Arquivo da tag: vírus

Virologista da Fiocruz alerta sobre o risco iminente de novos supervírus

Durante o Foro Inteligência, Couto Motta afirmou que modo de vida atual favorece a seleção de vírus mais devastadores

O virologista e chefe substituto do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo da Fiocruz, Fernando do Couto Motta, debateu no último dia 23, durante o Foro Inteligência, o risco iminente da chegada de novos supervírus. Ele alerta que os vírus deverão trazer cada vez mais prejuízos, devido à modificação do ambiente – seja por meio do aquecimento global, da derrubada de florestas, da abertura de estradas ou da domesticação de animais silvestres.

“Essas situações nos colocam em contato com novos reservatórios de parasitas e forçam os vírus a se adaptar, com a busca de novos hospedeiros como o ser humano”, explica Couto Motta.

O pesquisador acrescenta que, “para completar a tragédia”, a população mundial se tornou extremamente numerosa e reunida em centros urbanos, o que permite uma grande concentração de hospedeiros. “Nesses casos, a evolução tende a favorecer vírus de ação rápida e devastadora. A realidade em que vivemos automaticamente seleciona agentes mais virulentos”, diz o virologista. Ele acrescenta ainda que eliminar vírus é uma tarefa extremamente difícil, porque até hoje não se sabe se eles de fato têm vida.

Couto Motta chama atenção para o perigo que a facilidade com que os vírus mudam e trocam genes traz para a vida humana. Essa característica permite que eles evoluam rápido e se multipliquem em diferentes grupos. “Ninguém sabe dizer quantas doenças eles causam. O que se conhece são algumas maneiras com que eles causam tanto estrago”, reforça o pesquisador.

Ao contrário de bactérias, que possuem uma batelada de pequenos órgãos para produzir energia, Couto Motta descreve os vírus como nada mais do que “um conjunto de DNA e enzimas embrulhadas para presente em uma camada de proteína”. Um presente de grego, diz ele. “Para se replicar, ele precisa invadir outros seres e se apropriar dos instrumentos de que eles dispõem. Os vírus têm algumas características de seres vivos, como gerar descendentes, e não têm outras, como uma existência autônoma”, afirma o virologista.

De qualquer forma, os vírus reúnem uma enorme complexidade no minúsculo espaço que ocupam. Milhares de vezes menores que uma bactéria, só podem ser vistos com potentes microscópios eletrônicos. Não se sabe como surgiram. É provável que sejam bactérias que perderam várias organelas e a capacidade de viver por conta própria ou pedaços de células que se desprenderam. O fato é que são antigos a ponto de terem interferido na evolução de quase todas as espécies. Uma prova disso veio com o mapeamento do genoma humano, quando foram encontradas sequencias genéticas de vírus escondidas no nosso DNA.

Como a SARS e o Covid-19 provaram, atualmente é muito fácil para um parasita pegar um avião e aparecer em outro lugar do mundo. “Portanto, não fique surpreso se outras grandes epidemias se alastrarem pelo mundo mais vezes”, observa o virologista.

iStock

A saída para lidar com o problema está nas vacinas. Para Couto Motta, o programa nacional de vacinas do Brasil sempre foi um exemplo. “Somos um dos poucos países produtores de vacinas. O Brasil sempre importou tecnologia para adaptar e produzir a própria vacina, temos esse conhecimento”, finaliza.

Sobre o Foro Inteligência

O Foro Inteligência reúne o Brics Policy Center e a Insight, com o apoio do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC-Rio e da Casa de Afonso Arinos. Com a proposta de manter um canal aberto com países como China, Rússia, Índia e África do Sul, visa apresentar palestras, cursos e seminários abordando problemas brasileiros não convencionais e que tangenciam as nações do bloco.

O Brics Policy Center fará a ponte com os países emergentes. Pela primeira vez, assuntos brasileiros profundos, como as facções criminosas, a questão das fronteiras do país, a ameaça dos supervírus e bactérias, gargalos da industrialização da indústria brasileira, e verdades e mentiras sobre o interesse do capital estrangeiro em investir no Brasil, serão acessados a partir de um olhar convergente com o eixo dos demais países emergentes.

Infectologistas respondem as principais dúvidas sobre a vacinação contra o vírus Sars-CoV-2

Devo me vacinar mesmo após contrair o vírus? Posso tomar as doses da vacina em locais diferentes? Veja essas e outras respostas sobre o processo de imunização

Quem contraiu a Covid-19 recentemente pode tomar a vacina?
Sim: entretanto, recomenda-se esperar ao menos 30 dias após término dos sintomas para que a infecção não atrapalhe a eficácia da vacina.

O pré-cadastro no site “Vacina Já” garante que eu serei convocado para tomar a vacina?
Não:
o “Vacina Já” somente agiliza o tempo de cadastro do paciente no momento da vacinação.

Quanto tempo após tomar a vacina eu estarei de fato protegido?
Para as vacinas utilizadas atualmente no Brasil — CoronaVac, do Instituto Butantan, e AstraZeneca, da Oxford — espera-se que a proteção efetiva ocorra após os 14 dias de vacinação da segunda dose.

Devo abandonar o uso das máscaras ou qualquer outro meio de proteção logo após tomar vacina?
Não.
O uso de máscara continuará fazendo parte da nossa rotina até quando houver imunidade coletiva.

Após quanto tempo depois de tomar a primeira dose eu poderei tomar a segunda?
Ao tomar a vacina CoronaVac, o indivíduo deve esperar entre 14 dias e 28 dias para receber a segunda dose. Para a vacina da AstraZeneca, de 4 a 12 semanas. Vale lembrar que é preciso seguir a recomendação dos profissionais de retornar ao local de vacinação somente na data da segunda dose, marcada no comprovante de vacina.

Gestantes ou lactantes podem tomar a vacina?
Os estudos de liberação das vacinas contra a Covid-19 não foram realizados em gestantes ou lactantes originalmente. Portanto, ainda não há resposta concreta. De acordo com o Ministério da Saúde “as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições, a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e o médico prescritor.” Dessa forma, caberá aos envolvidos (profissional e paciente) avaliarem o risco de contágio versus o risco de efeitos colaterais durante a gestação.

Eu já contraí a Covid-19, mesmo assim devo tomar a vacina?
Sim.
Apesar de ser incomum, em 1% dos pacientes que já tiveram infecção pela Covid-19, pode haver nova infecção e apenas a vacina conseguirá dar proteção eficaz contra o vírus.

Quais reações a vacina pode causar no organismo?
A reação principal da vacina é a proteção, conseguida por meio da produção de memória imunológica pelos componentes da vacina. Do ponto de vista de efeitos adversos as vacinas CoronaVac e AstraZeneca têm reações que podem durar de 24h a 48h e geralmente melhoram com analgésico comum. Alguns deles são:
Cefaleia
Náuseas
Diarreia
Dor no local da aplicação
Febre

Existe uma vacina melhor que a outra? Qual a diferença de resultados entre elas?
Todas as vacinas liberadas para uso só conseguem aprovação se tiverem o mínimo de proteção necessária para evitar infecções pela Covid-19 e as únicas diferenças entre elas são em relação à quantidade de efeitos adversos, número de doses e o tipo de vacina.

Quais documentos são obrigatórios apresentar no dia da vacinação?
Para o Estado de São Paulo, recomenda-se realizar o pré-cadastro no site “VacinaJá”, além de apresentar obrigatoriamente, no dia da vacinação, um documento com foto, CPF e número do cartão do SUS. Confira a relação de documentos obrigatórios para o seu estado.

Foto: Lisa Ferdinando

O que significa a taxa de eficácia divulgada pelas farmacêuticas fabricantes das vacinas?
A taxa de eficácia é o quanto a vacina protege contra uma infecção. Quando se fala em eficácia global quer dizer o quanto a vacina protege o indivíduo do vírus. Essa porcentagem pode ainda ajudar a definir quanto da população deveria ser vacinada para evitar novas transmissões.

Quem faz uso de medicamentos controlados pode tomar a vacina normalmente?
Sim.
Não há contraindicação ao uso das vacinas disponibilizadas atualmente no país em combinação com medicamentos controlados.

Se eu demorar para tomar a segunda dose mais do que o recomendado, é possível que a imunidade se perca?
Recomenda-se tomar a vacina dentro do intervalo proposto pelo fabricante a fim de garantir a eficácia da vacina.

Iamspe

Qual a diferença entre as vacinas aprovadas? Principalmente referente às reações adversas de cada uma.
A vacina AstraZeneca tem eficácia geral descrita de 82%, porém variam de acordo com a idade e as populações diferentes, podendo ser menor em alguns grupos e maior em outros.
Já a CoronaVac tem eficácia geral de 50.38%. Em relação aos efeitos adversos, as duas vacinas apresentam resultados muito semelhantes, tendo discreto aumento de reações adversas na vacina da AstraZeneca em relação à CoronaVac.

Posso tomar a primeira dose da vacina AstraZeneca e a segunda da CoronaVac?
Não.
Ainda não há segurança para dizer que as vacinas se complementam.

Tomei a primeira dose num determinado lugar. Posso tomar a segunda em outro lugar?
Preferencialmente não
. A recomendação neste momento é que se retorne ao mesmo local da primeira dose — salvo em caso de troca de Estado.

Existem exames que comprovam a presença de anticorpos contra a Covid-19 após a vacinação? Se sim, quais são?
Existe um exame chamado pesquisa de anticorpos neutralizantes, que poderia avaliar proteção pós-vacina, porém está em fase de avaliação.

Fonte: Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe)

Um ano de pandemia: o que devemos manter para deixar a limpeza da casa em ordem

Prestes a ‘fazer aniversário’, pandemia ainda requer cuidados extras para diminuir as chances de contágio

Já estamos devidamente habituados com a pandemia. Sabemos que é extremamente importante utilizar máscaras, manter o distanciamento social e lavar bem as mãos, se possível complementando com álcool em gel. Afinal, em março teremos completos um ano desde a chegada do coronavírus no Brasil.

E, desde as primeiras notícias da doença em solos brasileiros, uma série de novos protocolos em relação à limpeza foi implementada. Mas, e agora, depois desse tempo? O que precisamos manter? Renato Ticoulat, presidente da Limpeza com Zelo, relembra algumas dicas importantes que não devem ser esquecidas, mesmo com a chegada da vacina e a retomada das nossas atividades cotidianas.

=Tirar os sapatos antes de entrar em casa: esse simples ato evita que não só covid, mas outros vírus e doenças entrem em nosso lar. Para não ter problemas com vizinhos, logo depois de chegar, retire os sapatos na porta de entrada, usando luvas, e passe uma solução desinfetante neles.

=Lave as mãos com frequência e, principalmente, sempre que chegar de locais como supermercados, banco, trabalho, escola etc.

=Se trouxer alimentos ou produtos para dentro de casa, lave-os bem antes de armazená-los em armários ou geladeira.

=Sempre que possível, desinfete superfícies de alto contato, como interruptores, maçanetas de portas, controle remoto, porta da geladeira, do forno e micro-ondas. Outro objeto que fica muito exposto a sujidades e contaminantes é o nosso celular, que também merece essa atenção. A desinfecção pode ser feita com álcool 70% e um pano limpo e seco.

=Prefira aspirador de pó a vassoura, que pode levar a sujeira de um cômodo ao outro, em vez de eliminá-la.

=Nunca utilize o mesmo pano para limpar diferentes áreas da casa. Isso causa a contaminação cruzada, quando levamos sujeira de um cômodo ao outro, como do banheiro para o quarto, por exemplo.

Freepik

=Não misture diferentes produtos de limpeza: a junção de dois ou mais produtos, que têm em sua composição diversos agentes químicos, pode ser nociva à nossa saúde e emitir gases, causando alergias e reações.

Fonte: Limpeza com Zelo

Covid-19: orientações nutricionais para reforçar sistema imunológico*

O nosso sistema imunológico tem como principal função a proteção contra infecções causadas por bactérias, vírus e outros patógenos. Fatores como genética, meio ambiente, estilo de vida, estado nutricional – ou mesmo a interação de todos esses fatores – influenciam o sistema imunológico, e isso pode explicar as grandes diferenças entre as pessoas neste quesito.

A nutrição tem sido estudada há décadas em seu importante papel na imunidade. Conforme ocorre com os outros sistemas corporais, o sistema imunológico depende de nutrientes adequados para seu bom funcionamento e estudos mostram que as células imunes podem ser particularmente sensíveis à ausência ou redução de certos nutrientes e componentes dos alimentos.

Pesquisas evidenciam que a deficiência ou inadequação nutricional está associada ao comprometimento da função imunológica, contribuindo para o aumento da morbidade e mortalidade por infecções. Dessa forma, melhorar o estado nutricional e a quantidade de vitaminas e minerais é essencial para garantir a saúde imunológica, seja por meio da ingestão alimentar ou de suplementos.

Alimentos indispensáveis para o sistema imunológico:

Ômega-3: peixes (sardinha, atum, arenque, salmão selvagem), castanhas, amêndoas, nozes

Pixabay

Compostos bioativos (antioxidantes e anti-inflamatórios): frutas vermelhas/arroxeadas, verduras, legumes e sementes em geral

Bazinga1k980/Pixabay

Prebióticos: (cebola, alho, alho-poró, chicória, farinha de banana verde, batata-doce, batata yacon, biomassa de banana verde) e fibras (cereais integrais, frutas, verduras, legumes, sementes) para a saúde do intestino

Pixabay

Selênio: principal fonte castanha-do-pará (recomendado 3 unidades/dia)


Vitaminas do complexo B: levedura nutricional, sementes oleaginosas, cereais integrais

Foto: Scibosnian

Vitamina D: peixes de água salgada, ovos e manteiga

Vitamina E: azeite de oliva extravirgem, castanhas, avelã, semente de girassol, abacate

Steve Buissinne/Pixabay

Vitamina A: cenoura, batata-doce, folhas de brócolis, manga, couve

Vitamina C: abacaxi, acerola, laranja, kiwi, goiaba, brócolis, frutas cítricas, frutas vermelhas, talos da couve, salsa

Pixabay

Zinco: sementes como gergelim, chia, linhaça, castanhas, amêndoas, cereais integrais, casca da tangerina, feijões, principalmente feijão azuki

Os alimentos desta lista devem fazer parte da composição diária da dieta. Suplementos nutricionais poderão ser indicados conforme necessidade individualizada. E deve-se evitar alimentos industrializados em geral, devido à baixa qualidade nutricional.

Além de manter um padrão saudável de alimentação, regular os níveis de estresse e sono também auxiliam no sistema imunológico. Níveis elevados de estresse contribuem para o aumento de cortisol circulante. Sabe-se que os níveis de cortisol interferem diretamente na qualidade do sono. Um sono inadequado pode causar menor eficiência das células imunitárias – ou, em outras palavras, baixar a imunidade.

*Gislaine Engelmann é nutricionista clínica do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC)

Como reduzir riscos de contágio pelo coronavírus durante comemorações do Ano-Novo

Infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz reforça que a recomendação principal é ficar em casa e evitar aglomerações

Em tempos de pandemia, muitas dúvidas surgem em relação às festas de Ano Novo: “Pode se reunir com a família?”, “O que seria mais seguro?”, “Sem beijos e abraços?”. De acordo com o infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Ivan França, a regra de ouro é não se reunir com familiares e amigos, nem realizar festas.

“Esse será o fim de ano da responsabilidade. Os casos de Covid-19 vêm aumentando em todo o país. Precisamos ser responsáveis, cuidarmos de nós mesmos e do próximo”, comenta. A indicação também é a recomendada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que fez um alerta de que o mais seguro seria não realizar as tradicionais reuniões familiares desta época.

Com intuito de diminuir o risco de uma explosão de casos de Covid-19, para este final de ano, o Ministério da Saúde, em parceria com a Fiocruz, lançou uma cartilha com recomendações sobre a forma mais segura de passar as festas. O primeiro passo, como já apontado pelo infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, é ficar em casa, e no máximo celebrar com aqueles que convivem na mesma residência. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos aponta que o ideal seria reunir até seis pessoas, a depender do tamanho do local, sempre respeitando o distanciamento social de dois metros.

Caso não seja possível evitar visitas em casa, certifique-se de que os convidados estejam tomando todas as medidas de segurança para evitar o contágio de Covid-19. O primeiro passo é manter o maior isolamento possível dias antes destes encontros. Também é fundamental utilizar máscaras durante todo o tempo, só retirá-las na hora das refeições e guardá-las em um local adequado, além de higienizar as mãos com frequência, manter distanciamento seguro ao sentar à mesa e não compartilhar objetos, como pratos e copos.

Após tocar utensílios domésticos compartilhados com outros convidados, como talheres de servir, jarras, ou qualquer outro item, lave as mãos com água e sabão ou utilize álcool em gel 70° INPM. Também é recomendado que as pessoas responsáveis pelos pratos que vão compor as ceias usem máscaras enquanto manuseiam as receitas.

“Se possível, montar as ceias em lugares abertos e mais arejados, como salas com janelas ou quintais. O ideal seria que os idosos e pessoas do grupo de risco não fizessem parte de nenhuma reunião presencial, mas caso não seja possível, outra dica seria as mesas de jantar dos mais idosos ou grupo de risco estarem separadas”, explica França. Infelizmente, o especialista aponta que não será um ano para celebrar com abraços, apertos de mãos e beijos. “Isso terá que ser evitado, o risco de contágio nestes tipos de manifestações de afeto é muito grande”, reforça.

Importante também não ter música alta para que as pessoas não tenham que gritar ou aumentar o volume da fala, pois caso alguém esteja contaminado, o vírus pode ser “lançado” em um número maior de partículas virais no ambiente. Pessoas que estão com sintomas da Covid-19 ou que tiveram contato com alguém infectado não devem sair de casa. Esses casos exigem isolamento total.

“Muitos países começaram a vacinação, mas isso não quer dizer que a pandemia está acabando. O processo ainda vai demandar duas doses, estima-se que deve levar no mínimo um ano e meio para vacinar toda a população brasileira, por isso é extremamente importante que as recomendações sejam seguidas para evitar que o cenário piore ainda mais no início do próximo ano”, comenta o infectologista.

Época de férias

Nesta época do ano, muitas pessoas tiram férias e as viagens também preocupam no caso de risco de contaminação pelo coronavírus. A recomendação dos órgãos sanitários internacionais é a de não viajar, mas caso não seja possível, as dicas são as seguintes:

Foto: Anita Peppers/Morguefile

=Tenha preferência por viagens com carro próprio. Se for viajar de avião ou ônibus, não retire a máscara e dê preferência pelo uso das cirúrgicas ou a N95;
=Verifique se há hospitais com capacidade de atendimento para caso de alguma urgência no local de destino;

=Evite ir a restaurantes e bares, se puder, leve alimentos e bebidas de casa;
=Caso planeje fazer refeições em restaurantes, evite os que servem comida a quilo;


=Use máscara em todo e qualquer ambiente, como hotéis, restaurantes, praias, ruas e passeios ao ar livre;
=Verifique se o local da sua hospedagem está seguindo os protocolos de segurança e higienização, e respeitando a taxa de ocupação de conforme protocolo da cidade.


=Quando voltar da viagem, fique pelo menos 14 dias em isolamento para garantir que, caso tenha se contaminado, não transmitirá o vírus a outras pessoas.

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Erros de higienização que as pessoas ainda cometem no combate à Covid-19

A pandemia de Covid-19 alterou uma série de comportamentos em todo o mundo. Familiares, amigos, colegas de trabalho e de escola foram separados pela necessidade do distanciamento social. O uso de máscara se tornou indispensável para conter o avanço do vírus e, até mesmo dentro de casa, as pessoas precisaram rever procedimentos de higiene pessoal e de higienização dos ambientes.

Mas, embora o novo coronavírus já não seja assim tão novo, muita gente ainda se confunde na hora de estabelecer protocolos de desinfecção de superfícies e objetos. Com o vírus circulando, não basta que os espaços estejam limpos, é preciso que eles estejam devidamente higienizados.

“Muitas pessoas imaginam que estejam seguras porque estão constantemente utilizando álcool e lavando as mãos, mas é preciso ter ainda mais cuidados para garantir a própria saúde e a dos outros. Não adianta passar um paninho com álcool por cima das compras, por exemplo, porque o coronavírus pode estar presente nas reentrâncias das embalagens”, explica o coordenador dos cursos de limpeza profissional da Fundação de Asseio e Conservação, Serviços Especializados e Facilities (Facop) Mário Guedes, doutor em Ciências Biológicas.

Ele enumera nove erros que as pessoas ainda cometem, mesmo depois de tanto tempo de convivência com a pandemia.

  1. Uso do celular com máscara

Não é só por causa da Covid-19 que o celular se tornou um objeto com altas taxas de contaminação. De acordo com um estudo feito na Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, um aparelho celular pode ter dez vezes mais bactérias que o assento sanitário. Com o coronavírus à solta e o indispensável uso de máscaras, o problema se tornou ainda maior. “O indicado é não falar ao telefone de máscara porque a parte externa da máscara é onde existe a contaminação. Se você encosta o celular nela e, mais tarde, no seu rosto, pode estar se contaminando”, detalha Guedes.

Foto: Technology and Us

O conselho do especialista é de só falar ao telefone sem a máscara. Sempre que precisar usar o aparelho, higienize as mãos, tire a máscara, higienize as mãos de novo e use o telefone. Depois, higienize as mãos mais uma vez, coloque a máscara e, por fim, higienize as mãos e o celular. “É preciso lembrar que suas mãos e sua máscara podem estar contaminadas. Além disso, o celular não pode ficar largado por aí ou mesmo carregar em qualquer lugar, porque as superfícies possivelmente estão contaminadas e você estará contaminando seu telefone”, diz o professor. Por isso, sempre que apoiar o celular em algum lugar, lembre-se de higienizá-lo. É importante retirar a capinha para isso, porque a umidade que fica nos espaços entre o aparelho e a capinha costuma ser favorável para que o vírus sobreviva por mais tempo.

  1. Desinfecção das compras

Sabe aquela máquina de luz ultravioleta que alguns supermercados disponibilizam para higienizar suas compras? Não há comprovação de que elas funcionem em qualquer situação, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “O ideal é realizar as compras e, passando ou não por essa luz, higienizar tudo antes de guardar e consumir. Latas e pacotes impermeáveis podem ser lavados com água e sabão ou deixados de molho em solução de hipoclorito de sódio (conhecido popularmente como água sanitária). Deixe um espaço separado no seu veículo para acondicionar apenas as compras, de preferência o porta-malas”, afirma Guedes.

  1. Ao entrar nas residências
Foto: Site Conexão Decor

Teoricamente sua casa está livre do vírus, a menos que você a contamine. Por isso, o cuidado deve ser para que ele não passe da porta. Mas como fazer isso? Segundo o biólogo, “todas as superfícies de alto toque, como maçanetas, corrimãos, teclados de computador, entre outras, têm que ser higienizadas depois de serem tocadas – e é importante que as mãos sejam higienizadas antes de encostar nessas superfícies. Também é importante arrumar um espaço para separar uma ‘área suja’, onde devem ser deixados calçados, compras e roupas que chegam da rua”.

Foto: Heydo

Animais de estimação também precisam ter suas patinhas higienizadas antes de entrar em casa. Para isso, é indicado usar detergente neutro. Um erro comum é estar com pressa e esquecer esses cuidados ou pular etapas, bem como abrir exceções. O especialista lembra que bolsas e mochilas, por exemplo, costumam ser levadas para espaços como a cabeceira da cama. Esse tipo de comportamento contamina ambientes da casa que, em teoria, deveriam estar sem o vírus.

  1. Sapatos em casa
Foto: Nuzree/Pixabay

Diferentemente do que muitos acreditam, os sapatos não são grandes transmissores de coronavírus, de acordo com a Anvisa. No entanto, o professor alerta que tapetes higiênicos não funcionam porque, geralmente, o líquido utilizado neles é desativado pela sujeira. “O desinfetante desses tapetes não vai agir da maneira correta porque não tem o tempo necessário de contato com os sapatos e dificilmente estará com a diluição adequada”, explica Guedes. O ideal, então, é retirar os sapatos quando se chega em casa e lavá-los com água e sabão antes de guardá-los.

  1. Cuidados com o espaço de trabalho
Freepik

O problema dos espaços de trabalho é o volume de pessoas que os frequentam. Todos precisam ter cuidado com tudo o que entra nesses ambientes, assim como acontece em casa. “Não adianta tirar a mochila, colocar no chão do carro – onde você pisou ou colocou as compras – e, depois, levar a mochila para o espaço de trabalho. Tudo o que entra nesse espaço pode ser contaminante: chave de carro, mochilas, bolsas, sacolas, entre outros”, alerta Guedes.
Para ele, um dos erros é confiar em um protocolo de limpeza colaborativo, em que há um profissional de limpeza uma ou duas vezes por semana, mas, ao longo dos dias, os próprios trabalhadores higienizam suas áreas de trabalho.

“Temos as mais variadas opiniões políticas e, muitas vezes, por não acreditar na Covid-19, as pessoas não higienizam o ambiente. Isso expõe não apenas elas mesmas, mas também quem compartilha a bancada com elas, por exemplo”, destaca. Então, é fundamental fazer uma higienização rigorosa com produto desinfetante e, de preferência, com panos e papéis descartáveis, porque assim eles não se tornam mais uma fonte de contaminação.

Outro alerta é para quem costuma comer no espaço de trabalho, o que não é recomendável. Se possível, sempre que chegar e antes de sair deve-se trocar a máscara, bem como higienizar objetos, como fones de ouvido e óculos, com solução desinfetante adequada. Os óculos, aliás, precisam ser higienizados sempre que trocar a máscara ou conversar com outra pessoa. Telefones e outras ferramentas que possam ser compartilhadas precisam ser higienizados antes e após o uso.

  1. Manuseio de dinheiro e cartão

Dinheiro, cartões e outras formas físicas de pagamento são grandes fontes de contaminação. Por esse motivo, é preciso higienizar as mãos antes e depois de pegar nas cédulas ou cartões. “O papel retém o coronavírus por um longo período de tempo. Há pesquisas que falam em 48 horas, 72 horas ou até mais tempo, como uma semana. O melhor é não utilizar o cartão e, se utilizar, higienizá-lo antes de colocar de volta na carteira. No entanto, cuidado com o produto a ser utilizado para isso, porque produtos corrosivos, como o cloro, comprometem o chip. O melhor é usar desinfetante de uso geral e, em seguida, após o tempo de ação indicado pelo fabricante do produto, secar o objeto. Ou então usar um lenço umedecido desinfetante”, ensina Guedes.

  1. Uso e lavagem de máscaras
Conger Design/Pixabay

Embora as máscaras já façam parte do cotidiano da maioria das pessoas, muita gente ainda não sabe a forma correta de usá-la e, principalmente, de fazer a higienização dessas peças. Em primeiro lugar, o professor lembra que o tecido escolhido precisa ser o correto. “Mesmo com o verão chegando, tecidos muito finos ou máscaras sem camada dupla não garantem proteção alguma contra o coronavírus”, ressalta.

“Não existe máscara com íons de prata que matam o coronavírus na superfície. Não há nada comprovado sobre isso. Aquelas máscaras que têm um filtro e você troca apenas o filtro, sem higienizar a máscara, também podem não funcionar. É preciso lavar as máscaras com detergente neutro, deixar de molho por dez minutos, passar por desinfetante de uso geral, deixar de molho por dez minutos, enxaguar e secar”, pontua o especialista.

  1. Nos meios de transporte

Da mesma forma que a residência, o carro está livre do coronavírus até que alguém o contamine. Se abrir a porta e tocar no volante, no câmbio, no rádio, entre outros lugares, sem higienizar as mãos, a pessoa está espalhando contaminação nessas superfícies. As maçanetas do carro e do porta-malas, bem como a chave do veículo, têm que ser higienizadas antes de entrar no carro. “O segredo é higienizar as mãos a cada passo. Antes de pegar na chave, depois de abrir a porta, antes de sair do carro e depois de fechar a porta”, diz o coordenador dos cursos da Facop. Uma dica importante é ter sempre à mão álcool em gel 70% e lenços umedecidos desinfetantes.

Por sua vez, carros utilizados por várias pessoas, como os veículos corporativos, precisam ser higienizados entre um turno e outro, sem esquecer de botões de abertura e fechamento de vidros, trincos das portas, rádio, botão de ligar e desligar seta e tudo aquilo em que os usuários encostam. Ao andar de ônibus e outros meios de transporte coletivos também é fundamental tomar alguns cuidados. O primeiro deles é nunca encostar no rosto e, se possível, não usar o celular, fones de ouvido, óculos, no interior do veículo. Sempre que for tocar o rosto, é preciso higienizar as mãos. E não retirar a máscara por motivo algum. “Mantenha as janelas sempre abertas, mesmo com chuva, e não apoie a bolsa em lugar algum”, orienta.

  1. Em espaços coletivos

Os espaços pelos quais passam muitas pessoas todos os dias oferecem muitos riscos de contaminação pelo coronavírus. Nesses lugares, não se pode abrir mão do distanciamento social e da máscara. “Em restaurantes só se deve retirá-la na hora de comer, mas atenção: não a coloque sobre a mesa. A forma correta de fazer isso é colocá-la em um pacotinho. Ao final da refeição, higienize as mãos e coloque uma máscara limpa”, indica.

Já em recepções de prédios e ambientes semelhantes, a orientação é respeitar sempre as marcações de distância no piso e as faixas de delimitação, não abaixar a máscara e não se aproximar demais das pessoas. “Geralmente você precisa encostar em catracas ou no leitor de senhas, então, é importante higienizar as mãos antes e depois de fazer isso. O mesmo vale para elevadores e corrimãos. Tente não usar as mãos, mas os cotovelos e, no caso das catracas, a cintura”, finaliza Guedes.

Informações: Facop

Pesquisa mostra antisséptico antiviral bucal como alternativa para conter avanço da Covid-19

Com o aumento do número de casos do novo coronavírus e estimativa de uma segunda onda do vírus, a fórmula de um antisséptico antiviral bucal é uma alternativa comprovada para conter o avanço do vírus em 96%.

Um grupo de 60 pesquisadores brasileiros da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (Bauru), Instituto de Ciências Biológicas da USP, Universidade Estadual de Londrina e Instituto Federal do Paraná, desenvolveu uma fórmula com a base da tecnologia Phtalox.

Enquanto outras pesquisas similares têm sido feitas em laboratórios, as universidades seguiram com estudos em humanos, e foi comprovado que a fórmula é capaz de inativar, ao menos em 96%, a proliferação do vírus da Covid-19 na cavidade oral (região da boca), impedindo-o de avançar para o restante do organismo.

A pesquisa brasileira obteve reconhecimento Acta Cientific Dental Science  A Recommendation of Phtalox Mouthwash for Preventing Infection and Progression of COVID-19, com os autores Fabiano Vieira Vilhena, Paulo Sérgio da Silva Santos, Bernardo da Fonseca Orcina, Lucas Marques da Costa Alves, Rodrigo Cardoso de Oliveira e Mariana Schutzer Ragghianti Zangrando. Também já foi publicado no ResearchGate., e os estudos aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do Ministério da Saúde, registrados no ReBEC  – Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos e publicados na plataforma da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para garantir a comprovação científica, Fabiano Vilhena, pesquisador, Cirurgião Dentista Sanitarista e Doutor em Biologia Oral pela Universidade de Odontologia de Bauru – USP, especializado em desenvolvimento de produto, levou cerca de nove meses e envolveu seis etapas de estudos, com a participação de 107 pessoas. Desde março – quando se deram os primeiros casos oficiais de Covid-19 no Brasil – foram concluídos os estudos científicos: laboratoriais, séries de casos e estudos clínicos randomizados triplo cego.

“A higiene oral com um antisséptico bucal antiviral inativa o vírus na saliva por meio de um composto que ativa o oxigênio molecular. Ao inativar o vírus, o mesmo para de se espalhar pelo organismo. A tecnologia Phtalox faz um bloqueio químico na orofaringe e impede a progressão da doença. Existe um caminho que o vírus da Covid-19 percorre. Ao entrar no organismo, ele vai para a glândula salivar, língua, amígdala e vias respiratórias e lá ele replica para o restante do organismo. A doença tem uma rota. Começa pelas vias superiores e vai para inferiores, além de ativar respostas imunológicas por todo o corpo”, explica Vilhena.

Foi comprovado que a boca tem um papel significativo no processo de transmissão da SARS-CoV-2. Isso ocorre devido à disseminação de pequenas gotículas que torna a mucosa oral e orofaríngea alvos fáceis para o vírus ao inalar de partículas do ambiente. As evidências mostraram que é necessária uma intervenção precoce para diminuir a intensidade da carga viral. A lavagem da boca, nariz e garganta pode erradicar as partículas virais, reduzindo a carga viral em pacientes expostos ao vírus. O uso de enxaguatórios bucais para gargarejo pode ajudar a prevenir e tratar infecções respiratórias no trato superior e inferior.

De acordo com as pesquisas feitas com seres humanos, o Phtalox – um corante funcional bioativo – promove uma autoativação e produção contínua de oxigênio reativo na presença de oxigênio molecular. “Em todas as fases de pesquisa, o antisséptico bucal Phtalox demonstrou atividade antimicrobiana (incluindo atividade virucida) associada à regeneração dos tecidos moles e redução do sangramento gengival”, explica Vilhena.

De acordo com o artigo da Acta, em um primeiro ensaio, os pacientes com teste positivo para Covid-19 apresentaram rápida recuperação após o uso do protocolo de bochechos Phtalox, com redução de sintomas como dor de garganta, úlcera bucal e tosse. Esses pacientes tornaram-se assintomáticos após alguns dias de uso de antisséptico bucal antiviral. 

Dados mais completos sobre a recuperação dos pacientes estão disponíveis no Social Science Research Network (SSRN) sob o título Phtalox Mouthwash as An Option to Reduce Clinical Symptoms of Covid-19: Case Series. Este artigo já está entre os top 10 no SSRN.

O antisséptico antiviral bucal Detox Pro já está disponível no mercado, e a produção e distribuição estão sendo feitas pela Dentalclean, uma empresa 100% brasileira de saúde oral.

Nutrientes essenciais para melhorar sua imunidade durante a epidemia

Adotar uma alimentação rica em vitaminas e minerais que fortaleçam o sistema imunológico pode ajudar na prevenção do contágio pelo vírus causador da Covid-19

O número de casos de Covid-19 tem voltado a crescer e a tendência é que continue a aumentar, principalmente com a chegada das festas de fim de ano. Porém, é possível se prevenir por meio da adoção de cuidados que atuem no fortalecimento do sistema imunológico, responsável por promover a defesa natural do corpo.

“A alimentação possui um papel fundamental na manutenção e fortalecimento do organismo, pois é responsável por fornecer nutrientes essenciais para as funções orgânicas, inclusive as imunológicas”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Para ajudar você neste momento, a especialista apontou os principais nutrientes que devem fazer parte da alimentação de quem deseja turbinar o sistema imunológico. Confira:

Vitamina A: segundo Marcella, alimentos ricos em vitamina A, como fígado de galinha, ovos, peixes e frutos do mar, desempenham um papel essencial no fortalecimento do sistema imunológico, pois o nutriente é capaz de atuar no controle da expressão gênica e na diminuição dos danos ao DNA, além de atuar também na manutenção da saúde da pele e possuir propriedade antioxidante, combatendo a ação dos radicais livres e o envelhecimento precoce do organismo. Os alimentos ricos em betacaroteno, substância que no organismo se transforma em vitamina A, como damasco, cenoura, abóbora, mamão, manga e batata-doce, ajudam a manter os níveis circulantes adequados.

Vitamina C: “A Vitamina C também possui importante função no sistema imune, pois ajuda a reparar e regenerar os tecidos, protege contra doenças cardíacas, auxilia na absorção de ferro e na diminuição do colesterol total e triglicerídeos, combate os radicais livres e, em dose suplementar, diminui a duração e os sintomas de resfriado comum”, destaca a especialista. São fonte de vitamina C alimentos como frutas cítricas, acerola, goiaba, kiwi, morango, laranja, pimentão, brócolis, couve, cranberry e caju.

Vitamina B6: de acordo com a médica, a Vitamina B6, também conhecida como piridoxina, é importante para a manutenção do sistema imunológico, pois participa de mais funções orgânicas do que qualquer outro nutriente isolado, auxiliando no metabolismo das proteínas e gorduras para formação de hemoglobina. “Podendo ser encontrada na batata inglesa, aveia, banana, gérmen de trigo, abacate, levedo de cerveja, cereais, sementes, nozes, espinafre, carne de porco, peixe, leite e ovos, o nutriente também é essencial para quem deseja manter a saúde da pele e do sistema nervoso em dia”, afirma.

Vitamina E – “A Vitamina E, encontrada em alimentos como cereais, óleos vegetais, carnes e ovos, também deve estar na dieta de quem deseja um sistema imunológico saudável, pois é uma vitamina lipossolúvel necessária para o bom funcionamento de muitos órgãos do corpo, além de ter alta propriedade antioxidante, sendo extremamente útil para retardar naturalmente o envelhecimento, processo que também interfere no desempenho do sistema imune.”

Pixabay

Selênio – “O Selênio, mineral que pode ser encontrado em alimentos como ovos, castanha-do-pará, cereais como arroz integral e sementes oleaginosas como girassol aumenta a resistência do sistema imune, fazendo com que o corpo consiga combater as doenças com mais eficiência, além de diminuir o risco de doenças cardiovasculares e ajudar na desintoxicação do organismo, pois, assim como o zinco, é necessário para a síntese de enzima antioxidante.”

Zinco – é outro mineral importante, pois combate os radicais livres, ajudando o sistema imunológico a ficar preparado para lutar contra doenças crônicas. “Por isso, é fundamental que você consuma alimentos como ostras, camarão, carne de vaca, frango e de peixe, gérmen de trigo, grãos integrais, castanhas, cereais, legumes e tubérculos, que são ricos em Zinco, que ainda é essencial para que o organismo sintetize enzimas antioxidantes que protegem o organismo”, recomenda a nutróloga.

Além dos alimentos citados acima, o consumo de água e alimentos ricos em probióticos, como iogurtes e queijos, também são essenciais para um bom funcionamento do sistema imunológico. “É sempre bom lembrar que esses e outros compostos bioativos, que também impactam o sistema imune, não devem ser tomados de forma isolada sem recomendação médica. Em quantidades desnecessárias ou excessivas, os nutrientes isolados podem trazer mais malefícios que benefícios. Portanto a melhor maneira de consumi-los por conta própria é na forma de alimentos. O uso de suplementos alimentares deve ser orientado por profissional capacitado”, afirma a especialista.

“Caso você sinta que sua imunidade está mais baixa do que deveria, é importante consultar um médico, pois apenas ele poderá indicar o melhor tratamento para o seu caso”, alerta Marcella. A médica ainda ressalta que, mesmo com o consumo de alimentos que ajudam o sistema imune, é importante atentar-se aos cuidados de proteção contra os vírus e bactérias causadores de doenças respiratórias, como higienizar as mãos com frequência, ou utilizar álcool em gel quando não se tem acesso à agua e sabão, não beijar, abraçar ou apertar as mãos das pessoas, cobrir boca e nariz ao espirrar ou tossir e evitar o compartilhamento de copos, talheres e qualquer utensílio de uso pessoal, evitar aglomerações e não esquecer de usar a máscara de proteção.

Fonte: Marcella Garcez é nutróloga, mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

O que são os vírus de origem alimentar e como podem ser evitados?

Gastroenterite e hepatite são as síndromes mais comumente relatadas de vírus transmitidos por alimentos. A contaminação de alimentos com vírus patogênicos é causada por práticas de higiene inadequadas na linha de produção ou contato do alimento com dejetos animais ou esgoto.

Por conta do novo coronavírus, readequamos nossa higiene e passamos a nos preocupar mais com tudo aquilo que entra em nossa casa, desde pessoas que nos visitam até uma simples compra de mês para abastecer a despensa. E, com relação aos alimentos, esses cuidados já deviam fazer parte da nossa rotina há anos, porque existem vírus cuja origem provém de alimentos e bebidas.

“Eles são tipicamente e altamente resistentes a fatores ambientais, como baixo pH (acidez) e calor. Isso os torna persistentes, de modo que podem permanecer infectantes por mais de um mês em alimentos e água. Como se originam nos intestinos de humanos e animais, esses vírus se espalham predominantemente por fezes e outros fluidos corporais. A contaminação de alimentos com vírus patogênicos é frequentemente causada por práticas de higiene inadequadas na linha de produção ou no contato do alimento com dejetos animais ou esgoto”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

“Gastroenterite e hepatite são as síndromes mais comumente relatadas de vírus transmitidos por alimentos”, completa a médica.

Os alimentos mais comumente associados a vírus de origem alimentar incluem mariscos, que são colhidos perto de esgotos humanos, carnes malcozidas, bem como frutas e vegetais, orgânicos, que são cultivados em solos fertilizados com resíduos de animais. “Mesmo se os sistemas de esgoto forem tratados, a remoção do vírus e a eficiência da remoção dependem de quanta carga viral está presente”, diz a médica.

Embora muitos tipos diferentes de vírus gastrointestinais possam ser encontrados em humanos, a gastroenterite causada pelo norovírus humano e o vírus da hepatite A (HAV) são relatados predominantemente com vírus transmitidos por alimentos. Outros vírus, incluindo enterovírus, sapovírus, rotavírus, astrovírus, adenovírus e vírus da Hepatite E, também foram associados às transmissões por meio de alimentos e água.

Norovírus

Pixabay

O norovírus causa gastroenterite, cujos sintomas são diarreia, vômito, febre, dores de cabeça e dor abdominal. “As causas bacterianas de gastroenterite incluem Campylobacter, que está associada a alimentos crus ou malcozidos, Salmonella, que geralmente é encontrada em carnes ou ovos, e Listeria, que pode estar presente em alimentos prontos. Eles causam sintomas como diarreia, vômito e febre, mas também podem levar a doenças potencialmente fatais e morte”, diz a médica. Em todo o mundo, o norovírus é a causa mais comum de gastroenterite aguda. Cerca de 1 em cada 5 casos em países desenvolvidos são causados por norovírus.

Hepatite A

Outro vírus comum de origem alimentar é a hepatite A, que causa inflamação do fígado. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça, náuseas e vômitos, diarreia, dor abdominal e icterícia (coloração amarelada da pele e/ou dos olhos). “O vírus é responsável por 50% dos casos de hepatite e geralmente é autolimitado, o que significa que o patógeno desaparece ou seu hospedeiro morre. No entanto, o vírus da hepatite A raramente pode causar insuficiência hepática (exigindo um transplante de fígado) ou morte”, explica.

Carga global de doenças causadas por vírus transmitidos por alimentos

As doenças transmitidas por alimentos são os principais contribuintes para a carga global de doenças. Os surtos e as doenças associadas não afetam apenas a saúde dos pacientes, mas também aumentam os custos do tratamento e das medidas para prevenir novos surtos. O potencial desses vírus para se espalharem por meio das fronteiras é imenso devido às condições de viagem irrestritas em muitas partes do mundo.

“Portanto, as avaliações de risco em segurança alimentar são as principais prioridades para reduzir o risco de vírus transmitidos por alimentos. Embora esses vírus sejam motivo de preocupação para a indústria de alimentos, alguns países industrializados começaram a monitorar os vírus de origem alimentar apenas recentemente. Devido à falta de métodos de detecção adequados para quantificar a carga viral presente e aos baixos níveis de vírus presentes nos alimentos, o risco de propagação permanece”, explica a médica nutróloga.

Atualmente, o único método usado na detecção de vírus em alimentos é baseado em ácidos nucleicos virais e enfoca os patógenos do vírus da Hepatite A e do norovírus. Porém, para fins de avaliação de risco, torna-se difícil determinar se o vírus detectado leva a uma doença ou não, pois não é possível avaliar se o vírus continua infeccioso ou se torna infeccioso posteriormente. Notícias recentes relatam surtos de Listeria causados por carnes fatiadas e queijos nos EUA e sanduíches em hospitais do Reino Unido que levam à morte de pacientes, mostrando a importância da higiene durante o processo de manipulação dos alimentos.

Os vírus de origem alimentar podem ser evitados?

Para evitar o risco e a propagação de vírus de origem alimentar, a segurança alimentar e a manutenção de uma boa higiene são muito importantes durante o manuseio dos alimentos. “Por exemplo, lavar as mãos e evitar a contaminação cruzada usando diferentes tábuas de cortar para carnes e vegetais pode ajudar a impedir a propagação do vírus. Cozinhar bem em certas temperaturas também pode ajudar a matar os vírus presentes. Alimentos que são consumidos crus ou malcozidos apresentam maior risco de conter vírus de origem alimentar, portanto devem ser higienizados com maior cuidado, particularmente os vegetais orgânicos, que são livres de toxinas, mas podem carregar patógenos”, diz a médica.

“Além disso, os fabricantes de alimentos devem realizar avaliações de risco e educar sua equipe sobre os riscos da falta de higiene durante o manuseio dos alimentos. Isso é fundamental para evitar a propagação dessas doenças”, finaliza a médica.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Verdades e mentiras a respeito das vacinas contra a Covid-19

Profª Drª Lúcia Abel Awad, imunologista com pós-doutorado em doenças infecciosas, esclarece as dúvidas

Há muitos mitos e inverdades sobre as vacinas que estão sendo produzidas para o combate da Covid-19. Para esclarecer as dúvidas, a Profª Drª Lúcia Abel Awad, imunologista com pós-doutorado em doenças infecciosas, respondeu algumas perguntas a respeito do tema.

O Ministro da Saúde afirmou em outubro que, em janeiro de 2021, vai começar a vacinar todo mundo. Mas o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, disse que a vacina não deve ser disponibilizada para toda a população. A vacina deve ou não ser para todos? Ou só para os grupos de risco?
R. Sim, a vacina deve estar disponível para todos. Porém, estamos diante de um enorme desafio, que é o de avaliarmos as vacinas em plena pandemia. Temos que compreender o tempo da ciência, as vacinas nunca foram testadas com tanta rapidez. Antes de qualquer situação, precisamos saber se elas irão conferir proteção, ou seja, se serão capazes de induzir a produção de anticorpos neutralizantes contra o SARS- CoV-2. Para termos esta resposta, temos que aguardar os resultados dos estudos da fase III. É compreensível que a pressão seja enorme para termos uma vacina, mas ressalto a importância de termos os resultados dos estudos para, de fato, comprovarem seu efeito, segurança e toxicidade e, a partir daí, iniciarmos o processo de imunização em massa. Está previsto que as primeiras doses das vacinas sejam disponibilizadas entre dezembro deste ano e janeiro de 2021. O Ministério da Saúde assumiu inicialmente a compra de 30 milhões de doses da vacina de Oxford, enquanto aguardamos a finalização dos testes clínicos. Sendo assim, esta quantidade de doses estará disponível para 15 milhões de pessoas, visto que serão necessárias duas doses da vacina, com prioridade aos profissionais da saúde, pessoas de grupo de risco como idosos, indivíduos com diabetes, obesidade, hipertensão e outras doenças nas quais exista algum comprometimento do sistema imunológico. Uma vez comprovada a segurança e a eficácia da vacina de Oxford, estão previstas mais 70 milhões de doses. Enquanto aguardarmos as vacinas com os resultados da fase III, investimentos em fábricas, logística, distribuição, infraestrutura e qualificação de profissionais são fundamentais para o início do processo de imunização em massa.

Foto: Fernando Zhiminaicela/Pixabay

No mundo há grupos contra a vacinação, inclusive com correntes, nos Estados Unidos, se manifestando contra as vacinas. No caso da Covid-19, qual a sua opinião?
R.
Eu acredito que esses movimentos antivacinas estão perdendo força neste momento da pandemia, por se tratar de uma doença de curso rápido e alta letalidade para alguns pacientes. Uma pesquisa feita recentemente, mostrou que cerca de metade dos adultos nos EUA (51%) receberia a vacina, caso estivesse disponível, ao passo que 49% disseram que não tomariam ou provavelmente não receberiam. Comparativamente às pesquisas anteriores, o número de norte-americanos a favor da vacina vem aumentando, indicando uma maior aderência ao processo de imunização. Aqui no Brasil, graças ao acesso gratuito à uma ampla variedade de vacinas, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Programa Nacional de Imunizações (PNI), as pessoas acreditam nos benefícios das vacinas, visto que as campanhas de vacinação resultaram na erradicação de doenças importantes. O Japão está entre os países com maior desconfiança com relação às vacinas, de acordo com trabalho publicado na revista The Lancet no mês de setembro. Hoje, a maior preocupação das pessoas está no fato de que os interesses políticos e das indústrias farmacêuticas estejam à frente das etapas que devem ser cumpridas com os testes vacinas, temendo uma aprovação precoce antes mesmo da finalização dos testes clínicos. Por outro lado, os movimentos antivacinas comprometem os esforços de imunizar a população visando acabar com a pandemia. Existem grupos alegando que as vacinas com RNA mensageiro, cujo propósito é promover a produção de resposta imune contra o Sars-Cov-2, podem alterar o DNA das nossas células, mas essas informações são falsas e não têm embasamento científico.

O presidente Jair Bolsonaro afirma que a vacina não pode ser obrigatória. Na sua opinião, deve ser ou não?
R.
Na minha opinião, o presidente não foi feliz nesta fala, já que criticou a obrigatoriedade da vacinação. Vale lembrar que ele mesmo sancionou uma lei que prevê a obrigatoriedade da vacina em fevereiro deste ano, na gestão do então ministro Luiz Henrique Mandetta. Não vejo isso como uma questão de opção, uma vez que, caso alguém se negue a tomar a vacina, poderá transmitir a doença para outra pessoa. É dever do nosso presidente e das autoridades públicas conscientizarem a população e mostrarem a importância do procedimento, visando não apenas a proteção individual, mas também a coletiva.

Pixabay

Com relação aos idosos, a vacina será 100% eficaz?
R.
À medida que envelhecemos as condições de saúde associadas ao envelhecimento como aparecimento de doenças cardíacas, câncer, doenças metabólicas e autoimunes, podem surgir com maior frequência. A senescência do sistema imunológico trabalha em condição menos efetiva e mais inflamatória em idosos, o que poderia prejudicar a resposta às vacinas contra a Covid-19. Entretanto, se os outros grupos de pessoas mais jovens tomarem a vacina, estarão protegidas e protegerão os mais idosos. Os testes em andamento com a vacina de Oxford ampliaram a idade para maiores de 65 anos, com o objetivo de avaliar se a vacina será efetiva. As outras vacinas também contemplam a inclusão de grupos de pessoas idosas; a ideia é que proteja também essas pessoas, assim como outras vacinas hoje disponíveis.

Há alguma contraindicação com relação à vacina? Ou todos podem tomar?
R.
As vacinas são contraindicadas para pessoas com imunodeficiências que façam uso de corticoides, a pacientes imunossuprimidos, como, por exemplo, transplantados, ou que tenham doenças autoimunes. Imunidade pré-existente em resposta a algum componente vacinal pode interferir na eficácia das vacinas.

Há algum efeito colateral? As vacinas contra influenza apresentam alguns. A vacina da Covid pode apresentar efeitos adversos mais severos?
R.
As reações adversas mais comuns até agora evidenciadas nos testes vacinais foram dor e inflamação no local da aplicação da injeção. Os efeitos menos comuns e de curta duração: febre, fadiga, dor de cabeça e dor muscular. A maioria dos eventos adversos relatados foram de gravidade leve ou moderada. Processos alérgicos decorrentes de algum componente vacinal podem ocorrer, mas são raros. Outro risco que merece atenção, e foi observado recentemente em um voluntário com a vacina de Oxford, foi o desenvolvimento de uma resposta autoimune. Estes casos devem ser avaliados com muita atenção. Mas, um dos principais temores dos cientistas está na possibilidade da vacina provocar uma doença mais aguda para quem tomá-la, caso seja infectado pelo SARS-Cov-2. Esse receio tem origem em estudos feitos com outros tipos de coronavírus, que mostraram que animais imunizados com vacinas contra outros tipos de coronavírus, nos testes pré-clínicos, tiveram uma doença pior em relação àqueles que não foram vacinados. Isso é um fenômeno que acontece quando não detectamos uma resposta imune com produção de anticorpos neutralizante do vírus. Todos os testes pré-clínicos realizados com as vacinas contra a Covid-19 em andamento, mostraram que essas vacinas promoveram a produção de anticorpos protetores.

Pete Linforth/Pixabay

Após tomar a vacina, quanto tempo a pessoa fica imunizada?
R.
Estudos realizados pela Instituto de Biotecnologia de Pequim, em parceria com a empresa Cansino, e publicados na revista The Lancet, demonstraram que, utilizando um vetor viral, ou seja, um vírus do resfriado humano vivo, porém enfraquecido pelo adenovírus 5, a vacina é tolerável e imunogênica, com resposta de anticorpos após 28 dias da vacinação, com resposta de células T evidenciadas, 14 dias após a vacinação. Entretanto, alguns pacientes apresentaram uma resposta imune a parte do adenovírus (AD5) da vacina e não contra a SARS-Cov-2, ou seja, contra a proteína da espícula. Por conta disso, vacinas com este vetor AD5 foram descontinuadas. A vacina de Oxford, por sua vez, que utiliza o adenovírus de macaco expressando a proteína da SARS-Cov-2 (proteína da espícula), os resultados mostram uma forte resposta de anticorpos neutralizantes após 28 dias da imunização, com resposta imune de linfócitos T específicas no 7o dia, com pico no14 o dia, e mantidas até o 56 o dia, de acordo com os resultados publicados na revista Lancet. A vacina se mostrou imunogênica e bem tolerada; estudos com pacientes idosos e crianças com maior número de voluntários expostos ao vírus estão sendo analisados neste momento. O uso de vacina com adenovírus de chipanzés garante não existir uma imunidade pré-existente em voluntários, o que torna a vacina de Oxford muito promissora.

A vacina terá que sofrer alterações por causa das mutações do vírus?
R.
Um estudo recente publicado na revista PNAS, mostrou que o vírus da Covic-19 sofreu mutações mínimas desde dezembro de 2019, o que nos mostra que não teremos problemas na elaboração de vacinas contra a Covid-19. A presença de mutações em vírus é um fator limitante no desenvolvimento de vacinas como no caso do HIV, influenza e dengue

Há algumas vacinas que estão sendo produzidas. Oxford, Butantan, americana… Há alguma melhor, mais eficaz? Ou as informações são ainda muito prematuras?
R.
O Brasil tem quatro vacinas contra a Covid-19 em fase III de testes clínicos em andamento. A vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford do Reino Unido, a vacina das farmacêuticas Pfizer (EUA) e Biontech (Alemanha), e a vacina Coronavac da empresa Chinesa Sinovac e a da empresa Johnson & Johnson. A vacina de Oxford e a Coronavac estão em fase mais adiantada, a fase III dos testes clínicos, e são as vacinas candidatas para registro. Os resultados da vacina de Oxford apresentaram resultados muito promissores e foram publicados recentemente. Na minha opinião é a mais promissora.

A Covid-19 ‘do futuro’ deverá ser sazonal como outros vírus respiratórios. Artigo recente publicado no periódico Frontiers in Public Health, indica que, após a imunidade coletiva ser atingida, a Sars-CoV-2 poderá ser mais problemática em determinadas épocas do ano.
R.
Ao que tudo indica esse novo coronavírus também se tornará uma doença respiratória sazonal, como outros tipos de coronavírus, possivelmente trazendo mais problemas no inverno. A Covid-19 veio para ficar e continuará a causar surtos ao longo do tempo até que a imunidade coletiva seja atingida. As pessoas precisarão aprender a viver com a doença e a continuar praticando as medidas de prevenção, principalmente o uso de máscaras, evitar aglomerações, manter o distanciamento social e a higiene das mãos. Apesar de sabermos muita coisa sobre esse novo coronavírus, ainda estamos aprendendo sobre a doença.

Foto: Fernando Zhiminaicela/Pixabay

No caso da vacina, o objetivo inicial é proteger contra a doença, mas também protegerá contra a infecção?
R.
Por isso há a importância de se testar a vacina em um grande número de pessoas; não sabemos se isso vai gerar uma resposta imunológica boa o suficiente para proteger contra a Covid-19. Espera-se que a vacina seja capaz de induzir a produção de anticorpos neutralizantes impedindo a entrada do vírus nas células e, consequentemente, a disseminação da doença. A outra possibilidade é que o vírus consiga infectar a pessoa, mas graças à vacina, provoque uma manifestação menos grave da doença. O vírus continuará a circular na população porque não está sendo impedido de infectar, mas sua capacidade de causar os sintomas e as consequências mais graves da infecção será reduzida. O ideal é que a vacina proteja as pessoas do grupo de risco.

Fonte: Lúcia Abel Awad é imunologista, professora e doutora em doenças infecciosas