Arquivo da tag: Saudável

Pizza: confira 3 receitas saudáveis para comer sem culpa

Ingredientes leves e recheios nutritivos permitem que o prato preferido da maioria dos brasileiros seja consumido com mais frequência e dentro de um plano alimentar equilibrado

O Dia Nacional da Pizza foi comemorado neste mês. Popular no mundo inteiro, encontrou na cidade de São Paulo um local propício para se tornar um sucesso, dado o grande número de imigrantes italianos que fixou endereço na capital paulista.

Foi por isso que, em 1985, o secretário de turismo do Estado, Caio Luiz de Carvalho, promoveu um concurso para eleger as dez melhores receitas das pizzas de muçarela e napolitana. A adesão ao concurso foi tão grande que Carvalho sugeriu que o dia do encerramento do evento se tornasse a data nacional para homenagear a pizza.

É difícil encontrar quem resista à iguaria, e prova disso é que o Brasil é o segundo país do mundo no ranking global de consumo de pizzas, ficando atrás somente dos Estados Unidos. Por dia, mais de um milhão de pizzas são consumidas por aqui. Uma pesquisa da Galunion, em parceria com o Instituto Qualibest sobre comportamento alimentar na pandemia, mostrou que 93% das pessoas adotaram de vez o hábito de cozinhar em casa. No levantamento anterior, foram listados os alimentos de maior preferência para preparação e consumo, e a pizza representou 73% da escolha entre os participantes.

Pizzas saudáveis existem?

Normalmente, a versão tradicional da pizza tende a ser preparada com ingredientes de alto teor calórico e carboidratos refinados, além de recheios ricos em gorduras saturadas. Mas, se a receita for adaptada com itens mais saudáveis e nutritivos, é possível consumir o prato com mais frequência, dentro de um plano alimentar equilibrado, permitindo “comer sem culpa”.

A engenheira de alimentos e gerente de pesquisa e desenvolvimento da Jasmine Alimentos, Melissa Carpi, explica que a elaboração de produtos cada vez mais saborosos vem sendo uma estratégia crescente da indústria de alimentos saudáveis no mundo. “Essa tendência global é a prova de que é possível consumir produtos mais saudáveis de forma prática, apenas substituindo a farinha de trigo refinada pela integral, com impacto super positivo à saúde”, diz.

Aproveitando ingredientes e produtos da marca, a Jasmine elaborou três receitas de pizzas feitas à base de massas nutritivas e recheios saudáveis, pensando na biodisponibilidade de nutrientes e fitoativos e na promoção do bem-estar físico e mental:

Pizza Napolitana Low Carb

Foto ilustrativa

Ingredientes
1 xícara (chá) de Farinha de Chia Jasmine
1 xícara (chá) de Farinha de Linhaça marrom Jasmine
3 colheres (sopa) de azeite de oliva extravirgem
1 colher (sopa) de fermento químico
2 ovos (podem ser substituídos por ovos veganos)
1 xícara (chá) de água
Sal a gosto

Sugestão de recheio
Molho de Tomate Orgânico com Manjericão Jasmine
Queijo vegano ou queijo muçarela (de búfala é ainda mais saudável)
Tomate cereja
Folhas de manjericão fresco

Modo de preparo: bata os ovos, junte o azeite e, aos poucos, acrescente as farinhas. Adicione a água e misture bem até formar uma massa. Coloque o fermento e mexa novamente. Tempere com sal e coloque em um prato untado com azeite. Deixe descansar por 20 minutos. Asse por aproximadamente 20 minutos. Cubra com o queijo e o tomate e termine de assar por mais 15 minutos. Decore com manjericão e sirva.

Benefícios: farinhas de chia e linhaça agregam alto valor nutritivo de gorduras monoinsaturadas, ômega-3 vegetal e fibras prebióticas à receita. Dessa forma, é possível reduzir o teor de carboidratos, como é comum na pizza tradicional. A sugestão de recheio é leve e ajuda a dar um sabor harmonioso na preparação, devido ao manjericão fresco.

Pizza Integral de Cogumelos

Foto ilustrativa: Willi Heidelbach/Pixabay

Ingredientes
2 xícaras (chá) de Farinha Integral Jasmine
½ xícara (chá) de Linchia (Linhaça + Chia) Jasmine
3 colheres (sopa) de azeite de oliva extravirgem
1 colher (sopa) de fermento químico
2 ovos
1 xícara (chá) de água
Sal a gosto

Sugestão de recheio
Passata Orgânica Jasmine
Queijo muçarela
Cogumelo Shitake picado (pode ser substituído por Shimeji ou Porto Belo)
Folhas de rúcula

Modo de preparo: bata os ovos, junte o azeite e, aos poucos, acrescente a farinha integral e a lichia. Adicione a água e misture bem. Coloque o fermento e mexa. Tempere com sal e coloque em um prato untado com azeite. Deixe descansar por 20 minutos.Coloque no forno por aproximadamente 30 minutos para assar bem a massa integral. Cubra com o recheio e asse por mais 15 minutos. Decore com as folhas de rúcula e sirva.

Benefícios: a receita de pizza com farinha de trigo integral traz um sabor semelhante à pizza tradicional, contudo, apresenta maior teor de fibras solúveis, ajudando na absorção controlada do carboidrato da própria massa. O recheio de cogumelos fornece alto índice de vitaminas e minerais, tornando a preparação ainda mais saudável.

Pizza de Escarola Sem Glúten

Foto ilustrativa

Ingredientes
2 xícaras (chá) de Aveia Flocos Finos Sem Glúten Jasmine
1 colher (café) de sal
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
9 colheres (sopa) de água

Sugestão de recheio
Molho de tomate Orgânico Jasmine a gosto
Muçarela de búfala
Folhas de escarola
Palmito em tiras
Azeitonas cortadas

Modo de preparo: misture a aveia em flocos finos com os ingredientes e jogue aos poucos a água. Sove com a mão e deixe descansando por 10 minutos em um recipiente untado com azeite. Abra a massa em forma de pizza e leve para assar por 25 minutos. Coloque o recheio e asse mais 15 minutos.

Benefícios: a aveia é uma fonte de fibras betaglucanas que possui propriedades significativas na modulação do intestino. Dessa forma, essa receita de pizza agrega alto teor nutricional no cardápio, além de ser uma versão inclusiva na rotina de pessoas com restrição ao glúten. O recheio proposto para essa massa ainda oferece mais fibras e um equilíbrio de vitaminas e minerais.

Fonte: Jasmine

Alfarroba é excelente substituta do chocolate; confira receita de bolo

Nutricionista da Bio Mundo comenta sobre vantagens do fruto para o organismo das pessoas

Quem não sente vontade de comer aquele chocolate depois do almoço? Para algumas pessoas essa é uma verdadeira tentação, ainda mais quando estamos em algum tipo de dieta. Porém existe uma alternativa, a alfarroba. A fruta de origem mediterrânea pode substituir o cacau nas receitas e trazer ainda mais benefícios para o organismo.

O que é alfarroba?

A fruta, proveniente da alfarrobeira, é uma espécie de vagem e sua polpa, quando moída e torrada, provê um pó rico em nutrientes. Quando colocados lado a lado com o cacau, percebesse que são alimentos muito similares quanto ao gosto e a aparência, sendo a alfarroba levemente mais adocicada.

Mas qual é a opção mais saudável? Nessa disputa acirrada a alfarroba leva a melhor. A nutricionista Ellen D’arc, da Bio Mundo, explica que, apesar de ambos serem bons para a saúde, o cacau possui 23% de gordura, enquanto a frutinha do mediterrâneo possui apenas 0,7%. “Além disso, a alfarroba também é rica em antioxidantes, em vitaminas e baixo índice glicêmico”, acrescenta.

Muitos benefícios

As vantagens de incluir a alfarroba na alimentação são inúmeras. O alimento é rico em fibras naturais que regulam a flora e o bom desempenho intestinal, além de promover uma digestão com mais qualidade. A pele também não fica de fora desse combo de benefícios. A nutricionista explica que a fruta é abundante em vitaminas A e C, poderosos antioxidantes que previnem o envelhecimento precoce, além de estimular a produção de colágeno. “A alfarroba não possui nenhum agente estimulante, como a cafeína. Também não contem alergênicos e por ser um fruto possui açucares naturais”, completa a especialista.

O coração agradece

E ainda dá para ficar melhor! “A alfarroba também ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, visto que é fonte abundante de gorduras poli-insaturadas, aquelas benéficas ao organismo, reduzindo os níveis de mau colesterol (LDL) no sangue”, explica a nutricionista.

Liberada para todos

Desde diabéticos até gestantes, todo mundo pode usufruir dos benefícios do fruto. As fibras presentes na alfarroba retardam o processo de digestão e evitam os picos de glicose, auxiliando no tratamento da diabetes. “Para as gestantes, o magnésio é essencial para evitar o risco de osteoporose e ainda colabora na tolerância à dor” acrescenta Ellen.

Bolo de Alfarroba

Ingredientes:
150 g de manteiga
75 g de farinha de alfarroba
3 ovos
180 g de açúcar mascavo claro
Uma pitada de sal
½ colher de chá de essência de baunilha
65 g de farinha de trigo integral
½ colher de chá de fermento químico
Preaquecer o forno a 180º C.

Modo preparo:
Untar com manteiga e polvilhar levemente com farinha uma forma com cerca de 18 x 20 cm. Derreter a manteiga em banho-maria ou no micro-ondas. Misturar bem a manteiga com a farinha de alfarroba. Em uma travessa separada bater os ovos com o açúcar, o sal e a baunilha até que fiquem leves e espumosos. Adicionar a mistura de manteiga e alfarroba e continuar a bater até que esteja uma massa homogênea. Juntar a farinha peneirada com o fermento e bater levemente, apenas até misturar todos os ingredientes. Leve ao forno por cerca de 25 minutos ou até que esteja cozido e tenha o centro ligeiramente úmido. Retirar do forno e deixar arrefecer durante cerca de 5 minutos antes de desenformar.

Fonte: Bio Mundo

Home office se consolida após um ano, mas como tornar essa prática mais saudável?

Para boa parte da população mundial, o trabalho remoto se tornou uma realidade em 2020, e após um ano, o home office vem se consolidando como modelo de trabalho eficiente. Existem empresas que já estão adotando os modelos híbridos, e muitos acreditam que o futuro do trabalho será exatamente neste formato. Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira, comenta sobre novos formatos de trabalho e traz 5 dicas para auxiliar os profissionais a viverem um home office saudável e eficiente.

Foto: Lumen/Pexels

De acordo com a pesquisa realizada pela empresa de softwares Salesforce, 42% dos entrevistados gostariam de seguir em casa mesmo com o fim da pandemia. Já no Brasil, o interesse é ainda maior, 57% desejam ter essa possibilidade. Uma outra pesquisa realizada pelo Índice de Confiança Robert Half (ICRH), consultoria de recrutamento, mostra que 91% dos profissionais qualificados acreditam que o futuro do trabalho será de modelo híbrido, revezando entre dias presenciais e remotos.

Neste cenário, muitas empresas ainda prometem beneficiar os colaboradores a trabalhar de qualquer lugar ou o anywhere office, como algumas consultorias em recursos humanos vêm chamando essa tendência.

Para Rebeca Toyama, mesmo com o mundo em constante mudança e novos modelos de trabalhos surgindo, os profissionais precisam estar preparados para uma rápida adaptação. “E as empresas têm um papel fundamental para os profissionais se sentirem seguros, prontos, e competentes nestas mudanças. Apostar em líderes e gestores capazes de se conectar com as equipes para extrair o melhor de cada um, esse ponto já era importante, agora na era do trabalho remoto, se tornou imprescindível. ”, comenta Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira.

Mesmo com o trabalho híbrido, onde os colaboradores se dividem em trabalhar alguns dias no escritório e os outros dias em casa, é necessário manter uma rotina e contar com a organização de tarefas. A especialista lembra ainda a importância de se cuidar da saúde mental e física, pois é a partir de um corpo e uma mente saudável que se consegue manifestar o melhor de cada um. “A importância da organização de tarefas, faz com que os indivíduos tenham equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Ter em mente as prioridades e limitações, manter um cronograma do que precisa ser feito já ajuda a administrar bem as 24 horas por dia e os 7 dias por semana.”, alerta a especialista.

E como fazer para essa prática se tornar eficiente?

Além de cada colaborador cuidar de sua rotina com organização de tarefas e apostar em uma vida saudável, as empresas, por outro lado, precisam implementar novos recursos a fim de definir e reestruturar as necessidades dos profissionais, pensando em novas formas para manter a produtividade, o engajamento e o bem-estar.

“Dificuldades surgem em todas as formas de trabalho, seja presencial, híbrido ou 100% remoto, mas a palavra-chave para evitar desgastes entre os líderes e funcionários é planejamento e comunicação, seja ela síncrona ou assíncrona. Combinar com o time uma estratégia que alinhe valores pessoais e os da empresa, embora não seja fácil, é primordial. ”, finaliza Rebeca.

Para auxiliar os colaboradores e os gestores neste desafio, a especialista em estratégia de carreira, Rebeca elaborou 5 dicas para viver um home office saudável e eficiente.

=Cuidar de saúde física e mental: todos precisam de um tempo para cuidar do corpo, praticar exercícios, se alimentar e dormir bem. Além disso, faz muito bem conversar com pessoas nutritivas, criar metas e objetivos para cumprir e não se cobrar tanto;
=Mantenha o alinhamento das demandas: mesmo a distância, o contato entre os membros de um time deve manter uma dinâmica colaborativa. Esse alinhamento pode reduzir bastante os desencontros do trabalho remoto;
=Planejar e adequar tempo e tarefas: uma das razões principais que ocasionam o acúmulo de tarefas é ruído de comunicação entre líderes e liderados e as dificuldades de adaptação ao trabalho remoto. Saber lidar com a vulnerabilidade e limitação própria e alheia faz muita diferença;

Getty Images

=Respeitar a dinâmica pessoal do colaborador: ignorar a vida pessoal do colaborador não vai aumentar sua produtividade, não podemos esquecer que na expressão home office, o home vem antes do office. O teletrabalho está acontecendo dentro da casa do nosso colaborador. Ajudar a equipe a se organizar e se adequar às demandas profissionais passa por compreender a dinâmica pessoal dele.
=Promover bem-estar e reduzir estresse: implantar programas com esse foco. Planejar momentos de distração e divertimento, e incentivar que as equipes tenham uma vida pessoal saudável, não tem preço.

Fonte: Rebeca Toyama é fundadora da ACI – Academia de Competências Integrativas. Especialista em estratégia de carreira e bem-estar financeiro. Possui formações em administração, marketing e tecnologia. Especialista e mestranda em psicologia. Atua há 20 anos como coach, mentora, palestrante, empreendedora e professora. Integra o corpo docente da pós-graduação da Alubrat (Associação Luso-Brasileira de Transpessoal), da Universidade Fenabrave, do Instituto Filantropia e da Academia GFAI.

Cortar por completo o sal da dieta pode ter consequências indesejáveis

Com as recentes dietas da moda, muitas pessoas vêm cortando, sem necessidade, alguns nutrientes constantemente demonizados, como o sal. Mas embora o excesso tenha efeitos muito adversos, a sua falta também pode causar problemas, que vão desde menor ganho muscular até problemas sérios de saúde

Você já deve ter ouvido falar que o sal e o açúcar em excesso são dois vilões na dieta. Mas isso não necessariamente deve entrar em sua cabeça como uma proibição. “A exclusão total do sódio da alimentação, ou dietas extremamente restritivas, podem levar a um problema conhecido como hiponatremia, que é a diminuição, no sangue, do sódio em relação à água. Isso pode causar edema cerebral e crises convulsivas. Mas além disso, a ausência desse mineral pode levar à dor de cabeça, desidratação intensa, fraqueza muscular, vômitos, diarreias e até mesmo a arritmia cardíaca. Para praticantes de exercícios físicos, a falta de sódio também pode dificultar a contração muscular, piorar o desempenho e causar cãibras”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

“Nosso organismo precisa de sódio, mas em baixas quantidades. Segundo a Organização Mundial da Saúde, devemos ingerir cerca de 2,4 gramas de sódio por dia (5 gramas de sal, aproximadamente). Em países tropicais, com o clima mais quente, transpiramos mais e perdemos mais sal, então zerar a sua ingestão não é recomendado”, explica a médica. Sabemos que o brasileiro adulto ingere em média 12g diárias, mais que o dobro recomendado, portanto para a população em geral a orientação de reduzir o consumo de sal é corretamente aplicada e em muitas situações a quantidade de 5g deve ser reduzida ainda mais, sempre com orientação médica.

Segundo a médica, o sódio é um mineral importante, uma vez que atua em funções do organismo como equilíbrio de líquidos, impulsos nervosos, ritmo cardíaco, contração muscular, entre outros. “O sódio e o potássio no sangue possuem uma função ativa de transporte de nutrientes em níveis celulares. Na prática, isso significa que o sódio ajuda na troca de nutrientes no meio celular, sejam eles aminoácidos, glicose ou água. Por isso, ele será fundamental no processo de contração muscular durante um treino ou esforço físico, por exemplo, e também na recuperação. A ingestão baixa ou zero de sódio em praticantes de musculação pode prejudicar o processo de contração muscular, a recuperação e a qualidade dos treinos”, explica a médica. Essa ideia equivocada de zerar a ingestão de sódio é uma cópia de estratégias do que fazem fisiculturistas antes de competições para desidratar o corpo e melhorar a definição muscular. “Mas isso é nocivo para o organismo”, explica.

Tudo deve ser feito com equilíbrio, já que em excesso ele prejudica a função renal, pode causar problemas cardíacos e desequilíbrio hídrico no corpo. A grande questão para se precaver do consumo excessivo é estar atento ao rótulo dos produtos alimentícios. “Geralmente presente em temperos industrializados, comidas industrializadas, o sódio também está embutido nos alimentos doces (refrigerantes e até água com gás às vezes tem muito sódio). Em excesso, ele vai contribuir com o aumento de pressão arterial, que é um fator de risco para a doença cardiovascular e problemas circulatórios, e aumenta muito a retenção hídrica. Se você tem uma dieta muito rica em sódio, você começa a inchar muito e reter muito líquido no organismo. E isso vai começar a dar problemas de edema em geral, pernas pesadas e cansadas”, afirma a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

O segredo de tudo é a moderação. “Uma dieta individualizada, equilibrada, variada e o mais natural o quanto for possível sempre trará mais benefícios ao organismo do que dietas baseadas em restrições e excessos”, finaliza a médica nutróloga.

Fontes:
Marcella Garcez é Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.
Aline Lamaita é Cirurgiã vascular, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (2000) e dedica a maior parte do seu tempo à Flebologia (estudo das veias). Curso de Lifestyle Medicine pela Universidade de Harvard (2018). Possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.

Doces Funcionais são opção para quem tem restrições ou quer manter dieta na Páscoa

Chocolates sem açúcar e sem leite, com ingredientes naturais, estão cada vez mais caindo no gosto dos brasileiros

Para a maioria das pessoas, a Páscoa representa uma ocasião para saborear chocolates, símbolo dessa data tão querida pelos brasileiros. Por outro lado, esse momento acaba sendo um desafio para quem está seguindo um plano com restrições alimentares, adeptos a dietas low carb, veganos e/ou intolerantes apaixonados por doces.

Foi pensando nesse público que a chef Tálita Kitzinger, da Baranauê Confeitaria Funcional, criou um cardápio especial com ovos funcionais, saudáveis e tão deliciosos quanto os tradicionais. A confeitaria, que não utiliza açúcar, glúten e nem leite na composição dos doces, terá esse ano sabores diferenciados para agradar todos os gostos.

“A novidade da linha é o ovo de pistache com a casca recheada à base de brigadeiro vegano de pistache e bombons brigadeiro. Também fizemos uma revisão na linha dos ovos de colher, adicionando o ovo bolo de cenoura e repaginando o ovo de pão de mel, que, agora, também é vegano além de ser low carb”, revela a chef.

Vale ressaltar que a busca por doces saudáveis vem crescendo durante a Pandemia. Segundo dados do Google Trends, o crescimento no início da quarentena em 2020 foi de 20% no mesmo período do ano anterior.

Produzidos com chocolates belga zero açúcar (65%), com manteiga de cacau pura, esses doces prometem ressignificar receitas clássicas com ingredientes naturais. Além disso, durante o processo nenhum tipo de lácteos ou refinados é utilizado, priorizando ingredientes orgânicos, leites vegetais e farinhas saudáveis, adoçando, quando necessário, com eritritol e stévia.

Para a chef, a opção de doce saudável durante este período pode ajudar na saúde e no bem-estar das pessoas. “Acredito que neste momento tão sensível que estamos vivenciando, ter a possibilidade de degustar um doce do bem e com benefícios nutritivos reais pode fazer toda a diferença a longo prazo”, finaliza.

A Baranauê vende para todo o Brasil pelo e-commerce, WhatsApp e redes sociais. Os produtos oferecidos atualmente são: brownies funcional, latas de bombons recheados, bolos de pote, nuts caramelizadas e pão de mel veganos. Além da linha especial de ovos de Páscoa.

Muffin de abóbora com coco e manjericão: receita agridoce criativa e saudável

Opção também é ótima para um café da manhã leve, almoço ou jantar

A Healthy Chef Dani Faria Lima desenvolveu uma receita agridoce saudável para complementar o lanche das tardes de verão, mas que também pode ser uma ótima opção para o café da manhã, almoço ou jantar acompanhado de uma salada refrescante.

Feita com abóbora, coco e manjericão, o muffin pode ser preparado em apenas 30 minutos. “De acordo com o paladar de cada um, é possível também incluir extrato de baunilha, para dar equilíbrio no sabor, além de especiarias que mais agradam a família”, explica a chef.

Muffin de abóbora com coco e manjericão

Ingredientes (parte 1):
½ xícara de chá de farinha de coco branca
½ xícara de chá de farinha de amêndoas
¼ xícara de chá de castanhas picadas grossas
½ xícara de chá de folhas de manjericão picadas
¼ colher de chá de noz-moscada ralada na hora
¼ colher de chá de canela em pó
1 colher de chá de fermento químico para bolo

Ingredientes (parte 2):
4 ovos
½ xícara de chá de purê de abóbora
¼ xícara de chá de leite de coco
¼ xícara de chá de óleo de coco
2 colheres de sopa de açúcar de coco
1 colher de chá de extrato de baunilha

Substituições permitidas:
Açúcar de coco por: xilytol, eritrirol, néctar de coco, calda de tâmaras, mel
Manjericão por: espinafre, salsinha, cebolinha
Leite de coco por: leites de preferência
Purê de abóbora por: purê de cenoura, batata doce, mandioquinha
Farinha de amêndoa por: castanha-de-caju ou misturas de castanhas (demais farinhas precisam ser testadas)
Ovos não têm substituição nesta receita

Modo de preparo:
Separe todos os ingredientes da parte 1 em um bowl e misture bem. Enquanto isso, leve ao liquidificador os ingredientes da parte 2 e bata por 4 minutos. Depois coloque o líquido nos ingredientes secos do bowl, misture bem a massa delicadamente e distribua em forminhas para muffins (pode ser forminhas de silicone ou simplesmente unte a forma). Também é possível distribuir a massa em uma forma única para tortas. Decore com semente de abóbora, castanhas picadas ou gergelim. Preaqueça o forno a 180 graus e leve os muffins para assar na mesma temperatura por 20 a 25 minutos. Depois é só servir e aproveitar.

Fonte: Healthy Chef Dani Faria Lima

Entenda por que é tão difícil parar de comer certos alimentos

Alimentos hiperpalatáveis são aqueles difíceis de resistir; Marcella comenta um pouco sobre o assunto.

Você já se deparou com uma situação na qual não consegue parar de comer um alimento, mesmo que a fome já esteja saciada? Talvez esse seja um alimento “hiperpalatável”. Esse termo foi cunhado por cientistas da Universidade de Kansas, Estados Unidos, e se referem àqueles que, devido à combinação de alimentos ligados ao sabor, são difíceis de resistir.

“Um alimento hiperpalatável é aquele que o resultado dos componentes, como gordura, sódio, açúcar e carboidratos o torna mais saboroso. Exemplos são chocolates, salgadinhos de pacote e biscoitos, mas ainda há uma grande limitação nas pesquisas que envolvem esse tipo de alimento”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Levando em consideração a falta de um consenso para o tema, pesquisadores desenvolveram uma definição quantitativa para os alimentos hiperpalatáveis, como foi publicado pelo periódico Obesity em novembro de 2019. Os pesquisadores definiram como alimentos hiperpalatáveis aqueles que contêm mais de 25% de sua energia proveniente das gorduras e 0,3% ou mais do seu peso de sódio, como o bacon, cachorro-quente e algumas pizzas; mais de 20% de sua energia proveniente de açúcares simples e o mesmo percentual de gorduras.

Foto: Karin Henseler/Pixavbay

Por exemplo: brownie, bolo e sorvete; ou mais de 40% da energia proveniente de carboidratos e 0,2% do seu peso de sódio, como pães e biscoitos. Esses alimentos podem estar envolvidos na ativação do nosso circuito de recompensa, criando uma experiência altamente gratificante. Assim, fica difícil parar de comê-los, mesmo quando já estamos saciados”, complementa a nutróloga.

Um dado interessante da pesquisa é que até alimentos ditos dietéticos podem estar inclusos no grupo dos hiperpalatáveis. Como explicar isso? Segundo Marcella, muitos alimentos definidos como zero, diet ou light são vendidos como “mais saudáveis; porém, ao reduzirem um determinado nutriente, como as gorduras, são adicionados nutrientes compensatórios, como carboidratos. Além disso, para manutenção do sabor e textura, aditivos alimentares costumam ser utilizados. O estudo indicou também que alimentos naturais (não industrializados) não apresentaram critérios de hiperpalatabilidade.

Por fim, Marcella diz que não é necessário cortar completamente esse tipo de comida da alimentação, contanto que os excessos sejam evitados. “Ter conhecimento que certas combinações tornam os alimentos mais palatáveis contribui para comermos com mais consciência. O ideal é se consultar com um profissional da nutrologia para realizar uma dieta equilibrada e ideal para o que o seu corpo precisa”, finaliza a especialista.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Dia da sobremesa: confira receitas de opções rápidas e práticas para comemorar

Ontem foi comemorado o Dia da Sobremesa, mas todos os dias podemos festejar essas delícias. E quem ensina a preparar duas delas é o chef Thiago Ribeiro, especializado na cozinha de alimentos funcionais e saudáveis. Já participou do Bake Off Brasil e foi o primeiro a entrar no programa com bolo funcional, sem açúcar, farinha refinada e conservantes. Ele é o responsável pelo Paleo Delícia.

Confira as receitas:

Scones de coco com uva passa

Ingredientes:
60 g de óleo de coco
80 g de farinha de coco
80 g de farinha de amêndoas
55 g de farinha sem glúten (cassava, arroz, aveia)
10 g de fermento químico
60 g de xilitol ou açúcar demerara
60 g de coco ralado desidratado fino
75 g de uva passas
175 ml de leite de coco concentrado

Modo de Preparo:
Pré aqueça o forno a 220 ºC. Unte uma assadeira com óleo de coco Spray. Coloque o óleo de coco e as farinhas em uma tigela grande e misture com a ponta dos dedos até obter a consistência de farofa. Acrescente o adoçante e as passas e misture. Adicione o leite de coco aos poucos enquanto sova a massa. Se ficar pegajosa, acrescente mais farinha sem glúten.
Coloque a massa sobre uma superfície enfarinhada e abra na espessura de 1 cm. Use um cortador redondo para modelar os scones e coloque na assadeira, faça o mesmo com o restante da massa. Pincele a superfície dos scones com leite de coco e asse por 10 minutos ou ate a massa crescer e começar a dourar.

Bolo Piscina de Cookies & Cream

Ingredientes

Bolo
4 ovos
6 colheres de sopa farinha de smêndoas
2 colheres sopa farinha de coco
2 colheres sopa farinha de linhaça
4 colheres sopa de eritritol, ou xilitol ou açúcar demerara
4 colheres sopa de cacau
2 colheres sopa de óleo de coco
2 colheres sopa de fermento químico

Ganache
25 g chocolate branco
1 colher de sopa de óleo de coco extravirgem
150 g de creme de leite fresco ou 30% gordura

Modo de preparo
Bata os ovos no liquidificador com o Adoçante Escolhido, adicione o óleo de coco e continue batendo, em um bowl misture todos os ingredientes secos até ficar homogêneo, então adicione os líquidos e misture delicadamente até incorporar tudo. Unte e enfarinhe uma forma com óleo de coco e cacau em pó. Adicione a massa e leva para assar em forno preaquecido a 180 graus por 30 a 35 minutos. Prepare o ganache de cobertura, derreta o chocolate branco com o óleo de coco em banho-maria, adicione o creme de leite e misture até ficar homogêneo, deixe esfriar.
Desenforme o bolo, deixe esfriar e coloque o ganache. Para para decorar, acrescente algumas raspas de chocolate 70%.

Shake de café com cacau é ótima opção para refrescar

A nutricionista Ale Luglio ensina como fazer um shake saboroso e estimulante, ideal para os lanches intermediários. O café e o cacau possuem propriedades estimulantes, que podem oferecer uma energia extra entre as refeições, além de apresentarem ações antioxidantes.

A bebida Choconuts, da A Tal da Castanha, é rica em gorduras saudáveis, proporcionando maior sensação de saciedade e controle do apetite. A castanha-de-caju é o ingrediente secreto do Choconuts. Ela é responsável pela entrega de nutrientes, sabor, cor e pelo aspecto cremoso do alimento.

Além da castanha-de-caju, a bebida apresenta somente água, cacau e açúcar demerara como ingredientes, diferente da maioria das bebidas achocolatadas do mercado que, além de alto teor de açúcar, tem aditivos adicionados, como aromatizantes, corantes, espessantes e conservantes. Confira o passo a passo da receita e a faça em casa.

Shake de café com cacau

Ingredientes:
• 200 ml da bebida Choconuts da A Tal da Castanha;
• 1 colher de sobremesa de café solúvel;
• 1 colher de sobremesa de cacau;
• 5 gotas de strevia (opcional)
• 1 colher de café de extrato de baunilha;
• Gelo a gosto.

Modo de preparo:⠀
Bata todos os ingredientes no liquidificador e consuma em seguida.

Fonte: A Tal da Castanha

Flormel lança três sabores de snacks saudáveis

Tem novidades nas gôndolas dos principais supermercados em julho

Há mais de 30 anos propondo uma alimentação mais consciente e prazerosa, a Flormel apresenta a linha Parô, que faz parte da linha de snacks salgados e chegou para proporcionar uma pausa saborosa na rotina agitada de quem não abre mão de cuidar do corpo e da mente.

O produto é assado e feito com farinha de grão de bico, azeite extravirgem e temperos que agradam todos os paladares. Isso sem falar na lista de ingredientes naturais que é livre de corantes, aromatizantes e conservantes artificiais.

Os novos protagonistas dessa linha chegam nos sabores de Multigrãos, Tomate & Manjericão e Parmesão & Gorgonzola, sendo ideais para levar na bolsa ou na mochila.

paro2paroparo1

Os produtos das linhas Parô chegam às gôndolas de todo o Brasil com o preço sugerido de R$ 4,90.

A linha de produtos também pode ser pedida pelo site da empresa.