Arquivo da tag: Madalena Feliciano

Terapeuta dá dicas de como conviver com pessoas falsas no trabalho?

Especialista dá dicas de como identificar e conviver com essas pessoas; saiba como agir para não criar situações ruins no trabalho.

Em tempos de mercado de trabalho com déficit de vagas e excesso de profissionais em busca de emprego, vale usar diversas estratégias para ganhar destaque e se manter no emprego. Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Carreers, entre as táticas usadas está a falsidade. Mas como identificar que uma pessoa está sendo falsa com os colegas no ambiente de trabalho e até deseja puxar o tapete deles?

Segundo a especialista, a pessoa falsa pode se passar por alguém gentil e prestativo. Porém, também é possível perceber que ela fará fofocas de colegas ao mesmo tempo em que tentará ser simpática e bajuladora. “A falsidade pode ser consequência de uma baixa autoestima ou até mesmo de uma necessidade de tentar parecer o que não é. Se você já se lembrou de alguém assim, pode desconfiar que essa pessoa só pensa nela mesma e nas conquistas que pretende alcançar”, explica Madalena Feliciano.

Madalena também alerta que a máscara, uma hora ou outra, vai cair. “Se você ainda não sabe se aquele ou aquela colega é dissimulado, não se preocupe. Com o tempo, você vai perceber se ela se contradiz, se ela fala mal de alguém pelas costas e vai acabar identificando a falsidade ali”, comenta.

Como agir

Imagine que você seja o assunto dessa pessoa, que está tentando te colocar em um nível inferior em relação aos seus outros colegas e chefes. Como você reagiria? Muitas pessoas com certeza iriam discutir e cobrar satisfação. Porém, esse pode não ser o melhor caminho. “Resolver a situação com um diálogo pode ser a melhor atitude, mas desde que o diálogo seja feito de maneira discreta. Isso porque originar situações de discussões acaloradas e brigas no ambiente de trabalho pode ser muito prejudicial para a sua carreira, podendo levar até a demissão”, esclarece a especialista.

Madalena também ressalta que o primeiro passo que deve ser tomado com essas pessoas que querem impedir seu progresso é se afastar, pois gastar energia com quem não deseja seu bem pode ser muito desgastante e te atrapalhar. No entanto, se afastar não significa que você deve parar de falar e ignorar a existência da outra pessoa. A relação deve existir, sendo estritamente profissional. O problema é querer ser amigo dessa pessoa.

“Dessa maneira, com o tempo, a pessoa que prefere se tornar um personagem no trabalho vai perdendo mais espaço, por isso, não é preciso dar muita atenção a essas pessoas. Saber trabalhar em equipe pode ser um diferencial seu no mercado, e essas pessoas vão se complicar nesse sentido. Por isso, quem convive com uma alguém falso pode ficar tranquilo e manter todo o foco apenas no seu trabalho que, no final, você será recompensado”, conclui Madalena.

Madalena Feliciano: é empresária, CEO de três empresas, Outliers Careers, IPCoaching e MF Terapias, consultora executiva de carreira e terapeuta, atua como coach de líderes e de equipes e com orientação profissional há mais de 20 anos, sendo especialista em gestão de carreira e desenvolvimento humano. Mater Coach, Master em PNL e Hipnoterapeuta, realiza atendimento personalizado para: fobias, depressão, ansiedade, medos, gagueira, pânico, anorexia, entre muitos outros.

Cantar em meio à guerra? Entenda os efeitos da música em nossas emoções

Nos últimos dias, imagens chocantes e de partir o coração após a invasão da Ucrânia pela Rússia circularam pelo mundo. No entanto, em meio a angústia causada pela invasão, um vídeo de uma garotinha cantando “Let it Go” do filme de animação da Disney (2013), viralizou na web. A letra dessa música fala sobre a superação das adversidades, que condiz muito com a situação que o povo ucraniano está vivenciando, o que deixou os internautas ainda mais emocionados.

“O processamento musical é um estímulos que influencia diretamente em diversos estados da nossa consciência, desde estados emocionais, até estados mais racionais, ativando nossa consciência auto reflexiva, por exemplo”, explica a especialista em desenvolvimento humano Madalena Feliciano.

A música se mostrou uma grande aliada em momentos de caos e tensão devido ao que ela causa nas ondas cerebrais, distração, inspiração, esperança, união, emoção, sensibilidade, “diferentes circuitos neuronais são ativados graças à música, já que a percepção e o aprendizagem musical requer e recruta diferentes regiões cerebrais, aumentando a sinapses entre elas”, esclarece Madalena.

Além disso, diversos estudos pelo mundo todo em lugares como Harvard ou Oxford, com ajuda da neuroimagem, também afirmam que a música tem a capacidade de aumentar a neuroplasticidade cerebral (capacidade do sistema nervoso de mudar, adaptar-se e moldar-se a nível estrutural e funcional ao longo do desenvolvimento neuronal e quando sujeito é exposto a novas experiências.)

“O cérebro pode ser condicionado a relacionar estímulos a memórias, como quando sentimos um perfume e lembramos de um pessoa ou ouvimos uma música e ela nos coloca em certo estado de espírito. Esse estímulo influência no nosso estado emocional interno, frequências musicais e letras motivacionais, criam um estímulo interno nas emoções, e que podem ajudar positivamente em ambientes de medo, ansiedade e conflito”, argumenta Madalena.

Assim como a âncora do navio deixa a embarcação parada no porto, a pessoa usa a música para permanecer no estado ideal para a atividade que está desempenhando, aumentando sua determinação e motivação. “Em muitas situações a música traz boas memórias e faz sentir bem. Concentrando-se nesses sentimentos de empoderamento, é possível criar uma âncora emocional que ajuda a pessoa a se centrar mentalmente e não perdendo tanto o controle em meio a situações de ansiedade e desespero”, finaliza Madalena.

Fonte: Madalena Feliciano é empresária, CEO de três empresas, Outliers Careers, IPCoaching e MF Terapias, consultora executiva de carreira e terapeuta, atua como coach de líderes e de equipes e com orientação profissional há mais de 20 anos, sendo especialista em gestão de carreira e desenvolvimento humano. Estudou Terapias Alternativas e MBA em Hipnoterapia.
.

Mulher: a arte de ser multitarefa

Com maiores responsabilidades e salários, as mulheres procuram por homens que as ajudem nas tarefas domésticas e as apoiem profissionalmente

Durante as últimas décadas do século XX, dentre os vários acontecimentos históricos, um dos fatos marcantes foi a inserção cada vez maior da mulher no mercado de trabalho. Depois de lutarem muito, elas finalmente conquistaram o direito do voto em 1932 – mas não ficaram satisfeitas com essa vitória: elas querem sempre mais, e estão conseguindo.

Pode não parecer, mas as conquistas no âmbito feminino vão desde a permissão para usar de calças compridas até o direito não só de votar, como também de serem eleitas. Aos poucos, a classe feminina prova a sua competência, profissionalismo, criatividade e liderança, conquistando mais espaço e rompendo as barreiras do preconceito.

No mercado de trabalho deve-se muito a fatores econômicos, culturais e sociais do país, mas, independente disso, ficou claro que tanto elas quanto seus parceiros gostaram dessa nova função assumida pelas mulheres.

“As mulheres hoje procuram homens que as entendam e apoiem as suas carreiras, e não que as tornem “mulheres do lar” durante os sete dias da semana”, opina Madalena Feliciano, gestora de carreira e hipnóloga. Muitos casais hoje optam por não terem filhos ou apenas por terem filhos mais tarde, para que possam aproveitar por mais tempo os privilégios do namoro ou casamento com a renda mais estabilizada – objetivo difícil de ser adquirido quando ambos ainda são muito jovens e estão adentrando o mercado de trabalho, salvo exceções.

O que antes era uma forma de submissão ao homem, hoje deu lugar a mulheres executivas, presidentas, governadoras, líderes, mestres e doutoras. “E elas aproveitam essas oportunidades para acrescentarem o seu toque feminino, fazendo com que muitas profissões cresçam e sendo reconhecidas cada vez mais pelos homens, que até pouco tempo tinham preconceito em serem comandados por mulheres”, afirma Madalena.

Devido a essas mudanças, o homem brasileiro começou a ajudar mais nas tarefas domésticas, apesar de ainda ser a mulher quem dedica mais tempo aos afazeres do lar, e cuidar dos filhos. Não se sabe exatamente o que tem motivado os homens a colaborarem mais, se é um maior grau de conscientização ou o fato de suas mulheres não terem mais tanto tempo para a casa, já que passam muitas horas na rua, mas é fato de que eles perceberam que os papéis mudaram e estão dispostos a ajudar e a manter a mulher ao seu lado.

Getty Images

O ideal é dividir as tarefas do lar e deixar tudo claro desde o início do namoro. Querer mudar uma pessoa depois pode ser tarde. É preciso que os dois saibam ceder quando necessário, afinal, é isso o que torna um relacionamento saudável. “Para isso, digo para os casais fazerem uma lista rica em detalhes, das suas funções domésticas e do trabalho. Depois, as listas devem ser comparadas para que as funções de cada um possam ser reorganizadas com base em uma conversa franca, para que haja equilíbrio entre as duas partes”, afirma Madalena.

Informações: Madalena Feliciano

Aprenda a controlar as crises de pânico e ansiedade

A situação atual pode levar à piora dos sintomas, foque na sua saúde

Para quem já sofre com desordens psicológicas decorrentes de ansiedade e estresse, como a síndrome do pânico, lidar com o medo crescente que está aparecendo por conta das medidas tomadas pelo governo a fim de reduzir a propagação da Covid-19 pode ser extremamente difícil.

Por mais que não saia muito de casa, ser impedido de sair por um perigo iminente é uma situação que causa desconforto e preocupação em excesso. Pessoas que nunca experimentaram a ansiedade extrema começam a expressar sintomas ao serem pressionadas por informações em excesso e fake news.

mulher ataque de panico

“É preciso saber como lidar com a histeria e ataques de pânico, caso surjam, pois estima-se que 90% da população experimente esse sintoma em algum ponto da vida. A quarentena é um momento propício para que isso aconteça”, afirma Madalena Feliciano, gestora de carreira e hipnoterapeuta.

Muitas vezes, as crises de ansiedade e ataques de pânico acontecem sem que haja um perigo real, o cérebro apenas não sabe a diferença entre uma simulação e algo que verdadeiramente o ameaça, por isso, o medo constante e fatores que o aumentam são perigosos.

“Uma crise dura poucos minutos, mas pode se estender se não aprendermos a controla-la. Se você ou alguém próximo está tendo, é preciso ficar atento e tomar algumas atitudes.

É possível controlar seguindo algumas dicas:

Desvie a atenção

mulher e cachorro golden

Um dos principais motivos para que a crise de ansiedade se torne mais intensa é começar a se preocupar ainda mais com tudo que está acontecendo e passar horas vendo ou lendo notícias que disseminam ainda mais medo e insegurança. É fundamental desviar a atenção e focar em atividades que geram prazer e bem-estar.

Diminua o ritmo da respiração

exercicio ansiedade respiracao facetofeet
Facetofeet

Assistir nosso peito subindo e descendo rapidamente pode se tornar desesperador. Durante uma crise, começamos a respirar rápido demais, causando hiperventilação.
Nesses casos, é primordial inspirar e expirar lenta e profundamente, a fim de diminuir o estresse e fornecer mais oxigênio ao cérebro, aumentando a concentração. Isso diminui a sensação de asfixia e incapacidade de respirar. Quando notar que uma crise se aproxima, segure a respiração, coloque uma mão sobre a barriga e a outra sobre o peito e comece a respirar devagar, utilizando o diafragma. Inspire pelo nariz, segure a respiração por três segundos e expire pela boca lentamente. Você deve sentir o abdômen subindo e descendo. Mantenha esse ritmo de respiração até sentir relaxamento muscular e clareza de pensamento.

Relaxe os músculos

shutterstock mulher relaxando pescoco
Shutterstock

A tendência imediata de uma pessoa passando por um ataque de ansiedade é de contrair os músculos como forma de defesa, entretanto essa contração acaba trazendo mais dores e desconforto, intensificando a sensação de peso. Depois que a respiração estiver controlada, procure iniciar o processo de relaxamento muscular. Volte a sua atenção para os músculos, relaxando um por vez a partir da expiração. Comece com a cabeça e o pescoço e passe para as áreas mais afetadas pelo estresse, como o maxilar, boca, nuca e ombros.

Se distraia

mulher dancando e ouvindo musica

Outra situação comum durante uma crise é passar um turbilhão de pensamentos negativos, causando uma sobrecarga emocional. A descarga de adrenalina desperta nosso sistema nervoso e deixa a mente alerta. A saída para isso é diminuir o ritmo dos pensamentos criando distrações externas. Converse com alguém e preste atenção na conversa, cante, ouça música, conte uma história, faça lista que poderá ajudar nas atividades da semana, lembre-se de situações engraçadas, momentos felizes ou qualquer outra atividade que te tire do problema.

Use sua imaginação

praia mulher chapeu

Pense em um lugar que você se sinta feliz, em paz e tranquilo. Feche seus olhos e visualize detalhes deste lugar, cor, pessoas, aromas, sons… Use sua imaginação. Esse tipo de atividade é muito eficiente para desligar sua mente dos sintomas da ansiedade e acalmar o coração.

Fonte: Madalena Feliciano é gestora de carreira e hipnoterapeuta