Arquivo da tag: mitos e verdades

Mitos sobre o azeite: nutricionista explica sobre funcionalidade do produto

Aquecimento, cor e acidez ainda deixam consumidores em dúvida na hora de escolher ou preparar receitas com o famoso suco das azeitonas

O azeite de oliva é uma gordura proveniente da azeitona, o fruto da oliveira. Florescendo na primavera, as azeitonas passam pelo processo de maturação até ao outono, época em que acontece a colheita. A azeitona é um alimento presente em grande parte das cozinhas e o azeite é um dos elementos base da dieta mediterrânica, considerada uma das mais saudáveis do mundo.

Segundo um estudo realizado pela Fiesp o consumidor brasileiro busca cada vez mais por uma alimentação balanceada e saudável e, por esse motivo, o interesse pelo azeite cresce a cada ano no Brasil. Uma gordura rica em vitaminas e substâncias antioxidantes, o azeite é subdividido em três tipos:

Azeite Extravirgem

Nesta categoria, o produto deve ter até 0,8% de acidez e sem defeito organoléptico/sensorial, sendo este o tipo de azeite que tem melhor preservadas as suas qualidades de aroma e sabor. A acidez de até 0,8% é um indicativo de que todas as etapas de processamento (maturação da azeitona, colheita do fruto, limpeza, extração e embalagem) foram realizadas de forma adequada.

Azeite Virgem

Azeites que apresentam algum defeito sensorial e/ou com acidez acima de 2% são denominados azeite virgem. Azeites com acidez acima de 2% não são adequados para o consumo, sendo que estes produtos são submetidos a um processo químico denominado refinamento, o qual se reduz a acidez do produto adequando-o ao consumo.

Azeite de Oliva

O processo de refinamento nos azeites virgens remove, além da alta acidez, as substâncias aromáticas e de sabor, bem como os antioxidantes naturais, pigmentos de cor e as vitaminas do azeite. Nesta fração refinada do azeite, normalmente se adiciona uma pequena quantidade de azeite extra virgem para repor um pouco de sabor, aroma e cor ao produto final. Estes azeites, então, são denominados comercialmente como “Azeite de Oliva” e sua acidez é de até 1%.

Mas com tantas informações disponíveis atualmente sobre o produto, surgem também alguns mitos que permeiam o uso do azeite. Pensando nisso, a Andorinha, marca pertencente ao grupo Sovena e que importa para o Brasil os azeites e azeitonas do seu olival próprio em Portugal, nos ajuda a desmitificar quatro mitos sobre o azeite.

De acordo com a nutricionista Maria Julia Coto “A inserção do azeite na alimentação todos os dias apresenta inúmeros benefícios à saúde devido à sua elevada densidade nutricional. Por isso, é essencial desmistificar algumas dúvidas comuns que surgem em torno desse alimento, para assim, proporcionar maior conhecimento sobre o impacto das escolhas alimentares em boas condições de saúde a curto e a longo prazo, assim como o azeite é capaz de proporcionar.”

O azeite não pode ser exposto a altas temperaturas

Esse é um dos mitos mais recorrentes entre os consumidores, e isso faz com que o uso do azeite fique restrito apenas à finalização de pratos e ao tempero de saladas. Segundo as pesquisas, 1/3 dos consumidores acreditam que, quando aquecido, o azeite perde suas propriedades benéficas e por esse motivo não esquentam o produto. Mas, ao contrário do imaginário comum, o produto aquecido se mantém estável e benéfico ao combate de colesterol ruim e aumento do bom. Usado corretamente, em média até 180ºC, o azeite de oliva pode fazer a diferença para manter uma alimentação de qualidade.

De acordo com a nutricionista Maria Julia Coto, “diversos estudos científicos já comprovaram que o azeite pode ser aquecido em condições de uso doméstico sem prejuízos. É um mito acreditar que vira ‘gordura ruim’, pois estes estudos demonstraram que o aquecimento não altera o perfil de ácidos graxos do azeite, comprovando que não há uma mudança no perfil de gorduras, que se mantém de boa qualidade. Isso ocorre devido ao alto teor de antioxidantes presentes no azeite, moléculas que protegem as células de reações oxidativas. Assim, o azeite é capaz de manter a sua composição estável frente à oxidação térmica, sem que haja a formação relevante de compostos tóxicos ou gordura trans.”

O azeite de cor verde é melhor do que o dourado.

A ideia generalizada diz que a cor do azeite é fundamental na escolha. “Muitos consumidores preferem comprar azeites em tons verdes-dourados. E quando, visualizam azeites com colorações diferentes, acreditam que o produto esteja estragado. A crença de que o azeite amarelo é ruim, não é verdadeira visto que, os diferentes tons de azeite estão relacionados a variedade, as condições climáticas, a região e o ponto de maturação das azeitonas colhidas para a extração do óleo é que determinarão a cor”, explica a especialista.

A cor do azeite indica a tonalidade da azeitona no momento de colheita e extração do azeite. A mudança na coloração deve-se ao processo de amadurecimento do fruto. Além disso, o estágio de maturação das azeitonas também interfere no sabor do azeite. No início da safra, normalmente as azeitonas estão mais verdes e, por isso, originam azeites mais amargos e picantes, já no fim da safra, normalmente os azeites são mais doces e suaves. O importante é saber o que diferencia um tipo de azeite do outro e como escolher o mais adequado para cada ocasião de uso, ou de acordo com a sua preferência particular de paladar.

O azeite é como o vinho do Porto, melhora com o tempo.


Diferentemente do vinho, as características e as intensidades de sabor e aroma se mantêm melhor preservadas e são mais bem percebidas quando o azeite é “novo”, ou seja, quando consumido em data mais próxima de sua fabricação. De acordo com a especialista, muitas propriedades do alimento são termo e fotossensíveis, ou seja, quando exposto constantemente a luz e ao calor, o azeite pode sofrer o processo de oxidação.

O azeite deteriora-se ao longo do tempo, estar exposto à luz ou ao ar e temperatura elevada provocam sua oxidação — por isso é melhor consumi-lo mais cedo do que mais tarde.
“Para manter por mais tempo suas propriedades o ideal fechar muito bem embalagem após o consumo, para evitar contato excessivo com o oxigênio, e guardar em um local fresco protegido de calor e luz excessiva”, complementa.

A acidez do azeite de oliva reflete no aroma e sabor.

Diferente do que muitos pensam, a “acidez” do azeite não está relacionada a sensação de sabor ácido que alimentos como, por exemplo, o limão proporciona. Segundo a nutricionista, “Não é possível sentir no paladar, o grau de acidez indicado na embalagem do azeite serve apenas para indicar a classificação do azeite”.

Além disso, está relacionada ao teor de ácidos graxos livres da azeitona e só pode ser detectada por meio de testes laboratoriais. A acidez pode ser influenciada por alguns fatores, como qualidade da azeitona, pureza, maturação, estocagem e transporte, estando associada ao grau de degradação e oxidação do azeite. Levando isso em conta, um azeite com maior acidez apresenta maior oxidação e é nisso que se deve prestar atenção. Isso porque alguns produtos da oxidação de óleo são prejudiciais à saúde. Um azeite de boa qualidade não possui acidez maior do que 2% o que é o caso do portfólio Andorinha. As informações sobre a acidez do azeite, geralmente, podem ser encontradas no rótulo do produto.

Fonte: Andorinha

7 mitos e verdades que você precisa saber sobre menopausa

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o climatério corresponde ao período entre o final da fase reprodutora até a senilidade. Dentro deste período, ocorre a menopausa, definida com a interrupção permanente da menstruação, reconhecida após 12 meses consecutivos de amenorreia (ausência de menstruação).

De acordo com a pesquisa publicada no periódico médico Menopause Review Przeglad Menopauzalny, entre 80% e 90% das mulheres sofrem com um ou vários sintomas da menopausa. Com o aumento da expectativa de vida, estima-se que as mulheres terão de conviver com alguns desses sintomas por cerca de 1/3 de suas vidas.

A pesquisa aponta que ondas de calor, acompanhadas de disfunções sexuais, estão entre os sintomas mais comuns nesse grupo em toda a América Latina. No caso das ondas de calor, também conhecidas como fogachos, cerca de 75% das mulheres são acometidas nos primeiros 3, 5 anos após a menopausa.

“Embora seja uma fase fisiológica, toda mulher passará por esse período de transformações e desafios. Daí a importância de ter acesso às informações corretas que ajudem a passar por este período sem tanto sofrimento”, pondera Claudia Chang, pós-doutora em endocrinologia e metabologia pela USP e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Para ajudar a conhecer melhor os fatos sobre a menopausa, a endocrinologista selecionou os principais mitos e verdades que cercam este período da mulher:

Há dietas específicas para menopausa

Mito. A alimentação neste período, assim como deve ser em todas as fases da vida, precisa apenas ser saudável e equilibrada. No entanto, há determinados alimentos que podem minimizar os sintomas, como a soja, por exemplo, que atua no mesmo receptor do hormônio feminino. Já o consumo de leite e derivados (nas mulheres que não têm intolerância) é essencial para obter maior aporte de cálcio e minimizar a perda de massa óssea, muito comum na menopausa. Outra dica é aumentar também o consumo de proteína, evitando a perda de massa muscular (massa magra).

A mulher não pode mais engravidar

Imagem: FIV/FR

Verdade. No climatério, ainda é possível engravidar, já que o corpo está em fase de transição do período reprodutivo para o não reprodutivo. Com a menopausa já instalada e passado um ano de amenorreia (ausência da menstruação), a diminuição dos tamanhos dos ovários e a queda da produção hormonal ovariana inviabilizam uma gestação. “Uma das formas de a mulher engravidar nesta fase seria por meio da reprodução assistida, conhecida como fertilização in vitro, ressalta Claudia.

A mulher fica mais suscetível a algumas doenças

Verdade. Como a menopausa é marcada pela queda na produção do estrogênio, hormônio responsável pela distribuição da gordura corporal, pela fixação do cálcio nos ossos e pelo equilíbrio das gorduras no sangue, há alterações no corpo, como o maior acúmulo de gordura visceral/abdominal e possíveis riscos de diabetes, osteoporose e doenças cardiovasculares, como o acidente vascular cerebral (AVC), infarto e hipertensão.

Menopausa só ocorre após os 50 anos

Mito. A faixa etária mais comum de ocorrência da menopausa na população brasileira é de 51,2 anos. No entanto, algumas mulheres podem chegar à menopausa antes dos 40 anos, a chamada menopausa precoce. Isso pode ocorrer por diversos fatores como hereditariedade, consumo contínuo de alguns medicamentos, depressão, intervenções médicas como cirurgias, quimioterapias e radioterapias, ou devido à insuficiência ovariana primária.

Há alterações de humor, sono, libido e aumento de ansiedade

Verdade. Os fatores psicológicos e fisiológicos mais relacionados com a menopausa envolvem nervosismo, depressão, insônia, irritabilidade, alteração de humor, labilidade emocional, problemas de memória, diminuição da libido e predisposição ao estresse. “Nesta fase, a queda da produção estrogênica gera uma sobrecarga fisiológica, podendo resultar em fadiga física ou estafa mental, alterando o sono e favorecendo problemas psicológicos”, completa a especialista.

Há ganho de peso

Verdade. Com a redução de massa magra, ocorre a diminuição da taxa metabólica basal e, consequentemente, a energia necessária para manter as funções do organismo em repouso. Além disso, pela queda do estrogênio, há maior acúmulo de gordura na região abdominal, elevando a resistência ao hormônio insulina, o que resulta no aumento de açúcar no sangue.

Reposição hormonal é a melhor forma de tratar a menopausa

Parcialmente verdade. Embora a reposição hormonal seja a melhor estratégia do ponto de vista farmacológico, nem todas as mulheres têm indicação ou podem fazer uso da reposição. Alguns aspectos precisam ser observados, como a via de administração hormonal, as doses e os tipos dos hormônios. Tudo isso tem influência nos riscos e na resposta ao tratamento.
Para as mulheres que possuem alguma contraindicação há outras terapias que podem ser indicadas para tratamento dos sintomas climatéricos, como antidepressivos, acupuntura e homeopatia.

“Vale lembrar que a prática de atividade física regular, associada à alimentação saudável, é importante para minimizar sintomas climatéricos, favorecer o ganho de massa óssea e aumentar a taxa metabólica basal. Além disso, ao notar sinal de diminuição ou ausência da menstruação, o indicado é se consultar com um especialista que fará avaliações, solicitação de exames e um tratamento adequado. Afinal, por mais que, cedo ou tarde, a menopausa chegue para todas as mulheres, cada uma tem suas particularidades e necessidades”, finaliza Claudia Chang.

Fonte: Claudia Chang é graduada em medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Residência em clínica médica geral pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Residência Médica em endocrinologia e metabologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Título de especialista em endocrinologia e metabologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM). Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Doutorado (PhD) em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) em colaboração com a Michigan University (EUA).

Mitos e verdades sobre o uso de alimentos para cuidados da pele

Dermatologista especializado em medicina estética desmitifica lista de crenças sobre alimentos, quando utilizados para o tratamento da derme

Passar limão no rosto clareia a pele? Água de arroz realmente alivia a vermelhidão? Hidratação com óleo de coco é segura? Com a pandemia e o isolamento social, muitas pessoas decidiram olhar mais para si e, consequentemente, cuidar mais da saúde. E nessa onda de cuidados, o famoso skincare não ficou de fora. No entanto, ao procurar por soluções rápidas, simples e milagrosas na internet, o barato pode acabar saindo caro.

São inúmeras as receitas caseiras que se disseminaram nas redes sociais, que têm como objetivo tratar a pele. Porém, é preciso ter cuidado e entender até que ponto é possível investir em receitas que não são indicadas por um profissional de confiança. Pensando nisso, o médico dermatologista, especialista em medicina estética e membro da Doctoralia , Gabriel Monteiro de Castro, desmitifica algumas crenças sobre os benefícios dermatológicos dos alimentos, em um “pingue-pongue” de mitos e verdades. Confira:

Getty Images

Pó de café no rosto: mito ou verdade?
Mito.
O que muitos procuram na cafeína é a ação estimuladora que, na circulação, de certa forma, pode melhorar um pouco a qualidade da pele e reduzir as olheiras, por exemplo. No entanto, quando passamos o pó de café direto no rosto, a cafeína não vai agir da forma que desejamos. Além disso, como há resíduos irregulares dos grãos no pó de café, uma esfoliação com o alimento pode ser bruta e causar sérias irritações no rosto. Por isso, se você está procurando um produto para esfoliação ou que atue na regeneração do rosto, é possível optar por produtos industrializados e testados dermatologicamente que são à base de cafeína.

Getty Images

Pepinos nos olhos: mito ou verdade?
Verdade.
Estamos falando de um clássico, né? Seja em filmes ou na vida real, as rodelas de pepinos são sinônimos de hidratação ao rosto. Pelo pepino ter uma base de água, ele possui alguns ativos, mesmo que fracos, que são anti-inflamatórios e, quando gelado, pode ajudar também na diminuição do inchaço da pele. Mas vale destacar que os benefícios do pepino só são visíveis quando utilizado como um complemento na rotina diária, em conjunto com produtos que realmente possam atuar diariamente nessas “dores”.

Pixabay

Água de arroz: mito ou verdade?
Mito.
A água de arroz para aliviar a vermelhidão e/ou como tônico é totalmente mito! Como hidratação, tanto para o rosto quanto para o cabelo, não estamos ganhando nenhum benefício de fato, só perdendo tempo. O arroz pode até ter alguns efeitos anti-inflamatórios e de redução da vermelhidão, mas somente a água do arroz não possui concentração mínima para ter o efeito necessário e, então, notar qualquer diferença na pele.

Limão como clareador: mito ou verdade?
Mito.
O limão, de fato, possui inúmeros benefícios, como a melhora da digestão, da imunidade e absorção de ferro. No entanto, para a pele, pode apresentar um perigo muito grave. Isso porque, em uma tentativa de utilizar alimentos cítricos como clareadores de forma leiga, os ácidos que a fruta contém podem queimar a pele e causar fitofotodermatose, onde a pele fica extremamente manchada com a exposição solar. Isso faz com que o paciente precise do auxílio de um especialista para realizar o tratamento – que pode ser longo – para tirar essas manchas. Então, todas as frutas cítricas são super contraindicadas para qualquer tipo de procedimento na derme.

O famoso abacate: mito ou verdade?
Totalmente verdade.
O abacate, assim como os alimentos que podem ter uma finalidade um pouquinho mais hidratante, como aloe vera (babosa), pode ser usado para pele ressecada, pois além de ser muito hidratante, contém óleos essenciais. Porém, precisamos tomar cuidado, uma vez que nem toda pele precisa de tantos óleos e hidratação assim. Então, dependendo do paciente, eu indicaria uma hidratação facial com abacate com mais regularidade.

Consulte sempre um médico

Além de desmascarar essas crenças bastante comuns, o especialista ainda garante que não é preciso gastar muito para cuidar da pele. “O essencial é investir em um bom filtro solar, pensando tanto no envelhecimento precoce quanto em doenças da pele, como o câncer de pele, e um hidratante específico, inclusive para peles oleosas, que também precisam de hidratação”, pontua o médico.

O especialista ainda destaca a importância de reforçar que nenhuma receita da internet garante a saúde da derme – isso apenas um especialista pode afirmar. “O correto é procurar um dermatologista para entender qual é o seu tipo de pele e as causas de uma possível anormalidade, se existir, para seguir com o tratamento ideal”, finaliza.

Fonte: Doctoralia

Cinco dicas de shots imunizantes para o inverno

Estamos na época mais fria do ano e você deve ter deixado à mão as roupas e cobertores mais quentes para as temperaturas mais baixas. Mas, além disso, esquecemos que precisamos cuidar também da parte de dentro do nosso corpo. Nossa saúde merece atenção redobrada, principalmente no inverno, e nesta fase louca que estamos passando com a pandemia do (Covid-19), devemos manter a saúde em dia.

Manter nossa imunidade elevada ajuda e muito no inverno. Pensando nisso, a nutricionista Nathali Loyola trouxe cinco ‘shots’ imunizantes para você incluir no seu dia a dia e fortalecer a imunidade. Além disso, ela explica alguns mitos sobre eles.

Confira as receitas:

Shot 1
1 limão espremido
1 colher chá rasa de cominho
1 colher chá de cúrcuma
1 colher chá de coentro

Shot 2
1 limão espremido
1 colher chá de glutamina

Shot 3
10 gotas de própolis
1 colher chá de gengibre
1/2 colher chá cúrcuma
1 suco de limão espremido

Shot 4
1 colher sopa de vinagre de maçã
50 ml de água morna
1/2 colher chá de gengibre

Shot 5
1 laranja espremida
1/2 colher chá gengibre
1 colher chá de mel

Mitos e Verdades

Tomar shot da imunidade realmente funciona?
Parcialmente verdade. Apesar da popularidade, não existem pesquisas científicas que comprovem a eficácia dos shots para a saúde, até o momento. Mas dependendo da sua composição, eles podem contribuir, sim, para aumentar o consumo de alguns nutrientes benéficos.

Apenas uma boa alimentação garante a imunidade?
Mito. Apesar de a alimentação estar diretamente ligada ao bom funcionamento do nosso sistema imune, outros fatores o influenciam: dormir bem, praticar atividades físicas regularmente, manter o corpo hidratado e gerenciar o estresse são alguns exemplos.

Devem ser tomados pela manhã?
Mito.
Os shots podem ser tomados a qualquer hora do dia. A dica é inclui-lo a um horário em que você conseguirá manter uma rotina, ou ser mais confortável e agradável, além disso, os shots que contém alimentos fontes de vitamina C, devem ser consumidos logo após o preparo, pois o ácido ascórbico (vitamina C), é inativado pela luz e pelo oxigênio.

Fonte: Nathali Loyola é pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional pelo Instituto de Pesquisa e Gestão de Ensino a Saúde (IPGS). É bacharel em Nutrição pelo Centro Universitário Nove de Julho (Uninove). Também cursou Mood and Food e a Sinergia dos Alimentos, fez Extensão de Exames Laboratoriais no Instituto de Nutrição Avançada e o Curso de Extensão Universitária Medicina Hiperbárica da USP – Dietoterapia para pacientes cirúrgicos na Divisão Clínica Cirúrgica III.

Mitos e verdades sobre alimentos que melhoram a imunidade

Nutricionista cadastrada no GetNinjas dá dicas de quais suplementos são essenciais para manter a saúde em dia

Ter a saúde em dia, é um fator necessário para enfrentar várias doenças, já que um organismo desequilibrado pode demandar mais tempo e cuidados para se recuperar. Sendo assim, em meio à pandemia, a preocupação com a saúde redobra e muitos investem na suplementação vitamínica para fortalecer o sistema imunológico.

Mas além desses produtos, também é possível reforçar a imunidade com refeições mais equilibradas. Pensando nisso, a nutricionista de São Paulo Andreia Camilla Oliveira, que atende pelo GetNinjas, aplicativo de contratação de serviços, compartilhou mitos e verdades sobre esses alimentos essenciais para a saúde, e de bônus, elaborou receitas fáceis que vão auxiliar no sistema de defesa do corpo. Confira:

Vitamina C é essencial para a imunidade
Verdade.
A nutricionista cita que frutas cítricas, ricas em vitamina C, são os principais alimentos que auxiliam na imunidade e são essenciais para a saúde. “Além de todos os benefícios quanto à imunidade, esses alimentos são antioxidantes, combatem os radicais livres, aumentam a resistência do organismo e impedem infecções virais e bacterianas”. Andréia listou que não é preciso investir apenas em limão e laranja, mas apostar em frutas como: Acerola, Goiaba, Caju, Kiwi, Morango e Abacaxi é super positivo para melhorar os índices de Vitamina C do corpo.

Foto: Nicole Franzen

Além da imunidade, a Vitamina C é essencial para outras funções
Verdade.
A Vitamina C é fundamental para o funcionamento das células e auxilia na formação dos colágenos tipos I e III, que contribuem com até 90% do colágeno total sintetizado do corpo. “Atua diretamente no combate ao envelhecimento e melhora a cicatrização”, comentou Andréia.

Vegetais não são tão importantes para cuidar do sistema imune
Mito.
Vegetais escuros são ricos em ácido fólico (folato) e vitamina B9. As principais fontes alimentares de ácido fólico são: espinafre, feijão branco, aspargos, verduras de folhas escuras, couve-de-bruxelas, soja e derivados, laranja, melão, maçã, brócolis, gema de ovo, fígado, peixes, gérmen de trigo, salsinha, beterraba crua e amendoim. “O ácido fólico é responsável por fabricar células sanguíneas e pela produção dos músculos. Além disso, melhora a cicatrização e a formação de RNA e DNA, e por isso são tão importantes (inclusive para gestantes), pois amenizam o risco de anemias e controle de hipertensão. Evitam as perdas auditivas e doenças crônicas”, salienta a profissional.

Ômega 3 é a gordura boa que atua como antioxidante
Verdade.
Além de ser anti-inflamatório, é conhecido como uma “gordura boa” e previne várias doenças graves. O ômega 3 é encontrado principalmente nos peixes de água fria, tais como o atum, salmão, sardinha, tainha e bacalhau. A nutricionista comenta que: “É um ácido graxo importantíssimo para o coração, pois reduz o risco de infarto e as taxas de triglicerídeos, além disso, previne batimentos cardíacos que estejam ‘desritmados’, melhorando a saúde dos hipertensos. Além disso, o ácido diminui o risco da arteriosclerose, alivia dores e inflamações, previne pressão alta, controla o apetite, previne a depressão pós-parto, auxilia no desenvolvimento cerebral dos fetos, previne o câncer de próstata e reduz o mau colesterol (LDL)”.

Ômega 3 não auxilia no emagrecimento
Mito.
Por auxiliar no emagrecimento, o ácido é muito utilizado na prática clínica, já que, após inserido na reeducação alimentar, ajuda na perda de peso sem restrições. Mas a profissional alerta: “As quantidades desses alimentos devem ser orientadas por um profissional de acordo com cada indivíduo”.

Café faz mal para a imunidade
Mito
. De modo geral, essa bebida é rica em cafeína, vitaminas e minerais como cálcio, fósforo e potássio. O consumo moderado do café pode ter efeitos benéficos com relação à depressão e a perda da memória a longo prazo, pelo fato de que doses moderadas de cafeína, causam regulação da plasticidade sináptica e contribui para o ajuste dos padrões de sono, do estado emocional, da memória e do aprendizado. “Pensando nesse momento de pandemia, com certeza muitos precisam do consumo desse alimento, não é mesmo? Pois é, o café é o grande aliado no combate a doenças graves, como a demência ou a diabetes, por exemplo. A bebida também possui alta concentração de antioxidantes, que combatem inflamações e ajudam a evitar o enrijecimento dos vasos sanguíneos”, salienta Andréia. Além de suas propriedades antidepressivas, estudos apontam que esse efeito natural é causado pelo estímulo da cafeína no sistema nervoso central. Assim, aumenta a produção de neurotransmissores cerebrais, responsáveis pela sensação de bem-estar, entre eles noradrenalina, dopamina e serotonina.

Tomar chá pode potencializar o envelhecimento da pele
Mito.
As pessoas que costumam tomar chá no dia a dia têm risco menor de acidente vascular cerebral e doenças cardíacas. Entre outras coisas, o chá é conhecido por melhorar a saúde cerebral. “O chá está associado ao antienvelhecimento. As células dos apreciadores regulares de chá, têm uma idade biológica mais jovem do que as daqueles que não ingerem essa bebida. Em outras palavras, beber chá ajuda a aumentar a expectativa de vida” informa.

Para finalizar, a Nutricionista elaborou receitas de “shots” que auxiliam na imunidade, acompanhe a seguir:

Shots para ajudar o sistema imunológico

Em tempos de cuidados com a saúde, toda ajuda é bem-vinda. Uma das formas de prevenir doenças de maneira geral é fortalecer o sistema imunológico. Uma solução caseira são os “shots de imunidade”. Eles fornecem uma combinação de ingredientes naturais e concentrados com o objetivo de contribuir com o bom funcionamento do sistema imunológico. Eles são fonte de nutrientes, vitaminas, minerais e antioxidantes, perfeitos para começar o dia.

Shot Rápido

Ingredientes:
1 limão
20 gotas de própolis
1 colher (café) de açafrão da terra (cúrcuma)

Modo de preparo:
Esprema o limão, misture com os demais ingredientes e adicione um pouco de água ou adicione no suco verde. Beba imediatamente.

Shot Clássico

Ingredientes:
1/2 copo de água.
Suco de 1 limão.
10 gotas de própolis.
1/2 colher de café de cúrcuma e pitada de pimenta caiena.
1/2 colher de café gengibre.

Variações:
-1/2 copo de água mineral (pode ser substituído por chá de gengibre ou hortelã) + 1/2 limão + pitada de sal rosa + 1/2 colher chá de canela + 1/2 colher chá de gengibre.
-1/2 copo de água + 10 gotas de extrato de própolis + 1/2 limão, 1/2 colher de chá de cúrcuma + 1 colher de chá de pólen orgânico e pitada de pimenta em pó.
-1/2 copo de água + 1 colher de chá de machá em pó + colher de chá de vinagre de maçã (ou suco de 1 limão) + 1 colher de chá de gengibre ralado.

Fonte: GetNinjas

Mitos e verdades sobre beleza e bem-estar no inverno

Especialistas falam dos benefícios e desvantagens do frio para a beleza e a saúde

O frio engorda? A pele resseca? Não é raro que o inverno seja associado a mudanças negativas no corpo e que os benefícios e vantagens das temperaturas mais amenas sejam esquecidos ou ignorados. Se, por um lado, é natural sentir mais fome nos dias frios, por outro, o corpo apresenta espontaneamente um maior gasto energético, o que acaba levando muitas pessoas a adotarem hábitos equivocados. Para manter o corpo e a saúde em dia neste inverno, confira uma lista de mitos e verdades da estação segundo especialistas:

Foto: Shutterstock

É comum sentir mais fome nos dias frios
Verdade. Você certamente já se perguntou por que a gula parece vir com tudo no inverno. “Em temperaturas baixas, nosso metabolismo tem como tendência ficar mais acelerado. Com isso, é gerado mais calor na tentativa de aquecer o nosso corpo e, por consequência, o gasto calórico é maior, assim como a necessidade de se ingerir mais calorias. No frio, a sensação de prazer é muito maior quando ingerimos alimentos quentes. E, normalmente, eles são mais calóricos. Mas, é preciso cuidado porque costuma-se praticar menos exercícios físicos e é possível que se ganhe quilos a mais na balança”, alerta Nívea Bordin Chacur, nutróloga da Clínica Leger.

Se exercitar no inverno ajuda a emagrecer
Verdade.
É normal bater aquela preguiça só de pensar em sair da cama nos dias mais frios, mas para quem quer emagrecer, essa pode ser a época ideal para dar início ao projeto verão. Isso porque no inverno o metabolismo do corpo acelera, pela necessidade de produzir mais calor, ativando mecanismos naturais que promovem a queima de gorduras. “Para impulsionar ainda mais essa tendência do corpo a gastar calorias, vale manter a rotina de exercícios sempre em dia. O ideal é praticar alguma atividade física diária por pelo menos 40 minutos”, completa Nívea.

É a melhor época para fazer cirurgia plástica e tratamentos estéticos
Verdade. Você sabia que é neste período que as clínicas de cirurgia plástica e estética apresentam um aumento de cerca de 40% no movimento? E isso tem explicação. De acordo com a dermatologista Gina Matzenbacher, que também atua na Clínica Leger, a tendência é que as pessoas passem mais tempo em casa e se exponham menos ao sol, o que torna o pós-operatório muito mais agradável. “A preocupação não está com a cirurgia em si, mas sim no pós-operatório. As cirurgias nos seios e abdômen, por exemplo, exigem o uso da cinta durante dias ou até mesmo meses, o que pode incomodar nos dias quentes de verão. Agora no inverno, recomendamos também, tratamentos como o laser de CO2 fracionado ou um peeling mais profundo, uma vez que o sol é inimigo da cicatrização e prejudica a recuperação da pele, podendo até piorar ou agravar o estado da cútis se exposta ao sol durante um tratamento. Costumamos dizer que o inverno é a nossa época de eleições para estes tipos de procedimentos estéticos”.

Pode dispensar o protetor solar no inverno
Mito.
O sol pode até não estar brilhando tão intensamente quanto durante os dias quentes de verão, mas isso não pode servir de desculpa para você abrir mão dos cuidados com a pele. Usar protetor solar diariamente, mesmo em dias nublados, continua sendo a recomendação dos especialistas. “O protetor solar, com fator de proteção 30, tem que ser aplicado em todas as estações do ano, com chuva ou sol. As radiciações UV estão presentes em qualquer momento do ano, até mesmo quando o tempo está nublado. Lembrando que o protetor solar tem uma duração de no máximo quatro horas, por isso é extremamente importante a sua reaplicação”, garante Ana Cecilia Corcini, médica especialista em estética da Clínica Leger. E não basta aplicar o produto no rosto. Todas as demais áreas expostas ao sol, como mãos, braços e colo, devem ser contempladas.

Pele ressecada é mais comum em baixas temperaturas
Verdade.
A queda na umidade relativa do ar aliada às alterações na temperatura comprometem a hidratação da pele nessa época do ano. É preciso um cuidado redobrado, pois é muito comum, além do ressecamento, rachaduras nos lábios e pés. O ideal é usar produtos para uma pele mais sensível e fragilizada, substituir o sabonete em barra pelo líquido, que já tem um hidratante na composição, além de aproveitar os três minutinhos após o banho, quando a pele ainda está úmida e vai absorver um pouco mais dos produtos tópicos, para passar um bom hidratante. Segundo Ana Cecilia Corcini, “no frio temos um hábito não muito saudável de aumentar a temperatura do chuveiro, com isso temos ressecamento da pele e maior produção de oleosidade no couro cabeludo, o que pode gerar até a queda capilar. Por isso é importante, investir em cremes a base de ureia e óleos e evitar o chuveiro muito quente ao lavar o cabelo”, reforça a médica.

Foto: Winzy Lee/Shuttestock

É a melhor estação do ano para tratamentos de varizes
Verdade.
“O inverno é a melhor época para tratar as varizes e os “vasinhos” (veias finas avermelhadas ou arroxeadas). Durante os meses de junho a setembro, as temperaturas são mais amenas e as pernas podem ficar mais protegidas do sol durante o tratamento. A maior vantagem em tratar as varizes no inverno é ficar com as pernas prontas para aproveitar o verão”, afirma Fernanda Federico, cirurgiã vascular da Clínica Leger. Além de melhorar a aparência estética, o tratamento das varizes proporciona melhora da saúde, bem estar e qualidade de vida. Às vezes, apenas os vasinhos são visíveis, mas é possível que haja microvarizes e varizes que também precisam ser tratadas. Antes de começar qualquer procedimento, ainda que para fins estéticos, é preciso fazer uma avaliação clínica vascular das pernas. “Menor exposição ao sol, roupas mais quentinhas e fechadas protegem as regiões tratadas e, assim, menor será a chance de surgir manchinhas na pele. Baixas temperaturas reduzem o inchaço e facilita o uso de meias elásticas”, conclui a médica.

Fonte: Clínica Leger

Confira cinco mitos e verdades sobre cárie

Mudança constante de rotina durante isolamento não pode ser fator para deixar cuidados de lado; estima-se que mais de 2,5 bilhões de adultos e crianças sofram de cáries no mundo

Escondida pelas máscaras, a saúde bucal não pode ser esquecida durante a pandemia e a rotina de cuidados diários é essencial para evitar problemas como a cárie. Com o vai e vem de home office e ensino remoto ou presencial, os horários podem ficar bagunçados e processos básicos como a escovação, o fio dental e o flúor acabam ficando de lado. Tanto para adultos, quanto para crianças e adolescentes. E isso tem preocupado dentistas.

Já se sabe que a cárie é uma das doenças mais comuns no mundo. Segundo o Global Burden of Disease Study 2017, estima-se que, globalmente, mais de 2 bilhões de pessoas sofram de cárie nos dentes permanentes e mais de 530 milhões de crianças têm cáries nos dentes de leite. Para o especialista em Saúde Coletiva e dentista da Neodent, João Piscinini, é fundamental esclarecer alguns mitos sobre a doença. “Muitas pessoas acham que a cárie é uma doença transmissível, por exemplo. E só o conhecimento pode levar à prevenção do problema”, comenta. Confira, então, alguns mitos e verdades sobre a cárie dentária:

Shutterstock

Cárie é contagiosa
Mito. A cárie não é transmissível. A doença causa a destruição dos tecidos devido a um ácido liberado pelas bactérias que consomem o açúcar que fica nos dentes. Por conta disso, Piscinini explica que muitas pessoas acreditam que a cárie é contagiosa, por envolver um microrganismo, porém, não é. “A cárie é uma doença comportamental que, para se desenvolver, depende dos seus hábitos alimentares e da sua higiene. Então preveni-la só depende de você, mantendo um consumo controlado de açúcar e carboidratos em geral; uma boa escovação, com pasta dental contendo flúor; e o uso diário do fio dental”, afirma.

Manchas brancas podem ser cáries
Verdade. Muitas pessoas acreditam que a cárie só aparece como um pontinho preto. Porém, o dentista explica que a doença tem vários estágios e na fase inicial aparece como uma mancha branca. “Ao perceber a presença de manchas nos dentes é indicado ir a um especialista para ver se não se trata de um início de cárie e, dessa forma, interromper o avanço o mais rápido possível”, alerta.

Dores podem indicar um avanço da doença
Verdade.
A cárie pode demorar semanas ou meses para se desenvolver. Durante esse tempo, a mancha branca pode evoluir para um buraquinho. Com isso, a dor pode surgir ou intensificar. “Se o paciente sentiu dor é porque, muito provavelmente, a cárie já esteja avançada. Sendo assim, é essencial ir ao dentista com frequência para que a cárie possa ser tratada no estágio inicial e não cause dor”, aconselha o especialista em Saúde Coletiva.

Pacientes que usam aparelhos podem ter mais cáries
Verdade.
As pessoas que estão realizando tratamento ortodôntico, principalmente com aparelhos convencionais, precisam ter mais atenção com a higiene bucal. “Os alimentos ficam presos facilmente nos aparelhos ortodônticos. Assim, quando a escovação dos dentes não é correta ou o paciente deixa de usar o fio dental por ser mais trabalhoso, o risco de ter cárie aumenta”, destaca o dentista.

Cárie não surge mais, caso tenha uma vez
Mito.
Na maior parte dos casos, o tratamento de uma cárie é feito com materiais restauradores. Caso não haja o cuidado bucal, o dente tratado ainda pode desenvolver uma nova cárie e inclusive atingir a polpa e precisar de um tratamento de canal. “A orientação é a escovação dos dentes e uso de fio dental todos os dias para evitar que o problema retorne”, explica.

O especialista reforça ainda a importância de ir ao dentista regularmente, pois, assim, o tratamento pode ocorrer de forma mais simples e prática quando realizado no início. “Nas consultas você pode receber orientações de dieta, aprender a melhorar sua escovação e ter diagnósticos precoces”, finaliza Piscinini.

Fonte: Neodent

Tontura: 7 mitos e verdades sobre as várias doenças relacionadas a esse sintoma

Campanha “Não fique tonto. Procure um otorrinolaringologista” ressalta a importância de identificar as verdadeiras causas das doenças do labirinto

Em 22 de abril foi celebrado o Dia da Tontura, sintoma que acomete 42% da população adulta da cidade de São Paulo, segundo estudo publicado pela Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. Embora 67% dos sintomáticos sejam afetados em suas atividades diárias, apenas 46% dos pacientes da pesquisa procuraram auxílio médico.

A campanha “Não fique tonto. Procure um otorrinolaringologista” tem como objetivo despertar a atenção da população para os problemas relacionados a esse sintoma e incentivar a busca por avaliação médica. Ela ocorreu durante a Semana da Tontura, de 19 a 23 de abril.

“O impacto da tontura no indivíduo e na população é real. Sentir tontura não é normal e pode afetar o dia a dia de crianças, adultos jovens ou idosos. Por isso, o segredo é não desprezar seus sintomas, nem se automedicar. Procure um otorrinolaringologista para o correto diagnóstico e tratamento das doenças que causam vertigem e tontura” afirma Márcio Salmito, otorrinolaringologista, coordenador do Departamento de Otoneurologia da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

Você sabe quando procurar um especialista? Para esclarecer algumas dúvidas, a ABORL-CCF, por meio do Departamento de Otoneurologia, preparou uma lista com 7 mitos e verdades sobre as verdadeiras causas das doenças do labirinto.

A doença mais comum que causa tontura e vertigem é a labirintite.
Mito.
A labirintite não está nem entre as 10 causas mais frequentes de doenças labirínticas. A labirintite (verdadeira) é uma inflamação do labirinto, geralmente associada a alguma outra infecção (otite, meningite).

Stock Photos

Ao sentir vertigem ou tontura, é melhor já tomar o remédio disponível nas prateleiras da farmácia.
Mito.
A automedicação pode mascarar o problema central, fazendo com que haja um quadro persistente.

iStock

Qualquer médico pode tratar as doenças do labirinto.
Mito.
A otorrinolaringologia possui uma área específica, a otoneurologia, para estudar as doenças do labirinto. Por isso, o otorrino é o mais capacitado para fazer o diagnóstico, entender se o sintoma indica alguma doença do labirinto e propor o tratamento correto.

Os sintomas, como vertigem e tontura, podem não ser doenças.
Verdade.
Fatores externos, como hábitos e comportamentos, podem influenciar no sintoma de tontura e vertigem, como a ingestão de alimentos que têm muito açúcar ou cafeína, o tabagismo e até o etilismo (ingestão de álcool).

Ilustração: Vertigo

O labirinto é um órgão.
Verdade
. O labirinto é um órgão (parte interna do ouvido) que tem como funções a audição e sensor dos movimentos da cabeça.

A tontura pode não ser labirintite.
Verdade.
Entre as principais doenças, estão:

=Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB): é a doença mais comum causadora de vertigem. Causada pelo desprendimento de pequenos cristais de cálcio, denominados de otólitos, responsáveis por fornecer informações sobre a posição e movimentos da nossa cabeça. É uma das várias doenças diferentes que acabam recebendo o nome de labirintite quando não adequadamente diagnosticada. Sintoma: vertigem que pode ser acompanhada por náuseas (provocada por movimentos da cabeça).
=Cinetose: conhecida como “mal do movimento” (motion sickness), é caracterizada pela dificuldade do labirinto em processar diferentes informações. Sintomas: náusea e enjoo, tornando- se mais evidente em viagens de carro ou avião, agravados pelo movimento sequencial do olhar.
=Doença de Menière: ocorre por consequência do aumento da pressão dos líquidos da orelha interna, geralmente relacionada com outras doenças, como diabetes, hipertensão e doenças autoimunes. Sintomas: zumbido, vertigem, perda auditiva e pressão no ouvido, acompanhados de mal-estar e náusea/enjoo.
=Neurite vestibular: distúrbio do sistema vestibular causado, geralmente, por um vírus que afeta o nervo vestibular, uma estrutura responsável por enviar informações do labirinto para a cabeça. Sintomas: forte vertigem, náusea, desequilíbrio e dificuldade para caminhar.

Em 22 de abril, é celebrado o Dia Nacional da Tontura.
Verdade.
Desde 2018, 22 de abril é considerado o Dia Nacional da Tontura, data de nascimento do médico otorrinolaringologista Robert Barany, único otorrino a ganhar um prêmio Nobel, o que ocorreu por suas descobertas a respeito do funcionamento do sistema vestibular, do qual o labirinto é o órgão.

Sobre a ABORL-CCF

Com mais de 70 anos de atuação entre Federação, Sociedade e Associação, a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), Departamento de Otorrinolaringologia da Associação Médica Brasileira (AMB), promove o desenvolvimento da especialidade através de seus cursos, congressos, projetos de educação médica e intercâmbios científicos, entre outras entidades nacionais e internacionais. Busca também a defesa da especialidade e luta por melhores formas para uma remuneração justa em prol dos mais de 8.500 otorrinolaringologistas em todo o país.

Primeiro de abril: confira dez mentiras sobre medicamentos

No Dia da Mentira, a Extrafarma desvenda os mitos mais comuns relacionados aos medicamentos

Existem diversos mitos sobre medicamentos que ouvimos durante a nossas vidas. Muitos acabam, algumas vezes, prejudicando o tratamento ou, até mesmo, nos induzindo a erros quem podem acarretar danos importantes para a saúde. Pensando nisso, a farmacêutica da Extrafarma, Ana Emilia Batista, desvendou alguns mitos:

Todos os medicamentos fazem mal ao estômago se tomados em jejum.
Mentira.
Ingerir medicamentos com o estômago vazio pode até facilitar sua absorção pelo organismo, e em alguns casos essa é a recomendação. Mas é preciso tomar cuidado, pois alguns tipos de medicamento com acidez elevada podem, sim, irritar o estômago se tomados em jejum. “O ideal é sempre seguir a recomendação de um médico ou farmacêutico, que estão preparados para identificar o horário mais indicado para a ingestão.

Imagem: Farmacêutico Digital

É seguro tomar medicamentos vencidos se não estiverem com aparência alterada.
Mentira.
Mesmo que a cor e cheiro do medicamento estiverem sem alterações, sua ingestão não é indicada se o prazo de validade estiver expirado. Isso porque não há estudos confiáveis que indiquem que os medicamentos mantêm sua eficácia após o prazo recomendado. Em alguns casos, o consumo pode ser até prejudicial para a saúde, provocando reações adversas no organismo.

Stock Photos

Não é preciso completar o tratamento se os sintomas desaparecerem.
Mentira.
O fim dos sintomas não indica a cura da doença. Em muitos casos, como em tratamentos que exigem antibióticos, a interrupção do tratamento antes do tempo indicado pelo médico pode até tornar as bactérias mais resistentes.

O melhor local para guardar os medicamentos é o banheiro, para que estejam sempre à vista.
Mentira.
Por ser um local úmido, e muitas vezes abafado, o banheiro não é a opção ideal para manter os medicamentos. Para que não tenham sua composição alterada, os medicamentos devem ser mantidos em local fresco e arejado, longe da luz e de fontes de calor.

Pixabay

Vitamina vencida não perde o efeito.
Mentira.
O princípio é o mesmo. Quando o laboratório vende um composto vitamínico, ele assegura que as vitaminas funcionarão como esperado se for consumida conforme a orientação médica e dentro do prazo de validade. Após o vencimento, pode haver alterações na fórmula e perda de efeito.

Pixabay

Colírios podem ser usados até seu vencimento.
Mentira.
Muitos colírios não contêm conservantes para evitar problemas de irritação ocular. Desta forma, após aberto, o colírio deve ser utilizado conforme orientação médica e descartado ao final do tratamento, ainda que esteja dentro do prazo de validade.

Medicamentos genéricos são menos eficientes.
Mentira.
Todos os medicamentos genéricos devem ter sua equivalência comprovada em laboratório, conforme determina a legislação. Isso significa que os genéricos têm a mesma eficiência que os remédios de referência, que são certificados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

iStock

Injeções são mais eficientes que comprimidos.
Mentira.
Na verdade, trata-se de uma informação desatualizada. Algumas décadas atrás, os comprimidos tinham uma biodisponibilidade (porcentual de aproveitamento de uma substância pelo organismo) que variava entre 40% e 60%, enquanto a das injeções era de aproximadamente 80%. Porém, com os diversos avanços da indústria farmacêutica nos últimos anos, a biodisponibilidade dos comprimidos atuais varia entre 90% e 95%.

Fonte: Extrafarma

Quanto a Covid-19 pode interferir na saúde do cérebro?

Neurocirurgião da Unicamp explica os motivos que podem levar à perda de olfato e de funções cognitivas, além de AVC e depressão

Como tudo é novo e desconhecido em relação à Covid-19, há muita especulação em relação às suas consequências para o organismo de pacientes acometidos pela doença, principalmente depois que se recuperam. Uma dúvida importante é saber o que este vírus pode provocar no cérebro.

Para esclarecer algumas questões, Marcelo Valadares, médico neurocirurgião da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Confira alguns mitos e verdades:

A Covid-19 pode interferir nas funções cognitivas?

Verdade: um trabalho inédito, publicado no início de fevereiro pelo InCor (Instituto do Coração) da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), revela que, após o fim da infecção, surgem problemas como perda de memória, dificuldade em manter o foco e/ou a atenção como antes no cotidiano e dificuldades com a percepção visual.

A perda do olfato é um sintoma incomum após o paciente ser infectado?

Mito: no caso da infecção por coronavírus, é muito comum que lesões nos nervos e bulbos olfatórios levem à perda de olfato (anosmia). Em um estudo europeu de 2020, em 87% dos pacientes a anosmia foi um dos sintomas mais comuns da doença. Embora a incidência de casos permanentes seja muito menor (cerca de 5%), a infecção viral é capaz, também, de levar à anosmia permanente. Porém, em alguns casos, existe tratamento para a recuperação.

A doença aumenta as chances do AVC (Acidente Vascular Cerebral)

Verdade. A Covid-19 está ligada a um aumento na formação de coágulos em artérias, podendo levar ao AVC. Estudos internacionais, principalmente nos Estados Unidos, identificaram que muitos pacientes jovens com Covid-19 também foram diagnosticados com Acidente Vascular Cerebral.

A Covid-19 pode levar a sequelas neurológicas permanentes?

Mito: a infecção por SARS-CoV-2 já demonstrou causar sintomas de longo prazo, mesmo após a resolução do quadro respiratório. Além da perda do olfato, os pacientes podem sentir principalmente dores de cabeça crônica, a já citada sensação de fadiga no corpo, tontura, fraqueza generalizada e até mesmo ansiedade e depressão. Por enquanto, estudos apontam que são condições passageiras, mas que merecem atenção do paciente e acompanhamento médico.

Fonte: Marcelo Valadares, médico neurocirurgião da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e do Hospital Albert Einstein