Arquivo da tag: trabalho

Sete dicas para empreender depois dos 50

Para especialista da ESPM Rio, o aprendizado perene é essencial para profissionais que desejam iniciar um novo negócio

Não há idade para desenvolver uma atitude empreendedora. Por isso, o lifelong learning, conceito de aprender e se atualizar ao longo da vida, deve ser usado por profissionais diante de qualquer oportunidade na carreira e até mesmo para iniciar um novo negócio. Paula Calil, professora do curso Mercado Sênior – Bora Empreender?, da ESPM Rio, dá sete dicas para pessoas acima dos 50 anos de idade que desejam entender as práticas do mercado e enfrentar as adversidades de um novo negócio.

“Há um certo grau de inquietação e alegria por estar diante da oportunidade de empreender após os 50”, diz Paula. “Esse momento deve possibilitar a essas pessoas um espaço para reflexão não só para o autoconhecimento, mas especialmente para aprender e se capacitar a assumir seu próprio negócio”, completa.

Veja as sete dicas para quem quer empreender após os 50 anos:

Radoan Tanvir/Pixabay

1) Participe sempre de eventos de empreendedorismo e inovação para estar atualizado em relação às diferentes tendências e modelos de negócios. Entidades reconhecidas, como o Sebrae e a Endeavor, oferecem cursos, palestras e uma série de outros benefícios. A ESPM, pelo seu programa de extensão tem se dedicado a oferecer programas que atendam os interessados em empreender, oferecendo uma base sólida com os professores altamente capacitados não só como acadêmicos, mas como profissionais de mercado.

23RF

2) Procure estar atualizado com novas tecnologias de gestão, assim como de comunicação e videoconferência. Inscreva-se em cursos que o capacitem em novas plataformas digitais, que ampliam sua visão de negócio, para que nesse momento de exceção seja possível usufruir de recursos digitais que contribuam à adesão ao home office.

3) Este é o momento de revisitar sua história de vida e história profissional, para reconhecer suas competências e identificar suas fraquezas. Comece pelas competências de relacionamento: suas habilidades de comunicação, sua capacidade de resiliência, sua liderança, sua habilidade em se relacionar com as pessoas, seu conceito de bom atendimento, busca por inovação, entre outras.

4) Independentemente do negócio que for empreender, você irá utilizar fortemente sua rede de contatos (networking). Negociar fará parte do seu dia a partir de agora, lembrando que a base disso sempre será seus contatos.

5) Reveja suas crenças. Tenha sempre em mente que iniciar seu negócio exige um desapego de muitos conceitos e expectativas que você já teve. Além disso, vale lembrar que você não terá mais toda a infraestrutura que um dia se beneficiou como executivo.

6) Tenha em mente que a venda não é a atividade mais importante que planejamento ou gestão do seu negócio, seja ele produto ou serviço. Em outras palavras, vender compulsivamente de nada adianta se você não estiver atento a gestão do seu negócio e ao planejamento de suas atividades no curto, médio e longo prazos.

7) A Internet é a maior fonte de informações para qualquer tipo de negócio. Você poderá iniciar sua pesquisa buscando fontes seguras para entender os negócios existentes no mercado, seja local ou global. Além disso, diversas ferramentas e recursos de busca podem ajudá-lo a entender as melhores práticas (benchmarking) para o negócio que você pretende empreender.

Fonte: ESPM

Doenças do home office: depressão, transtornos de ansiedade e burnout têm aumentando

Depois de mais de seis meses do início da quarenta vivemos o reflexo do isolamento social, provocado pela crise epidemiologia, econômica e social profunda sem precedentes – e dificilmente alguém sairá ileso dos impactos. Resultado: aumento de diagnósticos de depressão, estresse, esgotamento mental, pânico, transtornos de ansiedade. Além das dores na coluna, tendinites, agravamento de problemas circulatórios (varizes), obesidade e o próprio sedentarismo pode vir agravar a saúde como um todo.

Edwiges Parra, psicóloga, instrutora de Mindfulness MBCT-D, especialista em Recursos Humanos, nos últimos meses vivenciou o aumento por ajuda no seu consultório, com queixas de medo, ansiedade, depressão e muitas dores físicas, excesso de telas causadas pela pressão do trabalho e isso leva a um espiral de exaustão mental e o isolamento e/ou distanciamento acabam sendo agentes de gatilhos emocionais.

De acordo com os trabalhos desenvolvidos pela psicóloga em empresas, o público feminino vem apresentado aumentados níveis de estresse, na tentativa de equilibrar a vida pessoal (afazeres domésticos, cuidados com os filhos e relação conjugal) e vida profissional. Os líderes relatam sobrecarga de trabalho, maior esforço e mais tempo dedicado a realizar as tarefas da empresa. E a geração Z (nascidos após 1997) demonstra mais tédio, desânimo e insegurança com o futuro, o que é representado pelo impacto financeiro e ameaça ao desemprego.

“O medo pode se tornar um problema quando é excessivo, frequente ou quando surge em situações nas quais a maior parte das pessoas não o manifestaria. Nessas situações, ele pode se tornar exagerado ou irracional e, até patológico (desequilibrado), transformando-se em um transtorno de ansiedade ou uma ansiedade aguda, explica Parra.

Segundo a psicóloga os agentes estressores como desemprego, mudanças bruscas de condições financeiras, medo, excesso de telas, e jornadas extensivas de trabalho estão mexendo com o bem-estar mental acarretando:

Foto: Moritz320/Pixabay

Síndrome de Burnout – causado pelo excesso de trabalho. Trata-se do estado físico, emocional e mental de exaustão extrema, que resulta do acúmulo excessivo em situações de trabalho emocionalmente exigentes e principalmente estressantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

Transtorno de ansiedade – pode surgir como uma angústia e desencadear para crise de pânico ou depressão e interferem na vida da pessoa a ponto de paralisar a realização de tarefas e interações e relacionamentos. Provocam sintomas como sudorese, medo, aumento da frequência cardíaca e tremores.

O que as pessoas podem fazer para manter a boa saúde mental no home office:

Estratégias funcionais e adaptativas:

Shutterstock

• Exercícios de relaxamento
• Distração temporária durante as crises
• Exercício físico
• Conectar emoções e valores maiores
• Substituir uma emoção por outra agradável ou apropriada

Foto: SelfSetFreeLiving

• Consciência plena (mindfulness)
• Aceitação
• Atividades prazerosas
• Momentos íntimos compartilhados
• Alimentar-se de bons nutrientes

Adotar uma psicologia do estilo de vida que considere a respiração, consciência, movimento e a transcendência (senso de valor e propósito de vida) como norteadores integrados para uma vida com melhor longevidade, produtividade e bem-estar.

O que as empresas podem fazer para ajudar seus colaboradores:

É recomendável que empresas adotem medidas preventivas e de apoio para o próximo ciclo que vamos enfrentar, (a quarta onda), que exigirá adaptabilidade para a retomada aos postos de trabalho.

Medidas básicas que podem ser adotadas:

• Pesquisa Interna de monitoramento do nível de estresse
• Webinars ministrados por profissionais da saúde debatendo temas de saúde mental para todos os funcionários (esta é uma boa forma de psicoeducação)
• Webinars voltados especificamente para líderes para discutir temas específicos de gestão e explicitar a importância do autocuidado.
• Rodas de conversas internas (com a devida segurança)
• Programas de meditação mindfulness
• Incentivo a terapia online (para prevenção e apoio)
• Protocolos de intervenção nos casos em que houver um prejuízo ao bem-estar mental do colaborador.

Fonte: Edwiges Parra é psicóloga Organizacional, Terapeuta Cognitiva-Comportamental, Instrutora de Mindfulness MBCT-D e Colunista Você RH

Brasileira lança rede social gratuita para mulheres empreendedoras

Donadelas é a nova plataforma digital para conectar ideias, projetos e serviços entre mulheres a frente de seus próprios negócios

O Brasil é um terreno muito fértil para o empreendedorismo feminino. Um relatório do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), divulgado no ano passado, demonstra que a taxa de empreendedoras no estágio inicial do negócio (de até 3,5 anos) chegou a 16 milhões de mulheres, ou seja, elas são responsáveis por metade dos negócios nesta fase, no país.

O fenômeno da entrada maciça de mulheres no terreno do empreendedorismo, que até pouco tempo atrás era majoritariamente liderado por homens, pode estar relacionado aos dados apresentados pelo Governo Federal que dão conta de que três em cada quatro lares brasileiros são hoje chefiados por mulheres — 41% tem o próprio negócio. Eles, geralmente, são voltados para varejo e serviços.

De olho neste movimento e com a proposta de criar um espaço único e inovador para discussão de ideias e troca de experiências entre mulheres que estão adentrando o mundo do empreendedorismo — a maioria dos negócios chefiados por elas está em estágio inicial como mencionado –, a empreendedora Ely Ribeiro aposta no ineditismo de uma rede social dedicada a elas.

“Muitos dos lares brasileiros chefiados por mulheres têm como característica o esforço individual de cada uma. Grande parte das vezes, essas mulheres não têm emprego formal, se veem diante da necessidade de empreender e apostam naquilo em que têm algum conhecimento, mas sem metas pré-definidas. Desenvolver ações práticas e com foco em resultados rápidos torna-se primordial para atender as limitações de tempo que elas dedicam ao negócio, nessa premissa, a rede Donadelas apresenta um layout simples, com foco em negócios, que pode gerar um impacto positivo na vida dessas mulheres – explica Ely.

O Donadelas foi idealizado para proporcionar mais oportunidades de negócios a essas brasileiras que estão iniciando seu caminho na seara do empreendedorismo e também àquelas que já se encontram há mais tempo no mercado, já aprenderam com os erros e têm boas perspectivas de crescimento.

“O interessante é que se trata de uma rede gratuita, disponível a qualquer mulher que deseje divulgar seu trabalho ou fazer networking com outras empreendedoras. Na página pessoal é possível postar fotos, colocar detalhes de seu perfil e história. Há também espaço para enquetes rápidas, que podem facilitar em muito na pesquisa de tendências ou ideias, e ajudar as empreendedoras na tomada de boas decisões”, conta a idealizadora da rede social.

Ilustração: Pete Linforth/Pixabay

O Donadelas tem uma vertente internacional, com a participação de um sócio-investidor, o francês Mohamed Moulaye: “Nosso foco inicial é apresentar uma plataforma que facilite a vida e os negócios das mulheres empreendedoras no Brasil, e em breve visamos conectá-las numa rede mundial de partilha de conhecimentos, experiências e negócios, beneficiando-as com a possibilidade de expansão de seus empreendimentos além-fronteiras”, relata.

Informações: Donadelas

A mulher de 50 nas organizações, por Monica Teófilo*

A mulher de 50, na sua maioria, foi criada para dar conta do trabalho, da casa, dos filhos. É a mulher polvo que fez jus à máxima de que “mulher dá conta de mais de uma coisa ao mesmo tempo”.

A mulher de 50 não foi convidada a entrar em contato com seus desejos profissionais no início de sua carreira, com seu propósito ou com seus sonhos. Foi incentivada a estudar e desbravar o mundo que se abria para o pensamento feminino. Um mundo que seria conquistado pelas mulheres que se relacionavam com os homens da era industrial em empresas mecanicistas – e hierárquicas.

123RF

A mulher de 50, que é mãe, está vendo seus filhos entrando na vida adulta ou na puberdade. Suas crias começam a ser independentes, a trilhar seus próprios caminhos e a alcançarem seus voos solos. São “crianças” colocando no mundo os valores já instalados pela maternidade gestacionada por essa mulher de 50.

A mulher de 50 pode, agora, se sentir liberta, voltar a olhar pra si e se (re)conhecer com seus desejos e, quem sabe, sonhar com seus próprios sonhos.

A mulher de 50, mais madura hoje, pode refletir sobre o sentido da vida e seu legado, escolher as batalhas que quer entrar e, ao mesmo tempo, refletir sobre aquelas que deixou para trás e se questionar sobre qual o futuro quer viver no agora?

Quando mulheres de 50 estão dentro de empresas, não é raro se compararem aos seus pares e –pela comparação etária – sentirem que estão no local errado, que o tempo passou. Ou, até mesmo pela pressão do tempo e não pelo desejo genuíno, perceberem que precisam decidir seguir para um próximo passo, porque o mercado é implacável.

Se você é uma mulher de 50 e tem uma posição de liderança média, há uma cobrança da sociedade para que assuma uma posição executiva ou libere espaço para os mais jovens.

Se você é uma mulher de 50 na alta liderança de uma organização e decidiu não ter filhos, tem que lidar com o olhar dos que estão à sua volta questionando se é uma escolha ser líder ou ser mãe.

123RF

A mulher de 50 é jovem para ser avó. A mulher de 50 é velha para ser mãe.

Mas a verdade é uma só: a mulher de 50 tem idade para aprender, tem seu próprio ritmo de aprendizado e pode fazer isso das maneiras mais diversa. Mais: as mulheres de 50 são excelentes tecelãs de saberes, conectam as gerações e quando se dão contam e aproveitam desse seu poder pessoal, são excelentes transformadoras do ambiente organizacional.

*Monica Teófilo é psicóloga, mestranda, psicodramatista, consteladora sistêmica e cofundadora da Fator Diversidade, consultoria que une ciência e arte para o desenvolvimento de ambientes corporativos diversos e inclusivos

Relações digitais: como humanizar contatos em tempos de home office?

Especialista indica quatro práticas fundamentais para ampliar o network e melhorar a comunicação para o desenvolvimento pessoal e profissional

Competência essencial para sobreviver ao “novo normal”, a capacidade de se comunicar pela internet e manter relacionamentos duradouros têm sido um desafio para muitos neste período de distanciamento físico. Enviar um e-mail, uma mensagem ou interagir em uma publicação nas redes sociais de um colega pode ajudar a manter o contato social e diminuir sofrimentos como ansiedade, angústia, medo e insegurança. A questão é: por que confiar na tecnologia e utilizá-la para compensar a falta de “olho no olho”?

Segundo pesquisas, um dos principais motivos de arrependimento dos pacientes no leito de morte é não ter expressado os sentimentos, sejam eles bons ou ruins. De acordo com a psicoterapeuta, coach, fundadora da Multitalento, palestrante e escritora Adriana Jesus, isso ocorre porque vivemos em um mundo desumanizado, onde não há espaço para expressar as emoções sem correr o risco de se sentir humilhado, ridículo, inseguro ou arrependido por ter aberto a boca.

No entanto, transformar essa situação, principalmente em tempos de isolamento social, é um diferencial para se destacar no mercado e não sofrer os efeitos das relações digitais. A especialista explica que a capacidade de sentir e perceber não só a nós, mas também aos outros, deve estar totalmente associada às questões práticas, objetivas e racionais, ligadas a estrutura, recursos e processos profissionais.

Adriana alerta para o cuidado de não cair na tentação de mentir para si mesmo e encontrar desculpas para não agir de maneira humanizada, culpando a tecnologia por agir com frieza e indiferença. “Existem canais de apoio psicológico para salvar vidas do suicídio por meio de atendimento telefônico. Notem, portanto, que para humanizar os contatos em tempos de home office não precisamos reinventar nada. Basta seguir as melhores práticas de cuidado humano: aprender a demonstrar bem querer, respeito com as pessoas, capacidade de ouvir e empatia”, ressalta.

Confira o passo a passo para humanizar os contatos em tempo de reclusão:

1 – Ao invés de julgar o outro, diga como se sente diante das atitudes inadequadas dele. Substitua o “você é teimosa” por “eu me sinto ignorado quando você não ouve a minha opinião”. No lugar de “você é irresponsável”, fale “eu fico preocupado com os seus sucessivos atrasos nas entregas das atividades”. Troque o “você é agressivo” por “eu me sinto desconfortável quando você aumenta o tom de voz para falar comigo”.

2 – Cuide do jeito como você se comunica, pois pode acabar matando sua “galinha dos ovos de ouro”. Não use tonalidade acusatória, queixosa, manipuladora ou chantagista, como “você não tem jeito”, “por sua causa”, “não acredito que você está fazendo isso comigo”, “a culpa é toda sua”.

3 – Diga sempre a verdade baseada em fatos evidentes e com respeito. “Você tem feito piada fora de hora e está se tornando muito desagradável. Por favor, pare com isso. Estou me sentido desrespeitada”.

Shutterstock

4 – Revele os seus sentimentos. Esta atitude humanizada aumenta consideravelmente as chances de solucionar um problema e evitar conflitos, pois ajuda o outro a criar empatia por você. Essa ação mostrará a real dimensão das consequências das atitudes dele, o que pode contribuir para uma reflexão produtiva e evitar a recorrência da conduta que gerou o problema.

“O contato humanizado é extremamente importante, tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Então, a minha sugestão é que as pessoas adotem essa boa prática e, com ela, iniciem a construção de relacionamentos muito mais saudáveis e produtivos”, finaliza a especialista.

Fonte: Adriana Jesus é escritora, palestrante, coach e psicoterapeuta, oferece orientações customizadas com metodologias exclusivas para transformar pessoas em líderes de alto desempenho. Reconhecida por entregar valor e solução aos profissionais dos mais variados segmentos, motiva gestores a se apropriarem de autoconhecimento e inteligência emocional. Lançou o livro-coach “Impressione sendo quem você é”, obra que terá segunda edição este ano. Foi executiva de RH em empresas de renome, como Unilever e Bic, é fundadora da Multitalento – consultoria empresarial e educacional expert em desenvolvimento humano sustentável e gestão customizada de pessoas -, e parceira da M1 Alta Gerência, especializada em recolocação profissional e corporativa.

Mulher, mãe e executiva: como lidar com o home office em tempo integral

As executivas Vanessa D’Angelo e Caroline Raimundo pontuam os desafios de se adaptar ao novo normal enquanto tentam balancear a vida pessoal e profissional durante a pandemia de Covid-19

O período de distanciamento imposto pela pandemia do novo coronavírus proporcionou mudanças no estilo de vida da maioria dos executivos em todo o mundo, que precisaram se adaptar a uma nova forma de trabalhar e liderar, agora, exclusivamente, à distância. Para as mulheres e mães, esta adaptação se mostrou ainda mais desafiadora, já que o novo normal também contempla o fechamento das escolas e os filhos em casa em tempo integral.

vanessa e filhas

Vanessa D’Angelo, Head de Marketing para a América Latina na LogMeIn, já estava acostumada ao trabalho remoto pelo menos duas vezes por semana antes da pandemia e, apesar disso, pontua que nas primeiras semanas de adaptação ao home office somado ao distanciamento foi muito difícil separar o trabalho dos cuidados com a casa e relacionamento com a família. A executiva é casada e mãe de duas adolescentes e, em família, depois de uma conversa séria sobre o momento desafiador, decidiram dividir as tarefas para que a rotina de todos pudesse seguir da melhor forma possível.

Com crianças mais velhas, lidar com a educação das filhas a distância também não foi um grande problema para Vanessa, já que além da idade e facilidade com a tecnologia, as adolescentes também já haviam sido capacitadas por sua escola para utilizar o notebook anteriormente nas aulas presenciais. Porém, essa não é a realidade da maioria das mães.

caroline

Caroline Raimundo, Gerente de Marketing na Acer do Brasil, é mãe de crianças de 5 e 7 anos, em fase de alfabetização e que precisam de auxílio em tempo integral com as aulas online. Para a executiva, conciliar a rotina de liderança remotamente, com os cuidados com a casa e os filhos é, sem dúvidas, um grande aprendizado. “Transformei a mesa da cozinha em um grande coworking onde eu e meu filhos passamos parte do dia juntos, eu trabalhando e eles estudando. E, sempre que há dúvidas nas tarefas da escola, levantam a mão e eu vou ajudá-los”, destaca Caroline.

Não é de hoje que o trabalho remoto se popularizou entre diversas áreas e empresas. Nos últimos anos, com a chegada dos nativos digitais ao mercado, a prática se tornou requisito essencial para inúmeras vagas, principalmente em empresas com atuação global. Apesar disso, no Brasil, ainda era visto por muitos como um tabu.

De acordo com ambas as executivas, diante de todos os desafios do momento atual, a principal cobrança ainda vem delas mesmas. “Eu tinha receio de falar que estava ocupada fazendo uma tarefa de casa e não podia fazer algo do trabalho naquele momento”, conta Vanessa.

Caroline, que ainda não tinha a rotina de trabalhar em casa com frequência antes da pandemia, também pontua o quanto é delicado impor limites aos colegas de trabalho durante o home office em tempo integral: “aprendi a ter horário para conectar e para desconectar, e entendi que não é errado focar em outras atividades da vida pessoal e buscar maior equilíbrio durante este momento. Quando sabemos o momento de colocar e cumprir os horários, todos entendem e te seguem como exemplo”.

mulher casa home office

Apesar das dificuldades, após um período de adaptação, a situação também trouxe muitos benefícios à rotina de negócios das executivas, que se dizem muito mais focadas, criativas e produtivas enquanto trabalham de casa. No quesito família, os benefícios também são inúmeros. “Com a correria do dia a dia, eu nunca tinha conseguido passar tanto tempo com minhas filhas e isso me fez descobrir novas características nelas que em outro momento talvez eu não teria oportunidade, e essa experiência não tem preço”, pontua Vanessa.

A forma como as empresas estão lidando com a nova rotina também pode influenciar bastante na qualidade de vida dos funcionários. De acordo com Caroline, “a Acer vê o bem-estar dos funcionários como a sua maior prioridade neste momento, o que tranquiliza e incentiva suas equipes a continuar prestando serviço de qualidade e com segurança de suas casas”.

A LogMeIn também está priorizando o bem-estar do seu time e para isso criou benefícios para auxiliar os funcionários na aquisição de itens para seus escritórios em casa e decretou, mensalmente, um feriado institucional para incentivar suas equipes de todo o mundo a passar mais tempo de qualidade e em família durante a pandemia de Covid-19.

Para outras mães e executivas que também estão batalhando para equilibrar as tarefas do trabalho e a vida pessoal, as executivas dão dicas simples e práticas que estão as ajudando bastante nos últimos três meses:

homem pai menino cozinha limpeza dissolve
Dissolve

• Criar regras – independente das obrigações e agendas do trabalho e de casa, é importante impor regras para si mesma, para a família e para os colegas de trabalho. Seja criando um horário fixo para cada atividade diariamente; ou deixando claro para a família e os e colegas de trabalho em que momentos você não está disponível, criar uma rotina é fundamental.

nao não Gerd Altmann por Pixabay
Gerd Altmann/Pixabay

• Não ter medo de dizer “não” – a família e os colegas de trabalho precisam estar cientes que haverá momentos em que você não estará disponível para o trabalho e/ou socialização.

Skype- terapia internet
• Separar um tempo para si mesma – seja fazer exercícios, ler, assistir filmes ou até mesmo um novo curso online, é preciso lembrar de separar diariamente momentos para relaxar com atividades prazerosas e relaxantes para você, já que o momento atual tende a causar mais ansiedade e estresse.

Como se preparar para um futuro profissional incerto?*

O futuro do trabalho já era alvo de muitos estudos, palestras e conferências pelo mundo afora. Com a pandemia, o assunto ganhou ainda mais relevância. Especialistas são unânimes ao dizer que estamos vivendo o fim da era dos empregos para a entrada definitiva na era do trabalho. Isso quer dizer que registros em carteira, vale-transporte, alimentação e batidas de cartão de ponto parecem mesmo estar com os dias contados. Mas, calma, não há motivo algum para pânico.

Sempre houve e sempre haverá alguém disposto a pagar para outra pessoa fazer aquilo que ele não gosta, não sabe, não quer ou não consegue fazer sozinho. E essa é a oportunidade ideal para a oferta de um trabalho remunerado. Ou seja, é bem provável que, num futuro não muito distante, você se torne uma pessoa jurídica, emitindo notas fiscais para várias pessoas físicas ou mesmo empresas que precisem dos seus serviços. Pode ser que você até ganhe mais dinheiro dessa forma, mas, inevitavelmente, ganhará mais trabalho também.

mulher executiva

Se você é o dono do seu “nariz”, precisa assumir várias funções simultaneamente. Por exemplo, não adianta ser um excelente técnico, se não souber como e para quem vender os seus serviços. Não adianta vender e entregar bem, se não conseguir administrar suas próprias finanças, entendendo que a vida de um empreendedor é feita de altos e baixos. E também não vai adiantar fazer tudo isso muito bem se você não reservar um tempo para se manter atualizado na sua área de atuação.

Sendo assim, para se preparar para um futuro do trabalho completamente incerto, profissionais de todas as áreas deverão investir constantemente no desenvolvimento de suas habilidades técnicas e comportamentais, as chamadas hard e soft skills. É bom também já ir se acostumando com o conceito de lifelong learning, que significa que teremos que estudar para sempre, buscando o que muitos especialistas chamam de reskilling, ou a necessidade de atualização constante das habilidades profissionais.

Caso você ainda seja do tipo que acredita que um diploma em uma universidade de primeira linha irá te garantir um futuro tranquilo, sinto em lhe informar que você está bastante atrasado. Foi-se o tempo em que tínhamos um mercado de trabalho linear, onde se entrava como estagiário e depois se ia galgando o crescimento para analistas júnior, sênior, pleno, coordenador, gerente, diretor e, para pouquíssimos, as almejadas cadeiras de vice ou presidente. Tudo isso, de preferência, dentro de uma mesma empresa, ao longo de 20, 30 ou até 40 anos.

O grande desafio dos profissionais que já têm uma carreira estabelecida é que eles receberam esse tipo de instrução ao longo de toda a sua vida escolar e agora se deparam com uma realidade um tanto quanto distante de tudo aquilo para o qual eles foram preparados. É quase como estudar para uma prova por anos e, na hora H, alguém virasse para você e dissesse: “esqueça, agora não é mais assim”. A sensação de estar absolutamente perdido é totalmente compreensível.

E o problema maior é que ninguém sabe dizer ao certo como vai ser. As regras mudaram no meio do jogo, mas ninguém é capaz de falar “vá por aqui”, “faça dessa forma”, “isso será assim a partir de agora”. As regras estão sendo construídas com a bola em campo. É tudo ao mesmo tempo e agora. Não existem mais cartilhas ou manuais que conduzam um profissional ao pódio. De agora em diante, será tudo uma questão de tentativa e erro.

estudante laptop computador

Por isso, quanto maior a sua resiliência e capacidade de adaptação, as suas hard e soft skills, mais fácil será construir uma carreira de sucesso em um futuro incerto. Esquecer os roteiros preestabelecidos e as antigas fórmulas é o primeiro passo para encarar a nova realidade. As habilidades a serem desenvolvidas vão variar muito de um profissional para outro, mas de um modo geral, o mais importante é entender que sua vida profissional depende de pequenos esforços diários e contínuos. Estar preparado (independentemente do que isso queira dizer no seu caso) para aproveitar as oportunidades é o que vai fazer a diferença.

Marcos-ActionCOACH

*Marcos Yabuno Guglielmi é coach empresarial certificado da ActionCOACH

Dicas de como se cuidar na volta ao trabalho após isolamento social

O governador de São Paulo, João Dória, divulgou a retomada gradual de algumas atividades comerciais. A capital paulista está na fase laranja do plano gradual de flexibilização. Na última semana, cinco setores foram autorizados a reabrir com restrições, dentre eles comércio de rua, imobiliárias e shoppings centers.

Mas e o Covid-19? Quais os cuidados devemos tomar? E na hora do almoço? É seguro ir aos restaurantes? E no trajeto casa trabalho, no ônibus e metrô, como devemos nos proteger já que agora com certeza eles estarão mais lotados.

A volta ao trabalho não significa que vencemos o inimigo invisível, pelo contrário, ele continua entre nós. Medidas como lavagem das mãos, uso de álcool gel, manter distanciamento de no mínimo um metro e meio, evitar aglomerações, aperto de mão, beijinhos, abraços e compartilhamento de copos e outros objetos pessoais, como copos, garrafas, talheres, continuam no topo dos cuidados quando o assunto é prevenção. Isso não se trata apenas de preservar a sua própria vida, é o respeito e consideração pelas pessoas que estão em nossa volta e que também precisam trabalhar.

Bom, vamos falar de um item básico, comida. É seguro almoçar em restaurante (em alguns estados já estão abertos)? Para a nutricionista Adriana Stavro, ainda não é o momento. Então você vai passar fome? Também não. Para a nutricionista o ideal é fazer marmita.

marmita saudável anediblemosaic

Para montar a marmita é fácil. Monte como se estivesse fazendo seu prato de comida em casa, assim fica mais fácil ajustar a quantidade. Pense na sua fome. É só um almoço.

A regra básica é a mesma: 50% da quantidade de comida deve der de verduras e legumes. A outra metade, divida em uma porção de carboidratos, uma de leguminosas e uma de proteínas.

Exemplo:

A salada deve sempre estar separada dos demais alimentos, uma boa opção é montar no pote (receita abaixo). As proteínas (carne, frango ou peixe) devem sempre ser grelhadas ou assadas. Pode ser ovo cozido também. O carboidrato pode ser uma porção de arroz (de preferência integral), batata doce cozida, abóbora cabotiá ou macarrão. As leguminosas podem ser feijão preto ou carioca, podendo ser substituída por ervilha, lentilha ou grão de bico.

São muitos os tipos de marmitas disponíveis para compra. Vidro, elétrica, plástico, vácuo, aço, com ou sem divisórias, coloridas etc. Tem para todos os gostos e bolsos. Eu recomendo sempre a de vidro. Muito prática, fácil de lavar, preserva as características do alimento como sabor e cor, não fica com cheiro e preserva o meio ambiente. Mas ela tem alguns inconvenientes. Para quem depende de ônibus ou metrô ela é pesada e quebra com facilidade.

A segunda opção são as de plástico. Mais leves e não quebram. Porém é necessário prestar atenção na hora da compra, o ideal é plástico livre de bisfenol (BPA) e próprio para aquecer. Eu não recomendo aquecer o alimento na marmita de plástico. O ideal é que o alimento seja colocado em um recipiente de vidro antes de ser levado ao micro ondas, assim, evita que a marmita fique manchada e com cheiro.

Para transportar o ideal é uma sacola térmica. Chegando no local de trabalho guarde na geladeira. Para quem não tem geladeira no trabalho, uma opção é usar cubos de gel congelados para conservar a comida até a hora do almoço. Parece óbvio, mas não guarde sua marmita na sacola térmica sem lavar, além da contaminação o cheiro fica insuportável.

Para transportar a salada, uma opção é montar no pote. Neste caso é importante seguir a ordem dos ingredientes:

salada no pote
1° – molho (pouco)
2° – legumes (pepino, cenoura, beterraba)
3° – leguminosas/grãos (feijão fradinho, grão-de-bico, lentilha, ervilha, feijão moyashi, quinoa, cevadinha, arroz 7 grãos, arroz negro, arroz vermelho)
4° – as folhas (sempre por último)

Mas se optar por comer em restaurantes, veja as recomendações:

lavando --mãos

-Lave as mãos na entrada do restaurante e use álcool gel (o restaurante deve fornecer);
-Respeite o distanciamento entre as pessoas (mínimo 1,5m);
-Sente à mesa respeitando o distanciamento (1,5m para a direita, esquerda e a sua frente);
-Entre um cliente e outro, verifique se o restaurante limpou e passou álcool na mesa e nas cadeiras;
-Evite falar durante as refeições;
-Não compartilhe talheres e copos;
-Não prove a sobremesa do amigo com seu talher usado (use uma limpa);
-Cubra boca e nariz com cotovelo ou lenço ao tossir ou espirrar (lave as mãos imediatamente);

Mircea Iancu-Pixabay - restaurante mulheres ar livre
Mircea Iancu/Pixabay

-Não falar em frente a comida;
-Usar um guardanapo para pegar os utensílios compartilhados (os utilizados para colocar comida no prato) e temperos (azeite, vinagre, pimenta, sal);
-Se for usar o banheiro, após a higiene das mãos abra a porta com o auxílio de um papel.

Muito importante

mascara social (002)

O uso de máscara é obrigatório. Porém ela não nos protege totalmente contra o vírus, apenas da exposição direta pela tosse ou espirro, ficando os olhos sem proteção. A máscara ainda nos faz levar as mãos mais vezes ao rosto, portanto é fundamental manter as mãos limpas e higienizadas.

alcool gel maos

=Ao entrar e sair do ônibus, metrô ou trem, a dica é sempre estar com as mãos higienizadas com álcool em gel. Tenha sempre na bolsa um higienizante, que ajuda a deixar as mãos limpas e protegidas, não só contra o novo coronavírus, mas de outros vírus e bactérias.
=Evite o contato das mãos com as superfícies do ônibus ou metrô e lave-as com álcool gel imediatamente após o uso do transporte público.
=O vírus não infecta as pessoas pelas mãos, e sim quando elas são levadas à boca, nariz, olhos, ouvidos por isso elas devem estar sempre limpas.

thinkstock mulher lenço espirro
Thinkstock

=Use lenços descartáveis, em caso de tosse ou espirro, e descarte-o imediatamente após o uso em lixeira adequada.
=Ao se apoiar nas barras de apoio, tomem cuidado, pois ali pode conter gotículas de tosse ou espirro, por isso use álcool gel antes e depois de andar em qualquer transporte público.
=Mantenha distância de pelo menos um metro da outra pessoa.
=A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda também que as pessoas evitem tocar os olhos, a boca ou o nariz, pois são as portas de entrada para o vírus. Assim como cobrir a boca com a parte de dentro do cotovelo ao tossir e espirrar.

Cuidados pessoais

NickyPe-pixabay mascara oculos virus

=Proteja as vias aéreas. O coronavírus é uma infecção que afeta o sistema respiratório.
=Evite tocar os olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas.
=Sempre que espirrar ou tossir, cubra o nariz e boca com um lenço de papel descartável, e logo em seguida descarte-o corretamente no lixo, e não esqueça de lavar as mãos.
=Evite contato próximo com pessoas infectadas ou com suspeita da doença.
=Lave as mãos frequentemente com água e sabão por 20 segundos (no mínimo) e use um antisséptico à base de álcool em gel.
=Use lenços descartáveis para higiene nasal.
=Não compartilhe objetos de uso pessoal, como copos, garrafas, talheres, cigarro, piteiras (narguilé), batom, chimarrão e tererê (bebida típica do Rio Grande do Sul e do Mato Grosso do Sul).
=Evite locais fechados e aglomerações (mesmo que seja na casa de amigos).

unhass
=Mantenha unhas curtas, cabelos sempre limpos e presos, e para os homens, se possível, sem barba.
=Higienize celular, notebook, fones de ouvidos e outros objetos pessoais. O celular deve ser higienizado três vezes ao dia, no mínimo. Quanto mais é usado, maior o risco de ser um condutor do vírus e, portanto, maior a necessidade da higienização. O fone de ouvido e o notebook devem ser higienizados sempre após o uso. Para os equipamentos. eletrônicos, o indicado é utilizar o álcool isopropílico 70% (não é a versão em gel). O ideal é desligar o celular, tire a capinha e aplique o produto com um pano macio ou algodão. =Limpe também a capinha. Faça o mesmo com o notebook.

Em casa

limpeza moveis papasemar

=Limpe frequentemente mesas, cadeiras, maçanetas, interruptores, pias e outras superfícies.
=Mantenha ambientes limpos e bem ventilado.
=Limpe e desinfete objetos e superfícies tocados com frequência.
=Use hipoclorito de sódio 12% na limpeza de superfícies, pois nem tudo pode ser limpado com água e sabão. Estudos apontam que o vírus pode ficar retido em superfícies por até 5 dias, e na falta de álcool nos estoques de supermercados e farmácias, o hipoclorito de sódio 12% (água sanitária) é uma boa alternativa. Dilua 200ml de água sanitária para 5 litros de água .
=Evite usar ventilador. Se uma pessoa contaminada tossir ou espirrar na frente dele, ele pode espalhar o vírus.
=Limpe os brinquedos das crianças no mínimo uma vez.

*Em casa os cuidados com higiene e limpeza são fundamentais, especialmente se há, entre os moradores, idosos acima de 60 anos e portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensão, asma entre outras.

Ao chegar em casa da rua

sapatos para fora nuzree pixabay
Foto: Nuzree/Pixabay

=É importante eliminar qualquer possibilidade de espalhar o vírus dentro da residência.
=Tire os sapatos do lado de fora da residência.
=Não encoste em nada sem antes lavar bem as mãos e os antebraços, com água e sabão.
=Deixe tudo o que estiver carregando na entrada da casa, como bolsas, mochilas, chaves, carteira.

depositphotos mulher banho cabelo chuveiro
Depositphotos

=Tire a roupa, tome um banho e lave o cabelo antes de fazer outras tarefas.
=Não ande pela casa com a roupa que estava na rua.
=Higienize as maçanetas de porta e interruptores que você possa ter tocado antes de lavar as mãos.
=Cuidados com uso da máscara. Não compartilhe com ninguém.
=Se estiver usando a máscara cirúrgica (branca) troque depois de 2h (tenha pelo menos 2 para intercalar) e ela deve ser descartada no lixo e nunca reutilizada.
=Não deixar a máscara pendurada no pescoço ou braço porque, assim, ela está suscetível à sujeira.

mascara facial varal lavando limpeza
Conger Design/Pixabay

=Sempre que precisar tirar a máscara, coloque em um saquinho individual. As máscaras de pano devem ser lavadas sempre que chegar em casa. Lavar com água, sabão e água sanitária apropriada. Deixar de molho de 20 a 30 minutos, depois esfregar, enxaguar e colocar para secar. Quando estiver seca passar ferro e guardá-la em um saquinho.

Fonte: Adriana Stavrov é formada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo. Pós-graduada em Doenças Crônicas não Transmissíveis pelo Hospital Albert Einstein. Pós graduanda em Nutrição Clinica Funcional pela VP consultoria, pós graduanda em Fitoterapia pela Course4U.

Cinco razões para escrever os seus planos no pós-pandemia

O psicólogo da rede educacional Minds Idiomas, Augusto Jimenez, desvenda o que acontece na mente quanto raciocinamos a nossa volta ao “novo normal”

O Covid-19 estabeleceu alterações nas rotinas de pessoas de todo o mundo. Até o começo de abril, um terço da população mundial estava em quarentena. Isto é: 2,6 bilhões de pessoas isoladas em suas casas. Quando fala-se desta mudança na rotina das pessoas precisamos falar de ansiedade. O ser humano não é programado para mudanças. O nosso cérebro busca segurança e conforto. Quando precisamos mudar: temos ansiedade. É sair do comum. O conceito de normalidade está atrelado ao de segurança, e é por isso que este período de isolamento é considerado atípico.

De acordo com a mestre e doutora da USP (Universidade de São Paulo), Maria Augusta Rhein, o novo normal nada é mais é que uma proposta de um novo padrão que possa garantir a sequência dos seus humanos, ou seja a sobrevivência. “O Kit Covid (máscara, luvas e álcool em gel) no inicio parece estranho, mas a garantia que nos traz de não ficarmos doentes faz com que assimilemos melhor esse padrão de uso”, explica Maria Augusta.

“A mente dos mamíferos demonstra a importância da socialização. É por isso que neste momento temos um crescente no mundo de indivíduos com depressão e um aumento na taxas de suicídio. Na minha rede educacional, como psicólogo, assim que começou o isolamento, coordenamos reuniões semanais com professores, comercial e administração. Essa interação, mesmo por vídeo, fortalece o sentimento de pertencimento e que não estamos encarando isso sozinhos. Deu muito certo, e desde março tivemos apenas uma solicitação de desligamento dos nossos mais de mil profissionais”, explica o psicólogo da Minds English School.

Uma das técnicas recomendadas pelos psicólogos de todo o mundo é a prática do Mindfulness. Que consiste em estar no presente, com foco na ação presente, porém lembrando dos reflexos a longo prazo daquela ação continuada. ” Na rede Minds Idiomas praticamos nas mais de 70 escolas, o Mindfulness, dentro e fora da sala de aula”, evidencia Jimenez, da Minds Idiomas.

Pensando neste cenário, o psicólogo lista cinco razões para você começar hoje mesmo a anotar os seus planos futuros pós pandemia:

1) A ansiedade diminui

caderno branco anotações
Isso mesmo. A adrenalina tende a diminuir quando nos acalmamos, e essa adrenalina é potencializada na ansiedade. Ao anotar os seus projetos e traçar ações para alcançá-los, mesmo em casa, você consegue ter uma expectativa na mente de término do confinamento.

2) A endorfina é produzida

freegreatpicture-mulher-agenda
Ao anotar e começar a cumprir pequenos passos para conquistar os seus planos na pós pandemia, picos de endorfina começam a ocorrer. Por exemplo, se você deseja emagrecer 10 quilos até o fim da pandemia, e começar a caminhar na esteira em casa e/ou comer melhor em casa terá a sensação de estar fazendo algo em prol do seu objetivo. Isso traz satisfação ao seu cérebro e a endorfina é desencadeada.

3) O seu currículo ficará melhor

curriculo foto ilustracao pixabay
Sempre que criamos listas de objetivos, ao menos uma das metas se trata de um desejo profissional. Se você perdeu o emprego neste período e/ou quer crescer na sua carreira após tudo isso passar, ao iniciar um curso de idiomas e/ou curso profissionalizante, você chega mais próximo do objetivo de trabalho. Na Minds Idiomas, as matrículas cresceram 10% neste período. Isso porque além de apenas 3% da população brasileira ser fluente no inglês, o idioma será o diferencial no momento da contratação, após a pandemia. Além disso, a maioria dos estudantes tem nos reportado que as aulas remotas oferecem a chance de eles conhecerem pessoas de todo o Brasil, com diferentes profissões e anseios. Isso eleva a endorfina: bem estar por estar convivendo, mesmo que por vídeo, com outras pessoas.

4) Melhora a sua capacidade neural e diminui a sensação de solidão

Skype- terapia internet
Como mencionei no inicio deste material: temos necessidade de contato com os outros indivíduos. Nossa capacidade neural evolui ao termos contato com o outro, mesmo que seja por vídeo. Isso envolve todos os mamíferos, incluindo a nós seres humanos. Por isso, ao anotar as suas metas e percorrê-las, você terá que ter contato com outros indivíduos por vídeo. Isso reflete a sensação de pertencimento e a satisfação individual de estar perseguindo os próprios objetivos.

5) Seu convívio em casa será melhor

woman-writing-on-her-notebook
Pexels

Ao escrever as suas metas pós-pandemia e começar a percorrer o caminho para alcançá-las, você começará a ter uma rotina mais estabelecida em casa. Por exemplo: metas como fazer um intercâmbio e/ou ter uma nova colocação no mercado de trabalho fará com que você se dedique para um idioma e veja a sua evolução nele. Traz satisfação, você terá o seu tempo preenchido e concomitantemente as suas relações sociais com quem mora com você melhorará. Porque você estará mais estável.

Fonte: Minds Idiomas

Home office: Adria dá dicas para ajudar na organização e ensina receita de lasanha

Com algumas iniciativas, você consegue tornar os dias em casa mais produtivos

Neste período em que várias famílias estão trabalhando de casa, é necessário reorganizar a rotina. Pais e mães estão enfrentando um desafio inédito de dar conta de todas as tarefas profissionais, ao mesmo tempo em que cuidam da casa, dos filhos e do preparo das refeições.

Pensando nisso, Adria listou oito dicas que vão te ajudar nesta reorganização:

dormir sono despertador relogio

1. Levante no horário de costume, tome o café da manhã com a família e aproveite o tempo extra em que estaria a caminho do escritório para organizar as primeiras tarefas. Tirar o lixo, dar uma geral no banheiro, colocar a roupa suja na máquina de lavar;

istockphoto- mulher na cozinha
iStock

2. Neste período, planeje o almoço e o jantar. Dê preferência a pratos práticos, nos quais as carnes, por exemplo, possam servir às duas refeições. Digamos que hoje você vai retirar o frango do congelador. Tire uma porção extra, já pensando na refeição da noite. Tempere, prepare a receita e separe uma parte do frango já pronto para desfiar. À noite você pode preparar uma massa com frango e legumes, refeição leve e nutritiva ideal para o jantar;

homem pai menino cozinha limpeza dissolve
Dissolve

3. Divida as tarefas e as responsabilidades com toda a família. Se seus filhos já têm mais de 7 anos, podem arrumar o próprio quarto. O ideal é que façam a limpeza mais pesada da casa juntos, durante o fim de semana para que, de segunda a sexta, só cuidem da manutenção. Assim, você não vai se atrapalhar em suas tarefas profissionais e eles, caso estejam tendo aulas online, vão poder se concentrar. Com crianças menores, é ainda mais importante deixar tudo organizado no fim de semana, para que seja possível trabalhar com atenção e manter o cuidado com os filhos;

Skype- terapia internet

4. Respeite os horários de home office combinados com a sua empresa e crie realmente uma rotina. Separe um canto da casa para trabalhar, como a mesa de jantar, e deixe claro para a família que vocês só devem ser interrompidos em caso realmente necessário. Peça silêncio, para poder fazer calls ou vídeo conferências de forma sempre profissional. Lembre-se que este é um momento em que a empresa precisa muito de seu empenho;

Penne Adria ao Molho de Espinafre com Tomate Seco

5. Neste momento, alimentos práticos e simples de fazer, serão seus maiores aliados. O preparo de massas, por exemplo, não requer mais de 15 minutos. Junte a elas carnes, peixe ou frango, além de legumes frescos ou em conserva;

arroz-com-feijao-goodiegodmother
Foto: Goodiegodmother

6. Arroz com feijão também não devem faltar na mesa. Mas, como demoram a ficar prontos, uma dica é cozinhar uma grande quantidade no fim de semana e congelar em pequenas porções;

mulher cozinhando fogao

7. Entre os utensílios de cozinha que serão mais adequados neste momento, vale destacar o forno. Os pratos feitos no forno, como assados, lasanhas e empadões, são muito práticos. Você pode cuidar da montagem pela manhã, naquela primeira hora reservada para a organização do dia. Os assados requerem maior tempo de preparo e você pode colocar no forno enquanto estiver em seu home office. Já as lasanhas podem ser levadas para assar um pouco antes do horário do almoço. A receita que estamos sugerindo precisa de cinco minutos extras no forno e mais cinco antes de ser servida, tempo suficiente para organizar a mesa e preparar uma salada de acompanhamento antes do início da refeição;

familia salmão

8. A última dica é: em seu home office, respeitar o intervalo de almoço combinado com a empresa. Esta uma hora será essencial para você relaxar um pouco, conversar com sua família e voltar ao trabalho com tranquilidade, dedicando-se às tarefas profissionais.

Agora, confira uma receita que fará sucesso em tempos de home office ou não:

Lasanha de cenoura e couve-flor

Lasanha-de-Cenoura-com-Couve-Flor

Ingredientes
1 cebola pequena picada
1 xícara (chá) de farinha de trigo
5 colheres (sopa) de margarina (100 g)
3 ½ litros de leite
1 couve-flor grande (só os buquês em pedaços pequenos -n700 g)
2 cenouras médias em rodelas
500 g de mussarela ralada
5 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
1 embalagem de Lasanha Adria (500 g)
Sal e noz-moscada ralada a gosto

Modo de Preparo
Doure a cebola e a farinha na margarina. Junte, aos poucos, o leite mexendo sempre até engrossar. Tempere com o sal e a noz-moscada. Reserve. Em uma fôrma retangular grande e alta nº 4 (30cm x 43cm) espalhe o molho no fundo. Cubra com as folhas de Lasanha Adria e com o molho. Espalhe a couve-flor, a cenoura, a mussarela e o queijo parmesão. Cubra com o molho reservado. Faça camadas de lasanha, molho, couve-flor, cenoura, mussarela e queijo parmesão, terminando com lasanha, molho, mussarela e queijo parmesão. Cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio preaquecido, por cerca de 45 minutos. Retire o papel e deixe por mais 5 minutos para dourar. Retire do forno e aguarde 5 minutos para servir.

Rendimento: 20 porções

Fonte: Adria