Arquivo da tag: patricia mafra

Saúde da pele: por que a vitamina C tópica é tão importante

A vitamina C tópica é um dos ingredientes favoritos dos dermatologistas. Ela tem respaldo científico e pode ajudar a retardar o envelhecimento precoce da pele, prevenir os danos do sol e melhorar a aparência de rugas, manchas escuras e textura da pele. “A vitamina C é um antioxidante, o que significa que combate os radicais livres prejudiciais (toxinas) que entram em contato com a pele de fontes externas, como a poluição do ar, ou de dentro do corpo como resultado de processos normais, como o metabolismo. Os radicais livres podem causar danos à pele e a aplicação de vitamina C tópica pode combater os radicais livres e melhorar sua aparência geral”, explica a dermatologista Patrícia Mafra, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Alguns estudos clínicos demonstraram que a vitamina C pode melhorar as rugas. Um estudo da Nova Zelândia mostrou que o uso diário de uma formulação de vitamina C por pelo menos três meses melhorou a aparência de rugas finas e grossas do rosto e pescoço, bem como melhorou a textura e aparência geral da pele. “Isso acontece porque a Vitamina C é cofator para a produção de colágeno. Então ela ajuda a estimular a síntese dessa proteína que ajuda a dar sustentação à pele”, completa Patrícia.

A vitamina C também pode ajudar a proteger a pele dos raios ultravioleta prejudiciais quando usada em combinação com um filtro solar de amplo espectro. Estudos clínicos publicados no JAAD, um periódico da Academia Americana de Dermatologia, demonstraram que combinar vitamina C com ácido ferúlico e vitamina E, pode diminuir a vermelhidão e ajudar a proteger a pele dos danos a longo prazo causados pelos nocivos raios solares. “Como um antioxidante poderoso, a Vitamina C oferece uma proteção também biológica ao reparar a pele depois de sofrida uma agressão solar; com isso, ela consegue diminuir o número de radicais livres, diminuindo os danos”, diz a médica.

Além disso, a vitamina C também pode reduzir o aparecimento de manchas escuras, bloqueando a produção de pigmento em nossa pele. Em ensaios clínicos do JAAD, a maioria dos participantes que aplicaram vitamina C tópica apresentaram melhora em suas manchas escuras com muito pouca irritação ou efeitos colaterais. “Essa ação se deve ao mecanismo de inibir a tirosinase, que é uma enzima que produz a pigmentação causadora de manchas escuras, dessa forma a Vitamina C tópica pode ser usada para uniformizar a pele e clarear as manchas do sol e do melasma”, explica Patrícia.

Segundo a farmacêutica Patrícia França, gerente científica da Biotec Dermocosméticos, para clarear as manchas, ainda existem ativos que potencializam a ação da Vitamina C, com o destaque para o SuperOx-C. “Esse ativo botânico extraído da mais rica fonte de vitamina C do mundo, uma super fruta australiana Kakadu plum (ameixa australiana), além de atuar no estímulo do SVCT-1 (transportador da vitamina C nos queratinócitos), promove luminosidade cutânea, reduz o fator angiogênico (vermelhidão) e melhora a uniformidade do tom da pele”, explica. “Também podemos citar que SuperOx-C traz propriedades super antioxidantes e proporciona efeito glow à pele”, completa a farmacêutica Maria Eugênia Ayres, gestora técnica da Biotec Dermocosméticos.

Além dele, há o Ascorbosilane C, uma Vitamina C vetorizada pelo Silício Orgânico. “Ela garante ação antiaging, de reestruturação da derme com ação antioxidante global e estímulo da síntese de colágeno, além de ação despigmentante”, diz Maria Eugênia. A estratégia de vetorizar a Vitamina C em silício orgânico foi usada no produto Derm Deep C, o sérum clareador da Be Belle. O produto é antioxidante e rejuvenescedor, formulado com Vitamina C encapsulada em permeadores biocompatíveis de Silício Orgânico. “Dessa forma, o Derm Deep C é capaz de fazer com que os ativos penetrem profundamente na pele, conferindo assim ação hidratante, antioxidante, clareadora, preenchedora, protetora e rejuvenescedora. Além disso, por ser encapsulada em Sílicio Orgânico, a Vitamina C presente no produto não oxida, o que garante eficácia prolongada e resultados mais rápidos”, explica a cosmiatra Ludmila Bonelli, especialista em dermatocosmética e diretora científica da Be Belle.

Além disso, a vitamina C tópica pode ajudar com a acne por meio de suas propriedades anti-inflamatórias que ajudam a controlar a produção de sebo (óleo) na pele. Em ensaios clínicos, a aplicação de vitamina C duas vezes ao dia reduziu as lesões de acne em comparação com o placebo. Também por isso o Gel Complex Antioleosidade, da Età Cosmetics, conta com um complexo das Vitaminas A, C e E nanoencapsuladas, que são liberadas na pele de maneira mais potente para conferir efeito antienvelhecimento, antioxidante, clareador, protetor e regenerador.

A dermatologista destaca que a vitamina C pode ser encontrada em diversos produtos para a pele, incluindo cremes, géis e séruns. “Mas é importante que a indicação seja feita por um médico, uma vez que existem muitas fórmulas que não garantem a estabilidade do ativo, que oxida facilmente. Outra informação importante é a concentração. Existem produtos no mercado que contam com 5% e outros 40%. Mas nem sempre a maior concentração é a melhor para a pele do paciente”, diz a médica.

A vitamina C é indicada para ser usada a partir dos 20 anos. Ela foi estudada apenas em adultos e não é recomendada para crianças. “Além disso, sempre leia a lista de ingredientes antes de comprar um produto com vitamina C. Se você tem sensibilidade ou uma alergia conhecida a qualquer um dos ingredientes, considere um teste de contato ou consulte seu médico antes de usar. Se você tem pele acneica ou oleosa, considere o uso de uma formulação que também combata a oleosidade ou contenha ingredientes como ácido salicílico, que combatem as erupções acneicas”, explica. Se sentir desconforto ou irritação substancial, pare de usar vitamina C e consulte seu médico.

Por fim, quanto ao modo de uso, a dermatologista afirma que é fundamental usar um limpador suave antes de aplicar o produto com Vitamina C. “Se ele for em sérum, algumas gostar podem ser usadas no rosto e pescoço, antes do hidratante e protetor solar. Existem cremes hidratantes que já contam com a Vitamina C, então os benefícios estão concentrados em um único produto. Mas sempre use protetor solar. A vitamina C não substitui o uso de protetor solar ou o uso de roupas que protejam. Certifique-se de usar protetor solar de amplo espectro diariamente e limitar a exposição ao sol durante os horários de pico”, finaliza.

O que preciso eu saber sobre meu tipo de pele antes de comprar um creme anti-idade?

A maioria das tentativas frustradas de compra de creme anti-idade pode ser resolvida com a identificação do tipo de pele. O erro mais comum ainda é usar produtos com textura inadequada

Muitas pessoas apostam todas as fichas no cuidado skincare, o que é válido para ajudar a prevenir o envelhecimento da pele, mas tem efeito limitado quando os sinais já surgiram. “O melhor a fazer é buscar um dermatologista para uma avaliação da pele, que pode necessitar de procedimentos em consultório para um estímulo adequado de colágeno. E quando pensamos em prevenção, os cremes também funcionam melhor quando são prescritos por um médico, que vai entender a necessidade daquela pele”, explica a dermatologista Patrícia Mafra, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

“O erro mais comum em pacientes que compram produtos de prateleira sem indicação médica é com relação ao tipo de pele. A textura errada do produto pode fazer com que os resultados não sejam alcançados”, completa a médica.

Segundo a dermatologista, a pele é o maior órgão do corpo humano e desempenha diversas funções importantes, sendo a principal barreira de defesa do nosso corpo com o meio externo. “Esse é um dos motivos pelo qual a pele varia de características de acordo com a localização. Quando observamos a pele do rosto podemos perceber características bem específicas e quando mencionamos o tipo de pele, estamos falando da pele do rosto em relação à oleosidade. Daí podemos classificar basicamente em três tipos: normal, seca ou oleosa”, explica.

“Mas devemos lembrar que independentemente do tipo de pele, a região da zona T, que é a região central da face, apresenta um maior número de folículos e glândulas sebáceas. Por isso é uma região naturalmente mais oleosa ou menos seca, de acordo com o tipo de pele, quando comparamos com a parte lateral do rosto. Dessa forma, a pele também pode ser classificada como mista, com a zona T (testa, nariz e queixo) bem oleosa e o restante seco”, diz Patrícia.

Para identificar o tipo de pele devemos observar suas características e a forma como ela reage e fica ao longo do dia devido aos diferentes estímulos, como clima, alimentação etc. “A pele oleosa é mais espessa, aparenta os poros mais dilatados e fica mais úmida e brilhante ao longo do dia. Já, a pele mais seca é mais fina e costuma ser mais sensível. Tem um aspecto menos brilhante e tende a apresentar descamação. A pele normal é a que tem uma aparência mais bonita e saudável. Tem aspecto liso, aveludado, viçoso”, explica.

Com relação aos problemas de cada tipo de pele, a oleosa tende a ser mais acneica. “Por causa dos poros mais abertos, ela apresenta mais cravos e tendência a cistos, porém é uma pele mais resistente a rugas, devido a uma atividade acentuada das glândulas sebáceas”, destaca. “Já a pele seca está mais sujeita a um envelhecimento precoce. Como tende a ser mais fina e menos hidratada, ela sofre mais com a ação do sol, vento ou frio. O óleo funciona como um lubrificante que protege a pele.”

Atualmente, é possível encontrar uma variedade grande de hidratantes, produtos anti-idade e protetores. “A escolha do produto ideal varia muito com o tipo de pele. Para peles oleosas esses produtos devem ser livres de óleo, e ter toque seco ou matificante. Para peles secas esses produtos devem auxiliar na hidratação e conter ativos próprios para isso”, destaca a médica. “Um erro muito comum é o de pessoas com pele oleosa que usam cremes pesados no rosto. Isso tende a aumentar a oleosidade e pode piorar até a acne”, alerta a dermatologista.

O creme anti-idade também varia de acordo com o tipo de pele. “Em geral, a pele torna-se mais seca a partir dos 35 anos. As peles mais maduras pedem produtos que auxiliam na hidratação. Portanto, o veículo deve ser adequado para isso, seja em creme ou loção. Já as peles mais oleosas pedem produtos com toque mais seco, em veículos de gel ou sérum por exemplo”, lembra a médica.

Sobre as substâncias anti-idade, que são recomendadas a todos os tipos de pele e funcionam muito bem para ajudar a prevenir o envelhecimento, Patrícia cita o ácido hialurônico de baixo peso molecular, a Vitamina C, o ácido ferúlico e o resveratrol, além de alfa-hidroxiácidos (ácido glicólico), beta-hidroxiácidos (ácido salicílico) e retinoides sempre com orientação médica. “O ácido hialurônico de baixo peso molecular tem maior permeação e ajuda a hidratar; a Vitamina C, ácido ferúlico e resveratrol são excelentes anti-idades, agindo para proteger o colágeno e o DNA celular, além de eliminar os radicais livres aceleradores do envelhecimento precoce. E os ácidos e retinoides ajudam a melhorar o turn-over (renovação) celular, o que ajuda também a estimular colágeno”, finaliza a médica.

Fonte: Patrícia Mafra é dermatologista, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FCM-MG), com estágio em Dermatologia pelo Grupo Santa Casa e acompanhamento do Serviço de Ginecologia e Sexologia do Hospital Mater Dei.

Parece, mas não é: conheça a diferença entre produtos usados na rotina de cuidados

Sabonete ou shampoo em barra? Make com FPS ou protetor solar com cor? Fio dental ou escova interdental? Descubra quais as diferenças entre esses e outros produtos de autocuidado, que, apesar de parecidos, não são intercambiáveis.

A rotina diária de beleza, seja com o rosto, o corpo, os cabelos ou até os dentes, é um momento de autocuidado muito importante para a manutenção da saúde dessas estruturas. No entanto, às vezes, realizar esses cuidados pode ser complicado, especialmente para principiantes, que podem facilmente se confundir com a grande quantidade de produtos disponíveis hoje no mercado, principalmente pelo fato de muitos desses produtos serem parecidos à primeira vista, apesar de possuírem diferenças importantes.

E utilizar os produtos errados pode ser realmente catastrófico, com consequências que vão desde a perda da eficácia até a agressão das estruturas. Então, para ajudar você a realizar sua rotina de beleza sem complicações, reunimos um time de especialistas para apontar as principais diferenças entre produtos de autocuidado que, apesar de parecidos, possuem indicações diferentes. Confira:

Getty Images

Sabonete convencional X sabonete facial: muitas pessoas acreditam que o sabonete facial é apenas uma jogada de marketing, mas não é bem assim. O sabonete convencional e o sabonete facial possuem diferenças importantes, sendo recomendado que você tenha os dois. “O pH do sabonete convencional é incompatível com a pele do rosto. Logo, se utilizado nessa região, pode causar desidratação e, em seguida, o efeito rebote. E o mesmo vale no caso contrário, já que, por ser mais suave, o sabonete facial pode não ser eficaz na remoção de sujidades e oleosidade do corpo”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E mesmo entre os sabonetes faciais, é importante prestar atenção para escolher um produto adequado a sua pele.

Peles oleosas, por exemplo, podem apostar em produtos que controlem a produção de sebo, como o Sabonete Poros com Ácido Glicólico, da Be Belle, enquanto peles mais secas devem investir em produtos mais hidratantes, como o Sabonete Poros Hidratante, também da Be Belle.

Pinterest

Esfoliante facial X esfoliante corporal: novamente, a existência de um esfoliante para cada parte do corpo não é apenas uma jogada de marketing. “A pele do corpo é diferente da pele do rosto e, por isso, deve ser tratada com produtos específicos. Um esfoliante próprio para ser usado no corpo geralmente contêm partículas maiores para conseguir tratar a pele da região, que é mais grossa, com eficácia. Consequentemente, esses esfoliantes corporais são mais abrasivos, podendo causar lesões quando usados no rosto, que tem uma pele mais sensível”, afirma o dermatologista Abdo Salomão Jr, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

O ideal então é que o esfoliante facial contenha partículas menores, como é o caso do Esfoliante Tribeca, da BURB, que conta com sementes de Apricot (damasco) em sua composição.

Água micelar X tônico adstringente: tanto o tônico facial quanto a água termal funcionam, de acordo com Paola, como um complemento à higienização da pele, removendo impurezas que não saíram apenas com o sabonete, além de normalizarem o pH da pele, o que também contribui para melhor absorção dos ativos cosméticos que serão aplicados. A diferença desses produtos está na indicação. “A água micelar possui micelas que atraem as partículas de sujeira, poluição e oleosidade sem a necessidade de atrito, sendo assim ideal para ser usada por peles mais secas e sensíveis. Já o tônico adstringente possui uma ação de controle da oleosidade, sendo assim recomendado para peles oleosas e mistas”, aconselha a dermatologista, que afirma também que a água micelar ainda pode ser usada como demaquilante.

Cremes X séruns: ambos os produtos têm como principal função hidratar a pele, podendo também trazer na composição uma série de ingredientes escolhidos conforme as características de cada pele. “Esses produtos utilizados podem ser formulados com uma série de ativos para atender às necessidades de cada pele, como substâncias calmantes, anti-inflamatórias, clareadoras, rejuvenescedores e, principalmente, antioxidantes”, explica Roberta Padovan, médica pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética. A grande diferença desses dois produtos está no veículo, isto é, a textura do cosmético, e, consequentemente, em sua indicação. “Os séruns, assim como os géis, são veículos mais leves indicados principalmente para o tratamento de peles oleosas e mistas, enquanto os cremes, e também as loções, são veículos mais espessos, ideais para peles secas”, completa a médica.

Quem tem pele oleosa e está à procura de um cosmético rejuvenescedor, por exemplo, pode apostar no sérum Be Hialuronic, da Be Belle, enquanto o Be Young, também da Be Belle, é um creme antirrugas ideal para peles mais secas.

Shutterstock

Maquiagem com FPS X fotoprotetor com cor: apesar de parecerem a mesma coisa, as maquiagens com FPS não têm a mesma eficácia na fotoproteção que os protetores solares com cor. “Geralmente, o FPS das maquiagens é muito baixo, sendo insuficiente para proteger a pele. Então, para quem usa maquiagem, o ideal é optar mesmo pelo protetor solar com cor de alta cobertura, que, além de ser eficaz na proteção, também atua como base”, alerta Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E a boa notícia é que filtro solar com cor protege mais a pele do que a versão tradicional. “Isso porque a tonalidade do filtro solar é proporcionada pela presença de óxido de ferro na composição, substância capaz de absorver a radiação visível do sol. Hoje, sabemos que a luz visível tem uma participação importante no processo de pigmentação da pele, favorecendo o desencadeamento de dermatoses pigmentárias, como melasma e hipercromia pós-inflamatória”, diz o médico.

486339964

Sabonete X shampoo em barra: mais uma vez, o shampoo em barra não é apenas uma estratégia para você comprar um sabonete por um valor mais caro. São produtos bem diferentes. “Usar um shampoo sólido ou em barra não tem nada a ver com lavar o cabelo com sabonete. Os sabões ou sabonetes passam por um processo de saponificação, têm mais aditivos químicos e pH mais alcalino, sendo assim agressivos aos fios. Já os shampoos em barra foram especificamente desenvolvidos para serem usados no couro cabeludo. A base de óleos vegetais pode até ser a mesma do sabonete, mas os componentes estão em quantidade mais adequada para o tratamento dessa região, além da fórmula ser mais nutritiva e o pH ser mais equilibrado”, acrescenta a dermatologista Patrícia Mafra, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Fio dental X escova interdental: apesar de ambos atuarem na limpeza da região entre os dentes, o fio dental e as escovas interdentais, como a CPS Prime da Curaprox, possuem ações diferentes que se complementam. “Enquanto o fio dental auxilia na remoção de detritos alimentares e pontos de contato muito apertados, a escova interdental realiza a desorganização da placa bacteriana nas irregularidades e depressões interdentais que o fio dental não consegue higienizar”, finaliza Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP.