Arquivo da tag: transplante

Coçar os olhos oferece riscos à visão, alertam especialistas

Ceratocone, doença que altera as características da córnea, já responde por cerca de 40% dos diagnósticos em pacientes atendidos nos ambulatórios de córnea do H.Olhos; condição é a segunda principal causa de transplante de córnea no Brasil

O simples ato de coçar os olhos pode não ser tão inofensivo quanto se imagina. Ele é o principal fator de risco para o ceratocone, uma doença ocular que causa alterações na estrutura da córnea, tornando a visão embaçada. No H.Olhos, hospital referência no atendimento de casos de alta complexidade em oftalmologia, cerca de 40% dos diagnósticos de pacientes atendidos nos ambulatórios de córnea são para a doença. Do total de casos, em torno de 20% evoluem para transplante de córnea.

O problema costuma surgir na infância, adolescência ou no início da fase adulta. Entre 0,9% e 3% da população nesta faixa etária é diagnosticada com a doença todos os anos. Embora dependa de estímulos externos importantes que levam ao afinamento da córnea, como pressionar e, principalmente, coçar os olhos com frequência, estudos apontam que em 10% dos casos são hereditários, e o diagnóstico precoce é crucial para frear o avanço rápido da doença.

“O ceratocone é uma doença bilateral e geralmente assimétrica, ou seja, pode acometer os dois olhos, em graus diferentes, e progride de forma distinta com o passar do tempo. A principal queixa é a visão embaçada e distorcida”, explica Luiz Brito, oftalmologista especialista em transplante de córnea do H.Olhos. A boa notícia, segundo o médico, é que existem tratamentos minimamente invasivos capazes de estacionar a doença e restabelecer a visão.

Do diagnóstico ao transplante

Córnea normal e outra com ceratocone – ilustração: AllAboutVision

Nos últimos anos, houve um avanço importante em exames que detectam com precisão o ceratocone e em tratamentos. No H.Olhos, por exemplo, um exame de tomografia de córnea faz o mapeamento completo da região. Em apenas 15 minutos já é possível saber, por imagens tomográficas, o diagnóstico. São mais de 100 procedimentos diariamente. “A partir disso, podemos determinar o grau e o protocolo de tratamento, que variam de lentes específicas até procedimentos cirúrgicos que aumentam a resistência e a estabilidade da córnea, e interrompem a progressão da doença”, explicar o especialista.

O desafio, segundo destaca, ainda é evitar a forma avançada da doença, casos em que a única opção é o transplante de córnea. “O ceratocone é a segunda principal causa de transplante de córnea, segundo pesquisas recentes publicados em revistas científicas. No Brasil, por exemplo, de todos os transplantes de córnea realizados, cerca de 20% são em pacientes com ceratocone”, explica e completa. “Por isso, o check-up oftalmológico anual, desde a infância, é fundamental”.

Fonte: H.Olhos

No Brasil, a cada milhão de pessoas, menos de 20 são doadoras de órgãos

Em países como a Espanha, referência em transplantes, existem duas vezes mais doadores. Pandemia fez o Brasil reduzir ainda mais o índice de doadores e ocupar o lugar de nação com uma das piores performances no assunto. Desmistificar o tema é fundamental para mudança de cenário

A doação de órgãos e tecidos no Brasil ainda é cercada de tabus, resultantes da desinformação. Hoje no país, a cada milhão de pessoas, menos de 20 são doadoras de órgãos. O dado é da Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos (Adote). Em nações como a Espanha, por exemplo, referência mundial em transplantes, cerca de 40 pessoas a cada milhão são doadoras de órgãos. 

Mais de 50 mil pessoas esperam na fila para serem transplantadas no país. E desde que a pandemia causada pela Covid-19 chegou ao Brasil com mais expressão, em março de 2020, a situação ficou ainda mais grave. Um estudo publicado em setembro de 2021 na revista científica The Lancet Public Health, mostra que o total de transplantados no mundo caiu 16% no ano que passou em consequência da pandemia. O Brasil teve redução de 29%; um dos países com pior performance entre as nações consideradas. De acordo com o Ministério da Saúde, a maioria das pessoas esperam pelo transplante de córnea e, principalmente, rins. 

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o principal motivo do declínio no período mencionado tem relação com o aumento de 44% na taxa de contraindicação, em virtude do risco de transmissão do coronavírus ou pela dificuldade encontrada para realizar a testagem em alguns momentos durante a pandemia. As doações também sofreram queda devido à lotação e ao  excesso de trabalho nos Centros de Terapia Intensiva (CTIs). O fato de as pessoas que morrem em decorrência da Covid-19 não poderem ser doadoras quando estão infectadas também piorou o cenário. 

No entanto, a desinformação e os tabus que ainda envolvem a doação de órgãos também são fatores que impedem que, a cada ano, vidas possam ser salvas ou melhoradas. A doação de órgãos é de fundamental importância para a manutenção da vida de pessoas que precisam de um transplante, nos casos em que não há mais outras formas de tratamentos. Em vida, é possível, com as compatibilidades necessárias, doar rim, parcialmente o pâncreas, parte do fígado e do pulmão, em situações excepcionais. Já de doadores não vivos podem ser obtidos rins, coração, pulmão, pâncreas, fígado e intestino. 

Marcelo Mion, gerente de laboratório da Biometrix Diagnóstica, lembra que, para mudar esse cenário, é fundamental continuar reforçando as campanhas de conscientização sobre a importância da doação para o salvamento de vidas. A empresa fornece soluções voltadas ao diagnóstico molecular e comercializa reagentes e equipamentos essenciais para que os laboratórios de imunogenética do Brasil possam avaliar os pacientes e doadores que serão submetidos ao transplante de medula óssea e órgãos sólidos.

“Temos trabalhado todos os dias para oferecer as melhores soluções em tecnologia para que todo o processo de doação seja feito com agilidade e segurança. Para garantir que tudo dê certo para os doadores e, principalmente, para os receptores, a Biometrix oferece regentes e equipamentos para a realização dos testes para verificar a compatibilidade entre o organismo que vai doar e o que vai receber o órgão. É uma forma de cuidar, ainda mais, da vida de todos os pacientes”, explica.

A Biometrix é uma empresa brasileira que tem mais de 25 anos de atuação no mercado e, nos últimos dois anos, foi responsável por fornecer e comercializar reagentes para a maioria dos transplantes que foram realizados no Brasil. “Cada transplante pode gerar inúmeros testes dependendo da necessidade” explica Marcelo. 

Como ser doador de órgãos?  

Para ser doador de órgãos no Brasil, é preciso comunicar a família, pois somente parentes podem autorizar a doação. A doação de órgãos e tecidos pode ocorrer após a constatação de morte encefálica, que é a interrupção irreversível das funções cerebrais, ou em vida. Um único doador pode salvar mais de dez pessoas doando órgãos e tecidos, como córneas, coração, fígado, pulmão, rins, pâncreas, ossos, vasos sanguíneos, pele, tendões e cartilagem. Além de avisar a família, o interessado na doação de órgãos pode fazer o cadastro no site.

De acordo com a ADOTE, o doador em vida deve ter mais de 21 anos e boas condições de saúde. A doação ocorre somente se o transplante não comprometer suas aptidões vitais. Rim, medula óssea e parte do fígado ou pulmão podem ser doados entre cônjuges ou parentes de até quarto grau com compatibilidade sanguínea. No caso de não familiares, a doação só ocorre mediante autorização judicial.

E de medula óssea? 

Em se tratando da doação de medula óssea, o interessado precisa ter entre 18 e 35 anos e pode ir a um Hemocentro (existem 137 em vários estados do Brasil, segundo o Ministério da Saúde), coletar  uma amostra de sangue (apenas 10 ml), preencher os dados cadastrais e se colocar à disposição para ser chamado no caso de surgir um receptor compatível. Carmen Vergueiro, médica hematologista e fundadora da AMEO – Associação da Medula Óssea do Estado de São Paulo, defende que “é preciso falar cada vez mais sobre o tema e desmistificá-lo para que mais pessoas se disponham a salvar vidas”. 

O Instituto TMO é outra entidade que trabalha para estimular doação de medula óssea por meio de campanhas realizadas nas redes sociais. Cristiane Canet Mocellin, presidente do Instituto TMO, lembra que a amostra de sangue que o doador tira quando se apresenta a um hemocentro possibilita a análise no laboratório, chamada “tipagem HLA” – feita a partir de soluções fornecidas por empresas como a Biometrix -, que determina as características genéticas do possível doador. 

Outro importante trabalho que a instituição  desenvolve é a manutenção da Casa Malice, uma casa de apoio, cuja estrutura foi pensada para dar acolhimento institucional provisório a pessoas em situação de vulnerabilidade social e seus acompanhantes que estejam em trânsito, e sem condições de autossustento, durante o tratamento de doenças graves. “Na casa, recebemos pessoas de todo o Brasil, com idade a partir de 16 anos, que venham devidamente encaminhadas pelas redes socioassistenciais. Em média, a Casa Malice acolhe cerca de 30 pessoas por mês. Desde a sua fundação em 2016, já foram acolhidas mais de 517 pessoas, gerando um total de quase 11.720 diárias” conta Cristiane. 

O Unidos pela Vida – Instituto Brasileiro de Atenção à Fibrose Cística é referência no tema da fibrose cística, uma doença genética crônica que afeta, principalmente, os pulmões, pâncreas e sistema digestivo. Desde 1985, o transplante pulmonar, principalmente, tem sido uma opção para os pacientes. De acordo com Cristiano Silveira, diretor de Políticas Públicas e advocacy do Instituto, mais da metade das doações de órgãos para pessoas acometidas pela doença deixam de acontecer por falta de autorização da família. “Precisamos melhorar a cultura da doação de órgãos no Brasil para aumentar o número de transplantes no país”, defende.  

Cristiano também destaca que, na fibrose cística, o transplante de órgãos pode ser feito entre pessoas vivas – também chamado de “modalidade intervivos”. “Além dos rins e partes do fígado, parte dos pulmões dos pais, por exemplo, também podem ser transplantados para um filho”, explica. 

Ele ainda acrescenta que, quando feito com antecedência, sem esperar que o quadro da doença evolua e se agrave, as chances de sucesso e conquista de uma qualidade de vida melhor dos pacientes da fibrose cística aumentam exponencialmente. “É um grande equívoco acreditar que fazer ou se submeter a um transplante é trocar uma doença pela outra”, esclarece. 

Entendendo o HLA

O sistema imunológico tem a função de identificar e reagir a organismos estranhos. Este processo é baseado na identificação dos antígenos, a “marca biológica” de cada célula. Quando o organismo reconhece um antígeno estranho, desencadeia uma resposta com o objetivo de destruí-lo. Este corpo estranho detectado pode ser tanto uma bactéria ou vírus, como um tecido, órgão ou medula transplantados. Assim, o HLA é o responsável pela histocompatibilidade.

É importante saber que o HLA é herdado, uma parte da mãe e a outra do pai. A identidade HLA é composta por vários genes agrupados na mesma região no cromossomo 6. Cada gene possui uma diversidade muito grande de alelos. Sabe-se que mais de 11 mil alelos já foram identificados em todo o mundo. Por isso, é muito raro que dois indivíduos tenham o mesmo grupo de genes. A grande complexidade dos transplantes é encontrar esta compatibilidade entre doador e receptor.

Sobre a Biometrix

Líder no mercado de atuação, a Biometrix Diagnóstica está há mais de 25 anos desenvolveno soluções voltadas ao diagnóstico molecular. O objetivo da Biometrix é tornar o diagnóstico médico cada vez mais rápido e preciso, sempre em busca de resultados que contribuam com a saúde e o bem-estar. Por isso está comprometida com a qualidade de vida, oferecendo a mais alta tecnologia em reagentes para diagnóstico e equipamentos laboratoriais, principalmente relacionados a transplante de órgãos e tecidos.

Informações: Biometrix

Dia Mundial do Rim relembra a importância da doação de órgãos durante a pandemia

Número de transplantes renais caiu quase 50% entre 2019 e setembro de 2021, segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO)

No dia 10 de março é celebrado o Dia Mundial do Rim, data dedicada a conscientizar e orientar a população sobre a Doença Renal Crônica (DRC), caracterizada pela lesão irreversível nos rins durante três meses ou mais. Se diagnosticada precocemente, a DRC pode ser controlada, mas em estágios avançados pode exigir um transplante renal. Em contexto de pandemia de Covid-19, no entanto, o número de transplantes caiu e fez crescer a lista de pessoas que esperam por uma doação de rim para recomeçar a vida.

Um levantamento do Ministério da Saúde indicou que em setembro de 2021 havia 53.218 pessoas aguardando por um transplante no Brasil. Dessas, mais de 30 mil estavam na lista de espera por um rim. A pandemia de Covid-19 influenciou esse quadro, não só pelo menor número de pessoas dispostas a fazer a doação, como também porque os transplantes são vetados quando o doador está contaminado pelo Coronavírus. Dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) mostram uma queda brusca no número de transplantes renais durante a pandemia, passando de 6.296 em 2019, 4.821 em 2020, para 3.304 em 2021, uma redução de quase 50%.

A médica nefrologista e coordenadora do Serviço de Transplante Renal do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie de Curitiba (PR), Carolina Maria Pozzi, explica que a variante ômicron mudou a expectativa de recuperação no número de transplantes em 2022. “Muitas pessoas faleceram na espera nesses tempos de pandemia, mas é muito importante lembrar que alguém que contraiu a Covid-19, mas não tem infecção ativa, pode ser uma potencial doador. Além disso, toda pessoa que pretende fazer doação é analisada integralmente, por meio de exames”.

Segundo Carolina Pozzi, é preciso reforçar a conscientização em torno da importância da doação de órgãos. “Com essa mobilização e o conhecimento adquirido da comunidade científica sobre a Covid-19, ainda mantemos a expectativa de aumento para este ano 2022. A população precisa ter consciência de que a doação salva muitas vidas”.

Depois de três transplantes, o recomeço

O publicitário Alexandre Barroso sabe bem o que é a experiência de esperar por um transplante, na incerteza sobre o futuro. Ele ficou quatro anos internado em um hospital, onde entrou em coma 20 vezes e recebeu três transplantes – dois de fígado e um de rim. “Foi bastante traumático. Passei dois anos esperando até conseguir um transplante de fígado, mas o resultado não deu certo, acabei perdendo o fígado e um rim. Assim, voltei para a fila à espera de uma doação”, relembra.

Só depois de mais dois anos de espera é que Barroso, finalmente, recebeu o transplante de um novo fígado e de rim. Desta vez, o desfecho da história foi positivo. “Foi uma experiência gratificante que me fez querer cuidar mais de mim. A doação de órgãos é uma forma de ressignificar vidas”. Atualmente, o publicitário viaja o Brasil dando palestras sobre o tema. Criou um grupo de acolhimento para pacientes e familiares. Por conta disso, decidiu mudar de profissão. “Me tornei psicanalista para fazer um trabalho mais direcionado. Além disso, sigo defendendo e incentivando a doação de órgãos. As pessoas precisam entender que essa é uma forma de continuar a vida”, completa.

A importância do exames pré-transplante

Bióloga, mestre em Genética, doutora em Imunologia de Transplante e responsável técnica do Laboratório de Imunogenética do Hospital Universitário Cajuru, no Paraná, Cristina von Glehn explica que, ao se tornar candidato a um transplante renal, paciente é inscrito no Sistema Nacional de Transplantes e precisa fazer exames, sendo os principais: o de tipo sanguíneo, o de tipagem HLA (Human Leucocyte Antigen) e Painel de reatividade de Anticorpos, que permitem entender como o sistema imunológico do paciente responde a organismos estranhos, neste caso, a um órgão novo. “Quando entra um doador no sistema, ele também é tipificado. Assim, selecionam-se os candidatos mais compatíveis com o doador”.

De acordo com Cristina, quando fora da família, raramente a compatibilidade entre doador e receptor é total. Daí vem a importância do teste: ele permite aos médicos fazer uma análise preditiva das chances de haver uma reação hiperaguda (rejeição imediata), acelerada (rejeição na primeira semana) ou crônica (rejeição que ocorre aos poucos). “Com essa informação, o médico vai avaliar se faz ou não o transplante. Se aceitar, vai precisar ter uma estratégia de imunossupressão para controlar a presença de anticorpos, mas ele também pode avaliar o risco e decidir que o paciente deve esperar outro órgão. Ou seja, o exame permite que se tenha o melhor órgão com a menor possibilidade de rejeição dos pacientes”.

Com a evolução das tecnologias na detecção de anticorpos, todos os exames necessários para transplante podem ser feitos em laboratórios, a partir da amostra de sangue. Para isso, são utilizados reagentes e equipamentos específicos para pré e pós-transplante e a Biometrix Diagnóstica é uma referência na área. “Ela tem muita qualidade e é uma grande parceira para o nosso laboratório. Oferecem reagentes que nos colocam no mesmo nível de laboratórios dos Estados Unidos e da Europa”, avalia Cristina.

Autorização familiar

Adobe Stock

Qualquer pessoa pode ser doadora de órgãos. Para isso, basta ser maior de 18 anos, ter condições de saúde adequadas e passar por avaliação médica. É fundamental que a pessoa que deseja ser doadora de órgãos converse com sua família sobre a decisão, mesmo que tenha a informação registrada em documento oficial. Além da doação em vida, é possível doar os órgãos após a morte encefálica, quando há interrupção irreversível das funções cerebrais. Neste caso, é preciso que a família autorize o procedimento. Segundo o Ministério da Saúde, em 2021 foram registradas 5.857 mortes encefálicas no país, mas apenas 1.451 delas resultaram em doação de órgãos. Em mais de um terço dos casos (37,8%), houve recusa por parte das famílias. Se houver conscientização prévia e diálogo aberto entre o doador e seus familiares, há mais chances de que a doação de órgãos seja autorizada após o falecimento.

Sobre o HLA

O sistema imunológico tem a função de identificar e reagir a organismos estranhos. Este processo é baseado na identificação dos antígenos, a “marca biológica” de cada célula. Quando o organismo reconhece um antígeno estranho, desencadeia uma resposta com o objetivo de destruí-lo. Este corpo estranho detectado pode ser tanto uma bactéria ou vírus, como um tecido, órgão ou medula transplantados. Assim, o HLA é o responsável pela histocompatibilidade.

É importante saber que o HLA é herdado, uma parte da mãe e a outra do pai. A identidade HLA é composta por vários genes agrupados na mesma região no cromossomo 6. Cada gene possui uma diversidade muito grande de alelos. Sabe-se que mais de 11 mil alelos já foram identificados em todo o mundo. Por isso, é muito raro que dois indivíduos tenham o mesmo grupo de genes. A grande complexidade dos transplantes é encontrar esta compatibilidade entre doador e receptor.

Fonte: Biometrix

Transplante de fezes pode ser o recomeço de uma vida

Procedimento, que consiste em colonizar novamente o organismo com bactérias saudáveis, traz mais qualidade de vida para autistas, depressivos e pessoas que tiveram a microbiota intestinal destruída pelo uso excessivo de antibióticos

O transplante de fezes é um dos assuntos abordados pelo farmacêutico, bioquímico e pós-doutor em microbiologia, Alessandro Silveira, em seu livro “O lado bom das bactérias – O poder invisível que fortalece sua defesa natural para ter uma vida mais feliz e longeva”, recém-lançado pela Editora Gente. Trata-se de intervenção externa empregada em casos específicos, por exemplo, quando o uso recorrente de antibióticos causou estragos permanentes às bactérias do intestino de um indivíduo. “A premissa do transplante de fezes é retirar todas aquelas bactérias prejudiciais e fazer uma nova colonização com a microbiota boa”, explica Silveira.

É preciso, antes de tudo, conforme diz Silveira, esclarecer a importância das bactérias boas presentes no organismo humano para o bom funcionamento do sistema imunológico. A microbiota intestinal, especificamente, é a responsável por formar uma barreira no órgão, que impedirá a ação de microrganismos nocivos capazes de gerar inflamações e doenças.

A alimentação saudável – restringindo industrializados e ultraprocessados, ricos em açúcar – é um dos fatores chave para alimentar as bactérias boas do organismo, que contribuem para a promoção de saúde. Entretanto, alimentar-se de maneira adequada e mudar o estilo de vida (ter bom sono, praticar exercícios físicos, evitar estresse etc.) exige mudança de hábitos e leva algum tempo para que ocorra a colonização por bactérias adequadas. Nesses casos o transplante de fezes é uma boa opção.

Antes de tudo, para realizar o procedimento, é necessário encontrar um doador. Ele precisa ter um perfil bacteriano específico. Não à toa, o mais comum é escolher familiares pois são pessoas cujo histórico de vida é conhecido ficando mais fácil atestar saúde. Mesmo assim, é preciso provar que tem a microbiota saudável. Se nasceu de cesárea ou parto normal, qual a dieta alimentar, o histórico de doenças, se exames detectaram hepatite, HIV, rotavírus, giardia e outras parasitoses, tudo isso será levado em conta para classificar a pessoa como um doador.

Dreamstime

O procedimento, apesar de simples, só pode ser realizado após indicação clínica e sob supervisão médica direta. Um dos modos de fazer o transplante é por meio de uma colonoscopia: as fezes do doador (preparadas por um microbiologista) são colocadas em um mixer e diluídas no soro e posteriormente borrifadas, por meio de uma seringa, nos intestinos grosso e delgado durante 30 minutos. Silveira informa que o procedimento apresenta resultados instantâneos.

Até por isso já é usado em muitos países como coadjuvante no tratamento de diversas doenças tais como obesidade, doenças crônicas, depressão, TDAH, autismo e obesidade, Na Europa, por exemplo, alguns consórcios já trabalham com banco de fezes. Por sua vez, no Brasil, este procedimento é autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas para tratamento de infecção por Clostridioides difficile, bactéria responsável por doenças gastrointestinais associadas a antibióticos, que variam desde uma diarreia até uma colite pseudomembranosa.

Entusiasta do transplante de fezes, Silveira defende o uso do procedimento no Brasil para tratamento de outras doenças, além das causadas pela Clostridioides difficile, assim como ocorre na Europa, por exemplo. Isso seria simples de ocorrer, desde que houvesse uma forte regulamentação, obedecendo critérios rigorosos para a seleção dos doadores. “Para doar sangue é preciso, inicialmente, responder um longo questionário e, depois de aprovado, passar por exames de sangue. Por que não podemos ter um protocolo semelhante para o transplante de fezes?”, indaga.

Silveira explica que, mesmo não sendo regulamentado pela Anvisa, o transplante de fezes não é proibido no Brasil, desde que seja recomendado e avalizado por um médico. O profissional conhece algumas pessoas que fizeram e obtiveram bons resultados com o procedimento. É o caso de um amigo médico neurologista, que já defendia a utilização do intestino como ferramenta de intervenção para problemas neurológicos, e decidiu avaliar os benefícios do transplante de fezes em si próprio, com o aval de seu gastroenterologista.

O neurologista apresentava sintomas relacionados a uma microbiota doente, tais como insônia, TDAH, síndrome intestino irritável e resistência insulínica – apesar de não ser diabético, sua glicose em jejum era alta. Fez inúmeras tentativas para diminuir a inflamação intestinal, tais como a prática de atividade física e a ingestão de alimentos probióticos e prebióticos, nenhuma intervenção foi bem-sucedida.

Sabia que o seu problema era o microbioma, porque o seu histórico de vida apontava para isso. Seu parto fora realizado por cesárea, na infância havia consumido muitos antibióticos para combater constantes inflamações de ouvido e seus refluxos foram sempre combatidos por altas doses de Omeprazol. Tudo isso fez o neurologista optar pelo transplante de fezes, que resultou, segundo ele, em uma inversão inacreditável de seu microbioma. Além da inflamação diminuir, seu intestino começou a funcionar normalmente, o sono melhorou, a glicose voltou o lugar e sua mente ficou mais focada.

Não obstante os ótimos resultados, Silveira pondera que o transplante de fezes não pode ser visto como uma salvação milagrosa. Conforme o autor do livro “O lado bom das bactérias”, o procedimento funciona como se a pessoa estivesse reiniciando o sistema operacional do computador. “A transferência de bactérias vivas traz um resultado efetivo, mas fugaz. Trata-se de uma estratégia para ser empregada em momentos pontuais, mas não se pode e nem deve depender dela para uma vida mais saudável”, afirma. Nesse sentido, o procedimento é uma nova chance para rever e mudar os hábitos cotidianos. “Somente adotando um estilo de vida mais saudável será possível obter resultados duradouros”, garante.

Sobre Alessandro Silveira

Graduado em Farmácia-Bioquímica pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), doutor em Ciência Médicas pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e pós-doutor em Análises Clínicas, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Atualmente é professor titular de Microbiologia Clínica para os cursos de Medicina, Farmácia e Biomedicina da Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), em Santa Catarina.

Desempenha, ainda pela FURB, as funções de consultor técnico de Microbiologia Clínica e Bacteriologia Clínica e coordenador do curso de Especialização em Bacteriologia Clínica. Atua também como coordenador de Microbiologia Clínica da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM), gestor da Microbiologia do Ghanem Laboratório de Joinville e consultor de Microbiologia Clínica e Molecular na DASA. Suas linhas de pesquisa incluem a análise metagemônica do microbioma intestinal e a detecção da diminuição da susceptibilidade de Staphylococcus aureus à vancomicina.

O lado bom das bactérias
Autor: Alessandro Silveira
Subtítulo: O poder invisível que fortalece sua defesa natural para uma vida mais feliz e longeva
Formato: 16cmx23cm
Editora: Gente
Páginas: 192
Preço de capa: R$ 44,90

Dia Mundial do Rim: nefrologista ensina a se proteger dos maiores inimigos

Mais de 140 mil brasileiros, neste momento, não possuem mais seus rins funcionando normalmente e sobrevivem apenas por terem acesso a um tratamento que substitui a função renal: a diálise. O número de pacientes com doença renal crônica vem aumentando consideravelmente a cada ano e, neste 11 de março, Dia Mundial do Rim, autoridades de saúde do mundo todo estão apelando: cuidem melhor dos seus rins e previnam-se das doenças renais no futuro.

De acordo com Ana Beatriz Barra, nefrologista e diretora médica da Fresenius Medical Care, empresa líder mundial em produtos e serviços para diálise, o aumento da doença renal se justifica pelo envelhecimento da população e pela crescente prevalência de obesidade, diabetes e hipertensão em grande parte da população.

“Na maioria dos casos, são os maus hábitos no dia a dia que indiretamente estão relacionados ao desenvolvimento da doença renal no longo prazo. A má alimentação – com alta ingestão de gorduras, açúcares e sal e poucos líquidos -, o sedentarismo, o tabagismo, a automedicação – sobretudo com drogas nefrotóxicas, como os anti-inflamatórios – e a falta de acompanhamento médico são inimigos dos rins”, alerta a nefrologista.

Os rins têm muitas funções, dentre elas: filtrar o sangue, eliminando as toxinas do corpo, manter a normalidade da composição corporal, como os níveis de potássio e o pH, controlar a quantidade de sal e água do organismo, regular a pressão arterial, produzir hormônios que evitam a anemia e as doenças ósseas, entre outras. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, a doença renal crônica (DRC) se caracteriza por lesão nos rins que se mantém por três meses ou mais, com diversas consequências à medida que a doença progride. Já a Doença Renal Aguda é a que aparece repentinamente, normalmente em hospitalizados, como ocorreu em até 30% dos pacientes atingidos pela Covid-19 em estado grave.

Exame de creatinina

Um simples exame de sangue com dosagem de creatinina, pode indicar se os rins estão falhando e em que estágio da doença renal o indivíduo está. “Mas se as pessoas não fazem checkup, principalmente aquelas de maior risco, que são os diabéticos, os hipertensos, os idosos e os que têm história familiar de doença renal, elas nem ficam sabendo. E a doença renal não costuma dar muitos sinais, principalmente nos estágios mais precoces, onde seria possível evitar a progressão para a diálise. Quando a pessoa descobre, muitas vezes, infelizmente já está tarde para recuperar seus rins”, alerta.

Mesmo para aqueles que têm acesso à diálise, a taxa de mortalidade ainda é muito elevada, cerca de 20% ao ano no Brasil. “A doença renal não é simples. E no Brasil, a condição se agrava por falta de acesso tanto à hemodiálise comum, sobretudo para pessoas que vivem longe das maiores cidades, onde há clínicas especializadas, como pela dificuldade em se oferecer no país as melhores terapias existentes no mundo atualmente. A hemodiafiltração online, por exemplo, já é utilizada pela grande maioria dos pacientes em Portugal, no Japão e em outros países. Mas no Brasil, a terapia nem sequer entrou no rol dos tratamentos obrigatórios que os planos de saúde devem cobrir, determinado pela Agência Nacional de Saúde (ANS). Estamos atrasados por falta de vontade do poder público”, relata a médica.

O mineiro Fernando Augusto Figueiredo Braga, de 46 anos, segue a rotina da diálise, indo à clínica três vezes por semana. Os dias do tratamento nem sempre eram fáceis e, por diversas vezes, Fernando apresentava pressão baixa e indisposição. Mas há dois anos, passou a utilizar a hemodiafiltração de alto volume e viu a sua vida mudar. “Com a nova terapia, minha pressão se estabilizou e posso dizer que sou outra pessoa. Ter acesso a esse tratamento fez muita diferença, me sinto muito melhor. Foi um divisor de águas na minha vida”, comemora.

Cleanta da Silva, de 55 anos, dialisa há 4 anos e há dois iniciou a Hemodiafiltração. “Tive muita melhora de vida, é como se nem tivesse dialisando. Faço academia, passeio, não sinto mais nada. Não fico amarela, fraca, é uma terapia excelente. Antes eu era uma pessoa cansada, sem disposição. Começava um exercício e já queria parar. Agora dou dez voltas na praça e ando 3,5 quilômetros. Vários amigos na clínica relatam a mesma coisa. Alguns viajam sem medo”, afirma.

Diálise Peritoneal: outra terapia que poderia aumentar o acesso dos pacientes que vivem longe de clínicas, seria a diálise peritoneal, que é feita em casa, pelo próprio paciente, sob orientação, já que a imensa maioria dos municípios brasileiros não têm clínicas de diálise. Mas seu uso ainda é muito restrito por conta das dificuldades logísticas de distribuição e dos custos dos insumos utilizados e pelo subfinanciamento deste tratamento pelo SUS.

Transplante Renal: é considerado a melhor opção de tratamento para os pacientes com falência renal, desde que tenha condições para este procedimento. Os pacientes transplantados têm melhor qualidade de vida e uma sobrevida mais longa do que aqueles que permanecem em diálise. Porém, o número de novos pacientes inscritos anualmente na lista de espera é muito maior do que o número de órgãos doados e o tempo de espera por um rim compatível pode ser de anos.

“Nossa luta é para mostrar que hoje é possível viver melhor com a doença renal. Uma parte depende do paciente e de seus cuidadores, para se alimentar adequadamente, fazer atividades físicas, tomar os medicamentos corretamente, fazer acompanhamento médico e os exames solicitados. E a outra, depende mesmo dos planos de saúde e do governo para ofertarem os melhores tratamentos existentes. Por exemplo, na Europa, se usa um dialisador uma única vez, enquanto no Brasil, reutiliza-se até 20 vezes. Claro que isso impacta na qualidade do tratamento, no dia a dia e na sobrevida dos pacientes”, afirma a médica nefrologista Ana Beatriz.

Dicas para manter os rins saudáveis

Cuide da sua alimentação

Pixabay

Líquidos: os rins funcionam como filtros, retirando do sangue que passa por ele o excesso de líquidos e de substâncias nocivas ao organismo. Para isso, deve-se garantir que a pessoa esteja ingerindo líquidos adequadamente, pois os rins são bastante sensíveis à desidratação, principalmente em quem já tem alguma doença renal. O volume de líquido necessário para a pessoa se manter bem hidratado depende de vários fatores, como a temperatura ambiente e o nível de atividade física. Nos dias mais quentes e em plena atividade física, haverá necessidade de ingerir muito mais para se manter bem hidratado. Uma boa dica é ver a cor e o volume de urina. Se estiver com a cor muito concentrada (escura) e com volume reduzido é sinal de que o rim está se esforçando para poupar água, sendo sugestivo que a pessoa está precisando de ingerir mais líquido. Mas cuidado, ingerir além da necessidade, também pode ter consequências negativas para o organismo. Tome a quantidade ideal e dê preferência à agua, que é sem açúcares e sem sal.

Sal, açúcar e gorduras: alimentos ultraprocessados são muito atrativos e de fácil acesso, mas geralmente têm excesso de sal, açúcar e gorduras. A combinação destes alimentos com o sedentarismo parece ser o caminho fácil para o surgimento das comorbidades que mais tarde levarão à doença renal crônica. Reduza o sal nos seus alimentos feitos em casa também.
Lembre-se: mais de 60% dos pacientes entrando em diálise já eram diabéticos e/ou hipertensos.

Pratique atividades físicas

Foto: Shutterstock

Abandone o sedentarismo: o bom funcionamento dos rins também depende do bom funcionamento do coração e do sistema circulatório e vice-versa. Ambos atuam na regulação da pressão sanguínea. A falta de atividades físicas prejudica a eliminação das calorias ingeridas em excesso, favorece o ganho de peso, o desenvolvimento do diabetes, a piora no controle da pressão arterial e do colesterol. Suar a camisa faz bem!

Jamais se automedique

Stock Photos

Tomar medicamentos como antibióticos, anti-inflamatórios, analgésicos e aqueles para controle da acidez do estômago, desnecessariamente ou em excesso, pode danificar os seus rins. Jamais tome remédios sem orientação médica.

Evite fumar

As partículas tóxicas do tabaco inaladas são prejudiciais aos rins e às artérias, podendo ainda interferir na pressão arterial.

Vá ao médico uma vez por ano

Nem sempre os rins dão sinais de que não estão funcionando bem. Exames de sangue, para a dosagem da creatinina e de urina, para investigar a presença anormal de proteína, podem indicar o estado da saúde renal do indivíduo. O ideal seria que os indivíduos com maior risco de desenvolver doença renal crônica, isto é, os diabéticos, hipertensos, idosos e aqueles com história familiar da doença, fizessem avaliação pelo menos uma vez por ano.

Fonte: Fresenius Medical Care

Transplantes de fezes de “superdoadores” podem ser uma cura para várias doenças

Uma nova pesquisa sugere que as fezes dos chamados “superdoadores” têm uma diversidade microbiana tão rica que usá-las para transplantes fecais pode curar condições que variam da doença inflamatória intestinal à doença de Alzheimer e à esclerose múltipla.

Recentemente, um número crescente de estudos descobriu doenças relacionadas a mudanças na microbiota do intestino. Câncer, obesidade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático são apenas algumas das condições que os pesquisadores associaram a um desequilíbrio na composição bacteriana de nosso intestino.

Esse desequilíbrio leva o nome de “disbiose”, e estudos observacionais notaram uma ligação entre disbiose e alergias microbianas, síndrome do intestino irritável e doença cardiovascular.

Mais recentemente, o Medical News Today informou sobre pesquisas que encontraram conexões entre bactérias intestinais e doenças relacionadas à idade, como Alzheimer ou paralisia induzida por idade.

Muitos dos estudos que iluminaram essas conexões foram realizados em camundongos sem germes. Nesses testes, os pesquisadores substituíram as microbiotas intestinais dos roedores por bactérias saudáveis, realizando transplantes fecais de um doador saudável.

Os médicos usam o mesmo procedimento de transplante de fezes em ensaios clínicos em humanos. Mas novas pesquisas sugerem que algumas fezes são melhores que outras – isto é, os chamados superdoadores têm certas bactérias em suas entranhas que podem ajudar a restaurar a diversidade microbiana que é perdida em condições como doença inflamatória intestinal e diabetes.

Se os pesquisadores conseguirem entender melhor os mecanismos pelos quais essas amostras de fezes de superdoadores ajudam a curar doenças crônicas, o transplante fecal pode ser uma terapia segura e eficaz para uma ampla gama de doenças.

Com esse raciocínio em mente, Justin O’Sullivan, Ph.D., da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, e seus colegas decidiram revisar os ensaios clínicos existentes sobre transplante fecal. A equipe publicou suas descobertas na revista Frontiers in Cellular and Infection Microbiology.

Estudando os efeitos dos transplantes fecais

493ss_thinkstock_rf_gut_microbiome-1

Os pesquisadores examinaram estudos existentes de transplante fecal para doenças crônicas associadas à disbiose, como doença inflamatória intestinal, colite alérgica e constipação, bem como algumas condições hepáticas, metabólicas e até mesmo neurológicas.

“O padrão de sucesso nesses testes demonstra a existência de ‘superdoadores’, cujas fezes são particularmente propensas a influenciar o intestino do hospedeiro e levar à melhora clínica”, relata O’Sullivan.

A taxa média de cura quando se utiliza transplante fecal para infecção diarreica é superior a 90%, observam os pesquisadores, mas para outras condições, como doença inflamatória intestinal ou diabetes tipo 2, a taxa média é de cerca de 20%.

Mas alguns transplantes levam a resultados notáveis, O’Sullivan explica: “Nós vemos transplantes de superdoadores atingindo taxas de remissão clínica de talvez o dobro da média restante”.

“Nossa esperança é que, se pudermos descobrir como isso acontece, podemos melhorar o sucesso do transplante fecal e até testá-lo para novas condições associadas ao microbioma, como Alzheimer, esclerose múltipla e asma”-Justin O’Sullivan, Ph.D

Principais características das amostras fecais de superdoadores

cientista laboratorio analise pesquisa

Os pesquisadores também descrevem algumas características dessas amostras fecais de superdoadores. Diversidade microbiana e altas concentrações de “espécies-chave” de bactérias estão entre essas características. Espécies-chave são bactérias que desencadeiam a produção de substâncias químicas – como o butirato – sem as quais o corpo é mais vulnerável a doenças

“Na doença inflamatória intestinal e no diabetes, por exemplo”, explica O’Sullivan, “as espécies-chave associadas à remissão clínica prolongada produzem butirato – um químico com funções especializadas na regulação do sistema imunológico e do metabolismo energético”.

A análise dos pesquisadores também revela que a interação entre vírus, dieta e sistema imunológico influencia a existência e o desenvolvimento de bactérias benéficas. “Por exemplo, o sucesso dos transplantes fecais tem sido associado em alguns estudos com a transferência de vírus que infectam outros micróbios intestinais”, diz O’Sullivan.

“Alguns casos de infecção diarréica recorrente foram curados com transplantes de fezes filtradas que tiveram todas as bactérias vivas filtradas, mas ainda contêm DNA, vírus e outros detritos. Apoiar o microbioma transplantado através da dieta também pode melhorar o sucesso”, acrescenta o pesquisador.

“Tem sido demonstrado que uma alteração rápida na dieta, como a mudança de uma dieta baseada em animais para uma dieta exclusivamente vegetal, pode alterar a composição da microbiota intestinal em 24 horas” – Justin O’Sullivan

Finalmente, à luz do exposto, os pesquisadores recomendam que os testes de transplante fecal humano devem levar em conta os antecedentes genéticos e as dietas dos doadores, a fim de melhor predizer os resultados clínicos da intervenção.

Texto originalmente publicado em 22 de janeiro de 2019 , por Ana Sandoiu e revisado por Gianna D’Emilio

Fonte: MedicalNewsToday

3 em cada 4 pacientes com câncer de bexiga são ou foram fumantes

Tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento da doença

Na semana em que se celebra o Dia Nacional de Combate ao Fumo, 29 de agosto, a Secretaria de Estado da Saúde faz um alerta importante sobre a relação do cigarro com o câncer de bexiga.

Levantamento inédito feito pelo departamento de urologia do Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo, unidade da pasta gerenciada em parceria com a SPDM – Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, indica que 73% dos pacientes diagnosticados com câncer de bexiga na unidade foram ou ainda são fumantes.

Entre as 1.130 cirurgias realizadas no hospital para retirada deste tipo de tumor desde 2013, 854 foram feitas em homens e 276 em mulheres. No total, 823 pacientes relataram ter o vício, sendo 657 do gênero masculino e 169, feminino.

Segundo a literatura médica, o câncer de bexiga é o segundo tumor do trato urinário mais frequente depois do que acomete a próstata, afetando tanto homens quanto mulheres. A principal causa é o tabagismo. De acordo com Cláudio Murta, coordenador do departamento urologia do Hospital de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini, os homens têm mais propensão a ter a bexiga afetada pelo tumor do que as mulheres, devido a fatores genéticos ou hormonais, por exemplo. Porém, em ambos os casos, a maioria das pessoas ainda sofre com a falta de informação.

o-cigarro-pode-levar-a-infertilidade

“Esses pacientes chegam ao nosso hospital sem ter ideia de que o hábito de fumar pode prejudicar outras áreas além do pulmão. São substâncias que causam alteração celular. Elas saem do sistema respiratório, vão para corrente sanguínea, são filtradas pelos rins e se depositam na bexiga, onde acontece a transformação chamada ‘maligna”, explica. Na unidade, o tratamento consiste na remoção do tumor por meio de raspagem da bexiga e, em casos mais graves, a retirada do órgão, com tratamento e acompanhamento posterior.

Especialistas acreditam que fatores como exposição a alguns produtos químicos industriais, não beber líquidos em quantidade suficiente, idade, infecções, questões genéticas e histórico familiar colaboram para o surgimento deste tipo de câncer, mas que o tabagismo atualmente é a maior causa do desenvolvimento da doença. “Por isso, podemos afirmar que, sem sombra de dúvidas, a principal prevenção contra o câncer de bexiga é não fumar ou parar com este hábito”, finaliza Murta.

Sobre o hospital

O Hospital de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini é o primeiro centro público de saúde especializado em transplantes de órgãos e tecidos no Brasil. Seu departamento de urologia realizou no último ano mais de 40 mil consultas e cerca de 4.500 cirurgias.

A unidade fica no Jardim Paulista, zona sul da capital, e atende de forma referenciada pacientes encaminhados pelos municípios, via central de vagas estadual.

Fonte: Assessoria de Imprensa do  Hospital Euryclides de Jesus Zerbini

 

Transplante garante cílios volumosos e cheios

Se a ideia for manter cílios volumosos e cheios, e que durem mais que um carnaval, o médico e cirurgião Thiago Bianco, expert em restauração capilar, relata o transplante de cílios como uma solução permanente e com excelentes resultados.

Para quem deseja exibir os cílios alongados na folia, por exemplo, é necessário procurar um médico especialista até três meses antes da festa. A explicação é simples: poucos dias após a cirurgia, os cílios caem e só tornam a crescer dentro deste prazo.

“Os fios utilizados neste procedimento são retirados do próprio paciente e são transplantados para a pálpebra. A anestesia é local e a pessoa sai do consultório no mesmo dia com a área levemente inchada e avermelhada, como qualquer cirurgia”, explica Bianco.

olhos.jpg

Embora ainda sejam os preferidos entre as mulheres, os cílios postiços são temporários e descartáveis. Além disso, o uso contínuo do acessório demanda cuidado e pode causar quedas nos fios da região.

Já com o transplante de cílios, as cicatrizes ficam quase imperceptíveis e os cílios, permanentes. “Para uma paciente que tem cílios finos e ralos, depois do transplante ter que cortar os cílios, de tão grandes, é simplesmente fantástico.”, comenta o médico.

Segundo o especialista, cada transplante deve ser analisado individualmente, porém, em média, são implantados de 25 a 50 fios individuais nas pálpebras.

Fonte: Thiago Bianco é considerado um dos pioneiros a realizar a técnica de implante microfolicular guiado por vídeo. Graduado em Medicina em 2006, especializou-se em cirurgia geral e trauma, direcionou sua carreira para área de implante capilar. Membro titular da ISHRS (International Society of Hair Restoration Surgery), atualmente realiza um trabalho pioneiro com as técnicas de FUT (Follicular Unit Transplant) e FUE (Follicular Unit Extraction), com o transplante capilar de barba e de sobrancelha.