Arquivo da tag: pets

Dicas para proteger os móveis do xixi dos pets

Além das dicas comportamentais, produtos fáceis de aplicar protegem mobiliário de urina, água, refrigerantes e até vinho

Eles já são considerados membros da família: cães, gatos e outros bichinhos viraram a alegria da casa e até ficam grudadinhos com a gente no sofá ou dormem junto na cama. E não é incomum que façam xixi em qualquer lugar ou, na empolgação, acabem derrubando copos com líquidos. Muitas vezes, as “vítimas” são o sofá, o tapete, a almofada ou a cortina.

Como o adestramento é um processo longo, nesse período de semanas ou meses em que o bichinho é ensinado a fazer xixi no lugar certo, há produtos no mercado que podem ajudar o tutor de pet: são os protetores de tecido.

“Protetores de tecidos têm efeito tanto hidro como óleo repelentes. Seus compostos são capazes de penetrar nas fibras do tecido, protegendo contra manchas causadas por líquidos como vinhos, água, suco, urina de cachorro, óleo, entre outros. O resultado é incrível: o líquido realmente fica sobre o tecido, não consegue entrar nele”, afirma Kelly Lima, especialista em madeira e tecidos da Montana Química, multinacional brasileira que tem no varejo produtos para proteção de madeira e de tecidos.

Segundo Kelly, o dono de pet deve procurar por produtos que sejam à base de água, não inflamáveis e com baixo odor. “A aplicação é bem simples e indicada para tecidos estofados, almofadas, cadeiras, poltronas, carpetes, tapetes, cortinas, toalhas de mesa ou outros produtos compostos por fibras naturais ou mistas.”

A especialista afirma que o dono de pet deve sempre ler com atenção os rótulos dos protetores de tecidos e ficar atento ao uso para o caso dos bichinhos que já têm alguma predisposição alérgica a produtos químicos.

Dica de produto

O HelpTex, da Montana Química, é um produto à base de água que atua na proteção de tecidos e estofados, evitando manchas causadas por líquidos variados e gordura. Trata-se de um protetor de tecidos incolor, com baixo odor e não inflamável, que repele manchas causadas por líquidos e óleos, preservando a textura e a maciez do tecido. Se escapar o xixi, basta usar um papel para absorver o líquido sem pressionar contra o tecido.

Informações: HelpTex

Adotar um animal de estimação pode ajudar no seu relacionamento?

Segundo pesquisa, adoção dos bichinhos teve um aumento de 30% durante a pandemia

De acordo com pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), quase 48 milhões de domicílios no Brasil têm cães ou gatos. Sem dúvida, a presença do bichinho em casa representa, verdadeiramente, a inclusão de mais um membro na família. Isso porque, logo de cara, eles criam uma nova energia dentro do lar, possibilitando mais alegria e amor. O casal evita discussões na frente do pet e concomitantemente tendem a racionalizar mais antes de brigar.

Com o isolamento dos anos pandêmicos, muitos brasileiros resolveram adotar um bichinho de estimação como alternativa para se livrar do tédio e dividir o amor. De acordo com a Comissão de Animais de Companhia, braço do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal, 30% dos lares brasileiros conta com um animal doméstico adotado durante a pandemia.

Mas como o animal pode ajudar na vida de um casal que está em crise?

Ao adotar um pet, o casal passa a ter um novo tipo de laço e mais uma situação em comum: cuidar do novo membro familiar. O animal, da sua maneira, começa a ter contato com os donos e a relação passa ter o vínculo parental amoroso. O casal, que antes estava acostumado a ser impactado pelo peso da rotina, agora pode chegar em casa e ser recebido com todo o amor do seu pet. E o bichinho, por sua vez, se torna a ponte de ligação para o casal que se ama e que está passando por um momento delicado.

Um dos principais cuidados que se deve ter é entender que o pet não pode sofrer com os desencontros que estão passando. É claro que ele possui uma energia própria e tende a criar uma vibração positiva e contagiante no lar que está inserido, mas os donos não podem, e nem devem, passar suas frustrações para ele. Caminhos por meio da espiritualidade são procurados por casais que querem bloquear tudo que possa interferir negativamente em sua união e propiciar um ambiente mais harmonioso, até para estarem prontos para receber todo o amor dos bichinhos.

Unplash

“Quando o casal realiza o Casamento Espiritual, ele deixa de ser afetado pelos problemas e consegue blindar-se contra todo e qualquer tipo de energia negativa. As chances do casal voltar a viver a felicidade amorosa se tornam maiores”, explica Maicon Paiva, especialista em relacionamentos e fundador da Casa de Apoio Espaço Recomeçar.

Um benefício valioso na reconexão do casal é que, a partir da adoção, eles passam a dividir tarefas que, até então, não existiam ou começam a realizá-las juntos, principalmente nos cuidados e na saúde do animal. Levar ao pet shop, sair para passear, cuidados alimentícios e tantas outras atividades começam a dar uma nova dinâmica aos tutores, como se fosse um filho, e a conexão com o bichinho se expande e reflete no casal. O animal, ao ser adotado, consegue se conectar de forma mais saudável e as chances do casal voltar a viver a felicidade amorosa se tornam maiores.

Fonte: Espaço Recomeçar

Evino lança nova marca própria, Patas, e doará R$ 10 a cada garrafa vendida à Ampara Animal

A novidade faz parte da campanha de arrecadação em parceria com a Ampara Animal, e traz ao portfólio os vinhos Malbec, Cabernet Sauvignon, White Blend e Torrontés

Em celebração ao Mês Nacional dos Animais e entendendo a importância da conscientização das pessoas sobre os cuidados que devem ser dados, a Evino lança a marca própria Patas. A novidade é composta por quatro rótulos que incluem os vinhos: Malbec, Cabernet Sauvignon, Torrontés e White Blend. Para a ocasião, o maior e-commerce de vinhos da América Latina firmou uma parceria com a ONG Ampara Animal e, com a venda dos novos rótulos, promoverá uma campanha de arrecadação para auxiliar o projeto.

A cada garrafa vendida, R$ 10,00 será revertido à iniciativa. “A criação de Patas surgiu da conexão que os colaboradores da Evino têm com os seus bichinhos e o nosso compromisso com as causas sociais”, explica Ari Gorenstein, cofundador da Evino.

“É importante apoiarmos iniciativas que atuem para a proteção dos animais. No caso desta linha, ela foi desenvolvida para homenagear o amor entre as pessoas e os seus pets. Um sentimento transformador que mudará a realidade de quem ainda não tem uma família para chamar de sua por meio da campanha com a ONG Ampara Animal”, complementa.

A meta inicial estimada para a arrecadação é de 130 mil reais. Com esse valor calcula-se que seja possível realizar cerca de 650 castrações de animais domésticos.

Cães e gatos possuem uma capacidade reprodutiva muito maior que a dos seres humanos. Cadelas entram no cio a cada 6 meses e podem ter ninhadas grandes com 8 a 10 filhotes, já a gatas entram no cio de 3 a 4 vezes por ano, gerando várias ninhadas de 4 a 8 gatinhos. A castração de cães e gatos (machos e fêmeas) evitam o nascimento de ninhadas que podem resultar no abandono e a morte de milhares de animais todos os anos.

Por isso, entre as ações da organização, a castração está entre as mais importantes. O controle de natalidade é a luta que absorve grande parte dos esforços e recursos das entidades de proteção animal.

“A Ampara Animal depende do apoio de empresas para que seus projetos aconteçam. Quanto mais apoio nós tivermos, maior o impacto positivo que a gente consegue gerar na sociedade através dos cuidados com a causa animal que foi a causa que a gente escolheu”, afirma Juliana Camargo, presidente da Ampara Animal. “As empresas que entendem que os animais, meio ambiente e natureza são interligados a nós, a gente tem sem dúvida mais chances de construir uma sociedade mais justa e mais equilibrada﹒Os animais dependem e precisam do nosso apoio”, finaliza.

Os vinhos da linha Patas

Os quatro rótulos de Patas incluem duas versões de vinhos tintos e duas de vinhos brancos, que foram desenvolvidos em Mendoza, na Argentina, pela Fecovita, uma das principais cooperativas do Novo Mundo do e-commerce. Temos um par de rótulos dedicado aos cachorros e outro aos gatos. “O Malbec é frutado e apresenta notas de ameixa madura, cassis e toques de canela. Enquanto o Cabernet Sauvignon possui notas de frutas vermelhas, pimentão e especiarias”, conta Vinicius Santiago, sommelier da Evino.

O exemplar feito com Torrontés, casta branca emblemática da Argentina, é um vinho muito aromático, com notas de pêssego, melão e toques florais; já o White Blend apresenta uma versão delicada e muito refrescante, com notas de maçã verde e peras frescas.

A identidade visual da campanha foi elaborada para estimular a conscientização de que raça não define amor. “As ilustrações produzidas nos rótulos têm a finalidade de representar os cães e gatos, retratando os bichinhos sem raça para promover uma reflexão ao consumidor”, revela Santiago. “No logo a letra P desenha uma patinha com o objetivo de expressar o maior símbolo que une os animais. Um brinde aos animais”, conclui.

Fonte: Evino

Ansiedade de separação: como ajudar o cão a se sentir calmo quando deixado sozinho

Especialista dá dicas para tornar o processo menos doloroso para donos e pets

Os cães, assim como os humanos, são animais muito sociais. Eles gostam de estar rodeados de outros animais ou dos seus donos e para eles, ficar isolado não é algo natural, por isso a “ansiedade de separação” é uma frase frequentemente usada quando um cachorro apresenta sintomas de ansiedade ao ser deixado sozinho.

“Alguns tendem a latir o dia todo, outros, de tão nervosos acabam até sofrendo acidentes ou destruindo algum móvel na tentativa de sair de casa”, explica o adestrador de animais e sócio proprietário da empresa de hospedagem e adestramento Simpatinhas, Júnior Ferreira.

Por outro lado, o adestrador alerta que se o pet estiver agindo dessa maneira, nem sempre pode significar que ele esteja passando pela ansiedade de separação. “Ás vezes pode ser que o animal esteja apenas entediado e os latidos podem acontecer porque ele não lhe foi ensinada nenhuma outra opção ou treinamento adequado”, explica.

Por isso, Júnior indica que nestes casos, é sempre melhor consultar um especialista no assunto para saber como melhor lidar com o animal. Mas enquanto isso, o adestrador listou algumas ideias para ajudar qualquer cãozinho a sentir-se mais confortável quando deixado sozinho em casa. Aprenda:

Siga uma rotina e crie um espaço pessoal para o pet
Os cães adoram uma rotina. Por isso, se os horários do dono forem previsíveis, ele terá mais facilidade em relaxar. Faça o possível para seguir a mesma rotina todos os dias.
Além disso, ao invés de dormir com o pet, dê a ele uma cama separada, onde você também poderá fazer carinho nele e dar alguma guloseima de vez em quando. “Isso vai ensinar o cachorro a gostar de ter seu próprio espaço e ser independente do dono e também ajudará a aliviar a ansiedade de separação”, explica o adestrador.

Tente não demonstrar emoções
Os cães captam nossas emoções, o que às vezes pode ser uma coisa boa. No entanto, se você está se sentindo ansioso por deixar seu cachorro sozinho em casa, adivinhe quem mais ficará ansioso? Em vez disso, tente pensar positivo sobre a sorte que seu animalzinho tem de ficar em casa em um ambiente relaxante e protegido.

Não deixe o cachorro sozinho por muito tempo
Se você adotou recentemente um novo cão ou filhote que ainda não se adaptou ao novo lar o melhor é começar deixando-o sozinho por apenas 10 minutos, desde o primeiro dia dele na casa e assim ir aumentando os períodos de tempo. Outra opção, de acordo com Júnior Ferreira, é deixar alguns itens que tenham o cheiro do dono, como roupas ou sapatos pela casa. Dessa forma eles relaxarão e lembrarão que o dono logo voltará. “Também remova fatores de estresse, como gargantilhas, coleiras, correntes ou grades, se o cão não gostar deles. Esconda guloseimas pela casa para que eles possam caçá-los enquanto você estiver fora. Por fim, sons suaves da natureza podem ajudar seu cão a relaxar e adormecer” – aconselha.

Coloque-o para se exercitar
Um cachorro cansado terá mais facilidade em se acalmar e relaxar. Por isso, é fundamental que o dono passe alguns minutos por dia passeando com o pet. Praticar exercícios pelo menos 30 minutos antes da partida relaxará o animal e desviará a sua atenção para a comida e o sono.
Alguns animais precisarão de mais exercícios do que apenas passeios diários, por isso leva-lo a algum parque e deixa-lo correr um pouco pode ser a solução. Utilizar brinquedos para distrai-lo também é excelente.

Não dê muita importância ao pet na hora de sair
Se o dono fizer um grande “evento” na hora de sair de casa, isso só deixará o cachorro mais ansioso e nervoso, prestando ainda mais atenção à partida e ao retorno do dono, podendo reforçar o medo do cão a sua ausência.
“Apesar de dar dó, é melhor ignorá-lo literalmente uns 20 minutos antes de sair e quando você sair de casa evite até mesmo olhar para o pet, apenas vá e com o tempo ele não ligará mais em ficar sozinho” – Orienta o adestrador.

Sobre a Simpatinhas
Empresa de Hospedagem e adestramento animal. Os profissionais da Simpatinhas atendem de maneira presencial solucionando desde os problemas mais comuns enfrentados pelos tutores, como: animal que puxa a coleira durante os passeios, implora por atenção, rouba comida, faz xixi fora do local indicado, não responde aos comandos básicos, morde ou late em excesso; até comportamentos mais complexos como reatividade, depressão e ansiedade. Júnior Ferreira, fundador da empresa lidera uma equipe de passeadores, administra o hotel para cães com serviço de day care e banho e tosa. Saiba mais em: @simpatinhas

John John lança primeira coleção pet em evento especial

Amanhã, sábado (02), a marca apresenta seus lançamentos para cachorros em um dia totalmente dedicado ao universo pet com a participação da ONG Proteção Animal

A nova coleção Dogtown da John John foi especialmente criada para os nossos melhores amigos de quatro patas e conta com bandanas, peitorais e outros acessórios. Para celebrar o lançamento, a marca irá reunir amantes dos animais em um evento inédito no sábado (2) em sua loja na Oscar Freire, em São Paulo, com uma série de experiências para os fãs do universo pet e seus animais, além da participação da ONG Proteção Animal.

Ao longo do dia, os pets poderão provar snacks e drinques especiais para animais, enquanto seus “humanos” poderão assistir a demonstrações de adestramento por Fernando Lopes, da Red Dog Walker, que estará presente explicando suas técnicas e dando dicas para melhor comportamento de cães e gatos.

Todos os amantes dos animais são convidados para conhecer a nova coleção e participar deste dia especial ao ar livre. A John John respeitará todas as medidas de segurança para seus convidados e o distanciamento social.

JOHN JOHN DOG STATION
Sábado, 2 de outubro, das 10 às 18 horas.
Rua Oscar Freire, 789 – Cerqueira César, São Paulo.

A COLEÇÃO
A coleção Dogtown conta com peitorais em diferentes lavanderias que vêm com embalagens combinando com o modelo, três diferentes tipos de bandanas, uma caminha, uma almofada, um tapete para água e comida, além de t-shirts com estampas inspiradas no lançamento para os fãs deste universo.

A ONG PROTEÇÃO ANIMAL
A ONG Proteção Animal atua há mais de 38 anos com a conscientização e fiscalização de maus tratos aos animais, e é participante da Associação de Proteção Animal São Francisco de Assis (Apasfa), lutando para que a legislação que garante a proteção dos animais seja cumprida por meio de projetos educativos, fiscalizando maus tratos, dando assistência veterinária a animais abandonados e os encaminhando para adoção.

Devoluções de animais de estimação adotados durante pandemia batem recordes nos EUA

Os abrigos para animais de estimação nos Estados Unidos estão relatando taxas de devolução acima da média conforme a pandemia começa a diminuir

Por volta desta época, no ano passado, os abrigos relataram um aumento nas adoções, pois as pessoas passaram por medidas de bloqueio e queriam companhia em casa. Agora que estão se reajustando às rotinas anteriores, no entanto, elas estão voltando ao trabalho e às viagens e sentem que não podem mais cuidar de seus animais de estimação. Os cães, em particular, estão sendo devolvidos em números recordes.

AmericanHumane

“No início da pandemia, vimos absolutamente um aumento no número de pessoas prontas para adotar”, disse Ashley Roberts, do Lucky Dog Animal Rescue, em Arlington, VA, à BBC .

“Eles estavam fora do trabalho ou trabalhando em casa ou tinham horários mais flexíveis”, disse ela. “Mas nós, nos últimos dois meses, definitivamente vimos mais devoluções.”

Às vezes, as pessoas não pensam no compromisso sério de cuidar de um animal de estimação, disse ela. Conforme os novos tutores de animais voltam às suas rotinas, eles estão percebendo que filhotes e cães podem não se adequar ao seu estilo de vida, então os estão devolvendo, de acordo com KDVR , uma afiliada da Fox no Colorado.

“Fizemos muitas mudanças em nosso processo de adoção para evitar que as pessoas devolvessem cães uma vez que a pandemia acabasse”, disse Aron Jones, diretor executivo do Moms and Mutts Colorado Rescue em Englewood, CO, à estação de notícias.

“Mas nos últimos quatro meses, tivemos um número extremo de devoluções”, disse ela. “Eles estão devolvendo em vez de tentar fazer ajustes para manter seus cães, agora que o mundo está se abrindo”.

As entidades receberam mais devoluções até agora, em 2021, do que normalmente em um ano inteiro. Com mais de 200 cães disponíveis, eles estão enfrentando restrições financeiras e precisam de mais ração para alimentar todos os animais.

Além disso, as medidas de bloqueio impediram os tutores de animais de esterilizar ou castrar seus cães. Então, os abrigos estão vendo um aumento no número de ninhadas de filhotes que precisam de novos lares, informou a BBC.

No entanto, nem todos os abrigos tiveram um aumento nos retornos, de acordo com a WRGB , uma afiliada da CBS em Nova York. A Mohawk Hudson Humane Society, por exemplo, preparou novos tutores de animais para a responsabilidade da adoção quando o boom aconteceu no ano passado.

“A expectativa é que seja um compromisso vitalício para a vida toda que você terá com esse animal”, disse Ashley Bouch, CEO da humane society em Menands, NY, à estação de notícias.

“Isso sempre fez parte do nosso processo de querermos encontrar a melhor combinação”, disse ela. “Queremos combinar e preparar todos para o sucesso”, finalizou.

Esperemos que esta situação também não ocorra aqui no Brasil, já que a pandemia continua em alta, a vacinação lenta e muitos ainda estão em esquema de home office. Os animais simplesmente não merecem isso!

Fonte: WebMD

Dia Mundial do Gato: livros são alternativas para estimular interesse e amor por animais

Nesta quarta-feira (17) é celebrado o Dia Mundial do Gato. Sim, eles são amados por uns e dispensados por outros, pelo estigma de que eles não são afetuosos. Mas só quem tem esses bichanos em suas vidas sabe o quão eles se adaptam à nossa rotina, sendo uma ótima companhia que nos ensina a ser seres humanos melhores.

E, para incentivar a meninada a amar esses fofuchos, seguem abaixo algumas sugestões de livros que ensinam e nos motivam a conhecê-los ainda mais. Confira:

A Gata Penélope – escrito pela jornalista e escritora Isa Colli, a história fala sobre uma gatinha perdida no inverno europeu que, ao ser resgatada, constrói uma amizade linda com sua nova tutora. Um livro que mostra como o dia a dia de uma pessoa pode ser modificado por um gatinho.

Borba, o Gato – escrito por Ruth Rocha, Borba, o gato, e Diogo, o cão pretendem ensinar a todos uma grande lição – que cão e gato podem ser amigos, e juntos enfrentar todos os perigos. Eles vão tomar conta da cidade para todos dormirem com tranquilidade.

O Gato de Botas – ou, ainda, O Mestre Gato é um clássico conto de fadas de autoria do escritor francês Charles Perrault, incluído no livro Les contes de ma mère l’Oye, publicado em 1697. O conto narra a história de um caçula de três irmãos que recebe como herança de seu pai um gato de estimação.

Dewey – um gato entre livros – a rotina da pacata cidade de Spencer, Yowa, Estados Unidos, se transforma após Dewey, um gato, ser encontrado na Biblioteca Pública. A diretora da Biblioteca, que achou o gatinho na caixa de devolução, resolve contar a história e lançou este livro, a história real de um gato que fez da biblioteca – e da cidade – sua casa e de seus habitantes, os melhores amigos.

Um Gato de Rua Chamado Bob – após passar por dificuldades em diversas áreas de sua vida, James Bowen acabou morando na rua e se viciou em drogas. Ele aceitou a ajuda do governo para se livrar do vício e, como consequência, foi morar em uma casa destinada aos pacientes em recuperação. Para seu próprio sustento, James tocava música no centro de Londres, onde ganhava um pouco de dinheiro em cada apresentação. Foi depois de chegar de uma apresentação que James deparou-se com um gato laranjinha encolhido em um corredor de seu prédio. Ele esperou alguns dias, para que o bicho voltasse ao seu dono, mas quando isso não aconteceu, James resolveu trazer o gato – a quem chamou de Bob – para casa. O animal virou seu companheiro de vida, e o acompanhava para as apresentações, encantando todos que passavam e ajudando seu novo dono e deixar de ser “invisível para a sociedade”.

Cobasi, em parceria com ONG Adotar, realiza evento de adoção de cães e gatos em Campinas

Evento iniciará no sábado, 16 de janeiro, e se repetirá aos sábados, a cada 15 dias

A Cobasi Campinas Princesa D’Oeste em parceria com a ONG Adotar Campinas, irá realizar um evento de adoção de cães e gatos nas dependências da loja localizada na Av. Princesa D’Oeste, no dia 16 de janeiro, das 10 às 13 horas. O evento ocorrerá a cada 15 dias, sempre aos sábados.
    
Para adotar um dos animais é necessário ser maior de 18 anos, portar o documento de identidade, passar na entrevista da ONG, ler e assinar o termo de adoção. Todos os animais disponíveis a serem doados estão castrados e vacinados.      
    
Para segurança de voluntários, clientes e funcionários, todos os representantes da ONG estarão com máscara e orientarão os possíveis adotantes sobre o distanciamento, além de disponibilizar álcool em gel.     
    
Este projeto faz parte das ações de incentivo a adoção da Cobasi que realiza eventos em parceria com instituições de proteção animal em diferentes cidades do Brasil. Atualmente é realizado eventos em parceria com 52 ONGs, em 53 lojas.     
    


Evento de adoção de cães e gatos     
Realização: Cobasi e Adotar Campinas
Local: Cobasi Campinas Princesa D’Oeste
Endereço: Av. Princesa D’Oeste, 1784, lote 19, quadra K Q 1868, Jd. Paraíso, Campinas – SP.
Datas: a partir de 16 de janeiro. Evento ocorre aos sábados, a cada 15 dias.
Horário: das 10h às 13h     

Gilberto Cabeleireiros cria Campanha Pet para ajudar animais resgatados

Ação doará as arrecadações para ONGs “Recanto Bicho Feliz” e “Tudo por eles”

Um dos maiores salões da cidade de São Paulo lançou uma campanha para auxiliar animais resgatados. A ação teve inicio no dia 3 de novembro e, em sua primeira fase, irá até dia 20 de dezembro.

Com foco em auxiliar as ONGs “Recanto Bicho Feliz” e “Tudo por eles”, o salão Gilberto Cabeleireiros disponibilizará um espaço no qual receberá doações de todos os tipos: ração, medicamentos, coleiras – independente do estado de conservação.

“Somos um espaço pet friendly e há muito tempo gostaríamos de fazer uma ação focada em nossos pequenos, então nos juntamos para criar a CampanhaPet e deixamos nosso salão como um ponto de entrega de produtos, sejam eles novos ou usados”, explica Marcos Coraza, idealizador do projeto e gerente do espaço.

A lista de produtos básicos e mais necessitados pelas ONGs está disponível no site e nas redes sociais do salão. Vale frisar que o embaixador da campanha é o ator e cantor Daniel Boaventura.

Gilberto Cabeleireiros: Alameda Itu, 707, São Paulo – SP, 01421-001. Horário de funcionamento: terça a sexta-feira: das 8h30 às 20h | Sábado: das 8h30 às 18h30.
Telefone: (11) 3088-9811

Pet terapia: maneira alternativa de levar conforto e carinho a crianças e idosos

Cães terapeutas contribuem para a socialização e equilíbrio emocional das pessoas

A Terapia Assistida por Animais (TAA), popularmente conhecida como pet terapia, tem como objetivo despertar a socialização, diminuir o estresse, aumentar a autoestima, motivar, descontrair e entreter as pessoas. Normalmente é realizada em instituições como casas de repouso, hospitais, orfanatos e entidades assistenciais. A atividade é essencial para deixar o ambiente mais acolhedor e leve, além de permitir que, em alguns casos, o assistido lembre-se de algum animalzinho que teve ao longo da vida.

pet-terapia

Os principais fundamentos da pet terapia estão ligados à parte emocional, concentração e socialização. “Cães de raças mais dóceis são os que obtêm os melhores resultados. O Golden Retriever, por exemplo, consegue perceber as mudanças de humor. Se uma pessoa começa a se debater ou chorar, ele chega próximo e intervém de alguma forma”, revela Carla Bonfin, psicóloga e voluntária do grupo de pet terapia “Pelo Carinho”, de Belo Horizonte, apoiado pela Origens, linha de alimentos para cães e gatos do Grupo Adimax, que possui um projeto social voltado a essa terapia alternativa.

Mas engana-se quem pensa que a TAA se limita a cães de raça, os SRDs (Sem Raça Definida) são igualmente bem-vindos, pois o fator determinante é o comportamento do animal. Desta forma, gatos, cavalos, pássaros, golfinhos e elefantes também possuem efeitos terapêuticos sobre as pessoas.

Todo esse envolvimento benéfico entre animais e humanos está presente no projeto Nutrindo Amor, que percebeu a importância da pet terapia na vida das pessoas. “A maioria das ações são realizadas por voluntários acompanhados dos próprios pets, que levam conforto a pessoas que estão debilitadas de alguma forma, seja fisicamente ou emocionalmente”, explica André Sano, coordenador do marketing social da Adimax, empresa responsável pelo projeto e que realiza parcerias com grupos de pet terapia pelo Brasil, oferecendo assistência e incentivo a esses grupos, além de alimento para os animais.

mulher-com-gato-gata-pixabay

A história da pet terapia

pet terapia

A pet terapia surgiu em 1792, quando o filantropo Willian Tuke indicou o uso de animais domésticos no tratamento de doentes de um asilo em Londres (Inglaterra) e, desde então, vem ganhando cada vez mais espaço na sociedade devido aos resultados positivos. Os principais beneficiados da terapia são pacientes no espectro autista, com demência, paralisia cerebral e transtornos mentais. Porém existem pesquisas que utilizam o tratamento auxiliar também em casos de AVC, obesidade e hipertensão.

Um estudo realizado com pacientes crianças pelo Departamento de Ciências e Saúde da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, mostrou que um grupo submetido a um tratamento pós-operatório com a presença de cães terapeutas, teve o nível de estresse mais baixo e a percepção de dor modificada comparado àquele sem a presença do animal. Ao ter uma resposta emocional positiva devido a presença dos cães, que distraem e entretêm com carinho, a recuperação tanto física como mental dos pacientes teve uma melhora.

No Brasil, a TAA é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito).

Fonte: Adimax

P.S. Você gosta de animais? Eu criei um site só para falar sobre eles, nossos amados amigos. É o Se Meu Pet Falasse. Se inscreva para receber avisos de novos posts. Tem saúde, comportamento, adoção, fofuras… Você vai gostar!