Arquivo da tag: setembro amarelo

Setembro Amarelo: comportamentos suicidas e como ajudar

Setembro Amarelo: identifique cinco comportamentos que levam a depressão

Desde 2015, no mês de setembro, ocorre o “Setembro Amarelo”, campanha brasileira de prevenção ao suicídio. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), até 2020, a depressão será a doença mental mais incapacitante do planeta, e a cada 40 segundos, uma pessoa tira a própria vida.

Carlos-Florêncio2

Pensando nisso, Carlos Florêncio, psicoterapeuta e autor do livro “Tudo certo!”, criou o PHVida, metodologia que busca o aperfeiçoamento das potencialidades do indivíduo com o objetivo de que o mesmo alcance a excelência humana. Desde sua criação, o método já ajudou mais de 30 mil pessoas, tanto no Brasil quanto no exterior, a superarem conflitos internos e se curarem da depressão.

“Infelizmente no Brasil ainda há muito estigma em relação à depressão que, muitas vezes, é encarada como falta de fé, fraqueza e até mesmo preguiça. Na maioria das vezes o suicídio pode ser evitado, caso seja percebido previamente no indivíduo sinais de que ele está deprimido. Esses sinais são atitudes que impedem a pessoa de progredir e alcançar seus próprios objetivos, ou seja, são comportamentos de autossabotagem”, explica Florêncio.

Confira abaixo cinco comportamentos de autossabotagem que Florêncio listou para identificar a depressão, seja nos outros, ou até mesmo, em você:

Solidão e ansiedade

tristeza-ansiedade-depressao

Encarada por muitos como o “mal do século”, segundo Florêncio, a ansiedade é fruto da solidão, e esse sim é o verdadeiro distúrbio do novo milênio. Em um mundo cada vez mais digital as pessoas tendem a não se encontrar fisicamente, o que gera um maior número de indivíduos solitários e, por consequência, mais pessoas com ansiedade. Ansiosas por reconhecimento, encontrar alguém ou até mesmo compartilhar o que sentem. A ansiedade pode ser identificada por um humor triste, insônia, preocupação excessiva, sensação de que algo ruim irá acontecer, e até mesmo ser levada a níveis extremos, com verdadeiras crises que podem ser notadas previamente com sinais como boca seca, fadiga, enjoos, tontura, falta de ar, entre outros.

Desânimo

depressão mulher tristeza

Em um mundo cada vez mais competitivo e exigente, na maioria das vezes o desânimo é causado pela baixa autoestima. Resultado de padrões de beleza, bullying, estafa mental, estresse, entre tantos outros motivos, o desânimo pode ser identificado por um cansaço frequente, perda ou ganho de peso excessivo e, principalmente, a falta de confiança em si mesmo acompanhada de um pessimismo exagerado para encarar as situações.

Desinteresse por atividades prazerosas

mulher depressao cansaço cama pixabay p

Um dos clássicos sinais de depressão é a perda do interesse atividades que antes o indivíduo achava prazerosas. A pessoa não sente mais prazer pela vida e, na maioria das vezes, não possui mais hobbies ou pratica qualquer atividade de lazer, tendo como rotina ir ao trabalho, voltar para casa e continuar nesse ciclo sem novidades. Acompanhado de uma apatia pelas pessoas e todo o mundo, a depressão pode ser identificada nesse caso como picos de agressividade, bruscas alterações de humor, fadiga constante e o desinteresse sexual.

Dificuldades para dormir ou acordar

shutterstock mulher cama dor depressao

A pessoa com depressão normalmente evita sair de casa. Não quer contato com o mundo, trabalho ou outras pessoas. Nesse sentido, ela encontra no ato de dormir uma válvula de escape, uma fuga da realidade. Em tese, o ser humano dorme normalmente oito horas por noite, mas uma pessoa deprimida pode dormir de 12 horas até um dia completo. O contrário também indica um comportamento de auto sabotagem e por consequência um sinal de depressão. Muitas vezes ansiosas com fatos que talvez nem aconteçam, pessoas deprimidas tendem a ficarem acordadas por noites e mais noites.

Pensamentos de suicídio

sintomas-da-depressão-2

Em um estágio mais avançado de depressão, os pensamentos de suicídio podem se tornar algo constante. Sinais como conversas frequentes sobre a própria morte, automutilação e um profundo ódio ou desprezo a si mesmo, são extremamente preocupantes. Segundo Florêncio, ao identificar esses sinais o indivíduo deve ter alguém ao seu lado, que converse e também o escute. Deve buscar ajuda médica. Mas mais do que isso deve buscar atitudes de amor e compaixão, pois de acordo com o psicoterapeuta, esses são os melhores remédio para curar a depressão.

 

Seis condutas que devem ser adotadas para auxiliar alguém que está pensando em suicídio

Nove em cada dez mortes por suicídio poderiam ser evitadas. A informação da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas, no entanto, quais atitudes devemos ter para auxiliar alguém que precisa de ajuda?

O Setembro Amarelo vem ganhando cada vez mais força. Criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), a campanha tem como proposta associar a cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro).

Desde então, muito tem se esclarecido sobre o assunto. Ideias de estereótipos, por exemplo, foram desmitificadas. “O suicida não tem idade. Ele tem dor e quer acabar com este sofrimento. Ele busca uma solução e para ele o mais rápido é o suicídio”, explica Sônia Grácia Pucci Medina, Professora do curso de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica da Unincor.

A cada 40 segundos, uma pessoa comente suicídio no mundo. No Brasil, a taxa de suicídios para cada 100 mil habitantes aumentou em 7%. O suicídio é um fenômeno complexo, por isso, quais atitudes devemos ter para mudar essa realidade? A professora, pesquisadora e especialista no assunto, nos apresenta seis condutas importantes:

1 – Quebra de tabus

tristeza dor depressão mulher pixabay

No Brasil temos muitos assuntos que ainda são tabus e mitos, por isso, não falamos sobre aquilo que nos saltam aos olhos. Em média, são registrados 37 suicídios, diariamente, no país. É um índice muito alto para um povo considerado alegre, generoso e gentil, diferente de países onde a população vive uma situação de estresse em seu cotidiano. Para mudar essa realidade precisamos falar sobre aquilo que nos incomoda, a respeito do que está à nossa volta. Para isso, o Setembro Amarelo vem para conscientizar as pessoas, para que falem e sejam ouvidas.

2 – Escutar sem julgar

mulher homem conversa trabalho pexels
Pexels

O suicida dá sinais, e a primeira atitude que devemos ter é escutar o que ele tem a dizer. Aquele que tem pensamentos suicidas procura alguém para ouvi-lo sem receber julgamentos, lição de moral ou conselhos. Deste modo, conclui-se que ele só precisa ser ouvido.

3 – Neutralidade e confiança

casal tristeza

O suicida quer dar fim à dor que ele sente e nenhum dos processos pelo quais ele já passou foi capaz de ajudá-lo. De uma maneira geral, todos aconselham ou dão exemplos, mas isso não acaba com a dor, pelo contrário, o sentimento que está internalizado só cresce e o ato do suicídio acaba sendo a única forma que a pessoa encontra. O comportamento daquele que quer ajudar é ouvir, dar um abraço, um aperto de mão (se o suicida permitir, claro) e principalmente se manter neutro e confiável, ou seja, mostrar que nada do que foi dito será compartilhado com outras pessoas.

4 – Observar atitudes é prevenir

mãos ajuda solidariedade

Prestar atenção nas atitudes é um ato de prevenção. Muitas vezes os que estão mais próximos não conseguem enxergar comportamentos extremos, porém, eles são grandes sinais de que existe uma debilidade a ser tratada. Qualquer tipo de violência contra o seu próprio corpo é um ato de atenção. Alguns exemplos já vistos em pacientes são: pessoas que comiam o próprio cabelo e depois o vomitavam; queimar-se com cigarro; cortes em diferentes partes do corpo; roer as unhas até sangrar; depilar partes visíveis do corpo como sobrancelhas, entre outros. Mas, o que fazer ao notar algum comportamento deste tipo? Ouvir, propor o CVV, terapias analíticas ou comportamentais e se colocar como um canal de confiança.

5 – Investigar excessos

alcool bebida pixabay

Houve um caso em que o paciente tinha centenas piercings no corpo. As joias que serviriam para adornar seu corpo, se tornaram-se objetos de violência. Isso é excesso, ou seja, um comportamento que ultrapassa regras ou limites precisa ser observado. Pessoas adictas, de um modo geral, necessitam de atenção. Assim como alcoólatras, dependentes químicos, os verborrágicos e aqueles que possuem algum tipo de transtorno compulsivo.

6 – Mudanças no âmbito profissional

mulher triste cansada

O suicida mostra por meio do seu comportamento que ele está triste, angustiado e insatisfeito. Podemos pensar naquele funcionário que sempre gostou do seu trabalho, sempre teve uma atitude exemplar, mas que, de repente, passou a faltar constantemente. Ao ser questionado, suas respostas são “não consegui me levantar”, “estou com muita dor de cabeça”, “me faltou ânimo”, “eu não consegui dormir”. Muito confundido com preguiça ou irresponsabilidade, os colegas de trabalho, sejam colaboradores ou chefes, não tomam uma atitude de auxílio e sim de julgamento. Neste caso, colocar-se como um canal de ajuda é imprescindível para mudar a realidade.

É preciso estar alerta para interpretar a fala do suicida e prestar ajuda. Ele quer ser ouvido e percebido. Caso você não se sinta preparado para ouvir, poderá auxiliar indicando profissionais especializados. O CVV é uma Associação Civil sem fins lucrativos, filantrópica, de Utilidade Pública Federal (desde1973) que atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio por meio do telefone 188, chat, e-mail e de forma presencial.

Sônia Grácia Pucci Medina é coordenadora do Curso de Pós-Graduação de Teoria Psicanalítica da Unincor. Doutora em Psicologia Social e em Psicanálise pela Universidad John Keneddy em Buenos Aires, é também Mestre em Comunicação e Estudos da Linguagem pela Universidade de Marília. Presidente da Associação Psicanalítica do Município do Rio de Janeiro, trabalha como Psicanalista Clínica, além de ser Pesquisadora da Petrobras na linha de estudo sobre suicídio em trabalhadores confinados em plataformas off shore. Participa anualmente, como conferencista de Seminários Internacionais de Saúde Mental e Atenção Psicossocial em Buenos Aires. É autora do livro “Incongruências”.

Fonte: Unincor

 

Especialista explica causas, sintomas e formas de prevenção que podem evitar o suicídio

Setembro é o mês em que é realizada a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. Dados apontam que são registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de um milhão no mundo.

setembro-amarelo

Trata-se de uma realidade alarmante e que requer atenção redobrada. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

O psicólogo do Hapvida Saúde, Wilton Cabral, aponta que a depressão é uma das principais causas do suicídio, pois as variáveis são inúmeras. “Podemos até pensar que mesmo o indivíduo que cometeu suicídio teria dificuldades de explicar os motivos, pois é uma angústia muito relevante com uma sensação de vazio significativo e sem uma explicação lógica”, explica o médico.

Além disso, ele alerta que é preciso ficar atento e compreender o suicídio como uma realidade que pode afetar pessoas próximas e é fundamental conversar a respeito. “Os suicídios podem ser evitados desde que tenhamos conhecimento sobre seus sintomas, causas e formas de evitá-lo”, destaca o especialista.

Sinais de alerta

MULHER TRISTE DEPRESSÃO

Para contribuir na prevenção do suicídio, Wilton aponta que devemos ser capazes de perceber os sinais de alerta que uma pessoa emite. “Uma pessoa potencialmente suicida pode apresentar como sintomas tristeza significativa com falta de vontade de estar com outras pessoas, mudanças repentinas do comportamento, roupas diferentes do habitual, buscar realizar várias pendências e às vezes até realizar um testamento, podendo apresentar calma e despreocupação após um período de crise de depressão ou ansiedade, bem como pode realizar ameaças de suicídio com frequência”, afirma o psicólogo.

Portanto, o especialista desta que se você perceber que uma pessoa está desinteressada, não tem mais a mesma produtividade em suas atividades de rotina, está isolando-se de amigos e parentes, descuidando-se da aparência ou diz muitas frases relacionadas à morte, isso pode ser sinais de depressão e esse indivíduo está precisando de ajuda.

Como ajudar

cvv

O médico explica que atualmente existem diversos canais em dar atenção e atendimento às pessoas que podem estar precisando de ajuda. Um dos primeiros passos é procurar auxílio com um especialista sobre o assunto, como um psicólogo, o qual irá realizar o acompanhamento adequado e pode encaminhar ao psiquiatra para realização de intervenção medicamentosa.

Outro canal de atendimento é o número 188, do Centro de Valorização à Vida (CVV), que funciona 24 horas por dia, de forma gratuita. Caso considere melhor escrever, pode utilizar o atendimento por chat e e-mail, disponíveis no site do CVV. Todos os atendimentos são mantidos em estrito sigilo.

Fonte: Hapvida

 

Setembro Amarelo: Brasil tem média de 60 mil novos casos de depressão por ano

A partir de 2021, a depressão deverá ser o segundo maior problema de saúde mundial segundo estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde). O número de casos registrados nos últimos anos serve de alerta. Só no Brasil, houve um aumento de 300 mil portadores da doença, passando de 11,2 milhões em 2013 para 11,5 milhões em 2018 – uma média de 60 mil novos casos por ano.

Apesar do problema atingir pessoas de diferentes idades, a OPAS-Brasil (Organização Pan-Americana de Saúde) alerta que os idosos são os que mais enfrentam a depressão. O último levantamento do IBGE sobre a doença reforça que a faixa entre 60 e 64 é a que mais sofre com o problema, ultrapassando 11% do total de diagnósticos. As causas vão desde déficits físicos e cognitivos, comorbidades, uso de medicamentos e mudanças no estilo de vida.

“Há indivíduos com episódios depressivos desde a fase adulta e aqueles que apresentam só ao envelhecer, mais relacionados a fatores como o declínio da saúde, perda do papel social com a aposentadoria e do poder aquisitivo, isolamento e perdas bem significativas como o falecimento de cônjuge, familiares e amigos próximos”, explica Ana Catarina Quadrante, geriatra da Cora Residencial Senior.

Lidando com a depressão

mulher pensando depressao grisalha

Como se sabe, a depressão não tem uma causa específica. Além de associada à reclusão, há outros fatores como má alimentação, dificuldades para dormir, tristeza e traumas. E nos idosos o diagnóstico é mais difícil. Diferente dos jovens, eles não costumam se queixar de desânimo e angústia. Por isso, especialistas recomendam: conversar com quem está depressivo e acompanhar a rotina sempre que possível ajuda.

Segundo a médica, “o primeiro passo é entender que os sintomas depressivos não são normais do envelhecimento. Idosos frequentemente tem queixas leves de humor deprimido, apresentando muitas queixas somáticas (como dores, falta de energia, insônia e falta de apetite) e evoluem com apatia e isolamento social. É importante que os familiares estimulem o idoso a buscar tratamento e, em alguns casos, o acompanhem, uma vez que o indivíduo pode não perceber seu estado de humor ou não ter energia suficiente para buscar auxílio”.

Neste sentido, ganha importância a atuação do cuidador e também o trabalho desenvolvido pelas ILPIs (Instituições de Longa Permanência para Idosos) no acompanhamento da rotina dos idosos e na socialização. A Cora Residencial Senior, por exemplo, disponibiliza atividades diárias que ajudam a evitar a solidão, desde exercícios físicos à jogos e jantares temáticos. A instituição conta com 500 residentes.

idosos

Especialistas alertam para a importância de uma rede de apoio como suporte para o idoso, tanto em casa quanto nos residenciais. Os medicamentos são importantes, mas não se deve ficar restrito apenas a eles. “O tratamento da depressão pode ser dividido em farmacológico (uso de medicações antidepressivas) e não farmacológico, que envolve a atividade física, inserção em grupos sociais e religiosos, meditação e psicoterapia”, completa Quadrante.

Atitudes como respeitar a autonomia do idosos, valorização da autoestima, e claro, o acompanhamento médico são pilares essenciais para vencer a depressão.

Fonte: Cora Residencial

 

Setembro Amarelo: prevenção ao suicídio, Mackenzie realiza ações de conscientização

Segundo dados disponibilizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) o suicídio é a segunda principal causa de morte de jovens entre 15 e 19 anos. Atenta a essa realidade, Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), do campus Higienópolis, por meio do Proato, Programa de Atenção e Orientação ao Aluno, da Capelania Mackenzie e do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), realiza uma série de atividades para conscientizar às pessoas sobre a depressão e à importância da detecção precoce da condição.

Uma dessas ações é a “Chame para uma conversa”, organizada pela Capelania, com o intuito de incentivar o diálogo como uma forma de prevenção às doenças psicológicas e ao suicídio. O atendimento para conversas sobre o assunto é feito pelo PROATO no mezanino do prédio João Calvino. Já os casos de emergência são enviados para o Serviço Médico.

Além disso, durante essa última semana de setembro, acontecem palestras relacionadas ao tema, direcionadas a profissionais da saúde, pais e cuidadores:

“Bullying – Como identificar para prevenir suas consequências?”

Para falar sobre o bullying e suas consequências, no dia 27 de setembro, o 4° Congresso Internacional Sabará de Saúde Infantil, organizado pela Fundação José Luiz Egydio Setúbal e sediado pelo Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da UPM, promove evento com o tema “A Criança no Século XXI”.

Gisela Oliveira de Mattos, psiquiatra, psicodramatista com especialização em violência doméstica contra criança e adolescentes, apresentará a palestra na qual tratará do delicado tema e seus desdobramentos, oferecendo medidas de atenção e prevenção. Para participar, basta acessar este link e realizar sua inscrição.

Serviço
Data: 27 de setembro
Horário: 19h às 20h30
Local: Universidade Presbiteriana Mackenzie – Auditório Benedito Novaes Garcez, Rua Itambé, 143 – Higienópolis
Inscrição: Aqui

“Suicídio: epidemia silenciosa”

No dia 28, a palestra fica por conta do chanceler Davi Charles Gomes, que abordará o tema “Suicídio: epidemia silenciosa”, o evento ocorre no auditório do Centro Histórico, no Encontro para Professores Cristãos.

Serviço
Data: 28 de setembro
Local: Centro Histórico do campus Higienópolis, prédio 1.
Horário: Coffee 16h30/ Palestra 17h

suicidio-card1.png

Para conhecer mais sobre a campanha do Setembro Amarelo, acesse a publicação do Ministério da Saúde: Prevenção do suicídio: sinais para saber e agir.

Fonte: Universidade Presbiteriana Mackenzie

Setembro Amarelo: mês de prevenção ao suicídio – por Petrus Raulino*

É momento de nos aliarmos no Setembro Amarelo com o propósito de conscientizar a população para a prevenção do suicídio. O suicídio relaciona-se a uma interação complexa de vários fatores, físicos, sociais, ambientais e individuais, mas cerca de 96,8% dos casos podem estar associados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias. Estima-se que, anualmente, mais de 800.000 pessoas morrem por suicídio no mundo e, a cada adulto que se suicida, pelo menos outros 20 atentam contra a própria vida. Entre os jovens de 15 a 29 anos, o suicídio é a segunda principal causa de morte no mundo.

Ainda que o cenário seja alarmante, o suicídio pode e deve ser prevenido. Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria, pessoas que manifestam pensamentos de suicídio devem ser consideradas em uma situação de emergência médica e encaminhadas para atendimento médico para orientar a conduta mais adequada no sentido de proteger o indivíduo.

Mas muitas vezes o estigma com relação ao suicídio impede a procura de ajuda que pode evitar mortes; portanto, é preciso combater o estigma, compartilhando de forma responsável informações sobre a prevenção do suicídio e divulgando práticas de intervenção eficientes fundamentadas em evidências científicas.

depressão

Por acreditar ser imprescindível a mentalidade que combata o estigma em torno da prevenção do suicídio, o Hospital Vera Cruz, no seu papel de cuidado com a saúde integral dos seus pacientes, faz a sua parte e apoia que toda a sociedade tenha este objetivo em comum. O Vera Cruz oferece atendimento humanizado, protocolos institucionais, treinamentos e palestras para a prevenção do suicídio. O Vera Cruz promove essas ações porque ama fazer a diferença.

Vários estudos mostram que os transtornos psiquiátricos não diagnosticados ou sem tratamento adequado são os principais fatores de risco para o suicídio e que o tratamento multidisciplinar desses transtornos, associado ao seguimento ambulatorial (extra-hospitalar) adequado dos pacientes, reduz significativamente esse risco. Por isso, oferecer suporte e tratamento para quem mais precisa é de valor inestimável. Unidos e colaborando juntos, salvamos vidas.

Petrus Raulino matheus campos
Foto: Matheus Campos

*Petrus Raulino, médico psiquiatra formado pela Unicamp, coordenador do Serviço de Interconsulta Psiquiátrica do Hospital Vera Cruz.

Leitura recomendada:
Associação Brasileira de Psiquiatria. (2014). Suicídio: Informando para Prevenir / Associação Brasileira de Psiquiatria, Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. Brasília: CFM / ABP.
D’Oliveira, C. F.; Botega, N. J. (2006). Prevenção do Suicídio: Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde – Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio, 74.
Secretaria de Vigilância em Saúde. (2017). Perfil Epidemiológico das Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil e a Rede de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

 

Psicóloga e padre se unem para publicar livro sobre relacionamentos nutritivos e tóxicos

Quem nunca se sentiu triste ou viveu relacionamentos em que se sobressaíssem os sentimentos de culpa, raiva, solidão, abandono, frustração, decepção ou falta de pertencimento? A desarmonia relacional tem início em um emaranhado de sentimentos que provoca dúvidas sobre estarmos no caminho certo.

Pensando em oferecer hospitalidade a esses sentimentos, a psicóloga Karina Fukumitsu se uniu ao padre Licio de Araujo Vale para escrever o livro “Acolher e se afastar: Relações nutritivas ou tóxicas”, que agora é publicado por Edições Loyola em coedição com a Paulinas Editora.

O ponto de partida foi o encontro de três grandes nomes na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo: a psicóloga e psicoterapeuta Karina Fukumitsu; o pesquisador sobre luto e valorização à vida padre Licio de Araujo Vale; e o jornalista Marcelo Zorzanelli, que sofre de depressão clínica há 14 anos. Desse encontro, os autores Karina e Licio resolveram transformar o diálogo sobre a doença do milênio: a depressão e suas consequências sérias e trágicas, em uma obra que sugere como tratar essa questão com os adolescentes, não apenas na escola como também em casa.

O livro – o primeiro volume da coleção “Adolescer sem adoecer – Conversas entre uma psicóloga e um padre” – propõe a reflexão sobre os sentimentos, ajuda a entender as complexidades dos relacionamentos humanos e explica, com clareza e sabedoria, como oferecer hospitalidade a todos eles, sejam bons ou maus.

A relação com o tema chegou muito cedo para ambos os autores. Karina, quando criança, presenciou diversas tentativas de suicídio da mãe. Padre Licio perdeu seu pai por suicídio aos 13 anos, porém até os 18 acreditou que havia sido um acidente. “Os assuntos surgiram como uma avalanche de situações que permeiam as nossas vidas”, destaca a psicóloga.

O bate-papo narrado nesta obra evidencia o amor concretizado de um período de entrega de uma psicóloga e de um padre, cujo propósito principal foi o de estabelecer entrelaçamentos entre a adolescência e os processos autodestrutivos, tema que preocupa a sociedade brasileira na atualidade.

“O amor nos faz ser, e não somente existir; quando nos transformamos, tudo se transforma ao nosso redor. As coisas ao nosso redor existem, mas só nós podemos amá-las. Se quisermos colaborar na redenção de alguém, precisamos amar esse alguém”, destaca o padre.

Em “Acolher e se afastar: Relações nutritivas ou tóxica”, o leitor encontrará dicas importantes sobre como lidar com diversos tipos de relacionamentos potencialmente problemáticos e descobrirá o que fazer para transformá-los em relações mais saudáveis e prazerosas. Além disso, vai aprender como construir relações melhores com amigos, filhos, irmãos, sogras, chefes, colegas de trabalho, faculdade ou o companheiro, mostrando que a boa comunicação depende do respeito não apenas ao outro, mas também a si mesmo.

Sobre os autores:

livro.png

Karina Okajima Fukumitsu é psicóloga, Gestalt-terapeuta e psicopedagoga, com doutorado e pós-doutorado em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da USP. É mestre em Psicologia Clínica pela Michigan School of Professional Psychology (EUA) e autora de vários artigos e livros sobre suicídio, luto por suicídio e Gestalt-terapia. Coordenadora da pós-graduação em Suicidologia: Prevenção e Posvenção, Processos Autodestrutivos e Luto na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

Licio de Araujo Vale é padre na Diocese de São Miguel Paulista (SP), pesquisador sobre luto e valorização à vida, educador e palestrante. Licenciado em Filosofia pela PUC-SP e graduado em Teologia pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (SP), já ministrou cursos e palestras no Brasil e no exterior. Atualmente, é pároco da Paróquia Sagrada Família de Vila Praia, São Paulo (SP), e membro da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção ao Suicídio (Abeps).

Livro-site-1

Título: “Acolher e se afastar: Relações nutritivas ou tóxicas”
Autores: Karina Okajima Fukumitsu e Pe. Licio de Araujo Vale
Editora: Edições Loyola e Paulinas Editora
Formato: 13 x 18 cm
Páginas: 88
Preço: R$ 18,00

Setembro Amarelo: por que uma pessoa comete suicídio?*

O suicídio  vem chamando a atenção da sociedade. Não é de hoje que somos surpreendidos com alguns casos, seja de alguma celebridade ou de pessoas que, direta ou indiretamente, estavam próximas a nós. Nestas ocasiões, chocados, a pergunta que insistentemente invade a nossa mente é: por quê?

Segundo as estatísticas, podemos ver o quão importante é abordar esse assunto e compreender a situação. Trata-se, além de uma comprovação do sofrimento individual, de um sério problema de saúde pública. Segundo o mais recente relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio a cada ano – uma taxa de 11,4 para cada 100 mil habitantes. Isso significa um suicídio a cada 40 segundos. A “violência autodirigida”, como o suicídio, é classificada pela OMS , é hoje a 14ª causa de morte no mundo inteiro. E a terceira entre pessoas de 15 a 44 anos, de ambos os sexos.

tristeza dor depressão mulher pixabay

Nossa cultura valoriza a vida em todos os sentidos, haja vista os incontáveis métodos de rejuvenescimento. Daí a morte, mesmo sendo um processo natural, não é bem-vinda porque rompe com o sonho humano de imortalidade. O suicídio, então, é tido como intolerável, nos conduzindo quase sempre a buscarmos uma justificativa para compreender tal ato e amenizar nossa perplexidade. O comportamento intencional de tirar a própria vida é resultado da soma de diversos fatores de origem emocional, psíquica, social e cultural. O indivíduo busca na morte o alívio, uma forma de fugir daquilo que o deprime, que o exclui de maneira insuportável.

Existem algumas pessoas que são mais propensas a cometer suicídio, são aquelas com transtornos mentais, depressivos, bipolares, transtornos de personalidade, dependentes químicos e esquizofrênicos. Outras podem estar passando por uma enfermidade, como câncer, HIV, ou mesmo pessoas que sofreram ou sofrem algum tipo de abuso ou bullying. Ou passaram por perdas, seja de emprego, separação, ou até uma exposição da vida íntima na internet.

A melhor forma de combater o suicídio é vencer nossos preconceitos e começar a falar desse assunto. Existem muitas pessoas que têm ideias suicidas, mas não cometem o suicídio. Nesse processo, a pessoa pensa em se matar, às vezes até planeja isso, mas não o faz.

O fato de haver um número considerável de pessoas que têm ideias suicidas criou uma crença na nossa sociedade de que quem fala que vai se matar não faz isso. Essa crença não é verdade. A maioria das pessoas que comete suicídio comenta essa ideia com alguém antes de cometer esse ato. Neste caso, os sentimentos de uma pessoa que fala em se suicidar são minimizados por aqueles que não entendem sobre o assunto ou que nunca sentiram o mesmo.

A pessoa que sente vontade de morrer está em um processo de dor tão intenso que não vê outra saída. Na verdade, ela não quer matar a vida, ela quer matar a dor. Há nessas pessoas uma vontade imensa de viver, mas sem a dor, sem o problema. Nesses casos o suicídio pode ser visto como o fim de um longo sofrimento. Essas pessoas não têm encontrado sentido para a vida.

Para prevenir o suicídio é indicado que as pessoas escutem aquele que fala em se matar. Preste atenção em mudanças de comportamento, seja para uma tristeza profunda, a perda de vontade de fazer as coisas que a pessoa gostava, e até mesmo uma mudança repentina de humor para a felicidade. Se a pessoa estava muito triste e de repente fica feliz, pode ser que tenha planejado seu suicídio e está assim por se sentir aliviada em poder acabar com a dor.

Alguns sinais podem nos ajudar a perceber se o indivíduo está pensando em suicídio. Preste atenção se a pessoa costuma dizer as seguintes frases:

“Minha morte seria melhor para todos” ou “Pelo menos vocês não teriam mais que me aguentar”.

“Ninguém se importa, mesmo”, “Ninguém entende o que eu sinto” ou “Você nunca entenderá”.

“Agora é tarde, eu não aguento mais”, “Não existe mais nada a ser feito” ou “Eu só queria que a dor passasse”.

“Eu não tenho razões para viver” ou “Estou tão cansado de viver”.

Conversas assim podem ser indícios que o indivíduo pretende cometer suicídio. Não julgue. Se você nunca pensou ou se sentiu como a pessoa, não diga como ela deveria se sentir ou o que deveria fazer. Apenas demonstre seu apoio e esforce-se para compreendê-la.

Falar que “não é ruim assim” ou “as coisas vão melhorar” não ajuda em nada e fará com que ela sinta que você não entende ou não está ouvindo. Prefira dizer “Você não está sozinho. Eu estou aqui com você e ajudarei no que for preciso”. “Eu não quero que você morra.” ‘Eu me preocupo com você.” Chame a pessoa para fazer algo com você como caminhar, praticar um esporte e qualquer coisa que a ajude a se manter fisicamente ativa. Um diário para a pessoa também pode ajudar. Assim, ela poderá expressar tudo que sente em vez de reprimir as próprias emoções.

mãos ajuda setembro amarelo

Se você que está lendo este artigo agora tem ideias suicidas, saiba que existe um caminho para você. Existem estratégias que você pode usar para ajudar a mudar esses pensamentos. A mente de uma pessoa com pensamentos suicidas funciona de forma diferente. É preciso encontrar estratégias para lidar com isso. O uso, de programação neurolinguística, técnicas de mindfulness e meditação podem ajudar, além de um acompanhamento terapêutico intenso para que a pessoa possa se expressar livremente, sem julgamentos e encontrar atividades que lhes proporcione qualidade de vida.

*Sabrina Ferrer é psicóloga-chefe do FalaFreud. Possui 14 anos de experiência na área de psicoterapia e Gestão de Pessoas. Sua abordagem é baseada na Psicanálise e Teoria Cognitivo Comportamental. Atua em clínicas atendendo adolescentes com questões emocionais, autoconhecimento, adultos com os mais variados sintomas e situações, além de idosos em casos de depressão e falta de motivação.

Setembro Amarelo: ANS reforça o alerta sobre cuidados com doenças mentais

Em alusão à campanha Setembro Amarelo, dedicada à prevenção do suicídio, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) reforça o alerta sobre os cuidados com as doenças mentais e incentiva as operadoras de planos de saúde a desenvolverem programas de promoção da saúde e prevenção de riscos de doenças (Promoprev) voltados a essa linha de atenção. Além disso, a ANS destaca as principais coberturas que estão previstas no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde para o tratamento de doenças mentais.

O mês foi escolhido em razão do Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, celebrado todo ano em 10 de setembro. O objetivo é conscientizar as pessoas ao redor do mundo que o suicídio pode ser evitado. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo, e essa é a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos de idade.

No Brasil, 32 brasileiros tiram a própria vida por dia, o equivalente a uma pessoa a cada 45 minutos. Ações preventivas são fundamentais para reverter essa situação: mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e, portanto, podem ser evitados se as causas forem tratadas corretamente, aponta a OMS.

Na saúde suplementar, a preocupação com as doenças mentais é crescente. O Rol de Procedimentos da ANS determina cobertura obrigatória para consultas médicas em número ilimitado (inclusive em psiquiatria), internação hospitalar, atendimento e acompanhamento em hospital-dia psiquiátrico, consulta com psicólogo e com terapeuta ocupacional e sessões de psicoterapia.

tabrla1.jpg

Procedimentos realizados por beneficiários de planos de saúde

O número de procedimentos realizados por beneficiários nessa área vem aumentando ano a ano, segundo dados do Mapa Assistencial. De 2011 a 2018, o número de atendimentos com psiquiatras subiu 63% – em 2011 foram 3,01 milhões de consultas, ante 4,9 milhões em 2018. As sessões com psicólogos deram um salto de 146% no período, saindo de 7,1 milhões em 2011 para 17,5 milhões em 2018.

O número de internações em hospital-dia para saúde mental quadruplicou de 2011 até 2018 – saiu de 18.595 mil internações para 99.965 mil. As consultas/sessões com terapeuta ocupacional cresceram 200%, passando de 648,1 mil para 1,9 milhão. E o percentual de internações psiquiátricas aumentou 130% (de 85,2 mil para 196,3 mil).

Cabe ressaltar que o número de beneficiários em planos de assistência médica também aumentou nesse período (passou de 46 milhões em 2011 para 47,3 milhões em 2018 – dados de dezembro). Portanto, é válido ponderar o número de atendimentos realizados em cada ano em relação ao número de usuários existentes no período. Ainda assim, percebe-se que houve aumento percentual em todos os procedimentos acima mencionados.

Confira os dados na tabela abaixo:

tabela 2.jpg

Promoção e prevenção

Além de garantir, pelo Rol de Procedimentos, os tratamentos mais indicados para doenças mentais, a ANS vem estimulando as operadoras a desenvolverem programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos de Doenças (Promoprev) voltados para essa área. Em 2011, eram três iniciativas voltadas a esse fim; hoje, existem 42 programas cadastrados na Agência, atendendo cerca de 29,5 mil beneficiários de planos de saúde. As principais linhas de cuidado são depressão, estresse, esquizofrenia, transtornos psiquiátricos decorrentes do uso de álcool e outras drogas, transtorno bipolar, entre outras.

Vale destacar que as operadoras que têm programas aprovados na ANS recebem incentivos regulatórios. Há redução de 10% na exigência mensal de margem de solvência e bonificação que eleva pontos/notas no Programa de Qualificação das Operadoras. A ANS estimula que as operadoras elaborem ações de inclusão de seus usuários nos programas, concedendo descontos em serviços ou até pelo não pagamento de coparticipação para procedimentos relacionados ao Promoprev.

tabela 3

tabela 4

Fonte: ANS

Pouco lembrado, estresse financeiro é uma das principais ameaças à saúde mental

Este mês acontece a campanha Setembro Amarelo, criada para promover a conscientização e prevenção do suicídio. É um período marcado pela discussão de temas ligados à saúde mental, porém um fator bastante importante nessa equação costuma ser pouco mencionado: a saúde financeira. Os problemas financeiros, comprovadamente, são grandes fontes de preocupação e até depressão.

Um levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que 69% das pessoas endividadas sofrem de ansiedade. Insegurança (65%), estresse (64%), angústia (61%), desânimo (58%), sentimento de culpa (57%) e baixa autoestima (56%) também aparecem no estudo.

A pesquisa revela, ainda, que o endividamento atinge até mesmo a vida profissional e social dos entrevistados, com 25% dos pesquisados afirmando terem ficado mais desatentos e menos produtivos no ambiente de trabalho.

De acordo com a Investor Pulse, pesquisa realizada pela BlackRock, 71% dos brasileiros acreditam que sua saúde financeira afeta diretamente seu bem-estar. Além disso, quase 60% afirmam que é o dinheiro – no caso, a falta dele – o que mais causa estresse em suas vidas.

Algumas empresas já começam a se preocupar com o estresse financeiro de seus funcionários e seus impactos sobre sua produtividade e saúde mental. A fintech Magnetis, primeira gestora de investimentos digital, oferece o primeiro benefício corporativo de bem-estar e educação financeira do país, chamado Magnetis Para Empresas. O programa tem duração mínima de 12 meses e a dinâmica é muito parecida com a dos planos de saúde, em que as empresas pagam por vida.

estresse

O serviço começa com palestras para a equipe, com o objetivo de despertar o interesse em educação financeira. Por meio de um questionário, cada colaborador identifica seu perfil e recebe recomendações para planejar melhor sua vida financeira. O programa ainda inclui uma plataforma digital de educação financeira, em que o colaborador vai aprender os ensinamentos essenciais de acordo com seu perfil financeiro, e diferentes tipos de consultoria individualizada.

Em apenas dois anos, o benefício já foi adotado por dezenas de empresas de diferentes segmentos, como Leo Madeiras, GPS Investimentos, Edools, Transunion, Arquivei, Olist, Megamamute e Monashees.

Informações: Magnetis