Arquivo da tag: sustentabilidade

Entenda o que está em jogo com o Projeto de Lei da caça esportiva no Brasil

Reuber Brandão, professor da UnB e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, analisa argumentos dos defensores do PL 5.544/20 e avalia os riscos à conservação da biodiversidade

O Projeto de Lei 5.544/2020, que libera a caça esportiva no Brasil – permitindo perseguição, captura e abate de animais – foi retirado da pauta da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados na última semana, após uma série de obstruções de parlamentares contrários à medida. “A forte mobilização da sociedade civil brasileira e o entendimento que as pessoas possuem sobre o valor intrínseco da vida fizeram com que os apoiadores do PL recuassem. Mas é provável que o tema volte à pauta em algum momento e, por isso, devemos ficar atentos”, afirma Reuber Brandão, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e professor de Manejo de Fauna e de Áreas Silvestres na Universidade de Brasília (UnB).

Diante da dificuldade em fiscalizar as áreas naturais em todo o país, a permissão à caça pode fazer com que muitas espécies silvestres sejam vistas como troféus. “A tendência é a busca pelos animais mais raros e únicos, aumentando a pressão sobre as espécies que são topo de cadeia, que precisam de grandes áreas preservadas para viver. Incentivar essa prática me parece uma covardia”, frisa o professor da UNB. Algumas das espécies que poderiam entrar na mira dos caçadores são a onça-pintada, a anta, o tamanduá-bandeira e o lobo-guará.

O especialista reforça que esse tipo de proposta vai na contramão dos esforços mundiais pela preservação das diversas espécies ameaçadas de extinção. “O Brasil precisa de um modelo de desenvolvimento que valorize a sua incrível biodiversidade e não de propostas que aumentem a pressão sobre a nossa fauna, que já enfrenta dificuldades por causa do desmatamento, de incêndios e outros enormes desafios”, afirma.

Para Brandão, a tentativa de colocar o PL 5.544/20 em votação é um aceno dos deputados ao atual governo, alicerçada em uma falsa noção da ampliação das liberdades individuais. Facilitar o acesso da população a armas é uma das principais bandeiras nesta direção. “Sob este pretexto, a tentativa revela, tão somente, uma percepção egoísta que pressupõe a ausência de limite do comportamento do indivíduo na sociedade. Entendo que a garantia de liberdades individuais não pode se confundir com ausência de responsabilidade coletiva. Na área ambiental, essa ideologia somada aos esforços para enfraquecer os órgãos de fiscalização e controle pode gerar um ambiente de total descontrole, que certamente vai trazer mais ameaças a muitas espécies da nossa fauna”, argumenta Brandão.

Um dos argumentos em defesa da aprovação do PL 5.544/20 é o aumento da interação entre o ser humano, os animais e a natureza. Na visão do professor da UnB, a apresentação deste raciocínio beira o surreal. “Presume que as pessoas querem ter interação com o sangue, a morte e a extinção dos animais. Não consigo entender que tipo de benefício um PL como esse pode trazer ao país. Pelo contrário, pode reforçar a ideia de que o Brasil realmente não tem compromisso com a sua rica biodiversidade”, finaliza.

Conforme Enquete Pública realizada no site da Câmara, a ampla maioria da sociedade civil brasileira é contra a caça por esporte. O levantamento mostrou que 97% dos votantes (71.614 votos) se dizem “totalmente contrários” ao PL. Existe a possibilidade de o projeto ser submetido a audiência pública antes de voltar à apreciação da Câmara.

Pixabay

Sobre a Rede de Especialistas A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes clicando aqui.

N.R.: tentativas como esta me fazem sentir vergonha de viver no Brasil atual.

Confira cinco atitudes para levar uma vida com lixo zero

A TerraCycle , líder global em soluções ambientais de resíduos de alta complexidade, preparou uma lista com cinco atitudes para ajudar as pessoas a produzirem menos lixo ou a darem a destinação correta aos resíduos. A tarefa é urgente e precisa virar hábito, uma vez que, segundo dados do Panorama dos Resíduos Sólidos , produzido pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), só em 2019 o país gerou 79,1 milhões de toneladas de lixo.

Ainda segundo o estudo, o brasileiro produz individualmente, em média, 379,2 kg de lixo ano após ano, ou o equivalente a 1 kg por dia. “Mesmo que a coleta seletiva e a destinação do lixo residencial dependam de ações do governo, todos podem contribuir individualmente para atenuar a situação”, aponta a analista de Marketing e Relacionamento na TerraCycle, que também é credenciada como consultora Lixo Zero pelo Instituto Lixo Zero Brasil, Gabriella Rocha. Foi pensando nisso que a TerraCycle separou uma lista com cinco atitudes que certamente vão ajudar quem queira aderir ao projeto de vida amigo do meio ambiente.

1 – Repensar sua motivação de consumo. É importante sempre considerar o porquê estamos comprando determinado produto e o que será feito com ele depois do uso. Existe uma forma de descarte sustentável? Se não, vale reconsiderar a compra.

2 – Recusar itens descartáveis. Canudos, copos plásticos, guardanapos, sacolas de supermercado, talheres de delivery – todos esses itens têm substituições simples e fáceis de carregar na bolsa. É possível montar um mini kit lixo zero e garantir que, dentro ou fora de casa, você não gere mais lixo com itens desnecessários.

3 – Pesquisar e comprar de marcas conscientes. Você sabe se as marcas que consome oferecem opções de logística reversa ou refil para suas embalagens? A fabricação dos produtos é ambientalmente consciente? Todas essas questões pesam e contribuem para que uma marca continue fabricando e vendendo sem preocupação ambiental ou repense sua cadeia produtiva.

Pixabay

4 – Separe seu lixo. Hoje em dia, mesmo que alguns municípios não ofereçam o serviço de coleta seletiva, existem catadores, cooperativas e pontos de entrega voluntária que recebem os principais itens recicláveis. Se informe na sua região e evite que materiais que poderiam ser aproveitados tenham como destino aterros sanitários ou até mesmo lixões. Você também pode compostar seus resíduos orgânicos utilizando uma composteira doméstica ou algum serviço de coleta e compostagem desse material.

5 – Se junte a um programa de reciclagem da TerraCycle. Eles são gratuitos e oferecem soluções para materiais complexos, de difícil reciclagem. Você pode enviar pelos Correios sem pagar nada ou entregar em um dos nossos pontos públicos de coleta.

Informações: TerraCycle

5 maneiras de evitar o desperdício de alimentos e ajudar o planeta*

Um dos maiores problemas que assolam o mundo é o desperdício de alimentos. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, cerca de 1,3 bilhão de toneladas é perdido ou vai para o lixo, impactando a insegurança alimentar no mundo, número que corresponde a um terço de todos os alimentos produzidos globalmente.

É um cenário difícil de entender especialmente quando temos a sorte de ter comida na geladeira ou na despensa sempre que sentimos fome. Mas esse privilégio também pode nos inspirar a fazer escolhas mais conscientes.

Uma pesquisa conduzida pela Herbalife Nutrition nos Estados Unidos sobre dietas a base de plantas mostrou que 40% das escolhas alimentares dos entrevistados são motivadas pelo interesse em ser mais ecologicamente correto. Reduzir o desperdício de alimentos é uma ação adicional e simples que pode ter um grande efeito.

Como causar um impacto positivo

Existem várias maneiras de reduzir o desperdício de alimentos e viver de forma mais sustentável. Confira cinco delas:

Planeje com antecedência


Preparar refeições nutritivas para a semana ou planejar o menu do próximo encontro em família são ótimas maneiras de garantir que você prepare apenas a comida que irá consumir e evitar servir quantidades além do que seus convidados podem comer.

Considere cozinhar com ingredientes mais sustentáveis

As pessoas estão buscando dietas baseadas em vegetais por muitas razões. Dentre elas: saudabilidade, perda de peso e preocuação com o meio ambiente. Para aqueles que estão começando, um cardápio flexível, baseado principalmente em vegetais com a inclusão ocasional de carnes, aves, peixes ou ovos, pode ser um bom início e é uma ótima maneira de manter uma dieta saudável e equilibrada. Ao mesmo tempo, ajuda a proteger o meio ambiente, reduzindo a energia e os recursos que a produção da carne vermelha requer.

Proporcione adequadamente o alimento em seu prato

Foto: Stocksnap/Pixabay

Deixe as panelas sobre o fogão e se sirva na cozinha. Este simples hábito evita a sobra de alimentos no prato. Com os pratos servidos na mesa é muito mais fácil colocar “apenas mais uma colherada”, que pode acabar sobrando. Aliás, os restos deixados no prato são uma das maiores fontes de desperdício de alimentos que acabam no lixo. Isso ainda ajuda a controlar as porções.

Reaproveite os alimentos que estão prestes a estragar

Christopher Chilton/Pixabay

Existem muitas maneiras de aproveitar os alimentos perecíveis, mesmo quando eles começam a parecer um pouco “tristes”. Quando seus tomates ficarem moles demais para serem usados na salada, considere transformá-los em molho caseiro. As bananas estão ficando marrons e moles? Descasque e congele para usar como ingrediente saudável para preparar deliciosos smoothies. Sopas, refogados e saladas também são ótimos pratos que podem incluir diferentes ingredientes com vida útil mais curta.

Doe o excedente para quem precisa

Foto: Onehundreddollarsamonth

Quando for organizar a despensa, considere doar os alimentos não perecíveis extras para bancos de alimentos e instituições de caridade locais. E da próxima vez que for limpar a geladeira, o freezer ou a despensa, preste atenção no que você jogou fora e faça um esforço para reduzir o desperdício de alimentos no futuro.

*Por Susan Bowerman, Diretora Sênior Global de Educação e Treinamento em Nutrição da Herbalife Nutrition

O Boticário apresenta promoção “Me completa” para os refis das linhas Nativa SPA e Cuide-se Bem

Na ação, na compra de qualquer loção das linhas Nativa SPA e Cuide-se Bem, o consumidor ganha um refil da mesma marca

O Boticário, a marca de beleza mais amada do Brasil*, apresenta a promoção “Me completa”, a qual na compra de uma loção de 400ml das linhas Nativa SPA e Cuide-se Bem, o cliente leva um refil da mesma marca. A ativação reforça a expressividade dos refis nas linhas contempladas e estimula o uso e a experimentação desse formato de produto, que existe há bastante tempo em variadas categorias do portfólio do Boticário.

Para a campanha “Me Completa”, Boticário faz um convite descontraído para o cliente, convidando-o para completar o vazio da embalagem do seu produto preferido com a frase “Para cada embalagem vazia, tem um refil do Boticário para preencher”. A ação compre e leve tem início em 30 de agosto e é válida somente para os produtos selecionados das linhas Nativa SPA e Cuide-se Bem, em que o cliente ganha um refil de 400 ml na compra de qualquer loção de 400 ml da mesma marca. São cerca de 30 fragrâncias disponíveis, entre elas as mais famosas e já preferidas dos consumidores como Nativa SPA Ameixa, Ameixa Negra, Quinoa, Cuide-Se Bem Boa Noite, Beijinho e Nuvem, e até os lançamentos mais recentes como Nativa Jasmim Sambac e Cuide-Bem Bendito Cacto.

“Essa é mais uma forma de incentivarmos nossos consumidores a usarem os refis, que já é uma realidade para muitas pessoas. Atenta ao comportamento do consumidor, a marca tem, cada vez mais, expandido a oferta dessa opção. Atualmente, 32% do nosso portfólio de produtos corporais de Nativa SPA e Cuide-se Bem já têm a opção de refil. Trata-se de uma escolha inteligente e consciente para os consumidores que desejam renovar o estoque do seu produto preferido, com a vantagem de economizar, uma vez que refis custam em média de 24 a 30% a menos do que os frascos regulares”, explica Vanessa Machado, diretora da categoria Corpo & Banho do Grupo Boticário.

Mas nessa promoção a vantagem é ainda maior: na linha Nativa SPA, por exemplo, na compra de um produto de R$ 64,90 o cliente leva sem qualquer custo um refil que custaria R$45,90. Além de ser uma opção mais econômica, os refis reduzem até 78% a quantidade de plástico utilizada nas embalagens.

A hora do refil

Há bastante tempo, o grupo passou a contar com a entrada de refis na produção. As loções em refil das linhas Nativa SPA e Cuide-se Bem reduzem até 78% do consumo de plástico se comparadas com os frascos tradicionais, sendo mais precisamente 78% quando se trata de Nativa SPA e 69% em Cuide-se Bem. Para os próximos anos, o objetivo é ampliar a “refilagem” também em outras categorias, como maquiagem e perfumaria.

O Boticário tem a meta de levar cuidado diário e beleza para a vida dos brasileiros de forma leve e, com os refis, traz mais acessibilidade, visto que custam em média de 24 a 30% menos versus o preço do produto regular. Além de atender a necessidade do consumidor que busca economia, a marca também estimula o reaproveitamento da embalagem do produto que ele já tem em casa.

A promoção “Me completa” está disponível em todas as lojas físicas do país e no e-commerce da marca, além do app do Boticário, disponível para as versões Android e iOS. Também é possível fazer pedidos pelo WhatsApp por meio do número 0800 744 0010 – número oficial e seguro – diretamente na plataforma do dispositivo. Basta o cliente contatar a marca por esse número para verificar a disponibilidade na sua região. Há ainda a opção de contatar um revendedor da marca clicando aqui.

Giorgio Armani apresenta My Way: primeira fragrância Carbono Neutro

Lançamento feminino de Giorgio Armani, a fragrância My Way reflete o compromisso de longa data da marca com a sustentabilidade, favorecendo o uso dos ingredientes naturais adquiridos de forma responsável, em colaboração com ONGs locais e por meio de programas que apoiam comunidades vulneráveis com base nos princípios de comércio justo.

Pela primeira vez na indústria de fragrâncias de luxo, My Way traz um sistema de recarga inovador, fácil e limpo. A válvula spray pode ser removida e, em seguida, o refil de 150ml é conectado ao frasco da fragrância de 50ml dando início ao processo de reabastecimento que é 100% automático, permitindo uma redução de 32% no uso de papelão, diminuição de 55% no uso de vidro, menos 64% de plástico e uma redução de 75% no uso de metal, em comparação com quatro frascos de spray de 50ml da fragrância. Além disso, a fragrância é a primeira do grupo L’Oréal com o compromisso de neutralidade de carbono, pertencente ao programa ‘L’Oréal for the future’ que visa até 2025 alcançar a neutralidade carbônica ao usar 100% de energia renovável.

O processo de construção da fragrância My Way, realizado pelo mestre perfumista Carlos Benaïm e pelo perfumista sênior Bruno Jovanovic (IFF), se dá pela junção de alguns dos melhores ingredientes do mundo resultando em uma fusão de culturas que leva nossos sentidos a uma jornada olfativa até chegarmos ao buquê brilhante de flores brancas, uma fragrância floral contemporânea.

Notas de topo: bergamota da Calábria, na Itália, e flor de laranjeira do Egito
Notas de coração: tuberosa Indiana e infusão de jasmim
Notas de base: baunilha bourbon de Madagascar, almíscares brancos

O frasco

O destaque do vidro vai além de sua beleza: o frasco de MY WAY foi projetado para durar e poder ser recarregado. Pela primeira vez na indústria de fragrâncias de luxo um sistema de recarga inovador, fácil e limpo é proposto, já que nenhum funil é necessário. A recarga pode ser realizada de maneira fácil. Primeiro, a válvula spray pode ser removida e, em seguida, o refil de 150ml é conectado ao frasco da fragrância dando início ao processo de reabastecimento que é 100% automático. O frasco original é reabastecido sem perder uma gota do perfume, sem que o líquido respingue nas mãos, com a tampa e o spray sendo facilmente conectados de volta.

Juntos, um frasco MY WAY de 50ml e seu refil de 150ml permitem uma redução de 32% no uso de papelão, diminuição de 55% no uso de vidro, menos 64% de plástico e uma redução de 75% no uso de metal, em comparação com quatro frascos de spray de 50ml da fragrância. Motivada pela concepção ecológica, a redução desses materiais também evita o impacto ambiental dos resíduos vinculados à produção de materiais desnecessários.

O vidro de ambos os frascos, spray e refil, é reciclável, enquanto cada elemento dos frascos em spray podem ser reciclados separadamente. Isso torna o processo de reciclagem simples, de modo que a tampa, o borrifador, podem ser reciclados em uma usina de reciclagem clássica, enquanto os elementos de vidro são direcionados à reciclagem de vidro.

Alterações climática e neutralidade de carbono

Giorgio Armani se dedica à redução contínua do impacto ambiental, incorporado por um diálogo entre a inspiração do designer na natureza e a atemporalidade que marca suas criações. “Acredito que as questões ambientais devem estar no coração de todos, agora mais do que nunca. Não podemos ignorar o fato de que o futuro das gerações mais jovens depende das nossas escolhas”, afirma Giorgio Armani.

Operar um negócio global com um compromisso responsável reflete os valores originais de Giorgio Armani e se traduz em dois campos de ação cruciais para Armani Beauty, visando reduzir o impacto ambiental e social: durabilidade de produtos e materiais e obtenção de ingredientes naturais, com o objetivo de preservar os recursos naturais vitais e a biodiversidade

A mudança climática é um dos desafios mais urgentes do mundo e uma preocupação cada vez maior para os cidadãos. Para contribuir para a transformação sustentável que o mundo tanto precisa quanto espera, a Armani Beauty decidiu concentrar seus esforços adicionais na redução das emissões de carbono. My Way marca o início de um novo compromisso: lutar contra as alterações climáticas e a erosão da biodiversidade.

Como resultado de um novo plano de ação de cinco anos, My Way atinge a neutralidade de carbono a partir de sua introdução. Até 2025, a Armani Beauty também se compromete a reduzir ainda mais sua pegada de carbono em mais 25% e a atingir a neutralidade de carbono para todos os seus produtos.

Em 2020, Armani Beauty criou um projeto de preservação em Madagascar para proteger 650 hectares de floresta úmida e sua biodiversidade única no Corredor Ankeniheny-Zahamena (CAZ). A marca captura as 7 mil toneladas de emissões de carbono residual do produto My Way em seu primeiro ano e se compromete a manter nos próximos anos. Com mais de 2.043 espécies de plantas, 85% das quais são endêmicas e lar de lêmures em perigo crítico, a floresta tropical é um dos ecossistemas mais ricos do mundo e, portanto, uma das principais prioridades de conservação da ilha. Na verdade, todas essas espécies desempenham um papel essencial na mitigação das mudanças climáticas e na preservação da incrível biodiversidade da floresta tropical.

Como resultado da concepção ecológica e da proteção da biodiversidade, My Way alcança a neutralidade de carbono.

Mensurações de resultados

Em colaboração com Quantis, especialista ambiental e LCA (avaliação do ciclo de vida), a Armani Beauty desenvolveu um método e uma ferramenta exclusivos para medir a pegada de carbono das atividades de marketing e vendas de My Way em todo o seu ciclo de vida, incluindo o impacto das atividades dos consumidores no ciclo de vida do produto. Além disso, a Ferramenta de Otimização de Produtos Sustentáveis ​​(SPOT) criada em 2013 analisa o impacto social e ambiental do produto em relação a 14 indicadores ambientais principais, desde a produção e abastecimento de matérias-primas até o uso do consumidor, até o fim da vida útil de um produto.

Juntas, essas ferramentas significam que a pegada de carbono de My Waypode ser rastreada e medida, enquanto a ferramenta para medir a pegada de carbono também permite a previsão de áreas-chave para reduzir as emissões de futuras criações de produtos – estas abrangem componentes de embalagem e origem de ingredientes, produção e transporte, produção de campanha publicitária, design de experiência em loja, caixas de presentes e brindes, eventos e educação de consultores de beleza.

Ingredientes

Um dos ingredientes da composição de My Way, a baunilha proveniente de Madagascar foi feita exclusivamente para Armani. O processo de produção da baunilha é artesanal, garantindo que seja consistentemente da mais alta e refinada qualidade, além de fazer parte de um programa de abastecimento inclusivo em colaboração com a ONG local Fanamby, que promove a inclusão social priorizando fornecedores que proporcionam trabalho e renda confiáveis ​​para pessoas vulneráveis ​​que normalmente seriam excluídas do mercado de trabalho. O programa diversifica as receitas para melhorar a subsistência local, apoiando os produtores no cultivo de arroz e café junto com a baunilha, incentivando assim o empreendedorismo local.

A tuberosa indiana, presente nas notas de coração, é obtida e escolhida a dedo na região de Mysore, por fazendeiros de campos na aldeia de Tirumakudal Narsipur, no estado de Karnataka. Desenvolvida exclusivamente para Giorgio Armani, a tuberosa é extraída por destilação molecular, permitindo que os perfumistas selecionem um segmento molecular específico da tuberosa feito sob medida para My Way. O resultado é uma nota de tuberosa composta por facetas cremosas e aveludadas que criam uma experiência olfativa semelhante a um mergulho em um campo de pétalas de flores de tuberosa. Este processo de destilação molecular seleciona o que já é um ingrediente natural precioso e o refina para revelar e realçar seus aspectos mais bonitos e ocultos.

Já a nota de flor de laranjeira é criada a partir de uma versão modernizada da enfleurage, processo de extração artesanal, permitindo a captura dos compostos aromáticos exalados pelas plantas, que é exclusiva da casa de fragrâncias IFF. Depois que as laranjas amargas são colhidas manualmente no Egito em janeiro e as flores de laranjeira também são colhidas manualmente em março e abril, o processo de enfleurage é feito no Cairo. Este processo ancestral longo e cuidadoso envolve infundir repetidamente as flores de laranja na essência de laranja amarga para obter uma extração fria do perfume. Este método totalmente natural captura toda a riqueza e complexidade da flor da flor de laranjeira, junto com a faceta vibrante das frutas.

Como parte do processo de criação cuidadosamente elaborado de My Way, os perfumistas também combinam os ingredientes que formam o concentrado da fragrância em um processo de pesagem manual em Grasse, na França. Depois de misturados um a um, à mão e numa temperatura mais adequada, os ingredientes são pesados ​​manualmente por artesãos da perfumaria com este método artesanal meticuloso, ancestral e reconhecido, resultando numa construção olfativa superior.

My Way de Giorgio Armani está disponível em três volumetrias, 30ml, 50ml e 90ml com preços sugeridos de 319 reais, 469 reais e 619 reais. O refil de 150ml da fragrância tem preço sugerido de 719 reais.

Onde encontrar: SAC: 0800 701 7323

Privalia e Peguei Bode oferecem produtos de luxo com até 90% de desconto e frete grátis

Marcas como Chanel, Dior, Dolce&Gabanna, Gucci, Prada estarão disponíveis na primeira semana de agosto além de uma live hoje (2) às 19 horas

A Privalia, maior outlet online do Brasil, é conhecida por proporcionar experiências únicas para os seus clientes, com produtos das marcas mais desejadas a preços jamais vistos no mercado de moda. Por esse motivo, a companhia lança uma campanha exclusiva, com a curadoria da marca Peguei Bode, maior brechó de luxo online, que há mais de dez anos faz história com vendas de bolsas, roupas e acessórios de alto nível.

A campanha estará disponível no site da Privalia entre os dias 2 e 6 de agosto para todos os consumidores que amam ótimas oportunidades de compra, com descontos de até 90% e frete grátis para todo Brasil. Serão mais de 170 itens entre bolsas exclusivas (uma unidade de cada modelo), roupas, calçados e acessórios de marcas de alto luxo, em perfeito estado de conservação, como: Balmain, Bottega Veneta, Celine, Chanel, Dior, Dolce & Gabanna, Fendi, Gucci, Hermès, Louis Vuitton, MiuMiu e Prada. Todos os produtos passam por uma verificação de autenticidade rigorosa e recebem um selo de garantia Peguei Bode.

Para completar a programação da campanha, hoje também será realizada uma live às 1 9horas, no instagram da Privalia, com as duas fundadoras do brechó online, Gabriela Carvalho e Daniela Carvalho, dando dicas de moda e algumas revelações de itens que estarão disponíveis na campanha.

Além disso, os usuários da Privalia que possuem o serviço Premium terão acesso em primeira mão no dia 2 de agosto, às 20h, às ofertas (que estarão liberadas ao público geral às 7h do dia 3 de agosto). Para assinar o Premium da Privalia, que permite acessar com antecedência as campanhas por 3 meses, entre outros benefícios, basta fazer a compra do serviço diretamente no site da marca.

“Buscamos proporcionar experiências únicas para o nosso público, dando acesso às marcas que as pessoas achavam que não poderiam ter. Por isso, é com muito entusiasmo que lançamos campanha com a Peguei Bode. Essa iniciativa estimula o uso consciente de produtos, contribuindo para a economia circular e um futuro mais sustentável, e está alinhada às diretrizes de ESG, um dos nossos pilares estratégicos”, comenta Fernando Boscolo, CEO da Privalia.

“Por sermos o maior brechó online de luxo do Brasil, estamos muito entusiasmadas com a parceria com a Privalia. É a primeira vez que venderemos nossos produtos com descontos tão atrativos e uma curadoria única de bolsas, roupas, calçados e acessórios de alto nível”, comentam as fundadoras da Peguei Bode.

As vendas serão feitas na primeira semana de agosto, através do site e aplicativo Privalia, com parcelamento em até dez vezes sem juros e frete grátis para todo o Brasil (só enquanto a campanha durar).

Estratégia ESG Privalia

A iniciativa faz parte do foco da Privalia em ESG, um dos pilares estratégicos da empresa. Além dessa ação, a companhia implementou, em 2021, um projeto piloto de entregas sustentáveis, que consiste no uso de 30 bicicletas elétricas e 2 furgões, com zero emissão de carbono, para apoiar suas entregas. Além disso, o modelo de e-commerce, que é utilizado pela Privalia, por si só contribui para a redução de impacto ambiental, ao evitar a necessidade de deslocamento de pessoas para os centros de compras e evitando, dessa forma, o uso de transporte individual. Esse formato de atuação permite, ainda, reduzir o estoque excedente das marcas parceiras, contribuindo para evitar que essas peças sejam incineradas (caso não sejam vendidas), diminuindo a poluição que isso pode causar, e apoiar o crescimento sustentável do setor.

Reserva e Positiv.a sugerem presentes sustentáveis no Dia dos Namorados

Que tal sugestões de presentes sustentáveis para este Dia dos Namorados? A primeira sugestão é a assinatura de camiseta simples da Reserva: ao longo de um ano o cliente recebe três camisetas e, ao final de cada ciclo, devolve as peças para a Reserva, que as encaminhará para o processo de reciclagem, no qual o fio é desfibrado para virar um novo produto. Já o segundo é o kit de produtos de autocuidado da Positiv.a, todos são ecológicos, feitos com base vegetal, hipoalergênicos e veganos. Confira:

O básico sempre é a melhor e mais certeira opção de presente. A Reserva, marca de roupas masculinas, apostou no modelo simples e criou a Camiseta Simples para homens e mulheres. Sem estampas e com 12 cores diferentes, a camiseta foi pensada para vestir a todos, por isso está disponível nos tamanhos do 4P ao 4G. Com o pilar sustentável, a camiseta também pode ser adquirida por meio de um serviço de assinatura anual. Durante o período de um ano o cliente receberá três camisetas, a primeira no ato da compra e as demais a cada cinco meses. Ao final de cada ciclo, o cliente retorna as camisetas para a Reserva, que encaminhará as peças para o processo de reciclagem, no qual o fio é desfibrado para virar um novo produto. Camiseta Simples da Reserva – Mensalidade de R$ 24,99

Neste Dia dos Namorados, a Positiv.a convida os clientes a comemorarem com um kit para ser usado em par e em sintonia com o mar, afinal junho também é o mês do oceano. No total são sete itens de autocuidado, todos são feitos de base vegetal, hipoalergênicos e veganos, com embalagens e caixa de presente zero plástico e que fomentam a economia de pequenos produtores. 10% das vendas de cada kit será destinado à ONG Sea Shepherd Brasil, que defende, conserva e protege oceanos e a vida selvagem marinha.

Fazem parte do kit: uma Água Bioativa de Ylang Ylang, conhecida por suas propriedades afrodisíacas, algumas borrifadas florais podem ser usadas para esquentar o clima; um Óleo Hidratante de Coco, o lubrificante natural mais recomendado por especialistas, por ser natural, não afeta a saúde sexual com substâncias químicas e sintéticas, e ainda tem ação antifúngica e antibactericida, reduzindo o risco de infecções vaginais (não é recomendado o uso de óleo de coco com camisinha de látex, pois pode ocasionar o rompimento da mesma); um Óleo Hidratante de Gergelim, que pode ser usado para massagens; um Sabonete de Capim-limão, que promove um banho cheiroso em sintonia com a Natureza; duas Escovas de Dente de bambu; uma Pasta de dente Natural e uma caixa de presente para deixar tudo ainda mais bonito. O kit é vendido no site da Positiv.a por R$ 185,33.

Desafio de leites vegetais: ONG incentiva pessoas a adotarem dieta mais saudável e sustentável

Projeto ajuda intolerantes e novos adeptos do vegetarianismo a substituir o leite

A ONG internacional Sinergia Animal lançou o Desafio dos Leites Vegetais, uma ferramenta gratuita pensada para as pessoas que querem ou precisam parar de consumir laticínios de origem animal. Durante sete dias, os inscritos recebem comunicações diárias com dicas, receitas com substituições e informações sobre os impactos na saúde e no meio ambiente causados pelo consumo de leite animal.

“O projeto visa ajudar vegetarianos, que de acordo com pesquisa Ibope já são 14% da população brasileira, a fazerem a transição para o veganismo, estilo de vida que exclui o consumo de todos os tipos de produtos de origem animal. Além disso, também contempla pessoas que sentem desconforto digestivo após a ingestão de lactose, que segundo levantamento do Instituto Datafolha representam 35% dos brasileiros acima de 16 anos, e aqueles que desejam simplesmente explorar novas receitas”, explica Mirelle Coppi, coordenadora de ativismo e comunicações da Sinergia Animal.

Ela destaca que retirar o leite de origem animal da alimentação faz muitas pessoas descobrirem novos ingredientes e sabores. “Uma das vantagens dos leites vegetais é a diversidade: você pode fazê-lo com diversos insumos, desde soja, aveia, passando por todos os tipos de castanhas e sementes. Essa variedade pode tornar nossa alimentação muito mais nutritiva e também mostra que as alternativas podem muitas vezes ser baratas e acessíveis”, lembra Coppi, destacando que no desafio os inscritos aprendem não apenas a fazer o próprio leite vegetal, mas também diversas receitas como molhos, tortas e patês. 

Os hábitos de consumo dos brasileiros estão mudando

Foto: Steve Buissinne/Pixabay

Uma pesquisa realizada pela Euromonitor revelou que preocupações com a saúde, meio ambiente e bem-estar animal estão mudando os hábitos de consumo de produtos animais no Brasil. Entre 2013 e 2018, por exemplo, o consumo de bebidas vegetais como leite de coco, arroz, amêndoas e de outras castanhas registrou um crescimento de 35% ao ano no Brasil.

Não são poucos os motivos que explicam essa transformação. Segundo estudo realizado pela Universidade de Oxford, as emissões de gases de efeito estufa causados pela produção de leite de origem animal são até três vezes maiores do que as de alternativas vegetais. Ao mesmo tempo, estudos têm relacionado o consumo de leite de vaca com desenvolvimento de cânceres de próstata e de mama e de diabetes. Além disso, a produção de leite animal levanta preocupações a respeito da forma como as vacas são tratadas na pecuária industrial.

Conheça os benefícios de algumas das principais alternativas:

Leite de amêndoas

O leite de amêndoa é um dos mais utilizados e tem um sabor especial de nozes! É baixo em calorias, menos gordura saturada e mais gordura insaturada do que o leite de vaca. Quando feito em casa, é um dos leites vegetais que mais agrada as pessoas. Além de ter benefícios para a saúde, como gorduras saudáveis e alto índice de vitamina E. 

Leite de soja

É uma das alternativas com maior teor de proteína e menor impacto na pegada de carbono (muito menor que o leite de vaca!). As pessoas também consomem leite de soja por conter isoflavonas, que, de acordo com pesquisadores, têm efeitos anticâncer. Rico em cálcio e fósforo, pode ajudar a prevenir doenças cardíacas e osteoartrose. Também possui alto teor de ferro e vitaminas do grupo B, como folato e B6.

Leite de aveia

Foto: Antonis Achilleos – Food Stylist: Rishon Hanners

Você verá que a aveia produz um leite cremoso com sabor suave, perfeito tanto para bebidas quentes quanto para ser utilizado em várias receitas! Pode ser feito facilmente em casa e, portanto, é uma alternativa barata. Fornece mais vitamina B2 do que o leite de vaca e é rico em fibras e carboidratos de absorção lenta.

“Ainda é comum encontrar pessoas com receios sobre dietas vegetais, especialmente quando se trata de sabor — o que é absolutamente normal, já que a maioria de nós cresceu mergulhado em uma cultura alimentar muito dependente do consumo de animais. Mas o universo da alimentação vegetal é imenso e possui opções para todos os gostos. E é tendo em mente essa enorme variedade de sabores e das diferentes preferências das pessoas que propomos o desafio”, conta Coppi. 

Informações: Desafio dos Leites Vegetais da Sinergia Animal

Conheça o jeans produzido com um copo d’água

Malwee dá um novo passo em direção a um jeans com menor impacto para a natureza, com redução de 98% de água no processo fabril

Anunciado no fim do ano passado, o reposicionamento de marca da Malwee, Moda Sem Ponto Final, defende uma moda mais durável, versátil, sustentável e consciente. Com o Lab Malwee Jeans, a primeira lavanderia 5.0 da América Latina, a marca produz todos os jeans com redução de mais de 80% de água no processo de fabricação. Agora, o jeans mais sustentável do Brasil evoluiu. Em 20 de maio último, Dia Mundial do Jeans, a Malwee lançou oficialmente, nas lojas físicas e online, as primeiras peças produzidas com um único copo d’água, que equivale a uma redução de 98% deste líquido.

São dois modelos de calça; skinny feminina e slim masculina, que chegam ao mercado com o preço semelhante aos demais produtos da marca. “O fato de ser produzida com tecnologia que permite tamanha economia de água, não significa que o valor do produto será elevado. Elas custam o mesmo preço de uma calça jeans produzida da forma convencional. Além disso, todas as peças são confeccionadas com a mesma garantia flex jeans, trazendo, além da sustentabilidade, o conforto e a qualidade do jeans que não laceia”, explica Jaqueline Devegili, Coordenadora de Estilo do Jeans da Malwee.

O processo fabril do novo jeans da Malwee apresentou uma economia de mais de 7 milhões e 600 mil litros de água na produção de 127 mil peças. Essa quantidade de água seria suficiente para abastecer uma família de três pessoas pelo período de 63 anos. Sobre a tecnologia utilizada, Luiz Thiago de Freitas, Gerente Industrial Têxtil da Malwee, explica que esse resultado pôde ser alcançado a partir da junção de diferentes processos.

Tecnologia ditando tendências

“Ao contrário do modo tradicional de produzir o jeans, no qual muitos processos químicos usam água para obter os efeitos de lavagem, puídos e rasgos na peça, no Lab Malwee Jeans esses efeitos são produzidos com laser. Eles são desenhados em um software e aplicados por um equipamento de alta precisão. Os feixes de laser, nessa fase do processo, substituem grande parte da água e os químicos nocivos, que seriam utilizados num processo convencional”, afirma Freitas.

Já no processo úmido, a água é substituída por ozônio para obter os efeitos de clareamento das peças. A aplicação de amaciantes é feita através de uma tecnologia de nanobolhas, que ao invés de aplicar o produto com água, o aplica diretamente na peça por meio de uma nuvem de nanopartículas. Além disso, toda a água usada nesse processo é tratada internamente por um equipamento chamado H2Zero, para então voltar ao sistema. “Essa água fica num circuito fechado e é reaproveitada na produção de novas peças. A reposição necessária é feita apenas pela perda em evaporação”.

Para produzir as roupas em jeans com um processo muito mais sustentável que o convencional, a Malwee investiu 9 milhões de reais e montou um laboratório de desenvolvimento, que conta com tecnologia inédita na América Latina, embarcada da Espanha e desenvolvida pela empresa Jeanologia. Segundo a companhia, além da Malwee, apenas outras quatro empresas no mundo possuem esse tipo de processo completo para a fabricação de jeans, conhecido como “Lavanderia 5.0”.

A Moda Sem Ponto Final da Malwee

Todo esse investimento tem como objetivo viabilizar o desenvolvimento de práticas mais sustentáveis, e possibilitar que a moda seja feita de forma mais limpa e com menos impacto para o planeta. O Lab Malwee jeans é mais uma iniciativa que busca revolucionar o jeito de fazer jeans, possibilitando o consumo de um produto pelo mesmo preço de antes, mas feito de uma forma completamente diferente. “Água é vida e sem esse recurso não há futuro. A indústria da moda precisa buscar alternativas para desenvolver produtos com menos impacto e, mais do que isso, buscar formas de conscientizar os consumidores para um novo jeito de vestir”, diz Guilherme Moreno, Gerente de Marketing da Malwee.

As calças jeans da Malwee produzidas com apenas um copo d’água estão disponíveis nos tamanhos 34 a 48 no modelo feminino e do 36 ao 48 no modelo masculino. Elas podem ser encontradas no e-commerce da marca e nos mais de 20 mil pontos de vendas do Brasil, entre multimarcas e lojas fidelizadas Malwee.

Dia da Terra: para 67%, governo decepcionará se não agir agora para combater mudanças climáticas

Pesquisa da Ipsos também apontou que 3 em cada 4 entrevistados do Brasil cobram ações de empresas no combate às mudanças climáticas

Quase sete entre cada dez brasileiros (67%) acreditam que, se o governo não agir agora para combater as mudanças climáticas, estará deixando a desejar com o povo do país. O dado faz parte do levantamento Earth Day 2021, realizado pela Ipsos com entrevistados de 30 nações na ocasião do Dia da Terra, celebrado em 22 de abril. Considerando os respondentes do mundo todo, o percentual é ligeiramente menor (65%).

Pixabay

Ainda que responsabilize a esfera governamental, a população do Brasil também cobra ações do setor privado. Três em cada quatro pessoas (75%) afirmam que se as empresas locais não agirem agora para combater as mudanças climáticas, elas estarão falhando com seus clientes e funcionários. No mundo, são 68%.

Além disso, 77% dos entrevistados brasileiros concordam que falharão com as gerações futuras se, enquanto indivíduos, não agirem para combater as mudanças climáticas neste momento. Levando em conta os respondentes das 30 nações, o índice é de 72%.

Apesar da ampla cobrança por iniciativas, no Brasil, 45% das pessoas acham que o governo não tem um plano claro de como vai trabalhar, em conjunto com as empresas e a própria população, para enfrentar as mudanças climáticas. Por outro lado, 26% acreditam que o governo possui, sim, ações planejadas para lidar com a questão. Globalmente, a média de respondentes que não deposita confiança no plano de ação de seu governo é de 34%, contra 31% que acreditam haver um plano claro traçado por seus governantes para o combate das mudanças climáticas.

Pinterest

“Enquanto 67% dos brasileiros concordam que se o governo não agir agora para combater a mudança climática estará decepcionando as pessoas, apenas 26% dizem que o governo realmente tem um plano claro de como fazer com que o próprio governo, empresas e pessoas atuem juntas nessa questão. Com o tema de meio ambiente ganhando cada vez mais espaço no noticiário, principalmente por conta da Amazônia, isso traz um claro alerta”, analisa Ronaldo Picciarelli, diretor de clientes na Ipsos no Brasil.

“75% dos brasileiros também esperam das empresas privadas ações de combate à mudança climática, do contrário estarão decepcionando seus clientes e empregados. Isso mostra que mesmo no cenário de pandemia e seus respectivos reflexos no bolso do consumidor, as ações verdes lideradas pelas marcas e empresas ainda continuam com alta relevância para seus consumidores”, completa.

Impactos no pós-Covid

Freepik

No Brasil, 37% das pessoas acreditam que o enfrentamento das mudanças climáticas deve ser uma prioridade do governo na retomada econômica pós-pandemia, enquanto 35% afirmam o contrário. Quando perguntados a respeito de quais comportamentos pessoais esperam mudar quando as restrições impostas pela crise humanitária acabarem, 45% dos entrevistados no país disseram que irão fazer o possível para evitar o desperdício de alimentos.

Além disso, 41% falaram que vão passar a fazer mais trajetos a pé ou de bicicleta, em vez de usar o carro. A queda no consumo foi a terceira opção mais citada, empatada com a adesão ao trabalho remoto. 35% dos brasileiros afirmaram que vão comprar somente o que realmente precisam, em vez de comprar roupas, sapatos e outras coisas só por diversão, e 35% disseram que vão trabalhar mais em casa, em vez de se deslocar até ao trabalho.

“A informação de que 41% dos entrevistados no Brasil têm intenção de se locomover menos de carro e mais a pé ou de bicicleta conversa com o fato de que 35% dos brasileiros pretendem trabalhar de casa após a pandemia, uma tendência que se intensificou bastante no último ano e que parece ter se estabelecido dentro do grupo de pessoas que tem essa possibilidade. Isso também afeta a diminuição da mobilidade nas cidades, migração de consumo em comércios mais próximos do lar, maior uso de entrega em domicílio (delivery), consumo de serviços e produtos dentro do lar, assim como uma possível migração de moradias longe dos centros comerciais”, comenta Picciarelli.

O que pode ser feito?

Pensando nas atitudes que podem ser tomadas a fim de limitar a própria contribuição para a mudança climática, 54% dos respondentes no Brasil afirmam que é provável que evitem produtos que tenham muita embalagem; 46% devem passar a reciclar materiais como vidro, papel e plástico; 46% revelam a possibilidade de consumir menos laticínios ou substituí-los por alternativas, como leite de soja; e 40% pretendem comer menos carne ou substituí-la por alternativas como feijão.

A pesquisa on-line foi realizada com 21.011 entrevistados sendo mil brasileiros, com idades entre 16 e 74 anos de 30 países. Os dados foram colhidos entre os dias 19 de fevereiro a 05 de março de 2021. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 pontos percentuais.

Fonte: Ipsos