Dia Mundial da Osteoporose: dicas para um futuro sem a doença

SBGG reforça a necessidade de conscientização e destaca a importância da prevenção à esta patologia que afeta cerca de 15 milhões de brasileiros

Hoje, 20 de outubro, marca o dia de conscientização sobre uma doença que afeta grande parte da população idosa: a osteoporose. A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) reforça a importância desta campanha e alerta para a prevenção, diagnóstico e tratamento desta patologia que pode trazer muitas consequências negativas para a saúde daqueles com mais de 60 anos.

A osteoporose é uma enfermidade caracterizada pela redução da qualidade e da densidade mineral óssea, causando predisposição à fragilidade dos ossos e risco aumentado de fraturas. Cerca de 15 milhões de pessoas convivem com a doença no Brasil atualmente, de acordo com o Ministério da Saúde. Estima-se que a cada três segundos ocorra uma fratura osteoporótica em algum lugar do planeta. São aproximadamente nove milhões de fraturas, anualmente, em todo o mundo, sendo a maior parte destas, na população idosa. A incidência de fraturas aumenta exponencialmente nas idades mais avançadas.

“Existem muitos fatores de risco que aumentam a chance de desenvolver osteoporose, sendo dois dos mais significativos o sexo e a idade. Mulheres com mais de 50 anos ou na pós-menopausa têm maior risco. Isso porque elas sofrem rápida perda óssea nos primeiros dez anos após a menopausa, devido à redução dos níveis de estrogênio, hormônio que protege contra a perda óssea excessiva”, explica a geriatra Ana Cristina Canêdo, que compõe a atual Diretoria da SBGG, e é coordenadora do Programa de Residência médica em Geriatria do Núcleo de Atenção ao Idoso, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A osteoporose também afeta os homens e pode ser ainda mais fatal para eles. “Espera-se que cerca de 80 mil homens fraturem o quadril anualmente. Além disso, eles têm maior probabilidade de morrer um ano após a fratura do quadril. A osteoporose pode ocorrer em pessoas de todas as raças e etnias. Em geral, no entanto, brancos e asiáticos possuem maior risco”, pontua.

Ela explica que a patologia possui um forte componente genético, sendo considerada uma doença poligênica. Isto significa que o histórico familiar está muito relacionado ao risco de ter a doença. Por isso, é preciso dar atenção aos sinais. Ter pais ou avós com indícios de osteoporose, como fratura no quadril após uma pequena queda, está associado a um risco maior de desenvolver a osteoporose.

Os locais mais comuns atingidos pela osteoporose são a coluna (vértebras), a bacia (fêmur), o punho (rádio) e braço (úmero). Ana Canêdo esclarece que, entre estas, a fratura mais perigosa é a do colo do fêmur. “Um quarto dos pacientes que sofrem esta fratura morrem dentro de seis meses e os que sobrevivem apresentam uma redução importante da qualidade de vida e independência”.

Doença silenciosa

A osteoporose é uma doença silenciosa, raramente apresenta sintomas antes que chegue a um estágio mais grave, isto é, uma fratura óssea. O ideal é que sejam feitos exames preventivos periódicos para ela ser diagnosticada a tempo de se evitar as fraturas. O principal deles para o diagnóstico da osteoporose é a densitometria óssea (DMO).

“O exame está indicado para todas as mulheres a partir de 65 anos e homens com 70 anos ou mais. Além disso, as mulheres com menos de 65 anos na pós menopausa e os homens com mais de 50 anos, que possuam fatores de risco, também devem realizar a DMO para confirmar a presença da osteoporose”, afirma Ana Cristina.

Prevenção

De acordo com a especialista, para um futuro sem osteoporose ou fraturas, deve-se investir em prevenção ao longo da vida. As principais recomendações são exercitar-se regularmente, incluindo exercícios de fortalecimento muscular e treinamento de equilíbrio. Garantir uma nutrição rica em cálcio e proteínas – principais nutrientes para a saúde óssea, e buscar níveis suficientes de vitamina D, que podem ser obtidos pela exposição à luz solar em horários seguros, ou através da suplementação sob prescrição médica. Além disso, evitar hábitos prejudiciais, como tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas, são estratégias importantes para a prevenção.

Tratamento

iStock

O tratamento da osteoporose envolve o uso de medicamentos que diminuem ou mesmo interrompem a perda de massa óssea, tendo como principal objetivo a redução do risco de fraturas. Há diversas classes de medicamentos que poderão ser utilizadas, porém a seleção do medicamento deverá ser feita pelo médico especialista de acordo com as particularidades de cada paciente. Além disso, são empregadas medidas para diminuir o risco de fraturas, como fortalecimento muscular, treinamento de equilíbrio e adaptações para reduzir a ocorrência de quedas.

Fonte: SBGGSociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s