Arquivo da tag: ouvido

Alimentos saborosos, mas nocivos à saúde, podem afetar também a audição

Pesquisas apontam que o excesso de doces, chocolate, sorvete e até bebidas alcoólicas podem causar perda auditiva

Que a má alimentação é prejudicial à saúde todo mundo sabe, mas que também afeta a audição, você sabia? A falta de uma dieta equilibrada, no longo prazo, bem como o consumo em excesso de álcool e tabaco, podem causar perda auditiva, zumbido e tontura. Isso foi comprovado em estudo conduzido pela médica Sharon Curhan e outros pesquisadores da Universidade Harvard (EUA).

Os pesquisadores verificaram a alimentação e a capacidade auditiva de quase 80 mil mulheres durante duas décadas e concluíram que dietas saudáveis diminuem em até 30% a possibilidade de a audição sofrer prejuízos com o passar dos anos. Eles compararam o menu diário das participantes com três estilos famosos de alimentação, entre eles a dieta mediterrânea, que demonstrou grande potencial para proteger a capacidade auditiva. A dieta mediterrânea indica o consumo abundante de azeite, hortaliças, peixes e oleaginosas, e pouca carne vermelha e doces. Os resultados foram publicados no periódico Journal of Nutrition.

Foto: SweetLouise/Pixabay

De acordo com o médico Fernando Ganança, ex-presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvio-Facial (ABORL-CCF), quem consome muito açúcar corre risco de comprometer a audição. “O açúcar tem glicose e, em excesso, causa aumento da insulina, que tem uma função importante na regulação de íons presentes no ouvido interno. Se o indivíduo come grande quantidade de doces, chocolate, sorvete, bala, refrigerante, pode prejudicar sua saúde auditiva”, diz o otorrinolaringologista, que complementa: “Erros alimentares prejudicam os três principais sintomas otoneurológicos: perda auditiva, zumbido e tontura – as famosas labirintites”.

Diabetes

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Niigata, no Japão, também descobriram que o diabetes pode causar perda de audição, dentre outras complicações. Eles reuniram informações de 13 estudos anteriores em que foram examinadas 7.377 pessoas com diabetes e 12.817 sem diabetes. E concluíram que os portadores de diabetes tinham 2,15 vezes mais chances de perder a audição do que as pessoas sem essa condição. O Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism publicou a pesquisa.

Álcool e tabagismo

Os males causados pela ingestão de álcool em excesso vão além dos já conhecidos, como o risco de cirrose hepática. Pesquisadores da Universidade de Ulm, na Alemanha, examinaram usuários de bebida alcoólica, tanto os dependentes como os que bebem socialmente, para checar o nível de danos causados na mente e audição. O estudo revelou que a bebida alcoólica afeta consideravelmente a capacidade auditiva.

Outra pesquisa, esta realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), revelou que pessoas que fumam pelo menos cinco cigarros por dia há mais de um ano têm quatro vezes mais chances de sofrer com zumbido. E na Universidade de Antuérpia, na Bélgica, um estudo também comprovou que pessoas que fumam regularmente, por mais de um ano, têm audição pior do que quem não fuma. E quanto mais se fuma, maior é o nível de perda auditiva.

“As células ciliadas, que ficam na cóclea, logo à frente do labirinto, e são responsáveis pela audição sensorial, não se regeneram caso sejam danificadas. Com isso, o indivíduo vai perdendo a audição ao longo dos anos, dependendo das situações a que se submete. Má alimentação e exposição constante a sons altos, entre outros fatores, podem agravar o problema”, diz a fonoaudióloga Marcella Vidal, Gerente de Audiologia Corporativo da Telex Soluções Auditivas.

O zumbido, que pode ser o primeiro sinal de perda de audição, afeta 278 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O sintoma geralmente é o mesmo: um ruído constante que a pessoa não sabe de onde vem, nem como acabar com ele. “Em alguns casos, o incômodo é parecido com o barulho de insetos; em outros, com o som de uma cachoeira. Alguns se assemelham ao apito de uma panela de pressão. Quanto antes o problema for tratado, mais claro será o diagnóstico e maiores serão as chances de fazê-lo desaparecer ou pelo menos minimizá-lo”, pontua a fonoaudióloga.

Além de melhorar o acesso aos sons para quem tem perda auditiva, o uso de aparelhos auditivos também é indicado para as pessoas que lidam diariamente com o zumbido. A ferramenta Tinnitus SoundSupport, presente nos aparelhos auditivos da Telex Soluções Auditivas, fornece sons do oceano e várias outras opções de sons a fim de levar alívio e conforto para quem enfrenta o zumbido.

Fonte: Telex Soluções Auditivas

Mitos e verdades sobre perda auditiva

A perda auditiva pode ser causada por diversos fatores, como envelhecimento, genética e hábitos ruins ao longo da vida relacionados ao excesso de barulho, por exemplo. Segundo dados do Hear-it, site referência no tema, a capacidade de ouvir, em geral, diminui a partir dos 40 anos e mais da metade das pessoas que chegam aos 80 anos têm deficiência auditiva.

A exposição frequente a sons elevados, seja em casa, no carro, no trabalho, ao frequentar shows e boates, é um grande risco para a audição e muita gente ainda não se deu conta disso.

É melhor ficar atento desde cedo para chegar na fase madura com a audição ainda em dia. Preste atenção. A fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas, analisou os principais mitos e verdades quando se trata de saúde auditiva. Saiba quais são:

1 – Escutar música alta em fones de ouvido pode causar perda auditiva

mulher ouvindo musica fone de ouvido stocksnap pixabay

Verdade. Segundo a fonoaudióloga, que é especialista em audiologia, a perda auditiva ocorre porque o hábito frequente de ouvir música com som muito alto pode causar danos às células ciliadas, responsáveis pela audição, que não se regeneram. “O limite de exposição a sons recomendado é de 85 decibéis; e quanto mais tempo exposto ao volume alto, pior para as orelhas”, alerta. Foi o caso do cantor britânico Brian Johnson, líder do AC/DC, que desde 2016 relata o problema em entrevistas e palestras.

2 – Cera de ouvido em excesso pode causar surdez

ouvido

Mito. O acúmulo de cera pode impedir o som de chegar ao tímpano. Entretanto, não pode causar surdez. “Esse problema pode ser resolvido com a remoção do excesso de cerume e, posteriormente, a pessoa conseguirá ouvir de forma adequada”, esclarece Marcella Vidal.

3 – Zumbido e sensação de tontura podem ser sintomas de perda auditiva

tontura falta de equilibrio bebada pixabay333

Verdade. Tanto o zumbido quanto a sensação de tontura podem ser indícios de problemas auditivos. “O ideal é procurar um médico otorrinolaringologista para ter o diagnóstico correto e saber o melhor tipo de tratamento. Em alguns casos, a indicação é o uso de prótese auditiva”, pontua.

4 – Perda auditiva não tem solução

surdez

Mito. Em grande parte dos casos, a dificuldade para ouvir pode ser tratada com o uso de aparelhos auditivos, adequados para cada grau de perda auditiva. Marcella Vidal explica que as próteses auditivas estão cada vez mais tecnológicas e modernas. “Elas são capazes de amplificar os sons, ajudando as pessoas no processo de reabilitação auditiva de maneira bastante eficaz”, conta.

5 – Infecção de ouvido pode causar perda de audição

orelha rosto ouvido

Verdade. As infecções de ouvido – otites –, podem trazer transtornos caso ocorram de forma repetitiva e sejam tratadas de forma errada. É necessário ficar atento, em especial no caso de crianças, que são mais suscetíveis a inflamações. Para evitá-las, o ideal é tratar de maneira adequada gripes e dificuldades respiratórias, pois isso pode afetar diretamente a audição. “A qualquer sinal de dificuldades para ouvir, é importante procurar um otorrinolaringologista para uma avaliação detalhada”, finaliza a fonoaudióloga da Telex.

Fonte: Telex Soluções Auditivas

Hoje é o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez

É muito barulho. Na rua, no trabalho ou em casa temos a constante sensação de que o “volume da vida” aumentou. Buzinas, carros de som, camelôs, obras, fones de ouvido, eletrodomésticos, pessoas conversando em tom alto, gritaria de crianças, cachorro, telefone, equipamentos eletrônicos… Ufa!

São tantos sons ao redor que às vezes fica difícil até saber de onde vem cada um. E nós seguimos aumentando o volume para ouvirmos melhor o que realmente nos interessa. Essa overdose sonora que nos afeta voluntária ou involuntariamente pode trazer sérios riscos à saúde dos ouvidos. Neste dia 10 de novembro, Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez, que tal abaixar o volume e ficar alerta para algumas dicas?

Já se sabe que a perda auditiva começa a surgir mais cedo entre os moradores de grandes cidades e o trânsito pode ser um dos vilões. Para fugir do barulho do tráfego intenso e da movimentação nas ruas muitas pessoas recorrem aos fones de ouvido. Eles são nossos parceiros para ouvir música. Mas esse companheiro inseparável pode ser muito perigoso se o volume do som nos fones estiver em níveis acima do recomendado. Dê preferência aos fones estilo concha, que além de serem mais confortáveis, se ajustam ao ouvido garantindo maior isolamento do barulho ambiente e permitindo que você mantenha o volume da música em nível adequado aos ouvidos.

“O problema relacionado ao uso de fones de ouvidos está ligado ao volume do som e ao tempo diário das pessoas em contato com o ruído. A exposição intensa e frequente acima de 85 decibéis pode provocar danos irreversíveis à audição com o passar do tempo”, conta a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas.

A especialista em audiologia ressalva, no entanto, que as consequências do uso frequente de fones de ouvido não são as mesmas para todos. Além de variar de acordo com o período de exposição ao ruído, a perda aditiva está ligada também à predisposição genética de cada um. “Recomendamos aos jovens que usam fones com frequência que façam uma audiometria. É o exame que informa se há perda de audição e como proceder para evitar o agravamento do problema”, aconselha.

O nível de barulho em casa também tem grande impacto na saúde auditiva. TV, rádio, liquidificador, aspirador de pó, secador de cabelos, aparelhos de som, jogos de videogame, smartphones e tablets fazem parte do nosso cotidiano e podem facilmente extrapolar os limites de decibéis. É fundamental estar atento ao barulho que eles emitem em benefício da saúde auditiva. Se perceber que o barulho está incomodando, uma solução barata e inteligente é usar protetores de ouvido.

television

Outra situação em que vale usar protetores auriculares é se você é amante do ronco de um motor. Estudo do Instituto Nacional de Surdez e Outras Doenças de Comunicação, dos EUA, constatou que uma moto emite ruídos em torno de 95 decibéis. Lembrando que ruídos acima de 85 dB podem causar alterações na estrutura interna do ouvido e perda permanente de audição com o decorrer dos anos. Imagina o estrago que o hábito de pilotar diariamente a moto pode causar!

Os danos à audição podem começar até mesmo no ambiente escolar, trazendo riscos às crianças desde a sua formação. O barulho típico da criançada fazendo algazarra no pátio, na sala de aula, gritando e correndo pelos corredores é um cenário natural na infância, mas que esconde um problema.

O excesso de ruído que envolve os alunos – e os professores – pode causar estresse, falta de concentração e até uma progressiva perda auditiva, que não será sentida de imediato, mas terá reflexos mais tarde. Além disso, é importante que os pais examinem a audição de seus filhos logo no início da vida escolar. Crianças com dificuldades para ouvir não aprendem direito, costumam ter conflitos de relacionamento e apresentam distúrbios de comportamento como distração ou retraimento em excesso. É preciso investigar para que isso não afete o aprendizado.

“A grande preocupação é que a ‘Perda Auditiva Induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevados’ (PAINPSE) tem efeito cumulativo. Dependendo do volume e do tempo de exposição ao som elevado, além de uma predisposição genética, o indivíduo pode sofrer danos auditivos cada vez mais severos, de forma contínua e elevada ao longo da vida. E as novas gerações serão as maiores vítimas dessa perda precoce, em razão do uso de fones, boates, da vida cada vez mais barulhenta”, alerta a fonoaudióloga da Telex, que é especialista em audiologia.

ouvido

Quanto mais cedo for detectada a perda auditiva, melhor. Quando o dano ainda é pequeno, é mais fácil devolver os sons ao indivíduo, geralmente com o uso de aparelhos auditivos. O problema é que a maioria das pessoas que têm problemas de audição não reconhece que ouve mal. A falta de informação e o preconceito fazem com que a consulta ao médico seja protelada por muitos anos. A boa notícia é que, graças aos avanços da tecnologia, os aparelhos auditivos hoje são minúsculos, discretos, alguns são até invisíveis, pois ficam dentro do canal auditivo, como os da Telex.

Ao desconfiar de dificuldades para ouvir, consulte um médico otorrinolaringologista para obter um diagnóstico preciso. A partir de avaliações como a audiometria, é indicado o tratamento mais adequado.

Fonte: Telex Soluções Auditivas

Fica surdo durante os voos de avião? Veja dicas para evitar esse desconforto

 

Quando você viaja de avião costuma ficar surdo? Pois saiba que há pessoas que ficam com o ouvido tampado por vários dias depois da viagem, e isso ocorre por causa da pressão nos ouvidos, em especial nas aterrissagens (mudança brusca de altitude) ou decolagens de voos comerciais.

A médica otorrinolaringologista e especialista em Otoneurologia, Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Jeanne Oiticica, explica que, apesar das cabines das aeronaves comerciais serem pressurizadas, isso pode ocorrer caso o passageiro esteja com alguma inflamação, congestão ou secreção nas vias aéreas superiores (nariz, seios paranasais, Tuba de Eustáquio, rinofaringe) decorrentes de gripes, resfriados, rinite ou sinusite.

“O que acontece é que o ar presente dentro dos ouvidos, por conta da obstrução (inflamação, congestão ou secreção) não consegue ser trocado com o ar do ambiente. A pressão do ar retido e preso dentro do ouvido acaba gerando desconforto por distensão da membrana timpânica, em alguns casos pode haver dor associada”, comenta a médica.

Pode acontecer de a pessoa ficar sem ouvir direito por alguns dias, a chamada surdez transitória, que ocorre porque parte da secreção retida nas vias aéreas superiores migra para os ouvidos durante o voo, o que causa sensação de ouvido tampado, água no ouvido, pressão, dor.

A médica diz que pode levar alguns dias para esta secreção secar e drenar para fora do ouvido, depois disso a audição normaliza. É sempre importante consultar um médico otorrinolaringologista nestes casos, pois, algumas vezes, pode ser necessário tratamento adicional, como exames de imagem e audiometria, sendo que uma avaliação mais detalhada acaba esclarecendo o diagnóstico final.

ouvido

Veja algumas dicas de Jeanne para quem sofre com os ouvidos tampados durante os voos:

– Usar sempre sprays nasais e gotas otológicas que podem ser prescritos para alívio do incômodo agudo na hora do voo, além, é claro, do tratamento profilático, mas que deve ser analisado caso a caso.

– Mascar chicletes e deglutir, beber algum líquido. No caso dos bebês, dar mamadeira ou o peito pode ajudar a abrir a Tuba de Eustáquio (a orelha encontra-se conectada com o nariz por meio de um tubo fino e estreito, como um canudo, chamado Tuba de Eustáquio. Ela é importante, pois é a responsável por equalizar a pressão da orelha e drenar secreções que a própria orelha produz em direção ao fundo do nariz para serem eliminadas) e desentupir o ouvido.

trombose-aviao
Fonte: Jeanne Oiticica é médica otorrinolaringologista concursada do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Orientadora do Programa de Pós-Graduação Senso-Stricto da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da USP.  Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professora Colaboradora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Chefe do Laboratório de Investigação Médica em Otorrinolaringologia (LIM-32) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Responsável pelo Ambulatório de Surdez Súbita do hospital das Clínicas – São Paulo.

Check-up: saiba por que o otorrino deve ser incluído nas consultas de rotina

Se você é alguém que tem o hábito de fazer um check-up de saúde todo ano, por um acaso, coloca a especialidade de otorrinolaringologia na sua lista de exames? Pois saiba que é por meio dela que é possível prevenir diversas doenças que afetam ouvidos, nariz e garganta.

A saúde auditiva, por exemplo. As células da audição, diferentemente das células de outras áreas do corpo, aparentemente não apresentam capacidade regenerativa ou de cicatrização. Uma vez perdidas não é possível recuperá-las.

“Entretanto, existe uma janela ou gap, ou seja, se a perda auditiva for tratada imediatamente diante de sua instalação, maiores são as chances de recuperação da audição. A perda auditiva aguda recente tem chance de reversão. Perda auditiva crônica instalada pode ser tratada, mas com pouca chance de reversão, com algumas exceções”, explica Jeanne Oiticica, otorrinolaringologista, otoneurologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

A visita de rotina anual aliada ao exame de audiometria são medidas preventivas capazes de reduzir o impacto da deficiência auditiva na população. A especialista conta que estudos recentes mostram que a deficiência auditiva não corrigida aumenta em 36% as chances de demência na população não reabilitada.

Outras doenças capazes de serem evitadas ou receber tratamento precoce, assim que o problema se instala, são: otite, mastoidite (infecção bacteriana do osso mastoide, localizado atrás da orelha), otoesclerose (formação atípica de osso na orelha média e ou interna, de causa genética, que provoca perda progressiva da audição), colesteatoma (massa de pele – tecido epitelial – que se forma dentro do ouvido), glomus (tumor benigno altamente vascularizado do sistema neuroendócrino que se forma na orelha média), neuroma (tumor benigno que se forma por espessamento do nervo do ouvido), meniere (aumento da pressão de líquido no ouvido que determina episódios recorrentes de sensação ouvido tampado, zumbido, vertigem e surdez flutuante) e ototoxicidade (lesão das células ciliadas do ouvido – células responsáveis pela audição – pelo uso de drogas e medicamentos – antibióticos e antineoplásicos – potencialmente danosos a estas estruturas).

garganta

No consultório do otorrinolaringologista é possível fazer alguns exames como o eletrofisiológico da audição, incluindo audiometria tonal e vocal, imitanciometria, otoemissões acústicas e Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Cerebral (PEAT).

Já nos exames laboratoriais estão incluídos hemograma, glicemia de jejum, hemoglobina glicada, colesterol total e frações, triglicérides, dosagem de hormônios da tireoide, entre outros.

“É muito mais fácil prevenir do que cuidar da doença. A visita de rotina aos especialistas é uma das formas de se atingir uma boa qualidade de vida”, alerta Jeanne.

Fonte: Jeanne Oiticica Médica otorrinolaringologista, formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Orientadora do Programa de Pós-Graduação Senso-Stricto da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da USP. Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professora Colaboradora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Responsável do Ambulatório de Surdez Súbita do hospital das Clínicas – São Paulo.

Verão saudável: cuidados com o ouvido, o nariz e a garganta

É época de curtir as férias e a estação mais quente do ano: o verão. E para se refrescar, nada melhor do que aproveitar a piscina, a água do mar e se deliciar com as bebidas geladas e muito sorvete. Porém, alguns cuidados são importantes para que os excessos não comprometam a saúde, especialmente do ouvido, do nariz e da garganta.

De acordo com a médica otorrinolaringologista e especialista em Otoneurologia,. Jeanne Oiticica, o clima quente do verão favorece especialmente o surgimento das otites, e isto ocorre devido a dois principais fatores: primeiro, porque as pessoas ficam mais expostas à água (piscina, praia, sauna, rios, lagos), tanto em frequência, quanto em tempo de exposição (contato prolongado); e segundo porque o calor dilata os vasos sanguíneos, favorece o suor e a umidade, fatores que deixam a pele do ouvido mais quente, úmida e molhada, o que contribui para a proliferação de micro-organismos (bactérias, fungos, vírus) causadores de otites.

Confira algumas dicas importantes da especialista e garanta um verão saudável:

– Ao nadar, quais os principais cuidados para evitar a otite?

piscina mulher nadando
Foto: Beglib/MorgueFile

Apesar de serem raras as ocorrências, o excesso de água e de umidade nos ouvidos pode contribuir para o surgimento de infecções, em especial da pele do canal da orelha. Por isto, para quem estiver em contato com água e for mergulhar diariamente ou para aqueles que fazem isto em períodos específicos do ano (férias, verão, piscina, praia) é recomendado usar um líquido secante no ouvido. No exterior estes produtos são vendidos costumeiramente em farmácias.

Aqui no Brasil, no entanto, não são encontrados com facilidade. Neste caso é preciso que o médico otorrinolaringologista faça a prescrição de fórmula secante na apresentação de gotas para pingar nos ouvidos. O uso de tampão de ouvido também é importante para evitar a otite. O ideal é que o tampão de ouvido seja confeccionado sob medida. Isto é fácil, uma fonoaudióloga tira o molde ou o decalque do canal do ouvido da pessoa, e daí é confeccionado um molde, preferencialmente sob medida, pois é mais eficiente, consegue vedar completamente o canal do ouvido e impedir a entrada de água.

Isto, em geral, costuma ser recomendado para pessoas expostas regularmente à água (nadadores, profissionais de natação), àquelas predispostas a otites de repetição ou crônica, e ou aqueles com perfuração da membrana timpânica do ouvido.

– Por que, em alguns casos, o sorvete e as bebidas geladas prejudicam a garganta?

taca-de-frutas-com-sorvete-calda-e-chantilly-rafael-guirro

Em alguns casos, sorvetes e bebidas geladas causam “vasoconstrição” – contração dos vasos sanguíneos – na mucosa da garganta. Isto reduz a circulação local de sangue e a produção de secreções da garganta, por exemplo, de saliva, que é rica em anticorpos. Portanto, se a imunidade já está comprometida, ou se a pessoa possui algum tipo de predisposição individual a ter infecções recorrentes de garganta, alimentos e bebidas gelados facilitam as chances de infecções de garganta.

– Ar condicionado pode ser prejudicial à garganta?

arcondicionado

Sim, pode prejudicar, apesar de nem sempre ocorrer. O principal efeito do ar condicionado é que ele promove o ressecamento do ar e consequentemente da mucosa da garganta. Isto reduz a produção local de secreções, ricas em anticorpos, o que torna a mucosa da garganta susceptível e predisposta ao ataque de micro-organismos.

– O cloro da piscina pode ser prejudicial às vias respiratórias?

Sim, o cloro é um irritante da mucosa das vias respiratórias capaz de sensibilizar o aparecimento de crises de rinite, bronquite, asma em pessoas susceptíveis e predispostas. O uso regular de piscinas tratadas com cloro e o contato prolongado aumentam em até três vezes as chances de crises respiratórias.

Fonte: Jeanne Oiticica é médica otorrinolaringologista concursada do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Orientadora do Programa de Pós-Graduação Senso-Stricto da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da USP. Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professora Colaboradora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Chefe do Laboratório de Investigação Médica em Otorrinolaringologia (LIM-32) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Responsável pelo Ambulatório de Surdez Súbita do hospital das Clínicas – São Paulo.

Ouvidos também devem receber cuidados no verão

Inflamações no ouvido e na garganta são comuns no verão, mas outros problemas no canal auditivo também podem atrapalhar as férias e são fáceis de evitar. Tanit Ganz Sanchez explica o que causa todos esses problemas e como preveni-los

 

Estamos em pleno verão de 2016 e as praias, piscinas e cachoeiras estão lotados de turistas querendo se divertir e refrescar do calor, em dias que chegam a 40 graus de temperatura em algumas regiões. Além dos cuidados e alertas com a proteção solar, também vale a pena prestar atenção aos ouvidos, que podem ser sensíveis para a entrada de água, ao barulho em excesso e até ao uso das hastes flexíveis para limpeza.

Ao mergulhar ou nadar, a água entra nos ouvidos, tanto das crianças como dos adultos. Alguns ouvidos mais sensíveis podem ter problema com isso, como explica a Profª Drª Tanit Ganz Sanchez, otorrinolaringologista e presidente da Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (APIDIZ).

“O acúmulo de água no canal do ouvido pode causar a Otite Externa, pois o local fica úmido e facilita o crescimento de bactérias. Isso provoca dor de ouvido – que pode ficar bem forte após três ou quatro dias sem tratamento -, sensação de entupimento e de perda de audição temporária (enquanto durar a infecção), além de zumbido (som tipo apito ou chiado no ouvido). Para evitar isso, pessoas com ouvidos sensíveis à entrada de água devem secá-lo adequadamente após cada entrada na água, preferencialmente pingando algumas gotas de álcool no canal”.

Já a diferença na pressão atmosférico que ocorre quando descemos na serra ou no avião pode causar um outro problema, conhecido como Autofonia. “É aquela sensação do ouvido tapado que pode durar apenas enquanto o carro ou o avião estão em descida – que é o esperado – ou até algumas horas ou dias. Além disso, também pode haver dor de ouvido e zumbido. Esse problema pode ser agravado se a pessoa estiver com problemas nasais, como resfriado, rinite, sinusite, desvio de septo nasal, pois a tuba auditiva (canal que comunica o nariz com os ouvidos) fica entupida e provoca os sintomas de ouvido”, complementa Tanit.

ouvido sol mulher
Foto: Seeman/MorgueFile

Além da Otite e da Autofonia, a médica, que pesquisa há mais de 20 anos o zumbido no ouvido e outros problemas das vias auditivas, lista alguns outros problemas que podem ocorrer no verão:

Uso de hastes flexíveis: muito usadas para secar os ouvidos após a entrada na água ou para “limpar” o ouvido, as hastes podem remover toda a cera que é a proteção natural do canal auditivo. Sem proteção, o ouvido fica mais suscetível a infecções e também há risco de perfuração do tímpano, causando surdez e zumbido. Quando esses sintomas ocorrem juntos, o sofrimento é maior. Para evitar problemas, a sugestão é que a cera removida seja apenas aquela que o ouvido espontaneamente expulsa do canal para as “dobrinhas” externas, usando uma toalha ou lencinho umedecido até onde a ponta do dedo alcança. No caso de secar o ouvido, recomendamos o uso de gotas de álcool, como já explicado antes.

Exposição ao som alto: praia e verão atraem shows e aulas públicas de danças na praia, com autofalantes enormes e potentes para uma multidão ouvir. Pessoas que ficam próximas às caixas de som ou são expostas por longo tempo a outros sons altos podem ter zumbido e perda de audição, temporários ou definitivos. Para evitar isso, sempre recomendamos o uso de protetor auricular e intervalos de 10 minutos a cada 50 minutos de exposição ao som.

Dores na garganta: no verão aumenta muito o consumo de gelados (bebidas alcoólicas, sucos, sorvetes etc). Isso, aliado a gritaria nos shows e festas, também pode causar dores de garganta e rouquidão. Para evitar, recomendamos moderação no consumo de gelados e repouso vocal. Algumas pessoas se recuperam mais rapdamente com gargarejos feitos com água morna e sal. Apesar de não ser indicado de rotina pelos médicos, a medida é inócua e pode ajudar num momento inicial. Se os sintomas persistirem, é importante procurar um Otorrinolaringologista.

Tanit Ganz Sanchez é otorrinolaringologista com doutorado e livre-docência pela USP, Diretora-Presidente do Instituto Ganz Sanchez, Presidente da Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (APIDIZ), Criadora da Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido (Novembro Laranja) e do Grupo de Apoio Nacional a pessoas com Zumbido (GANZ).