Arquivo da tag: tassiane alvarenga

5 dúvidas comuns sobre a terapia de reposição hormonal na menopausa

A TRH, ou TH, como é chamada, traz uma série de benefícios para a vida de mulheres que chegam ao fim do período fértil

A menopausa é um marco inevitável na vida de uma mulher: a partir de uma certa idade, ela não só é esperada, como também apresenta uma série de sintomas que interferem na qualidade de vida. É aí que entra a Terapia de Reposição Hormonal (TRH), uma solução para contornar os efeitos da menopausa e manter a qualidade de vida e a autoestima femininas.

“A terapia hormonal (TH), antigamente chamada de ‘reposição hormonal’, é o único tratamento comprovadamente eficaz para o alívio dos principais sintomas da menopausa, principalmente os calores (fogachos) e os sintomas de ressecamento vaginal (síndrome genitourinária da menopausa)”, explica Igor Padovesi, ginecologista e membro efetivo da Sociedade Norte-Americana de Menopausa.

De acordo com o médico, a TH também é aprovada como primeira linha de tratamento e prevenção da osteoporose, e indicada obrigatoriamente para mulheres com diagnóstico de menopausa precoce (antes dos 45 anos).

Dada a importância desse tratamento para um período tão impactante da vida reprodutiva feminina, os especialistas respondem às principais questões sobre o assunto:

1-Quando a TH é indicada?

“Atualmente, diversas sociedades médicas indicam a utilização da TH necessariamente em quatro situações principais: presença de sintomas vasomotores (as famosas ondas de calor), síndrome geniturinária da menopausa (ressecamento vaginal e sintomas urinários), prevenção da perda de massa óssea (osteopenia/osteoporose) e menopausa precoce”, explica Tassiane Alvarenga, endocrinologista e metabologista membro da SBEM.

Shutterstock

Além dessas indicações clássicas, existem estudos que apontam para benefícios dessa terapia além das indicações tradicionais, por exemplo:
Melhora da função sexual
Melhora de sintomas depressivos
Melhora dos padrões de sono
Diminuição do acúmulo de gordura corporal e no abdome
Redução do risco de diabetes e de doenças cardiovasculares

2.Quais os hormônios utilizados na Terapia Hormonal?

São três, no total:
Estrogênio: é a base da terapia hormonal. É o principal hormônio, que fornece o alívio mais eficaz para os sintomas da menopausa.
Progesterona: deve ser acrescentada para proteger as mulheres com úteros contra o câncer de endométrio (uterino), que pode ser causado pelo uso único de estrogênio.
Testosterona: é acrescentada para melhora de sintomas relacionados à sexualidade (falta de libido, dificuldade de ter orgasmo etc.). Também é o hormônio mais ligado ao vigor físico, disposição, e ganho de massa magra.

3-Quais exames são necessários antes da prescrição da terapêutica hormonal?

“O mais importante é a avaliação clínica minuciosa e, de acordo com os consensos mundiais, não são necessários exames complementares para confirmação diagnóstica antes de se iniciar a TH”, explica o Dr. Igor. “Para aquelas com história e/ou exame físico sugestivos de alguma condição de saúde associada, os exames complementares devem ser direcionados especificamente para a condição identificada.” Na prática, é usual a solicitação de alguns exames gerais de sangue e de imagem antes de dar início à terapia hormonal. O seguimento com exames complementares durante o uso de TH pretende certificar a segurança de uso da medicação.

4-Quais os principais riscos da Terapia Hormonal?

Segundo a Dra. Tassianae, dentre os possíveis eventos adversos associados ao uso de TH, destacam-se um discreto aumento no risco de câncer de mama para usuárias de TH combinada (com progesterona) e pequeno aumento na incidência de trombose (aparentemente associada à terapia hormonal por via oral). Em mulheres com útero, o uso de estrogênio também pode aumentar o risco de câncer de endométrio.

5-Por quanto tempo devo manter a terapia hormonal?

A duração do tratamento com terapêutica hormonal é um pouco controverso, e alguns fatores devem ser considerados na manutenção do uso da TH por longos períodos. A maioria das mulheres pode voltar a piorar dos sintomas quando a terapia for suspensa, por isso, essa decisão deve ser individualizada entre a paciente e o médico, considerando fatores como os sintomas, riscos individuais, a perda dos benefícios cardiovasculares e esqueléticos quando o tratamento é suspenso, qualidade de vida e preferência individual.

Fontes:
Igor Padovesi é ginecologista e obstetra formado e pós-graduado pela USP. Médico do corpo clínico do Hospital Albert Einstein, pertencente à categoria “Einstein Premium” pelo programa de relacionamento do corpo clínico da instituição (segmentação mais alta entre o corpo clínico). Especialização em Endometriose e Cirurgia Minimamente Invasiva pelo Hospital Sírio-Libanês.
Tassiane Alvarenga tem graduação em Medicina pela Universidade Federal de Uberlândia — UFU;Residência Médica em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo — UNIFESP;
Residência Médica em Endocrinologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FM USP); Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia- SBEM; Membro da Endocrine Society, SBEM e Abeso;Faz parte do Corpo Clínico da Santa Casa de Misericórdia de Passos.

Alguns mitos e verdade sobre diabetes

Dados recém-publicados pelo Vigitel e divulgados pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia mostram que o número de pessoas com diagnóstico de diabetes cresceu 60% nos últimos dez anos no Brasil. Entre os fatores envolvidos com o aumento estão: obesidade, alimentação errada e sedentarismo.

Para Tassiane Alvarenga, endocrinologista e metabologista formada pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP),  a informação é a melhor forma de orientar a população e fazer a trocar do medo pela precaução e prevenção. A médica listou alguns dos principais mitos e verdades relacionados com a diabetes.

1- Comer muito doce causa diabetes

mulher doces shutt

Mito: 90% dos casos de diabetes é o do tipo 2, não existe só uma causa de diabetes tipo 2. São vários fatores que juntos desencadeiam a doença, e os principais são tendência genética, ganho de peso e vida sedentária. O ganho de peso ocorre pelo excesso de calorias. Lógico que o doce tem muita caloria, mas a pessoa pode nunca comer doce, mas se comer pão, arroz, massa ou até coisas saudáveis em excesso e engordar, tem o risco de desenvolver diabetes. Não é o fato de comer doce e, sim, qualquer alimento em excesso, junto com a tendência genética e o sedentarismo.

2- Diabetes tem causa genética

Verdade: já se sabe que há uma influência genética – ter um parente próximo com a doença aumenta consideravelmente as chances de você ter também.

3- Diabetes geralmente não causa sintomas. 

Verdade: sabemos ainda que muitos pacientes desconhecem este diagnóstico. Pois, na maioria das vezes, nas fases iniciais e intermediárias, trata-se de uma doença assintomática. É uma epidemia silenciosa.

4- Todo produto diet é liberado para os diabéticos. 

chocolate sem açúcar stux pixabay
Foto: Stux/Pixabay

Mito: quando se tem o diagnóstico de diabetes, a primeira ideia é que devemos usar a partir de então somente produtos dietéticos. Para isso é importante analisar se são mesmo indicados, até porque nem todos os alimentos diet são sem açúcar. Os produtos diet se destinam a grupos populacionais com necessidades específicas. O que significa que o produto é isento de um determinado nutriente. A maioria dos produtos diet são sem açúcar, mas é importante comprovar se o nutriente retirado foi mesmo o açúcar, e não gordura, sódio ou outro componente.

5- Diabetes emagrece.

Mito: apenas em fases iniciais graves, em que o pâncreas não está funcionando e não existe insulina no corpo. Mas, normalmente, não emagrece.

6- Estresse pode subir a glicose no diabético.

Verdade: estresse emocional aumenta o risco de desenvolver diabetes por várias razões. A primeira tem causa hormonal: o estresse crônico aumenta o nível do hormônio cortisol, que ocasiona entre outras coisas o aumento da gordura abdominal, o que, por sua vez, aumenta o risco de diabetes.

Fonte: Tassiane Alvarenga