Arquivo da tag: paraná clinicas

Profissionais alertam para o alto consumo de açúcar

Com mais tempo em casa e aumento de pedidos de refeições, ingestão de açúcar passou dos 68%

A pandemia de Covid-19 alterou vários hábitos entre os brasileiros. Muitas pessoas passaram a trabalhar na modalidade de home office, outras em modelos híbridos e tantas outras já retomaram suas atividades presenciais.

O fato é que com mais tempo em casa, muitas ações que faziam parte do dia a dia se transformaram, uma das consequências foi o elevado consumo de açúcar. A pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em parceria com as universidades de Minas Gerais (UFMG) e de Campinas (Unicamp), mostrou que praticamente a metade das mulheres, por exemplo, estão consumindo chocolates e doces em dois ou mais dias da semana.

O estudo realizado com mais de 40 mil brasileiros mostrou que esse aumento representa 7% a mais do que antes da pandemia. Outros 63% dos entrevistados afirmaram que consomem doces duas vezes por semana ou mais.

Para o endocrinologista credenciado da Paraná Clínicas, empresa do Grupo SulAmérica, Caoê Indio do Brasil Von Linsingen os açúcares são importantes para o bom equilíbrio do organismo, mas precisam de moderação. “Os açúcares são fontes importantes de energia e contribuem com a palatabilidade da dieta, mas moderação é fundamental. O excesso contribui para ganho de peso e pode também precipitar diabetes nas pessoas predispostas”, esclareceu.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda que no máximo 10% das calorias diárias devem vir do consumo de açúcar. Considerando uma média de 2.000 calorias ao dia, essa taxa equivale a 50 gramas de açúcar por dia (aproximadamente dez colheres de chá).

Outra pesquisa que tem chamado a atenção dos médicos foi publicada em setembro e realizada nos Estados Unidos. O estudo produzido pelo Centro de Controle de Doenças dos EUA, com mais de 400 mil pacientes, mostrou uma elevada taxa de índice de massa corporal (IMC) das crianças e adolescentes durante a pandemia de Covid-19. Segundo o estudo, a proporção estimada de pessoas com obesidade aumentou de 19,3% em agosto de 2019 para 22,4% em agosto do ano passado.

Um dos fatores que levaram a esse aumento pode ser o maior período em casa e o aumento dos pedidos de comida por meio de aplicativos. “Geralmente, a pessoa pede a refeição e já coloca um refrigerante, um suco ou uma sobremesa já aproveitando o mesmo pedido. Há ainda locais que oferecem a bebida como combo da refeição. Outra possibilidade é que as pessoas podiam fazer um bolo para comer a tarde, por exemplo, fazer um docinho. Hábitos que antes não faziam parte do dia a dia do trabalho nas empresas e escritórios”, contou o médico.

Outro fator que pode ter contribuído para esse elevado consumo é a falta de atividade física, além das crises de ansiedade, estimuladas, muitas vezes, pelo longo período de distanciamento das pessoas e outras situações comportamentais.

É possível notar também esse consumo excessivo entre as crianças: “A interrupção das aulas pode ter contribuindo para essa situação. Os pesquisadores observaram que durante a pandemia as crianças provavelmente estavam longe de ambientes escolares estruturados e podem ter experimentado aumento do estresse, horários irregulares de refeições, menor acesso a alimentos nutritivos, aumento do consumo de ultraprocessados, aumento do tempo de tela e menos oportunidades de atividade física. Essas mudanças foram mais pronunciadas entre crianças do ensino fundamental de 6 a 11 anos, cuja taxa de mudança de IMC mais do que dobrou em comparação com a taxa pré-pandemia”, enfatizou Von Linsingen.

Cuidados redobrados

Foto meramente ilustrativa: Cait’s Place

Além da quantidade usual, é preciso que as pessoas que já possuam diabetes fiquem atentos a esses níveis, pois o consumo elevado de açúcares pode descompensar a doença. Engana-se quem acha que apenas os alimentos processados ou ultraprocessados possuem altas taxas de açúcar, já que fazem parte do grupo de alimentos chamado de carboidratos.

Dentro dessa grande classificação alimentar, os carboidratos são separados em simples e complexos. O primeiro de mais fácil digestibilidade está presente em produtos como pães, bolos, biscoitos, açúcar refinado, sucos e refrigerantes. Já os complexos têm absorção mais demorada pelo organismo, são mais saudáveis e estão presentes nos arrozes, massas integrais, aveias e outros.

Reeducação

Mesmo com os mais saudáveis é preciso ficar atento à quantidade. Para Von Linsingen, é importante reduzir o consumo e respeitar o corpo. “Reduzir essa porcentagem para 5% (25 gramas ou 5 colheres de chá) é ainda melhor para a saúde. Lembrando que essa quantidade abrange tanto os açúcares adicionados nos alimentos processados e ultraprocessados, quanto nos açucares naturalmente presentes nos alimentos. Um desafio e tanto para o momento em que vivemos, com alterações na rotina e consequente aumento na ansiedade. O doce acaba vindo como uma recompensa”, explicou.

Para a nutricionista credenciada pela Paraná Clínicas, empresa do Grupo SulAmérica, Fernanda Gularte, a redução precisa ser lenta e gradativa para que o paciente não obtenha ainda mais vontade de consumir. “Muitas pessoas se empolgam no início da dieta e com o passar do tempo, começam a sofrer com essas substituições. Por isso, é preciso ir aos poucos, com paciência e criar um planejamento, para que assim, o objetivo seja alcançado”, enfatizou a profissional.

Para isso, a profissional separou algumas dicas:

-Reduza as bebida açucaradas
-Troque o tipo de chocolate para 60% cacau ou mais, e saiba o melhor horário de comer
-Reduza o açúcar do café

Fonte: Paraná Clínicas

Saúde Ocular: profissional dá dicas de como manter a saúde dos olhos

Segundo dados da OMS, 580 mil brasileiros sofrem com cegueira

Neste sábado (10), é lembrado o Dia Mundial da Saúde Ocular ou Dia Mundial da Saúde Visual. A data foi estabelecida com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância da prevenção e tratamentos precoces que podem evitar a perda da visão parcial ou total.

Dados da Organização Mundial de Saúde, demonstram que no ano passado, mais de 285 milhões de pessoas no mundo possuem incapacidade visual, dessas 39 milhões são cegas. Ainda segundo o estudo, 80% dos casos poderiam ter sido evitados ou curados, se houvesse uma rotina de visitas ao oftalmologista.

O oftalmologista credenciado da Paraná Clínicas, João Guilherme Oliveira de Moraes, alerta que as visitas a um profissional de confiança, devem ocorrer o quanto antes. “ A partir dos três anos de idade, todos devem fazer uma consulta anual com o médico especialista. A consulta rotineira não é apenas para conferir o grau ou necessidade de óculos, mas vários exames fazem parte da consulta de rotina, como avaliação do fundo de olho e medida da pressão ocular. Doenças silenciosas são detectadas na consulta de rotina, por isso é recomendável uma consulta anual”, alertou.

O relatório da OMS aponta ainda que no Brasil, mais de 580 mil pessoas sofrem com a cegueira e, geralmente, casos que poderiam ser evitados. De acordo com o médico, as doenças que possuem diagnóstico precoce são facilmente tratadas. “ Além da miopia, hipermetropia e astigmatismo, que são corrigidas com óculos, lentes de contato ou cirurgias, existem muitas doenças comuns que quando diagnosticadas precocemente podem evitar a cegueira, como a catarata, glaucoma, retinopatia diabética e degeneração macular”, ressaltou.

Assim como em todas as áreas de saúde, é preciso criar hábitos saudáveis para cuidar dos olhos. “Temos que lembrar que os olhos são os órgãos responsáveis pela visão e precisam ser cuidados. A saúde ocular é fundamental para a nossa qualidade de vida e de visão”, destacou o oftalmologista.

Confira outras dicas oferecidas pelo médico:

Healthline

=Evite coçar os olhos;
=Não force muito a visão, sem dar um descanso. Nos tempos de pandemia e com o aumento da exposição as telas de computador e celular, lembre-se sempre de piscar e fazer uso equilibrado desses equipamentos;

Foto: Beautynstyle

=Cuidados com a maquiagem: remover os produtos de beleza dos olhos antes de dormir; não usar produtos fora do prazo de validade; não usar produtos de outra pessoa; usar produtos antialérgicos e sem conservantes;

Pixabay

=Cuidado com a automedicação: a automedicação ou a utilização de medicamentos sem receitas também deve ser evitada nos olhos. Os colírios quando usados inadequadamente podem levar efeitos colaterais graves e prejudiciais a sua visão;
=Use óculos ou lentes de contato apenas quando prescritos por médico oftalmologista;

Freepik

=Ao menos uma vez por dia, higienize a área em volta dos olhos, como pálpebras, cílios e cantos, para remover impurezas e secreções secas evita coceira, irritação ou até conjuntivite.

Fonte: Paraná Clínicas

Desconforto abdominal, queimação e dificuldade para digerir: o que pode ser?

Conheça a diferença entre azia, gastrite e úlcera, como fazer o diagnóstico e os tratamentos mais indicados

De acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), ao menos metade da população brasileira sofre ou já sofreu com sintomas de má digestão. Com a chegada da pandemia, as queixas de problemas digestivos também se tornaram recorrentes em muitos consultórios médicos. Isso porque fatores como alimentação, ganho de peso e ansiedade podem desencadear disfunções como azia e refluxo. Outro fator trazido pelo período, foi o incremento na prescrição de medicamentos anti-inflamatórios e corticoides, que podem levar a doenças mais graves como gastrite e úlcera.

Foto: MD-Health

A pirose, termo técnico para a azia, é a manifestação de refluxo do ácido estomacal para o esôfago, que pode ser causado, comumente, por situações como alimentação em excesso ou ricas em gorduras, molhos industrializados, ingestão de álcool, café, refrigerantes, tabagismo e, até mesmo, por altos níveis de estresse. De acordo com o médico credenciado da Paraná Clínicas, especialista em cirurgia do aparelho digestivo pela Universidade de São Paulo (USP), André Rodrigues Martim Neto, a mudança dos hábitos alimentares ajuda a controlar esses problemas.

“O controle de peso é fundamental no manejo do refluxo, uma vez que o ganho de peso habitualmente é um fator desencadeante de sintomas como pirose e queimação, principalmente, ao deitar e após as refeições. Alimentos ricos em gorduras e proteínas podem precipitar a sensação prolongada de distensão. Fazer as refeições em quantidades adequadas e balanceadas ajuda no controle dos sintomas e, ocasionalmente, permite a retirada da medicação nos casos de refluxo”, explica.

Quando os sintomas de azia e desconforto abdominal se tornam recorrentes, com náuseas e vômitos associados, pode ser um sinal de doença mais grave como gastrite ou úlcera. Nesses casos, o médico ressalta que a consulta com um especialista é mandatória para que todos os sintomas sejam investigados e esclarecidos.

“A gastrite é um processo inflamatório da mucosa do estômago. Já as úlceras são lesões escavadas profundas presentes no estômago ou duodeno e ambas podem ser causadas por anti-inflamatórios, corticoides ou pela presença da bactéria Helicobacter Pilory. O tratamento mais eficaz vai depender da causa de cada uma delas, sendo geralmente associado a remédios específicos como antimicrobianos e bloqueadores de produção de ácido”, indica o cirurgião.

Estresse, ansiedade e outras vulnerabilidades

Os episódios de estresse e ansiedade também são considerados gatilhos para o aparecimento de sintomas típicos de gastrite ou refluxo. Segundo o médico credenciado da Paraná Clinicas, mesmo que os exames do paciente estejam normais, é possível que fatores emocionais desencadeiem queimação, azia, dores abdominais, náuseas e sensação de distensão. Contudo, é preciso uma avaliação clínica para excluir causas orgânicas, manejar os sintomas e analisar a associação da crise a outras doenças funcionais.

Da mesma forma, existem pessoas que são mais suscetíveis a desenvolver doenças gastroenterológicas. Entre eles, estão os portadores de doenças reumáticas, articulares ou com dor crônica devido ao uso de anti-inflamatórios e corticoides com mais frequência. Outros grupos são lembrados pelo médico: “Populações com maior vulnerabilidade social estão mais expostas a contaminação pela H. Pilory e, consequentemente, mais propensas a lesões ulceradas gastroduodenais. O tabagismo e bebidas alcoólicas elevam as chances de gastrites, úlceras gastroduodenais e câncer de esôfago e estômago”, pontua.

Acompanhamento e tratamento

Foto: @gballgiggs via Twenty20

O acompanhamento de pacientes com gastrite e úlcera por um médico especializado é fundamental para identificar mudanças de comportamento, sintomas, indicadores de complicações ou apenas para o controle de medicamentos e ajustes alimentares. “Portadores de lesões ulceradas devem ser acompanhados por especialista para avaliar a cicatrização, excluir malignidade e confirmar a erradicação do H. Pilory, quando presente. Pacientes com dispepsia funcional e gastrites devem ser acompanhados de acordo com os sintomas após a exclusão de doenças orgânicas mais graves” destaca Martim Neto.

O especialista afirma ainda que a utilização de medicamentos por tempo prolongado com o objetivo de inibir parcial ou totalmente a produção de ácido pelo estômago é parte integrante no tratamento de lesões gástricas e também do controle dos sintomas, mas deve ser acompanhado por especialista para controle da dosagem e identificação precoce de eventuais efeitos colaterais indesejados. O médico conclui alertando que receitas caseiras, como água com limão ou bicarbonato, podem trazer alivio parcial dos sintomas, porém podem atrasar o diagnóstico dificultando o tratamento posterior.

Fonte: Paraná Clínicas

O que o hemograma tem a dizer sobre sua saúde?

Exame de laboratório analisa os principais componentes do sangue e deve ser feito pelo menos uma vez ao ano; mas quais informações estão escondidas em cada parte do teste?

O hemograma completo é um dos exames mais solicitados pelos médicos e todo mundo já fez pelo menos uma vez na vida. Mas quando o laudo chega, pouca gente entende o que os índices querem dizer sobre o equilíbrio do organismo. Para desvendar os principais pontos desse exame, o bioquímico especialista em análises clínicas e citopalogia e responsável pelo Laboratório de Análises Clínicas da Paraná Clínicas, Roberto Guerra Dall Stella, preparou um guia rápido sobre o assunto:

O que é analisado?

O hemograma avalia as células sanguíneas, entre elas os leucócitos ou células brancas, as hemácias ou células vermelhas e as plaquetas ou trombócitos. O teste também mede os índices de hemoglobina e hematócritos. “O exame tem papel importante no diagnóstico de doenças hematológicas e sistêmicas, mas também auxilia o acompanhamento de terapias medicamentosas e a avaliação de doenças coagulatórias”, explica.

O que dizem os leucócitos?

As células brancas são responsáveis pelo sistema de defesa. A contagem da quantidade e o formato dos leucócitos ajudam a entender se o paciente tem alguma infecção ou inflamação, identificando também se o agente causador é uma bactéria, um vírus ou outro tipo de organismo. Segundo Roberto, “os índices de leucócitos orientam ainda a diferenciação entre neoplasias hematológicas”, como leucemias e linfomas.

O que dizem as hemácias?

Foto: Qimono/Pixabay

As células vermelhas têm como principal função o transporte de oxigênio, mas também auxiliam na eliminação do gás carbônico do organismo. O tamanho, a cor e a estrutura das hemácias ajudam a avaliar se há anemia e de qual tipo, “sendo essencial para o direcionamento do diagnóstico e do tratamento adequado”, completa o bioquímico do Laboratório da Paraná Clínicas.

O que dizem as plaquetas?

Também conhecidas como trombócitos, as plaquetas carregam a tarefa de coagular o sangue na velocidade adequada. Em quantidade acima do considerado normal, podem causar a formação de coágulos no organismo, enquanto índices abaixo do recomendado, resultam em sangramentos e, até mesmo, em casos de hemorragia.

Fonte: Paraná Clínicas

Quando a ansiedade deixa de ser ‘normal’?

Entenda a diferença e os sintomas do transtorno de ansiedade, síndrome do pânico e depressão

O Brasil é o país mais ansioso do mundo de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). São 18,6 milhões de pessoas, o que equivale a 9,3% da população nacional. Com o isolamento social, o medo e as incertezas econômicas geradas pela pandemia do novo coronavírus, o quadro tem se agravado ainda mais. Pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) aponta crescimento importante na busca por suporte médico, tanto de pacientes novos, quanto daqueles que já haviam recebido alta.

Os diagnósticos mais comuns são Transtorno de Ansiedade, Síndrome do Pânico e Depressão. As causas são variadas, mas foram agravadas, em sua maioria, devido à mudança de hábitos ocorrida nos últimos anos. “A correria do dia a dia, excesso de tecnologia e informações e também a falta de conexão consigo mesmo, têm levado as pessoas a um empobrecimento do autocuidado, gerando privação do sono, autocobrança, ansiedade, estresse, alterações de humor, assim como dificuldade na regulação emocional”, aponta a psicóloga credenciada da Paraná Clínicas, Ana Paula Zanardi.

Cada paciente precisa ser avaliado individualmente, para identificação do problema, construção do tratamento e identificação dos gatilhos que desencadeiam as crises. Segundo a psiquiatra credenciada da Paraná Clínicas, Priscila Hage Bonicontro, “casos leves podem ser conduzidos apenas com psicoterapia. Já os casos moderados a graves, requerem uso de medicamentos específicos e podem ser aliados a psicoterapia” para o alívio do sofrimento emocional.

Além do tratamento convencional, é importante aprender a administrar o estresse e compartilhar as dificuldades do dia a dia, incluindo na rotina atividades que gerem prazer. “Cuidar do organismo proporciona saúde mental. Por essa e outras razões, devemos manter hábitos saudáveis e praticar atividades físicas regularmente, inclusive porque estudos demonstram que a liberação de hormônios e outras substâncias são importantes para a manutenção do humor”, reforça a psiquiatra.

Você sabe a diferença?

A ansiedade é um sentimento normal e benéfico para o ser humano. É uma resposta do organismo para um momento de perigo ou alguma situação diferente e pode ser traduzida como um “friozinho na barriga”. “O problema é quando esse sentimento se torna mais intenso e constante, trazendo sofrimento e prejuízo social para o indivíduo, deixa de ser ‘normal’ e passa ser considerado doença e deve ser tratado de forma correta”, explica Priscila.

Transtorno de Ansiedade: mal-estar e estresse causados por medos, preocupações excessivas ou antecipações de problemas que ainda não aconteceram e talvez nem aconteçam, estão entre os primeiros indícios de que a ansiedade ultrapassa os níveis saudáveis. Durante as crises, podem surgir sintomas físicos como pupilas dilatadas, batimentos cardíacos e respiração aceleradas, aumento da pressão arterial e também dos níveis de glicose no sangue.

Síndrome do Pânico: ocorre quando as crises de ansiedade começam a ganhar intensidade e frequência. “É o medo de ter uma crise e não conseguir ser socorrido em lugares muito abertos ou com muitas pessoas, por exemplo. Os sintomas podem variar desde tonturas e vertigens, aumento da respiração e palpitações, sensações de nervosismo e pânico incontroláveis, até sensação de iminência de morte”, contextualiza Priscila.

Depressão: é caracterizada pela perda ou diminuição do interesse e prazer pela vida, gerando angústia, tristeza, choro fácil, desesperança, prostração, isolamento social, pensamentos pessimistas, alterações do sono e apetite, entre outros sintomas. “A depressão não promove apenas a sensação de ‘infelicidade crônica’, mas pode provocar alterações fisiológicas, como prejuízo no sistema imunológico e o aumento de processos inflamatórios”, completa a psiquiatra.

Sobre a Paraná Clínicas
Fundada em 1970, a Paraná Clínicas é referência em planos de saúde empresariais e também atua na modalidade coletiva por adesão. Desde setembro de 2020, é operadora integrante da SulAmérica, o maior grupo segurador independente do Brasil. Carrega a missão de cuidar com excelência empresas e pessoas, oferecendo como diferencial os programas de saúde preventiva e promoção de qualidade de vida. Com uma infraestrutura moderna e planejada em uma rede interligada, a Paraná Clínicas conta com sete unidades próprias em Curitiba e Região Metropolitana, chamadas de Centros Integrados de Medicina: CIM Araucária; CIM CIC – 24h; CIM Fazenda Rio Grande; CIM Rio Branco do Sul; CIM São José dos Pinhais; CIM Unidade Infantil – 24h (ao lado do Hospital Santa Cruz) e CIM Água Verde – onde também operam o Hospital Dia, projetado para oferecer o que existe de mais moderno em procedimentos eletivos, e o Centro de Infusão, estruturado para atender com excelência os pacientes de oncologia, hematologia e reumatologia.

O significado das cores da urina

 

Pois é, parece um assunto um pouco constrangedor, mas a cor da urina pode falar muito sobre sua saúde. Por isso, é preciso estar atento para algumas alterações possíveis de serem reconhecidas apenas ao olhar para a urina.

O nefrologista credenciado da Paraná Clínicas, Carlos Augusto Azevedo Bornancin, explica que a urina humana costuma ser amarelada, podendo ter variações de tons conforme a quantidade de água presente nela. “A cor habitual é amarela, mas o tom pode variar do amarelo claro até mais alaranjada dependendo da quantidade de líquido ingerida”, cita.

As cores da urina podem variar também pela alimentação. Alimentos como cenoura, beterraba, amora e remédios, ricos em vitamina B, podem modificar a cor. Além de suplementos vitamínicos e medicamentos com corantes.

Bornancin reforça que prevenir é a melhor solução. “Ingerir uma boa quantidade de líquido é fundamental para um bom funcionamento do organismo. As pessoas devem ingerir por volta de 30 ml/kg de peso de líquidos no dia. Assim diminui-se o risco de formação de cálculos renais e de queda na pressão arterial que é comum em dias muito quentes, além de evitar um desequilíbrio hidroeletrolítico do organismo que pode ser grave para o indivíduo”, menciona.

vaso sanitário
Foto: Kevin Connors/Morguefile

O significado de cada cor da urina:

Clara: é um bom sinal e indica que o corpo está hidratado

Amarela intensa: significa um baixo consumo de água e que os rins estão com trabalho extra. Hidrate-se.

Amarelo escuro: o tom próximo ao marrom significa que a situação pode ficar complexa rapidamente. Pode indicar um problema no fígado. Beba muita água e, se persistir, procure um especialista.

Marrom: indica que há um problema renal. Trata-se de uma inflamação na urina e é possível identificar pequenos vestígios de sangue. Fique atento e procure um especialista.

Laranja: talvez uma das mais incomuns. O tom alaranjado está relacionado com o excesso de vitamina C no corpo. Reduza o consumo – sem parar de consumir – de frutas e legumes com a vitamina durante aproximadamente cinco dias.

remédios

Azul: geralmente ocasionada pelo excesso de cálcio ou infecção bacteriana. Costuma acontecer em pessoas com suplementação vitamínica. É hora de procurar um médico.

Vermelha: pode ser algo grave ou apenas o consumo em excesso de frutas vermelhas, amora ou beterraba. Caso não seja o caso ou se repita ao longo de vários dias, procure imediatamente um médico.

beterraba
Foto: HelloBob/Morguefile

Roxa: muita rara. Indica porfiria (doença genética).

Fonte: Paraná Clínicas