Arquivo da tag: microbiota

Intestino saudável = pele perfeita

Dermatologista investiga hábitos de vida e problemas gastrointestinais para solucionar queixas como dermatites e acne

“Você é o que você come”. O velho ditado popular nunca fez tanto sentido – afinal, hoje a medicina sabe que a forma como nos alimentamos tem impacto direto na saúde e na qualidade da pele. “A pele é o maior órgão do corpo humano e reflete muito sobre o nosso bem-estar e saúde”, revela a médica dermatologista Mayara Bravo, da Clínica Karla Assed Curitiba.

Por isso, o intestino e as bactérias que habitam o sistema digestivo têm ganhado cada vez mais a atenção no consultório dos dermatologistas. Uma alimentação equilibrada, rica em fibras e vitaminas, tem o poder de melhorar o sistema imunológico e reduzir inflamações, incluindo as que afetam a pele. “Os problemas gastrointestinais muitas vezes entregam pistas para problemas mais graves que podem estar relacionados com depressão, ansiedade e condições da pele, como a acne”, explica a dermatologista.

Além da alimentação e de um estilo de vida saudável, nosso estado emocional também pode alterar a flora intestinal, aumentando a permeabilidade e contribuindo para a inflamação sistêmica. “A pele é um dos órgãos que sente quando há uma disbiose (desequilíbrio da flora intestinal), desencadeando respostas inflamatórias na face e no cabelo, por exemplo. Por isso, hoje levamos todos estes fatores em conta a fim de oferecer um tratamento com melhoras de dentro para fora”, ressalta a médica.

Probióticos

probioticos

Nos últimos anos, o número de estudos sobre a influência da microbiota na saúde aumentou muito. Um dos tratamentos que podem auxiliar os pacientes a ter sucesso na melhora do corpo como um todo é o uso de probióticos (grupo de bactérias benéficas para o organismo).

“A gente trata o intestino e o paciente melhora de problemas como dermatite atópica, dermatite seborreica, psoríase e implicações como a acne”, afirma a dermatologista. Segundo ela, os probióticos ajudam a conter o processo inflamatório que leva a lesões na pele. De quebra, também ajudam a melhorar a imunidade de maneira geral.

Para tratar as doenças cutâneas, o médico pode prescrever uma família de bactérias de acordo com o perfil do paciente. “Fazendo o uso oral de probióticos é possível trocar a população de bactérias nocivas no organismo por outras benfeitoras e sentir as melhoras desejadas. Durante a consulta, conseguimos indicar compostos prontos ou que podem ser manipulados de acordo com a queixa específica do paciente”, comenta.

Dosagem certa

mulher tomando probiotico foto alamy
Foto: Alamy

Os probióticos são encontrados facilmente em algumas farmácias e lojas de suplementos, no formato oral e tópico. Com custos cada vez mais acessíveis, eles podem ser usados por pessoas de qualquer idade. Mas antes de sair por aí comprando um de cada, é fundamental ter orientação médica: para ter o efeito desejado, é importante estar atento à dosagem, concentração e até mesmo à qualidade de cada produto.

Assim como os probióticos, os nutricosméticos de marcas de skincare também ganham cada dia mais destaque – existem hoje linhas de probióticos faciais com promessas interessantes. “A grande maioria são produtos muito bem-vindos, mas a recomendação e orientação deve ser sempre acompanhada de um médico especializado para garantir o efeito desejado”, finaliza Mayara.

Fonte: Clínica Karla Assed Curitiba

 

Fibras alimentam e regulam 100 trilhões de bactérias presentes na microbiota intestinal

Estima-se que cerca de 100 trilhões de bactérias vivem dentro do nosso sistema digestivo. Este conjunto de bactérias e outros micro-organismos formam a microbiota intestinal que auxilia em processos fisiológicos, como a digestão e a produção de vitaminas, além de fortalecer o sistema imunológico no combate de bactérias nocivas à saúde. Desse modo, para garantir o bom funcionamento do organismo é essencial mantê-la saudável e a alimentação é o principal modo de alcançar este equilíbrio.

De acordo com Anna Pallottini, consultora em nutrição da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), para manter a flora intestinal regulada é necessário ter uma alimentação balanceada e rica em fibras. “Algumas bactérias digerem fibras, e o resultado é a produção de ácidos graxos que são importantes para a saúde intestinal”, diz.

frutas com cereais pixabay

Encontradas em frutas, verduras e legumes, além das versões integrais de alimentos como massas, pães, biscoitos, cereais matinais, arroz, entre outros, as fibras são conhecidas por prevenir e tratar a constipação, além de afetar a forma como a gordura é absorvida no intestino delgado e promover a sensação de saciedade por mais tempo.

macarrão integral nudnik pixabay
Foto: Nudnik/Pìxabay

No macarrão integral, por exemplo, podemos encontrar dois tipos de fibras: as solúveis e as insolúveis. “As fibras solúveis ajudam a controlar a liberação de açúcar no sangue e capturam o excesso de glicose e colesterol da corrente sanguínea, já as fibras insolúveis, auxiliam a formação do bolo fecal, facilitando o trânsito intestinal. Lembrando que todo alimento rico em fibras aumenta a necessidade de ingestão de água, para não ocasionar constipação ou prisão de ventre”, explica a especialista.

microbiota intestino SII

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada oito gramas a mais de fibras alimentares ingeridas por dia há uma redução de 5% a 27% do risco de desenvolvimento de doenças coronarianas, diabetes tipo 2 e câncer no colo retal. “A maioria das pessoas consome menos de 20g de fibra por dia e deveríamos consumir no mínimo 25g. “Uma dieta pobre em fibras, prejudica nossa flora intestinal, dificultando a absorção adequada dos nutrientes”, alerta a nutricionista.

Fonte: Abimapi

Recuperação da microbiota pode ser feita por meio da hidrocolonterapia

Conhecido como o segundo cérebro, o intestino possui neurônios e aloja trilhões de bactérias, boa parte delas envolvida em processos cruciais ao organismo. Em desequilíbrio, ele interfere na predisposição a várias doenças, além de ser capaz de influenciar o comportamento e as emoções das pessoas.

De acordo com Sarina Occhipinti, especialista em clínica médica e em nutrição funcional do Instituto Sari (Nova Lima/MG), a flora intestinal pode ser entendida como um ecossistema onde habitam milhares de seres vivos. Então, a primeira coisa a fazer para melhorar um ecossistema é tratar o ambiente em que esses seres vivos habitam.

Dentre as técnicas utilizadas com essa finalidade está a hidrocolonterapia, um procedimento de limpeza do intestino grosso, no qual, por meio de um aparelho apropriado, se insere água morna filtrada, purificada e ozonizada pelo ânus, permitindo a eliminação de fezes acumuladas, além de desinflamar a mucosa e estimular a peristalse, os movimentos fisiológicos do intestino.

“O procedimento é indolor, totalmente livre de odores, pois é utilizado um sistema fechado, evitando assim, qualquer tipo de constrangimento”, destaca Sarina. Ela aconselha que o processo seja realizado por um fisioterapeuta capacitado, que poderá associar os estímulos a exercícios fisioterápicos para otimizar e acelerar a reabilitação das funções intestinais e estabilidade pélvica.

microbiota-intestinal3

“Além da constipação, pacientes com Síndrome do Cólon Irritável também têm experimentado alívio dos sintomas, inclusive diminuição dos episódios de diarreia e distensão abdominal”, conta a especialista. Os efeitos do procedimento são constatados desde a primeira sessão. Dentre eles, alívio da constipação e do inchaço abdominal, além de sensação de bem-estar e diminuição dos gases abdominais e da flatulência.

Contudo, Sarina alerta que as sessões não devem ser feitas com muita frequência, pois o processo de limpeza intestinal constante pode trazer desequilíbrio para a flora intestinal. “Seu uso deve ser associado a uma dieta bem orientada e, na maior parte das vezes, com uso de probióticos. Também não é aconselhável fazer qualquer procedimento sem antes passar por uma avaliação médica”, afirma.

Sobre Sarina Occhipinti

Sarina Occhipinti é especialista em Clínica Médica e em Nutrição Funcional, do Instituto Sari. Atua há 23 anos em ambulatório de obesidade e regulação hormonal, sendo também pós-graduada em Homeopatia e em Manutenção da Homeostase Endócrina e Prevenção de Doenças Relacionadas à Idade.

Ela é certificada em Bioquímica do Metabolismo aplicado à Obesidade e Doenças Crônicas e Degenerativas e em Endocrinologia Avançada pela A4M (Universidade de Washington). É também membro da American Anti-AgingAcademy, da Associação Brasileira de Ozonioterapia e da Associação de Médica de Prática Ortomolecular.

Transplantes de fezes de “superdoadores” podem ser uma cura para várias doenças

Uma nova pesquisa sugere que as fezes dos chamados “superdoadores” têm uma diversidade microbiana tão rica que usá-las para transplantes fecais pode curar condições que variam da doença inflamatória intestinal à doença de Alzheimer e à esclerose múltipla.

Recentemente, um número crescente de estudos descobriu doenças relacionadas a mudanças na microbiota do intestino. Câncer, obesidade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático são apenas algumas das condições que os pesquisadores associaram a um desequilíbrio na composição bacteriana de nosso intestino.

Esse desequilíbrio leva o nome de “disbiose”, e estudos observacionais notaram uma ligação entre disbiose e alergias microbianas, síndrome do intestino irritável e doença cardiovascular.

Mais recentemente, o Medical News Today informou sobre pesquisas que encontraram conexões entre bactérias intestinais e doenças relacionadas à idade, como Alzheimer ou paralisia induzida por idade.

Muitos dos estudos que iluminaram essas conexões foram realizados em camundongos sem germes. Nesses testes, os pesquisadores substituíram as microbiotas intestinais dos roedores por bactérias saudáveis, realizando transplantes fecais de um doador saudável.

Os médicos usam o mesmo procedimento de transplante de fezes em ensaios clínicos em humanos. Mas novas pesquisas sugerem que algumas fezes são melhores que outras – isto é, os chamados superdoadores têm certas bactérias em suas entranhas que podem ajudar a restaurar a diversidade microbiana que é perdida em condições como doença inflamatória intestinal e diabetes.

Se os pesquisadores conseguirem entender melhor os mecanismos pelos quais essas amostras de fezes de superdoadores ajudam a curar doenças crônicas, o transplante fecal pode ser uma terapia segura e eficaz para uma ampla gama de doenças.

Com esse raciocínio em mente, Justin O’Sullivan, Ph.D., da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, e seus colegas decidiram revisar os ensaios clínicos existentes sobre transplante fecal. A equipe publicou suas descobertas na revista Frontiers in Cellular and Infection Microbiology.

Estudando os efeitos dos transplantes fecais

493ss_thinkstock_rf_gut_microbiome-1

Os pesquisadores examinaram estudos existentes de transplante fecal para doenças crônicas associadas à disbiose, como doença inflamatória intestinal, colite alérgica e constipação, bem como algumas condições hepáticas, metabólicas e até mesmo neurológicas.

“O padrão de sucesso nesses testes demonstra a existência de ‘superdoadores’, cujas fezes são particularmente propensas a influenciar o intestino do hospedeiro e levar à melhora clínica”, relata O’Sullivan.

A taxa média de cura quando se utiliza transplante fecal para infecção diarreica é superior a 90%, observam os pesquisadores, mas para outras condições, como doença inflamatória intestinal ou diabetes tipo 2, a taxa média é de cerca de 20%.

Mas alguns transplantes levam a resultados notáveis, O’Sullivan explica: “Nós vemos transplantes de superdoadores atingindo taxas de remissão clínica de talvez o dobro da média restante”.

“Nossa esperança é que, se pudermos descobrir como isso acontece, podemos melhorar o sucesso do transplante fecal e até testá-lo para novas condições associadas ao microbioma, como Alzheimer, esclerose múltipla e asma”-Justin O’Sullivan, Ph.D

Principais características das amostras fecais de superdoadores

cientista laboratorio analise pesquisa

Os pesquisadores também descrevem algumas características dessas amostras fecais de superdoadores. Diversidade microbiana e altas concentrações de “espécies-chave” de bactérias estão entre essas características. Espécies-chave são bactérias que desencadeiam a produção de substâncias químicas – como o butirato – sem as quais o corpo é mais vulnerável a doenças

“Na doença inflamatória intestinal e no diabetes, por exemplo”, explica O’Sullivan, “as espécies-chave associadas à remissão clínica prolongada produzem butirato – um químico com funções especializadas na regulação do sistema imunológico e do metabolismo energético”.

A análise dos pesquisadores também revela que a interação entre vírus, dieta e sistema imunológico influencia a existência e o desenvolvimento de bactérias benéficas. “Por exemplo, o sucesso dos transplantes fecais tem sido associado em alguns estudos com a transferência de vírus que infectam outros micróbios intestinais”, diz O’Sullivan.

“Alguns casos de infecção diarréica recorrente foram curados com transplantes de fezes filtradas que tiveram todas as bactérias vivas filtradas, mas ainda contêm DNA, vírus e outros detritos. Apoiar o microbioma transplantado através da dieta também pode melhorar o sucesso”, acrescenta o pesquisador.

“Tem sido demonstrado que uma alteração rápida na dieta, como a mudança de uma dieta baseada em animais para uma dieta exclusivamente vegetal, pode alterar a composição da microbiota intestinal em 24 horas” – Justin O’Sullivan

Finalmente, à luz do exposto, os pesquisadores recomendam que os testes de transplante fecal humano devem levar em conta os antecedentes genéticos e as dietas dos doadores, a fim de melhor predizer os resultados clínicos da intervenção.

Texto originalmente publicado em 22 de janeiro de 2019 , por Ana Sandoiu e revisado por Gianna D’Emilio

Fonte: MedicalNewsToday

As bactérias do intestino e o cérebro: somos controlados por micróbios?

Embora a interação entre nosso cérebro e intestino tenha sido estudada por anos, suas complexidades são mais profundas do que se pensava inicialmente. Parece que nossas mentes são, em parte, controladas pelas bactérias em nossos intestinos.

O intestino tem defesas contra patógenos, mas, ao mesmo tempo, estimula a sobrevivência e o crescimento de bactérias intestinais “saudáveis”. A grande maioria desses visitantes unicelulares está situada no cólon, onde não menos de 1 trilhão delas residem em cada grama de conteúdo intestinal.

Estimar o número de hóspedes bacterianos em nosso intestino é um desafio; até hoje, o melhor palpite é que 40 trilhões de bactérias chamam nossos intestinos de lar – parcialmente dependentes do tamanho do seu último movimento intestinal (o principal ingrediente do cocô são as bactérias).

Para colocar esse número pesado em perspectiva, nossos corpos consistem em aproximadamente 30 trilhões de células. Então, em um sentido muito real, somos mais bactérias do que humanos. A maioria das bactérias intestinais pertence a 30 ou 40 espécies, mas pode haver até 1.000 espécies diferentes no total. Coletivamente, elas são denominadas microbioma.

Naturalmente, as bactérias se beneficiam do calor e da nutrição em nossas entranhas, mas não é um relacionamento unidirecional – elas também retribuem. Algumas espécies nos beneficiam quebrando a fibra alimentar em ácidos graxos de cadeia curta que podemos absorver e usar. Elas metabolizam vários compostos em nosso nome e desempenham um papel na síntese das vitaminas B e K.

Do outro lado da cerca, pesquisas recentes inferem que a desregulação das bactérias intestinais pode ser um fator importante nas condições inflamatórias e autoimunes. O papel do microbioma na saúde e na doença está lentamente abandonando seus segredos. A descoberta mais recente, e talvez mais notável, é a capacidade que as bactérias do intestino têm para moderar o cérebro e o comportamento.

Por que o intestino e o cérebro devem estar ligados?

microbiota intestino SII

Os acontecimentos nas nossas entranhas são uma questão de vida ou morte. Se o intestino estiver vazio, nosso cérebro deve ser informado; se houver um problema no intestino que prejudique o processamento de alimentos e, portanto, a absorção da nutrição, o cérebro precisará ser informado. Se nosso intestino está enfrentando um ataque de patógenos, nosso cérebro deve ser mantido no circuito.

As ligações entre o nosso intestino e o cérebro são hormonais, imunológicos e neurais, por meio do sistema nervoso central e do sistema nervoso entérico, que governam a função do intestino. Coletivamente, eles são chamados de eixo do intestino-cérebro.

Embora, à primeira vista, as conexões entre o intestino e o cérebro possam parecer surpreendentes, todos nós já experimentamos isso em ação. A relação entre estresse, ansiedade e um movimento rápido do intestino não é estranha a ninguém.

Essas conversas no cérebro são estudadas há algum tempo. No entanto, um novo nível para esta parceria foi recentemente vislumbrado. Os pesquisadores estão agora considerando a influência de nosso microbioma no eixo do intestino-cérebro. Em outras palavras, os pesquisadores estão se perguntando: as bactérias em nosso intestino afetam nossa psicologia e comportamento?

De forma bastante desajeitada, os pesquisadores estão apenas começando a arranhar a superfície do eixo da microbiota cérebro-intestino-entérica ou o eixo microbioma-intestino-cérebro,

Estresse e o intestino

estresse__cansaco__tristeza

Nos seres humanos, o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) é o principal responsável pelas tensões de qualquer tipo. É um dos principais intervenientes no sistema límbico e está fortemente envolvido em emoções e memória.

O estresse ativa o eixo HPA e, eventualmente, resulta na liberação de cortisol – o “hormônio do estresse” – que tem uma variedade de efeitos em muitos órgãos, incluindo cérebro e intestino.

Dessa forma, a resposta do cérebro ao estresse tem uma influência direta sobre as células do intestino, incluindo células epiteliais e imunes, neurônios entéricos, células intersticiais de Cajal (os marcapassos dos intestinos) e células enterocromafins (células sintetizadoras de serotonina).

Por outro lado, esses tipos de células também estão sob a influência do nosso exército de bactérias residentes. Embora os mecanismos pelos quais a microbiota regula o cérebro sejam menos claros, há evidências de que existe, de fato, um diálogo de mão dupla.

Que diferença faz um micróbio

microbiota-intestinal3

As primeiras pistas de que os micróbios podem ter algum controle sobre nossa atividade mental surgiram há mais de 20 anos. Pacientes com encefalopatia hepática – um declínio na função cerebral devido a doença hepática grave – tiveram melhora substancial após tomarem antibióticos orais.

Estudos posteriores forneceram mais dicas de que o microbioma tinha mais do que uma influência passageira nos estados mentais. Verificou-se que ele afeta a ansiedade e os comportamentos depressivos.

Outra observação importante ligou a disbiose (desequilíbrio microbiano) ao autismo. Crianças com autismo muitas vezes têm comunidades anormais e menos diversas de bactérias no intestino. Um pesquisador concluiu:

“Nós suspeitamos que os micróbios do intestino podem alterar os níveis de metabólitos relacionados ao neurotransmissor, afetando a comunicação entre o cérebro e/ou alterar a função cerebral. Correlações entre bactérias intestinais e metabólitos relacionados a neurotransmissores são degraus para uma melhor compreensão do crosstalk* entre bactérias intestinais e autismo”.

Pesquisadores, em 2004, observaram que ratos criados para não terem bactérias intestinais tinham uma resposta exagerada do eixo HPA ao estresse. Investigações posteriores usando camundongos semelhantes expostos a germes semelhantes demonstraram que a falta de bactérias intestinais altera a função da memória.

Camundongos sem germes têm sido uma ferramenta útil para estudar o eixo microbioma-intestino-cérebro. Eles ajudaram a provar que algo está acontecendo, mas os resultados são impossíveis de extrapolar para os seres humanos. Eles não replicam nenhuma situação natural conhecida pelo homem – não existe um humano livre de germes.

Outros estudos usaram diferentes abordagens; alguns investigaram os efeitos dos compostos neuroativos que a flora intestinal produz; outros ainda observaram as diferenças na flora intestinal de indivíduos com diferenças psiquiátricas ou neurológicas.

A pesquisa, em geral, não foi conclusiva. Mesmo se forem observadas mudanças na flora intestinal, a eterna questão da galinha ou do ovo persiste: a condição psiquiátrica foi causada pela mudança na flora intestinal, ou a condição psiquiátrica e seus padrões de comportamento alterados fizeram com que a flora intestinal mudasse? Ou existe uma interação nos dois sentidos?

Como a flora intestinal pode moderar o cérebro?

intestino flora pixabay

O estresse é conhecido por aumentar a permeabilidade do revestimento intestinal; isso dá às bactérias acesso mais fácil ao sistema imunológico e às células neuronais do sistema nervoso entérico. Essa pode ser uma das maneiras pelas quais as bactérias encontram uma maneira de nos influenciar. No entanto, outra rota mais direta também foi demonstrada.

Um estudo, usando patógenos de origem alimentar, forneceu evidências de que as bactérias no intestino podem ativar os circuitos de estresse ativando diretamente o nervo vago – um nervo craniano suprindo um número de órgãos, incluindo o trato digestivo superior.

Uma rota mais direta ainda pode envolver o contato direto do microbioma com os neurônios sensoriais do sistema nervoso entérico. Estudos mostraram que esses neurônios sensoriais são menos ativos em camundongos sem germes e, uma vez que os camundongos receberam probióticos para reabastecer seu microbioma, os níveis de atividade dos neurônios retornam ao normal.

Probióticos influenciando a psicologia

elprobiotico-img5-580x400

Se os camundongos sem germes apresentaram diferenças de comportamento, a próxima pergunta é se a adição de bactérias intestinais a um animal pode causar mudanças semelhantes. Uma metanálise, publicada no Journal of Neurogastroenterology and Motility, reuniu os resultados de estudos que avaliaram os efeitos dos probióticos na função do sistema nervoso central em humanos e animais.

Eles examinaram 25 estudos em animais e 15 em humanos, a maioria dos quais usou Bifidobacterium e Lactobacillus durante um período de 2-4 semanas. Embora, como os autores mencionam, traduzir estudos em animais como este em termos humanos seja um jogo desonesto. Eles concluíram:

“Esses probióticos mostraram eficácia na melhora dos comportamentos relacionados a transtornos psiquiátricos, incluindo ansiedade, depressão, transtorno do espectro do autismo, transtorno obsessivo-compulsivo e habilidades de memória, incluindo memória espacial e não-espacial”.

Outro estudo, publicado na PLOS One, descobriu que o declínio da memória relacionado à idade poderia ser revertido em ratos, alterando os níveis de Actinobacteria e Bacterioidetes em seu intestino com probióticos.

Os autores concluem: “Os dados suportam a noção de que a microbiota intestinal pode ser manipulada para impactar positivamente na função neuronal”.

O futuro do eixo microbioma-intestino-cérebro

intestino cerebro news medical
Foto: News medical

Há um caminho longo e sinuoso à frente dos cientistas que são corajosos o suficiente para investigar a estranha realidade do eixo microbioma-intestino-cérebro. Sem dúvida, uma multidão de moléculas está envolvida de várias maneiras em diferentes graus.

No futuro longínquo, talvez os medicamentos que visam especificamente o microbioma sejam criados para condições psiquiátricas; o microbioma pode se tornar um sistema de alerta precoce para certas doenças ou até mesmo uma ferramenta de diagnóstico.

Por enquanto, tudo o que podemos fazer é refletir sobre a influência que as bactérias exercem sobre nosso estado mental cotidiano. Também devemos nos surpreender e nos divertir que os seres humanos, por mais inteligentes que nos consideremos, estão parcialmente sob o controle de formas de vida unicelulares.

Talvez devêssemos lembrar que as bactérias nos precedem em bilhões de anos e têm grande probabilidade de sobreviver à nossa espécie em bilhões a mais.

Fonte: Tim Newman – MedicalNeswToday

*um ou mais componentes de uma via de transdução de sinal afetam outra

Suco de laranja tem potencial para equilibrar a microbiota intestinal

Ingestão de suco das variedades baía e cara-cara aumentou o número de bactérias benéficas ao organismo

Por Redação Jornal da USP – Editorias: Ciências da Saúde

laranja
Laranja cara-cara: mudanças na composição da microbiota intestinal – Foto: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária/Embrapa

O primeiro estudo mundial sobre os efeitos do suco de laranja das variedades baía e cara-cara no intestino humano foi conduzido por uma pesquisadora italiana no Brasil, a bióloga Elisa Brasili, ligada ao Centro de Pesquisa em Alimentos (Food Research Center – FoRC), sediado na USP. E os resultados são animadores: a ingestão desses sucos produz mudanças benéficas na composição da microbiota intestinal.

A pesquisa, fruto de seu pós-doutorado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, é assunto de artigo que está em avaliação por periódicos internacionais influentes. A ideia foi entender como uma intervenção dietética incluindo o alimento altera a microbiota.

laranja-1
Ingestão de suco aumentou quantidade de bactérias benéficas ao organismo humano – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“Após a ingestão do suco de laranja baía foi observado um aumento das famílias de bactérias Veillonellaceae e Ruminococcaceae que possuem diversas funções benéficas ao organismo humano, incluindo a redução das patologias inflamatórias intestinais”, conta a pesquisadora. “O que posso afirmar é que o aumento destas famílias de bactérias, que pertencem à classe Clostridia, é um bom resultado”, acrescenta. Hoje se sabe que a classe Clostridia não é composta apenas de bactérias patogênicas, como aquela que causa o botulismo. Algumas têm efeitos positivos no intestino, auxiliando na manutenção de suas funções e em seu equilíbrio.

Já após a ingestão do suco de laranja cara-cara foi observado um aumento significativo nas famílias das bactérias Mogibacteriaceae e Tissierellaceae, cuja abundância relativa se encontra alterada em várias doenças, tais como a doença de Parkinson. A pesquisadora conta que apesar da cara-cara ainda não ser uma variedade comercializada, há empresas investindo na produção do suco para que se conheça melhor sua composição.

“A laranja cara-cara tem um conteúdo muito grande de licopeno, um carotenoide não muito comum nas laranjas. A presença de elevada quantidade de licopeno nos fez pensar que a utilização dessa laranja poderia surtir um efeito diferente das outras. E a mudança que ela operou na microbiota dos voluntários demonstrou isso”.

O licopeno é muito comum em outras frutas, como os tomates, e apresenta atividades anticâncer e anti-inflamatória. Segundo Elisa, em pessoas com câncer ou com obesidade a presença dessas bactérias na microbiota é menor.

laranja 3
Estudo avaliou também efeitos do suco da laranja do tipo baía – Foto: Brandizii/Wikimedia Commons

Para chegar a esses resultados, Elisa Brasili trabalhou com 21 voluntários, todos saudáveis, com idade entre 20 e 43 anos, homens e mulheres. Primeiro ela caracterizou a microbiota intestinal de cada um e depois ministrou os sucos em diferentes períodos, de forma randomizada, analisando a microbiota após uma semana de ingestão de cada uma das bebidas. Cada usuário ingeriu 500 mililitros (ml) de suco diariamente.

Os sucos de laranjas são ricos em substâncias que trazem efeitos muito positivos à saúde humana, entre eles a hespiridina, um antioxidante. Elisa decidiu analisar a microbiota intestinal porque é onde os compostos bioativos são metabolizados.

A pesquisadora destaca, porém, que a mudança operada na microbiota com a ingestão dos sucos de laranjas baía e cara-cara é transitória. Quando o indivíduo muda de novo seu padrão de dieta, a microbiota se altera novamente. “É como tomar probióticos. Quando você ingere, há benefícios. Quando para de tomar, os benefícios diminuem.”

Segundo ela, o passo seguinte é investigar, nos próximos anos, a possibilidade de indicar o consumo de suco de laranja para ajudar a equilibrar a microbiota de populações ou indivíduos que tenham a composição da sua microbiota intestinal alterada, como os que sofrem de doenças inflamatórias intestinais crônicas e os obesos.

Com informações da Assessoria de Comunicação do Forc

Você sabe o que é microbiota intestinal e simbióticos?

Atualmente tem se falado muito sobre o intestino e sua relação com o estado geral de saúde, que inclui desde obesidade até alteração do humor, passando por problemas mais graves como a síndrome do intestino irritável. Então, a pergunta que fazemos é: de que forma o uso de simbióticos apresentam resultados satisfatórios?

No intestino temos uma grande diversidade de micro-organismos que compõe a microbiota intestinal, antigamente chamada de flora intestinal. Várias pesquisas têm demonstrado que o uso de simbióticos apresentam resultados satisfatórios. Então, o que são os simbióticos e como eles atuam em nosso organismo?

Simbióticos são compostos de probióticos e prebióticos. Os probióticos são suplementos alimentares à base de micro-organismos vivos, que afetam beneficamente o hospedeiro, promovendo o balanço benéfico da sua microbiota intestinal. A utilização de culturas probióticas estimula a multiplicação de bactérias benéficas no intestino, em detrimento à proliferação de bactérias potencialmente prejudiciais, reforçando os mecanismos naturais de defesa do hospedeiro.

 

mulher tomando probiotico foto alamy
Foto: Alamy

Alguns exemplos de probióticos utilizados com frequência são: as bactérias pertencentes aos gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium, sendo o íleo terminal e o cólon, respectivamente, os locais de preferência para colonização intestinal.

Prebióticos são componentes alimentares não digeríveis que afetam beneficamente o hospedeiro por estimularem seletivamente a proliferação ou atividade de populações de bactérias desejáveis no cólon. Os prebióticos podem inibir a multiplicação de patógenos, garantindo benefícios adicionais à saúde do hospedeiro, alguns exemplos são as fibras dietéticas, fruto-oligossacarídeo, inulina, e o aminoácido glutamina.

“Além da suplementação, os estudos também demonstram que uma alimentação variada em vegetais, frutas e derivados do leite também contribuem de maneira positiva na manutenção de uma microbiota saudável”, afirma Eliana Louzada, professora de diversos cursos de pós-graduação da Universidade Cândido Mendes.

Assim, a avaliação da alimentação é indicada antes da prescrição de qualquer suplemento, inclusive dos simbióticos.

Fonte: Eliana Louzada é professora de diversos cursos de pós-graduação da Universidade Cândido Mendes. Doutora em Nutrição Aplicada Humana pela Universidade de São Paulo, Mestre em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu, pós-graduada em Fisiologia do Exercício, pós-graduada em Nutrição Desportiva, pós-graduada em Atividade Física Personalizada, Licenciada para atuação como Coach

 

Microbiota intestinal é fundamental na saúde e na doença*

Sem os microrganismos que compõem a microbiota intestinal o ser humano não poderia sobreviver, porque são fundamentais para a conversão dos componentes indigeríveis, regulação energética, síntese de vitaminas, produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), proteção contra patógenos e modulação do sistema imune.

Cada ser humano tem uma microbiota intestinal única, como uma impressão digital, que se forma a partir do nascimento, ganha características específicas de acordo com o tipo de parto e o tempo de amamentação, e permanece inalterada ao longo da vida. Entretanto, fatores como idade, uso excessivo de antibióticos, estresse e, especialmente, alimentação, podem interferir na qualidade da microbiota, com consequências na saúde.

As bactérias intestinais contêm uma ampla variedade de enzimas e produzem substâncias que tanto podem ser benéficas quanto prejudiciais ao organismo. Algumas espécies de microrganismos intestinais possuem ação protetora sobre o trato gastrointestinal humano por meio do controle no desenvolvimento de bactérias nocivas e da ação protetora contra infecções. Por outro lado, existem bactérias ‘patogênicas oportunistas’ que não agem prejudicialmente quando a saúde está em ordem, manifestando a sua patogenicidade quando a resistência imunológica diminui.

A microbiota intestinal é relativamente estável em indivíduos sadios, mas pode sofrer alterações pela condição fisiológica, emocional, ingestão de medicamentos e interação das bactérias intestinais. Padrões anormais de microbiota podem ser vistos nas anomalias de peristaltismos intestinais, câncer ou pós-cirurgias, bem como em distúrbios gastrointestinais, gastrohepáticos, anemia perniciosa, radioterapias, estresse, imunodeficiências, ingestão de antibióticos ou em processos de envelhecimento.

A alimentação desbalanceada, rica em gorduras e pobre em fibras, resulta na presença elevada de metabólitos preferidos pelas bactérias nocivas presentes no intestino. O aumento excessivo das bactérias nocivas provoca um desequilíbrio na microbiota intestinal e uma elevação na concentração de toxinas circulantes do organismo, o que pode afetar a saúde e desencadear até o temido câncer.

As pesquisas sobre a microbiota intestinal são realizadas desde o século 19 e cientistas de várias partes do mundo – inclusive do Brasil – têm investigado de que maneira esse microscópico ambiente pode interferir em inúmeras situações de saúde e doença. As técnicas desenvolvidas na área da biologia molecular têm sido amplamente utilizadas para esses estudos, o que amplia as possibilidades de pesquisas.

Já existem muitas comprovações sobre a relação dos microrganismos intestinais e a saúde, que incluem desde a prevenção e auxílio nos tratamentos de doenças intestinais – como constipação e diarreia – até importantes efeitos sobre o sistema imunológico. Alguns estudos também indicam que a microbiota intestinal pode influenciar o perfil de risco cardiometabólico e, cada vez mais, tem sido demonstrado que tem relação com enfermidades como diabetes e obesidade.

lactobacilos

Mais recentemente, os cientistas passaram a investigar o eixo microbiota-intestino-cérebro e estão tentando compreender essa relação com o surgimento de transtornos mentais como depressão, ansiedade, doença de Parkinson, doença de Alzheimer e até mesmo o autismo.

Há consenso de que os alimentos com probióticos possuem um número suficiente de microrganismos vivos capazes de sobreviver ao trânsito gastrointestinal e chegar em grande quantidade para colonizar a microbiota natural do intestino, onde exercem um efeito protetor no metabolismo humano. Os probióticos também têm sido considerados fortes aliados na manutenção da saúde, porque controlam o crescimento das bactérias nocivas e promovem a estabilização do ambiente intestinal.

Um dos microrganismos mais estudados no mundo é o Lactobacillus casei Shirota, isolado em 1930 pelo cientista japonês Minoru Shirota e utilizado nos leites fermentados da Yakult. No Instituto Central Yakult, localizado em Kunitachi, Tóquio, são realizados intensivos estudos para investigar a microbiota intestinal com objetivo de avaliar o relacionamento com a fisiologia humana.

Entre muitas comprovações, há estudos que demonstram que o probiótico L. casei Shirota também possui ação positiva no combate a substâncias cancerígenas e na defesa imunológica do organismo. Para que o sistema de defesa seja forte o suficiente é preciso que o organismo esteja sadio e, para isso, o sistema digestório deve funcionar perfeitamente. É neste sentido que o probiótico L. casei Shirota pode contribuir para a saúde de todas as pessoas.

yasumi yakult.jpg
*Yasumi Ozawa Kimura é farmacêutica-bioquímica com especialização em Alimentos pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP (Universidade de São Paulo), com estágios de aperfeiçoamento em Tecnologia de Alimentos pelo Ministério das Relações Exteriores do Japão. Atualmente, é consultora do Departamento de Ciências e Pesquisas da Yakult do Brasil

 

Bactérias intestinais podem afetar o cérebro de pacientes com SII

A síndrome do intestino irritável é um dos problemas gastrointestinais mais comuns, mas pouco se sabe sobre suas causas. As opções de tratamento se concentram no alívio dos sintomas – que geralmente incluem comportamento ansioso – em vez de curar a doença. Uma pesquisa pode ter encontrado uma conexão entre bactérias intestinais e comportamento em pacientes com a SII, o que poderia ajudar com novos tratamentos.  
Os sintomas da doença incluem dor abdominal intensa, inchaço, constipação ou diarreia. Muitas vezes, os pacientes também experimentam ansiedade e depressão. Nenhum biomarcador ainda foi identificado para SII, então nenhuma investigação pode afirmar definitivamente que alguém tem SII. Em vez disso, a doença geralmente é diagnosticada clinicamente.

As opções de tratamento incluem medicação e mudanças na dieta, com foco na eliminação dos chamados FODMAPs – carboidratos que não são facilmente assimilados pelo intestino e podem causar fermentação. A medicação tipicamente prescrita inclui antiespasmódicos e laxantes, mas a eficácia dessas terapias é limitada, já que as causas permanecem desconhecidas.

Um estudo – realizado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa em Saúde Digestiva Familiar da Farncombe, na Universidade McMaster, em colaboração com pesquisadores da Universidade de Waterloo, ambas em Ontário, Canadá – pode ter encontrado uma ligação entre bactérias intestinais em pessoas com SII e seus sintomas comportamentais. As descobertas, publicadas na revista Science Translational Medicine, podem em breve levar a novas opções de tratamento para aqueles que vivem com a síndrome.

microbiota-intestinal3

A nova pesquisa, liderada porPremysl Bercik e Stephen Collins, procurou investigar se a microbiota fecal de humanos com a SII pode alterar a função intestinal e cerebral em camundongos.

Bactérias intestinais de pacientes humanos com a SII transferiram sintomas para ratos

Para o estudo, os pesquisadores utilizaram indivíduos saudáveis e sem SII, bem como dois grupos de pacientes com a síndrome: um grupo que também teve ansiedade e outro que não teve. Usando transplantes fecais, eles transferiram a microbiota desses seres humanos para ratos sem germe.

Após o transplante, os ratos desenvolveram sintomas gastrointestinais e comportamentais semelhantes aos de seus doadores. Os ratos experimentaram disfunção de trânsito gastrointestinal (mudanças no tempo que leva para que os alimentos viajem do estômago pelo intestino), disfunção da barreira intestinal (em que o trato gastrointestinal não fornece uma barreira firme contra bactérias externas e prejudiciais, como normalmente seria) , inflamação e comportamento indicativo de ansiedade.

Uma pesquisadora do Farncombe Family Digestive Health Research Institute e primeira autora do estudo, Giada De Palma, explicou o significado das descobertas:

“Este é um estudo histórico porque muda a área de atuação para além de uma associação simples e evidencia que as mudanças na microbiota afetam as respostas intestinais e comportamentais na SII”.

Premysl Bercik, autor principal do estudo e professor associado de medicina na Universidade McMaster, também afirmou: “Nossas descobertas fornecem a base para o desenvolvimento de terapias voltadas para a microbiota intestinal e para encontrar biomarcadores para o diagnóstico da SII”.

Os autores observam que suas descobertas podem fornecer novas oportunidades para o desenvolvimento de tratamentos. “As terapias dirigidas a microbiota, incluindo o tratamento pré ou probiótico, podem ser benéficas não apenas aos sintomas intestinais, mas também aos componentes das manifestações comportamentais da SII”, concluem.

microbiota intestino SII

Segundo os pesquisadores, os resultados do estudo também aumentam a evidência crescente de que a microbiota do intestino pode afetar o cérebro e uma série de transtornos mentais. “A microbiota intestinal pode desempenhar algum papel no espectro de distúrbios cerebrais que variam de humor ou ansiedade a outros problemas que podem incluir autismo, doença de Parkinson e esclerose múltipla”, escrevem Bercik e colegas.

No entanto, os autores admitem que são necessários mais estudos para esclarecer completamente a conexão entre essas condições.

Fonte: MedicalNewsToday