Arquivo da tag: prosecco

Mionetto lança no Brasil a sua versão Prosecco Rosé DOC

Marca do Grupo Henkell Freixenet foi uma das pioneiras na produção do Prosecco Rosé por atender as normas de produção da Denominação de Origem Controlada (DOC)

A Mionetto, marca do Grupo Henkell Freixenet, anuncia uma novidade ao mercado. Após o relançamento do prosecco Mionetto, em dezembro, a marca amplia o seu portfólio no Brasil com a chegada do Mionetto Prosecco Rosé DOC.

Produzido a partir de uma combinação entre as melhores uvas Glera e Pinot Noir, o Mionetto Prosecco Rosé possui uma cor rosa clara, inspirada nas flores de pêssego e o seu sabor tem notas claras de toranja e frutas vermelhas. O frescor marcante de Mionetto é intensificado pela longa maturação que dura em torno de 60 dias, diferente dos 30 dias necessários para o desenvolvimento do prosecco branco, proporcionando à nova bebida um aroma de mel e crosta de pão.

O resultado dessa combinação garante ao prosecco um produto premium e de alta qualidade com um caráter delicado e moderno. Mionetto Prosecco Rosé DOC é ideal para acompanhar aperitivos diversos e pratos leves como saladas ou frutos do mar preparados à moda mediterrânea, por exemplo.

Além do sabor inigualável, o Prosecco Rosé DOC também recebeu a certificação vegana garantida pela V-Label, um registro internacional que identifica e aprova produtos que não contenham ingredientes derivados de animais.

O CEO do Grupo Henkell Freixenet no Brasil, Fabiano Ruiz, explicou o motivo da denominação DOC do produto. “A produção de Mionetto atende a uma série de normas firmadas pela Denominação de Origem Controlada (DOC) do Prosecco. Até 2020, pelas regras estabelecidas pelo Consórcio, só era permitida a produção de prosecco branco. A ideia de investir na produção de rosé começou a ser trabalhada com mais força em 2018. Dois anos depois, a proposta de alteração das normas foi acatada por unanimidade junto ao Comitê Nacional de Vinhos do Ministério da Agricultura italiano e Mionetto foi uma das pioneiras a conseguir a liberação para produção do Prosecco Rosé”.

Ficha Técnica
Uvas: um blend de Glera e Pinot Noir, vinificada em tinto.
País de Origem: Itália
Vegetariano/Vegano: sim
Grau alcoólico: 11%
Harmonização: aperitivos e frutos do mar
Nota olfativa: aroma de mel e crosta de pão
Nota gustativa: sabor de frutas vermelhas e toranja
Classificação: extra seco

A novidade faz parte da estratégia de consolidação da marca no Brasil. O Mionetto Prosecco Rosé DOC estará à venda no e-commerce da Henkell Freixenet. O lançamento terá um ticket médio de R$ 106,90.

Prosecco Mionetto: versatilidade na composição de coquetéis e drinques

Frescor é a marca registrada do prosecco, o tradicional espumante italiano que vem para conquistar seu espaço no verão. Uma das principais combinações do prosecco é na preparação de drinques.

Leve e com teor alcoólico menor do que a vodka, os coquetéis com prosecco são mais amenos. Por isso, vale a pena incorporar o espumante nas receitas de alguns drinques. De volta às prateleiras, Mionetto, do Grupo Henkell Freixenet, chega para resgatar o prestígio do Prosecco no Brasil.

Para isso, além de sugerir o consumo convencional, a marca também se posiciona no mercado como um produto versátil para coquetelaria. Nesse verão, Mionetto aposta em dois drinques fáceis de preparar e que podem ser feitos em casa, o Mango Mimosa e o Negroni Sbagliato.

Mango Mimosa

Ingredientes
3 doses de Prosecco Mionetto
3 doses de Suco de laranja
2 colheres de purê de manga
1 dose de xarope de framboesa
1 colher de suco de limão
½ colher de açúcar
Pedaços de manga e alecrim para decorar

Modo de preparo:
Misture tudo e sirva

Negroni Sbagliato

Ingredientes
1 dose de vermute tinto
1 dose de Campari
1 dose de Prosecco Mionetto
Metade de uma fatia de laranja
Gotas de Angostura a gosto (opcional)
Cubos de gelo a gosto

Modo de preparo:
Misture tudo e sirva

Prosecco Mionetto está à venda na loja na versão Brut de 750 ml e 200 ml ao preço sugerido de R$ 99,90 e R$ 36,90 respectivamente.


Espumantes: confira guia sobre a bebida preferida das celebrações

Espumantes remetem a celebrações, ao brindar a vida e aos inícios, sendo geralmente a bebida escolhida para o réveillon

Em clima de festas de final de ano, a sommelière Érika Líbero preparou um Guia dos Espumantes incluindo dicas de 10 espumantes brasileiros que custam até R$ 100,00. O espumante é um dos tipos de vinhos mais democráticos. Tem para todos os gostos, todos os níveis de açúcar, todas as cores, todos os bolsos e acompanha todos os tipos de refeição – da entrada à sobremesa.

Érika começa explicando o que é o espumante: é o vinho que passa por duas fermentações, a primeira para transformar a uva em um vinho base branco ou rosé, e a segunda para adicionar o gás carbônico nesse vinho base.

Métodos para produção de espumante

Há três métodos para produção dos espumantes. Para obter um espumante, o vinho base deve ser fermentado novamente para a formação da perlage (aquelas bolhas do espumante). Essa segunda fermentação pode ser feita de dois métodos:

Tradicional: também conhecido como método champenoise ou clássico, a segunda fermentação ocorre na garrafa.
Charmat: a segunda fermentação ocorre em tanques de inox e só depois é envasado.
Asti: uma única fermentação. Esse método é uma variação do método charmat, mas consiste em uma única fermentação, gerando álcool e perlages de uma só vez.

Nem todo espumante é champagne ou prosecco

“Vamos começar já dizendo que nem tudo que borbulha é champagne ou prosecco. É muito comum usar os termos ‘champanhe’ e ‘prosecco’ para falar de um espumante.” conta Érika. Esclarecendo algumas dúvidas.

O champagne é o espumante feito em Champagne (região da França) pelo método tradicional (champenoise) com as uvas permitidas na região: Chardonnay, Pinot Noir e Meunier. Outras quatro uvas são permitidas (Arbane, Petit Meslier, Pinot Blanc e Pinot Gris), mas estas representam menos de 0,3% da produção.

Prosecco é o espumante feito no Vêneto (Itália) pelo método charmat com a uva glera. Antigamente, esta uva era chamada de prosecco, mas mudou de nome para evitar que espumantes de outras regiões e países que usassem essa uva também fossem chamados de prosecco.

Cava: é o espumante da região de Penedés (Espanha) com as uvas Macabeo, Xarel-lo e Parellada. É feito pelo método tradicional.

Não se fala “a” espumante e, sim, “o”: “É comum ouvir ‘Vou tomar uma espumante’, mas o correto é um espumante, substantivo masculino”, destaca Érika que também fala sobre a questão linguística em relação ao champagne: “O Volp traz champanhe como substantivo masculino e feminino, portanto é permitido dizer o ou a champanhe.”

Espumantes brancos podem ser feitos de uvas tintas

Uma das uvas de champagne é a pinot noir, uma uva tinta. Um espumante branco pode ser feito 100% com esta uva. O termo usado para um espumante feito com uvas tintas é blanc de noir, enquanto que blanc de blancs só leva uva branca. Quando encontrar um rótulo com a descrição blanc de blancs, se trata de um espumante branco feito exclusivamente com uvas brancas. Em geral, esses vinhos são produzidos 100% com a uva chardonnay.

Você sabia que a pressão de uma garrafa é superior a 4 atm?

Um dos fatores que classifica um espumante é a pressão, que deve ser acima de 4 atm – atm é a unidade de medida da pressão atmosférica, ou seja, a força exercida pelo ar. Uma pressão de 4 atm pode causar um bom estrago, por isso, cuidado ao abrir uma garrafa de espumante. A gaiola, aquele arame que segura a rolha, está lá justamente para a garrafa não expulsar a rolha, então, a partir do momento que a gaiola é retirada, a atenção deve ser redobrada para evitar acidentes.

Érika compara: “Para ter uma ideia do que é 4 atm, a panela de pressão de 4 litros tem 2,5 atm (temperatura acima de 100 graus Celsius), já o pneu de caminhão, geralmente, tem 4 atm. Não precisa se apavorar, mas é bom manipular com cuidado. Não aponte a garrafa em direção às pessoas, animais, objetos, e cuidado com lâmpadas e lustres!”

Já reparou que, em geral, o espumante não é safrado como outros tipos de vinho? Sim, geralmente não há o ano da safra no rótulo do espumante. Isso ocorre porque o enólogo faz cortes com diferentes safras para manter o padrão do espumante ano a ano.

O termo Brut encontrado nos espumantes diz respeito ao teor de açúcar. Conferindo o teor de açúcar do espumante, de acordo com a descrição do rótulo:

Nature: até 3g
Extra–brut: superior a 3g e até 8g
Brut: superior a 8g e até 15g
Sec (ou seco): superior a 15g e até 20g
Demi-sec (meio-seco ou meio-doce): superior a 20 e até 60g
Doce: superior a 60g

No Brasil, há um espumante que pode ser chamado de champanhe

A Vinícola Peterlongo possui um espumante que pode ser chamado de champanhe. O Recurso Extraordinário 78.835 concedeu de maneira irrevogável o direito do uso do termo champagne em alguns de seus rótulos. Ela foi a pioneira na produção de espumantes no Brasil, em 1915.

Espumantes tintos?

Não é muito comum, mas existe. No Brasil, duas vinícolas já produziram espumante tinto com a uva merlot: Estrelas do Brasil e Guatambu. A vinícola Viapiana (Flores da Cunha-RS) lançou um espumante tinto elaborado 100% com a uva gamay.

Hamonizações

Érika destaca a versatilidade do espumante: “É um tipo de vinho que vai bem do começo ao final da refeição. Espumantes harmonizam da salada à sobremesa”. A sommelière dá uma sugestão de ordem para que os espumantes sejam servidos do início ao fim da refeição:

Entrada: brut/nature elaborado pelo método charmat.
Prato principal: brut/nature elaborado pelo método tradicional.
Sobremesa: moscatel, elaborados pelo método asti.

Os espumantes brasileiros estão entre os melhores do mundo

“Pode comprar sem medo! Temos espumantes de todos os métodos , todos os teores de açúcar e todas as cores. Recebem vários prêmios mundiais e são elogiados mundo afora. Não tenha medo de comprar espumantes nacionais baratos, temos excelentes opções, aqui abaixo sugiro 10 espumantes nacionais por até R$ 100,00”, conta Érika.

Em relação às regiões que produzem espumantes no país, a sommelière explica que Garibaldi é conhecida como a capital nacional do espumante, já Farroupilha é a capital nacional do moscatel e a Região do Vale do Rio São Francisco produz excelentes espumantes.

Confira abaixo as sugestões de Érika:

Virtus Brut
Vinícola: Monte Paschoal
Região: Farroupilha – RS
Uvas: Prosecco, Trebbiano e Moscato
Preço Médio: R$ 29,90

Miolo Cuvée Tradition Brut Rosé
Vinícola: Miolo
Região: Vale dos Vinhedos – RS
Uvas: Pinot Noir
Preço Médio: R$ 89,00

Penultimo
Vinícola: Villaggio Conti
Região: São Joaquim – SC
Uvas: Ribolla Gialla, Vermentino e Glera
Preço Médio: R$ 62,00

Terranova Brut Rosé
Vinícola: Miolo
Região: Vale do São Francisco – BA
Uvas: Grenache
Preço Médio: R$ 60,00

Salton Evidence
Vinícola: Salton
Região: Serra Gaúcha – RS
Uvas: Chardonnay e Pinot Noir
Preço Médio: R$ 75,00

Amitié Cuveé Brut Rosé
Vinícola: Amitiè
Região: Farroupilha
Uvas: Chardonnay e Pinot Noir
Preço Médio: R$ 79,00

Garibaldi Prosecco
Vinícola: Garibaldi
Região: Garibaldi – RS
Uvas: Glera
Preço Médio: R$ 30,00

Cave Amadeu Brut
Vinícola: Família Geisse
Região: Pinto Bandeira – RS
Uvas: Chardonnay e Pinot Noir
Preço Médio: R$ 72,00

Sur Lie Casa Valduga
Vinícola: Casa Valduga
Região: Vale dos Vinhedos – RS
Uvas: Chardonnay e Pinot Noir
Preço Médio: R$ 78,90

Moscatel Cave Antiga
Vinícola: Cave Antiga
Região: Farroupilha – RS
Uvas: Moscato Giallo, Moscato de Alexandria, Moscato Bianco
Preço Médio: R$ 55,90

Os preços apresentados aqui foram consultados em 07/12/2021.

La Macca apresenta Quarta-Freixenet especial de Dia dos Namorados

Cardápio com receitas exclusivas e harmonizadas com o Prosecco da marca foi elaborado especialmente para a data

No dia 12 de junho, a Quarta-Freixenet do La Macca estará ainda mais especial. Em comemoração à data mais romântica do ano, o Dia dos Namorados, o restaurante italiano preparou um menu exclusivo com entrada, prato principal e sobremesa (R$ 135 mais serviço) com receitas harmonizadas com o Prosecco da marca.

Os clientes que reservarem uma mesa para essa opção de menu especial serão recepcionados com uma taça do Freixenet Prosecco para brindar à data e celebrar o amor. De cor amarelo palha, possui efervescência viva e aromas frescos de frutas cítricas, maçã e flores. No paladar, leve e fresco com tons de limão maduro, maçã verde e toranja.

Confira as opções do menu de Dia dos Namorados:

Entrada

la macca.jpg

la macca3.jpg

Crema di Asparagi con Uovo Poché (creme de aspargos verdes com ovo poché e perfume de trufas) ou Tartare di Salmone con Sour Cream (tartar de salmão com sour cream)

Prato principal

la macca 2

Spaghetti Caccio Pepe La Macca (spaghetti caccio pepe ao nosso estilo) ou Gamberi allo Prosecco con Risotto di Porri (camarões ao Freixenet Prosecco com risoto de alho poró)

Sobremesa

Millefoglie (tradicional mil folhas com creme de baunilha) ou Crostata al Limone (torta de limão)

La Macca Maccaroneria Di Gragnano – Rua Haddock Lobo, 1589 – Cerqueira César – Horário de funcionamento: quarta-feira: das 12h às 15h e das 19h30 às 23h30

La Pastina lança panetone recheado com creme de prosecco

Todos ficarão com água na boca neste fim de ano. A La Pastina traz da Itália seu panetone, este ano ainda mais recheado com creme de Prosecco DOCG. Um produto surpreendente e diferente de todos do mercado.

A receita, criada especialmente para a marca, tem como base as tradicionais fórmulas artesanais italianas, utilizando processos de fermentação longos e ingredientes naturais.

A cada novo preparo, um pedacinho do Lievito Madre, base para o fermento que se mantém vivo há muitos anos, é misturado à água e à farinha e descansa por dois dias, dando origem ao fermento natural que será utilizado na preparação. Além de todos os ingredientes especialmente selecionados, mistura-se unicamente manteiga. Para completar este produto único, o aroma utilizado na massa, chamado de Spumadoro, é uma receita especial que combina óleos cítricos e um blend de essências e açafrão. O resultado é um panetone 100% artesanal, com uma massa leve e macia.

O toque final e especial é o Prosecco DOCG, a matéria-prima do creme que recheia o panetone, finalizando com excelência este produto com sabor inigualável e inesquecível.

Um panetone delicioso e especial, assim como são as festas de fim de ano. Em uma linda caixa, o Panettone de Prosecco da La Pastina é uma ótima opção para presentear. O produto está disponível nas principais lojas do Pão de Açúcar, no Eataly, Santa Luzia, Varanda, nas lojas da World Wine, empórios, delicatessens e varejos especializados em todo Brasil.

Panettone LP (6)

Preço médio: R$ 150,00 (900 gramas).

Informações: La Pastina –  SAC: 0800-7218881

Freixenet lança Prosecco no Brasil

Novidade reforça posicionamento da marca que está sempre antenada às novas tendências mundiais do mercado de espumantes

Freixenet, conhecida como uma das maiores produtoras de espumantes do mundo há mais de 100 anos, anunciou uma novidade. Após longas negociações, a marca decidiu estender sua expertise e seu nome – globalmente conhecido – para anunciar o lançamento de um Prosecco ao seu portfólio global, mesclando qualidade superior com beleza estonteante. A garrafa se assemelha a uma produção em bico de jaca com tons pastéis e traduz toda a sofisticação e glamour de um Prosecco de linha Premium.

Produzido a partir das melhores uvas Glera da região de Vêneto, na Itália, o Freixenet Prosecco é tão distinto quanto refrescante. Os cachos inteiros de uvas são suavemente prensados e o suco passa por um processo de fermentação lenta para preservar os delicados aromas e frescor da uva. A segunda fermentação ocorre a uma temperatura controlada em tanques de aço inoxidável pressurizados.

Após algumas semanas, os demais açúcares naturais resultam em um vinho espumante fresco, frutado e de caráter sedutor. De cor amarelo palha, possui efervescência viva e aromas frescos de frutas cítricas, maçã e flores. No paladar, leve e fresco com tons de limão maduro, maçã verde e toranja.

“Na Europa e EUA o Prosecco está ganhando cada vez mais força na categoria de espumantes, por ser um produto que tem melhor aceitação com um consumidor mais jovem, já que ele se encaixa perfeitamente nos encontros descontraídos entre amigos e nas celebrações especiais do dia a dia. A Freixenet, como marca líder em produção e venda de espumante de qualidade, sentiu a necessidade de ter uma opção de produto dentro da nova tendência que está cada vez ganhando mais terreno na categoria”, explica Fabiano Ruiz, diretor executivo da Freixenet e fundador da filial brasileira.

De acordo com ele, a iniciativa foi uma decisão ousada. “Por ser uma grande aposta, demoramos em conseguir encontrar a qualidade da casa em um rótulo de Prosecco. Atualmente anuncio que temos em nosso portfólio uma das opções de Prosecco mais Premium do mercado atual”, pontua.

Com 150 anos de história e presente há 20 anos no mercado brasileiro, a marca é conhecida por sua produção de Cavas. Atualmente a Freixenet produz 100 milhões de garrafas por ano e em seu portfólio no país estão disponíveis os rótulos Cordón Negro, Carta Nevada e Cordón Rosado. Além disso, a marca ainda tem o Freixenet Vintage Brut Nature (sem adição de açúcar), a coleção Premium, Elyssia Gran Cuvée, Elyssia Pinot Noir, além da Super Premium Reserva Real, rótulo que pode ser comparado aos melhores champagnes do mundo. Cada um com sua particularidade e sua história, os produtos da Freixenet tem o perfil ideal para brindar todos os grandes momentos da vida.

freixenet

Ficha técnica Prosecco D.O.C:
Garrafas: 750ml
Uvas: 100% Glera
Grau alcoólico: 11 %
Açúcar: 17 g/l

Informações: Freixenet Brasil

Casa Santa Luzia apresenta opções de presentes para os namorados

Para ousar no presente de Dia dos Namorados e torná-lo ainda mais especial para quem vai recebê-lo, a Casa Santa Luzia oferece o serviço de personalização de cestas para a data.

É possível montá-las de acordo com os gostos e particularidades de cada pessoa, sempre tendo o auxílio da equipe da casa, altamente qualificada e experiente na montagem de cestas e que poderá contribuir com dicas e recomendações para compor a seleção de itens.

Com embalagem apresentada especialmente para a data, as sugestões de cestas elaboradas pela casa vão das mais românticas, como as que levam amêndoas, chocolates, um mix selecionado de frutas secas, espumante e ursinho de pelúcia, às mais sofisticadas, que trazem, além de chocolates e espumantes, azeitonas, biscoitos, nuts e queijos.

Confira duas sugestões:

Opção 1

cesta dia dos namorados 3.png
1 unidade de Amêndoa torrada (200g)
1 unidade de Espumante Seco Rose Comte Neufchatel (750ml)
1 unidade Chocolate com marzipan Niederegger (75g)
1 unidade de Chocolate Lindor Milk Heart (48g)
1 unidade de grissini miniqueijo (100g)
1 unidade de mix damasco/ameixa/tâmara (280g)
1 unidade – urso de pelúcia (30cm)
1 unidade – embalagem redonda
Por R$ 319,00

Opção 2

cesta dia dos namorados.png
1 unidade de azeitonas Byblos c/ queijo (250g)
1 unidade de biscoito Walkers Highland (280g)
1 unidade de bombons Guylian (42g)
1 unidade de Espumante Prosecco seco Pianer Le Colture (750ml)
1 unidade de chocolate Cemoi trufado (150g)
1 unidade de mix nuts Santa Luzia (200g)
1 unidade de patê de fígado de pato com vinho (110g)
1 unidade de pistache torrado e salgado Santa Luzia (150g)
1 unidade de queijo brie Bonjour France (125g)
1 unidade – embalagem redonda
Por R$ 310,00

Casa Santa Luzia – Alameda Lorena, 1471 – (11) 3897-5000 – Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 20h45.

 

Conheça as principais diferenças entre os mais diversos tipos de espumantes

De acordo com Lana Ruff, sommelière da Evino, antes de tudo é preciso conhecer os métodos de vinificação para entender as principais diferenças entre Champagne, Prosecco e Cava

Que o espumante é considerado uma bebida clássica ninguém pode negar. Mas você sabe como definir as principais diferenças entre os seus diversos e conhecidos tipos? De acordo com Lana Ruff, sommelière da Evino, antes de tudo, é preciso entender os dois métodos principais de vinificação de espumantes, pois eles são responsáveis por orientar o estilo e o preço da bebida a ser produzida.

Método tradicional (conhecido como champenoise em Champagne): o líquido passa normalmente pela primeira fermentação (a alcoólica – aquela que transforma suco em vinho) e depois é engarrafado para ser submetido a uma segunda fermentação, onde surgirão as borbulhas. Neste caso, uma superfície maior da bebida permanece em contato com as leveduras responsáveis por esses processos fermentativos, o que dá ao vinho notas aromáticas de pão e brioche, além de uma textura cremosa.

Método Charmat: após a fermentação alcoólica, o vinho é mantido em cubas para passar pela segunda fermentação. Só depois disso ele é engarrafado. O contato com as leveduras é pouco, mas as características varietais (aquelas próprias da uva) são mantidas, o que confere ao vinho notas aromáticas frutadas e florais.

vinho champanhe

O famoso Champagne, por exemplo, é o espumante elaborado somente e exclusivamente na região de Champagne, no norte da França. O método utilizado deve ser o tradicional e somente três uvas são permitidas: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier. “Devido ao método champenoise, em que o vinho passa por uma segunda fermentação já dentro da garrafa, é comum sentir aromas que lembram pão, torrada, brioche e manteiga”, explica.

Prosecco_taça

Já o Prosecco é o espumante elaborado somente na região do Vêneto, no nordeste da Itália. O método de vinificação utilizado é o charmat – em que o vinho sofre a segunda fermentação em grandes cubas e, portanto, retém suas características primárias, de frutas e flores. “A única uva usada também leva o nome de Prosecco, embora recentemente tenha sido reapelidada de Glera. Em geral, os espumantes Proseccos tendem a ser refrescantes e oferecem abundância de borbulhas”.

cava elcarbonwww

Não podemos esquecer o Cava. Pouco conhecido pela grande maioria, ele é considerado o espumante favorito dos espanhóis e sai majoritariamente da região da Catalunha, no nordeste da Espanha. De acordo com a sommelière, são produzidos segundo o método tradicional, tipicamente com as uvas Macabeo, Parellada e Xarel-Lo. As uvas Chardonnay e Pinot Noir também podem ser utilizadas e, para os rosés, estão permitidas Garnacha, Monastrell e até Cabernet Sauvignon.

“Cava é caracterizado pela excelente relação de custo-benefício e por funcionar como uma espécie de meio termo entre champagne e prosecco. Isso porque ele herda características das leveduras, mas, como normalmente passa menos tempo em contato com elas na garrafa, retém aromas frescos de frutas e flores”, pontua.

champanhe espumante pixabay
Pixabay

De acordo com Lana, todos os exemplos citados acima são considerados espumantes. “Para ser espumante basta ter perlage (conjunto de borbulhas). A borbulha é simplesmente o gás carbônico gerado no processo fermentativo do vinho e retido nele com condições especiais de temperatura e pressão”. Para ela as principais diferenças entre os mais diversos tipos de espumantes são consideradas fatores culturais que motivam métodos de produção diferentes.

“Nem sempre é fácil distinguir um tipo de espumante de outro. Um aspecto que nos traz dicas e permite diferencia-los é o aroma. Champagnes cheirarão a pão e brioche em virtude do maior contato com leveduras enquanto os espumantes Charmat oferecerão uma característica mais frutada e, em geral, cítrica”, finaliza.

Fonte: Evino

Fim de ano: champanhe, prosecco, cava ou espumante?

A Vinho & Ponto, rede de wine stores que aposta na democratização do consumo de vinhos, possui uma seleção exclusiva de champanhes, proseccos, cavas e espumantes para as celebrações neste final de ano.

“Frescos, festivos e versáteis, espumantes, champanhes e proseccos têm lugar garantido nas festas de Natal, Ano Novo e confraternizações realizadas nesta época. No portfólio da Vinho & Ponto temos diversas sugestões e produtos exclusivos para variados paladares, bolsos e estilos”, comenta o sommelier-chefe da Vinho & Ponto, Eliton Bertoli.

Será que o consumidor entende as diferenças entre as ‘bebidas borbulhantes’? Através de suas 35 lojas em todo o Brasil, a Vinho & Ponto busca empoderar o apreciador fornecendo informações – e ampla variedade de produtos – para auxiliar na hora da escolha do rótulo.

Eliton Bertoli resumiu as diferenças em um guia prático e rápido que dialoga com os consumidores “entrantes” e aqueles que já acumulam carimbos no passaporte de degustações. Todos os produtos indicados podem ser encontrados na loja online da wine store.

Champanhe

Espumante branco ou rosè elaborado na região de Champagne, nordeste da França, à base das uvas Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier e sob o método Champenoise, que consiste em uma segunda fermentação da bebida na própria garrafa para eliminar resíduos e expandir os gases, resultando em espumantes mais complexos e elegantes, com uma perlage (borbulhas de gás carbônico) fina e constante. Só podem ser chamados de Champanhe os fermentados de uva da região francesa, por isso a indicação vai para duas opções da icônica Cattier, produtora ‘trè chic’ de vinhos finos.

cattier

O Cattier Brut Icone (R$ 823,00) – em sua versão de 1.5 L perfeita para grandes famílias – champanhe fresco e vivaz, traz ao paladar uma mistura de aromas florais e tropicais, e é ideal para as celebrações na praia, no campo ou à beira da piscina. Para quem prefere a sutileza dos rosès, o Cattier Glamour Rose (R$ 431,00), champagne com aroma de morangos, cerejas e groselhas, vai ser a escolha perfeita.

Os Champagnes Cattier são perfeitos para acompanhar os snacks pré-ceia, como frutas, canapés e queijos, por sua leveza, cremosidade e maciez.

Prosecco

Prosecco é todo vinho efervescente originário da região de Vêneto, especificamente das denominações de origem Valdobbiadene e Conegliano, que leva somente a uva Glera em sua composição. Diferente dos champagnes, o espumante italiano é elaborado pelo método Charmat, que consiste na segunda fermentação realizada em tanques de aço inox.

Para brindar a bella Itália, a dica é abrir o Costaross D.O.C. Prosecco Treviso Brut (R$ 78,00), espumante com aroma de frutas brancas (pêras, maçãs etc.) e boa intensidade; fresco e com sabor agradável e harmonioso que promete agradar até os mais difíceis paladares.

costaross

Do mesmo produtor, mas indicado para os que preferem mais taninos e complexidade, o Costaross D.O.C.G. Prosecco Valdobbiadene Superiore Extra Dry (R$ 106,00), é um espumante de aromas delicados e frutados, com paladar intenso e final prolongado.

Os borbulhantes italianos são muito indicados para harmonizar com canapés, saladas e, inclusive, com o bacalhau da ceia.

Cava

Nesta categoria entram os espumantes produzidos exclusivamente na Espanha, com as uvas Parrelada, Xarelo e Macabeo. Também elaborado sob o método Champenoise (segunda fermentação da bebida na própria garrafa), o Cava oferece uma excelente relação custo-benefício, por ser uma alternativa mais acessível em comparação com os borbulhantes franceses.

Das terras espanholas, serão bem-vindos à ceia dois rótulos da centenária Castellblanch, uma das vinícolas pioneiras na produção de Cavas. O primeiro é o Castellnou Cava Brut (R$ 82,00), opção fresca e revigorante que combina as três uvas para resultar em um vinho dotado de frescor e com sabores cítricos, de melão maduro e pêssego. Perfeito para acompanhar o tradicional tender por contrapor carnes untuosas com seu paladar seco e acidez suave.

semi seco

A segunda indicação é o Castellnou Cava Semi Seco (R$ 82,00), com paladar ligeiramente amargo, mas muito agradável por levar uma sensação de doçura à boca. Fresco e equilibrado, traz aromas de fruta madura e sabores cítricos, com uma persistente efervescência de finas bolhas, altamente indicadas para acompanhar receitas com bacalhau e saladas.

Espumante

Também conhecido como sparkling wine, o espumante é todo vinho branco (ou rosè) efervescente, por conter gás carbônico, elaborado em diferentes regiões do mundo. O indicado para quem busca uma opção de espumante de alta qualidade é o Orfila Brut (R$ 39,90), da argentina Bodega Orfila. Com borbulhas finas, delicadas e persistentes, o elegante vinho traz aromas de flores brancas e notas de pêssego. No paladar, é equilibrado e tem leve acidez, combinação perfeita para acompanhar com o tradicional Panetone.

orfila brut

Informações: Vinho & Ponto

Revista Britânica revela que prosecco italiano é o vinho preferido dos ingleses

A revista britânica Morning Advertiser, revista semanal que cobre e analisa o mercado de pubs no Reino Unido, divulgou uma pesquisa em dezembro último, realizada em parceria com a empresa de consultoria mundial CGA Strategy, que revelou as 100 marcas de bebidas alcóolicas e refrigerantes que os pubs da região deveriam ter no estoque.

A pesquisa se baseou na preferência dos consumidores e nas métricas de venda de cada bebida. Entre os vinhos, o espumante Fantinel Prosecco Extra Dry ficou em primeiro lugar. Em segundo e terceiro lugar no ranking de vinhos, ficaram o champanhe francês Moët & Chandon Brut Imperial e o vinho Jack Rabbit Sauvignon Blanc, do Chile.

fantinel_prosecco_extra_dry_doc

Na classificação geral, o Fantinel Prosecco Extra Dry ficou em vigésimo lugar, à frente de marcas internacionais como Baileys e Johnnie Walker. No Brasil, o prosecco – que é produzido por uma das vinícolas mais tradicionais da região de Friuli Venezia Giulia, na Itália – é exclusivo da Wine.com.br.

Para ver a lista completa, acesse: Top100Brands.

Informações: Wine.com.br