Arquivo da tag: vegetais

Safra do mês de outubro: nutricionista lista quais os alimentos saudáveis

Frutas e vegetais (FV) estão disponíveis durante o ano todo, mas você sabia que cada estação tem sua própria lista de frutas e vegetais?

Consumir alimentos da safra tem muitos benefícios dentre eles:

=São mais abundantes, portanto, custam menos.
=Comprar sazonalmente, garantirá o consumo de variedade, o que o ajudará a ter uma alimentação balanceada.
=Recebem menos pesticidas porque estão dentro do seu ciclo natural de cultivo
=São mais saborosos e nutritivos
=Têm aroma mais acentuado

Confira os alimentos da safra de outubro

Frutas

-Abacaxis são deliciosos, com poucas calorias e ricos em nutrientes e antioxidantes.

-Acerola é fonte de vitamina C e minerais importantes

-Banana-nanica: mais doce e muito aromática. É mais rica em potássio de todas as variedades de banana.

-Banana prata: não é tão doce quanto a maioria das outras bananas. É a variedade mais consumida no Brasil. Assim como a banana-maçã, é importante fonte de manganês além do potássio.

Foto: Giovanni42/Pixabay

-Cajus são ricos em fibras e gorduras saudáveis. Eles também contêm vitaminas e minerais benéficos à saúde

-Mangas contêm alto nível de vitamina C, fibras e pectina tornando-se uma fruta perfeita que ajuda no controle do alto nível de colesterol

-Caqui é uma fruta de clima tropical, e por isso é cultivado em praticamente todo o país. É uma excelente fonte de vitaminas C e E que, ambas auxiliam na defesa e no bom funcionamento do organismo. Além disso, possui um elevado teor de fibras, o que contribui para o bom funcionamento do intestino.

Pixabay

-Jabuticaba: fonte de fito químicos que ajudam a prevenir o câncer, ótimo para a saúde do fígado e previne o envelhecimento.

-Laranja lima é uma fruta para bebês e gestantes. É muito recomendada por ser menos ácida e com vitamina C em abundância, possuindo ainda antioxidantes e características com ação anti-inflamatória.

Legumes

-Alcachofra, aspargo, berinjela, beterraba, ervilha, fava, pepino, tomate caqui.

Verduras

-Almeirão, catalonha, cebolinha, coentro, espinafre, hortelã, mostarda.

É importante comer verduras e legumes pois estes alimentos fornecem nutrientes vitais para a saúde e manutenção do corpo:

-São naturalmente pobres em gordura e calorias e sem colesterol.

-Os vegetais são fontes de vitaminas e minerais.

-Dieta rica em verduras e legumes pode reduzir o risco de várias doenças, dentre elas, problemas cardíacas, derrame, diabetes, hipertensão e muitas outras.

Pescados:

Foto: Tarasov/Pixabay

Atum, bonito, corvina, lambari, linguado, pintado, robalo, salmão, tilápia.

O peixe é uma excelente fonte de proteína de alta qualidade. As espécies gordurosas também contêm ácidos graxos ômega-3 saudáveis para o coração e outros benefícios, incluindo proteção da visão e melhora da saúde mental. Além disso é fácil de preparar e muito gostoso.

Fonte: Adriana Stavro é Nutricionista Mestre pelo Centro Universitário São Camilo. Especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein, Pós-graduada em Nutrição funcional pela VP e em Fitoterapia pela Courses4U

Estação das flores e cores: quais alimentos típicos e benefícios de consumi-los durante o período?

Na hora de comprar frutas, legumes e verduras para consumir em casa, existem alguns fatores que devem ser levados em consideração, são eles: preço, se estão frescos, orgânicos ou não e que além de não conter agrotóxicos, também priorizam a sazonalidade dos produtos, e a escolha de alimentos mais frescos fazem toda a diferença.

Segundo o próprio Guia Alimentar para a População Brasileira, feito pelo Ministério da Saúde, o consumo de alimentos regionais, oriundos da agricultura familiar, que respeitam a natureza e técnicas agrícolas naturais são infalíveis para melhorar a saúde. Por esse motivo, com a entrada da primavera, nada melhor que aproveitar os FLVs da estação. E você sabe quais são eles?

Principais vantagens de escolher esses produtos

Além de gerar economia para o bolso, as frutas da estação saem do pé na hora certa e chegam ao consumidor de forma mais fresca e saborosa. Para escolher as frutas da safra, a Raízs, foodtech que conecta pequenos produtores de orgânicos com consumidores das cidades, possui um supermercado online com diversas opções de frutas da época, desde as mais comuns, até algumas que não estão sempre disponíveis nos supermercados, sacolões e hortifrutis, sempre respeitando a sazonalidade e o tempo da natureza.

Além disso, a foodtech comercializa produtos orgânicos 25% mais baratos que os habituais, isso porque elimina intermediários da cadeia e faz uma ligação direta entre produção e cliente.

Quais são os produtos da época?

De acordo com o Organis – Associação de Promoção dos Orgânicos, na primavera, a safra de frutas é marcada pela alta da acidez, com a presença do kiwi, maracujá, abacaxi, e outras como mamão, morango, manga e pêssego.

Já com relação às verduras da época, é neste período que o almeirão, o brócolis e o espinafre aparecem em abundância; e no caso dos legumes, os mais comuns são: abobrinha, alcachofra, berinjela, beterraba, ervilha, tomate e cenoura.

É a hora certa de aproveitar as cores e sabores da estação Todos esses produtos estão disponíveis no site Raízs, que entrega na Capital Paulista, Campinas e Região, Grande ABC e Litoral, clique aqui e veja as opções.

Consumir café e vegetal e diminuir carnes processadas influencia gravidade do Covid-19

Estudo com dados de pacientes britânicos cruzou a gravidade da Covid-19 com hábitos alimentares para concluir que severidade dos casos tem relação também com alimentação potencialmente inflamatória

O estado nutricional influencia a imunidade, mas a associação específica entre quais alimentos pioram ou evitam graus severos da doença ainda é uma conexão difícil. Apesar disso, um estudo recente da Northwestern University (Chicago – EUA), publicado em junho no periódico Nutrients, constata que alimentos como café e vegetais podem ajudar a evitar casos graves de Covid-19, enquanto carnes processadas estão relacionadas ao desenvolvimento de maior severidade da doença.

“O sistema imunológico desempenha um papel fundamental na suscetibilidade de um indivíduo e na resposta a doenças infecciosas, incluindo Covid-19. Um dos principais fatores modificáveis que afetam a função imunológica é o comportamento alimentar que influencia o estado nutricional. Estudos ecológicos do Covid-19 relatam correlações favoráveis com vegetais e padrões alimentares específicos, como a dieta mediterrânea. Alguns suplementos dietéticos foram encontrados para ter uma associação com a infecção SARS-CoV-2. No entanto, os pesquisadores deste estudo recente usaram dados da Inglaterra, do UK Biobank, e relataram que o consumo de café e vegetais foi associado favoravelmente ao desenvolvimento de quadros leves da doença, após a infecção pelo vírus”, explica Marcella Garcez, médica nutróloga, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Foram analisados dados de 37.988 pessoas entre 40 e 70 anos de idade no início do estudo, das quais 17% testaram positivo para Covid-19. Embora o fator nutricional possa teoricamente impactar a suscetibilidade à Covid-19, poucas investigações testaram especificamente a hipótese. O baixo nível de vitamina D está associado à infecção, gravidade e mortalidade pela doença, segundo estudos; alto consumo de álcool e menor consumo de café e chá foram associados à gravidade da doença também.

Na investigação pela base de dados britânica, os pesquisadores concluíram que o consumo habitual de 1 ou mais xícaras de café por dia foi associado a uma redução de cerca de 10% no risco de Covid-19 em comparação com menos de 1 xícara/dia. “O café não é apenas uma fonte importante de cafeína, mas contribui com dezenas de outros constituintes; incluindo muitos implicados na imunidade. Entre muitas populações, o café é o principal contribuinte para a ingestão total de polifenóis, em particular os ácidos fenólicos. Café, cafeína e polifenóis têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, de forma que o consumo de café se correlaciona favoravelmente com biomarcadores inflamatórios, como PCR, interleucina-6 (IL-6) e fator de necrose tumoral α (TNF-α), que são também associados à gravidade e mortalidade de Covid-19. O consumo de café também foi associado a um menor risco de pneumonia em idosos”, explica a médica.

No caso das frutas e vegetais, explica Marcella, elas são fontes dietéticas ricas em vitaminas, folato, fibra e vários fitoquímicos, como carotenoides e flavonoides. “Essas substâncias têm propriedades anti-inflamatórias, antibacterianas e antivirais e, portanto, são imunoprotetoras. No estudo atual, o consumo de pelo menos 0,67 porções por dia de vegetais (cozidos ou crus, excluindo batatas) foi associado a um menor risco de infecção por Covid-19. Estudos ecológicos recentes do Covid-19 relatam que países com alto consumo de alimentos com atividade antioxidante potente ou antienzima conversora de angiotensina (ACE), como repolho cru ou fermentado, têm uma taxa de mortalidade por Covid-19 mais baixa em comparação com outros países”, explica.

Segundo os pesquisadores, estudos de vegetais e alimentos fermentados relataram que cada aumento de grama por dia no consumo médio nacional de repolho, pepino ou vegetais fermentados diminuiu o risco de mortalidade para Covid-19 em 11% a 35%.

Já o consumo de carne processada de apenas 0,43 porções/dia foi associado a um maior risco de Covid-19 no UK Biobank. No entanto, o consumo de carne vermelha não apresentou risco, sugerindo que a carne não processada não está relacionada a casos graves. “Carne processada refere-se a qualquer carne que foi transformada por meio de salga, cura, fermentação, defumação ou outro processo para realçar o sabor ou melhorar a preservação”, explica a médica nutróloga.

Salsichas, bacon e presunto são os principais contribuintes para a ingestão de carne processada e geralmente contêm sal enriquecido com nitratos e/ou nitritos. Conservantes e outros aditivos estão sendo usados cada vez mais, embora sejam difíceis de medir em estudos observacionais. “Carnes processadas também são características de uma dieta de estilo ocidental, o que pode afetar adversamente a imunidade”, explica a médica.

“Apesar da limitação do estudo, como não ter dados simultâneos de pandemia sobre outros fatores de risco estabelecidos (distanciamento e uso de máscaras), esse é um trabalho importante para pensarmos em incluir vegetais e café na dieta, e principalmente limitar o consumo de carnes processadas, com o objetivo de melhorar a imunidade”, finaliza Marcella.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Problemas sérios que quem não consome frutas e vegetais pode ter (e dicas para inclui-los na dieta)

Não se engane: vegetais e frutas são componentes importantes da dieta humana, ricos em macro (carboidratos, gorduras e proteínas) e micronutrientes (vitaminas e minerais), e você pode ter sérios problemas ao optar por não consumi-los

Apenas um em cada três brasileiros consome frutas e vegetais regularmente, um número baixo. Mas ainda há aquelas pessoas que não comem esses alimentos de jeito nenhum, o que pode ser extremamente perigoso. “Frutas e vegetais contêm importantes compostos bioativos que demonstraram ter efeitos benéficos na saúde humana. Eles são fontes e ricos em vitaminas A, C, E e K e minerais como potássio, magnésio, cálcio. Além disso, também são uma boa fonte de fibras alimentares e possuem propriedades antioxidantes, além de fornecer também macronutrientes, como proteínas, carboidratos e gorduras boas”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

“Sabemos que é impossível obter todos esses nutrientes de uma única fruta ou vegetal; portanto, é necessário incluir uma variedade de frutas e vegetais na dieta. Mas quem não consome frutas e vegetais está mais sujeito a deficiências e uma infinidade de doenças”, completa a médica.

De acordo com Marcella, algumas das doenças causadas pela deficiência de vitaminas incluem: escorbuto (causado pela deficiência de vitamina C), cegueira noturna (causada por deficiência de vitamina A), doença hemorrágica ou distúrbio hemorrágico (causado pela deficiência de vitamina K), anemia, osteoporose e bócio, que são doenças causadas pela deficiência de minerais (ferro, cálcio e iodo, respectivamente), entre outras.

Abaixo, a médica explica mais seis sérias consequências ao não consumir frutas e vegetais:

Problemas cardiovasculares: uma dieta rica em frutas e vegetais reduz o risco de problemas cardiovasculares e complicações futuras. “Estima-se que o risco de doenças cardíacas entre os indivíduos que ingerem mais de cinco porções de frutas e vegetais por dia seja reduzido em 20%, em comparação com aqueles que comem menos de três porções por dia”, afirma a médica. De acordo com a revisão Effects of Vegetables on Cardiovascular Diseases and Related Mechanisms, o consumo de vegetais está inversamente correlacionado ao risco de doenças cardiovasculares.

“Pesquisas de vários estudos epidemiológicos mostram que vegetais como aspargos, aipo, alface, brócolis, cebola, tomate, batata, soja e gergelim têm grande potencial na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares. Esses vegetais apresentam ação protetora do coração principalmente por seus efeitos antioxidantes, anti-inflamatórios e antiplaquetários”, diz a médica nutróloga.

“Frutas e vegetais ajudam a regular a pressão arterial e a glicose no sangue; eles também têm um efeito favorável no perfil lipídico. Além disso, previnem danos ao miocárdio, modulam as atividades enzimáticas, regulam a expressão gênica e as vias de sinalização associadas a doenças cardiovasculares”, conta a médica.

Problemas digestivos: frutas e vegetais são uma boa fonte de fibras, o que estimula o bom funcionamento do intestino, melhorando a saúde imunológica, e ajuda na digestão adequada e fácil dos alimentos. “Frutas ricas em vitamina C e potássio, como maçãs, laranjas e bananas, são particularmente boas para a digestão. De acordo com um estudo publicado na revista Nature Chemical Biology, vegetais de folhas verdes contêm sulfoquinovose, um açúcar que atua como fonte de energia para a bactérias benéficas da microbiota intestinal, formando uma barreira protetora que impede o crescimento e a colonização por bactérias ruins, que podem causar constipações, distensões, dores abdominais e cólicas”, diz a médica.

Câncer: as evidências sugerem que a inclusão de frutas e vegetais na dieta reduz o risco de câncer. As bagas (uvas, pepino, abóbora, melão e melancia, por exemplo) contêm antocianina, que demonstrou um efeito inibidor no câncer de cólon. “Os vegetais crucíferos (brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, nabos e folhas verdes escuras) também demonstraram ter um efeito preventivo contra o câncer. Um estudo publicado no Journal of Food and Drug Analysis descobriu que o polifenol floretina presente nas maçãs inibe o crescimento das células do câncer de mama”, explica a médica.

Distúrbios metabólicos: segundo Marcella, a síndrome metabólica é caracterizada por glicose no sangue aumentada, pressão arterial elevada, dislipidemia e obesidade abdominal. “Uma dieta rica em frutas e vegetais está associada a um risco reduzido de diabetes mellitus, dislipidemia, hipertensão e obesidade. A ingestão de vitamina C, devido ao seu efeito antioxidante, demonstrou ter uma associação inversa com a síndrome metabólica. Alimentos ricos em fibras ajudam a reduzir a lipoproteína de baixa densidade e equilibrar os níveis de glicose no sangue”, diz a médica. Uma dieta que promove o consumo de vegetais e frutas para melhorar o controle da pressão arterial é particularmente útil na prevenção de doenças metabólicas.

Visão: vegetais de folhas verdes e frutas coloridas contêm carotenoides, que aumentam o desempenho visual do olho e ajudam a prevenir doenças oculares relacionadas à idade, segundo a médica nutróloga. “Os carotenoides luteína e zeaxantina têm ação protetora contra cataratas; também ajudam na prevenção de doenças oculares relacionadas ao envelhecimento e degeneração macular”, completa.

Depressão: numerosos estudos encontraram ligações entre o consumo de frutas e vegetais e a depressão. Estudos mostram que a depressão é menos provável em pessoas que consomem uma variedade maior de frutas e vegetais.

Como incluir na dieta?

Muitas pessoas simplesmente não gostam do sabor de frutas e vegetais, mas é improvável que elas não gostem de todos. “O ideal é tentar achar frutas e vegetais cujos sabores agradem ao paladar”, diz a médica. Abaixo, ela dá pequenas dicas de como adicionar mais vegetais e frutas à dieta:

*Experimente sucos de frutas com verduras (por exemplo morango com couve);
*Invista nas vitaminas de frutas, que podem ajudar a diversificar os nutrientes;

Foto: Cook For Your Life


*Inclua vegetais folhosos, como o espinafre, na omelete;
*Tente comer verduras e vegetais em sopas;
*Faça preparações em receitas que incluam vegetais, como o macarrão com brócolis ou couve;

*Refogue e acrescente mais temperos aos vegetais.

Por fim, a médica diz que em casos em que o paciente não consegue mesmo disfarçar o gosto das frutas e verduras, ainda é possível consumir alguns desses alimentos na forma liofilizada. “A liofilização ou criodessecação é um processo de desidratação em que o produto é congelado sob vácuo e o gelo formado, sublimado. Esse processo é utilizado em alimentos que apresentam um alto teor de água. O resultado é um pó que pode ser adicionado ao arroz, feijão, macarrão, molho e preparações caseiras, conferindo os nutrientes do alimento sem interferir no sabor”, diz a médica. “O mais importante é buscar um meio de incluir esses alimentos, que são fundamentais para a saúde”, finaliza.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Lanche do bem: boas opções para comer entre as refeições

Renata Guirau, especialista em nutrição do Oba Hortifruti, lista opções fáceis e saudáveis para incluir em uma rotina corrida e também ensina receitas para diversificar o cardápio da semana

Manter o funcionamento do organismo, controlar o apetite e a glicemia, dar energia e até minimizar sintomas de refluxo e gastrite. Esses são alguns dos benefícios de incluir os lanches entre as refeições principais. Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, esclarece que comer pequenas porções antes do almoço e do jantar pode ser a chave do sucesso para ter uma alimentação equilibrada, a saúde em dia e o corpo em forma.

“Os lanches são uma boa estratégia para garantir o fracionamento da alimentação, evitando que se coma demais em refeições após longos períodos em jejum. Também podem ser interessantes para pessoas com problemas gástricos, que precisam comer aos poucos, ao longo do dia”, ressalta Renata.

Entretanto, um cuidado importante é na escolha do que consumir. Priorizando a praticidade, muitas pessoas acabam recorrendo aos produtos industrializados que, na grande maioria das vezes, apresentam alto valor calórico e são ricos em gorduras e açúcares – o que pode pôr em xeque todas as vantagens dos snacks.

Para quem sente aquela fominha bater nos intervalos entre refeições principais, a nutricionista do Oba Hortifruti listou cinco escolhas mais saudáveis e que também são fáceis de serem incluídas na rotina:

Freepik

=Frutas em geral: são boas fontes de fibras, vitaminas e minerais, além de baixas em calorias. (Exceto o abacate e o coco, que possuem valor calórico mais alto).

Foto: Goshadron/Pixabay

=Frutas secas: além das propriedades das frutas em si, são opções fáceis de carregar na bolsa e que não precisam de refrigeração.

Pixabay

=Oleaginosas: castanhas, nozes, amêndoas, avelãs são ótimos snacks para matar a fome e também são fontes de fibras, minerais e gorduras boas que ajudam a prevenir doenças.

=Iogurte e queijos: são escolhas ricas em proteínas em vitaminas do complexo B. Para o transporte e armazenamento, vale apostar em uma bolsa térmica.

=Vegetais: pode parecer estranho, mas vegetais também são excelentes opções.

“Palitinhos de cenoura e de pepino, tomate cereja, brócolis cozido, podem e devem fazer parte do lanche da manhã ou lanche da tarde. São ótimos por serem de baixa calorias e boas fontes de nutrientes”, salienta Renata.

Não sinto fome, e agora?

Renata esclarece que para pessoas saudáveis, não há prejuízo em pular os lanchinhos. O mais indicado é sempre respeitar a fome. “Uma dica é se manter organizado e com boas opções à mão. Com consciência de que, se sentir fome, existem opções saudáveis, mas também que, para a maioria das pessoas, tudo bem não realizar os lanches todos os dias”.

Além das indicações anteriores, a nutricionista também sugere receitas simples e nutritivas para incrementar o cardápio:

Bolo integral de banana

Ingredientes
2 xícaras de farinha de aveia
4 bananas nanicas maduras
4 ovos
1 xícara de uvas passas
1 xícara de leite desnatado ou leite vegetal
1 col de sopa de canela
1 col de sopa de fermento em pó

Modo de preparo
Deixe as uvas passas hidratando no leite por 20 minutos. Bata tudo no liquidificador, deixando 2 bananas para decoração. Corte as bananas restantes em rodelas e coloque por cima da massa. Leve ao forno por cerca de 30 minutos.

Barrinha de cereal caseira

Ingredientes
1 xícara de aveia em flocos
1/4 xícara de semente de linhaça
1/4 de xícara de coco ralado
1/2 xícara de castanha do Pará picadas
1/4 xícara de nozes picadas
1/2 xícara de ameixas secas sem caroço
1/2 xícara de uvas passas
6 col de sopa de mel
1 pitada de canela em pó

Modo de preparo
Hidrate as ameixas e bata no mixer com o mel.Misture os demais ingredientes em uma vasilha separada e, após bater o mel com a ameixa, misture com a parte seca da receita. Acomode em uma forma coberta com papel manteiga. Leve ao forno, em fogo baixo, por cerca de 15 minutos. Retire do forno e deixe esfriar bem antes de cortar.

Vegetais com patê

Ingredientes
1 lata de atum (opcional)
3 col de sopa de creme de ricota
2 col de sopa de cheiro verde picadinho
1 cenoura ou 1 pepino cortado em formato palito

Modo de preparo
Misture o creme de ricota e o cheiro verde. Quem desejar, pode acrescentar a lata de atum. Acrescente sal e pimenta (ou o tempero que você preferir). Consuma os palitos de cenoura e/ou pepino com o patê.

Fonte: Oba Hortifruti

uNeVie lança perfumes sólidos em embalagem de madeira

Produto tem três opções de aroma: Fleur, Terre e Citrique

Você vai adorar os novos perfumes sólidos, 100% naturais, vegetais, biodegradáveis, feitos à mão, compactos, sem fixadores sintéticos e com blend de óleos essenciais que não agridem o olfato. À base de manteiga, o produto é mais profundamente absorvido pela pele do que versões líquidas, e sua fixação é de cerca de seis a oito horas, dependendo de cada organismo. E também vai se encantar com a bela e delicada embalagem composta por duas partes independentes que facilitam sua reutilização e reciclagem: madeira (na parte externa) e alumínio (interna).

São três aromas que contam com hidrolatos agroflorestais brasileiros para escolher aquele que mais combina com sua personalidade ou adquirir os três para usar de acordo com suas emoções e estado de espírito:

Fleur – blend floral com notas suaves e toque romântico que remetem à a sensação de beleza natural

Terre – blend amadeirado com notas fortes e marcantes que sugerem o frescor e a energia de árvores e plantas

Citrique – blend cítrico com notas refrescantes e efervescentes que instigam o olfato

Os perfumes são produtos multifuncionais, pois podem ser utilizados como hidratante de cutícula e leave-in para cabelo e barba. E como todos os produtos uNeVie são livres de petrolatos, silicone, sulfatos, parabenos e lauril.

Valores: de R$ 40,90 a R$ 43,80 (dependendo do aroma)

uNeVie Saboaria e Cosméticos Naturais vendas: varejo e atacado

Informações: SAC – sac@unievie.com.br; (11) 96792-1789 (WhatsApp)

Desafio de leites vegetais: ONG incentiva pessoas a adotarem dieta mais saudável e sustentável

Projeto ajuda intolerantes e novos adeptos do vegetarianismo a substituir o leite

A ONG internacional Sinergia Animal lançou o Desafio dos Leites Vegetais, uma ferramenta gratuita pensada para as pessoas que querem ou precisam parar de consumir laticínios de origem animal. Durante sete dias, os inscritos recebem comunicações diárias com dicas, receitas com substituições e informações sobre os impactos na saúde e no meio ambiente causados pelo consumo de leite animal.

“O projeto visa ajudar vegetarianos, que de acordo com pesquisa Ibope já são 14% da população brasileira, a fazerem a transição para o veganismo, estilo de vida que exclui o consumo de todos os tipos de produtos de origem animal. Além disso, também contempla pessoas que sentem desconforto digestivo após a ingestão de lactose, que segundo levantamento do Instituto Datafolha representam 35% dos brasileiros acima de 16 anos, e aqueles que desejam simplesmente explorar novas receitas”, explica Mirelle Coppi, coordenadora de ativismo e comunicações da Sinergia Animal.

Ela destaca que retirar o leite de origem animal da alimentação faz muitas pessoas descobrirem novos ingredientes e sabores. “Uma das vantagens dos leites vegetais é a diversidade: você pode fazê-lo com diversos insumos, desde soja, aveia, passando por todos os tipos de castanhas e sementes. Essa variedade pode tornar nossa alimentação muito mais nutritiva e também mostra que as alternativas podem muitas vezes ser baratas e acessíveis”, lembra Coppi, destacando que no desafio os inscritos aprendem não apenas a fazer o próprio leite vegetal, mas também diversas receitas como molhos, tortas e patês. 

Os hábitos de consumo dos brasileiros estão mudando

Foto: Steve Buissinne/Pixabay

Uma pesquisa realizada pela Euromonitor revelou que preocupações com a saúde, meio ambiente e bem-estar animal estão mudando os hábitos de consumo de produtos animais no Brasil. Entre 2013 e 2018, por exemplo, o consumo de bebidas vegetais como leite de coco, arroz, amêndoas e de outras castanhas registrou um crescimento de 35% ao ano no Brasil.

Não são poucos os motivos que explicam essa transformação. Segundo estudo realizado pela Universidade de Oxford, as emissões de gases de efeito estufa causados pela produção de leite de origem animal são até três vezes maiores do que as de alternativas vegetais. Ao mesmo tempo, estudos têm relacionado o consumo de leite de vaca com desenvolvimento de cânceres de próstata e de mama e de diabetes. Além disso, a produção de leite animal levanta preocupações a respeito da forma como as vacas são tratadas na pecuária industrial.

Conheça os benefícios de algumas das principais alternativas:

Leite de amêndoas

O leite de amêndoa é um dos mais utilizados e tem um sabor especial de nozes! É baixo em calorias, menos gordura saturada e mais gordura insaturada do que o leite de vaca. Quando feito em casa, é um dos leites vegetais que mais agrada as pessoas. Além de ter benefícios para a saúde, como gorduras saudáveis e alto índice de vitamina E. 

Leite de soja

É uma das alternativas com maior teor de proteína e menor impacto na pegada de carbono (muito menor que o leite de vaca!). As pessoas também consomem leite de soja por conter isoflavonas, que, de acordo com pesquisadores, têm efeitos anticâncer. Rico em cálcio e fósforo, pode ajudar a prevenir doenças cardíacas e osteoartrose. Também possui alto teor de ferro e vitaminas do grupo B, como folato e B6.

Leite de aveia

Foto: Antonis Achilleos – Food Stylist: Rishon Hanners

Você verá que a aveia produz um leite cremoso com sabor suave, perfeito tanto para bebidas quentes quanto para ser utilizado em várias receitas! Pode ser feito facilmente em casa e, portanto, é uma alternativa barata. Fornece mais vitamina B2 do que o leite de vaca e é rico em fibras e carboidratos de absorção lenta.

“Ainda é comum encontrar pessoas com receios sobre dietas vegetais, especialmente quando se trata de sabor — o que é absolutamente normal, já que a maioria de nós cresceu mergulhado em uma cultura alimentar muito dependente do consumo de animais. Mas o universo da alimentação vegetal é imenso e possui opções para todos os gostos. E é tendo em mente essa enorme variedade de sabores e das diferentes preferências das pessoas que propomos o desafio”, conta Coppi. 

Informações: Desafio dos Leites Vegetais da Sinergia Animal

Dieta baseada em vegetais e pouca quantidade de carne e laticínios ajuda a diminuir pressão arterial

Queijos e outros produtos lácteos, além da carne, são alimentos que devem ser consumidos com muita moderação por pacientes hipertensos. Estudo, publicado em julho no Journal of Hypertension, avaliou que mais importante que não comê-los é priorizar os vegetais na dieta.

“Segundo o estudo, qualquer esforço para aumentar alimentos à base de plantas em sua dieta e limitar produtos animais provavelmente beneficiará sua pressão arterial e reduzirá o risco de ataques cardíacos, derrames e doenças cardiovasculares”, diz a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Os pesquisadores da Universidade de Warwick conduziram uma revisão sistemática de pesquisas anteriores de ensaios clínicos controlados para comparar sete dietas à base de plantas, várias das quais incluíam produtos de origem animal em pequenas quantidades, a uma dieta de controle padronizada e o impacto que estes tiveram na pressão arterial dos indivíduos.

Foto: Olga’s Flavor Factory

“As dietas à base de plantas sustentam o alto consumo de frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, nozes e sementes, limitando o consumo da maioria ou de todos os produtos de origem animal (principalmente carne),” afirma a médica. A pressão alta é o principal fator de risco global para ataques cardíacos, derrames e outras doenças cardiovasculares. Uma redução na pressão sanguínea traz importantes benefícios à saúde, tanto para indivíduos quanto para populações.

Segundo a médica, dietas não saudáveis são responsáveis por mais mortes e incapacidades, globalmente, do que o uso de tabaco, alto consumo de álcool, uso de drogas e sexo inseguro juntos. Segundo o estudo, um aumento no consumo de grãos integrais, vegetais, nozes, sementes e frutas, como alcançado em dietas à base de plantas, poderia evitar até 1,7, 1,8, 2,5 e 4,9 milhões de mortes globalmente a cada ano, respectivamente, anualmente, de acordo com pesquisas anteriores.

“Já se sabe que dietas vegetarianas e veganas com total ausência de produtos de origem animal diminuem a pressão arterial em comparação com dietas onívoras. Sua viabilidade e sustentabilidade são, no entanto, limitadas. Até agora, não se sabia se era necessária uma completa ausência de produtos de origem animal nos padrões alimentares baseados em plantas para obter um efeito benéfico significativo na pressão sanguínea”, diz Marcella.

O estudo estima que uma redução na escala da pressão arterial causada por um maior consumo de dietas à base de plantas, mesmo com produtos de origem animal limitados, resultaria em uma diminuição de: 14% nos acidentes vasculares cerebrais, 9% nos ataques cardíacos, e 7% na mortalidade geral. “Esta é uma descoberta significativa, pois destaca que a erradicação completa de produtos de origem animal não é necessária para produzir reduções e melhorias na pressão arterial. Dessa forma, fica mais fácil para o paciente colocar em prática uma mudança em direção a uma dieta baseada em plantas”.

A pesquisa ainda sugere ações multissetoriais por parte de governos e sociedade para aumentar a disponibilidade e diminuir os custos de alimentos vegetais com a intenção de promover mudanças de políticas com foco na sustentabilidade ambiental da produção de alimentos, coleta de informações científicas e consequências para a saúde. “Introduzir mais vegetais à dieta trará uma série de benefícios à saúde. Independente da opção alimentar pessoal, as escolhas devem compor um hábito de consumo variado, equilibrado e o mais natural quanto possível”, finaliza a médica.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Nestlé lançará mais de dez itens plant-based ao longo de 2021

A primeira novidade chega em março, com a marca Nescafé Dolce Gusto, que trará ao mercado as primeiras opções de bebidas vegetais em cápsulas

No ano em que completa 100 anos de presença no Brasil, a Nestlé vai investir na ampliação de seu portfólio plant-based, como parte de seu compromisso de ajudar a levar soluções nutricionais para atender diferentes perfis e necessidades da população brasileira. No total, serão mais de 12 novos itens lançados no mercado brasileiro ao longo de 2021. Nos últimos três anos, a companhia investiu cerca de R$ 40 milhões nesta frente.

As inovações são parte de uma estratégia global da Nestlé para estar ao lado dos consumidores em suas opções, tanto para aqueles que adotaram a alimentação vegana ou vegetariana, quanto para os flexitarianos – ou seja, pessoas que seguem uma mudança de comportamento para reduzir o consumo de itens de origem animal -, além daqueles que buscam adotar hábitos alimentares e estilos de vida diversificados.

Segundo pesquisa da GFI Brasil em parceria com o IBOPE, realizada em 2020, 49% dos brasileiros declaram terem reduzido o consumo de carne e 59% já incluem bebidas vegetais em sua dieta, sendo que 39% afirmam que já consomem alternativas vegetais pelo menos três vezes por semana. Os motivos para o consumo de produtos plant-based acompanham tanto um aumento da população vegetariana quanto um maior envolvimento das pessoas com questões ambientais e busca por novas opções mais equilibradas. No caso das bebidas vegetais, o consumo também é motivado por uma parcela da população que possui intolerâncias ou alergias relacionadas ao leite animal.

Pioneirismo no mercado de cápsulas

O primeiro lançamento plant-based da Nestlé no ano será com Nescafé Dolce Gusto, a primeira marca de cápsulas a adentrar esta categoria. Serão dois novos itens do portfólio de Lattes.

O Macchiato Amêndoas é um produto marcado pela combinação da leveza das notas de amêndoas com o sabor de café levemente tostado.

Já o Macchiato Coco, traz uma mistura de grãos de café do sudeste asiático com o sabor delicioso e a cremosidade do coco. Ambos os produtos têm torrefação média e intensidade 5, além de serem opções zero lactose.

As novidades já estão disponíveis para o consumidor em caixas com 12 cápsulas, exclusivamente no e-commerce de Nescafé Dolce Gusto.

Sorvete Vegano

Em junho de 2019, a Nestlé trouxe para o Brasil mais de 20 opções de produtos plant-based da marca Nature’s Heart, produzidos pela equatoriana Terrafertil, da qual a multinacional suíça é sócia majoritária desde o início de 2018. Agora em 2021, a marca inova ao lançar o primeiro sorvete vegano para a rede Bacio di Latte. O produto será feito com bebida vegetal de aveia da linha Nature’s Heart e estará disponível nas lojas da marca em todo o Brasil a partir de março.

Jornada Plant-based

As novidades vêm somar ao portfólio da companhia nessa frente, que já conta com opções como o Ninho na versão pronta para beber, o primeiro produto plant-based para atender necessidades específicas de crianças no Brasil, lançado em setembro de 2019. Desde 2015, a marca Nesfit também já traz opções nessa frente para o consumidor, sendo a primeira marca a lançar produtos plant-based da companhia no país. Em 2020, a Nestlé lançou Nesfit Sabor Natural, produto com 7g de proteína, além de versões vegetais em pó de Ninho e Molico.

Fonte: Nestlé

Vegetais que são fontes saudáveis ​​de carboidratos

Confira alguns vegetais que são fontes poderosas de carboidratos.

Brócolis

Foto: JPPI

Quantidade: 1 xícara picada, crua ou cozida
Carboidratos: 6 gramas
Você não tem que fervê-lo pode experimentar assá-lo com um pouco de azeite e uma pitada de queijo parmesão. Você continuará voltando para este deleite que fica com sabor de nozes.

Cenouras

Foto: Scarletina/Morguefile

Quantidade: 1 xícara, cru
Carboidratos: 12 gramas
Se cenouras cozidas empapadas não inspiram você, coma-as cruas. Deixe aquelas pequenas inteiras. Corte as maiores em um ângulo para tornar cada fatia maior. Use um ou ambos para obter um molho saudável e rico em proteínas feito de iogurte desnatado, suco de limão e endro fresco.

Milho

Foto: Alvimann/Morguefile

Quantidade: 1 xícara picada
Carboidratos: 30 gramas
Isso é muito carboidrato, mas também há cerca de 4 gramas de fibra, o que ajuda seu corpo a absorvê-los mais lentamente. É difícil superar o milho fresco assado na grelha no verão. Experimente espigas inteiras com casca no micro-ondas por alguns minutos antes de grelhá-las. Isso reduzirá o tempo de cozimento e evitará que sequem.

Batata doce

Pinterest

Quantidade: 1 xícara, picada ou amassada, crua ou cozida
Carboidratos: 27 gramas
Assim como as cenouras, este vegetal com amido é rico em fibras. Também é carregado com outros nutrientes como potássio, cálcio e vitamina C. Corte em fatias finas e leve ao forno com uma leve pincelada de azeite de oliva como acompanhamento ou lanche para mastigar, crocante e de sabor delicioso. Experimente como um substituto saudável das batatas fritas.

Beterraba

Quantidade: 1 xícara, picada ou fatiada
Carboidratos: 13 gramas
Se você quiser reduzir o tempo de cozimento, não cozinhe as beterrabas inteiras como muitas receitas sugerem. Descasque-as e corte-as em oito pedaços. Coloque-os pedaços em uma assadeira e leve ao forno a 210 graus por cerca de 20 minutos. Assim que estiverem prontas, você pode servi-las em uma salada com um pouco de rúcula, nozes e queijo feta desnatado.

Pastinaca (cherivia ou cherovia)

Lebensmittelfotos/Pixabay

Quantidade: 1 xícara
Carboidratos: 23 gramas
Embora a contagem de carboidratos seja alta, eles têm 6,5 gramas de fibra por porção. Asse a 180 graus por uma hora. Misture-os com outros vegetais de raiz, como batatas, rutabagas, nabos e beterrabas para um acompanhamento colorido que é um banquete para seus olhos e sua barriga.

Couve-de-Bruxelas

Kalhh/Pixabay

Quantidade: 1 xícara, cru ou cozido
Carboidratos: 12 gramas
São 8 gramas de fibra que ajudam a equilibrar os carboidratos. Se você tem más lembranças do vegetal sem gosto e cozido demais, não tenha medo. Misture-os em uma tigela com azeite, sal e pimenta. Asse a 260ºC por 20 minutos e regue com vinagre balsâmico.

Abobrinha

MootikaLLC/Pixabay

Quantidade: 1 xícara, fatiada
Carboidratos: 3,5 gramas
Você pode usar fatias cruas, junto com aipo e pepino, em vez de chips. Ou, para algo diferente, compre um cortador em espiral e faça macarrão de abobrinha em vez de macarrão em todos os seus pratos favoritos.

Abóbora Butternut

Lebensmittelfotos/Pixabay

Quantidade: 1 xícara, cozido
Carboidratos: 21 gramas
Junto com a vitamina C, é rica em fibras com 6,6 gramas. Você pode descascar, cortar em cubos e assar a 200 graus por cerca de 30 minutos. É um ótimo acompanhamento ou um saboroso recheio de taco. Corte ao meio e leve ao forno inteiro a 180 graus por uma hora e 20 minutos, ou até que esteja macia.

Abóbora Bolota

Diane Blanco/Pixabay

Quantidade: 1 xícara, cozida
Carboidratos: 30 gramas
É uma alta contagem de carboidratos, mas eles têm 9 gramas de fibra para equilibrar. Um minuto no micro-ondas em alta fará com que cada abóbora seja mais fácil de cortar pela metade. Coloque duas colheres de sopa de suco de laranja em cada metade e asse com o lado cortado para cima por 30-45 minutos. Um pouco de canela e noz-moscada vão bem. Ou use-os como taças de entrada e recheie-as com frango, cogumelos e couve.

Abóbora

Heartland Cardiology

Quantidade: 1 xícara, em cubos
Carboidratos: 8 gramas
Se você quiser um doce de abóbora que não seja um latte ou uma fatia de torta, experimente um smoothie. Jogue gelo, 1 banana, uma xícara de iogurte desnatado, ¼ xícara de purê de abóbora e uma pitada de canela e gengibre no liquidificador. Você pode diluir com leite desnatado, se necessário.

Espinafre

Foto: Clara Sander/Pixabay

Quantidade: 2 xícaras, cru
Carboidratos: 2 gramas
Quase não tem carboidratos e muitos nutrientes. Refogue, fresco ou congelado, no alho e azeite, para um acompanhamento simples que funciona com quase tudo. Você também pode usá-lo em saladas ou em omeletes para garantir que toda a família aproveite.

Grão-de-bico


Quantidade: 1 xícara, cozido
Carboidratos: 45 gramas
São ricos em proteínas e fibras. Use-os em saladas, sopas e curry indianos picantes. Ou adicione um pouco de azeitona, suco de limão, alho e tahine (feito de sementes de gergelim) e jogue tudo em um processador de alimentos. A pasta espessa resultante, conhecida como homus (foto), é perfeita para mergulhar com pão sírio, batatas fritas ou mesmo vegetais crus.

Pimentão vermelho

Pixabay

Quantidade: 1 xícara, cru ou cozido
Carboidratos: 9 gramas
Corte-os longitudinalmente para um delicioso e simples lanche cru, sozinho ou para mergulhar em um molho. Use-os com quase qualquer refogado para obter cor e sabor. Você também pode escurecer um na grelha ou no forno. Para um acompanhamento ou prato principal isolado, recheie-os com feijão, arroz, carne ou o que quer que soe bem. Asse a 200 graus por 35 minutos.

Feijões da Marinha

Freepik

Quantidade: 1 xícara, cozido
Carboidratos: 47 gramas
Adicione-os a uma salada simples de frango cozido, pepino, cebola, óleo e suco de limão para um almoço leve e refrescante de verão. Deixe o feijão de molho durante a noite para torná-lo mais fácil de digerir (leia-se: menos gases). Se você estiver com pressa, use 10 xícaras de água para cada quilo de feijão e ferva por 3 minutos. Em seguida, reserve por uma hora ou mais antes de começar a cozinhar.

Fonte: WebMD