Arquivo da tag: ligamentos

Quatro estruturas da face que são alteradas no processo de envelhecimento

Apesar da queixa do paciente focar apenas uma das estruturas da face, como pele (flácida) ou (perda de) gordura, o problema pode estar relacionado com os músculos e lingamento ou com o envelhecimento dos ossos, que perdem projeção e estrutura

Durante o processo de envelhecimento, o rosto sofre alterações em várias estruturas da face. “Apesar da queixa mais comum focar em apenas uma estrutura, geralmente a pele, que pode estar flácida ou com rugas, um exame clínico adequado visualiza a face como um todo, a estrutura óssea, a quantidade e qualidade de tecidos como gordura, músculos e ligamentos e a qualidade e aparência da pele e ainda a proporcionalidade entre os segmentos da face”, afirma a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery).

“É uma avaliação global da face tanto em repouso como dinamicamente durante os movimentos da musculatura”, acrescenta.

Como o processo de envelhecimento é complexo, a correta avaliação do que pode ser feito é primordial, segundo a médica. Ela explica abaixo as principais alterações em quatro estruturas da face:

mulher idosa celular depositphotos

Ossos — “Algumas áreas perdem projeção e espessura dos ossos, por exemplo, as maçãs do rosto ficam mais apagadas”;

mulher idosa

Gordura — “Existem compartimentos de gordura na face que diminuem com emagrecimento ou envelhecimento, e isso faz com que os tecidos mais superficiais tenham menos estrutura, ficando flácidos.”

shutterstock pele rosto flacidez.jpg

Músculos e ligamentos — “Com o passar do tempo, eles ficam mais frouxos, é o que chamamos de flacidez”;

gettyimages- mulher pele meia idade

Pele — “Ela perde elasticidade e firmeza e acompanha a flacidez dos tecidos abaixo.”

A importância de se visitar um médico para análise completa da pele é justamente evitar a aplicação de preenchedores, por exemplo, em locais incorretos. “Por exemplo, o preenchedor mais utilizado é o ácido hialurônico mas também podemos utilizar a hidroxiapatita de cálcio. O produto pode ser aplicado com agulhas ou com microcânula, que diminui muito o desconforto e riscos de hematomas. Dependendo da estrutura a ser tratada pode ser injetado profundamente próximo ao osso, ou na gordura (subcutâneo) ou ainda sob a pele. Para isso temos produtos com diferentes coesividades, ou seja, mais ou menos espessos, para cada plano de tratamento”, afirma a médica.

Beatriz diz que o bigode chinês, ou o sulco nasogeniano, é uma queixa muito comum. “A causa pode ser diminuição da parte óssea do osso malar (o osso da maçã do rosto) ou dos compartimentos de gordura da face, fazendo com que os tecidos mais superficiais “caiam” e dobrem sobre o ligamento que formam o sulco do bigode chinês. Se simplesmente preenchermos o sulco, a parte inferior vai ficar ainda mais pesada e pode piorar o aspecto de cansado”, diz a médica.

“O ideal é preencher com ácido hialurônico de alta coesividade sobre o osso e simular o aumento dessa estrutura óssea ou repor o volume que foi perdido, dando aspecto de lifting e pode ser usado o método MD codes para repor este volume.

Segundo a cirurgiã plástica, quando o envelhecimento da pele está associado à flacidez dos tecidos mais profundos, como músculos e ligamentos, que pioram o aspecto da pele, dependendo do caso a cirurgia se faz necessária. “Procure sempre um cirurgião plástico que, com o correto diagnóstico, pode escolher como tratar estas estruturas. O envelhecimento é inevitável, mas pode ser tratado para obter um aspecto saudável e feliz do rosto”, finaliza.

Fonte: Beatriz Lassance é cirurgiã plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL, é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da International Society of Aesthetic Plastic Surgery e da American Society of Plastic Surgery. Além disso, é membro do American College of LifeStyle Medicine e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida.