Arquivo da tag: varizes

Mitos e verdades sobre beleza e bem-estar no inverno

Especialistas falam dos benefícios e desvantagens do frio para a beleza e a saúde

O frio engorda? A pele resseca? Não é raro que o inverno seja associado a mudanças negativas no corpo e que os benefícios e vantagens das temperaturas mais amenas sejam esquecidos ou ignorados. Se, por um lado, é natural sentir mais fome nos dias frios, por outro, o corpo apresenta espontaneamente um maior gasto energético, o que acaba levando muitas pessoas a adotarem hábitos equivocados. Para manter o corpo e a saúde em dia neste inverno, confira uma lista de mitos e verdades da estação segundo especialistas:

Foto: Shutterstock

É comum sentir mais fome nos dias frios
Verdade. Você certamente já se perguntou por que a gula parece vir com tudo no inverno. “Em temperaturas baixas, nosso metabolismo tem como tendência ficar mais acelerado. Com isso, é gerado mais calor na tentativa de aquecer o nosso corpo e, por consequência, o gasto calórico é maior, assim como a necessidade de se ingerir mais calorias. No frio, a sensação de prazer é muito maior quando ingerimos alimentos quentes. E, normalmente, eles são mais calóricos. Mas, é preciso cuidado porque costuma-se praticar menos exercícios físicos e é possível que se ganhe quilos a mais na balança”, alerta Nívea Bordin Chacur, nutróloga da Clínica Leger.

Se exercitar no inverno ajuda a emagrecer
Verdade.
É normal bater aquela preguiça só de pensar em sair da cama nos dias mais frios, mas para quem quer emagrecer, essa pode ser a época ideal para dar início ao projeto verão. Isso porque no inverno o metabolismo do corpo acelera, pela necessidade de produzir mais calor, ativando mecanismos naturais que promovem a queima de gorduras. “Para impulsionar ainda mais essa tendência do corpo a gastar calorias, vale manter a rotina de exercícios sempre em dia. O ideal é praticar alguma atividade física diária por pelo menos 40 minutos”, completa Nívea.

É a melhor época para fazer cirurgia plástica e tratamentos estéticos
Verdade. Você sabia que é neste período que as clínicas de cirurgia plástica e estética apresentam um aumento de cerca de 40% no movimento? E isso tem explicação. De acordo com a dermatologista Gina Matzenbacher, que também atua na Clínica Leger, a tendência é que as pessoas passem mais tempo em casa e se exponham menos ao sol, o que torna o pós-operatório muito mais agradável. “A preocupação não está com a cirurgia em si, mas sim no pós-operatório. As cirurgias nos seios e abdômen, por exemplo, exigem o uso da cinta durante dias ou até mesmo meses, o que pode incomodar nos dias quentes de verão. Agora no inverno, recomendamos também, tratamentos como o laser de CO2 fracionado ou um peeling mais profundo, uma vez que o sol é inimigo da cicatrização e prejudica a recuperação da pele, podendo até piorar ou agravar o estado da cútis se exposta ao sol durante um tratamento. Costumamos dizer que o inverno é a nossa época de eleições para estes tipos de procedimentos estéticos”.

Pode dispensar o protetor solar no inverno
Mito.
O sol pode até não estar brilhando tão intensamente quanto durante os dias quentes de verão, mas isso não pode servir de desculpa para você abrir mão dos cuidados com a pele. Usar protetor solar diariamente, mesmo em dias nublados, continua sendo a recomendação dos especialistas. “O protetor solar, com fator de proteção 30, tem que ser aplicado em todas as estações do ano, com chuva ou sol. As radiciações UV estão presentes em qualquer momento do ano, até mesmo quando o tempo está nublado. Lembrando que o protetor solar tem uma duração de no máximo quatro horas, por isso é extremamente importante a sua reaplicação”, garante Ana Cecilia Corcini, médica especialista em estética da Clínica Leger. E não basta aplicar o produto no rosto. Todas as demais áreas expostas ao sol, como mãos, braços e colo, devem ser contempladas.

Pele ressecada é mais comum em baixas temperaturas
Verdade.
A queda na umidade relativa do ar aliada às alterações na temperatura comprometem a hidratação da pele nessa época do ano. É preciso um cuidado redobrado, pois é muito comum, além do ressecamento, rachaduras nos lábios e pés. O ideal é usar produtos para uma pele mais sensível e fragilizada, substituir o sabonete em barra pelo líquido, que já tem um hidratante na composição, além de aproveitar os três minutinhos após o banho, quando a pele ainda está úmida e vai absorver um pouco mais dos produtos tópicos, para passar um bom hidratante. Segundo Ana Cecilia Corcini, “no frio temos um hábito não muito saudável de aumentar a temperatura do chuveiro, com isso temos ressecamento da pele e maior produção de oleosidade no couro cabeludo, o que pode gerar até a queda capilar. Por isso é importante, investir em cremes a base de ureia e óleos e evitar o chuveiro muito quente ao lavar o cabelo”, reforça a médica.

Foto: Winzy Lee/Shuttestock

É a melhor estação do ano para tratamentos de varizes
Verdade.
“O inverno é a melhor época para tratar as varizes e os “vasinhos” (veias finas avermelhadas ou arroxeadas). Durante os meses de junho a setembro, as temperaturas são mais amenas e as pernas podem ficar mais protegidas do sol durante o tratamento. A maior vantagem em tratar as varizes no inverno é ficar com as pernas prontas para aproveitar o verão”, afirma Fernanda Federico, cirurgiã vascular da Clínica Leger. Além de melhorar a aparência estética, o tratamento das varizes proporciona melhora da saúde, bem estar e qualidade de vida. Às vezes, apenas os vasinhos são visíveis, mas é possível que haja microvarizes e varizes que também precisam ser tratadas. Antes de começar qualquer procedimento, ainda que para fins estéticos, é preciso fazer uma avaliação clínica vascular das pernas. “Menor exposição ao sol, roupas mais quentinhas e fechadas protegem as regiões tratadas e, assim, menor será a chance de surgir manchinhas na pele. Baixas temperaturas reduzem o inchaço e facilita o uso de meias elásticas”, conclui a médica.

Fonte: Clínica Leger

Altas temperaturas aumentam riscos de doenças vasculares e circulatórias

Cuidados com alimentação e prática de atividades físicas ajudam a evitar o acúmulo de líquido e inchaço no corpo, sinais de alerta do sistema circulatório

Com a chegada do verão, é comum sentirmos as pernas mais pesadas, os pés e mãos inchados e a sensação constante de cansaço provocada pelo calor excessivo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), o período mais quente do ano provoca um aumento de 30% na incidência de doenças vasculares.

A condição, somada às altas temperaturas, é fomentada pelo acúmulo de líquidos em espaços ao redor dos tecidos e órgãos. “O inchaço, embora seja mais frequente no verão, é sempre um sinal de alerta em qualquer época, principalmente se há persistência após algumas horas de repouso, pois demostra uma sobrecarga no sistema circulatório”, destaca Paulo Eduardo Bochio, cirurgião vascular da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

MedicalNewsToday

Ele explica que esta sobrecarga pode ser provocada por uma condição fisiológica, como a dilatação das veias destas áreas, e também pode ser um indício de trombose venosa profunda. “Sendo assim, inchaços persistentes necessitam de avaliação médica.” Segundo o especialista, as mulheres são as que mais sofrem com os problemas vasculares durante o verão. E esclarece que os hormônios femininos, principalmente o estrógeno, estão associados à piora dos sintomas de doenças vasculares, como peso, cansaço e inchaço.

“Em alguns casos, o uso de medicamentos com estrógenos pode até causar ou agravar a própria doença, como em pessoas com predisposição genética ou fumantes, seja piorando os sintomas e aspecto do membro, ou mesmo levando à trombose venosa, principalmente em mulheres acima dos 35 anos”, explica.

E frisa que, normalmente, a principal queixa das pacientes durante esta estação é sobre os inchaços nas pernas, um dos principais sintomas da insuficiência venosa crônica, que acomete um número significativo de pessoas da população geral e principalmente do sexo feminino: “Este problema, na maior parte das vezes, é benigno, quando tratado de maneira adequada.”

Para pessoas que têm problemas vasculares prévios, como insuficiência venosa crônica (varizes), o médico pede atenção às altas temperaturas, assim como nas doenças arteriais para as baixas temperaturas. “As varizes dos membros inferiores são veias dilatadas e tortuosas, incapazes de conduzir adequadamente o sangue das pernas para o coração. No sistema superficial de veias, essa dificuldade de retorno se chama estase venosa, e facilita o aparecimento de edema e até flebites (inflamação aguda da veia)”, ressalta.

De acordo com o especialista, em casos mais graves, principalmente quando há acometimento do sistema venoso profundo, como no caso de pacientes que já tiveram trombose, podem aparecer úlceras varicosas ou novos episódios de trombose.

Trombose

Getty Images

A pandemia de Covid-19 impôs à população muitas mudanças de comportamento e estilo de vida. “Essas mudanças fizeram com que muitos deixassem um pouco de lado os cuidados com a saúde, aumentando o risco, principalmente agora no verão, de ocorrência de doenças como a trombose”, relata o cirurgião vascular.

A trombose é um problema de circulação, causado pela criação de um coágulo em locais em que não ocorreram qualquer tipo de sangramento. “Em condições normais, a formação do trombo (coágulo) é um mecanismo fisiológico do sistema circulatório que cessa qualquer tipo de sangramento, por exemplo no caso de um ferimento. Porém, com a trombose, esse trombo se forma dentro de um vaso, dificultando ou impedindo a circulação sanguínea na região ou em um órgão específico”, afirma o especialista.

A trombose acontece em diferentes tipos de vasos sanguíneos, podendo se apresentar como:

  • Trombose venosa profunda: afeta principalmente as veias nos membros inferiores, geralmente na região das coxas e panturrilhas, podendo acometer outros vasos, como os abdominais. Sua principal e mais temida complicação é a embolia pulmonar, quando o trombo é levado pela corrente sanguínea e entope a circulação dos pulmões, causando grande risco à vida.
  • Trombose arterial: forma-se nas artérias, os sintomas principais são causados pela falta de suprimento sanguíneo adequado, ao órgão ou região acometida, por exemplo, no coração, angina ou infarto, no cérebro, um AVCI (acidente vascular cerebral isquêmico, causado pela) nas pernas: frialdade, arroxeamento e alteração da sensibilidade, com risco de perda do membro.

As doenças arteriais normalmente têm sua maior incidência no inverno e, como principais fatores de risco, diabetes, hipertensão, tabagismo e colesterol elevado. A obesidade e o sedentarismo são fatores de risco tanto para a doença venosa como para a arterial.
Outra preocupação, apresentada pela SBACV, foi a identificação da doença em pacientes que tiveram Covid-19.

“A doença pode ser grave em pacientes que já tinham algum fator de risco prévio, como obesidade ou tabagismo. No entanto, estamos observando o aparecimento de trombose em pacientes previamente saudáveis. Ao que parece, o processo inflamatório extremo causado pela Covid- 19 está intimamente relacionado à trombose”, destaca o cirurgião vascular. Alguns dos fatores que, segundo a especialista, podem causar a trombose são: período de gravidez, uso de anticoncepcionais e a permanência na mesma posição por longos períodos.

“Ficar muito tempo de pé ou sentado, durante o horário de trabalho ou em viagens, dificulta o retorno do sangue e líquidos ao coração, já que a musculatura e o próprio movimento em si têm um papel fundamental na circulação”, explica Bochio, que dá algumas recomendações para as pessoas que passam muito tempo em pé ou sentadas, mesmo que não tenham insuficiência venosa:

  • Levantar-se pelo menos uma vez a cada hora;
  • Caminhar por cerca de 5 minutos;
  • Sentado ou em pé, fazer movimentos circulares com os pés;
  • Elevar as pernas próximo ao nível do coração, algumas vezes ao dia;
  • Utilizar meias elásticas, caso haja recomendação médica.

As dicas acima podem ajudar no bom funcionamento da circulação sanguínea e contribuem significativamente para a melhora dos sintomas e prevenção de complicações.

Cuidados

Segundo Lígia dos Santos, nutricionista da Rede, outros fatores que mais causam problemas vasculares durante o verão são a desidratação e a preexistência de doenças associadas à obesidade e ao sobrepeso, como o diabetes e a hipertensão.

“Esses são elementos que atrapalham a circulação e podem agravar quaisquer inflamações presentes nos vasos sanguíneos, levando o corpo a reter líquidos para diluir o mineral, como o sódio, e inchar”, explica a especialista. Ela também pontua que alguns alimentos muito consumidos, como os industrializados e ultraprocessados, são prejudiciais por possuírem altos níveis de sais e açúcares em sua composição.

Para evitar a má circulação, ela recomenda uma dieta balanceada, com a presença de alimentos diuréticos como melancia, melão, pepino e abóbora, além da ingestão de água pura, que ajuda a evitar a retenção de líquidos e a repor o potássio que é eliminado pelo suor.
“Muitos acreditam que os inchaços são causados pela quantidade de líquido ingerido, mas a hidratação, pelo contrário, é o que evita a retenção e favorece o funcionamento intestinal. A desidratação pode favorecer o aparecimento do edema.”

Daniel Reche/Pixabay

Por fim, Lígia recomenda realizar regularmente atividades físicas. O ideal, segundo ela, é se exercitar antes das 10 horas ou na parte da noite (se isto não tirar seu sono), para evitar a exposição ao calor. “Realizar exercícios físicos ou caminhadas são essenciais para evitar inúmeras doenças, principalmente a trombose, pois são as formas mais eficientes de combater os incômodos causados pela má circulação. Lembrando que a atividade física deverá ser orientada por um profissional”, finaliza.

Fonte: Rede de Hospitais São Camilo

Dor nas pernas nem sempre é sinal de problemas de circulação; aprenda a identificar

Cirurgiã vascular explica a quais sinais ficar atento, além da dor nos membros inferiores, para identificar doenças vasculares como varizes

Ao sentirmos dores nas pernas, seja em repouso ou praticando atividades como corrida e caminhada, nosso primeiro reflexo é colocarmos os membros para cima ou procuramos um vascular acreditando que o sintoma seja um sinal de que algo está errado com nossa circulação. Porém, isso não é bem verdade.

“São vários os fatores que podem provocar dores nas pernas e a circulação é apenas um deles. O sintoma também pode ser sinal, por exemplo, de problemas ortopédicos e fisiátricos, como tendinites, cãibras, lesões e distensões musculares”, explica a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Por isso, antes de correr para o vascular, é importante reconhecer outros sintomas, além das dores na perna, que podem indicar problemas de circulação.

Por exemplo, uma das condições circulatórias que podem causar dor nas pernas é a doença arterial periférica (DAP). “A doença arterial periférica prejudica a circulação do sangue e provoca, entre outras coisas, dor na hora de caminhar. Na maior parte das vezes, a obstrução ocorre quando há acúmulo de placas de gordura e perda de flexibilidade nas paredes dos vasos sanguíneos arteriais, responsáveis por levar o sangue para nutrir as extremidades do corpo, como braços e pernas”, afirma a especialista.

Para identificar o problema, além da dor na perna, você deve ficar atento a sinais como fadiga e fisgadas na panturrilha, sensação de cãibra ao caminhar ou se exercitar; perda de pelos nas pernas, unhas dos pés enfraquecidas, coloração esbranquiçada dos membros inferiores e infecções recorrentes nos pés. “Nos casos mais avançados pode ocorrer impotência sexual, dor nas pernas mesmo em repouso, redução da temperatura dos membros inferiores, formigamentos e eventual aparecimento de feridas ou gangrena nos pés pela condição de extrema falta de circulação”, completa.

Além da doença arterial periférica, as varizes são uma condição circulatória muito comum que também podem causar dores nas pernas. “Varizes são veias que perderam sua função circulatória. Como seu sistema valvular não funciona, as veias deixam o sangue refluir, o que aumenta a pressão interna e causa alterações em sua parede. Desta forma, a veia torna-se dilatada, tortuosa e começa a aparecer na pele”, destaca a cirurgiã vascular.

“Os sintomas das varizes incluem dor, ardor e sensação de peso nas pernas, principalmente no final do dia, inchaço dos membros inferiores, coceira na região afetada e mudanças na coloração da pele.”

Mas a boa notícia é que é possível prevenir essas causas das dores nas pernas através da adoção de alguns hábitos saudáveis em seu estilo de vida. “É importante, por exemplo, que você mantenha uma alimentação balanceada, evite consumir grandes quantidades de sal e açúcar, consuma 2 litros de água por dia, pratique exercícios físicos regularmente, pare de fumar, diminua a ingestão de bebidas alcoólicas e monitore seu colesterol, glicemia e pressão arterial, tomando as medidas necessárias para mantê-los sob controle”, aconselha a médica.

Porém, caso você sinta dor constante e frequente nos membros inferiores, é importante consultar um médico, mesmo que você não tenha certeza se o sintoma está sendo causado por problemas circulatórios. “O profissional especializado poderá realizar uma avaliação e dizer se a causa da dor nas pernas é realmente a circulação, recomendando assim o tratamento mais adequado para você. Caso contrário, o médico poderá encaminhá-lo para o especialista indicado para resolver o problema”, finaliza Aline.

Fonte: Aline Lamaita é cirurgiã vascular, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Pauloem 2000, hoje dedica a maior parte do seu tempo praticamente à Flebologia (estudo das veias). Possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina

Casos de varizes aumentam em época de altas temperaturas

Dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular apontam que no verão há um aumento de 20 a 30% no número de queixas por esse tipo de enfermidade

Os dias mais quentes são praticamente sinônimo de felicidade. As pessoas vestem roupas mais leves e o bom humor costuma a reinar. Mas, em relação à saúde, devemos tomar alguns cuidados. Se durante o calor você está sentindo suas pernas mais pesadas, inchadas ou doloridas, atente-se. Esse quadro pode ser indício de varizes. E o que é isso? A dilatação das veias, que prejudica a circulação do sangue e afeta a parte mais superficial da pele, principalmente nas pernas e pés.

varizes 2

Robert Guimarães, médico especialista em cirurgia vascular, endovascular e angiorradiologia explica mais sobre este fenômeno, seus sintomas, prevenções e tratamentos. “As varizes se acentuam nas épocas mais quentes do ano, pois as altas temperaturas provocam uma grande expansão nos vasos sanguíneos, dificultando a passagem de sangue entre nossas veias, causando problemas circulatórios, formigamento, desconforto, ardência, câimbras, coceiras e descoloração no lugar afetado”, explica o especialista.

perna vazinhos

O tratamento pode ser feito por cirurgia ou pelo método da escleroterapia (queima dos vasinhos das varizes), já que a doença não tem cura. A drenagem e massagem, também são recomendadas, pois aumentam a circulação sanguínea.

Guimarães também diz que manter hábitos saudáveis ajuda a prevenir e cuidar deste mal. “O jeito como levamos nosso estilo de vida influencia muito em nossa saúde. Se hidratar, praticar exercícios e alongamentos diariamente, evitar saltos e sapatos apertados, não fumar, manter uma alimentação balanceada e sustentar seu peso são dicas fundamentais para precaver essa e outras doenças”

Além de ser uma preocupação estética, as varizes podem causar graves problemas de saúde, como a flebite, uma inflamação que se não for tratada, leva à trombose, que é a formação de um trombo ou coágulo no interior de um vaso sanguíneo em partes inferiores do corpo e que mais tarde pode afetar o sistema cardiovascular, ocasionado um AVC.

“Sabemos que a maior parte da população deixa de fazer exames gerais por acharem que a saúde está perfeita ou por colocarem a culpa na falta de tempo”, ressalta o médico. Segundo pesquisa Philips Index realizada pelo Instituto Ipsos, no Brasil, 45% das pessoas nunca fizeram um check-up por conta da questão cultural e pelas dificuldades em fazer exames preventivos no SUS (Sistema Único de Saúde) e pelo plano de saúde”, conta Guimarães.

varizes

“O levantamento mostrou ainda que o número de homens que não cuidam da saúde é maior do que o de mulheres. Quarenta e cinco por cento da população masculina nunca fez check-up contra 25% das mulheres. Porém, ter este cuidado é primordial, uma vez que doenças como essas podem ser curadas se forem tratadas previamente. Por conta disso, não deixe de procurar um médico vascular”, alerta o médico

Fonte: Robert Guimarães é Cirurgião Vascular e Endovascular formado pelo Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, com ampla experiência em procedimentos de alta complexidade e fleboestética. Atualmente atua nos principais hospitais de São Paulo (Beneficência Portuguesa de São Paulo, Hospital Santa Catarina, Hospital Alemão Osvaldo Cruz, Hospital São Luiz Itaim, Hospital São Luiz Jabaquara, Hospital Bom Clima Guarulhos). 

 

Solon V: tecnologia para tratar todo tipo de vasinhos, varizes e manchas

Com o laser MultiStation (ND: Yag 1064nm), Vektra QS (Q-Switched 532 e 1064nm) e a Luz Intensa Pulsada Expert Light, Solon V reúne vários métodos que, juntos, possibilitam um resultado melhor e com menos efeito colateral

Acaba de chegar ao mercado a plataforma Solon V, equipamento que faz o tratamento de vasos sanguíneos e de hiperpigmentações pós-procedimento e dispõe de três tecnologias exclusivas: laser MultiStation (ND:Yag 1064nm), Vektra QS (Q-Switched 532 e 1064nm) e Expert Light (Luz Intensa Pulsada).

“Os vasos sanguíneos são multiformes: grandes, pequenos, tortuosos, profundos, superficiais, vermelhos, arroxeados e azulados. Cada tipo de vaso responde melhor a um tipo de tratamento. A plataforma reúne as tecnologias para tratar todos os tipos de vasos, desde os pequenos até os mais calibrosos. Para conseguir tratar o vaso sob medida, as três tecnologias ainda podem ser associadas a técnicas de espuma e aplicação líquida chegando em uma fórmula ideal para tratar o vaso especificamente de acordo com sua característica”, afirma o cirurgião vascular Marcelo Zanoni.

varizes-pernas-veias- winzy lee shuttestock
Foto: Winzy Lee/Shuttestock

De acordo com o médico, o grande benefício dessas tecnologias em uma mesma plataforma é reunir vários métodos que, juntos, possam chegar em um resultado muito melhor que antigamente e com menos efeitos colaterais. “De uma forma geral, as tecnologias para tratamento vascular do equipamento provocam uma lesão térmica somente na parede de dentro da veia, que é absorvida pelo organismo, pois não passa mais sangue por ela”, explica Zanoni.

As três ponteiras têm características muito diferentes, segundo o médico. “A ponteira 1064 MultiStation faz os vasos mais calibrosos, profundos e arroxeados. Na mesma ponteira, nós temos spot sizes diferentes que vão tratar vasos mais finos e de uma coloração mais avermelhada”, afirma o cirurgião vascular.

A ponteira de luz pulsada, que é a MultiWave, é indicada para tratar vasos muito finos e superficiais. “A luz pulsada vai possibilitar o tratamento de vasinhos pequenos, aqueles que quase aparentam ser pequenas manchas avermelhadas na pele, mas que no fundo são microvasos”, diz o médico. A associação da Expert Light mais o MultiStation consegue tratar uma mescla de vasos grossos e finos em uma mesma região.

Além disso, o Vektra QS é indicado para o tratamento de manchas da pele, dermatite ocre e pigmentos de melanose, que pode ser associado ao tratamento dos vasos, clareando manchas no mesmo procedimento.

“O Vektra QS também vai nos ajudar no tratamento da dermatite ocre, que é aquela inflamação que a pele tem por insuficiência das veias. Essas pigmentações vão ser tratadas por ele principalmente em pacientes de fototipo elevado e manchas devido ao sangue acumulado nas porções mais profundas da pele, enquanto que a luz pulsada também vai ajudar no tratamento dessas manchas, mas nas hiperpigmentações mais superficiais de pele e nos fototipos mais claros, como 1, 2 e 3”, diz.

Como a doença venosa e os vasos sanguíneos são muito diferentes entre uma pessoa e outra, o tratamento em si, o número de sessões, vai depender da quantidade, da profundidade, do tipo de veia que a pessoa tem e dos métodos associados para fazer esse tratamento.

“Mas, de uma forma geral, o tratamento da paciente que vem tratar os vasos finos de pele, as telangiectasias, conseguimos com uma média de duas a três sessões resultados muito bons, sendo que na primeira sessão a pessoa já vai ver uma diferença. Então a média de sessões varia entre três e quatro sessões e conseguimos resultados muito bons. Elas são feitas com intervalo de 30 dias”, afirma o médico.

varizes pernas salto alto.jpg

A sessão dura, em média, de 30 a 45 minutos. E é possível associar a outros métodos, como espuma e aplicação líquida. “A combinação de métodos é a forma mais atual e que apresenta os melhores resultados”, finaliza Zanoni.

Fontes:

LMG – Laser Medical Group: é uma empresa experiente e transparente que atua e conhece o mercado nacional e tem, como objetivo, trazer soluções inovadoras à classe médica. Este segmento foi escolhido porque o sucesso no resultado dos tratamentos com os pacientes é o reflexo dos anos de estudo, comprometimento e respeito pela saúde. Portanto, trata-se de uma empresa realmente comprometida com esta classe, que trabalha constantemente para aumentar o escopo de tratamentos já realizados e melhorar a desempenho dos já existentes.

Marcelo Zanoni: cirurgião vascular

Procedimentos para definir músculos, elevar glúteos e tratar gordura, varizes e estrias

Saiba o que há de mais novo para tratar alterações estéticas como gordura localizada, celulite, estrias e varizes

Definir os músculos, perder medidas e elevar os glúteos, tudo isso sempre pareceu uma tarefa árdua, mesmo para quem é acostumado a passar horas na academia. Mas agora, novas tecnologias prometem dar um empurrãozinho para que você tenha o corpo dos sonhos. Confira:

Trate gordura localizada, celulite e flacidez 

Celulite

Total Sculptor é o único equipamento do mundo a associar criolipólise, ultrassom macrofocado, corrente de estímulo muscular, radiofrequência multipolar e criofrequência para tratar de forma efetiva a gordura localizada, promover remodelação corporal e definir o músculo, além de atuar na firmeza da pele e contra a celulite. “O protocolo começa com o congelamento das células (criolipólise) de gordura com consequente morte celular. Mas na mesma sessão, logo após a criolipólise, algumas células de gordura ainda são destruídas por um potente ultrassom macrofocado, que potencializa muito a perda de gordura localizada”, afirma o dermatologista Abdo Salomão Jr, membro da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia). Enquanto isso, a corrente de estímulo muscular age, em uma tecnologia que faz a paciente ‘malhar’ de forma passiva. “Enquanto a paciente está parada, o equipamento começa a contrair e soltar o músculo várias vezes até fazer a definição da área muscular”. O médico enumera as vantagens: “Essa criolipólise é mais potente, já que tem vácuo mais intenso e área de congelamento maior; o ultrassom não dói porque vem logo depois da criolipólise e a gordura e os nervos estão congelados; não há cuidados especiais pós-tratamento e nem downtime, ou seja, após o procedimento, o paciente pode voltar normalmente para suas atividades normais; uma sessão é necessária para atingir os resultados”, completa.

Defina a musculatura e reduza medidas 

corpor fita metrica magra

A tecnologia do EmSculpt é a única que ajuda a construir músculos e queimar gordura. “A tecnologia não invasiva Hifem (High-Intensity Focused Electromagnetic) induz contrações musculares supramáximas não alcançáveis por meio de contrações voluntárias. Quando exposto a essas contrações, o tecido muscular é forçado a se adaptar a essa condição extrema. Ele responde com uma profunda remodelação do interior da estrutura que resulta em construção muscular e queima de gordura”, afirma a dermatologista Claudia Marçal, membro da SBD. Uma das novidades é que, além da definição muscular, o tratamento também é indicado para lifting não invasivo dos glúteos. São necessárias de quatro a seis sessões.

Apague estrias 

estrias

Eletroderme é uma radiofrequência microagulhada com excelentes resultados para estrias. No método, as agulhas ultrapassam a epiderme, emitindo ondas eletromagnéticas apenas nas camadas mais profundas da pele, preservando a superfície. Isso faz com que a temperatura da derme chegue até a 70ºC, estimulando a produção de colágeno e refazendo as fibras rompidas, explica Salomão. “A ação do Eletroderme provoca o estímulo da regeneração celular por meio do processo de cicatrização, a proliferação de células-tronco e estímulo da síntese de elastina, da neocolagênese (produção de colágeno) e angiogênese (proliferação de vasos sanquíneos)”, completa. São necessárias, em média, quatro sessões com intervalos mensais.

Eleve o glúteo

corpo mulher

O glúteo recebeu destaque no último congresso da academia americana de dermatologia e o mundo deseja copiar o padrão brasileiro. “Agora, resultados discretos de melhora do formato e elevação do glúteo são conseguidos com os bioestimuladores do colágeno, aplicados no ápice e lateral do bumbum. Para um efeito mais marcante, maior quantidade do produto é necessária e não há riscos nessa aplicação, já que o produto não reage com o nosso organismo”, afirma a dermatologista Kédima Nassif, também membro da SBD.

Trate as varizes 

varizes-pernas-veias- winzy lee shuttestock
Foto: Winzy Lee/Shuttestock

O procedimento Clacs utiliza laser não-invasivo e injeções de glicose, para aumentar eficácia do tratamento contra as varizes e reduzir os efeitos colaterais. “Com o método combinado, o laser pode ser aplicado com energia mais baixa (o que diminui a dor no tratamento) emitindo pulsos de luz que penetram no corpo do paciente e são absorvidos pelo sangue – agindo nas varizes sem causar dano à pele”, explica Aline Lamaita, cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Logo em seguida, a glicose é aplicada nos mesmos locais onde foi realizado o laser, potencializando seu efeito e secando as varizes. Sendo assim, o método inovador reduz a quantidade de sessões. “Outros tratamentos também podem ser indicados, dependendo do grau das varizes”, acrescenta. “Em apenas três sessões, é possível notar uma melhora significativa, de 70%”, comenta a médica.

Fontes:
Abdo Salomão Jr: doutorando em Dermatologia pela USP (Universidade de São Paulo). É sócio Efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Membro da Sociedade Brasileira de laser em Medicina e Cirurgia e da American Academy of Dermatology. Diretor da Clínica Dermatológica Abdo Salomão Junior.
Aline Lamaita: cirurgiã vascular e angiologista, é membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a médica participa, na Universidade de Harvard, de cursos de pós-graduação que ensinam ferramentas para estimular mudanças no estilo de vida nos pacientes em prol da melhora da longevidade e qualidade de vida. A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.
Claudia Marçal: médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). É speaker Internacional da Lumenis, maior fabricante de equipamentos médicos a laser do mundo; e palestrante da Dermatologic Aesthetic Surgery International League (DASIL). Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. É proprietária do Espaço Cariz, em Campinas – SP.
Kédima Nassif: dermatologista e tricologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da Associação Brasileira de Restauração Capilar. Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, possui Residência Médica em Dermatologia também pela UFMG; realizou complementação em Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal, transplante capilar pela FMABC e em Cosmiatria e Laser pela FMABC. Além disso, atuou como voluntária no ensino de Tricologia no Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo.

Inverno é a melhor estação para cuidar das varizes

As varizes causam incômodo e, muitas vezes, são motivo de vergonha entre as mulheres. Mais do que uma questão de estética, cuidar das veias também é saúde afinal, quando alteradas, podem causar dor, desconforto e risco de desenvolver doenças circulatórias. O inverno é a estação perfeita para tratar das varizes. Isso porque, a temperatura mais amena possibilita o tratamento com mais conforto, principalmente, nos pós-cirúrgicos.

Ao contrário do verão, é mais confortável manter a boa aparência durante o tratamento nos dias frios pois, o uso de calças para não deixar os hematomas à mostra auxilia na parte estética. “Além disso, é imprescindível o uso de meias compressivas durante o pós-operatório e evitar a exposição ao sol que pode causar manchas na pele”, ressalta o médico especialista Robert Guimarães.

Mas o que são as varizes? São anormalidades nas veias, geralmente nas pernas, que causam refluxo do sangue (ao invés de seguir o caminho normal, ele retorna dilatando a veia). Cerca de 80% da população pode apresentar a forma mais leve da doença, sendo que, na maioria das vezes, não causa sintomas. O incômodo ocorre mais devido os chamados vasinhos ou as veias superficiais esverdeadas ou azuladas que ficam mais aparentes.

Alguns dos fatores que podem colaborar com o aparecimento são obesidade, história familiar, idade e ser do sexo feminino. O tratamento consiste desde medicações que ajudam no alívio dos sintomas associado a meias elásticas até procedimentos cirúrgicos.

varizes-pernas-veias- winzy lee shuttestock
Foto: Winzy Lee/Shutterstock

Dentre os procedimentos utilizados para o tratamento das varizes estão a escleroterapia, realizado não só em vasinhos superficiais (telangectasias) mas até na veia safena, com o uso de substâncias na forma líquida ou na forma de espuma que irritam a veia fazendo com que ela “seque”; a cirurgia de termoablação que emprega fibras de laser ou radiofrequência para tratar a veia por dentro; e a cirurgia convencional, com cortes mínimos para a retirada das veias doentes.

Nos tratamentos venosos, é necessário que evitem exposição ao sol por, pelo menos, 30 dias podendo-se estender esse período se ainda houver hematomas (manchas roxas). Por todas estas razões, este é o período propício para um procedimento. Porém, consulte sempre um cirurgião vascular, especialista em tratamentos de varizes.

Fonte: Robert Guimarães é Cirurgião Vascular e Endovascular formado pelo Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, com ampla experiência em procedimentos de alta complexidade e fleboestética. Atualmente atua em alguns dos principais hospitais de São Paulo (Beneficência Portuguesa de São Paulo, Hospital Santa Catarina, Hospital Alemão Osvaldo Cruz, Hospital São Luiz Itaim, Hospital São Luiz Jabaquara, Hospital Bom Clima Guarulhos).

Atendimento vascular gratuito domingo no Parque Villa-Lobos em São Paulo

São Paulo será a terceira cidade a receber o Circulando Saúde, que oferece atendimento vascular gratuito à população com médicos da especialidade. Domingo, 16 de setembro, o Parque Villa-Lobos (SP) sediará, das 9 às 14 horas, o projeto promovido pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), que este ano já passou por São Luís (MA) e Recife (PE).

A ação tem como objetivo oferecer informações a respeito das principais doenças vasculares, formas de prevenção e tratamento. Esta edição, na capital paulista, será junto ao 12º Dia Vascular de São Paulo, organizado pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular – Regional São Paulo (SBACV-SP).

O atendimento, feito por cirurgiões vasculares, residentes da especialidade, acadêmicos e alunos ligados à SBACV-SP, será em tendas de apoio. Os médicos realizarão uma triagem das principais doenças venosas e arteriais periféricas, bem como exame Doppler de onda contínua nos pacientes que apresentarem alguma alteração.

Os participantes também receberão orientações dos profissionais quanto aos sinais e sintomas dessas doenças, para ficarem alertas aos perigos de alguns comportamentos de risco e às devidas precauções a serem tomadas. Ainda poderão conferir a exposição de banners explicativos sobre trombose venosa, doença arterial periférica, aneurisma de aorta e obstrução de artérias carótidas.

Para quem estiver passeando pelo parque no dia da ação, serão distribuídas cartilhas com orientações e haverá convite para participar de uma aula de aeróbica.

“O objetivo do Circulando Saúde é aproximar a nossa especialidade da população, possibilitar que os cidadãos conheçam os fatores que mais contribuem para o desenvolvimento de doenças vasculares e oferecer atendimento com Angiologistas e Cirurgiões Vasculares a uma parcela da população que tem difícil acesso ao especialista. Esta é a terceira edição do projeto, que já passou por São Luís, Recife e até o fim do ano ainda vai contemplar mais duas cidades”, afirma o presidente da SBACV,  Roberto Sacilotto.

O Circulando Saúde tem apoio da Kendall e da FQM Farma. A próxima cidade a receber a ação será Fortaleza (CE), no dia 19 de outubro.

Causas e sintomas das principais doenças vasculares

Sedentarismo, má alimentação, cigarro, pressão alta e estresse do dia a dia são algumas das causas mais recorrentes das doenças vasculares.

As varizes são as mais comuns e estima-se que 30% da população mundial têm varizes (conforme região do mundo), afetando mais as mulheres (70%) do que os homens (30%). Os sintomas mais frequentes são: dor, cansaço e sensação de peso nas pernas, ardência, edema (inchaço), câimbras, dormência e áreas de pele inflamada com prurido (coceira).

Antes de qualquer cirurgia, em alguns casos, tenta-se o tratamento das varizes com o uso de meias elásticas, principalmente durante a gestação, e a utilização de medicamentos flebotônicos que melhoram o fluxo venoso, exercícios e emagrecimento.

Além do tratamento clínico das varizes, alguns procedimentos podem ser necessários para minimizar o problema. Escleroterapia, a famosa secagem dos vasos, procedimento este que deve ser sempre realizado por médico especialista vascular, trata-se da injeção de substâncias na forma líquida ou com mistura gasosa (mais conhecida como espuma) para desaparecimento das telangiectasias ou aranhas vasculares (vasinhos).

varizes-pernas-veias- winzy lee shuttestock
Foto: Winzy Lee/Shuttestock

Outra técnica para este tipo de doença é a utilização do laser que também pode ser realizado nos pequenos vasos. Em alguns casos pode ser realizada a aplicação de espuma ou também utilizada a técnica de ablação (queimar para secar a veia), como no uso do laser ou de fibras de radiofrequência.

“Para as varizes de médio e grosso calibre nas pessoas com sintomas de peso, cansaço e queimação a técnica cirúrgica para retirada destas veias ainda é a mais utilizada em nosso meio. A escolha da alternativa mais adequada pode variar dependendo do caso, mas sempre sob realização do médico especialista Vascular”, destaca o presidente da SBACV-SP, Marcelo Calil Burihan.

Outra doença que está se tornando mais frequente é a arterial periférica, conhecida como má circulação. A prevalência é atingir de 3 a 5% da população depois dos 50 anos e de 500 a 1.000 indivíduos por ano por milhão de habitante. Tudo isso aponta para um alerta: a isquemia de membros (amputação). Em torno de 120 a 500 casos por milhão de habitantes, dependendo da região – Consenso Mundial.

Burihan explica que o tratamento clínico é a primeira abordagem. Já o cirúrgico, com a realização de pontes utilizando-se a safena ou materiais sintéticos; e as angioplastias, desentupimento da circulação com cateteres ou com stents; devem ser reservadas para os casos mais graves. “A cessação do tabagismo, o controle rigoroso do diabetes e da dislipidemia (aumento do colesterol), a mudança do hábito alimentar e a realização de exercícios físicos regulares são essenciais para que não haja a progressão da doença”, salienta.

Circulando Saúde – 12º Dia Vascular de São Paulo
Data: 16 de setembro de 2018
Horário: Das 9 às 14 horas
Local: Parque Villa-Lobos
Endereço: Av. Professor Fonseca Rodrigues, 1025 – Pinheiros, São Paulo (SP)
Informações: (11) 5087-4888 |secretaria@sbacvsp.org.br

 

Conheça algumas opções de tratamento de varizes mais internas

Angiologista e cirurgiã vascular esclarece alguns pontos que devem ser analisados na escolha do melhor método para tratar veias safena e outras internas

Atualmente, vários são os recursos para tratar as temidas varizes — veias dilatadas e tortuosas que perderam sua função causando danos estéticos e circulatórios. A cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, explica que — de cirurgias a tecnologias não-invasivas —, na hora de escolher o tratamento ideal, o médico deve considerar alguns fatores: “O calibre da veia, o tom de pele da paciente, a localização na perna e se a veia está mais profunda ou superficial”.

No caso da veia safena e aquelas mais internas, esse tipo de varizes pode causar danos à circulação. “Então elas devem ser tratadas por questões de saúde, são geralmente mais calibrosas”, explica. No geral, três tipos de tratamento podem ser feitos: cirurgia convencional, endolaser e radiofrequência e a espuma densa. A angiologista comenta as vantagens e desvantagens de cada procedimento:

Cirurgia convencional

Como é feita: “É realizado um corte pequeno (0,5 cm) no tornozelo e outro em torno de 2 a 3 cm na virilha. Pelo corte do tornozelo é introduzido um aparelho que se chama fleboextrator, que vai correr pela safena e ser exteriorizado pela virilha. Depois esse aparelho é arrancado juntamente com a veia”, explica a médica.
Vantagens: “Ainda é o método mais realizado no Brasil, consagrado e com bons resultados”, comenta.
Desvantagens: “Como a veia é arrancada, geralmente temos uma área maior de hematomas e consequentemente mais dor pós-operatória. O tempo de recuperação costuma ser em torno de 15 dias”, diz a angiologista.

Endolaser e radiofrequência

Como é feita: “Sem cortes, a veia safena é puncionada e uma fibra é colocada através de um introdutor dentro dela. A ponta da fibra é posicionada na virilha (guiada por ultrassom). A outra extremidade da fibra é então conectada a um aparelho de laser ou radiofrequência que vai liberar uma energia que queima a veia. A fibra então é retirada lentamente enquanto a veia vai sendo cauterizada em todo o segmento a ser tratado. O interessante é que a veia não é retirada, ela vai ser queimada e se transformar em um cordão fibroso (uma cicatriz) não participando mais da circulação das pernas”, comenta.
Vantagens: “Recuperação mais rápida, menos hematomas, sem cortes. De 4 a 6 dias para retorno as atividades”.
Desvantagens: “A maioria dos convênios ainda não prevê cobertura”.

pernas

Espuma Densa

Como é feita: “A espuma densa é uma mistura de ar ambiente com um produto chamado polidocanol. Feito com duas seringas e uma torneirinha de rosca, esse produto é então aplicado na veia a ser tratada, sempre guiado por ultrasson para acompanhar a progressão do produto. Conforme a espuma entra em contato com a parede do vaso, ela vai criar um processo inflamatório intenso que vai cicatrizar a veia que se tornará um cordão fibroso e desconectará essa veia da circulação”, explica.
Vantagens: “É um procedimento simples, apenas uma injeção. Sem necessidade de internação hospitalar”, conta.
Desvantagens: “Como o processo inflamatório é intenso, existe um risco alto de manchas. O processo de cicatrização pode ser bastante incômodo em alguns casos, pois fica um cordão inflamatório na perna durante um tempo. Existe risco mais raro de trombose venosa profunda e embolia pulmonar”, finaliza.

Fonte: Aline Lamaita é cirurgiã vascular e angiologista, formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e do American College of Phlebology. A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina. 

Mitos e verdades: tratamento de vasinhos e varizes no outono&inverno

Com a chegada das estações mais frias, os shorts e as minissaias são deixados no armário e entram em “cena” as calças, vestidos, saias longas e peças mais pesadas. As pernas ficam mais escondidas, os vasinhos e as varizes que incomodam nas estações mais quentes são esquecidos temporariamente. Porém, é justamente nesta época do ano que o tratamento é aconselhável e terá aproveitamento integral.

O cirurgião vascular e endovascular Robert Guimarães esclarece alguns mitos e verdades sobre tratamentos de vasinhos e varizes na época mais fria do ano.

É verdade que o outono e o inverno são as melhores épocas para tratar as varizes e os vasinhos?
Verdade: no outono e no inverno a exposição das pernas é muito menor o que evita a exposição aos raios solares, que são prejudiciais à recuperação da pele após as aplicações para vasinhos e para as pequenas cicatrizes e da cirurgia para varizes. Além disso, durante o período de recuperação, pós-procedimentos, a pele da perna pode apresentar manchas roxas e outras alterações desagradáveis, temporariamente. Com o frio, as pernas estarão necessariamente cobertas e protegidas (durante o tratamento e recuperação). E ainda, o uso (quando necessário) de meias elásticas de compressão se torna mais confortável.

É verdade que a exposição ao sol depois de ter realizado uma cirurgia de varizes e ter cicatrizes recentes pode deixar essas pequenas cicatrizes escurecidas?
Verdade: um estudo publicado por pesquisadores da Dinamarca, em 2007, que comparou a pigmentação das cicatrizes de pessoas que foram expostas aos raios ultravioletas e pessoas que não sofreram esta exposição,  mostrou que a cicatrizes expostas eram significativamente mais pigmentadas do que as não expostas. Em outras palavras, tomar sol tendo uma cicatriz recente deixa a cicatriz mais escura e evidente.

pernas

É verdade que o frio facilita a cicatrização após a cirurgia de varizes?
Mito: a temperatura ambiente não influencia a cicatrização e nem a recuperação após a cirurgia de varizes. O tempo de repouso e uso de meia elástica é o mesmo em qualquer época do ano.

É verdade que após a aplicação (escleroterapia) ou laser para vasinhos não devemos expor as pernas ao sol?
Controverso: não há nenhum trabalho científico que estudou especificamente o resultado da exposição da pele humana ao sol após o tratamento dos vasinhos comparando com a não exposição. Sendo assim, não é possível afirmar que o sol prejudique ou não o resultado estético do tratamento. Porém, por conta de resultados de estudos que mostraram maior pigmentação e tendência a manchas em peles que foram expostas ao sol logo após tratamento com outros tipos de laser, orienta-se evitar a exposição nos primeiros dias após a sessão.

É verdade que a pessoa que está bronzeada deve evitar fazer tratamento para vasinhos com laser?
Verdade: a luz do laser utilizado no tratamento dos vasinhos (Nd:YAG 1064 nm) é mais absorvida pelo pigmento vermelho do sangue (hemoglobina) do que pelo pigmento que dá cor à pele (melanina). Porém, quando a melanina está em grande quantidade, ela pode absorver parte dessa luz, levando ao aumento de temperatura e queimaduras da pele. Portanto, peles bronzeadas, morenas e negras têm maior propensão a complicações como essas no tratamento a laser. Nesses casos, geralmente, o médico precisa usar uma potência menor na máquina de laser ou até contraindicar o procedimento.

pernas veias

É verdade que não se deve realizar a cirurgia de varizes no verão?
Mito: não há impedimento para realizar a cirurgia de varizes em nenhuma estação do ano. Porém, a exposição ao sol não é recomendada nos primeiros meses após o procedimento para evitar o escurecimento das cicatrizes e deixando-as menos perceptíveis. Sendo assim, fica mais difícil ser operado na durante o verão, pois não será possível usar roupas como saia e shorts, muito menos ir à praia e piscina ou realizar outras atividades que exijam a exposição das pernas aos raios de sol após a cirurgia. Além disso, o tempo quente torna desconfortável o uso da meia elástica de compressão que é recomendado por pelo menos 30 dias após o procedimento cirúrgico. Por isso, vale a pena tratar as varizes e os vasinhos durante períodos de baixa temperatura, pois quando o próximo verão chegar as pernas estarão prontas para serem exibidas e admiradas.

Fonte: Robert Guimarães é Cirurgião Vascular e Endovascular Cirurgião Vascular e Endovascular formado pelo Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, com ampla experiência em procedimentos de alta complexidade e fleboestética. Atualmente atua nos principais hospitais de São Paulo como Beneficência Portuguesa de São Paulo, Hospital Santa Catarina, Hospital Alemão Osvaldo Cruz, Hospital São Luiz Itaim, Hospital São Luiz Jabaquara, Hospital Paulistano, Hospital Unimed Guarulhos.