Arquivo da tag: pfizer

Campanha de prevenção do suicídio convoca para conversa franca sobre depressão

Com o apoio de diferentes setores sociais, ações digitais e um labirinto instalado em São Paulo, a iniciativa “Na Direção da Vida – Depressão sem Tabu” tem o objetivo de combater os estigmas associados à doença

Depressão não é frescura, também não é fraqueza. E muito menos falta de fé. Essas são algumas das expressões que compõem a carta-manifesto da campanha Na Direção da Vida – Depressão sem Tabu, uma iniciativa que faz parte do movimento mundial Setembro Amarelo, focado na prevenção do suicídio, e tem o objetivo de abrir o diálogo sobre esse tema com toda a sociedade, estimulando um ambiente de mais acolhimento para o paciente.

Conduzida pela Upjohn – divisão focada em doenças crônicas não-transmissíveis –, pela área de Medicina Interna da Pfizer, pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata), com a participação do Centro de Valorização da Vida (CVV), a campanha traz ações de rua e digitais, com o intuito de combater os estigmas associados à depressão.

mulher dor depressao tristeza doença pexels

“O primeiro passo é posicionar a depressão como uma doença. Legitimar o que esse paciente sente como sintoma de algo que pode ser tratado é uma forma de encorajar sua busca por ajuda, criando um entorno social mais empático e melhor informado para ajudar essa pessoa”, diz a neurologista Elizabeth Bilevicius, líder médica da Upjohn.

Com o apoio de músicos, esportistas e influenciadores digitais, a campanha tem o propósito de unir vozes a favor da vida. “Afinal, a depressão está entre os transtornos mentais mais comuns nas vítimas de suicídio. E, por isso, o girassol foi escolhido como o grande símbolo dessa iniciativa. Estamos falando de uma flor que, quando jovem, gira na direção do sol todas as manhãs, mesmo em dias nublados. Ou seja, ela está sempre em busca da vida. E essa é uma simbologia muito forte”, complementa Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer.

No ambiente on-line, os internautas serão convidados a postar o ícone do girassol da vida em suas redes sociais para mostrar a todos que estão dispostos a falar de #depressaosemtabu. Esse movimento será estimulado por depoimentos reais de celebridades que já enfrentaram a doença. Por meio deles, os internautas também serão convidados a conhecer o espaço digital, que ficará hospedado no site da Abrata para reunir informações importantes sobre a temática e dicas de como identificar comportamentos de risco em pessoas próximas.

“Não basta conversar apenas com o paciente. Nós precisamos, sem dúvida, envolver os diferentes grupos que permeiam as relações sociais dessa pessoa. Seja no trabalho, na família, na escola ou entre os amigos, a ideia é fortalecer essa rede de apoio, criando uma atmosfera de confiança em que esse paciente não veja mais a necessidade de sentir vergonha ou medo de expor o seu problema e de pedir ajuda”, afirma a presidente da Abrata, Marta Axthelm.

Labirinto de Girassóis

Fora da web, a iniciativa vai chamar a atenção da sociedade por meio de um Labirinto de Girassóis que tomará conta do Largo da Batata, em São Paulo, a partir de 10 de setembro, o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. A instalação, que contará com 120m² de extensão e quase 2 mil girassóis, ficará montada até o dia 14/9, com visitação gratuita aberta ao público.

Mais do que uma intervenção urbana, a obra tem um forte componente educativo: pelos caminhos do labirinto será possível acompanhar toda a jornada do paciente com depressão, desde a dificuldade de diagnóstico até o enfrentamento dos diferentes desafios que podem surgir nessa trajetória, como o preconceito ou a sensação de inadequação.

Quem visitar o local também poderá deixar uma mensagem de apoio aos pacientes. Depois, com o término da instalação, as flores usadas no labirinto e os bilhetes arrecadados serão transformados em buquês para presentear pacientes de algumas instituições da cidade com o girassol da vida, por meio do trabalho realizado por uma ONG.

“Nós precisamos fazer barulho e romper com esse silêncio. Por muito tempo, o suicídio foi colocado como um grande tabu em nossa sociedade. Imaginava-se, tempos atrás, que falar sobre isso poderia estimular as pessoas a tirar a própria vida. Mas sabemos que isso não é verdade. Ao contrário: é a solidão que pode potencializar esse risco. A melhor forma de ajudar é ouvir o indivíduo com calma e empatia, sem julgamentos, demonstrando cuidado e afeição, fortalecendo sua rede de apoio. Cabe destacar a importância de pedir ajuda especializada, tanto médica quanto emocional”, afirma o presidente do CVV, Renato Caetano.

Reconhecido pelo Ministério da Saúde, o CVV presta um serviço gratuito de prevenção do suicídio há muitos anos. A equipe de voluntários fica disponível para acolher e atender qualquer pessoa que busque apoio emocional, sempre sob sigilo, por telefone (188), chat, e-mail ou pelo site.

setembro amarelo

Labirinto Gigante de Girassóis: Na Direção da Vida
Quando: de 10 a 14 de setembro de 2019
Onde: Largo da Batata, Pinheiros (próximo à estação Faria Lima do metrô)
Horário: das 9h às 18h
Entrada gratuita

Desinformação e vergonha permeiam relação dos jovens com a depressão

Pesquisa nacional realizada pelo Ibope Conecta aponta que tabus sobre a doença persistem sobretudo entre os mais novos e os homens, afastando muitos pacientes do tratamento

Os jovens brasileiros sabem pouco sobre a depressão, sentem vergonha de falar sobre o assunto e não estão convencidos sobre a importância do tratamento. Essas são algumas das conclusões da pesquisa Depressão, suicídio e tabu no Brasil: um novo olhar sobre a Saúde Mental, aplicada pelo Ibope Conecta a 2 mil brasileiros, a partir dos 13 anos de idade, em diferentes regiões metropolitanas do País: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Fortaleza. Em São Paulo, a amostra de entrevistados foi colhida na capital.

O levantamento faz parte de uma ampla investigação sobre o cenário da depressão no Brasil. E a resposta a essa realidade, permeada por mitos e desinformação sobre a doença, é o lançamento da campanha “Na Direção da Vida – Depressão sem Tabu”, conduzida pela Upjohn – divisão focada em doenças crônicas não-transmissíveis – e pela área de Medicina Interna da Pfizer. A iniciativa tem o apoio da Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata) e conta com a participação do Centro de Valorização da Vida (CVV).

“Verificar o quanto existe de desconhecimento e vergonha sobre a depressão entre os jovens brasileiros é muito preocupante porque a doença representa um dos diagnósticos mais frequentes entre as pessoas que tiram a própria vida. E temos visto, nos últimos anos, o quanto as taxas de suicídio estão aumentando justamente na população mais jovem”, afirma a diretora médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine.

Os mitos associados à origem da depressão são, de fato, muito mais evidentes nas faixas etárias mais jovens contempladas pela pesquisa. Mais de um a cada quatro entrevistados do grupo de 18 a 24 anos (26%) considera, por exemplo, que se trata de uma “doença da alma”. Por outro lado, a porcentagem de pessoas que compartilham dessa percepção cai para 15% entre aqueles com 55 anos ou mais de idade.

Apesar de entenderem que a depressão tem tratamento (71%), a faixa etária dos 18 aos 24 anos é a que expressa a menor confiança. Quase um terço desses jovens (29%) não está totalmente convencido de que a depressão é uma doença como qualquer outra, que pode ser tratada com sucesso. Já entre os entrevistados mais velhos, com 55 anos ou mais, esse porcentual cai para 18%. O dado de São Paulo também chama a atenção: 26% dos internautas paulistanos têm dúvidas ou desacreditam na chance de tratar a doença com sucesso.

Quando se analisa o panorama entre os entrevistados ainda mais jovens, de 13 a 17 anos, a situação também é preocupante. Mais de um a cada cinco (23%) acredita, por exemplo, que não existem sintomas físicos na depressão porque ela seria “apenas um momento de tristeza” e não uma doença. “Essa percepção equivocada reforça a importância de um amplo trabalho de conscientização no Brasil. Posicionar a depressão como doença, para a qual existe tratamento, é importante porque ajuda a encorajar o paciente e legitima a sua busca por ajuda”, explica Elizabeth Bilevicius, líder médica da Upjohn, divisão da Pfizer focada em doenças crônicas não transmissíveis.

Jovens: vergonha e silêncio

depressão

A desinformação sobre a depressão alimenta o estigma e a vergonha que o paciente sente. Não por acaso, os jovens demonstram constrangimento para falar do assunto na escola ou trabalho e, até mesmo, com pessoas do convívio próximo: 39% dos adolescentes de 13 a 17 anos dizem que não se sentiriam à vontade para dividir o problema com a família caso recebessem um diagnóstico de depressão, um porcentual bastante acima da taxa média verificada na amostra total de entrevistados, que foi de 22%, como indica a tabela abaixo:

Se você recebesse um diagnóstico de depressão, se sentiria à vontade para falar sobre isso com a sua família?
    IDADE
TOTAL 13-17 18-24 25-34 35-54 55 OU MAIS
Sim 78% 61% 75% 70% 85% 89%
Não 22% 39% 25% 30% 15% 11%

Entre os jovens de 18 a 24 anos, o silêncio sobre a depressão também é uma defesa para a falta de confiança que eles sentem em seu entorno social: a maioria dos entrevistados dessa faixa etária, ou 56% do grupo, declara que também não se sentiria à vontade para contar sobre um diagnóstico de depressão no trabalho ou na escola, um porcentual que cai para 28% entre a população de 55 anos ou mais de idade. Considerando a amostra total da pesquisa, 44% dos entrevistados expressam esse mesmo comportamento.

Se você recebesse um diagnóstico de depressão, você se sentiria à vontade para falar sobre isso no seu trabalho e/ou escola?
    IDADE
TOTAL 13-17 18-24 25-34 35-54 55 OU MAIS
Sim 56% 51% 44% 51% 60% 72%
Não 44% 49% 56% 49% 40% 28%

O principal motivo que levaria o grupo de 18 a 24 anos a esconder a doença no ambiente profissional seria a percepção de que seus colegas não costumam levar a depressão a sério e, portanto, poderiam não acreditar que a pessoa está realmente doente. Já em São Paulo, 40% dos entrevistados dizem que a principal motivação para essa omissão seria o fato de sentirem vergonha de admitir um eventual diagnóstico de depressão.

Ainda em relação aos entrevistados de São Paulo, mais de um em cada cinco (23%) afirma que, caso tivesse de visitar um psiquiatra, iria à consulta sem contar a ninguém. Esse porcentual chega a 25% entre aqueles de 25 a 34 anos. Além disso, 12% dos entrevistados do grupo mais jovem, de 13 a 17 anos, dizem que não iriam ao psiquiatra nem mesmo se recebessem o encaminhamento de um outro médico. No grupo de 25 a 34 anos, 31% daqueles que não iriam ao psiquiatra mesmo com uma recomendação acreditam que esse profissional trata doenças mais graves e que a depressão não seria algo tão sério.

Se você respondeu que não iria ao psiquiatra mesmo com um encaminhamento médico qual seria o motivo para essa decisão?
    IDADE
TOTAL 13-17 18-24 25-34 35-54 55 OU +
Prefiro tentar outros tipos de apoio, como falar com meus amigos 40% 70% 21% 38% 39% 47%
Tenho receio que o médico me receite remédios fortes 21% 26% 15% 29% 11%
Acho que o psiquiatra trata doenças mentais mais graves e depressão não é algo tão sério 21% 16% 31% 21% 26%
Não quero ser vista como uma pessoa desequilibrada 15% 16% 15% 20% 5%
Tenho vergonha 6% 21% 5%
Nenhuma das anteriores 31% 30% 47% 23% 25% 37%

Os adolescentes de 13 a 17 anos também são os que se mostram mais resistentes diante do tratamento para a depressão: 34% desses entrevistados dizem que não tomariam antidepressivos mesmo que o médico as prescrevesse. E 23% dos participantes de 18 a 24 anos teriam essa mesma atitude. “Essa resistência está associada a um profundo desconhecimento sobre os antidepressivos mais modernos. Vale lembrar que estamos falando de uma doença de elevado potencial incapacitante, que pode ser associada a um desfecho trágico, que é o suicídio, mas que pode e deve ser tratada”, destaca Márjori.

Homens: tabus e desinformação

depressaohomem

Se entre os jovens ouvidos pela pesquisa a vergonha diante da depressão se destaca, os homens formam um outro público que merece mais atenção porque, entre eles, os tabus ligados à doença ganham força. Quando perguntados sobre a relação da depressão com a falta de fé, por exemplo, 30% dos homens ou indicam que essa associação é verdadeira ou afirmam que não sabem avaliar sua veracidade. Entre as mulheres, por outro lado, esse porcentual cai para 17%. Esse mito, em particular, também se destaca entre os entrevistados mais velhos, assim como é mais evidente entre os participantes de Fortaleza.

A maioria dos homens também não está convencida de que ter uma atitude positiva e alegria de viver não são suficientes para vencer a depressão. Questionados sobre isso, 55% dos entrevistados do sexo masculino ou acreditam que essas atitudes bastam ou não sabem opinar. Menos da metade, ou 46% da amostra, tem a informação de que se trata de um mito. Além disso, para quase um terço desses entrevistados não está claro que a depressão não é mero sinal de fraqueza ou pouca força de vontade: 29% deles ou acreditam nesse mito ou, pelo menos, estão em dúvida sobre essa afirmação.

Assim como as mulheres, os homens também acreditam que é possível superar a depressão. Mas o suporte médico é menos valorizado por eles: quando perguntados sobre as formas mais importantes de vencer a doença, o acompanhamento médico aparece em terceiro lugar, ao passo que essa estratégia surge na segunda posição para o público feminino. Para ambos, o acompanhamento psicológico é o fator mais citado e, entre os homens, a prática regular de exercícios físicos se destaca também, em segundo lugar.

Questionados especificamente sobre o tratamento medicamentoso, os homens também se mostram mais resistentes do que as entrevistadas. Pelo menos um a cada cinco (21% da amostra) diz que não tomaria antidepressivos mesmo que o médico prescrevesse, um porcentual que cai para 16% entre as mulheres. “Esse é um sinal de alerta muito importante se considerarmos que os homens compreendem a maior parte dos casos de suicídio e a maioria dessas vítimas sofria de transtornos mentais, como a depressão”, reforça Márjori.

Antidepressivos: um amplo desconhecimento

remedio
Pixabay

Mais do que indicar a presença de muitos mitos associados à depressão no Brasil, a pesquisa revela um forte desconhecimento a respeito dos antidepressivos. Só 29% dos jovens de 18 a 24 anos discordam, por exemplo, da falsa afirmação de que os medicamentos mais modernos seriam menos eficazes, uma vez que tendem a provocar menos efeitos colaterais. A maioria, ou 61% desse grupo, não sabe opinar sobre esse assunto.

Entre os adolescentes de 13 a 17 anos, grande parte também não está convencida da eficácia dos antidepressivos. Metade deles fica em dúvida quando está diante da seguinte sentença falsa: “a maioria dos antidepressivos não funciona”. Os mais velhos estão melhor informados sobre essa questão e 58% das pessoas do grupo de 55 anos ou mais discordam dessa frase.

Ainda em relação aos atributos dos antidepressivos, um em cada quatro entrevistados está convencido de que esses medicamentos poderiam “viciar o organismo”. Apenas 41% das pessoas da amostra geral da pesquisa discordam dessa informação. Em São Paulo, 59% dos participantes ou acreditam que essa afirmação é verdadeira ou não sabem responder.

Outros mitos populares, como a ideia de que todos os antidepressivos provocam ganho de peso, também aparecem no levantamento. Considerando a amostra total de entrevistados, 55% das pessoas ou concordam com essa afirmação ou não sabem avaliar se ela é verdadeira. Da mesma forma, para 61% dos participantes não está claro se todos os medicamentos usados no tratamento da depressão podem provocar a queda da libido. Só 14% dos ouvidos discordam da ideia de que os antidepressivos poderiam atrapalhar a concentração.

“Na verdade, tanto a falta de concentração como a queda da libido podem ser sintomas do próprio quadro depressivo. Assim, ajustar a medicação adequada para o perfil de cada pessoa é um caminho importante para auxiliar a restabelecer a funcionalidade desse paciente”, destaca Elizabeth.

Suicídio e o papel do psiquiatra

terapia-serena-wong-pixabay
Ilustração: Serena Wong/Pixabay

Os resultados da pesquisa indicam que a figura do psiquiatra começa a ganhar força nas faixas etárias mais maduras, acima de 35 anos. O público mais velho também tende a ter mais informações sobre os antidepressivos. Entre as pessoas com 55 anos ou mais, buscar um psiquiatra seria a primeira medida a tomar diante de um quadro de depressão grave, incapacitante. Em todas as outras faixas etárias, porém, é o auxílio psicológico que aparece em primeiro lugar. Em São Paulo, contudo, as pessoas disseram que inicialmente conversariam com um familiar: o psiquiatra aparece em terceira posição, depois do psicólogo.

Quando a pergunta é sobre o profissional mais indicado para tratar a depressão, mais uma vez a figura do psicólogo aparece, mencionado por 57% da amostra geral e por 80% dos jovens de 13 a 17 anos. Na comparação entre as regiões pesquisadas, apenas em Porto Alegre (RS) a menção ao psiquiatra prevalece. “As pessoas tendem a subestimar a depressão, como se ela fosse menos importante ou grave que outros transtornos mentais. Por isso, existe naturalmente uma resistência e um estigma associado à consulta com o psiquiatra”, comenta Márjori. “Certamente o psicólogo tem um papel muito importante no acompanhamento do paciente com depressão, mas o psiquiatra é o profissional habilitado a estabelecer o diagnóstico e tratamento medicamentoso adequados”.

Entre os participantes mais velhos, porém, o psiquiatra é destaque quando os entrevistados são convidados a pensar sobre como agiriam diante de alguém que estivesse convencido de que a vida não vale a pena e pensasse na morte como uma solução. Buscar o suporte desse profissional especializado seria a primeira recomendação do grupo com 55 anos ou mais para essa pessoa. A maioria da amostra, contudo, responde que se oferecia para conversar sem julgar. Por outro lado, 28% dos homens diriam para o indivíduo “não pensar em bobagens”. Em Fortaleza, quase uma a cada quatro (23%) recomendaria que a pessoa buscasse uma religião.

A dificuldade em lidar com a temática do suicídio também se evidencia em diferentes pontos da pesquisa. Para 22% dos entrevistados, o assunto ainda é um tabu no Brasil e as pessoas deveriam falar mais abertamente sobre essa questão. Mais de 4 a cada 10 participantes afirmam que já conheceram alguém que tirou a própria vida e o porcentual chega a 51% em Belo Horizonte. “Esses dados apontam o quanto ainda existe espaço para fortalecer essa discussão junto à população, como forma de estimular uma conversa franca sobre a saúde mental com toda a sociedade”, completa Márjori.

Fonte: Pfizer

Conscientização do câncer de pulmão: a importância do diagnóstico precoce

Precisão na definição do tratamento e conhecimento sobre o tumor aumentam as chances de controle da doença em 70%

Agosto é o mês de conscientização sobre o câncer de pulmão, que é o segundo tipo de neoplasia mais comum no Brasil entre os homens e o quarto entre as mulheres. Em 2015, 16.930 pessoas do sexo masculino e 13.680 do sexo feminino morreram no país em decorrência da doença, segundo o SIM (Sistema de Informação sobre Mortalidade).

Para alertar e informar sobre a importância do diagnóstico precoce, foi criada a campanha Respire Agosto, uma realização do Instituto Lado a Lado Pela Vida com apoio das farmacêuticas AstraZeneca, Bristol-Myers Squibb e Pfizer e do laboratório Hermes Pardini. A campanha será veiculada pelas redes sociais do instituto no Facebook e pelo Instagram, que trarão informações sobre o câncer de pulmão, sintomas, prevalência, testes para identificação do tumor e tratamentos existentes. No final de cada post, haverá um link para o portal do instituto, que fornece ao internauta dados mais aprofundados sobre a enfermidade.

O foco da campanha é disseminar informações sobre este tipo de câncer, cuja incidência global pode chegar a 1.8 milhão de novos casos por ano, sendo o tumor que mais mata no mundo, com 1.6 milhão de mortes (de acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS¹). A iniciativa também visa a reforçar a importância do acompanhamento médico de rotina para a saúde do órgão.

Assintomática em fases iniciais, a doença pode ser diagnosticada em qualquer pessoa e em qualquer idade. A prevenção é fundamental para a redução da incidência da doença que, no Brasil, pode checar a mais de 31 mil novos casos no biênio 2018/2019², sendo 18.740 homens e 12.530 mulheres, de acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva).

As causas da doença variam entre as pessoas e podem incluir histórico familiar, hábitos como tabagismo e estilo de vida. O excesso de exposição à poluição do ar e fatores genéticos, por exemplo, também são fatores de risco³.

O diagnóstico precoce é o principal indicador para a escolha do tratamento e para o sucesso da terapêutica empregada, como explica o médico oncologista, membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida e pesquisador da Northwestern University de Chicago, Marcelo Cruz. “O processo para o diagnóstico da doença é o primeiro passo para o controle do câncer. Hoje, o paciente pode ser submetido à análise do genoma do tumor, que identificará o tipo e as terapias que se adequam ao caso. Os estágios iniciais apresentarão mais resultados positivos no combate ao tumor”.

Por meio da análise do genoma é possível identificar biomarcadores que podem ser utilizados como parâmetros biológicos e que determinam, por exemplo, o tipo da doença e quais as opções terapêuticas mais eficazes para um determinado indivíduo. O médico ainda explica que a indicação correta do tratamento amplia as chances de resultados efetivos. “O câncer de pulmão tem variações e cada caso deve ser tratado com unicidade, o que nos exige tratamentos personalizados. A medicina de precisão eleva as chances de controle da doença para 70%, isso aliado à qualidade de vida para o paciente, com menos efeitos colaterais e resultados em taxas de sobrevida”

raio x pulmão torax toubibe pixabay
Pixabay

.

Para tratar a doença, estão disponíveis no país terapias como: quimioterapia, radioterapia, cirurgia, remoção por radiofrequência, terapia-alvo e a imunoterapia.

“A medicina de precisão avaliará qual é o tratamento certo para o paciente, de acordo com o estadiamento do câncer de pulmão, no momento em que poderá apresentar resultados mais satisfatórios”, conclui o oncologista.

A campanha reforça a relevância do diagnóstico rápido e alerta a população de que o câncer de pulmão cresce anualmente entre indivíduos não fumantes. “Atualmente, 20% dos casos registrados são diagnosticados em indivíduos que nunca fumaram, sendo que, na década de 1990, esse índice variava entre 5% e 8%”, ressalta Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Fique atento aos sintomas

O câncer de pulmão pode ter origens e evoluções diferentes, porém os sinais são os mesmos. O paciente que apresenta sintomas constantes, como tosse, falta de ar, dor no peito, cansaço e rouquidão, ou que tenha histórico familiar deve procurar um médico e solicitar o diagnóstico4.

Radiografia do câncer de pulmão no Brasil

Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha em 20165 avaliou a percepção da população brasileira a respeito do câncer de pulmão e revelou que 76% dos entrevistados nunca conversaram com um médico sobre a doença. Entre as 2.044 pessoas ouvidas, em cerca de 130 municípios do país, houve a confirmação de que 17% não sabiam o que fazer para reduzir riscos e não desenvolver a enfermidade, demonstrando o quanto o câncer de pulmão é pouco compreendido pela população. Desse universo, 39% não se preocupavam com a doença, pois não eram fumantes.

Sobre o Instituto Lado a Lado Pela Vida

Há dez anos o Instituto Lado a Lado pela Vida tem se dedicado a levar informação sobre saúde e conscientizar sobre a importância da mudança de hábitos para a adoção de um estilo de vida mais saudável, focado na prevenção. Fazemos isso por meio de nossas Campanhas e Pilares, atuando em todo o Brasil.

Pesquisa aponta que brasileiros querem viver muito, mas descuidam da saúde

Maioria não adota hábitos que poderiam contribuir para a prevenção de doenças e o envelhecimento saudável

Os brasileiros desejam envelhecer com saúde e pretendem viver até os 85 anos, em média, superando a expectativa de vida atual, que é de 75,5 anos, segundo as estatísticas oficiais brasileiras¹. Mas a maioria não adota um estilo de vida que contribua para alcançar esse objetivo, com exercícios físicos regulares, alimentação equilibrada e cuidados preventivos.

Por outro lado, grande parte da população está convencida de que esses hábitos poderiam contribuir para uma maturidade mais saudável. Essas contradições são algumas das conclusões da pesquisa “Como os brasileiros encaram o envelhecimento – versão 2017”, um novo levantamento realizado pelo Instituto Qualibest com brasileiros de todas as regiões do País.

A pesquisa, que envolveu 703 adultos com 18 anos ou mais de idade, faz parte da campanha “Envelhecer Sem Vergonha – Qualidade de vida não tem idade”, uma iniciativa lançada pela Pfizer em 2015, com o objetivo de convocar a sociedade para uma conversa franca e bem-humorada sobre o tema. Naquela ocasião, foi lançada a primeira edição da pesquisa. Desta vez, algumas temáticas foram acrescentadas ao levantamento, como o impacto das mídias sociais para as diferentes gerações.

“As discussões sobre o envelhecimento se tornam cada vez mais prioritárias em uma sociedade que envelhece em ritmo acelerado, como é o caso da população brasileira. Uma vez que existem contradições importantes entre aquilo que o brasileiro almeja para a sua velhice e o que ele de fato faz no presente para garantir esse cenário positivo no futuro, é essencial convocar todas as gerações para um debate verdadeiro e aprofundado sobre o tema”, afirma o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia.

Contradições

medico shutt
Foto: Shutterstock

A maioria dos entrevistados, ou 92% da amostra, afirma que sente medo de envelhecer. E, para esse grupo, os problemas de saúde são justamente o aspecto mais temido quando pensam em maturidade. Por outro lado, os dados da pesquisa apontam que a minoria das pessoas ouvidas pratica atividades físicas, mantém uma alimentação saudável ou cuida da saúde de forma preventiva, hábitos que poderiam contribuir para a prevenção de doenças no futuro. Entre os jovens de 18 a 25 anos, esses cuidados são ainda menos adotados.

Contraditoriamente, os entrevistados demonstram estar cientes de que a prevenção, a nutrição adequada e a prática de atividades físicas são fatores importantes para a manutenção da saúde vida afora. Esses foram os aspectos mais lembrados pelos participantes quando questionados sobre os elementos essenciais para um bom envelhecimento.

Os dados apontam, ainda, que para os entrevistados o aumento da longevidade está fortemente atrelado ao progresso da medicina. Ao listarem os motivos que estariam auxiliando as pessoas a viver mais, os participantes identificaram quatro aspectos relacionados a esse segmento: a melhora na medicina preventiva, como as vacinas (40%), o avanço em medicamentos (38%), a evolução no tratamento de doenças graves (36%) e nos equipamentos de diagnóstico (27%).

Receios e expectativas

desenho -mulher peq

Os problemas de saúde foram mencionados por 70% dos entrevistados que temem o envelhecimento como o principal motivo de receio em relação à maturidade, mas há outros fatores associados a esse sentimento. As limitações físicas, destacadas por 64% dos entrevistados, e os problemas com a memória, ressaltados por 55% do público, também chamam a atenção.

O medo da solidão, mencionado por 45% dos participantes, é outro aspecto que chama a atenção. “No Brasil há uma tendência ao narcisismo, pois os brasileiros cultuam muito a aparência, a juventude. Então, esse medo da solidão pode ser traduzido como um receio de não ser notado, de não ser visto pelo outro no fim da vida, quando já não se tem as características da juventude que a sociedade tanto valoriza“, diz a psiquiatra Rita Cecília Ferreira, do Programa da Terceira Idade do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (IPq-USP).

As preocupações financeiras também foram mencionadas por 45% dos participantes. Mas, ainda que as questões econômicas assumam um papel importante quando os entrevistados são convidados a pensar sobre suas expectativas para a maturidade, envelhecer próximo aos familiares (67%) é o principal anseio do grupo. A segurança financeira aparece em segundo lugar, juntamente com o tempo para realizar sonhos, com 58% das menções.

A análise comparativa entre as duas edições da pesquisa também indica que os entrevistados estão mais à vontade em dizer a idade. Em 2015, 74% dos entrevistados se mostravam confortáveis nesse quesito e a porcentagem subiu para 79% em 2017. Ainda assim, quando se investiga o comportamento de homens e mulheres diante dessa questão, é possível observar que revelar a idade continua a ser um problema maior para elas do que para o público masculino: 6,96% delas se incomodam, ante 3,78% dos homens.

Mais de 70% dos entrevistados afirmam que o envelhecimento não é motivo de vergonha e essa percepção é mais acentuada justamente entre aqueles com 51 anos ou mais, grupo em que essa porcentagem chega a 87%. Apenas 22% dos participantes se dizem constrangidos com a maturidade e, para essa parcela, os principais motivos seriam a dependência para a locomoção, mencionada por 64%, bem como a necessidade de auxílio para atividades rotineiras (60%) ou para complementar o orçamento (51%).

Diferentes gerações, múltiplos olhares

idoso e criança

A convivência entre pessoas de diferentes gerações é valorizada em todas as faixas etárias investigadas pela pesquisa. Entre os mais jovens, de 18 a 29 anos, a maioria (67%) afirma que os familiares mais velhos representam uma fonte de aprendizado. Já para os maiores de 50 anos, o contato com as novas gerações extrapola o núcleo familiar, de modo que 63% deles costumam participar de rodas de conversa com amigos mais jovens.

“Quando netos e avós têm a chance de envelhecer juntos, a história da família se perpetua. A criança e o jovem que convivem com um idoso, além de aprenderem com ele por meio de suas histórias de vida, provavelmente serão mais tolerantes com as dificuldades do envelhecimento no futuro, pois terão estabelecido um forte vínculo”, ressalta a psiquiatra Rita Ferreira.

As diferenças entre as gerações se expressam, principalmente, em seus pontos de vista sobre a própria maturidade. Enquanto 32% das pessoas com 51 anos ou mais afirmam que ficar mais velho está sendo melhor do que imaginavam, apenas 24% dos participantes de 18 a 25 anos compartilham dessa percepção. Ao contrário: 22% do grupo mais jovem diz que a experiência está sendo pior do que o esperado, uma porcentagem superior à média da amostra total (14%). Preocupações financeiras e aumento das responsabilidades explicam a visão negativa dos entrevistados mais novos.

Quando o assunto gira em torno das motivações para viver novas experiências, outras diferenças entre as faixas etárias se destacam. Se o espírito aventureiro é o que impulsiona as duas faixas etárias mais jovens, compreendendo as pessoas entre 18 e 35 anos, a partir dos 36 anos o principal fator considerado pelos entrevistados é a certeza de uma experiência segura, sem muitos riscos, conforme a tabela abaixo:

Facebook e política

Sixty-and-Me mulher computador

Uma das novidades da pesquisa são as informações sobre a vida digital das gerações. Nesse sentido, o Facebook se destaca como mídia transversal, que impacta todas as faixas etárias. Quase oito em cada dez participantes (78%) utilizam a ferramenta, que é a mídia social mais consumida pelos entrevistados, seguida pelo YouTube, com 62%. A navegação pelos sites de busca também é pronunciada, para todas as gerações.

Por outro lado, os dados da pesquisa evidenciam como a importância da televisão diminui progressivamente nas faixas mais jovens: enquanto 84% das pessoas com mais de 51 anos costumam utilizar essa mídia para se informar, apenas 45% daqueles que têm entre 18 e 25 anos utilizam esse recurso. Nessa mesma linha, o rádio é uma das mídias menos consumidas pelos mais jovens, com 14%, porcentagem que sobe para 32% entre os maduros. Essa tendência se verifica também para o consumo de jornais e revistas.

O Instituto Qualibest também investigou quais são os temas que mais interessam aos brasileiros. Embora filmes e séries representem o principal foco de atenção para todos, a discrepância no interesse das gerações por política chama a atenção. Se a temática é considerada importante para 55% dos maiores de 51 anos, só 36% dos mais jovens se interessam por esse assunto. Os mais maduros também são muito mais atraídos pelo jornalismo (79%), na comparação com o grupo dos mais novos (37%).

stock-photo-protest-activist-activism-protests-protesting-protest-sign-peaceful-protest-trump-protest-womans-march-05feefde-0829-4b67-929c-37187db8b7d2
Stock Photo

“A geração mais madura tende a ser mais politizada se considerarmos que essas pessoas passaram pelas grandes transformações sociais do século 20, como a ditadura militar, a revolução sexual e o protagonismo crescente da mulher no mercado de trabalho e nas outras esferas. São pessoas que estão mudando o próprio significado do envelhecimento”, conclui Rita.

Referência:
1. IBGE. Disponível para acesso aqui. Acessado em dezembro de 2017.

Fonte: Pfizer

 

Câncer de pulmão: AstraZeneca, Bristol e Pfizer unidas para acelerar diagnóstico

Objetivo é agilizar a identificação do subtipo do tumor e o tratamento correto para os pacientes

AstraZeneca, Bristol-Myers Squibb e Pfizer anunciaram uma parceria inédita que reúne, pela primeira vez, as três farmacêuticas multinacionais em torno de um objetivo comum: ajudar os pacientes que enfrentam o câncer de pulmão a obter, de forma mais rápida, a correta identificação de seu câncer – tumor e subtipo, iniciando assim o tratamento mais adequado com mais agilidade.

As companhias passam a realizar, de forma consecutiva, três testes comercialmente disponíveis para identificação dos diferentes subtipos da doença: mutação EGFR, translocação ALK e a expressão de PD-L1. Desta forma, utilizando a mesma amostra de tumor retirada para biópsia e, de maneira sequencial, será possível reduzir o tempo de análise e, consequentemente, antecipar o correto diagnóstico da doença.

A realização sucessiva dos testes dará mais velocidade no processo de detecção do subtipo do tumor, diminuindo o tempo de espera do resultado de 90 para 17 dias úteis. “Identificar a correta mutação de maneira rápida ajuda a direcionar o tratamento e, com isso, melhorar os resultados do tratamento”, comenta Marcelo Cruz, oncologista clínico.

Para os pacientes com câncer de pulmão, tempo é um fator muito importante devido a velocidade de progressão da doença, especialmente em fases mais avançadas. Dar agilidade ao diagnóstico significa diminuir a chance de os pacientes serem submetidos a novos procedimentos invasivos para retirada de material tumoral para novas análises e início rápido do tratamento, tempo que pode ser decisivo segundo o médico.

Como funciona

Para implantar o sistema, cada empresa desenvolveu uma plataforma específica que conta com uma infraestrutura de apoio aos programas, compreendendo websites próprios, centrais de atendimento 0800, parceria com laboratórios, entre outros. Os programas foram batizados de ID (AstraZeneca), I-O Detect (BMS) e ALK Alvo (Pfizer). Em cada um deles, os médicos cadastrados poderão fazer as solicitações dos exames de seus pacientes.

As três plataformas possuem mecanismos de compartilhamento das requisições, o que significa que o médico pode optar por solicitar os testes por qualquer um dos programas, além de decidir quais exames são necessários para cada paciente. Os laboratórios credenciados são os mesmos para as três empresas, o que possibilita que todos os pedidos sejam recebidos de uma única vez e, desta forma, o processo seja acelerado para dar a resposta ao paciente o mais rapidamente possível.

shutterstock dna genetica
Shutterstock

Sobre o teste EGFR

O gene do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR), também é uma proteína associada com crescimento e sobrevida celular expressa nos tumores de pulmão. O teste de EGFR é feito justamente para identificar se há este tipo de biomarcador no paciente para definir se o tratamento será feito com medicamentos que previnem a ativação desses biomarcadores, melhorando a sobrevida dos pacientes.

Sobre o teste ALK

O teste do receptor de tirosina kinase (ALK), assim como os anteriores, identifica a proteína presente na superfície dos tumores de câncer de pulmão e associada ao crescimento e desenvolvimento do tumor. Caso a expressão tumoral apresente alterações no gene ALK, o médico saberá indicar qual o melhor tratamento para combatê-lo.

Sobre o teste PD-L1

O teste de proteína de morte celular programada 1 (PD-L1) é hoje o principal biomarcador relacionado a imuno-oncologia. Sua função é indicar a probabilidade de resposta ao tratamento com I-O (imuno-oncológicos), ou seja, identificar quem mais se favorecerá deste tipo de terapia, por meio da análise de uma biópsia do tumor que deve apontar qual o nível de expressão da proteína PD-L1. Quanto maior for esse valor, maior será o benefício da terapia para o paciente.

raio x pulmão torax toubibe pixabay

Sobre o câncer de pulmão

O câncer de pulmão é a principal causa de morte entre homens e a segunda entre as mulheres no país, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). No Brasil, há previsão de 28.190 novos casos de câncer de pulmão entre 2016 e 2017, sendo 17.330 em homens e 10.860 em mulheres. Nos países desenvolvidos, é a principal causa de morte pela doença entre homens e mulheres, de acordo com estudo conduzido pela Sociedade Americana do Câncer em parceria com a Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (IARC).

Fontes: AstraZeneca /  Bristol-Meyers Squibb / Pfizer

 

 

Pesquisa inédita mostra as dores que os brasileiros mais sentem

Na segunda edição do estudo A Dor no Cotidiano, 78% das pessoas relatam dor de cabeça, 63% nas costas e 61% dores musculares

As causas e a intensidade podem ser variadas, mas não é incomum que a dor atrapalhe nossas atividades do dia a dia. A segunda edição da pesquisa A Dor no Cotidiano, realizada pelo Ibope Conecta em parceria com Advil, mostrou as dores que os brasileiros mais sentem.

Dos entrevistados, 78% dizem ter tido dor de cabeça pelo menos uma vez nos últimos três meses, 63% relatam dor nas costas e 61% afirmam ter sentido dores musculares em outras partes do corpo. Sendo que, em 2015, 65% disseram que a dor de cabeça foi a que sentiram com maior frequência nos três meses anteriores à pesquisa, 41% dor nas costas e 40% dores musculares.

De acordo com o estudo de 2016, o estresse é o principal fator que desencadeia a dor de cabeça, enquanto dor nas costas e dores musculares estão relacionadas principalmente à má postura. Quando perguntadas sobre a dor que sentem com mais frequência, a campeã foi dor nas costas, que atrapalha a rotina de 64% dos entrevistados pelo menos uma vez por semana. Mas as dores musculares e a dor de cabeça vêm logo atrás, com relatos de 55% e 58% dos participantes, respectivamente.

dor de cabeça

O médico reumatologista Silvio Figueira Antonio explica que o estresse emocional é um fator determinante para o início, manutenção e amplificação da dor. “Quando estamos estressados, nosso organismo libera substâncias que alteram os neurotransmissores, aumentando a sensibilidade à dor”, esclarece. “Normalmente, sob situação de esgotamento, acabamos descuidando da alimentação, temos dificuldade para dormir e podemos apresentar ansiedade. Todas essas questões contribuem para o aparecimento e a piora do quadro de dor”, destaca o médico que é presidente da Comissão de Coluna Vertebral da Sociedade Brasileira de Reumatologia e médico do Serviço de Reumatologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

Segundo o especialista, de uma forma geral, a lombalgia é uma das queixas mais frequentes nos serviços de saúde. “Tanto o uso excessivo de computador e celular quanto o mobiliário inadequado no ambiente de trabalho contribuem muito para o surgimento das dores nas costas e musculares. O condicionamento físico adequado é outra questão fundamental para evitar o problema”, destaca Antonio.

Mesmo assim, os participantes da pesquisa relatam que a dor de cabeça é a menos tolerada e a que mais prejudica a qualidade de vida. A principal atitude da maioria daqueles que têm dor de cabeça e não querem desistir de suas atividades é tomar um medicamento. O efeito mais procurado é alívio rápido para poder ter de volta o controle da sua rotina (78% das respostas), seguido por efeito prolongado.

dor nas costas uma vida sem dor

Como a dor impacta o dia a dia

Mesmo quando a dor aparece, precisamos seguir em frente com nossas diversas atividades, seja no trabalho ou nos compromissos com a família ou com amigos. Isso nem sempre é fácil, já que apenas um quarto dos entrevistados da pesquisa A Dor no Cotidiano diz conseguir realizar todas as atividades da forma como gostaria quando está sentindo dor, independentemente se é uma dor de cabeça, nas costas ou muscular.

Para 63% dos participantes, o sentimento desencadeado por esse sofrimento é irritação e mau humor. O especialista esclarece que a dor diminui nossa capacidade de trabalho e disposição para as atividades de lazer. “Quando sentimos dor, processamos as informações de forma mais lenta e temos dificuldade de seguir uma sequência de pensamentos, fazendo com que tenhamos pouca paciência”.

Jovens sentem mais dor de cabeça

O tipo de dor e a forma de lidar com ela estão diretamente relacionados à idade. Os mais jovens relatam sentir mais dor de cabeça (86% dos entrevistados com até 24 anos tiveram dor de cabeça nos últimos três meses) do que as pessoas mais velhas (50% das pessoas acima dos 55 anos referiram o problema). Porém, as dores musculares são mais comuns nesse segundo grupo.

E a vida corrida parece ser a responsável pela dor que os mais jovens sentem. Dos internautas brasileiros com até 34 anos, 80% apontam estresse e excesso de trabalho ou estudo como principal causa da dor de cabeça. Porém, aqueles que menos toleram a dor e buscam uma solução mais rápida são os homens e mulheres entre 35 e 54 anos – que dizem não aguentar a dor e buscar uma solução imediatamente.

“Apesar de a tolerância à dor no idoso ser mais baixa, a necessidade de seguir com as atividades do dia a dia costuma ser maior em adultos, que estão numa faixa economicamente ativa e precisam trabalhar e cuidar dos filhos, por isso a solução rápida é mais apontada”, ressalta a gerente médica da Pfizer Consumer Healthcare, Yvi Gea.

Metodologia da pesquisa

Conduzida pelo Ibope Conecta-I, a segunda edição da pesquisa A Dor no Cotidiano foi elaborada para entender quais situações mais desencadeiam a dor, quanto ela pode atrapalhar a rotina das pessoas e como os brasileiros lidam com ela.
A pesquisa contemplou 1.500 entrevistas, realizadas pela internet com homens e mulheres, acima dos 16 anos, das classes ABC, em todo país, com base proporcional à da população de internautas do Brasil. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais.

Fontes da pesquisa:
A Dor no Cotidiano
Ibope Conecta, setembro de 2015.
Ibope Conecta, setembro de 2016.

Fonte: Advil/Pfizer

Atividades físicas ajudam a combater dores crônicas

Exercícios são a intervenção não medicamentosa mais usada e estudada para tratar a fibromialgia

Que praticar exercícios físicos regularmente ajuda a controlar a pressão arterial e a diabete, além de contribuir para a manutenção do peso saudável, não é novidade. Mas também as pessoas que sofrem de dores crônicas, como os pacientes de fibromialgia, podem se beneficiar das atividades físicas. Embora a doença não tenha cura, a prática de exercícios físicos é, justamente, a intervenção não medicamentosa mais empregada e estudada para o tratamento dessa enfermidade.

Mais comum entre as mulheres, especialmente entre os 30 e os 50 anos de idade, a fibromialgia é uma síndrome de alta prevalência na população mundial. Doutor em reumatologia pela Escola Paulista de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo, o médico Milton Helfenstein diz que o aumento dos níveis de neurotransmissores que inibem a dor, liberados durante o exercício físico, ajudam a trazer bem-estar ao paciente.

Todos os tipos de atividades físicas são recomendadas para os pacientes com fibromialgia, exceto se houver alguma doença concomitante que ofereça contraindicação. “Há evidências de que a atividade física aeróbica pode melhorar o quadro doloroso, o sono, os aspectos psicológicos e a qualidade de vida. Portanto, quando são respeitados os limites e o condicionamento atual da pessoa, a atividade física não é prejudicial”, afirma Helfenstein.

A maioria dos pacientes costuma se beneficiar mais de modalidades aeróbicas, como caminhada, corrida, bicicleta, dança, natação e hidroginástica. Também são boas opções o tai chi chuan, a ioga e o qigong, um tipo terapia de movimento chinesa.

Um cuidado importante é procurar orientação profissional para que os exercícios sejam adequados ao perfil do paciente. “Os programas de exercícios aeróbicos devem ser individualizados, ter início em um nível logo abaixo da capacidade aeróbica do paciente, e progredir de forma lenta e gradual em frequência, duração e intensidade, assim que seu nível de condicionamento e de força aumentarem”, esclarece o médico.

Para se beneficiar da atividade física, é indicado exercitar-se pelo menos três vezes por semana. Recomenda-se evitar treinos no final da noite, para que o sono não seja prejudicado. A melhora da capacidade cardiorrespiratória e da qualidade do sono, além da correção de posturas inadequadas e da prevenção de outras enfermidades, são mais alguns dos benefícios que as atividades físicas proporcionam aos pacientes.

Vale ressaltar que exercícios não substituem o tratamento medicamentoso. Ambos devem ser realizados concomitantemente, de forma complementar. Os analgésicos podem ser utilizados para aliviar os sintomas. Contudo, as melhores opções são os medicamentos que atuam alterando as mensagens de dor transmitidas para o cérebro. Este é o caso da pregabalina, cuja ação é diminuir a liberação de neurotransmissores que pioram a dor, reduzindo o excesso de mensagens de dor transmitidas para o cérebro. Ao amenizar esse incômodo, o medicamento também melhora a qualidade do sono do paciente e reduz a ansiedade. Contudo, para identificar o melhor tratamento e obter o diagnóstico correto é fundamental procurar um reumatologista.

Fonte: Pfizer