Arquivo da tag: níquel

“Dermatite do celular” pode causar irritação e vermelhidão na pele

Alergias acontecem por meio do contato com o níquel e cromo, dois componentes presentes em quase todo o celular

Passamos muito tempo de nossas vidas conectados a smartphones, de forma que substituímos o livro físico, a agenda de contatos, a câmera fotográfica e até mesmo a comunicação com as pessoas, pelos celulares. Toda essa exposição e uso excessivo dos dispositivos móveis tem aumentado a frequência de alguns problemas de pele, como rugas no pescoço (pela posição de olhar o celular), acne (pelo dispositivo carregar um alto número de bactérias e sujidades), manchas (pelo estímulo da produção de melanina pela luz visível do dispositivo) e, também, as alergias.

“O cromo e o níquel são dois componentes presentes nos celulares que estão relacionados com o aumento do número de alergias na pele”, afirma a médica Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Segundo especialistas, essa reação alérgica já vem sendo chamada de “dermatite do celular”.

Segundo a Associação Britânica de Dermatologistas, a alergia a níquel afeta 30% da população no Reino Unido e figura entre as dermatites de contato mais comuns. “E pior que o níquel está em quase todo o celular: na bateria de lítio (que traz níquel na composição) até o fio de ligação de cada chip (que é revestido com ele), passando pelo microfone, eletrônica e revestimentos decorativos”, afirma a médica.

O contato prolongado com esses componentes é o que pode trazer alergia, com sintomas como irritações e vermelhidão na pele. “As regiões mais acometidas são: bochecha, orelha e nos dedos. Geralmente pacientes que usam o celular mais para ligações têm problema na face, enquanto os que usam mais para mensagens de texto ou aplicativos sofrem com a dermatite nos dedos”, afirma a médica.

Além do níquel, a dermatologista diz que outras substâncias, como a borracha e a pintura do celular, também estão envolvidas no processo alérgico, que pode provocar a irritação da pele. “Com toque contínuo, por horas e dias seguidos, esses componentes poderiam causar manchas vermelhas, placas na pele e coceira insistente”, diz.

mulher sorriso celular telefone

Para se proteger, a médica diz que é necessário usar case e película no celular para evitar o contato direto com a substância. “Além disso, é recomendável bom senso no uso do celular, pois quanto menor o tempo de exposição, melhor será para sua pele. E, claro, percebendo qualquer alteração na pele, é necessário procurar um dermatologista para a indicação do melhor tratamento”, afirma a médica.

O tratamento pode ser feito por meio de cremes tópicos para alívio da vermelhidão e coceira. “Em casos mais graves, o médico pode avaliar e prescrever medicamentos orais para combater a inflamação ou aliviar a coceira, que pode ser intensa”, finaliza a dermatologista.

Fonte: Paola Pomerantzeff é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), tem mais de 10 anos de atuação em Dermatologia Clínica. Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina Santo Amaro, a médica é especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, e participa periodicamente de Congressos, Jornadas e Simpósios nacionais e internacionais.

Tem alergia? Semijoias e detector de níquel são aliados da saúde

Colar, pulseiras, brincos, anéis. Há uma infinidade de opções quando o assunto em questão é acessório. Mas e quando se tem alergia a bijuterias, ou melhor dizendo, a algumas substâncias presentes nelas?

O níquel, metal encontrado em diversas bijuterias, óculos, relógios, botão de calças e até misturado ao ouro, é o principal causador de coceiras, irritação e vermelhidão, sintomas mais comuns de uma reação alérgica.

Quando em contato com a pele, a bijuteria, ou qualquer outro objeto com níquel, se torna um corpo estranho para o organismo, que começa a produzir anticorpos e quando não são tratados, podem evoluir para casos mais graves, como sangramentos e infecções.

Normalmente, este tipo de reação alérgica não tem cura e, até então, a opção mais segura oferecida para as brasileiras era evitar o uso de peças com níquel, já que no contato com a pele as lesões reaparecem. É importante ressaltar que, para evitar a alergia ao níquel, antes é necessário conhecer os acessórios que contêm o metal em sua composição.

alergoshop

Pensando nisso, a Alergoshop criou uma linha de semijoias hipoalergênicas. Elas recebem acabamento em verniz hipoalergênico, que não contém níquel, matéria-prima utilizada em quase todas as bijuterias e principal responsável pelo desencadeamento de alergias. Elas podem ser encontradas nas lojas Alergoshop ou pelo site, a partir de R$ 14,00.

Outra opção para dar fim as alergias ocasionadas pelo níquel das bijuterias é o Nicontrol, produto vegano produzido pela Alergoshop. O kit contém um detector de níquel e um isolante de metais que não permite o contato com a pele e assim minimiza as reações alérgicas.

Modo de usar:

Para usar o detector, basta aplicar o líquido contido em seu frasco em uma haste com algodão e esfregá-lo no acessório que desejar por 30 segundos. Se a peça tiver níquel o algodão apresentará uma coloração rosa. Neste caso, será necessário aplicar o isolante de níquel em todo o acessório ou na parte que ficará em contato com a pele e esperar 30 minutos antes de utilizá-lo. O detector deve ser reaplicado a cada 15 dias ou sempre que necessário.

alergoshop2

O Nicontrol  pode ser encontrado nas lojas Alergoshop ou pelo site  no valor de R$ 43,50.

Informações: Alergoshop – SAC sac@alergoshop.com.br ou pelo 0800 122 276, das 9h às 18h.