Arquivo da tag: medicamentos

12 produtos de primeiros socorros que todo mundo tem que ter em casa

Um kit com produtos básicos é necessário para evitar complicações em acidentes domésticos

Você tem um kit com produtos para primeiros socorros em casa? Se você não possui, monte já uma caixa com produtos que podem evitar complicações em acidentes domésticos e até mesmo em casos como resfriados e febres. Para quem já possui um kit de primeiros socorros, é preciso atenção se o que consta entre os medicamentos é realmente útil.

“Basicamente, é preciso ter produtos como algodão, cotonete, gaze, tesoura, esparadrapo, luvas e itens que atendem às necessidades em pequenos acidentes, como arranhões, cortes superficiais, queimaduras de primeiro grau”, conta Antônio Rangel, enfermeiro e consultor da farmacêutica Vuelo Pharma.

Alguns produtos não costumam estar nos kits que as pessoas têm em casa, mas valem o investimento. Um abaixador de língua, por exemplo, pode ajudar a ver algum objeto na garganta e até imobilizar um dedo da mão. Outra boa aquisição é uma bolsa térmica, que pode ser usada tanto fria quanto quente e serve para cólicas ou mesmo hematomas ou inchaço por pancada.

“Uma outra boa dica para ter em casa são produtos para queimaduras, supercomuns em adultos e crianças. Existe no mercado uma membrana chamada Membracel, que auxilia em casos de queimaduras de segundo grau, escoriações e até mesmo feridas mais profundas. É uma membrana de celulose cristalina capaz de substituir temporariamente a pele, além de isolar as terminações nervosas e acelerar o processo cicatricial. É bem versátil e multiuso, fácil de aplicar e muito mais efetiva que qualquer pomada”, explica.

Um alerta importante do profissional está relacionado aos resfriados ou gripes com sintomas febris. “O uso de anti-inflamatório em febre acima de 37,5 graus, acompanhada de tosse e falta de ar, não é recomendado. Busque um médico imediatamente neste caso”, avisa.

Alertas

O consultor chama atenção para o uso de algum produto do kit de primeiros socorros em pessoas que usam medicamentos de forma contínua. “É preciso atenção a interação entre o que a pessoa ingere normalmente e o que está no kit. Alguns produtos utilizados de forma combinada podem não ser eficientes ou até comprometer o tratamento que está em andamento”, enfatiza Rangel, lembrando que a automedicação deve ser evitada ao máximo.

Outro ponto de atenção é em relação a pessoas alérgicas e ao vencimento dos medicamentos, que não devem ser estocados ou armazenados por longos períodos. Ele alerta, ainda, que kits de primeiros socorros devem sempre ficar longe de crianças, observando regras de prevenção a acidentes domésticos, como guardar produtos de limpeza, higiene e álcool em local adequado, preferencialmente em lugares altos.

Confira a sugestão de kit de primeiros socorros para ter em casa:

-Algodão
-Antisséptico em spray
-Bolsa térmica
-Cotonetes
-Dipirona
-Esparadrapo ou micropore
-Gaze estéril
-Membracel
-Paracetamol
-Soro fisiológico 0.9%
-Termômetro
-Tesoura

Fonte: Vuelo Pharma

Automedicação pode causar dependência e agravar doenças já existentes

Hábito comum entre 77% dos brasileiros, segundo informações do Conselho Federal de Farmácia (CFF), a automedicação pode agravar doenças sérias e até mascarar sintomas importantes para que elas sejam diagnosticadas.

De acordo com a farmacêutica Maria Cristina Tavares, que atende nas Unidades Básicas de Saúde Vila Calu e Jardim Caiçara, gerenciadas pelo Cejam – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, ambas na zona sul de São Paulo, é necessário alertar a todos acerca dos riscos que a ingestão inadequada de fármacos pode trazer à saúde.

“A prática de medicalização inadequada pode causar reações adversas à saúde da população, impactando no crescimento de índices de intoxicação, resistências bacterianas, interações medicamentosas e reações alérgicas”, destaca.

A especialista destaca ainda que a pandemia de Covid-19, que fez com que a busca por medicamentos, sem eficácia comprovada contra a doença, aumentasse bruscamente. “A prática pode agravar ainda mais o quadro da doença, inclusive, desencadeando outras patologias graves”, afirma Maria Cristina.

Os riscos da “caixinha de remédios”

Steve Buissinne/Pixabay

A veiculação de campanhas publicitárias de medicamentos e o livre acesso a determinados fármacos estimulam um hábito bastante comum na maioria dos lares brasileiros: a chamada “caixinha de remédios”, na qual é comum serem encontrados fármacos como analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos e até remédios controlados.

“Algumas pessoas, inclusive, não saem de casa sem suas bolsinhas de remédios”, ressalta a farmacêutica.

A prática não é recomendada, pois, além das questões já citadas, o uso de certos remédios sem prescrição pode causar sérios efeitos colaterais, dependência e até óbito, em casos de dosagem excedida ou fortes reações alérgicas, por exemplo.

“Em casos de dores, mal-estar ou sintomas de quaisquer tipos de doenças, o ideal é sempre consultar o médico. O profissional irá levar em consideração as características do metabolismo de cada paciente para diagnosticar sintomas e, assim, recomendar a melhor medicação”, complementa a especialista.

Na tentativa de acabar ou, ao menos, diminuir a cultura da automedicação, o Conselho Regional de Farmácia (CRF) produz campanhas publicitárias educativas, principalmente por meio folders, a fim de oferecer ferramentas que sirvam para conscientizar a população sobre os riscos que ela pode trazer à saúde.

Assistência nas UBS

enClipart-Vectors/Pixabay


As Unidades Básicas de Saúde sob gestão do Cejam implantaram o Acompanhamento Farmacoterapêutico para gestantes e pacientes diabéticos insulinodependentes, hipertensos e em tratamento da tuberculose.

“Ao desempenhar suas atribuições junto à equipe multidisciplinar no tratamento farmacológico, o farmacêutico contribui ativamente para o controle da doença”, explica Maria Cristina.

O acompanhamento farmacêutico dos pacientes é realizado por meio de consultas individuais e visitas domiciliares, nas quais são observadas a adesão à farmacoterapia. Na ocasião, os profissionais analisam o estilo de vida do usuário e as interações com medicamentos de outras patologias, entre outras questões. 

Fonte: Cejam

Primeiro de abril: confira dez mentiras sobre medicamentos

No Dia da Mentira, a Extrafarma desvenda os mitos mais comuns relacionados aos medicamentos

Existem diversos mitos sobre medicamentos que ouvimos durante a nossas vidas. Muitos acabam, algumas vezes, prejudicando o tratamento ou, até mesmo, nos induzindo a erros quem podem acarretar danos importantes para a saúde. Pensando nisso, a farmacêutica da Extrafarma, Ana Emilia Batista, desvendou alguns mitos:

Todos os medicamentos fazem mal ao estômago se tomados em jejum.
Mentira.
Ingerir medicamentos com o estômago vazio pode até facilitar sua absorção pelo organismo, e em alguns casos essa é a recomendação. Mas é preciso tomar cuidado, pois alguns tipos de medicamento com acidez elevada podem, sim, irritar o estômago se tomados em jejum. “O ideal é sempre seguir a recomendação de um médico ou farmacêutico, que estão preparados para identificar o horário mais indicado para a ingestão.

Imagem: Farmacêutico Digital

É seguro tomar medicamentos vencidos se não estiverem com aparência alterada.
Mentira.
Mesmo que a cor e cheiro do medicamento estiverem sem alterações, sua ingestão não é indicada se o prazo de validade estiver expirado. Isso porque não há estudos confiáveis que indiquem que os medicamentos mantêm sua eficácia após o prazo recomendado. Em alguns casos, o consumo pode ser até prejudicial para a saúde, provocando reações adversas no organismo.

Stock Photos

Não é preciso completar o tratamento se os sintomas desaparecerem.
Mentira.
O fim dos sintomas não indica a cura da doença. Em muitos casos, como em tratamentos que exigem antibióticos, a interrupção do tratamento antes do tempo indicado pelo médico pode até tornar as bactérias mais resistentes.

O melhor local para guardar os medicamentos é o banheiro, para que estejam sempre à vista.
Mentira.
Por ser um local úmido, e muitas vezes abafado, o banheiro não é a opção ideal para manter os medicamentos. Para que não tenham sua composição alterada, os medicamentos devem ser mantidos em local fresco e arejado, longe da luz e de fontes de calor.

Pixabay

Vitamina vencida não perde o efeito.
Mentira.
O princípio é o mesmo. Quando o laboratório vende um composto vitamínico, ele assegura que as vitaminas funcionarão como esperado se for consumida conforme a orientação médica e dentro do prazo de validade. Após o vencimento, pode haver alterações na fórmula e perda de efeito.

Pixabay

Colírios podem ser usados até seu vencimento.
Mentira.
Muitos colírios não contêm conservantes para evitar problemas de irritação ocular. Desta forma, após aberto, o colírio deve ser utilizado conforme orientação médica e descartado ao final do tratamento, ainda que esteja dentro do prazo de validade.

Medicamentos genéricos são menos eficientes.
Mentira.
Todos os medicamentos genéricos devem ter sua equivalência comprovada em laboratório, conforme determina a legislação. Isso significa que os genéricos têm a mesma eficiência que os remédios de referência, que são certificados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

iStock

Injeções são mais eficientes que comprimidos.
Mentira.
Na verdade, trata-se de uma informação desatualizada. Algumas décadas atrás, os comprimidos tinham uma biodisponibilidade (porcentual de aproveitamento de uma substância pelo organismo) que variava entre 40% e 60%, enquanto a das injeções era de aproximadamente 80%. Porém, com os diversos avanços da indústria farmacêutica nos últimos anos, a biodisponibilidade dos comprimidos atuais varia entre 90% e 95%.

Fonte: Extrafarma

Extrafarma oferece descontos de até 60% em mais de 200 produtos na Black Friday

A Extrafarma oferece mais de 200 produtos de perfumaria com descontos em até 60% na Black Friday. Produtos de marcas como Vichy, La Roche-Posay e Isdin estão com descontos especiais (confira abaixo). Diversos outros itens, como linha de higiene e beleza, produtos para cabelos, protetores solares e produtos para bebês também fazem parte da ação.

A farmácia também oferece condições incríveis para a compra de medicamentos genéricos de uso contínuo na Black Friday: todos estarão na promoção “Leve 4, Pague 2”.

Os preços dos produtos podem variar de acordo com os estoques das unidades.

Você pode conferir todas as ofertas disponíveis no site da Extrafarma, assim como encontrar a loja física mais próxima de você.

Medicamentos sem eficácia comprovada contra Covid-19 têm aumento de 295%

Farmácias APP mostra que, com mais vendas, os medicamentos Hidroxicloroquina, Ivermectina e Nitazoxanida tiveram crescimento de 190% no faturamento

Com os rumores a respeito da eficácia da Hidroxicloroquina, Ivermectina e Nitazoxanida para o tratamento da Covid-19, a procura pelos medicamentos disparou durante a quarentena. Segundo o Farmácias APP, aplicativo de vendas online de itens de beleza e saúde, houve aumento de 295% nas vendas somadas dos três produtos no 2º trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado.

remedio-pixabay
Pixabay

A procura também elevou exponencialmente o faturamento obtido a partir desses produtos: a alta registrada foi de 190% em relação ao mesmo trimestre de 2019. O levantamento abrange todo o mercado farmacêutico brasileiro, tanto físico quanto e-commerce.

Analisando o crescimento dos três medicamentos separadamente, a Hidroxicloroquina teve o maior destaque. O medicamento, indicado para tratamento de malária, registrou alta exponencial de 2.768.749% no faturamento, a partir de um aumento de 2.815.600% nas vendas.

Em segundo lugar, recomendada para o tratamento de piolhos e sarnas, está a Ivermectina. No período, o medicamento atingiu alta de 623% no faturamento, resultado de um aumento de 577% nas vendas.

Dentre os possíveis tratamentos para a Covid-19, a Nitazoxanida teve incremento de 20% nas vendas durante o período de quarentena e, analisando o faturamento, a alta foi de 17%. O medicamento é receitado para tratamentos contra vermes.

remedios pilulas

Para Renata Morais, coordenadora de marketing do Farmácias APP, os dados refletem a busca dos consumidores por uma alternativa eficaz de cura para a doença. “Em todo o mundo, pessoas estão preocupadas com os desdobramentos da Covid-19 e buscam por uma solução capaz de erradicar a doença. O resultado é que, mesmo com divulgações preliminares e ausência de comprovação científica, muitos consumidores quiseram ‘apostar’ nesses medicamentos, puxando as vendas para cima e motivando decisões como a venda somente com receita. É um comportamento bastante perigoso, sem dúvida, especialmente para quem de fato precisa desses remédios e tem de pagar mais caro por causa da especulação”, afirma.

Sobre o Farmácias APP

Desenvolvido pela Pharmacy Ltda, o Farmácias APP é um aplicativo de vendas online de saúde e beleza. É um shopping virtual para itens de beleza e saúde, cujo objetivo principal é democratizar o acesso virtual aos itens comercializados pelas farmácias e lojas de beleza de todo país, levando economia de tempo, dinheiro e ampliando o acesso à saúde aos consumidores.

Nota da redação: por favor, não seja esta pessoa que compra remédios sem comprovação científica para certas doenças e prejudica quem precisa deles de verdade!

Como tratar a Síndrome do Intestino Irritável D

As pessoas que têm SII-D podem frequentemente encontrar alívio em vários tipos de tratamento. Você pode fazer alterações em sua dieta, tomar medicação, encontrar maneiras de aliviar o estresse ou tentar terapia comportamental ou terapia alternativa. Você pode precisar de algumas dessas abordagens ao mesmo tempo para obter alívio.

SII é uma condição complexa que não envolve apenas problemas com evacuações, mas também dor abdominal, inchaço e gases. O objetivo do tratamento é melhorar todos os seus sintomas.

Não tente tratar a síndrome sozinho. Primeiro, seu médico deve se certificar de que seus sintomas estão sendo causados mesmo pela SII. Em seguida, trabalhe com o seu médico para encontrar o melhor tratamento para você.

Sua dieta

dieta-saudavel

Pode ser de ajuda manter um registro dos alimentos que come e como eles fazem você se sentir. Uma vez que diferentes alimentos podem afetar pessoas de diferentes maneiras, manter um diário de sintomas da SII pode ajudar você e seu médico a descobrirem os alimentos que você pode comer e quais deve ficar longe. Algumas dicas para começar:

=Evite chocolate, frituras, álcool, cafeína, bebidas carbonatadas, adoçante artificial sorbitol (encontrado na goma sem açúcar e balas) e frutose (o açúcar no mel e muitas frutas). Esses produtos podem frequentemente piorar os sintomas da diarreia.

=Tenha cuidado com fibras, mas você não precisa evitá-las completamente. Elas são boas de outras formas, como na prevenção do câncer de cólon, diabetes e doenças cardíacas. Além disso, impede que sua diarreia se transforme em constipação. Mas muito, às vezes, leva a gases e inchaços. Para SII-D, é melhor comer o tipo solúvel de fibra. Demora mais tempo para deixar seu sistema digestivo. Você pode obtê-lo em farelo de aveia, cevada, carne de fruta (em oposição à pele/casca) e alguns tipos de feijão.

=Beba muita água todos os dias. Tente tomar um copo uma hora antes ou uma hora depois das refeições, e não enquanto come. Quando você bebe água e ingere alimentos pode fazer a comida se mover pelo seu sistema um pouco mais rápido.

Se você tem diarreia, inchaço e cólicas, pergunte ao seu médico para testá-lo para intolerância à lactose ou doença celíaca.

Medicamentos sem receita médica (OTC)

remedios pilulas

Seu médico pode sugerir tentar medicamentos para diarreia OTC, como subsalicilato de bismuto (Kaopectate, Pepto-Bismol) e loperamida (Imodium) para alívio. Pesquisadores descobriram que essas drogas podem ajudar a retardar a diarreia, mas não ajudam em outros sintomas da SII, como dor na barriga ou inchaço.

Os efeitos colaterais desses tratamentos incluem câimbras no peito e inchaço, juntamente com boca seca, tontura e constipação. Se você tomar um remédio para diarreia, use a menor dose possível e não o tome por muito tempo.

Alguns medicamentos OTC para alívio de gases, como simeticone (Gas-X, Mylicon), são geralmente seguros. Já alguns antiácidos, especialmente aqueles com magnésio, podem causar diarreia. Não tome medicamentos de venda livre a longo prazo sem perguntar ao seu médico sobre isso. Os sintomas da SII podem ser causados por outros problemas mais sérios. Certifique-se de que você e seu médico descartaram outras causas de seus sintomas.

Prescrição de Medicamentos

remedios medicamentos pilulas

O seu médico pode recomendar diferentes tipos de medicamentos prescritos para ajudar:

Antidepressivos. Se o seu médico recomendar, isso não significa necessariamente que você está deprimido. Essas drogas podem ajudar quando se tem dor de barriga de SII. Baixas doses podem bloquear sinais de dor no cérebro.

Para pessoas com SII-D, os médicos podem recomendar uma dose baixa de antidepressivos tricíclicos, como amitriptilina, imipramina (Tofranil) ou nortriptilina (Aventyl, Pamelor). Efeitos colaterais comuns destes medicamentos incluem boca seca, visão turva e constipação. Seu médico pode recomendar outro tipo de antidepressivo chamado SSRI, que inclui citalopram (Celexa), fluoxetina (Prozac) e paroxetina (Paxil), se você tiver depressão junto com SII. Os efeitos colaterais desses medicamentos, às vezes, incluem diarreia, por isso, informe ao seu médico se os sintomas da pioram enquanto estiver tomando algum desses medicamentos.

Drogas que relaxam os músculos, chamadas antiespasmódicos, como diciclomina (Bentyl) e hiosciamina (Levsin). Espasmos musculares no trato digestivo podem causar dor de barriga. Muitos médicos prescrevem esses medicamentos para acalmá-los. Mas alguns estudos descobriram que não há evidências claras de que ajudem a todos com a síndrome.

Os efeitos colaterais dessas drogas incluem diminuição da sudorese, constipação, boca seca e visão turva.

Gerenciamento de estresse

mulher-rosto

O estresse tende a piorar os sintomas da SII. Assim, as terapias que podem ajudá-lo a aprender a lidar com essas emoções muitas vezes podem proporcionar alívio. Uma técnica que parece ajudar a maioria das pessoas é a terapia comportamental. Ensina-lhe melhores maneiras de lidar com a dor e o estresse. Os tipos incluem terapia de relaxamento, biofeedback, hipnoterapia, terapia cognitivo-comportamental e psicoterapia.

Se você quiser experimentar a terapia comportamental para a síndrome, tente encontrar um terapeuta que irá trabalhar com seu médico regular. Fora da terapia formal, você pode tentar maneiras simples de reduzir o estresse e aliviar os sintomas por conta própria. Meditação, exercícios regulares, dormir o suficiente, e manter uma dieta bem equilibrada pode ajudar.

Além disso, tente fazer algo que você goste todos os dias. Dê um passeio, ouça música, tome um banho, pratique esportes ou leia.

Terapia Alternativa

sal de ervas

Algumas pessoas com SII tentam terapias alternativas, como acupuntura, probióticos e ervas para aliviar seus sintomas. Tenha em mente que a maioria das terapias alternativas não foram testadas quanto à eficácia em testes clínicos rigorosos, como os outros tratamentos.

Pesquisadores do National Institutes of Health descobriram que a acupuntura funciona para a dor crônica. Para alívio da SII, no entanto, os resultados não foram claros.

Há também algumas evidências de que os probióticos, bactérias “saudáveis” normalmente encontradas no intestino, ajudam algumas pessoas com SII. Um estudo de um tipo, Bifidobacterium infantis, descobriu que melhorou muito os sintomas da SII e o dia a dia depois que as pessoas o tomaram por 4 semanas. Pesquisa em outro tipo, lactobacilos, teve mais revisões mistas.

Estudos sobre ervas tiveram resultados confusos. Algumas pesquisas mostraram que a hortelã-pimenta relaxa os músculos do cólon e pode melhorar os sintomas da SII. Se você quiser tentar acupuntura ou ervas para seus sintomas, converse com seu médico primeiro. Algumas ervas podem afetar o bom funcionamento de outros medicamentos.

O que é certo para você

mulher dor colica

A SII-D é uma condição complexa. Leva tempo e paciência para descobrir o que o ajudará a se sentir melhor. Nem todo tratamento funciona para todas as pessoas. E seus sintomas podem mudar enquanto você está recebendo tratamento. Você pode ter diarreia agora. Em seguida, prisão de ventre em algumas semanas e, em seguida, diarreia novamente.

Sua melhor aposta? Encontre um médico que compreenda a síndrome do intestino irritável e trabalhe em conjunto no seu plano de tratamento.

Referência Médica WebMD Revisado por Minesh Khatri, em março de 2018

 

 

Propovets lança loção antisséptica natural para pet

propovets

Loção Antisséptica Natural possui o princípio ativo Própolis Verde com ação bactericida e fungicida, para limpar e higienizar a pele e o pelo dos animais e pode ser usada para fazer a higienização intima e das patas

A Propovets, pioneira no mercado pet a apostar nos benefícios da Própolis Verde, inova mais uma vez com o lançamento da loção antisséptica para todos os tipos de animais. A Loção Antisséptica Natural Propovets com ação bactericida e fungicida do seu ativo principal, é maneira prática de manter a pele e o pelo saudáveis nos animais. Além de limpar, higienizar, desodorizar e proteger, contribui para regenerar e hidratar a pele e o pelo, proporcionando brilho e maciez.

A loção pode ser utilizada para fazer a higienização íntima e das patas, promovendo assepsia local adequada para prevenir doenças decorrentes de contaminação, por contato com locais ou outros animais, protegendo assim a família como um todo de possíveis infecções como micose e sarna. Doenças que podem ser transmitidas do pet para o ser humano.

Com bico borrifador, o produto será encontrado em embalagens de 500 ml e 200 ml.

Sobre a Propovets

A Propovets é pioneira no mercado veterinário pelo uso da Própolis Verde, reconhecida mundialmente como eficiente antibiótico natural, anti-inflamatório e antisséptico, na formulação de uma linha de produtos para o tratamento da pele e do pelo de animais.

Cada produto da linha é cuidadosamente elaborado de forma a não apresentar efeitos colaterais e restrição de uso. Promovem equilíbrio da flora natural da pele e recuperação da pelagem. A linha Propovets é composta por xampu, condicionador, gel e loção antisséptica. Resultado de anos de intensas pesquisas de uma equipe multidisciplinar.

Preços: 500 ml – R$ 75,00 e 200 ml – R$ 59,00

Informações: Propovets