciam com a bebida principalmente no início ou logo após as refeições. Isso pode ser especialmente danoso para quem sofre de carências nutricionais

Muitos amam e não vivem sem, outros são extremamente sensíveis a uma pequena xícara. Mas é necessário ter cautela com o consumo dessa bebida, que pode ajudar a causar deficiências nutricionais. “Substâncias presentes no café, como taninos e cafeína, podem comprometer a absorção de ferro, um nutriente presente nas carnes, vegetais folhosos e feijões, geralmente consumidos nas principais refeições; além de prevenir a anemia, esse nutriente funciona também como um combustível para que a hemoglobina, célula do sangue, transporte o oxigênio para todo o corpo, da cabeça aos pés. Por isso que sua deficiência pode impactar na queda capilar, palidez da pele e formigamento das pernas”, diz a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Por esse motivo, para as pessoas com carências do mineral, a médica explica que o ideal é beber café duas horas antes ou depois das principais refeições para não prejudicar a absorção.

Stock Photo

Segundo Marcella, outra combinação que requer atenção, principalmente para crianças, gestantes, lactantes, idosos e mulheres na menopausa, é o pingado: café com leite. “O café também pode interferir na absorção de cálcio e, enquanto os idosos têm maior tendência à diminuição desse nutriente, as crianças têm necessidades elevadas desse nutriente como resultado do intenso desenvolvimento ósseo e muscular”, afirma a médica.

Entre os principais sintomas da falta de cálcio estão a confusão mental, espasmos musculares, fraqueza dos ossos, e formigamento nas mãos e pés. “Além do cuidado com a absorção de cálcio por crianças e gestantes, esses grupos são muito mais sensíveis à cafeína, que a população em geral, portanto devem consumir quantidades muito restritas. Lembrando que crianças menores de 12 anos têm contraindicação de consumo de qualquer bebida que contenha cafeína.”

Outro nutriente cuja absorção pode ser comprometida é a vitamina C, então o café deve ficar longe também de suco e vitamina batida de frutas cítricas, para não dificultar a assimilação desse nutriente. “É necessário estar atento também, pois a cafeína está presente também em chás, como o mate e o verde, e refrigerantes à base de cola”, diz a médica.

No entanto, não é necessário eliminar de vez a cafeína da sua vida, até porque para muitos ela pode trazer benefícios, desde que consumida com moderação. “Recomendamos um consumo de uma a quatro xícaras de café por dia, recém preparado, não adoçado, sempre respeitando as necessidades individuais de cada paciente”, afirma a médica, acrescentando que a melhor forma de ingestão varia de acordo com o gosto de cada pessoa, podendo ser quente, frio, fresco ou gelado.

“A maneira mais saborosa e saudável de obter os benefícios do café é moendo os grãos imediatamente antes do preparo e consumo que deve ocorrer logo depois. Para aproveitar os benefícios da bebida o ideal é que seja sem açúcar ou adoçante”, diz a médica. “É necessário ter cuidado com o consumo excessivo, que pode levar à dependência das substâncias estimulantes do café, além de consequências indesejadas, como problemas de digestão e gástricos, alterações de ritmo cardíaco e pressão arterial, agitação emocional e distúrbios do sono”, finaliza.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Foto: Bruno Marconato

Dia Mundial do Café: aprenda a preparar trufa de café com leite

Hoje, 14 de abril, é o Dia Mundial do Café. A data foi criada para valorizar a indústria cafeeira. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), o produto é consumido por nove entre 10 pessoas com mais de 15 anos no Brasil. Para deixar o dia ainda mais gostoso, confira como preparar uma receita de trufa de café com leite, o queridinho dos brasileiros, da Água Doce Sabores do Brasil.

Trufa de Café com Leite

Ingredientes
200g de leite condensado
120g de leite em pó
15g de café solúvel
200g de chocolate do padre

Modo de preparo
Em um recipiente misture o leite condensado e o café solúvel até homogeneizar. Acrescente o leite em pó até obter uma consistência de enrolar. Faça bolinhas e passe no chocolate do padre. Coloque em forminhas e sirva. Acrescente um grão de café para decorar.

Foto: Bruno Marconato
Foto: Bruno Marconato

Grau de dificuldade: Fácil
Tempo de preparo: 40min
Rendimento: 15 unidades

Fonte: Água Doce Sabores do Brasil

Confira alternativas ao leite de vaca

Nutricionista Adriana Stavro explica a ampla variedade de opções de produtos em forma de leite

Quando se trata de leite, são muitas as opções. Se você é intolerante a lactose, alérgico a proteína do leite de vaca (APLV), vegano, alérgico a nozes, soja ou coco, não se preocupe, nas prateleiras dos supermercados você encontra diferentes opções, que com certeza, vai atender às suas necessidades com bons perfis nutricionais e sabores diferentes.

Leite de vaca: integral, semidesnatado, desnato ou zero lactose

A principal diferença é o teor de gordura, e, portanto, a quantidade de calorias. O leite integral é o que contém mais gordura (mínimo de 3% de sua composição). O leite semidesnatado é mais leve em relação ao integral. No processo de fabricação, parte da gordura é retirada, mantendo os níveis entre 0,6 e 2,9%. O leite desnatado tem menos gordura, porém, ele não contém as vitaminas A e D. Com exceção das vitaminas A e D do leite desnatado, todas as versões contém as mesmas quantidades de proteínas, sódio, potássio, cálcio, magnésio, fósforo, e vitaminas A, B1, B2, B3, B5, B6, biotina, ácido fólico, B12, C, D, E, e K. É importante ressaltar que as quantidades de carboidratos nas 3 versões são as mesmas (em média 9,0g por 200ml). Com uma ampla variedade de extratos vegetais disponíveis, pode ser difícil saber qual é o melhor. É importante ficar atento aos ingredientes ocultos que possam ter impacto negativo na sua saúde.

Aqui estão alguns pontos importantes a considerar:

Conteúdo de cálcio: leite de vaca é rico em cálcio, essencial para ossos saudáveis e para prevenir a osteoporose. A maioria dos extratos vegetais é enriquecida com cálcio, portanto, escolha um que contenha no mínimo 120 mg de cálcio por 100 ml.

Vitamina B12: encontrada naturalmente em produtos de origem animal. Pessoas que limitam ou evitam estes produtos devem escolher produtos enriquecidos com esta vitamina.

Alergias e intolerâncias alimentares: algumas pessoas têm alergias ou intolerâncias a certos ingredientes usados em leites à base de plantas, como glúten, nozes e soja. Verifique os rótulos se você tiver alergias ou intolerâncias.

Açúcar: é disfarçado por muitos nomes (dextrose, frutose, galactose, glicose, lactose, maltose, sacarose entre outros). É importante ficar atento e evitar produtos com adição de açúcar e de adoçantes artificiais.

Estabilizadores como goma de gel: goma de gel é um polissacarídeo produzido pela bactéria Sphingomonas elodea. É frequentemente combinado com o agente espessante de gomaxantana, que pode ter efeito laxante quando consumido em grandes quantidades.

Reguladores de ácido: como o fosfatos, são adicionados às alternativas de leite para manter o pH durante o armazenamento. No entanto, há muita controvérsia em torno do uso de altas concentrações de fosfatos como aditivo alimentar, razão pela qual eles devem ser consumidos apenas em pequenas quantidades.

Lembre-se de ler a lista de ingredientes antes de adquirir alternativas ao leite de vaca.

Extrato vegetal de soja

Tem sido o substituto não lácteo mais popular porque seu perfil nutricional se assemelha muito ao leite de vaca. algumas marcas, são enriquecidas com cálcio e vitamina D, portanto, verifique o rótulo nutricional. Uma xícara (240 ml) de leite de soja sem açúcar contém 80-90 calorias, 4-5 gramas de gordura, 7-9 gramas de proteína e 4 gramas de carboidratos

Extrato vegetal de amêndoas

É feito com amêndoas e água. Tem uma textura leve e um sabor ligeiramente doce. Pode ser adicionado ao café e chá, misturado em smoothies e usado como substituto do leite de vaca em sobremesas e assados. Uma xícara (240 ml) de extrato de amêndoa sem açúcar contém 30 a 35 calorias, 2,5 gramas de gordura, 1 grama de proteína e 1 a 2 gramas de carboidratos
Comparado ao leite de vaca, contém menos calorias e menos gorduras. Também é significativamente mais baixo em proteínas e carboidratos. É um dos extratos vegetais de menor teor calórico disponíveis, e é uma ótima opção para aqueles que desejam ou precisam diminuir o número de calorias. Escolha marcas que contenham um conteúdo mais alto de amêndoas, em torno de 7 a 15%. As amêndoas também contêm ácido fítico, uma substância que se liga ao ferro, zinco e cálcio para reduzir sua absorção no organismo. Isso pode diminuir um pouco a absorção desses nutrientes pelo extrato de amêndoa

Extrato vegetal de coco

O extrato de coco é feito da água e da polpa branca dos cocos marrons. Tem uma textura cremosa e um sabor doce, mais sutil que o coco. Um copo (240 ml) contém 45 calorias, 4 gramas de gordura, nenhuma proteína e quase nenhum carboidrato. Contém um terço das calorias do leite de vaca, metade da gordura e significativamente menos proteínas e carboidratos. Tem o menor teor de proteínas e carboidratos dos extratos não lácteos. Por isso pode não ser a melhor opção para aqueles com maiores necessidades de proteína, mas seria adequado para quem procura reduzir a ingestão de carboidratos. Além disso, cerca de 90% das calorias do extrato de coco são provenientes de gordura saturada, conhecida como triglicerídeos de cadeia média.

Extrato vegetal de aveia

O extrato de aveia é feito a partir de uma mistura de aveia e água. No entanto, os fabricantes costumam adicionar ingredientes extras, como gomas , óleos e sal, para produzir sabor e textura agradáveis. É naturalmente doce e de sabor suave. Pode ser usado para cozinhar da mesma maneira que o leite de vaca e é ótimo com cereais ou smoothies. Um copo (240 ml) contém 140-170 calorias, 4-5 gramas de gordura, 2-5 gramas de proteína e 19-29 gramas de carboidratos. Contém um número semelhante de calorias que o leite de vaca, e cerca de metade da quantidade de proteína e gordura. Curiosamente, o extrato de aveia é rico em fibras totais e beta glucana, um tipo de fibra solúvel que forma um gel espesso à medida que passa pelo intestino. O gel de betaglucana se liga ao colesterol, reduzindo sua absorção no organismo. Isso ajuda a diminuir os níveis de colesterol, principalmente o colesterol LDL, o tipo associado a um risco aumentado de doença cardíaca. Pesquisas mostraram que as betaglucanas ajudam a aumentar a sensação de saciedade, e diminuem os níveis de açúcar no sangue após uma refeição. O extrato de aveia também é barato e fácil de fazer em casa.

Extrato vegetal de arroz


É feito de água e arroz branco ou marrom moído. Tal como acontece com outros não lácteos, geralmente contém espessantes para melhorar a textura e o sabor. O extrato de arroz é o menos alergênico dos não lácteos. Isso o torna uma opção segura para pessoas com alergias ou intolerâncias a laticínios, glúten, soja ou nozes. Tem sabor suave e naturalmente doce com consistência levemente aquosa. É ótimo para beber, preparar smoothies e sobremesas.
Uma xícara (240 ml) contém 130-140 calorias, 2-3 gramas de gordura, 1 grama de proteína e 27-38 gramas de carboidratos. O extrato de arroz contém calorias semelhantes ao leite de vaca. Ele também contém consideravelmente menos proteína e gordura. De todas as alternativas não lácteo, o extrato de arroz contém mais carboidratos, cerca de três vezes mais que os outros. Além disso, tem um alto índice glicêmico (IG) de 79 a 92, o que significa que é absorvido rapidamente no intestino, e aumenta rapidamente os níveis de açúcar no sangue. Por esse motivo, pode não ser a melhor opção para pessoas com diabetes. Devido ao seu baixo teor de proteínas, também pode não ser a melhor opção para crianças, atletas e idosos. Essas populações têm maiores necessidades de proteína.

Extrato vegetal de caju

É feito de uma mistura de castanha-de-caju e água. É cremoso e tem um sabor doce e sutil de nozes. Tal como acontece com a maioria dos extratos à base de nozes, a polpa é extraída do leite. Isso significa que as fibras, proteínas, vitaminas e minerais de todo o caju são perdidos.
Um copo (240 ml) de extrato de caju sem açúcar contém apenas 25 a 50 calorias, 2 a 4 gramas de gordura, 0 a 1 grama de proteína e 1 a 2 gramas de carboidratos. O extrato de caju contém menos calorias do leite de vaca, metade da gordura e significativamente menos proteínas e carboidratos. Devido ao seu baixo teor de proteínas, pode não ser a melhor opção para pessoas com maiores necessidades como idosos, crianças e atletas. Com apenas 25 a 50 calorias por xícara (240 ml), o extrato de caju sem açúcar é uma ótima opção de baixa caloria para quem procura reduzir sua ingestão calórica. O baixo teor de carboidratos e açúcar também a torna uma opção adequada para pessoas que precisam monitorar sua ingestão de carboidratos, como diabéticos. Por fim, o extrato de caju é um dos extratos mais fáceis de fazer em casa.

Extrato vegetal de macadâmia

O extrato de macadâmia é feito principalmente de água e cerca de 3% de macadâmia. É relativamente novo no mercado. Tem sabor suave e é mais cremoso que a maioria dos extratos vegetais. Um copo (240 ml) contém 50 a 55 calorias, 4-5 gramas de gordura, 3-5 gramas de proteína. Isso faz com que seja uma ótima opção para quem tenta reduzir a ingestão de calorias. Contém menos calorias e gordura em relação ao leite de vaca. Também tem menos proteínas e carboidratos. Além disso, o extrato de macadâmia é uma ótima fonte de gorduras monoinsaturadas saudáveis , com 3,8 gramas por xícara (240 ml). Aumentar a ingestão de gorduras monoinsaturadas pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol no sangue, a pressão sanguínea e o risco de doença cardíaca, especialmente se ele substituir alguma gordura saturada ou carboidrato em sua dieta

Extrato vegetal de cânhamo

É produzido a partir das sementes da planta de cânhamo. O extrato de cânhamo tem um sabor levemente adocicado e uma textura fina e aquosa. Uma xícara (240 ml) de extrato de cânhamo sem açúcar contém 60 a 80 calorias, 4,5 a 8g de gordura e 1 a 2g de carboidratos. Contém quantidade semelhante de gordura ao leite de vaca, mas cerca da metade das calorias e proteínas. Ele também contém significativamente menos carboidratos em relação ao leite.
É uma boa opção para veganos e vegetarianos, pois um copo fornece 2 a 3g de proteína com todos os aminoácidos essenciais. É baixo em carboidratos, tornando-o uma ótima opção para quem deseja reduzir a ingestão. Evite variedades adocicadas, pois elas podem conter até 20 gramas de carboidratos por xícara (240 ml)

Extrato vegetal de quinoa

Embora a quinoa tenha se tornado um superalimento muito popular nos últimos anos, o extrato é relativamente novo no mercado. Por esse motivo, é um pouco mais caro que outros extratos e pode ser um pouco mais difícil de encontrar. Um copo (240 ml) contém 70 calorias, 1 grama de gordura, 2 gramas de proteína e 12 gramas de carboidratos em média. É composto principalmente de água e de 5 a 10% de quinoa. Isso significa que a maioria das proteínas, fibras, vitaminas e minerais da quinoa são diluídas. Possui um perfil nutricional bastante equilibrado em comparação com outros extratos. É relativamente baixo em gordura, com quantidades moderadas de proteínas, calorias e carboidratos. É uma boa fonte de proteína para vegetarianos e veganos. Se estiver disponível no supermercado, pode valer a pena apostar.

Fonte: Adriana Stavro é nutricionista funcional e fitoterapeuta, especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein – Mestranda do Nascimento a Adolescência pelo Centro Universitário São Camilo.

Carnaval: com ou sem feriado, data pode ser comemorada com cardápio diferente

Brunch, refeição que une café da manhã com almoço, é opção para sair da rotina

Carnaval, comemoração tipicamente brasileira, sempre atrai várias pessoas para festejar nas ruas de diversas cidades. Em 2020, apenas nas cidades que são polos, como Olinda, Recife e Salvador, foram 22 milhões de pessoas celebrando, o maior número até então. Porém, com a pandemia do coronavírus, os planos para esse ano devem ser adiados.

E, para quem irá pular o Carnaval em casa esse ano, uma excelente opção para aproveitar e sair da rotina é o brunch, refeição que é feita entre o café da manhã e o almoço. Por isso, Alegra, indústria de alimentos derivados da carne suína e a Herança Holandesa, marcas do grupo Unium, que une as indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, separaram três receitas especiais para essa refeição. Bom apetite:

Crepe de nata com morangos

Ingredientes:
8 ovos
300g de farinha de trigo tradicional Herança Holandesa
450ml de leite integral Colônia Holandesa
2 colheres (sopa) de açúcar
óleo
1 xícara de nata
500g de morangos

Modo de preparo:
Misturar os ovos, o leite, o açúcar e o trigo no liquidificador ou mixer. Peneirar e reservar por alguns minutos. Aquecer uma frigideira antiaderente ou uma panquequeira, untar com óleo e preparar os crepes, em massas finas. Na batedeira, bater a nata em ponto de chantilly. Se preferir, adoçar com uma ou duas colheres de açúcar. Servir os crepes acompanhados de nata batida e morangos.

Rendimento: 12 crepes
Tempo de preparo: 30 minutos

Pãozinho de leite

Ingredientes:
550g de farinha de trigo tradicional Herança Holandesa
100ml de água
10g de fermento biológico seco
250ml de leite
50g de açúcar
10g de sal
50g de manteiga
2 gemas

Modo de preparo:
Misturar o fermento com a água e 100g de trigo. Reservar por 30 minutos. Juntar os demais ingredientes (pode ser na batedeira, com gancho), até incorporar bem. Descansar por 10 minutos. Sovar na bancada por 15 minutos (ou 10 minutos na batedeira), moldar uma bola e cobrir com pano, deixar fermentar por 1 hora. Dividir a massa em 12 pedaços e moldar bolinhas. Colocar na forma, untada com óleo, lado a lado. Cobrir com pano e deixar crescer de 45 minutos a 1 hora. Pincelar as gemas batidas. Assar por 35 a 45 minutos, em forno preaquecido em 180ºC – até que estejam dourados.

Rendimento: 12 pães
Tempo de preparo: 60 minutos

Sanduíche prático de salame italiano

Ingredientes:
4 fatias de pão rústico
100g de salame italiano fatiado Alegra
Folhas de rúcula
150g de maionese
1/2 colher (chá) de pimenta calabresa
1 colher (chá) de cebola desidratada em flocos
1/2 colher (chá) de alho desidratado em flocos
1/2 colher (chá) de orégano seco

Modo de preparo:
Misture a maionese e os temperos secos meia hora antes de servir, para hidratá-los. Unte generosamente cada fatia de pão com a maionese temperada. Coloque duas fatias sobre a tábua, cubra com folhas de rúcula, adicione o salame italiano, dobrando as fatias ao meio. Finalize o sanduíche com as outras fatias, já untadas com maionese.

Fonte: Unium

Naveia: leite sem lactose, naturalmente doce e vegano/plant-based chega ao mercado

Leite de aveia surge como uma evolução mais sustentável, mais saudável e mais gostosa do leite de origem animal

Felipe Melo, também conhecido como Felipe UFO, é um explorador nato. Depois de cinco anos trabalhando no mercado financeiro, sentia que precisava ver o mundo ao vivo, e não mais pela tela de um computador. Com 20 e poucos anos, tinha muitas perguntas, e sabia que não iria conseguir respondê-las através dos olhos dos outros. Precisava ver com seus próprios olhos, sentir, observar, soar, conversar, carimbar seu passaporte.

Sua primeira investida, que o possibilitava explorar o mundo, foi no mercado da moda. Felipe foi sócio da marca Langak durante dez anos. Em seguida, ajudou a criar e foi produtor/apresentador dos programas “Não Conta Lá em Casa”, exibido por oito anos no Multishow, e “Que Mundo É Esse?” na GloboNews. Foi nessa época que UFO percebeu que as perguntas que tinha ao sair do banco só aumentavam. Mas também já tinha algumas respostas.

Entendia que a relação do ser humano com o mundo precisava mudar, que tudo o que é feito gera uma consequência, e é preciso escolher o impacto a ser causado. Entendia também que se somos o que comemos, o mundo é o que consumimos. E o consumo consciente era uma ferramenta poderosa de transformação. Vegetariano há 23 anos e vegano há oito, precisava encontrar algo que pudesse causar o máximo de impacto positivo no que me movia: os animais e o planeta.

Felipe decidiu passar um ano sabático, em Berlim, na Alemanha, onde morava sua namorada, Alex Soderberg, uma sueca com um estreito elo com o Brasil. Alex viveu durante dois anos no país, por conta do trabalho do pai. “Eu saí do Brasil, mas o Brasil nunca saiu de mim. Sempre tive o sonho de voltar a morar aqui”, afirma.

Em Berlim, considerada a capital mundial do veganismo e a Meca para o movimento de sustentabilidade, Alex estudou e trabalhou com agricultura sustentável e na indústria de alimentos. Em uma plataforma de startups, buscava soluções inovadoras para os desafios de uma cadeia alimentar mais sustentável, tudo desde serviços logísticos com baixo impacto, embalagens biodegradáveis, produtos com propósito e um senso forte de responsabilidade ambiental e social.

“Os nossos assuntos preferidos sempre foram sobre as infinitas possibilidades de fortalecer esse mesmo movimento no Brasil. Quando começamos a estudar a indústria de laticínios no Brasil, um país com o maior rebanho de gado do mundo, e com 80% de suas pastagens em estado de degradação, fomos atrás da melhor maneira para mudar essa realidade. E enxergamos que uma verdadeira mudança só seria possível se tivéssemos uma bebida mais gostosa do que o leite de vaca e que com o tempo também poderia concorrer com o preço dos leites de origem animal. Uma missão difícil, porém mais necessária do que nunca”, conta Alex.

Em 2017, numa vinda ao Brasil, o casal apresentou para três amigos o projeto de uma empresa de laticínios vegetais. Daquele encontro se formou a sociedade que daria vida à Evolat, marca que tem como objetivo criar os laticínios vegetais mais gostosos e acessíveis possíveis. O primeiro produto da Evolat, lançado em novembro de 2020, é o Naveia, um leite feito de… aveia. Um produto mais sustentável comparado aos outros leites vegetais, como arroz e castanha, mas principalmente comparado ao leite de origem animal.

O objetivo da marca não é conquistar só o mercado vegano, mas também o não vegano, oferecendo uma opção que convence pelo sabor, e pelo preço, além de ser a escolha de consumo mais consciente. A princípio são três sabores: o original, já à venda, o barista, que fica perfeito no café, com lançamento no início deste ano e o achocolatado. Sem lactose, naturalmente doce e vegano/plant-based. A aveia é produzida no Rio Grande do Sul fazendo o produto ser 100% nacional.

Naveia por Naveia

Não somos uma marca com propósito, mas um propósito que criou uma marca! Pra começar, estamos longe de sermos perfeitos. Sim, somos um deleite vegetal (ok, gostoso pra caramba). Mas ser “vegetal” não é caso de medalha olímpica, Nobel da paz, nem homenagem em praça pública — a gente também leva multa no trânsito, esquece aniversário de amigo e acumula louça na pia como quase todo ser humano. Então, ufa, senta aqui porque vamos tocar a real: o que a gente quer é fazer diferença no mundo, oferecendo um produto que é a evolução do leite convencional. E chamamos de “evolução” com toda convicção, afinal, não dá mais pra suportarmos um tipo de atividade que traz tanta destruição e sofrimento ao
planeta.

Ainda temos muito o que aprender e fazer. E, assim como não somos perfeitos, também não somos uma panelinha. No máximo, um liquidificador que mistura tudo: veganos, vegetarianos, flexitarianos (sim, notamos vocês!), simpatizantes e todos os curiosos restantes. Por isso, se você escolheu viver sem consumir nada de origem animal, me abraça. Mas se você só quer um leite delicioso, que cabe no bolso e é bom pro seu corpo, pro mundo, pro futuro (e pra vaca!), ficaremos felizes de estar junto com você nessa escolha.

Uma saga de três anos…

A ideia surge em 2017, e as primeiras pesquisas começam em novembro de 2017. Os primeiros desenvolvimentos de produto começam em fevereiro de 2018, junto com um laboratório de alimentos em SP, especializado em desenvolvimento de alimentos de origem vegetal.Tivemos a sorte de encontrar uma PhD em Alimentos e Nutrição fantástica para nos ajudar. Pessoa incrível que acabou virando grande amiga e está no projeto com a gente desde então. Com todas as dificuldades de sermos os pioneiros no desenvolvimento de um leite de aveia no Brasil, todo esse desenvolvimento demora mesmo.

No início de 2019, sabendo do nosso projeto, fomos procurados por uma empresa alemã com anos de experiência na Europa em leite de aveia para fecharmos uma parceria nesse desenvolvimento no Brasil. A sorte foi ter uma das fundadoras metade sueca, metade austríaca e que morou por oito anos em Berlim, trabalhando com a indústria de alimentos.

Infinitos testes com a aveia do Brasil. A qualidade do produto final surpreendeu a todos. Já estávamos com o nosso primeiro produto, o Naveia Original, pronto no início de 2020, e prevíamos lançar em março desse ano. Aí veio a pandemia…

Seguramos o lançamento, pois entendíamos que não era o melhor momento para lançar um produto tão novo assim no mercado brasileiro. Ao mesmo tempo, queríamos seguir com o desenvolvimento dos próximos produtos, como o nosso leite barista (especialmente feito para misturar com café), só que o nosso laboratório parceiro entrou em lockdown. Com isso, tivemos que comprar todos os equipamentos mais essenciais para a nossa PhD continuar esse desenvolvimento em casa, até a reabertura do laboratório.

Dezembro de 2020, finalmente, fizemos o lançamento do Naveia Original e estamos com Naveia Barista pronto para ser lançado em janeiro de 2021. E muitos outros produtos já desenvolvidos para serem lançados ao longo do ano que vem.

Informações: Naveia

Até 40% da população mundial sofre com algum tipo de alergia; confira orientações

Além da saúde, as restrições impostas pelas alergias alimentares também podem trazer impactos sociais, psicológicos e financeiros às famílias

Estudos afirmam que entre 30% e 40% da população mundial possui algum tipo de alergia*. Ao todo, mais de 170 alimentos já foram identificados como gatilhos para reações alérgicas, sendo que oito deles aparecem como os grandes responsáveis pela maioria das alergias alimentares.

Entre eles está o leite de vaca, causador de um dos tipos de alergia mais comuns na infância – estima-se que cerca de 3% das crianças até 3 anos de idade apresentem Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV). A APLV possui sintomas que variam muito, dificultando assim sua identificação, reconhecimento e tratamento. Em média, o tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico de fato costuma ser de quatro meses. Durante este período de adaptação às restrições, os bebês, crianças e famílias costumam sofrer impactos que interferem diretamente em seu desenvolvimento social, psicológico e, até mesmo, financeiro.

Danone Nutricia , divisão de nutrição especializada da Danone, possui uma longa história de pioneirismo, pesquisa e desenvolvimento de soluções nutricionais voltadas para quem sofre de alergias alimentares.

“Reforçando nosso propósito de transformar vidas por meio da nutrição, temos uma gama de soluções nutricionais para apoiar crianças portadoras destas doenças e dos desafios ligados a elas, reduzindo os impactos causados pelas restrições e, consequentemente, trazendo melhorias em relação à qualidade de vida de toda a família. Além disso, trabalhamos constantemente na capacitação e educação médica, a fim de tornar os pediatras mais aptos a identificar e tratar alergias alimentares, sobretudo a APLV”, comenta Thaysa Cezar, gerente de Medical Affairs na Danone Nutricia.

Confira a seguir algumas orientações para que pais e crianças estejam preparados para lidar e se adaptar às restrições da melhor forma, preparadas pelos especialistas da Danone Nutricia:

Atente-se aos principais sintomas

Os sintomas mais comuns causados pelas alergias são inchaço nos olhos, sangue nas fezes, diarreia, coceira (urticária), dermatite, refluxo e cólicas, variando a gravidade de acordo com o seu tipo. Porém, em casos mais agudos, as alergias podem causar choque anafilático, o que requer socorro imediato.

Dessa forma, é necessário que as famílias tenham acompanhamento médico e estejam bem informadas para avaliar as situações e tomar ações emergenciais quando necessário.

Acompanhamento profissional

Além dos sintomas alérgicos, há outras questões menos conhecidas que relacionam alergias ao desenvolvimento infantil. A existência de alergias no período da infância pode resultar em um aumento do risco de outras doenças atópicas no futuro. Dessa forma, é fundamental o acompanhamento frequente de médicos de diferentes áreas, como pediatras, nutricionistas e psicólogos, para identificar tratamentos necessários e melhorar a qualidade de vida das crianças.

Sabe-se, ainda, que crianças com APLV apresentam 27% mais chances de desenvolverem osteoporose no futuro. Também foi verificado um déficit de peso para estatura 7 vezes maior. Por isso, torna-se ainda mais importante o olhar nutricional para a criança com dieta restritiva, para evitar riscos futuros e garantir o seu desenvolvimento.

Dietas adaptadas ao tipo e nível de restrição

As alergias alimentares se manifestam de forma diferente de acordo com cada organismo. Algumas crianças precisam restringir um ou dois grupos de alimentos, caso desenvolvam a alergia múltipla. Além disso, em alguns casos, é possível tolerar alimentos com traços das proteínas alergênicas, enquanto outros, mais sensíveis, demandam mais atenção na análise dos rótulos. Por tudo isso, a orientação do médico ou nutricionista é fundamental. É importante procurar alternativas adaptadas e adequadas às condições de cada criança, com o intuito de garantir a inclusão dos nutrientes necessários na alimentação para que não haja comprometimento no crescimento e no desenvolvimento infantil.

Busque alternativas para minimizar impactos sociais e psicológicos

A partir do momento em que se cria uma nova rotina de acordo com as adaptações impostas pelas alergias alimentares, a preparação dos alimentos e elaboração de novas receitas torna-se mais fácil e prática. Com uma dieta especial estabelecida e as alergias controladas, é possível também reduzir os impactos psicológicos que as restrições podem causar, como a ansiedade e estresse para os pais e crianças.

Saiba clicando aqui.

*World Health Organization. White Book on Allergy 2011-2012 Executive Summary. By Prof. Ruby Pawankar, MD, PhD, Prof. Giorgio Walkter Canonica, MD, Prof. Stephen T. Holgate, BSc, MD, DSc, FMed Sci and Prof. Richard F. Lockey, MD.

Fonte: Danone Nutricia