Arquivo da tag: pânico

Aprenda a controlar as crises de pânico e ansiedade

A situação atual pode levar à piora dos sintomas, foque na sua saúde

Para quem já sofre com desordens psicológicas decorrentes de ansiedade e estresse, como a síndrome do pânico, lidar com o medo crescente que está aparecendo por conta das medidas tomadas pelo governo a fim de reduzir a propagação da Covid-19 pode ser extremamente difícil.

Por mais que não saia muito de casa, ser impedido de sair por um perigo iminente é uma situação que causa desconforto e preocupação em excesso. Pessoas que nunca experimentaram a ansiedade extrema começam a expressar sintomas ao serem pressionadas por informações em excesso e fake news.

mulher ataque de panico

“É preciso saber como lidar com a histeria e ataques de pânico, caso surjam, pois estima-se que 90% da população experimente esse sintoma em algum ponto da vida. A quarentena é um momento propício para que isso aconteça”, afirma Madalena Feliciano, gestora de carreira e hipnoterapeuta.

Muitas vezes, as crises de ansiedade e ataques de pânico acontecem sem que haja um perigo real, o cérebro apenas não sabe a diferença entre uma simulação e algo que verdadeiramente o ameaça, por isso, o medo constante e fatores que o aumentam são perigosos.

“Uma crise dura poucos minutos, mas pode se estender se não aprendermos a controla-la. Se você ou alguém próximo está tendo, é preciso ficar atento e tomar algumas atitudes.

É possível controlar seguindo algumas dicas:

Desvie a atenção

mulher e cachorro golden

Um dos principais motivos para que a crise de ansiedade se torne mais intensa é começar a se preocupar ainda mais com tudo que está acontecendo e passar horas vendo ou lendo notícias que disseminam ainda mais medo e insegurança. É fundamental desviar a atenção e focar em atividades que geram prazer e bem-estar.

Diminua o ritmo da respiração

exercicio ansiedade respiracao facetofeet
Facetofeet

Assistir nosso peito subindo e descendo rapidamente pode se tornar desesperador. Durante uma crise, começamos a respirar rápido demais, causando hiperventilação.
Nesses casos, é primordial inspirar e expirar lenta e profundamente, a fim de diminuir o estresse e fornecer mais oxigênio ao cérebro, aumentando a concentração. Isso diminui a sensação de asfixia e incapacidade de respirar. Quando notar que uma crise se aproxima, segure a respiração, coloque uma mão sobre a barriga e a outra sobre o peito e comece a respirar devagar, utilizando o diafragma. Inspire pelo nariz, segure a respiração por três segundos e expire pela boca lentamente. Você deve sentir o abdômen subindo e descendo. Mantenha esse ritmo de respiração até sentir relaxamento muscular e clareza de pensamento.

Relaxe os músculos

shutterstock mulher relaxando pescoco
Shutterstock

A tendência imediata de uma pessoa passando por um ataque de ansiedade é de contrair os músculos como forma de defesa, entretanto essa contração acaba trazendo mais dores e desconforto, intensificando a sensação de peso. Depois que a respiração estiver controlada, procure iniciar o processo de relaxamento muscular. Volte a sua atenção para os músculos, relaxando um por vez a partir da expiração. Comece com a cabeça e o pescoço e passe para as áreas mais afetadas pelo estresse, como o maxilar, boca, nuca e ombros.

Se distraia

mulher dancando e ouvindo musica

Outra situação comum durante uma crise é passar um turbilhão de pensamentos negativos, causando uma sobrecarga emocional. A descarga de adrenalina desperta nosso sistema nervoso e deixa a mente alerta. A saída para isso é diminuir o ritmo dos pensamentos criando distrações externas. Converse com alguém e preste atenção na conversa, cante, ouça música, conte uma história, faça lista que poderá ajudar nas atividades da semana, lembre-se de situações engraçadas, momentos felizes ou qualquer outra atividade que te tire do problema.

Use sua imaginação

praia mulher chapeu

Pense em um lugar que você se sinta feliz, em paz e tranquilo. Feche seus olhos e visualize detalhes deste lugar, cor, pessoas, aromas, sons… Use sua imaginação. Esse tipo de atividade é muito eficiente para desligar sua mente dos sintomas da ansiedade e acalmar o coração.

Fonte: Madalena Feliciano é gestora de carreira e hipnoterapeuta

Cães sofrem com a tristeza e o estresse causados pela solidão

Muitas pessoas que têm animais de estimação precisam deixá-los sozinhos em casa, mas a solidão pode causar vários problemas comportamentais e de saúde nos animais. Por isso, confira a seguir os principais motivos para não deixá-los solitários por muito tempo e descubra como evitar os problemas.

1. Bagunça

cachorro casa bagunça animals look
Animal’s Look

Alguns cães, para descontar seu estresse, ansiedade, raiva e medo, podem destruir objetos e partes da casa, cavar buracos, comer plantas e, além de deixar sua casa uma bagunça, acabam se machucando. Para evitar o transtorno de ver sua casa destruída e seu pet machucado, estimule a atividade física. Passeie e brinque diariamente com seu bichinho para que eles gastem energia e também se sintam amados. O carinho é a condição mais importante para que o animal tenha a segurança que você o ama e voltará sempre para casa depois de momentos de ausência.

2. Automutilação

cachorro se lambendo thriftyfun
Foto: thriftyfun

O cão pode morder ou lamber exageradamente extremidades do seu próprio corpo, como rabo e patas, machucando-se seriamente. Para prevenir esse comportamento, crie um ambiente estimulante para ele. Um lugar agradável e cheio de atrativos fará com que o animal veja o lado positivo de ficar sozinho. Disponibilize brinquedos educativos, ossinhos para que possam morder e objetos seguros que o animal goste de brincar. Também é possível deixar algum pano com o cheiro do dono para que ele se sinta seguro e não sofra com o medo de ser abandonado. Confira os melhores brinquedos para cachorro.

3. Mudança de comportamento

cachorro doente abatido deitado
O animal também pode passar a demonstrar agressividade, agitação, depressão e falta de apetite. Uma boa solução para evitar a mudança de comportamento é investir em adestramento. O cão treinado por um profissional consegue ser educado desde pequeno a ficar sozinho sem grandes problemas. As técnicas de treinamento ensinam o cão a se comportar de forma adequada e não sofrer com a solidão. Aprenda a identificar e tratar a depressão canina!

4. Ansiedade e pânico

cachorro medo mother nature network

Todos os sintomas citados anteriormente podem acontecer simultaneamente e indicar que o cão está sofrendo com a síndrome da ansiedade de separação. Quando isolado, o cão tem crises de pânico, late ou uiva desesperadamente, faz bagunça, se automutila e sofre com o medo de ser abandonado. Não há provas que a doença tem propensão a ser desenvolvida por algumas raças específicas, mas cães de pequeno porte que geralmente convivem mais com seus donos ou cães que foram abandonados e sofreram na rua tendem a desenvolver a síndrome com mais facilidade.

Se você notar que seu cão apresenta esses comportamentos, procure por um veterinário e adestrador para que eles possam diagnosticar a doença e iniciar o tratamento. Geralmente, eles recomendarão adestramento e medicamentos para deixar o cão mais calmo, afirma a veterinária especialista em comportamento canino, Lívia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Além disso, existem algumas medidas que podem minimizar o sofrimento do animal. Mais do que estimular a atividade física, criar um ambiente interessante e investir em adestramento, não faça da sua despedida e chegada um grande evento e preze pelo conforto do seu pet.

Fonte: Vet Quality Centro Veterinário 24h